Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

História do Futebol: cidade de Nova Friburgo (RJ)

Bandeira da cidade de Nova Friburgo (RJ)

Foi no decorrer do século XIX que os ingleses começaram a normatizar as disputas por um objeto redondo, começando a transformar o que era um simples jogo em esporte, submetido a regras universais.

O que fazer com a bola? Na Rugby School, os jogadores carregavam-na com as mãos, rumo ao adversário, e daí nasceu o rugby, em 1846; já na Eton, eram os pés que deviam controlá-la, fazendo o dribbling, e do chute na bola surgiria o football.

Em 1863, surge a association football, passando os clubes a se submeterem às regras comuns e a uma entidade dirigente, a Football Association. Por fim, fundada em 1904, a fundação da FIFA (Federal International Football Association), profissionaliza esse esporte.

Os ingleses, além dos tecidos e das estradas de ferro que exportavam para alguns países, levam no pacote o futebol. No século XIX, tinham grande influência sobre o Brasil, fruto de séculos de colonialismo sobre Portugal e, por isso, esse esporte logo ganhou adeptos entre os brasileiros da elite.

Nas resenhas esportivas dos jornais, a terminologia era inglesa: sport, team, match, corner, scratchman, placard, club. Ganhando legitimidade social, passou a suplantar o turfe e o ciclismo. Mas a bola de futebol caiu igualmente nos pés das camadas populares. Embora não fizessem parte dos seletos clubes ou freqüentassem colégios privados, o futebol é praticado nos terrenos baldios pela arraia miúda.

Desconhecendo ainda as regras estritas desse novo esporte, nasce o “pega” entre os populares, com chutes fortes, pontapés, corridas loucas atrás da bola, uma verdadeira “pelada”. O jornal A Paz, de 1913, noticiou o 1º clube de futebol em Nova Friburgo: Friburgo Football Club, formado por rapazes da elite da cidade.

Conquista a classe popular e no ano seguinte é criado o Esperança Futebol Clube, formado por operários da cidade. Em 1925, surge o Clube Sírio-Libanês, patrocinado pela colônia de libaneses. Surgem divergências dentro Friburgo Football Club e os dissidentes formam em 1921, o Fluminense Atlético Clube. Serão estas quatro equipes que irão formar a Liga Friburguense de Desportos, fomentando os campeonatos na cidade.

O futebol se dissemina em Nova Friburgo e começam a surgir os times de bairro, da Segunda Divisão da cidade:

Esporte Clube de Santa Luiza (Cônego);

Esporte Clube São Pedro (Duas Pedras);

Amparo Futebol Clube;

Futebol Clube Conselheiro Paulino;

Serrano Futebol Clube (Olaria);

Esporte Clube Vilage;

Esporte Clube Saudade;

Esporte Clube Filó (fundado em 1940);

Flamenguinho;

América Futebol Clube, alguns com existência efêmera, a exemplo do Esporte Clube Brasil, que durou apenas nove meses. O que mantinha estes clubes era o mecenato, a exemplo das famílias Guinle, Sertã e Spinelli.

Por exemplo, César Guinle doou a área onde é hoje o campo do Friburguense Atlético Clube, homenageando seu pai, Eduardo Guinle, com o nome do estádio. O então prefeito César Guinle doou tanto propriedades particulares como áreas pertencentes à municipalidade para diversos clubes.

A família Sertã doou o terreno do atual estádio do Nova Friburgo Futebol Clube. Nessa época, os jogadores não recebiam remuneração, no máximo o “bicho”, um prêmio obtido pelos clubes com a renda dos jogos. Quando se desejava contratar um bom jogador, um “cobra”, oferecia-lhe um bom emprego e trazia-o para o time do ofertante.

O futebol, sempre depois da missa de domingo, era a forma de sociabilidade de homens, mulheres e crianças. Ângelo Ruiz nos informa que “os rapazes da cidade logo abraçaram o futebol, pois já estavam fartos de pic-nics, bailes, namoros melosos e outros passatempos da época.

Em 1979, o futebol em Nova Friburgo se profissionaliza. Promove a fusão do Fluminense com o Serrano e torna-se o Friburguense Atlético Clube. No entanto, a profissionalização extingue os demais clubes de futebol, pois os campeonatos da cidade ficam desarticulados.

O Friburgo Futebol Clube, o “primo rico do futebol friburguense”, se fundiu com o Esperança dando origem ao Nova Friburgo Futebol Clube, em 16 de setembro de 1979. Este clube conta atualmente com um expressivo patrimônio.

Porém, o seu maior dote, o time de futebol, não existe mais. Até 1950, o futebol de Nova Friburgo foi cercado de tensões entre classes sociais e étnicas.

Quando o Friburgo Futebol Clube passou a aceitar membros das classes populares e negros, um grupo se desligou do clube e fundou o Fluminense Futebol Clube. Mas o preconceito racial era um fenômeno nacional.

Em 1907, a Liga Metropolitana de Sports Atléticos, do Rio de Janeiro, enviou aos seus associados um comunicado que informava que a sua diretoria, por unanimidade de votos, resolvera que não seriam registrados “como amadores nesta liga as pessoas de cor”.  Por esses fatos, percebe-se que nem sempre havia fairplay no futebol brasileiro.

FONTE: Janaína Botelho é professora de História do Direito na Universidade Candido Mendes e autora de diversos livros sobre a história de Nova Friburgo

http://acervo.avozdaserra.com.br/colunas/historia-e-memoria/a-historia-do-futebol-em-nova-friburgo

Compartilhe...

Santos Atlético Clube – São Gonçalo (RJ): O esquecido campeão Citadino de 1968

O Santos Atlético Clube foi uma agremiação da cidade São Gonçalo (RJ). “O Alvinegro Gonçalense” foi Fundado na quinta-feira, no dia 27 de Junho de 1963, Rua Cel. Moreira César, nº 7, no Centro de São Gonçalo (RJ). O 1º Presidente foi o Sr. Herlon Leigb Pinto.

A festa de fundação aconteceu no sábado, do dia 29 de junho, na Avenida Lima (ao lado do campo do Tamoio Futebol Clube), no Centro de São Gonçalo. Posteriormente, o clube fixou a sua Sede no bairro de Porto da Pedra.  

Título inédito regado à polêmica

A grande e a maior polêmica da história do Santos aconteceu no ano de 1968. Na sua sexta participação no Campeonato Citadino de São Gonçalo, organizado pela Liga Gonçalense de Desportos (LGD), o clube chegou na penúltima rodada do certamente com dois pontos de vantagem em relação ao Clube Esportivo Mauá

E, para apimentar a penúltima partida seriam entre os dois candidatos ao título. Dessa forma a situação era:

Caso o Santos fosse o vencedor, abriria quatro pontos de vantagem e se sagraria campeão! Mas se o Mauá conquistasse a vitória, igualaria em número de pontos e deixaria a definição do título para a última rodada.

dentro de campo, o Mauá venceu por 2 a 0. No entanto, a diretoria cometeu um deslize e escalou um jogador que estava suspenso. No dia seguinte o Santos já entrou pedindo os pontos na junta disciplinar esportiva. O Mauá resolveu “melar” o campeonato e antecipou as obras que faria em seu estádio, deixando o campeonato sem campo para a última rodada (isso mesmo: o estádio do Mauá era o único disponível).

O Santos ganhou os pontos, o Mauá recorreu na CBD, e só em 1970 o assunto foi encerrado e o Santos Atlético Clube pode gritar, enfim, ‘Campeão‘. Lembrando que em razão dessa polêmica a última rodada do Campeonato Gonçalense de 1968, que não alteraria mais nada, jamais aconteceu.

Goleada e base da Seleção de São Gonçalo

Realizado no dia 17 de Julho de 1968

Posteriormente, o Santos realizou diversos jogos amistosos, como a excursão até Macaé, para encarar o Americano local. No domingo, do dia 21 de julho de 1968, goleou por 5 a 0. Os gols foram assinalados por Géo e Pinto (duas vezes cada) e Mário Lúcio. Santos: Américo; Pelé, Oberdan, Paulinho e Icê; Mazinho e Anísio; Mario Lúcio, Colored, Pinto e Gêo.

Vivendo uma grande fase, o Santos cedeu sete jogadores para a Seleção Gonçalense, do técnico Dilon, que enfrentaria a Seleção de Itaboraí, no domingo, do dia 28 de julho de 1968.   

No domingo, do dia 11 de Agosto de 1968, quando venceu o Fortaleza de São Gonçalo pelo placar de 1 a 0, no campo do Mauá. O gol saiu na fase final, por intermédio de Wilson, que entrara na vaga de Eduardo. O árbitro da partida foi Nilton Viana de Abreu.

Santos: Oton; Icê, Oberdan, José Maria e Paulinho; Mazinho e Colored; Cotô, Mario Lúcio, Gêo e Eduardo (Wilson). Fortaleza: Júlio; Carlinhos (Tião), Jorginho, Benê e Carlinhos II; Roldão e Antônio; Baba, Maurício, Cherret e Arnaldo.    

No dia 25 de Setembro de 1968

A década de 70, aconteceu o declínio da agremiação. Após três anos inativo, o Santos deu o seu último suspiro ao disputar o Campeonato Citadino de São Gonçalo em 1978.

  FONTES: O Fluminense (RJ) – Auriel de Almeida 

Compartilhe...

Faleiro Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ): Dois anos sem conjugar o verbo ‘perder’

O Faleiro Futebol Clube foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi Fundado no dia 10 de Outubro de 1926, por um grupo de abnegados desportistas residentes à Rua Faleiros, no Largo dos Pilares e tendo a frente a figura do Sr. Alfredo Antonio Parara, surgiu uma “pelada” que recebeu ao batismo o nome de Faleiros Football Club, sendo escolhida as cores vermelha e branca para representá-lo.

Logo no início, criaram um lema: “Quem vestir a camisa do Faleiro, terá que lutar até a morte“.

Jogadores que atuaram na Europa

Um dos maiores orgulhos do Faleiro, aconteceu em 1949 a 1951, Nelson Garcia e Waldemar Garcia, dois irmãos que atuavam em suas fileiras, estiveram na Europa onde brilharam defendendo as cores do Vila Nova Famalicão Futebol Clube, de Portugal.

Além desses dois, outros atletas se destacaram no Manufatura Nacional de Porcelana Futebol Clube: Bidu, Coca, Wilson, Nêgo, Sargento Osmar e Mesquita, na década de 50.

Entre 1949 a 1951, o Faleiro não perdeu para ninguém

A campanha invicta do Faleiro no período de 1949 a 1951, foi das mais brilhantes tendo disputado 74 partidas, com 66 vitórias e oito empates; consignando 296 gols pró (média de 4 gols por jogo), 36 tentos contra (0,5 gol por partida) e um saldo positivo de 260. Um aproveitamento de 94,6%.

Campeão Torneio Suburbano de 1948

Até 1952, o principal título significativo do grêmio alvirrubro Faleirense, aconteceu em maio de 1948, ao levantar a taça do “Torneio Suburbano“, sendo campeão de Inhaúma, promovido pelo confrades do jornal “Correio da Manhã“.

Amistosos importantes

No domingo, do dia 02 de Julho de 1950, o Faleiro enfrentou amistosamente com o Ceres Futebol Clube, no campo da Rua Chita, em Bangu, na zona oeste do Rio.

Em 18 de setembro de 1955, excursionou a Cataguases (MG), onde enfrentou o Operário Futebol Clube. E, em 15 de novembro de 1955, se deslocou até Volta Redonda (RJ), onde jogou contra o Guarani Futebol Clube. Infelizmente não foi encontrado o resultado dessa peleja.

 Praça de Esportes inaugurado

Na tarde de domingo, do dia 1º de Junho de 1952, foi inaugurado a sua Praça de Esportes, na Rua José dos Reis, nº 774, no Bairro do Engenho de Dentro, com uma partida amistosa, às 16 horas, entre o Faleiro e o Esporte Clube A Manhã (composto por funcionários do Jornal A Manhã). No final, o veículo de comunicação venceu pelo placar de 3 a 1, e ficou com o Troféu, oferecido pelo ‘Casa Nair’. Na preliminar, o Milionários  de Pilares venceu o Guanabara F.C. por 2 a 1

A Manhã: China (Alfredo); Adelino e M. Brandão; Biguá, Manoel e Cláudio; Osvaldinho, Pernambuco, Bidinho e Sestado.

Faleiro: Carlinhos; Artur e Paulinho; Valtinho, Alemão e Bibi; Arubinha (Luiz), Valdemar, Sedeque, Adolfo e Alcides.

Após a partida a diretoria do Faleiros homenageou a imprensa e os clubes co-irmãos, oferecendo um pedaço de bolo de aniversário carinhosamente confeccionado e servido pela gentilíssima senhorita Maria José Gomes dos Santos, presidente do Departamento Feminino do clube aniversariante

Por meio da Lei nº 24, na quinta-feira, do dia 15 de Dezembro de 1960, assinado pelo presidente da Assembléia Legislativa do Estado da Guanabara, José Bonifácio Diniz de Andrada, o Faleiro Futebol Clube foi considerado de Utilidade Pública.

FONTES: A Manhã (RJ) – Jornal dos Sports – Diário da Noite (RJ)

Compartilhe...

Excursão do Fluminense (RJ) a África em 1973

Em 1973 o Fluminense Football Club realizou uma excursão pela África,
dipustanfo 9 partidas, conseguindo 8 vitórias e 1 empate. Abaixo esta
campanha:

01/06/1973
Fluminense 4×0 Sporting de Luanda (Angola), em Luanda – Angola
03/06/1973
Fluminense 4×1 Benfica de Nova Lisboa (Angola), em Luanda – Angola
06/06/1973
Fluminense 7×0 Benfica de Luanda (Angola), em Luanda – Angola
10/06/1973
Fluminense 3×2 Young Africans (Tanzânia), em Dar es Salam – Tanzânia
15/06/1973
Fluminense 4×2 Seleção de Zâmbia, em Lusaka – Zâmbia
17/06/1973
Fluminense 2×2 Seleção de Zâmbia, em Lusaka – Zâmbia
21/06/1973
Fluminense 2×0 Ferroviário (Çoçambique), em Lourenço Marques – Moçambique
23/06/1973
Fluminense 3×0 FC Lesotho, em Maseru – Lesotho
24/06/1973
Fluminense 3×0 Seleção do Lesotho, em Maseru – Lesotho

Artilheiros:

Dionísio com 14 gols
Manfrini com 9 gols
Lula, Carlos Alberto e Marquinhos com 2 gols cada
Cafuringa, Silveira e Cléber com 1 gol cada

Fonte: Popular da Tarde / SP

Compartilhe...