Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Social Ramos Clube – Rio de Janeiro (RJ): História entre 1945 a 1965. Ronaldo Fenômeno jogou em 1989

Normalmente, as minhas postagens se limitam ao futebol de campo. Mas nesta, vou abrir uma exceção. Um clube que foi um dos mais badalados e prestigiados entre os anos 50 a 80. E que na década de 90, entrou em crise e, aos poucos está se reerguendo para a felicidade dos moradores de Ramos e adjacências. Esse clube nunca enveredou no futebol de campo, mas ajudou para o forjamento de vários craques, entre eles: Ronaldo Fenômeno!

História detalhada entre 1945 a 1965

O Social Ramos Clube (SRC) é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A história começou no “Bar Ferro de Engomar“, onde um grupo de rapazes se reuniam aos domingos pela manhã, elaborando a criação de clube para congregar todos os moradores do bairro de Ramos.

A ideia do clube ganhou corpo e as solidariedades foram aumentando cada vez mais até que foi oficializado a Fundação no domingo, do dia 22 de Abril de 1945, com o nome de “Centro Progressista e Social de Ramos (CPSR)“, numa reunião realizada no Colégio Cardeal Leme, situado na Rua Dr. Miguel Vieira Ferreira, nº 646, em Ramos.

Na ocasião estiveram presentes 31 pessoas: Henrique Bonilha, Dr. Enio de Faria, Ministro Antônio Francisco Carvalhal, Dr. Antônio Mourão Vieira Filho, Senador José Pires Rolita, Ivo de Pinho Beato, Norberto Alves Espinha, J. A. Barros, Dr. Manoel Esteves de Sá, Te. Joaquim Silva, Abel Augusto de Siqueira, Dr. Ademar dos Santos Pinto, Amadeu Inocêncio Fonseca, Dr. Percio Gomes de Melo, Antonio da Silva Adonias, Américo José de Carvalho, J. Cochoféu Guimarães, Célio da Silva Monteiro, Vicente Varca, Lamartine Pinto de Oliveira, Ernesto Lourenço da Silva, Alfredo Portela, Mário Júlio Matos Ramos, Altamiro Luís da Silva, José Laureano Nova Lago, Dionísio Trindade, Sorcher Fisch, A. Sousa e O. Santos, Marcelino Firmino Pinto, João de Paiva e Almeida, Dr. Euclides Veloso Faria e Artur Alves da Cunha.

Após a fundação, o CPSR funcionou, provisoriamente, na Rua Uranos, nº 1.063, que era o escritório da União Panificadora Fluminense, gentilmente cedida pelo Sr. Antonio da Silva Adonias.

1ª Sede Social

Em meados de 1945, por decreto do então Ministro da Guerra, o general Eurico Gaspar Dutra extinguindo os tiros de guerra, o Centro Progressista e Social de Ramos foi beneficiado, ganhando as dependências e o patrimônio do Tiros de Guerra 115, situado na Rua Peçanha Povoas, nº 52, na estação de Ramos.

O clube se instalou na sua 1ª Sede no domingo, do dia 09 de dezembro de 1945. Quatro meses depois, no domingo,do dia 28 de Abril de 1946, foi inaugurada as suas remodelações festejada com grande pompa.   

Com 60 sócios que pagavam a mensalidade de 10 cruzeiros, o CPSR tinha inicialmente como objetivo, cuidar tão somente dos serviços jurídicos, contábeis e médicos dos seus associados, sem, todavia, deixar de promover festas sociais.

Clube altera o nome em 1946

E foram justamente as festas levadas a efeito que proporcionaram uma maior convivência e congraçamento da gente de bem do bairro de Ramos. Nasceu então a idéia da mudança do nome do clube que ecoava muito bem na época por causa dos partidos políticos.

Revista do Social Ramos Clube – 1945

E assim, no domingo, do dia 12 de Maio de 1946, o nome foi alterado para Social Ramos Clube, nome sugerido pelo Comissário Augusto Barreira aprovando-se a ideia de José Pires Rolita para a confecção da bandeira, flâmulas e distintivos.

Sede atual adquirida em 1948

Ficara igualmente estabelecido um número limitado de 300 sócios proprietários que foi aumentado gradativamente. Em 1948, com cerca de 1 mil sócios, era necessário um espaço maior.

O extenso terreno de uma área total de 2.676 metros quadrados, na esquina entre as ruas Áureliano Lessa e Miguel Ferreira no valor de 360 mil cruzeiros era o local ideal para a construção da sua nova Sede. O clube efetuou o pagamento de dois terços do valor fixado para a aquisição.

Então, na tarde de sexta-feira, do dia 16 de Janeiro de 1948, no Cartório do Tabelião Raul Sá, à Rua do Rosário, no Centro do Rio, foi pago a importância de 96 mil cruzeiros, referente ao saldo do débito restante para com o último dos três proprietários da área adquirida.

Assim, no terreno foi erguido a Sede social – onde até hoje habita o Social Ramos Clube, na Rua Áureliano Lessa, nº 97, em Ramos – na gestão do Dr. Ênio de Faria, prosseguindo na presidência de David Mendes e posteriormente pelos presidentes Valdemar Nunes de Morais e Joaquim Coelho dos Santos, quando foi então batida a 1ª pedra fundamental, no domingo, às 10 horas, do dia 31 de Dezembro de 1950.

Clube muda de patamar e se torna um dos melhores do país

No princípio tudo era flores. O clube começava a crescer. A política reinante, todavia, impediu o seu progresso, até terça-feira, do dia 22 de Março de 1955 quando o prestigioso desportista Adriano Rodrigues foi eleito presidente do clube.

O dirigente iniciou a campanha de soerguimento do Social Ramos Clube. Ao assumir, encontrou um clube com um saldo de 400 cruzeiros em dinheiro e com uma dívida de 38 mil cruzeiros. Adriano Rodrigues e sua diretoria elevaram o clube às culminâncias tanto assim que três anos depois a agremiação já não possuía nenhuma dívida.

Em 1958, o Social Ramos Clube contava com 500 sócios proprietários, 2.145 contribuintes, 2 mil sócios dependentes e com 215 propostas para novos sócios proprietários. Sete anos depois (1965), o clube já contava com cerca de 10 mil sócios, mostrando que estava em franca evolução.

Medalha Social Ramos Clube 1945-60 – Fraternidade Socialense, em homenagem ao ex-presidente Dr. Joaquim Coelho dos Santos. Em metal dourado e com o escudo esmaltado

Com um movimento de 3 milhões de cruzeiros, o clube alcançou o status de uma das melhores agremiações do Brasil, graças ao idealismo do presidente Adriano Rodrigues.

Assim, o “clube milionário” com um patrimônio no valor de 15 milhões de cruzeiros possuíam nas suas instalações:

um salão de festas com 30 metros de comprimento e 20 de largura; uma quadra olímpica; um jardim para crianças; um ginásio para 2 snookers (sinucas), um restaurante e televisão (com intensa frequência), uma sahalteres  e jiu-jítsu; um barco para representações; um departamento médico e um departamento feminino, além  de todas as dependências necessárias para os atletas.

Lembrando que a Sede social, foi oficialmente inaugurada em 1964. Um prédio de três andares, com uma quadra para futebol de salão, voleibol e basquete, construída do lado.

Seus salões para festas nada ficam a dever em beleza aos mais categorizadas agremiações do Rio de Janeiro. No último andar, está instalada uma confortável creche, a fim de que os pais pudessem ir aos eventos no clube. Em 1965, o clube adquiriu um terreno ao lado da quadra de esportes para a construção de uma piscina.    

Celeiro de craques

Ronaldo Fenômeno

O clube revelou craques do campo e das quadras! Aos 13 anos, o craque passou pelo clube de Ramos em 1989, onde disputou o Campeonato Carioca Mirim de Futsal.

Na ocasião, o Social Ramos Clube terminou na 3ª colocação, e Ronaldo Fenômeno foi o artilheiro do certame com 48 gols. No mesmo ano, o SRC jogou o Brasileiro da categoria, terminando como vice-campeão e o craque foi o vice artilheiro.

mais ou menos, naquela época, outro que pintou no futsal do clube foi Vander Carioca, assim como o Fenômeno nascido em 1976. O pivô teve passagem pelo Atlético Mineiro (1997), Flamengo (2000), Vasco da Gama (2000-01), Corinthians (2016-18), além de ter jogado em clube da Espanha, Itália, Rússia e Seleção Brasileira de futsal (1998-2004).

Voltando aos gramados, aos 13 anos, o goleiro Wilson teve passagem pelo clube em 1997. Aos 38 anos, o arqueiro defende o Figueirense/SC, mas começou nas divisões de base do Flamengo (2003-08). Depois, passou pela Portuguesa Carioca/RJ (2006), Olaria/RJ (2006), Figueirense/SC (2007-08), Vitória/BA (2013-15), Coritiba (2015-22) e Atlético Mineiro (2019).

Flâmula – Lembrança da Festa Junina do Social Ramos Clube

Único título estadual de futsal

Organizado pela Federação de Futsal do Estado do Rio de Janeiro (FFSERJ), em 1991, o Social Ramos Clube se sagrou Campeão do Campeonato Estadual de Futsal Mirim (Sub 13), Juntamente com o Vasco da Gama, Grajaú Country Club e Grajaú Tênis Clube.

Desenho do escudo e uniformes, Texto e pesquisa: Sérgio Mello

FOTOS: Carlucio Leite Leiloeiro Público (Revista do Social Ramos Clube – 1945) – Lili Leiloeira (Flâmula – Lembrança da Festa Junina do SRC Social Ramos Clube. MBC) – Casa Rio Negro Colecionismo (Medalha Social Ramos Clube 1945-60 – Fraternidade Socialense, em homenagem ao ex-presidente Dr. Joaquim Coelho dos Santos. Em metal dourado e com o escudo esmaltado) – Acervo de Auriel Almeida

FONTES: Almanaque de Futsal RJ  – A Manhã (RJ) – A Noite (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal dos Sports (RJ)

Sport Club Botafogo – Rio de Janeiro (RJ): campeão da Liga Carioca de Desportos, em 1921

O Sport Club Botafogo foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A sua 1ª Sede (provisória), ficava na situado na Rua Humaitá, nº 95, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. Fundado na terça-feira, do dia 09 de Setembro de 1919, por um punhado de destemidos desportistas, sendo os fundadores os senhores:

Octavio Capella, João G. Bandeira, Luiz A. Ferreira, Augusto Fernandes Junior, Milton Pereira da Fonseca, Francisco Tavares, Ariostaldo Soares Barbosa, Adolpho Lazoski, Antenor Miranda, Eduardo Miranda, Jayme Fernandes, José Lagoski, Américo da Silva, Vicente Scardené, Isaac Ribeiro Moraes e Antonio da Silva

A sua 1ª Diretoria foi composta pelos seguintes membros:

Presidente – Octavio Capella;

Vice-Presidente – João G. Bandeira;

1º Secretário – Luiz A. Ferreira;

2º Secretário – Milton Pereira da Fonseca;

1º Thesoureiro – Augusto Fernandes Junior;

2º Thesoureiro – Francisco Tavares;

Capitão – Ariostaldo Soares Barbosa.

Sede inaugurada em 1922

O Botafogo inaugurou a sua nova Sede, na noite de domingo, às 20h30min., do dia 19 de Novembro de 1922, situado na Rua Humaitá, nº 150, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. Nessa data, foi apresentada a fotografia do time campeão do Campeonato da Liga Carioca de Desportos de 1921.

Além do futebol, o clube também contava com outras modalidades esportivas: Ping-Pong (tênis de mesa). A equipe possuía o seu campo na Rua Humaytá, porém pelas dimensões reduzidas, nas partidas mais relevantes, mandava os seus jogos na Praça de Esportes (propriedade do Carioca Football Club), situado na Estrada D. Castorina, no bairro Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio.

Primeiros Troféus

Na quarta-feira, do dia 31 de dezembro de 1919, o Sport Club Botafogo venceu o Club de Regatas Piraquê por 1 a 0, faturando a sua primeira taça. No domingo, do dia 12 de setembro de 1920, o S.C. Botafogo goleou o Sport Club Lorena por 5 a 2, levantando o seu segundo troféu.

Na quinta-feira, do dia 03 de março de 1921, o S.C. Botafogo bateu o Sport Club Vasco da Gama por 2 a 1, conquistando a sua terceira taça. No domingo, do dia 10 de abril de 1921, o S.C. Botafogo voltou a enfrentar o Sport Club Vasco da Gama (sua Sede ficava na Rua da Relação, nº 45, no Centro do Rio) e novamente venceu por 4 a 1, levantando o 4º troféu. Até o final de 1923, o clube possuía na sua Sala de Troféus 15 taças.

Clube se filia a Liga Carioca e se sagra campeão em 1921

A Liga Carioca de Desportos (LCD), foi Fundada na segunda-feira, do dia 22 de Março de 1920, na Sede do Ubá S.C. na Rua Barão de Ubá, nº 132, no bairro Praça da Bandeiras. A sua 1ª Sede: Rua Sete de Setembro, nº 183/ 2º andar, no Centro do Rio.

O Ubá Sport Club foi o 1º Campeão do Torneio Início, enquanto o Sport Club Ypiranga (sediado na Rua Theodoro da Silva, nº 325, em Vila Isabel) foi o 1º campeão do Campeonato da LCD (O Ubá foi o vice-campeão)!

Na terça-feira, do dia 08 de março de 1921, o clube alvinegro se filiou a LCD, onde faturou, no mesmo ano, o inédito título do campeonato. A competição contou com a participação de nove equipes:

Ubá Sport Club (Praça da Bandeira  – campo: Barão de Iguatemy), Sport Club Ypiranga (Vila Isabel), Palestrino Football Club (Rua Bambina, nº 135, em Botafogo), Frontin Football Club, Paulistano Football Club (Botafogo), Mignon Football Club (rubro-negro – Rua Dr. Ferreira Pontos, s/n, no Andaraí), Ibéria Football Club, Alliança Football Club e o Sport Club Botafogo

No Torneio Início de 1921, no domingo, do dia 1º de maio, no campo do Confiança Athletico Club, o Botafogo acabou caindo na estreia para o Sport Club Ypiranga, que avançou até a final diante do Ibéria Football Club, e, ficou com o título.

Na estreia do Campeonato da LCD, no domingo, do dia 22 de Maio e 1921, no campo do Jardim Botânico, o Botafogo ficou no empate com o Ypiranga em 2 a 2. Os gols do Alvinegro foram assinalados pelos irmãos Arlindo Silva e João Silva.

O campeonato foi marcado por abandonos de alguns clubes como o Ubá e o Ypiranga, vários W.O. No final, na quinta-feira, do dia 08 de dezembro de 1921, a Liga Carioca de Desportos (LCD), proclamou o Sport Club Botafogo como o grande campeão da temporada. 

O time base formou assim: José Alves (Adolpho Lagoski); José Cardoso Curvello (Rufino Alves) e Antonio F. de Couto Filho (Oscar Silva); Victorio Ferreira (Álvaro Ferreira), Barnabé Garcia e Francisco Guilherme Machado; Jayme Fernandes (Gabriel Amorim), Augusto M. Ferreira, Arnaldo Miranda (João Silva), Antonio Fernandes Pinho (Arlindo Silva) e Oswaldo Ramos (Antenor Miranda).

Excursão à Barra do Piraí

Na madrugada da quinta-feira, do dia 14 de Julho de 1927, o Sport Club Botafogo seguiu para Barra do Piraí, a fim de enfrentar, em amistoso, o Sport Club Royal. A delegação se reuniu às 3 horas da manhã e seguiu para a Central, onde embarcaram no trem em direção a região Sul Fluminense do Rio.

No domingo, do dia 21 de Julho de 1929, o clube alvinegro voltou a enfrentar o Royal, em Barra do Piraí. A delegação pegou o trem das 4h50min., da manhã, a fim de jogar nos primeiro e segundo quadros

Alvinegro largou a LCD

No final da temporada de 1921, o Botafogo abandonou a Liga Carioca de Desportos (LCD). Até 1923, se limitou a jogar partidas amistosas. Em 1925, estava na Sub-Liga Brasileira. Em 1926, o clube estava filiado na Associação Municipal de Esportes Athleticos (AMEA – instalada no bairro de Botafogo).

Time base de 1920: Luiz; Oscar e Lazoski; Oswaldo, Barnabé e Machado; Jayme, Augusto, Arnaldo, Antenor e Antoninho.

Time base de 1921: José Alves (Adolpho Lagoski); José Cardoso Curvello (Rufino Alves) e Antonio F. de Couto Filho (Oscar Silva); Victorio Ferreira (Álvaro Ferreira), Barnabé Garcia e Francisco Guilherme Machado; Jayme Fernandes (Gabriel Amorim), Augusto M. Ferreira, Arnaldo Miranda (João Silva), Antonio Fernandes Pinho (Arlindo Silva) e Oswaldo Ramos (Antenor Miranda).

Time base de 1922: Raul; Mineiro e Curvello; Satyro, Silva e Barnabé; Jayme, Antenor, Octavio, Arnaldo e Machado. Reservas: Martins, Aprígio e Chequé.

Time base de 1923: Adolpho Lagoski; Suriquinha e Curvello; Satyro, Capão e Machado; Jayme, Chequé, Octavio, Antoninho e Martins. Reservas: Aprigio, Oswaldo, Victorino, Simas e Alberto II.

Time base de 1924: Gomes; Lolô (Suriquinha) e Martins; Victorino, Albano e Bernardino; Walgueiredo, Chequé, Antenor, Plácido e Mena (César).

Time base de 1925: Gomes; Curvello  e Suriquinha; Victorino (Albano), Martins e Saroco; Botafogo, Mena (China), Antenor (Chequé), Walgueiredo e César.

Time base de 1926: Soares; Baptista (Mattos) e Curvello; Luciano (Baptista), Bernardino e Sacoro; Floriano (Juciano), Chequé (Jayme), Augusto (Walgueiredo), Mena (Torres) e Botafogo (Arnaldo).

Time base de 1927: Amaury; Baptista e Saroco; Albano, Paulista e Monteiro; Manoel, Bonitinho, Fortunato, Zezinho e China. 

Time base de 1928: Soares (Cap.); Martins e Antoninho (Baptista); Floriano (Antonio), Barnabé e Henrique (Santos); Coronel (Coelho), Oswaldinho (Manoelzinho), Matheus (Augusto), Alípio (Gentil) e Jayme (China). 

Time base de 1929: Soares; Baptista e Curvello (Constantino); Santos (Mattos), Barnabé e Alberto Santos; Coronel, Walgueiredo, Alfredo, Macedo e Arthur. Reservas: Bernardino, Joaquim, Heroltides, Pedro, Matheus e Luciano

FONTES: A Esquerda (RJ) – A Manhã (RJ) – A Noite (RJ) – Beira-Mar (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Jornal do Commercio (RJ) – O Brasil (RJ) – O Imparcial (RJ) – O Jornal (RJ) – O Paiz (RJ)

Unidos de Manguinhos Futebol Clube – Armação de Búzios (RJ): Fundado em 1959

O Unidos de Manguinhos Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Armação de Búzios (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 23 de Junho de 1959. A sua Sede fica localizado na Av. José Bento Ribeiro Dantas, s/n, no bairro Manguinhos, em Búzios. As suas cores: verde e branco.

A história desta agremiação é limitada, mas dentro do que foi possível resgatar será contada. O clube alviverde, juntamente com o Perynas Atlético Clube,  ganhou a filiação na LCD – Liga Cabofriense de Desportos (situada na Rua Major Belegard, nº 525, no bairro São Bento, em Cabo Frio), título de a experiência por 365 dias (um ano), em 14 de julho de 1961. Com isso, o Unidos de Manguinhos disputou o Campeonato Citadino de Cabo Frio, em 1961 e 1962.

No domingo, às 11h30min., do dia 16 de Julho de 1962, foi realizado o Torneio Início da LCD, no Estádio Municipal. Participaram seis equipes: Associação Atlética Cabofriense, Clube Esportivo Sergipe, Perynas Atlético Clube, Tamoio Esporte Clube, Unidos Atlético Clube e Unidos de Manguinhos. Na final, que teve a duração de 60 minutos, a Cabofriense ficou com o título, ao vencer o Perynas por 3 a 2.

Resultados

Tamoio0 (1)X0 (2)CabofriensePênaltis: João Marcos (AAC) e Luiz (TEC)
Sergipe1X0Unidos de ManguinhosGol(S): Renato, de pênalti.
Unidos A.C.0 (1)X0 (2)PerynasPênaltis: Roberto (PAC) e Wilson (UAC)
Cabofriense3X1SergipeGol(S): Luiz, Walter e João.
Perynas2X3CabofrienseGol(S): Célio, duas vezes, e Manuel (AAC); Ailton e Edílson (PAC).

O Campeonato Citadino de Cabo Frio, teve início no domingo, do dia 30 de Julho de 1962, até domingo, do dia 11 de novembro de 1962. Devido a falta de praças de esportes, os primeiros jogos foram realizados no Estádio Municipal.

1ª Rodada

30/07/62C.E. Sergipe2X0Unidos A.C.
06/08/62Perynas A.C.1X1A.A. Cabofriense
13/08/62Tamoio E.C. X Unidos de Manguinhos F.C.

2ª Rodada

20/08/62Unidos A.C. X A.A. Cabofriense
27/08/62Unidos de Manguinhos F.C. X C.E. Sergipe
03/09/62Tamoio E.C. X Perynas A.C.

3ª Rodada

10/09/62A.A. Cabofriense X Unidos de Manguinhos F.C.
17/09/62Perynas A.C. X Unidos A.C.
24/09/62C.E. Sergipe X Tamoio E.C.

4ª Rodada

1º/10/62Unidos de Manguinhos F.C. X Perynas A.C.
08/10/62A.A. Cabofriense X C.E. Sergipe
15/10/62Unidos A.C. X Tamoio E.C.

5ª Rodada

22/10/62C.E. Sergipe X Perynas A.C.
29/10/62Unidos A.C X Unidos de Manguinhos F.C.
05/11/62Tamoio E.C. X A.A. Cabofriense

No domingo, às 11h30min., do dia 05 de Agosto de 1962, foi realizado o Torneio Início da LCD, no Estádio Municipal. Estiveram presentes nove equipes: Associação Atlética Cabofriense, Arraial Esporte Clube, Clube Esportivo Sergipe, Esporte Clube Operário, Guarany Esporte Clube, Perynas Atlético Clube, Tamoio Esporte Clube, Tupy Esporte Clube e Unidos de Manguinhos.

Na grande final de Aspirantes, por causa da falta de luz (foram jogados oito minutos), precisou ser realizado no outro domingo: 12/08/62, no mesmo local. Nos 52 minutos finais, O Tupy, mesmo com nove jogadores, conseguiu sustentar o placar em branco nos primeiros 30 minutos. 

Porém, na meia-hora final, a Cabofriense soube se aproveitar da vantagem numérica e goleou o Tupy pelo placar de 4 a 0. Os gols foram assinalados por Carlinhos, Aguinaldo, Zé Carlos (pênalti) e Cinho.       

1º Jogo

Tamoio E.C.1X0Unidos de Manguinhos F.C.Gol(S): Joel
Árbitro: Nelson de Oliveira / Auxiliares: Jovino Tavares de Almeida e Virgilio Alves da Cunha

2º Jogo

Tupy E.C.0 (3)X0 (0)Perynas A.C.Pênaltis: Abiud
Árbitro: Jovino Tavares de Almeida / Auxiliares: Joaquim Soares dos Santos e Virgilio Alves da Cunha

3º Jogo

Arraial E.C.0 (3)X0 (1)E.C. OperárioPênaltis: João Mangona
Árbitro: Miguel da Silva / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Joaquim Soares dos Santos

4º Jogo

A.A. Cabofriense1X0C.E. SergipeGol(S): Jorginho
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Miguel da Silva

5º Jogo

Guarany E.C.0 (3)X0 (2)Tamoio E.C.Pênaltis: João Pires (GEC)
Árbitro: Virgilio Alves da Cunha / Auxiliares: Miguel da Silva e Joaquim Soares dos Santos

6º Jogo

Tupy E.C.1X0Arraial E.C.Gol(S): Abiud
Árbitro: Nelson de Oliveira / Auxiliares: Joaquim Soares dos Santos e Virgilio Alves da Cunha

7º Jogo

A.A. Cabofriense1X0Guarany E.C.Gol(S): Emanuel
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Miguel da Silva

8º Jogo

A.A. Cabofriense4X0Tupy E.C.Gol(S): Carlinhos, Aguinaldo, Zé Carlos e Cinho.         
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos

A partir daí, não foi encontrado mais informações do Unidos de Manguinhos, na década de 60. Segundo relatos, essa agremiação disputou outras edições do certame de Cabo Frio.

Contando com a ajuda do pesquisador Mario Ielo, o Unido de Manguinhos participou do Campeonato Citadino de Cabo Frio de 1971, organizado pela Liga Cabofriense de Desportos.

Lembrando que tanto Arraial do Cabo quanto Armação de Búzios eram distritos de Cabo Frio. Apenas em 1985, Arraial do Cabo e 1995, Armação de Búzios, obtiveram a emancipação, ganhando o status de munícipio. A competição, que teve a Cabofriense como a grande campeã, contou com a presença de dez equipes:

Associação Atlética Cabofriense (Cabo Frio);

Arraial Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Atlético Clube Tufão (Cabo Frio);

Clube Esportivo Sergipe (bairro da Passagem, em Cabo Frio);

Esporte Clube Operário (Cabo Frio);

Guarany Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Perynas Atlético Clube (Cabo Frio);

Tamoyo Esporte Clube (Cabo Frio);

Tupy Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Unidos de Manguinhos Futebol Clube (bairro Manguinhos, em Armação de Búzios).

A partir daí, na década de 70, o clube atravessava um crise institucional, e, Raimundo Farias alterou o nome para Búzios Esporte Clube, tendo seu CNPJ 30.345.011/0001-74, sendo aberto em 1º de Janeiro de 1978. Este clube existe até hoje. Já o Unidos de Manguinhos, há um movimento para recolocá-lo novamente em atividade, a fim de disputar as competições de veteranos na região.

Fotos: Prof. José Francisco de Moura, Chicão

FONTES: Última Hora (RJ)Flávio Rebel

Sport Club Fluminense – Niterói (RJ): Fundado em 1916, jogou duas edições do Campeonato Fluminense em 1926/27

O Sport Club Fluminense (atual Fluminense de Natação e Regatas) foi uma agremiação da cidade de Niterói (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 27 de julho de 1916, por um grande grupo de remadores, composto por:

Armando Magalhães, Arthur Mattos Silva, Benjamin Costa, Carlos Imbassahy, Célio Ferreira da Costa, Cezar Gonçalves de Mattos, Eduardo Imbassahy, Emílio Mattos, Eugênio Duarte, Francisco Mattos Silva, Hamilton Peçanha, João Mello, José de Oliveira Campos Junior, José Mattos, Lourival Barbosa e Murillo Souza Soares.

As atividades da agremiação azul e branco se iniciaram com a aquisição daeeira “Rapa o Yole a 2 baliza” e a partir daí, tem início uma trajetória de sucesso e demonstração de apreço ao remo. A sua Sede ficava localizada na Rua (atual Avenida) Visconde do Rio Branco, nº 197, no Centro de Niterói.

A 1ª Diretoria do clube Alvianil foi constituída pelos seguintes membros:

Presidente – José de Oliveira Campos Junior;

1º Secretário – Murillo Souza Soares;

2º Secretário – Alfredo Rosa;

1º Thesoureiro – Frederico Lago;

2º Thesoureiro – João Vaz de Andrade;

Diretor Geral de Sport – Francisco Mattos Silva.       

Inaugurado a Praça de Esportes

Apesar do “carro-chefe” ser o iatismo, remo e natação, em menos de seis meses depois, o clube inaugurou o seu Ground, no domingo, do dia 14 de Janeiro de 1917, situado na Rua Santa Rosa, nº 354, no bairro Santa Rosa, em Niterói. Com isso, o futebol foi inserido no seio dessa agremiação niteroiense.  

S.C. Fluminense organizou a 1ª Regata Náutica de Niterói, em 1917

Na quarta-feira, do dia 07 de março de 1917, graças a gentileza do Clube de Regatas Lage, que cedeu o seu lugar para o Sport Club Fluminense, filiado (no dia 02 de fevereiro de 1917) a União das Sociedades do Remo, da Lagoa Rodrigo de Freitas, que realizou a 1ª regata náutica de Niterói.

O evento, transcorreu na enseada da Armação de Niterói, no domingo, do dia 10 de junho daquele ano. O local foi no cais da Rua Visconde de Rio Branco, defronte a Sede do Sport Club Fluminense, compreendendo a extensão nunca inferior a 500 metros, achava-se repleto de famílias  e cavalheiros que acompanhavam a disputa dos páreos.

O Clube de Regatas Jardinense (uniforme: vermelho e âncora branca) terminou na 1ª colocação no geral: quatro ouros e três pratas; em 2º lugar o Club de Regatas Piraquê (uniforme: rubro-negro em listas horizontais) com quatro ouros e duas pratas; na 3ª posição o Sport Club Fluminense (uniforme: azul e branco em listas verticais) com um ouro e duas pratas; no 4º lugar o Clube de Regatas Lage (uniforme: branco e emblema verde) com um ouro e uma prata.

Em 1919, deixou a União das Sociedades do Remo. No ano seguinte, mais precisamente na terça-feira, do dia 28 de dezembro de 1920, se filiou na Federação Brasileira das Sociedades do Remo. Em 1921, o clube contava com cerca de 300 sócios.

Algumas aparições no esporte bretão

Em 1917, era filiado a Associação Nictheroyense de Football (ANF). Em 1918, disputou o Campeonato Fluminense, organizado pela Associação Fluminense de Desportos Terrestres (AFDT).

No entanto, a competição não terminou, uma vez que a ‘gripe espanhola(foi uma pandemia – muito similar a Covid-19 – que aconteceu entre 1918 e 1919, atingindo todos os continentes e deixando um saldo de, no mínimo, 50 milhões de mortos ), fez o mundo parar. O Byron liderava até ser interrompido. Posteriormente, o Campeonato Fluminense de 1918 não foi reconhecido como uma competição estadual pela FFD (Federação Fluminense de Desportos).

Nova Sede é inaugurada

No sábado, às 21 horas, do dia 06 de Março de 1926, o clube inaugurou a sua nova sede, na Rua (atual Avenida) Visconde do Rio Branco, nº 171, no Centro de Niterói. No evento, esteve presente o então governador do estado do Rio de Janeiro, Feliciano Pires de Abreu Sodré (23/12/1923 a 22/12/1927), acompanhado dos seus secretários.

O edifício (arquitetado pelo Sr. Albano Pereira do Nascimento) é uma linda construção arquitetônica, possuindo dois pavimentos, sendo o superior constante de um salão para bailes e recepções, secretaria, arquivo, toillet (toalete) para as damas e terasse (terraço); na parte inferior acham-se a garagem, rouparia, banheiros, aparelhos sanitários e  área com diversos aparelhos para cultura física.

Campeão de Water Polo Juvenil e Infantil

O Sport Club Fluminense quebrou uma seqüência de cinco títulos seguidos do Centro de Canoagem Guanabara, e faturou a inédita conquista de Water Polo Juvenil de 1925, da Federação Brasileira das Sociedades do Remo (FBSR).

Na final, a equipe Alvianil bateu o Guanabara por 3 a 1. O time campeão foi: Geraldo Imbassahy de Mello, Waldemar Marques, Francisco Watson, João Pinto Rodrigues Filho, Araken do Prado Rabello, Oriente Ferreira e Jesus Pinheiro Motta.

Em 1927, foi à vez da equipe infantil, que na grande final venceu o Clube de Regatas Guanabara pelo placar de 4 a 0, no pitoresco Retiro da Saudade, na Lagoa Rodrigo de Freitas, organizado pela FBSR.

O Fluminense conquistou o título de forma invicta e sem sofrer nenhum gol. Os gols foram assinalados por: Almir (duas vezes), Moacyr e Haroldo. O quadro vencedor: Lício, Haroldo, Moacyr Braga Land, Joasil, Oswaldo, Almir de Castro LIsboa e Mira.

SC Fluminense ajudou a fundar a AFEA

Às 20h30min., da terça-feira, no dia 09 de novembro de 1924, foi fundado a Associação Fluminense de Esportes Athléticos (AFEA). A Sede provisória ficava no Canto do Rio: Praia de Icarahy, nº 407, no bairro de Icaraí, em Niterói.

Os clubes fundadores foram os seguintes: Rio Cricket Associação Atlética; Canto do Rio Football Club, Grupo de Regatas Gragoatá, Club de Regatas Icarahy, Internacional Football Club e Sport Club Fluminense, todos da cidade de Niterói e a exceção: Serrano Football Club, de Petrópolis.

Após algumas reuniões, na quarta-feira, do dia 07 de janeiro de 1925, em assembléia geral, foi constituída a 1ª Diretoria da AFEA, com os seguintes cargos e membros:

Presidente – Rodolpho Fernandes de Macedo;

Vice-Presidente – L. E. Rogers;

1º Secretário – Arthur Pereira Legey;

2º Secretário – Mucio Soares;

1º Thesoureiro – Odmar Bastos;

2º Thesoureiro – Ismar Barbosa.  

PS: Menos de seis meses, Rodolpho Fernandes de Macedo, alegando problemas pessoais, renunciou o cargo. Após a reunião anterior ter definido o vencedor, na sexta-feira, do dia 24 de julho de 1925, tomou posse o coronel José Ferreira Aguiar a presidência da AFEA.

O Campeonato Fluminense de Futebol da AFEA começou em 1925, mas o Sport Club Fluminense participou pela 1ª vez em 1926, e, repetindo à dose no ano seguinte (1927).

Em 1947, o clube alterou o nome

No início da década de 40, a agremiação aportuguesou o nome, passando a se chamar: Esporte Clube Fluminense. Posteriormente, veio outra mudança: oficialmente, na segunda-feira, do dia 27 de Janeiro de 1947, alterou o nome para Fluminense Natação e Regatas.

Time base de 1917: Bambu; Oscar e Luiz; João I, Oscarino e Pedro; Paschoal, Octacílio, João II, Vadinho e Nelson.

Uniforme, escudo, pesquisa e texto: Sérgio Mello

COLABOROU: Auriel de Almeida

FOTOS: Companhia Nacional de Tabacos Olympicos – Vida Sportiva (RJ) – Careta (RJ)

FONTES: A Razão (RJ) – O Brasil (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal do Brasil (RJ) – Lanterna: Diário Vespertino (RJ) – O Brasil (RJ) – O Fluminense (RJ) – O Imparcial (RJ) – O Imparcial: Diário Ilustrado do Rio de Janeiro (RJ) – O Paiz (RJ) – Sport Ilustrado (RJ)

O último jogo do “Furacão da Copa” pelo Botafogo foi na terra da scheelita

No segundo semestre do ano de 1981, Jairzinho voltou ao Botafogo/RJ, com 37 anos, após temporada na Bolívia onde foi campeão e artilheiro pelo Jorge Willsterman.  Sua reestreia ocorreu num insosso 0 x 0 com o América, pelo Campeonato Carioca.

O garoto que começara como gandula em General Severiano ainda em 1958, que fora tricampeão juvenil em 1961/62/63 e nesse ano ingressara no elenco profissional e lá permaneceu até 1974, quando foi vendido para o futebol francês, retornava a sua casa para encerrar a carreira como jogador profissional.

Já não tinha mais a mesma velocidade que caracterizaram suas arrancadas e os dribles rápidos, mas a maturidade do veterano que conhece os atalhos do campo, sem precisar correr mais do que a bola.

Eliminado do icônico Campeonato Carioca de 1981, decidido por Flamengo x Vasco, o Botafogo/RJ fez excursão pelo Rio Grande do Norte disputando 03 (três) jogos. No elenco, jovens jogadores que sempre eram lembrados nas convocações de Telê Santana para a seleção como o goleiro Paulo Sérgio, o lateral-direito Perivaldo e o meio-campo Rocha, além do craque Mendonça que, em 1993, abrilhantou o campeonato potiguar jogando pelo América. Porém, o nome mais expressivo era o de Jairzinho, “o Furacão da Copa”.

A série de jogos do “Glorioso” no RN começou com o Baraúnas, em Mossoró, partida que terminou empatada, sem gols, no dia 1º.12.1981 .

O segundo jogo foi no dia 03.12.1981, quando enfrentou o América que havia acabado de conquistar o tricampeonato Estadual. Essa partida representou o encerramento da temporada de jogos em Natal, servindo também para o Botafogo pôr a faixa de campeão no América e premiar os melhores da temporada. O gaúcho Norival (AME), foi o melhor jogador do Estadual/1981 e Sandoval (AME), o artilheiro com 14 gols. A partida terminou com a vitória alvirrubra por 1×0, gol do centroavante Miltão.

Com a desistência do Ceará/CE em realizar o amistoso antes acertado, o hoje deputado Luiz Antônio “Tomba” Farias, que à época era o diretor de futebol do Potyguar, assumiu a promoção e levou o amistoso para a terra da scheelita, sendo o “Fogão” a primeira e até hoje única equipe do RJ/SP a jogar na cidade, fazendo um jogo para ficar na história.  

Assim, no dia 06.12.1981, um domingo, dia destinado ao futebol, enquanto o Brasil inteiro aguardava a Rede Globo de Televisão transmitir a terceira e última partida da final do Campeonato Carioca, vencida pelo Flamengo por 2×1, no famoso jogo em que o ladrilheiro Roberto Passos Ferreira invadiu o gramado para esfriar uma possível reação cruzmaltina, a cidade de Currais Novos parou para receber o Botafogo de Futebol e Regatas jogar amistosamente contra o Potyguar.      

Como o Estádio Coronel José Bezerra ainda não tinha refletores, a partida foi iniciada às 15h para aproveitar a iluminação natural. Jogo de casa cheia, com grande torcida do alvinegro na região, tendo a organização do evento colocado cadeiras na lateral do campo e cobrado um valor mais alto para os que podiam pagar e estar mais próximos dos jogadores.

“Foi um jogo importante para a gente e jogamos com mais cuidado, mesmo sendo festa. E para mim em especial que estava diante do time que eu torço e do meu maior ídolo, que é Jairzinho”, lembra o goleiro Souza, revelando-se botafoguense. 

E em Currais Novos ocorreu a única vitória do Botafogo na breve excursão pelo Rio Grande do Norte. O Botafogo começou ganhando logo aos 33 segundos de jogo, com Mendonça aproveitando um cruzamento da esquerda e empurrando para o gol. A equipe da casa empatou aos 5 minutos, após grande jogada de Luciano driblando Perivaldo e o goleiro Paulo Sérgio, sobrando a bola para Dedé de Dora mandar para o gol, incendiando a torcida local. Porém, o “bigodudo” Jerson fez 2×1, aos 12 minutos, dando números finais ainda no primeiro tempo, embora o jogo tenha sido muito movimentado. 

Luciano, que naquele dia jogou de ponta-esquerda, foi escolhido o melhor em campo, recebendo um cheque e um moto-rádio.

“Eu fui escolhido pela imprensa como o melhor jogador da partida. Fiquei muito satisfeito com os presentes que ganhei. O pessoal daqui diz que eu dei uma canseira em Perivaldo”, diz sorrindo o jogador Luciano, que junto com Souza, Paulo, Jorge Calaça e Dedé de Dora eram os jogadores oriundos da Região Seridó. 

Porém, todos que estavam no estádio confirmam que uma falta cobrada pelo lateral-esquerdo Dato, tipo escanteio de mangas curtas, entrou, tendo Paulo Sérgio, à época convocado para a seleção brasileira, tirado a bola depois de ter passado da linha de gol. O árbitro Antonio Lira, por não ver a bola entrar, invalidou o gol.  

Ao longo de sua história o Potyguar recebeu outros clubes do futebol brasileiro em seus domínios, mas essa partida em especial tem todo um valor, seja porque foi o primeiro dos chamados grandes e tradicionais clubes brasileiros a jogar na cidade, seja porque terminou se transformando no jogo de despedida de Jairzinho, “o Furacão da Copa”, como jogador de futebol envergando a mística camisa alvinegra da estrela solitária. Pelo Botafogo foram 413 (quatrocentos e treze) partidas e 186 (cento e oitenta e seis) gols.   

Há quem diga que a história não joga, só está nos livros. Não está certo. A história tem um peso na definição dos momentos. E coube a cidade de Currais Novos, terra dos minérios, receber aquela que foi a derradeira partida de uma pedra preciosa cunhada em General Severiano e que se tornou uma verdadeira joia do futebol brasileiro e mundial.

Quase 03 (três) meses depois, já sem clube, Jairzinho fez a sua última partida pela seleção brasileira. Em 03.03.1982, contra a Tchecoslováquia, recebeu a justa homenagem pelo que fez pelo futebol brasileiro e despediu-se jogando 11 minutos, recebendo uma miniatura da taça Jules Rimet e saiu de campo aplaudido de pé, no Morumbi. Não disputava uma partida pela seleção desde 1976, no amistoso contra o Flamengo em homenagem ao atacante Geraldo, falecido poucos dias antes.

Na foto que ilustra a postagem, as duas equipes unidas posam antes do início da partida. Em pé: Paulo, Luiz Antonio “Tomba” Farias (diretor de futebol), Souza, Lima, Ednaldo, Ademir Lobo, Sonildo, Gaúcho, Dato, Gilmar, Jorge Calaça, Perivaldo, Humberto Gama (Pte da Liga Curraisnovense de Futebol) e Iremar Alves (radialista). Agachados: Mendonça, Dedé de Dora, Gilson Lopes, Jerson, Naldo, Rocha, Paulo Sérgio, Luciano, Edson, Almir, Jairzinho e Diá (massagista)  

FICHA TÉCNICA:

Jogo: Potyguar-CN 1 x 2 Botafogo/RJ

Data: 06.12.1981

Local: Estádio Coronel José Bezerra

Público: 2 mil pessoas

Renda: Cr$ 2.000.000,00 (dois milhões de cruzeiros) (aproximadamente 170 salários mínimos da época).

Juiz: Antônio Lira

Gols: Mendonça (33 seg), Dedé de Dora (5 min) e Jerson (12 min)

POTYGUAR: Souza; Paulo, Ednaldo, Sonildo e Dato; Calaça (Gilvan), Naldo (Ramos) e Dedé de Dora; Almir (Curió), Gilson Lopes e Luciano. Técnico: Petinha

BOTAFOGO: Paulo Sérgio; Perivaldo, Gaúcho, Lima e Gilmar; Rocha, Mendonça e Ademir Lobo; Edson, Jairzinho e Jerson. Técnico: Paulinho de Almeida

FONTE: Portal Grande Ponto – pesquisa: Kolberg Luna

Torneio Domingos D’Angelo de 1969: História e a conquista invicta do Campo Grande A.C. (RJ)

Campusca campeão do Torneio Domingos D’Angelo de 1969

Quem foi o multifacetário e baluarte Domingos D’Angelo?

Uma das figuras mais singulares do esporte carioca, nasceu no antigo Distrito Federal, no dia 10 de Agosto de 1911, Domingos D’Angelo, iniciou a carreira profissional como jornalista, chefiando a seção de esportes do extinto vespertino Vanguarda e trabalhando como redator do Jornal dos Sports.

Formado em Medicina, serviu na Beneficência Portuguesa e no Pronto Socorro e mantinha seu consultório na Rua de Santana, no Centro do Rio, onde angariou grande popularidade, pois jamais se interessou em cobrar dos pobres que solicitavam a sua assistência.

Homem de múltiplas atividades e sempre interessado no bem estar  dos humildes, ingressou na política, conseguindo eleger-se por três vezes, como Vereador e Deputado Estadual.

Fora das atividades profissionais, atuou como árbitro de futebol. Como médico, foi chamado para servir na Federação Metropolitana de Futebol (FMF), em 1941.

Por seus múltiplos afazeres particulares, que lhe consumiam quase o dia todo, Domingos D’Angelo passou a servir apenas como secretário-geral, e, com o advento da reforma administrativa da FMF, em 1958, assumiu a Superintendente da Federação Carioca de Futebol (FCF) até os últimos dias de vida.

Por diversas vezes ocupou o cardo de Diretor interino de Árbitros. Na quarta-feira, do dia 26 de Fevereiro de 1969,  o Sr. Domingos D’Angelo foi eleito para a presidência da Junta Disciplinar Desportiva (JDD), do Departamento Autônomo

No final do mês de março de 1969, Domingos D’Angelo foi internado no Hospital Souza Guiar, vítima de uma indisposição circulatória (trombose). Apesar de os médicos terem informado que o dirigente se recuperaria em poucos dias, o final não foi esse.

Na quarta-feira, do dia 09 de Abril de 1969, então aos 57 anos, não resistiu a um derrame cerebral e acabou falecendo. Domingos D’Angelo era casado com D. Iolanda D’Angelo e deixou três filhas. 

Torneio Domingos D’Angelo criado em abril de 1969

A Federação Carioca de Futebol (FCF) resolveu prestar uma homenagem e, ainda no mês de abril, criou o Torneio Domingos D’Angelo, que foi realizado entre os meses de maio e junho de 1969.

O contou com quatro equipes: Campo Grande Atlético Clube; Madureira Atlético Clube; Olaria Atlético Clube e São Cristóvão de Futebol e Regatas.

Campeão garantia vaga para disputar a Taça Guanabara de 1969

O regulamento era simples. As equipes se enfrentaram em turno e returno. A equipe com maior número de pontos seria declarada a campeã, e como prêmio, teria assegurada a sua participação na Taça Guanabara, que em 1969, contou a presença de oito clubes.   

Campusca fatura o título de forma invicta

Fotografia: Campo Grande, campeão do Torneio Domingos D’Angelo de 1969, no Estádio Mario Filho, o Maracanã.
EM PÉ (esquerda para a direita): Helinho (goleiro), Zezinho, Adilson, Geneci, Vicente e Biluca; AGACHADOS (esquerda para a direita): Gil, Ademir, Hélio Cruz, Clair e Alves.

Sob a presidência de Constantino Guimarães, o Campo Grande Atlético Clube conquistou o título, sem nenhuma derrota, o Torneio Domingos D’Angelo, o que lhe garantiu a oitava e última vaga na Taça Guanabara de 1969.   

técnico Aureliano Beltrão

A equipe comandada por Aureliano Beltrão, terminou na 1ª colocação. Foram nove pontos, em seis jogos, com três vitórias e três empates; marcando cinco gols, sofrendo apenas dois e um saldo de três.

No final, o presidente da Federação Carioca de Futebol (FCF), Otávio Pinto Guimarães entregou ao capitão do Campusca, Hélio Cruz a taça de campeão.  

Abaixo, as fichas-técnicas de todas as 12 partidas realizadas na competição:

1ª RODADA do 1º Turno (17/05/69)

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 0          X          1          OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 17 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO204 pagantes
RENDANCr$ 408,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESAntenor Martins (FCF) e Nivaldo dos Santos (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo (Admílson), Dias e Conceição; Solimar e Juarez; Robertinho, Valcir, Assis, (Edílson) e Nei. Técnico: Edmilson
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton; William, Mimi (Nando), Fernando e Adílson (Silva). Técnico: Amaro
GOL(S)Mimi, de cabeça, aos 27 minutos (Olaria); no 1º Tempo.

MADUREIRA A.C. (RJ)             0          X          1          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 17 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO99 pagantes
RENDANCr$ 239,00
ÁRBITROLuís Carlos Félix (FCF)
AUXILIARESJosias Paulino (FCF) e José Alves (FCF)
MADUREIRAUbaldo; Luciano, Almeida, Silva e Fernando; Wilson e Marcílio; Hélio (Netinho), Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Pedrinho, Dionísio (Clair), Hélio Cruz e Avelino (Ademir). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Clair aos 10 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

2ª RODADA do 1º Turno (24/05/69)

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 2          X          2          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 24 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO166 pagantes
RENDANCr$ 332,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Solimar; Élcio e Juarez; Robertinho, Valcir, Admílson (Acir) e Nei (Moreira). Técnico: Edmilson
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Pedrinho (Jairo), Clair, Hélio Cruz e Valmir (Ademir). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Alves aos 32 minutos (Campusca); no 1º Tempo. Moreira aos 19 minutos (São Cristóvão); Hélio Cruz aos 35 minutos (Campusca); Juarez aos 43 minutos (São Cristóvão) no 2º Tempo.

OLARIA A.C. (RJ)                    1          X          1          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 24 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO84 pagantes
RENDANCr$ 168,00
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e José Silveira (FCF)
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton; William, Dario (Mimi), Fernando e Adílson (Silva). Técnico: Amaro
MADUREIRAPaulo Roberto; Luciano, Almeida, Silva e Fernando; Fará e Wilson (Netinho); Machado, Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Adílson aos 24 minutos (Olaria); no 1º Tempo. Zé Pinto aos 44 minutos (Madureira), no 2º Tempo.

3ª RODADA do 1º Turno (31/05/69)

MADUREIRA A.C. (RJ)             1          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 31 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO137 pagantes
RENDANCr$ 317,00
ÁRBITROGeraldino César (FCF)
MADUREIRAUbaldo; Luciano, Almeida (Taquinho), Silva e Pereira; Fará e Wilson; Machado, Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Solimar, Dias e Conceição; Édson e Juarez; Robertinho, Edmílson, Valcir e Nei. Técnico: Edmilson
GOL(S)Miguel aos 16 minutos (Madureira); no 1º Tempo.

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)      0          X          0          OLARIA A.C. (RJ)        

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 31 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO135 pagantes
RENDANCr$ 270,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Antenor Martins (FCF)
CARTÃO VERMELHOJardel (Olaria)
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho (Almir), Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Clair, Ademir, Hélio Cruz e Valmir (Pedrinho). Técnico: Aureliano Beltrão
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Jardel; William, Dario, Fernando e Silva. Técnico: Amaro
GOL(S)Nenhum tento assinalado

1ª RODADA do 2º Turno (07/06/69)

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)      1          X          0          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 07 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 154,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Antenor Martins (FCF)
CAMPO GRANDEJonas; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Clair, Ademir (Gil), Hélio Cruz e Dionísio (Aurelino). Técnico: Aureliano Beltrão
MADUREIRAPaulo Roberto; Suquinha, Almeida, Pereira e Fernando; Fará e Marcílio; Machado, Miguel, Zé Pinto(Netinho) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Clair aos 15 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

OLARIA A.C. (RJ)         3          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 07 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO161 pagantes
RENDANCr$ 322,00
ÁRBITROCarlos Floriano Vidal (FCF)
AUXILIARESEdelmar Freire (FCF) e Eduardo Menezes (FCF)
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete (Mineiro); Guaraci e Hamilton; William (Dodô), Dario, Fernando e Silva. Técnico: Amaro
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Hélio, Dias e Solimar; Ari (Silva) e Moreira; Nei, Juarez, Alcir e Roberto. Técnico: Edmilson
GOL(S)Silva aos 15 minutos (Olaria); Hamilton aos 24 minutos (Olaria); no 1º Tempo. Fernando aos 42 minutos (Olaria), no 2º Tempo.

2ª RODADA do 2º Turno (14/06/69)

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)                  1          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 14 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 212,00
ÁRBITROCarlos Floriano Vidal (FCF)
AUXILIARESEdelmar Freire (FCF) e Nivaldo dos Santos (FCF)
CARTÕES VRMELHOSDias, Alexandre e Robertinho (São Cristóvão)
CAMPO GRANDEZaífre; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Ademir (Gil), Clair, Hélio Cruz e Avelino (Dionísio). Técnico: Aureliano Beltrão
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Hélio; Silas e Juarez (Madeira); Alexandre, Robertinho, Moreira, e Juarez II (Edmilson). Técnico: Edmilson
GOL(S)Gil aos 32 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

MADUREIRA A.C. (RJ)                         1          X          0          OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 14 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 262,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESAntenor Martins (FCF) e Eduardo Menezes (FCF)
MADUREIRAPaulo Roberto; Fernando, Edmar, Taquinho e Campelo; Fará e Marcílio; Netinho (Duarte), Machado, Miguel (Wilson) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton (Dodô); William, Dario, Fernando e Silva (Adílson). Técnico: Amaro
GOL(S)Fará aos 35 minutos (Madureira); no 1º Tempo.

3ª RODADA do 2º Turno (21/06/69)

OLARIA A.C. (RJ)         0          X          0          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)     

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 21 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 15 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANão divulgado
ÁRBITROJosé Mario Vinhas (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Josias Miranda Paulino (FCF)
OLARIABeto; Almir, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Jardel; William, Mimi, Fernando (Mafra) e Naldo. Técnico: Amaro
CAMPO GRANDEHelinho; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Gil, Clair (Ademir), Hélio Cruz e Dionísio (Zezinho). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Nenhum tento assinalado

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 1          X          1          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 21 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 15 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANão divulgado
ÁRBITRONivaldo dos Santos (FCF)
AUXILIARESEduardo Menezes (FCF) e Edelmar Freire (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Hélio; Silas e Juarez (Madeira); Alexandre, Robertinho, Moreira, e Juarez II (Edmilson). Técnico: Edmilson
MADUREIRAPaulo Roberto; Fernando, Edmar, Taquinho e Campelo; Fará e Marcílio; Netinho (Duarte), Machado, Miguel (Wilson) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Netinho (Madureira) e Nei (São Cristóvão).

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Campo Grande A.C.096330523
Olaria A.C.076231523
Madureira A.C.066222440
São Cristóvão F.R.02602439-6

ARTILHARIA:

2 gols – Clair (Campo Grande);

1 gol – Alves e Hélio Cruz (Campo Grande); Zé Pinto, Miguel, Fará e Netinho (Madureira); Mimi, Adílson, Silva, Hamilton, Fernando e Gil (Olaria); Moreira, Juarez e Nei (São Cristóvão).

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FONTES & FOTOS: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – O Jornal (RJ)Revista do Esporte

Clube Cimento Paraíso – Italva (RJ): disputou competições em três ligas diferentes

O Clube Cimento Paraíso é uma agremiação da cidade de Italva (RJ). O “Auriverde Italvense” foi Fundado na quinta-feira, do dia 26 de Outubro de 1944, por funcionários da Cia. Cimento Portland “Paraíso” (constituído em 26 de setembro de 1940). A sua Sede e a Praça de Esportes ficam localizados na Rua Vila Operária, s/n, no bairro Cimento Paraíso, em Italva (RJ).

Curiosidades

Vale lembrar, que até 09 de outubro de 1944, a localidade se chamava Monção. A partir daí passou a se chamar Italva, que era um distrito da cidade de Campos dos Goytacazes. Italva ganhou status de município, por meio da Lei Estadual 999, em 12 de junho de 1986.

O significado da palavra “Italva” é uma junção da palavra tupi ‘Itá’, “pedra“, com a palavra portuguesa “alva“. Traduzindo: pedra branca“, numa referência à abundância de calcário em seu subsolo.

Italva pertence à Região Noroeste Fluminense, que também abrange os municípios de Aperibé, Bom Jesus de Itabapoana, Cambuci, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua, São José do Ubá e Varre-Sai.

Italva é estrategicamente bem localizada, cortada bem ao meio pela BR 356 e faz divisas com Bom Jesus do Itabapoana (42 km), Cambuci (35 km), Campos dos Goytacazes (61 km), Cardoso Moreira (13 km), Itaperuna (41 km) e São Fidélis (45 km) e fica a 345 quilômetros da capital Rio de Janeiro e menos de 100 km das fronteiras com Minas Gerais e Espírito Santo, o que possibilita um grande tráfego de pessoas e automotores no município.

modelo da década de 70

Clube jogou em três ligas diferentes

Até 1954, era filiado a Liga Campista de Desportos (LCD). Já em 1955 e 1956, disputou as competições da Liga Desportiva Bonjesuense (LDB). Em 1957 se filiou a Liga Itaperunense de Desportos (LID).

O Clube Cimento Paraíso tentou ingressar no Campeonato Citadino de Itaperuna, mas a Federação Fluminense de Desportos (FFD), vetou, mesmo com o apelo das equipes Itaperunenses.  

Praça de Esportes do Clube Cimento Paraíso

Bicampeão Itaperunense

Porém, em 1959, conseguiu disputar o Campeonato Citadino de Itaperuna, onde foi bicampeão em 1960-61, organizado pela Liga Itaperunense de Desportos (LID).  

Domingo, no dia 12 de Junho de 1960

Comercio Industria x Cimento Paraíso

Laje x Unidos

Domingo, no dia 26 de Junho de 1960

Porto Alegre x Cimento Paraíso

Retiro x Comercio Industria

Domingo, no dia 24 de Julho de 1960

Cimento Paraíso 3 x 1 Porto Alegre

Comercio Industria 2 x 1 Retiro

Domingo, no dia 31 de Julho de 1960

Porto Alegre x Comercio Industria

Venancense x Laje

Cimento Paraíso x Retiro

Domingo, no dia 02 de Outubro de 1960

Cimento Paraíso 4 x 0 Comercio Industria

Unidos 5 x 0 Lages

Domingo, no dia 16 de Outubro de 1960

Cimento Paraíso x Porto Alegre

Comercio Industria x Retiro

Domingo, no dia 23 de Outubro de 1960

Comercio Industria x Porto Alegre

Laje x Venancense

Retiro x Cimento Paraíso

Campeão Bom-jesuense

Desfile do dia 7 de Setembro, na década de 70

Foi campeão do Campeonato Citadino de Bom Jesus do Itabapoana de 1963, nas duas divisões, organizado pela Liga Desportiva Bonjesuense (LDB).

Em 1964, voltou para a Liga Itaperunense de Desportos (LID). Nesse ano um participante mineiro: Tombense Futebol Clube (debutará no Brasileiro da Série B de 2022), da cidade de Tombos, que fica a 49,2km de distância da cidade de Itaperuna. Os demais participantes: Unidos, Italva, Retiro, Lajes, Fluminense, Natividade e Venancense.

Retorno ao Campeonato Campista

Entrada da Sede Social

Em 1969, voltou a jogar na Liga Campista de Desportos (LCD), onde disputou a Divisão de Acesso. Participaram: União de Santa Cruz (Santa Cruz); Martins Lage; Cardoso Moreira; União dos Servidores Municipais (Caju); Grêmio Social; Esporte Clube Italva; União de Ururaí (Ururaí); Esporte Clube Sapucaia; União do Queimado.

O time base era: Joel; Caldeira, Wilson, Valcir e Maurício; Antenógenes e Salustriano; Edinho, Abel, Eliseu e Adilson.

Ganhou o direito de disputar uma competição profissional, mas…

Em 1970, voltou a jogar a Divisão de Acesso, da LCD. Participaram: União de Santa Cruz (Santa Cruz); Esporte Clube Martins Lage (Martins Lage); Cardoso Moreira; União dos Servidores Municipais (Caju); Grêmio Social da FEI; Esporte Clube Italva; União de Ururaí (Ururaí); Esporte Clube Sapucaia; União do Queimado.

No final, o Cimento Paraíso e o Sapucaia conquistaram as vagas para jogar o Campeonato da Divisão Extra de Profissionais Campista, LCD. As demais colocações ficaram assim:

Cardoso Moreira (seis pontos perdidos);

Esporte Clube Italva (oito pontos perdidos);

Grêmio Social (nove pontos perdidos);

União de Ururaí (dez pontos perdidos);

5º  União de Santa Cruz (dez pontos perdidos);

União dos Servidores Municipais (12 pontos perdidos);

Martins Lage (13 pontos perdidos);

União do Queimado (14 pontos perdidos).

Porém, o Cimento Paraíso acabou desistindo de disputar o certame, abrindo vaga para o Cardoso Moreira, que entrou no seu lugar.

No Campista, boas participações

parte frontal do clube

Em 1973, participou do Campeonato Campista de Futebol Amador. Participaram: Nacional (Saturnino Braga); Beira do Taí; União de Santa Cruz (Santa Cruz); União dos Servidores Municipais (Caju); Esporte Clube Italva; Municipal; Santo Antônio do Beco; União de Ururaí (Ururaí).

Faltando uma última rodada para o fim, se enfrentaram União dos Servidores (100% de aproveitamento) e Cimento Paraíso (apenas um ponto perdido), a fim de decidir o título. A classificação era a seguinte:

União dos Servidores Municipais (zero ponto perdido);

Clube Cimento Paraíso (um ponto perdido);

Nacional de Saturnino Braga (quatro pontos perdidos);

Santo Antônio do Beco e  Municipal (cinco pontos perdidos);

União de Santa Cruz (sete pontos perdidos);

Beira do Taí (oito pontos perdidos);

União de Ururaí (nove pontos perdidos);

Esporte Clube Italva (11 pontos perdidos);

10º Atlético do Poço (13 pontos perdidos);

Em 1974, esteve presente do Campeonato Campista de Futebol Amador. A competição contou com as seguintes equipes: Aliança (Mineiros); Atlético; Estrela; São Sebastião; União de Ururaí; Santa Cruz; Cardoso Moreira; União de Guarus; União dos Servidores Municipais; São João; Santo Antônio.

Em 1975, o time disputou o Campeonato Regional do Norte Fluminense. Estiveram presentes: Porto Alegre; Paduano; Leite Glória; Paraíso; Olímpico; Natividade; Comércio; Porciuncalense; Unidos; Italva; Laje.

Em 1978, o Cimento Paraíso fez parte do I Campeonato de Futebol da Divisão Especial de Campos. A 1ª rodada – que teve início na quinta-feira, do dia 02 de Março de 1978 – teve os seguintes resultados:

Goytacaz 2 x 0 Americano;

Cambaíba 4 x 3 Santo Antonio;

União de Santa Cruz 1 x 1 Rio Branco;

Cimento Paraíso 0 x 0 Paraíso.

No domingo, do dia 19 de março de 1978, o Americano ficou no empate em 1 a 1 com o Cimento Paraíso. O Cardoso Moreira derrotou o Sapucaia por 2 a 1. O União Santa Cruz bateu o Santo Antonio pelo placar de 3 a 1.

Declínio na década 80

salão de eventos

Na década de 80, o clube sumiu do mapa das competições regionais. A partir daí o declínio foi crescendo até chegar ao ápice, quando a sede social ficou abandonada, com a vegetação tomando conta. A reportagem do “Italva em Foco“, no dia 20 de janeiro de 2014, fez uma narrativa preocupante:

As instalações do clube de Cimento Paraíso continuam abandonadas. Local de encontro de pessoas de toda a região no passado, o clube está se acabando aos poucos.  Por todos os lados a vegetação está tomando conta. O salão, que já abrigou um cinema e recebeu diversos shows e apresentações culturais, retrata um grande abandono e a estrutura do telhado mostra visível desgaste com o tempo. O alambrado do campo está todo enferrujado e caindo. Segundo informações, o imóvel foi doado ao município há alguns anos atrás para que o mesmo pudesse zelar pelo patrimônio. Moradores de Cimento criaram uma petição on line em 2013 solicitando ao prefeito a reforma do local“.  

Sai: ‘Clube Cimento Paraíso’. Entra: ‘Centro Cultural de Cimento Paraíso’

O empenho dos moradores deu resultado, e, no dia 17 de agosto de 2020, o Prefeito em exercício de Italva, Alcirley Lima e o Secretário Municipal de Chefia de Gabinete Walber Gomes, afirmaram que as obras de recuperação e construção do “ Centro Cultural de Cimento Paraíso “.

Assim, o sonho dos italvenses está perto de ser realizado, onde o Clube de Cimento Paraíso, dará lugar a um Centro Cultural Multiuso

Desenho dos escudos, uniforme, pesquisa e texto: Sérgio Mello

FOTOS: Página no Facebook “Cimento Paraíso” – Flávio RebelCláudio Pandora (ex-jogador profissional)

FONTES: Wikipédia – Última Hora (RJ) – Página no Facebook “Cimento Paraíso” – Diário de Notícias (RJ) – Revista O Cruzeiro – O Observador Econômico e Financeiro (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – A Noite (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – O Fluminense (RJ) – A Luta Democrática (RJ) – site Italva em Foco – Página no Facebook “Cimento Paraíso” – Portal Entre Cidades Norte e Noroeste Fluminense  

Esporte Clube Operário – Cabo Frio (RJ): Campeão de Cabo Frio em 1962, disputou o Campeonato Fluminense de Clubes Campeões de 1964

O Esporte Clube Operário foi uma agremiação da cidade de Cabo Frio (RJ). Sediado na Rua Jorge Lóssio, s/n, no bairro Vila Nova, foi Fundado na 1ª quinzena de Fevereiro de 1962, pelos desportistas Aldir José de Sousa, então presidente do Sindicato na Extração de Sal, e também 1º suplente vereador pelo PSB (Partido Socialista Brasileiro) e por Corrêa, o ‘Leão’, diretor do Sindicato dos Estivadores.

No começo, a modesta agremiação possuía uma pequena Sede na Rua Teixeira e Souza, s/n, no bairro Vila Nova. Uma curiosidade é que o ex-jogador Alair Corrêa ganhou notoriedade na cidade ao se eleger por três vezes como Prefeito de Cabo Frio (1º/02/1983 a 31/12/1988 – 1º/01/1997 a 31/12/2000 – 1º/01/2013 a 31/12/2016).

O diretor do Operário foi o Sr. Lecy Gomes da Costa, que anos depois foi homenageado pelo então prefeito Alair Corrêa, que colocou o seu nome na rua, onde está a Igreja Católica e o São Cristóvão Futebol Clube: Rua Lecy Gomes da Costa.

O time base era constituído por: Charlinhos; Cícero, Elialdo e Nininho; Luiz de Nilo e Alair Corrêa, Geroninho, Josias e Leley de Braguilha. A 1ª Diretoria foi formada pelos seguintes membros:

Presidente – Aldir José de Sousa;

Vice-Presidente – Lecy Gomes da Costa;

1º Secretário – Geraldo de Azevedo;

2º Secretário – Clébio Gomes;

1º Tesoureiro – Alencar Soares;

2º Tesoureiro – Osvaldo Gomes Cordeiro.      

Em seguida, o presidente da Liga Cabofriense de Desportos (LCD), Danclars José de Souza, em caráter experimental, filiou o Esporte Clube Operário e Palmeirinha Futebol Clube. O dirigente também solicitou junto a Federação Fluminense de Desportos (FFD), a homologação da filiação definitiva dos clubes Perynas e Manguinhos.

O Operário debutou no certame, quando disputou o Torneio Início Cabofrense, organizado pela LCD. A competição foi realizada em dois domingos, nos dias 05 e 12 de Agosto de 1962, no Estádio Municipal.

No regulamento, informava que os jogos seriam disputados em 20 minutos cada, e, que a exceção seria na grande final, onde a partida teria 60 minutos para definir o campeão.

Na sua estreia, o Operário encarou um adversário duro: o Arraial. Após o empate em 1 a 1, a equipe avançou nos pênaltis por 3 a 0, com os gols de Hermes e Aluísio.

1ª FASE

Tamoyo0 (1)X0 (3)Unidos de ManguinhosÁrbitro: José da Silva Santos
Tupi1 (3)X1 (2)PerynasÁrbitro: Jovino Tavares de Almeida
Arraial1 (0)X1 (3)OperárioÁrbitro: Othon Marques Cardoso
Sergipe0X1AA CabofrienseÁrbitro: Othon Marques Cardoso

2ª FASE

Guarani0 (3)X0 (0)Unidos de ManguinhosÁrbitro: Gabriel Ramos Filho

SEMIFINAL

Tupi0 (3)X0 (2)OperárioÁrbitro: José da Silva Santos
Cabofriense0 (3)X0 (0)GuaraniÁrbitro: Othon Marques Cardoso

FINAL

Tupi0X4AA CabofrienseÁrbitro: Gabriel Ramos Filho
Entre parênteses, o vencedor foi definido na disputa de pênaltis

, Os gols foram assinalados por Carlinhos, Aguinaldo, Zé Carlos e Cinho. O jogo suspenso aos 8 minutos por falta de luz natural. Assim, os 52 minutos restantes foi completada uma semana depois (12/08), no Estádio Municipal.

Depois, o Operário estreou no Campeonato Citadino de Cabo Frio de 1962, organizado pela Liga Cabofriense de Desportos (LCD), onde surpreendeu a todos, conquistando o título de forma invicta.

O Campeonato Cabofriense de futebol foi disputado com mais de um ano de atraso, só terminando no final de dezembro de 1963. E, mesmo assim, por que a LCD fez com jogos eliminatórios, a fim de definir o campeão antes do final do ano.

O atraso foi em razão da realização do Campeonato Fluminense, deixando o Campeonato de Cabo Frio bastante espremido. No final, o Operário faturou o título com duas vitórias e dois empates (vencendo nos pênaltis), marcando três gols, sem sofrer nenhum tento.   

Campanha:

Operário2X0TamoyoGols: Aloísio, duas vezes.
Operário0 (3)X0 (2)AA CabofrienseGols: Braguinha.
lOperário0 (3)X0 (0)Unidos de ManguinhosGols: Braguinha.
Operário1X0PerynasGols: Josimar, na prorrogação.
Entre parênteses, o vencedor foi definido na disputa de pênaltis

O Esporte Clube Operário contou com os seguintes jogadores: Alair, Aloísio, Arizio, Braguinha, Chico, Ileando, Jeronimo, Josimar, Luiz, Nininho, Orclino, Scharles e Sidney.

A inédita conquista deu ao Operário o direito de disputar o Campeonato Fluminense de Campeões Municipais, em 1964, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD)

A lista dos clubes inscritos chegou a um total de 19 clubes:

América Futebol Clube (Três Rios);

Associação Atlética Piauí (Fábrica Nacional de Motores – Duque de Caxias);

Bacaxá Futebol Clube (Saquarema);

Cantagalo Esporte Clube (Cantagalo);

Clube dos Coroados (Valença);

Clube Esportivo Mauá (São Gonçalo);

Esporte Clube Metalúrgico (São Gonçalo);

Esporte Clube Operário (Cabo Frio);

Esporte Clube São Bento (Angra dos Reis);

Estrela Dalva (Nilópolis);

Flamengo Futebol Clube (Macaé);

Guarany Futebol Clube (Magé);

Mangueira Futebol Clube (Paraíba do Sul);

Nacional Futebol Clube (Duque de Caxias);

Royal Sport Club (Barra do Piraí);

São José Atlético Clube (Cachoeiras de Macacu);

São Pedro Futebol Clube (São João de Meriti);

Tanguá Futebol Clube (Rio Bonito);

Tupy Futebol Clube (Paracambi);

Desistência e exclusão

No entanto, antes do início da competição, o Mauá de São Gonçalo desistiu de participar. Porém, o maior “mico” ficou por conta do Clube dos Coroados, de Valença.

Após ter a sua inscrição aceita, dias antes de estrear, a Federação de Fluminense de Desportos descobriu que o clube não foi campeão de Valença no anterior, o que impossibilitou a sua participação no torneio. Um erro grotesco da FFD!   

A estreia aconteceu no domingo, do dia 08 de março de 1964, quando o Operário acabou derrotado pelo Bacaxá, de Saquarema, pelo placar de 3 a 1, no Estádio Municipal, em Cabo Frio. No final, o time não fez uma boa campanha, mas ficou a lembrança de uma temporada inesquecível.

Colaborou: Gerson Rodrigues

FOTOS: Acervo de José Francisco de Moura, ‘Profº Chicão

FONTES: Jornal Última Hora (RJ) – Gazeta da Baixada (RJ) – José Francisco de Moura, ‘Profº Chicão