Arquivo da categoria: Bahia

Você Sabia? Esporte Clube Ypiranga – Salvador (BA), mudou o nome e as cores em 1962

Esporte Clube Ypiranga é uma agremiação da Cidade de Salvador (BA). O Aurinegro, clube do coração de Jorge Amado (um dos maiores escritores do país), é o 3º clube com mais títulos baianos, depois do Bahia e do Vitória, com 10 conquistas.

E também um dos mais tradicionais clubes baianos. No início do século XX, jovens excluídos da sociedade por vários motivos, principalmente por fatores étnicos, sociais e econômicos e por conta disso, impedidos de participaram de clubes de futebol no Brasil.

Com isso, decidiram fundar um clube que unisse o povo pobre da cidade em detrimento dos privilégios das elites, surgiu o Sport Club Sete de Setembroem 17 de abril de 1904, mas que em 07 de Setembro de 1906, surge uma nova equipe, agora chamada de Sport Club Ypiranga, nome escolhido de forma emblemática, fruto do momento conjuntural de construção da identidade nacional.

O Esporte Clube Ypiranga é a síntese da união dos excluídos da cidade, que querem se integrar construindo um tempo novo, rompendo com privilégios das elites arraigadas pelo escravismo do antigo regime imperial.

A partir daí então o Esporte Clube Ypiranga figurou como destaque no cenário baiano, ganhando 10 títulos estaduais (sete de forma invicta), nos anos de 1917, 1918, 1920, 1921, 1925, 1928,1929, 1932, 1939 e 1951.

Assim como também 10 vezes ficou com o vice-campeonato. O time também conquistou o Campeonato do Norte-Nordeste em 1951, e, o Torneio Início em oito oportunidades: 1919, 1922, 1929, 1933, 1947, 1956, 1959 e 1963.

Em 1962, o clube muda o nome e as cores

Poucas pessoas sabem, mas  o Esporte Clube Ypiranga, de Salvador (BA), alterou o seu tome e também as cores. Em 1962, a diretoria mudou para “Clube de Futebol Ypiranga” e trocou o amarelo e preto para o verde e branco.

No início do mês de setembro de 1963, o CND (Conselho Nacional de Desportos), que na época era a última instância no esporte brasileiro, autorizou a mudança do nome e das cores. Vale lembrar que as federações não tinham autonomia para dar a última palavra em questões jurídicas sem o aval do CND.

O órgão foi responsável pela regulação e regulamentação de todos os esportes e suas respectivas federações e confederações no Brasil. Após sua extinção, em 1993, nenhum órgão assumiu suas funções.

A estreia aconteceu na tarde de domingo, do dia 30 de Setembro de 1962, no clássico baiano, diante do rival Vitória, no estádio da Fonte Nova. O descontentamento, em relação às cores, pode ser visto até na imprensa local, como foi o caso do Jornal A Tarde, que destacou na sua manchete: “Canários camuflados de periquitos pegaram os leões pelo pé, na Fonte Nova“.

A torcida também não aceitou a mudança das cores, tempos depois o clube voltou atrás, retornando ao aurinegro. O que não se sabe é o tempo que durou o alviverde. Já o nome durou cerca de uma década, quando a diretoria voltou ao nome anterior: Esporte Clube Ypiranga.

Grave crise financeira gerou o declínio

Nos anos que se seguiram o Ypiranga enfrentou forte crise financeira, estrutural e administrativa e deixou de figurar entre os clubes vencedores do futebol baiano e nordestino.

Porém, é inegável nos dias de hoje o reconhecimento da tradição que o clube preserva entre os amantes do futebol. Por todos esses motivos, profissionais competentes, visionários, amantes do futebol e da história desse centenário e glorioso clube, que faz parte da cultura, da sociedade e do esporte baiano, vêm tomando a frente da administração do clube, a fim de torná-lo grande novamente.

Já no Campeonato Baiano da 2ª Divisão, o clube detém 2 títulos, um conquistado em 1983 e outro em 1990 (de forma invicta). A categoria Juvenil do Ypiranga também conquistou diversos títulos ao longo dos anos.

HINO DO CLUBE

ATUALIDADE

A administração de Emerson Ferretti (ex-jogador) e Valdemar Filho tem trabalhado para recuperar os tempos de glórias e vitorias, o time profissional disputou o Campeonato da Segunda Divisão de 2010 depois de 3 anos ausente, em 2011 quase subiu para a primeira ficando em terceiro. Na Segunda Divisão de 2012, o Ypiranga conseguiu chegar às semifinais.

Contudo, foi eliminado pela Jacuipense, que mais tarde seria derrotada na final pelo Botafogo. O time juvenil já disputou a Copa 2 de Julho duas vezes, competição internacional realizada na Bahia, e também disputou, junto com o time infantil, o Campeonato Baiano da categoria.

Em março de 2012, assinou contrato com a fornecedora de material esportivo italiana Lotto. Porém, em fevereiro de 2013, o clube fechou um novo contrato com a brasileira Super Bolla.

No fim de 2013, focando na competição de 2014, o clube se reformulou administrativamente contratando novos diretores para as áreas jurídica, de futebol e de marketing. No jurídico assumiu como diretor o advogado Ricardo Maracajá, especialista em direito tributário e administrativo, com ele veio o novo gerente jurídico Fernando Santos, advogado especialista em direito civil.

Com o lançamento do plano de sócio-contribuinte, será iniciada a reestruturação do CT da Vila Canária e, assim, poder disponibilizar seu parque aquático aos seus associados e também modernizar a estrutura do futebol.

FONTES: Jornal da Tarde (BA) – Jornal dos Sports – Site do clube – pesquisador Ubiratan Brito

Inédito!!! Feira Esporte Clube – Feira de Santana (BA): Três participações na Elite do futebol baiano, em 1969, 1970 e 1971

IMPORTANTE! Caso compartilhe dê os devidos créditos ao autor (Sérgio Mello) e ao blog (História do Futebol). Vamos valorizar quem pesquisa, quem redesenha e quem busca apresentar raridades aos aficionados pela história, pelos escudos, pelo futebol em si! Obrigado!

O Feira Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Feira de Santana (BA). Fundado na sexta-feira, do dia 02 de Julho de 1937, como Associação Desportiva Bahia (Bahia de Feira), onde disputou as competições regionais na esfera amadora.

A Sede está localizada na Rua Excelsior, nº 58 – 35º BI, em Feira de Santana. O seu Estádio é o Professor Jodilton Oliveira Souza, “Arena Tremendão“, com capacidade para cerca de 4 mil pessoas.   

Em 1954, a Federação Baiana convidou o Bahia de Feira para participar do No Campeonato Baiano da 1ª Divisão. No entanto, como o Campeonato de Feira de Santana era forte e rentável, a diretoria agradeceu pelo convite, mas declinou da ideia de se profissionalizar e seguiu no amador.

Treze anos depois, novamente a Federação Baiana de Futebol, por meio do seu presidente, o advogado Carlos Alberto de Andrade, ‘estadualizou’ o campeonato. Inicialmente convidou o Conquista, Itabuna, Colo-Colo (Ilhéus), Flamengo (Ilhéus), Cruzeiro da Vitória (Ilhéus) e o Bahia de Feira para jogar a Elite do Futebol Baiano de 1967, e, dessa vez aceitou.

O time surgiu no final de 1968 e início de 1969. A história que originou o seu surgimento é, no mínimo, curiosa. Segundo o Sr. Juscelino, o Fluminense de Feira tinha um chefe de uma torcida organizada, chamado Horácio.

E, este, tinha um grande sonho de ter na cidade uma equipe chamada Feira Esporte Clube. Ele afirmou que se este time fosse criado ele largaria o Flu de Feira e passaria a torcer pelo Feira Esporte Clube.

Ao saber desse desejo do Horácio, a diretoria do Bahia de Feira, achou interessante a ideia e aceitou a sugestão e decidiu alterar o nome do clube: saindo Associação Desportiva Bahia para a entrada de Feira Esporte Clube.

O auri-rubro participou de três edições do Campeonato Baiano da Primeira Divisão, organizado pela FBF (Federação Baiana de Futebol): 1969, 1970 e 1971.

Após a disputa do Estadual de 1971, a diretoria resolveu voltar ao nome antigo: Associação Desportiva Bahia de Feira (agregando ‘de Feira’ no nome).

Colaborou: Gerson Rodrigues

Desenho do escudo, uniforme e texto: Sérgio Mello

FONTE: Jornal Grande Bahia – Sr. Juscelino Machado (torcedor fanático pelo Bahia de Feira) – Pesquisador, Pedro Nunes

Amistoso Nacional: E.C. Vitória (BA) 3 x 1 São Cristóvão F.R (RJ)

Na tarde de domingo, do dia 05 de Abril de 1953, o São Cristóvão e Vitória, se enfrentaram no Estádio da Fonte Nova, em Salvador (BA). O Vitória, uma semana antes, se sagrou campeão do Torneio Início baiano, enquanto o time Cadete, dias antes, faturou o título invicto do Torneio Quadrangular, em Campinas (reuniu, o Guarani, Ponte Preta e America-RJ).      

O São Cri-Cri quatro dias antes de enfrentar o rubro-negro baiano, perdeu o técnico Mario Faccini, que se desligou do clube para dirigir o Guarani de Campinas (SP). Assim, que foi escolhido para ser o “treinador tampão” foi o zagueiro e capitão Índio que acumulou as funções de jogador e técnico. O chefe da delegação dos Cadetes foi o Sr. Alvino Braga da Silva.   

E.C. VITÓRIA (BA)     3  X  1  SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Otávio Mangabeira, a “Fonte Nova“, em Salvador (BA)
CARÁTERAmistoso Nacional
DATADomingo, do dia 05 de Abril de 1953
RENDACerca de 120 mil cruzeiros
ÁRBITRORuy Carneiro (Federação Metropolitana de Futebol)
VITÓRIAPeriperi (Maciel); Eduardo e Alirio; Hilton Viana, Nélio e Joel; Tombinho; Otonel, Juvenal, Purunga e Ciro. Técnico: Osvaldo Costa   
SÃO CRISTÓVÃOMariano; Nei e Índio; Manfredo, Severino (José Alves) e Décio; Motorzinho, Humberto; Cabo Frio (Paulo César), Ivan (Cosme) e Carlinhos. Técnico: Índio
GOLSJuvenal, de pênalti, aos 18 minutos (Vitória), no 1º Tempo. Juvenal aos 30 minutos (Vitória);  Tombinho aos 35 minutos (Vitória); Carlinhos (São Cristóvão), no 2º Tempo.

FONTES: Jornal dos Sports – Unica (BA)

Pôster do Esporte Clube Bahia – Salvador (BA): Tetracampeão Baiano em 1947, 1948, 1949 e 1950

XLVI Campeonato Baiano de futebol, em 1950, organizado pela 11 Federação Bahiana de Desportos Terrestres (FBDT), teve como grande campeão (ou melhor: tetracampeão) o Esporte Clube Bahia. A competição contou com a participação de sete agremiações:

Associação Desportiva Guarany, de Salvador;

Botafogo Sport Club, de Salvador;

Esporte Clube Bahia, de Salvador;

Esporte Clube Vitória, de Salvador;

Esporte Clube Ypiranga, de Salvador;

Galícia Esporte Clube, de Salvador;

São Cristóvão Atlético Clube, de Salvador.

A fórmula de disputa era simples. Todos os times se enfrentariam em jogos de turno e returno, e a equipe que somasse mais pontos ficaria com o título. Caso, uma ou mais equipes terminasse empatado em número de pontos, o campeão seria decidido em jogos de ida e volta.

O Estadual, aconteceu entre a quarta-feira, do dia 24 de maio; a domingo, do dia 12 de novembro de 1950. Após 12 rodadas, Bahia e Vitória terminaram empatados com 17 pontos. Com isso, foram necessário dois jogos para definir o campeão. No 1º jogo, o Vitória saiu na frente, ao vencer por 4 a 3. No entanto, no último encontro, o Bahia venceu por 3 a 1, e conquistou o Tetracampeonato Baiano: 1947, 1948, 1949 e 1950.

Time base do Esporte Clube Bahia: Leça (Zaluar), Arnaldo (Nilton) e Zé Grilo; Pedrinho, Ivon (Giba) e Evilásio; Gereco (Camerino), Alfredo (Viana), Carlito, Tóia (Zé Hugo) e Isaltino.

FONTE: Unica – quinzenario illustrado – mundanismo, esportes, cinema, actualidades (BA)

UNIRB Futebol Clube – Alagoinhas (BA): Título invicto da Série B e acesso inédito à Elite do Futebol Baiano em 2021!

O caçulinha UNIRB Futebol Clube de Alagoinhas, com menos de dois anos de existência, conquistou, de forma invicta, o título do Campeonato Baiano de Futebol da Segunda Divisão de 2020, organizado pela Federação Baiana de Futebol (FBF). A competição contou com a participação de seis clubes:

Associação Atlética Teixeira de Freitas (Teixeira de Freitas);

Associação Desportiva Jequié (Jequié);

Barcelona Futebol Clube (Ilhéus);

Canaã Esporte Clube (Irecê);

Colo Colo de Futebol e Regatas (Ilhéus); 

UNIRB Futebol Clube (Salvador).

O regulamento funcionou assim: as equipes se enfrentaram em turno único e os dois primeiros colocados avançariam para a final em dois jogos. Caso os resultados fossem iguais, o grande campeão seria decidido na disputa de pênaltis. Apenas o campeão disputará o Campeonato Baiano da 1ª Divisão em 2021.   

1ª Rodada

25/10/20UNIRB2X2BarcelonaEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
25/10/20Canaã*3X0Teixeira de FreitasEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)
25/10/20Jequié2X2Colo ColoEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do Canaã foi por W.O.

2ª Rodada

1º/11/20Barcelona0X0CanaãEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
1º/11/20Teixeira de Freitas0X3Jequié*Estádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
1º/11/20Colo Colo0X1UNIRBEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)

* Vitória do Jequié foi por W.O.

3ª Rodada

08/11/20UNIRB3X1JequiéEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
08/11/20Barcelona3X0Teixeira de FreitasEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
08/11/20Canaã0X1Colo ColoEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

4ª Rodada

18/11/20Teixeira de Freitas0X3Colo ColoEstádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
18/11/20Jequié3X1BarcelonaEstádio Waldomiro Borges (Jequié)
18/11/20Canaã0X0UNIRBEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

5ª Rodada

22/11/20Colo Colo4X1BarcelonaEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)
22/11/20UNIRB3X0Teixeira de FreitasEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
22/11/20Jequié2X1CanaãEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do UNIRB foi por W.O.

Após cinco rodadas, o UNIRB avançou para a final, terminando na 1ª colocação com 11 pontos, com três vitórias e dois empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos. O Colo Colo também se classificou para a decisão, ficando na 2ª posição com 10 pontos, com três vitórias, um empate e uma derrota; marcando 10 gols, sofrendo quatro, com saldo de seis tentos.

Decisão

 O 1º jogo aconteceu no domingo, do dia 19 de novembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Mário Pessoa, em Ilhéus. Num jogo truncado, a partida entre o Colo Colo e UNIRB terminou empatado sem abertura do placar.

COLO COLO (BA)  0 X 0 UNIRB F.C. (BA)

LOCALEstádio Mário Pessoa, em Ilhéus (BA)
CARÁTER1º jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 19 de novembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROReinaldo Silva de Santana
AUXILIARESEdevan de Oliveira Pereira e Daniella Coutinho Pinto
4º ÁRBITROJosué Reis de Jesus Junior
5º ÁRBITROLuanderson Lima dos Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Carlos Magno (UNIRB)
COLO COLONilton; José, Carlão (Gomes), Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola (Arthur), Jean e Bravo; Du (Adnael) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira (ex-zagueiro do Flamengo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho (Fausto), Rogério Patrik (Rondallys) e Elcarlos; Rodrigues (Carlos Magno) e Clebson (Tanaka). Técnico: Laelson Lopes
GOLNenhum

O 2º e derradeiro jogo aconteceu no último domingo, do dia 06 de dezembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas. A partida foi disputada e tanto o UNIRB quanto o Colo Colo não conseguiram furar a forte marcação do adversário.

Dessa forma o jogo terminou sem gols e, consequentemente, o grande campeão seria conhecido na disputa de pênaltis. O UNIRB venceu o Colo Colo por 4 a 2, conquistando o inédito título e acesso para a Elite do Futebol Baiano em 2021.

O time campeão foi o dono da melhor campanha da competição. Em sete jogos disputados, foram 13 pontos (três vitórias e quatro empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos) conquistados em uma campanha invicta.

Fundado em 2018, o UNIRB FC disputou sua primeira competição profissional em 2019. Um ano depois, o clube comemora seu primeiro título e o cobiçado acesso.

UNIRB F.C. (BA) 0 X 0 COLO COLO (BA) 

LOCALEstádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas (BA)
CARÁTERÚltimo jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 06 de dezembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROMoises Ferreira Simao
AUXILIARESCarlos Vidal Pereira de Oliveira e Jose dos Santos Amador
4º ÁRBITROEziquiel Sousa Costa
5º ÁRBITROWesley Silva Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Clebson (UNIRB);  Gomes, Bravo, Renan e Joadson Bola (Colo Colo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho, Rogério, Patrik (Carlos Magno, depois Marcelo) e Elcarlos; Tanaka (Rodrigues) e Clebson. Técnico: Laelson Lopes
COLO COLONilton; José, Gomes, Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola, Welton (Arthur) e Bravo; Josemar (Du) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira
GOLNenhum
PÊNALTIS UNIRB converteu quatro cobranças, enquanto o Colo Colo apenas duas vezes.

O técnico Laelson Lopes com o troféu da Segunda Divisão Baiana de 2020

Artilharia:

3 gols – Rodrigo (Jequié);

2 gols – Walson (UNIRB); Acosta (Barcelona); Pedro e Du (Colo Colo); Uenis (Jequié);

1 gol – Dedé, Maycon, Marcelo e Elcarlos (UNIRB); Victor Leandro, Kleiton, Arnold, Tatu e Tchu (Barcelona); Bravo, Felipe, Carlão, Henrique Santos, Mychel e Adnael (Colo Colo); William, Neto e Elenílson (Jequié); Luccas (Canaã);

FONTES: Federação Baiana de Futebol (FBF) – Site e página do clube

Goleado o bicho papão da Bahia

Nos anos 50 o Ypiranga a Bahia era um grande time, e fez excursão pelo Rio Grande do Norte em 1952 . Jogou duas vezes em Natal, em 25 de maio de 1952 enfrentou e venceu o Santa Cruz por 5×2. Dois após enfrentou o América o atual campeão potiguar e foi surpreendido por uma grande goleada por 7×1 com gols de Dieb (13/1º), (15/1º), Valder (contra, 30/1º), Abel (34/1º), Gilvan (15/2º), (23/2º) e Dieb (35/2º) e marcando para a equipe baiana Raimundinho I (26/1º, de pênalti). O jogo foi no estádio Juvenal Lamartine em Natal e teve o registro do jornal “A Ordem”