Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Torneio Internacional de Verão de 1972: Flamengo é campeão! Fio Maravilha faz golaço e ganha música de Jorge Ben Jor

EM PÉ (esquerda para a direita): Aloísio, Fred, Ubirajara, Reyes, Liminha e Paulo Henrique;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Mineiro (Massagista), Rogério, Zé Mario, Narciso Doval, Caio Cambalhota e Paulo César Caju.

Por: Sérgio Mello

O Torneio Internacional de Verão de 1972, foi realizado entre os dias 15 a 20 de janeiro de 1972. O evento contou com a participação de três equipes: Clube de Regatas Flamengo, Clube de Regatas Vasco da Gama e o Sport Lisboa e Benfica (Portugal).

As equipes se enfrentaram em um turno único e o campeão seria aquele com o maior número de pontos. Os três jogos foram realizados no imponente estádio do Maracanã.

Técnico do Flamengo: Zagallo

Regulamento

Por jogo, só seriam permitidas duas substituições em cada time, conforme a recomendação da FIFA. Se o torneio terminar empatado entre três clubes, será campeão o que tiver o melhor saldo de gols. Se persistir, vale o gol-average e ainda o sorteio está previsto em última hipótese.

No caso do torneio terminar empatado entre dois clubes, haverá uma partida extra, com prorrogação de 30 minutos (15 minutos cada tempo), caso termine empatado. E, se a igualdade persistir, a decisão será nos pênaltis para definir o campeão!

Preços dos Ingressos para os três jogos:

Camarote lateral – Cr$ 100,00;

Camarote de curva – Cr$ 60,00;

Cadeira especial – Cr$ 30,00;

Cadeira numerada lateral – Cr$ 20,00;

Cadeira sem número atrás do gol – Cr$ 12,00;

Arquibancada – Cr$ 7,00;

Geral – Cr$ 2,00;

Mengão estreia com vitória

O Benfica desembarcou no Rio de Janeiro, a fim de disputar o Torneio Internacional de Verão de 1972. Na ocasião, o clube português vinha de goleada sobre o rival Sporting, por 3 a 0, válido pelo Campeonato Português da 1ª Divisão de 1972/73. Para se ter uma ideia, os Encarnados sob o comando do inglês Jimmy Hagan disputou 14 jogos, vencendo todos, liderando com folga: 28 pontos.

No final, o Benfica se sagrou campeão Português invicto: 58 pontos em 30 jogos, com 28 vitórias e dois empates; marcando 101 gols, sofrendo 13 e um saldo pomposo de 88 gols.   

No sábado, às 21 horas e 15 minutos, do dia 15 de Janeiro de 1972, o jogo de abertura foi entre o Clube de Regatas Flamengo e Sport Lisboa e Benfica, de Portugal, no estádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio.

O Mengão derrotou o Benfica por 1 a 0, com um golaço de placa! Aos 33 minutos, do segundo tempo, o zagueiro paraguaio Reyes tomou a bola de Jordão e tocou no meio de campo para Samarone.

Este que tocou para Rogério que lançou na intermediária para Fio. O atacante passou na corrida por Rui Rodrigues, e, quando o goleiro Zé Henrique saiu para tentar interceptar, Fio deu o ‘drible da vaca’ (jogou a bola de um lado e pegou no outro) e tocou para o fundo das redes, levando a torcida rubro-negra ao puro êxtase!   

Fio Maravilha

Tá sabendo? O gol de Fio, inspirou na criação da canção de Jorge Ben

Curiosidade nº 1 – nessa partida, o gol do atacante rubro-negro Fio (que tinha completado 27 anos, quatro dias antes), acabou inspirando o cantor e compositor Jorge Ben Jor, que compôs a música “Fio Maravilha“. A partir daí, o jogador passou a ser conhecido por Fio Maravilha.

Essa canção homônima, grande sucesso nacional, vencedora do Festival Internacional da Canção de 1972 (na voz de Maria Alcina), que narra o feito contra a equipe portuguesa:

Tabelou, driblou dois zagueiros/ Deu um toque driblou o goleiro/ Só não entrou com bola e tudo/ Porque teve humildade em gol“. O gol (“de anjo, um verdadeiro gol de placa”, segundo Jorge Ben).

Curiosidade nº 2 – Detalhe que o contrato de Fio Maravilha com o Flamengo já havia expirado há 15 dias, que o renovou em razão do golaço. Fio Maravilha falou sobre a jogada que resultou no golaço:

Quando eu recebi a bola do Rogério, eu vim, consegui driblar os dois zagueiros, e os beques correndo atrás de mim. Aqui o goleiro saiu, eu fiz que ia para o meio do gol, para o meio da área, inverti e saí pelo lado esquerdo, o goleiro caiu… Em cima da marca da pequena área, eu toquei para o gol. Porque eu não quis correr o risco de tropeçar, acontecer alguma coisa, e perder. E daqui fiz o gol e saí para a galera“, revelou

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATASábado, do dia 15 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 283.847,00
PÚBLICO44.282 pagantes (44.440 presentes)
ÁRBITROAirton Vieira de Morais (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESGeraldino César (FCF) e Artur Ribeiro de Araújo (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Samarone), Paulo César Caju e Arílson (Fio Maravilha). Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni (Eurico) e Vitor Martins (Adolfo); Nenê, Jordão, Diamantino e Simões. Técnico: Jimmy Hagan
GOLFio aos 33 minutos (Flamengo), no 2º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Malta da Silva, Messias, Toni, Rui Rodrigues, Artur e Zé Henrique.
AGACHADOS (esquerda para a direita): Nenê, Vitor Martins, Jordão, Diamantino e Simões.

Vascão perde na estreia para o Benfica 

Na terça-feira, às 21h15min., do dia 18 de Janeiro de 1972, o Clube de Regatas Vasco da Gama enfrentou o “feridoSport Lisboa e Benfica (Portugal), no Maracanã. Sem apresentar um ritmo de jogo, o Vasco acabou derrotado pelo Benfica pelo placar de 2 a 0, e ficou com poucas chances de ficar com o título.

Um gol em cada tempo

Aos 24 minutos do primeiro tempo, Toni entregou a Eusébio, que de primeira tocou para Jordão. Renê estava na jogada, para a cobertura, mas furou. Jordão pegou a bola, invadiu a área, e, mesmo acossado por Alfinete, tocou forte, de perna esquerda, no centro do gol, batendo Andrada, que sairá no seu encalço.     

Aos 20 minutos da etapa final, Nenê passou por Alfinete, foi à linha de fundo e tocou para trás. Simões recebeu livre na marca do pênalti e não teve nenhum trabalho em chutar de perna direita e rasteiro, no canto direito do goleiro argentino Andrada, que nada pode fazer.

Técnico do Benfica: Jimmy Hagan

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       0          X         2          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATATerça-feira, do dia 18 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 136.961,00
PÚBLICO22.097 pagantes
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESAloísio Felisberto (FCF) e Neri José Proença (FCF)
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Buglê (Adilson); Luís Carlos, Roberto (Jaílson), Ferreti e Pastoril. Técnico: Zizinho
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni e Simões; Nenê, Jordão (Zeca), Eusébio (Adolfo) e Diamantino. Técnico: Jimmy Hagan
GOLSJordão aos 24 minutos (Benfica), no 1º Tempo. Simões aos 20 minutos (Benfica), no 2º Tempo.

Mengão bate o Vasco e fica com o título

No feriado da quinta-feira, às 18 horas, do dia 20 de Janeiro de 1972, jogaram o Clube de Regatas Flamengo e o Clube de Regatas Vasco da Gama, no Maracanã para definir quem ficaria com o caneco. No final, o Rubro-negro venceu o Vasco por 1 a 0, e se sagrou campeão do Torneio Internacional de Verão de 1972.

O gol do título

Aos 32 minutos do primeiro tempo, Rogério entrou pela direita e cruzou sobre a área. A defesa do Vasco bobeou e Paulo César Caju, num mergulho sensacional, cabeceou no canto esquerdo do goleiro Andrada para abrir o placar.

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          C.R. VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATAQuinta-feira, do dia 20 de Janeiro de 1972
HORÁRIO18 horas
RENDACr$ 170.637,00
PÚBLICO29.381 pagantes
ÁRBITROJosé Marçal Filho (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESJosias Miranda Paulino (FCF) e José Silveira (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Fio Maravilha), Paulo César Caju e Arílson. Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Adilson (Jaílson); Luís Carlos, Roberto (Gaúcho), Ferreti e Gilson Nunes. Técnico: Zizinho
GOLPaulo César Caju aos 32 minutos (Flamengo), no 1º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Andrada, Fidélis, Eberval, Gaúcho, Moisés e Renê;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marco Antônio, Buglê, Ferreti, Luís Carlos e Gilson Nunes.
Técnico do Vasco: Zizinho

Renda e Público no Torneio

O Torneio Internacional de Verão de 1972, teve um público total, nos três jogos, de 95.760 pagantes, que deu uma média de 31.920 por partida. A Renda dos três jogos, gerou um montante de Cr$ 591.445,00, que deu uma média de Cr$ 197.148,33 por partida.

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FOTOS: Ser Benfiquista ponto com – Diário da Manhã (RJ) – Revista Placar

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Foto Rara, de 1925: Seleção Carioca de Futebol

EM PÉ (esquerda para a direita): Floriano, Moderato, Nilo, Pennaforte, Helcio, Haroldo, Moacyr, Nono, Candiota, Nascimento e Fortes.

No domingo, do dia 20 de Setembro de 1925, pelo 3º Campeonato Brasileiro de Football, o Combinado Carioca (Fluminense e Flamengo), venceu a Seleção Paulista, no Estádio das Laranjeiras, na Zona Sul do Rio (RJ). Segundo a reportagem, o palco contou com a presença de 40 mil pessoas.

FONTE E FOTO: Jornal Para Todos (RJ)

Fotos raras, de 1915: Estádio de General Severiano – Rio de Janeiro (RJ)

Foto de 1915

Estádio de General Severiano, de propriedade do Botafogo Football Club (depois da fusão passou a ser do Botafogo de Futebol e Regatas), ficava na Avenida Venceslau Brás, s/n, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio (RJ).

O campo foi construído (em madeira) em 1912, e inaugurado na terça-feira, do dia 13 de Maio de 1913, na vitória do Botafogo sobre o Flamengo por 1 a 0, válido pelo Campeonato Carioca da 1ª Divisão. O gol foi assinalado pelo atacante Mimi Sodré.

Foto de 1915

Alguns números interessantes sobre o Estádio de General Severiano: Carvalho Leite foi o maior goleador com 101 gols, em 90 jogos, e uma média de 1,1 gol por jogo.

O Estádio em concreto foi reinaugurado em 1938

Foto panorâmica de 1941

Em 1937, quando começou a “Campanha do Cimento“, que consistia num livro de ouro para doações de torcedores, a reconstrução foi concluída. A sua reinauguração aconteceu no domingo, do dia 28 de agosto de 1938.

Na cerimônia realizada antes do 1º jogo, um mapa do Brasil foi desenhado no centro do gramado com terra originada de cada estado do país. O jogo foi contra o Fluminense e o Botafogo venceu por 3 a 2.

Décadas de 30 e 40

Neste estádio o Botafogo decidiu o Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1934, contra o Andarahy, vencendo o jogo por 2 a 1. O Botafogo também decidiu o Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1948, contra o Vasco da Gama, vencendo o jogo por 3 a 1, com o estádio lotado por aproximadamente 20 mil pessoas.

Demolição

Foto de meados de 70

O estádio foi demolido quando o clube perdeu a posse do terreno nos aos 70. A última partida neste estádio deu-se no sábado, do dia 30 de novembro de 1974, empate em 2 a 2 com o Madureira.

Em 1975, recebeu a 1ª edição do Hollywood Rock, que gerou o documentário “Ritmo Alucinante“. Em 1977, a sede foi vendida para a Companhia Vale do Rio Doce; o clube na época era presidido por Charles Macedo Borer. Com a venda da sede, o futebol do Botafogo foi para Marechal Hermes, e como o antigo estádio foi demolido, lá foi construído um novo, com armações tubulares, denominado: Estádio Mané Garrincha.

FOTOS: Sports (RJ) – Revista Placar – Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

FONTE: Diversos jornais cariocas

Inédito!! 1º escudo de 1914: Riachuelo Football Club – Paraíba do Sul (RJ), entre as décadas de 10 a 30

Por: Sérgio Mello

O Riachuelo Esporte Clube é uma agremiação do município de Paraíba do Sul, que fica na região Sul Fluminense do estado do Rio de Janeiro. Com uma população de 44.045 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2018, está a 138 km de distância da capital.

A sua Sede  social e o Estádio Alfredo da Costa Mattos Júnior ficam situados na Praça São Pedro São Paulo, nº 25, no bairro da Vila Nicolau Melick, em Paraíba do Sul (RJ).

Uma curiosidade pouco conhecida começa no “Auriverde Riachuelense” a Fundação, ocorrido na sexta-feira, do dia 20 de Março de 1914, quando surgiu o Riachuelo Football Club.

Inauguração do Riachuelo, em- 20 de março de 1914

Exatamente, primeiramente nasceu como “Football Club“, só alterando para “Sport Club” em 1933. Posteriormente, em meados dos anos 40, quando aportuguesou para “Esporte Clube“.

Alguns amistosos

Um dos primeiros jogos que se tem registro, aconteceu na segunda-feira, do dia 07 de Setembro de 1914, quando o Riachuelo venceu o Serrano (não especificado se era um clube da cidade ou de outro município), por 2 a 1, no seu campo.

Outro jogo, aconteceu no domingo, do dia 27 de Setembro de 1914, o Riachuelo goleou o “Scratch” Iris (não mencionado a sua localidade), por 7 a 2, no seu campo.

No domingo, do dia 08 de Fevereiro de 1920, em amistoso, o Riachuelo goleou o Entrerriense por 4 a 2, em Paraíba do Sul.

escudo dos anos 30

No domingo, às 16h30min., do dia 25 de Março de 1917, em comemoração ao seu 3º aniversário, o Riachuelo recebeu no seu ground, o Portella Football Club (atual Portela Atlético Clube), do município de Governador Portela. O “Auriverde Riachuelense” venceu a peleja por 3 a 2.  

Diante de um ótimo público, apesar do primeiro tempo ter sido animadíssimo, terminou sem gols. Na etapa final, os visitantes saíram na frente por intermédio de Esmeraldo. Mas o Riachuelo pressionou e marcou três gols. No  final, Edmundo diminuiu a contagem.  

O time escalado foi: Jayme Santos; Clóvis (Cap.) e Rogério; Mont Mor, Teles, e Eustowhs; São, Andrade, Elizabeth, Jaime II e Santos.

Portella: Ribeiro; Olívio e Paulo; Bittencourt, Favilha e Edmundo; Silva, Esmeraldo, Olympio, Antonio e Supo.

Time base de 1916: Jayme Santos; Jarbas e Mario Pinto; Clóvis, Raul (Cap.) e Didimo; Sólon, Pereira, Waldemar, Flávio e Newton. Reservas: Bias, Waldemar II, Duílio e Gilberto.

Time base de 1919: Jayme Santos; Mario e Neto; Mattos, Edmundo e Quaruta; Clóvis, Adão, Reynaldo, Lauro e Nonô.

FOTOS: Acervo de Celso Malheiros

FONTES: Correio da Manhã (RJ) – A Noite (RJ) – O Tico-Tico (RJ) – Arealense (RJ)

Inédito! 1º Campeão do Campeonato Citadino de Três Rios (RJ) de 1939: Entrerriense F.C.

Por: Sérgio Mello

Breve história da cidade

Na quarta-feira, do dia 14 de dezembro de 1938, pelo decreto 634, o distrito de Entre-Rios (antes pertencia ao 2º Distrito de Paraíba do Sul) conseguiu a sua emancipação político-administrativa e o novo município foi instalado no domingo, do dia 1º de Janeiro de 1939.

Contudo, o município, nascido com a toponímia de Entre-Rios, viu-se no início dos anos 40 obrigado, por órgãos federais, a mudar a sua denominação pela triplicidade do nome existente em outros municípios brasileiros.

A partir da sexta-feira, do dia 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei 1.056, o município de Entre-Rios passou a chamar Três Rios, numa clara conotação aos três mais importantes rios que cortavam o seu território: rios Paraíba do Sul, Piabanha e Paraibuna. Entretanto, manteve-se o nome Entre-rios em diferentes instituições e estabelecimentos comerciais, como forma de resguardar a história da região.

Entidade de futebol em Três Rios

A entidade máxima do município de Três Rios é a LDTR (Liga Desportiva de Três Rios), Fundada no domingo, do dia 21 de Novembro de 1943. A sua Sede (atual) está localizada na Praça Visconde do Rio Novo, s/n, no Centro de Três Rios.

Entrerriense Futebol Clube (anos 30): onde se percebe a presença de alguns jogadores negros da esquerda para a direita tem-se Bertolino – Tamanduá – Fortunato – Licirio – Zé Coruja – Sapo – Gradim

1º Campeonato de Três Rios teve o Entrerriense com Campeão

Em Novembro de 1939, o Entrerriense Futebol Clube organizou o Campeonato Municipal, que podemos considerar como o embrião dos Citadinos de Três Rios, que viriam a se realizarem. Participaram os seguintes clubes:

Entrerriense Futebol Clube (Três Rios);

Serrariense Futebol Clube (Serraria, atual município de Comendador Levy Gasparian);

Commercial Athletico Club (Três Rios);

Central Sport Club;

Olympico (alvirrubro);

Volantes;

Cantagallo (Alvianil);

Fluminense Futebol Clube (Tricolor de Três Rios); 

Estádio da Rua Marechal Floriano, no Centro (propriedade do Entrerriense)

Observa-se (foto acima) a presença do público – homens, mulheres e crianças -, durante a inauguração do estádio de futebol do Entrerriense Futebol Clube, na cidade de Três Rios/RJ, em 1930. Destaque à direita para arquibancada, que possuía, embaixo, os pandemia, sem a presença do público. Sem informação do autor da fotografia, acervo André Mattos vestiários para os jogadores, e na esquerda, no primeiro plano, instrumentos musicais da Banda 1° de Maio.

Após a sexta rodada, o Serrariense Futebol Clube desistiu da competição. Na oitava rodada foi à vez do Volante e Central abandonarem o certame, deixando com cinco clubes que ficaram até a última rodada.

O 1º campeão de Três Rios foi o Entrerriense Futebol Clube, com 17 pontos, em 10 jogos; com oito vitórias, um empate e uma derrota; 43 gols pró, 16 tentos contra e um saldo pomposo de 27.   

1ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
01/10Olympico3X0Central SC 
01/10Commercial3X7Entrerriense 
01/10Serrariense FC5X4Volantes 
01/10Cantagallo2X2Fluminense 

2ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
08/10Entrerriense9X1Central SCDintinho
08/10Volantes3X5CantagalloNelson Soares
08/10Commercial2X2OlympicoJoão Manhães

3ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
15/10Volante3X1Central SC 
15/10Cantagallo5X2Serrariense FC 
15/10FluminenseXCommercialNão computado

4ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
22/10Entrerriense3X1Fluminense 
22/10Commercial2X0Central SC 
22/10Olympico2X2Volante 

5ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
29/10Commercial2X1Serrariense FC 
29/10Cantagallo3X2Central SC 
29/10Volante0X2Fluminense 

6ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
05/11Fluminense2X1Serrariense FC 
05/11Entrerriense3X3Volante 
05/11Cantagallo1X4Olympico 

7ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
15/11Commercial3X1VolanteHenrique Pinheiro
15/11Central SC1X2FluminenseAyres Azevedo
15/11Entrerriense3X2Olympico 

8ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
03/12Entrerriense2X1Cantagallo 
03/12Olympico5X2Fluminense 

9ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
03/12Fluminense X Commercial 
03/12Olympico X Central SC 

10ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
31/12Cantagallo X Olympico 
31/12Commercial X Central SC 

11ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
14/01Fluminense X Cantagallo 
14/01Entrerriense X Commercial 

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Entrerriense1710811431627
Fluminense151071227189
Olympico1409612311021
Commercial11104331923-4
Cantagallo9104152229-7
Volantes471241621-5
Serrariense FC24103913-4
Central SC06006522-17

ARTILHEIROS:

13 gols – Machareth (Entrerriense);

12 gols – Landico (Entrerriense);

8 gols – Pedro (Olympico); Môs;

6 gols –  Nery e Bolão (Entrerriense);  Alceu;

5 gols –  Chiquinho (Cantagallo); Castanheira;

4 gols –  Torquato e Macumba (Volante); Zico, Luizinho, Nicanor e Babazinho;

3 gols –  Tela, Walter, Dodoca, Nilton; Manequim (Entrerriense); Aluizio e Aladim;

2 gols –  Batoque, Mais, Hercílio, Álvaro, A. Carvalho, Moaycir e Canavez;

1 gol –  Cotação, João Vieira, Sapo, Alencar, Baptista, Bentinho; Silveira (Olympico); Hugo (Entrerriense); Tuninho, Macarrão, Argeu; Zezé (Entrerriense); Seixas, Colonia, Cley, Nelson e Licirio.

FOTOS: Revista Contempoartes

FONTES: Entre-Rios Jornal (RJ) – Dados do autor

Foto Rara, de 1965: Bonsucesso Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ), a história dessa imagem

Foto em destaque (em preto e branco): Alfinete, técnico do Bonsucesso F.C.
EM PÉ (esquerda para a direita): Marcelo, Jonas, Nogueira, Jerry, Jardel e Albérico;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Gilbert, Adauri, Sabará, Ivo Sodré e Escurinho (ex-Fluminense).

A foto posada, em destaque, do Bonsucesso Futebol Clube corresponde ao ano de 1965. Vamos contar um pouquinho da história dessa foto. O Bonsuça enfrentou o Botafogo de Futebol e Regatas, no sábado, do dia 27 de Novembro de 1965, válido pela 4ª rodada do segundo turno do Campeonato Carioca daquele ano.

Na véspera, os preços dos ingressos, com os militares pagando meia-entrada, foram apresentados: Arquibancadas: Cr$ 600,00Gerais: Cr$ 200,00.

No Botafogo, o técnico Daniel Pinto não pode contar com o meia Gerson (Canhotinha de Ouro), com um derrame no joelho direito. No seu lugar entrou Elton.

No Bonsucesso, o Diretor de Futebol, Sr. Rubens Araújo Reis prometeu um prêmio de Cr$ 150 mil (que poderá chegar a Cr$ 200 mil), em caso de vitória. Após o treino de sexta-feira (26/11/65), os jogadores seguiram para o Hotel Nice, no Centro do Rio, onde pernoitaram, a fim de no dia do jogo seguiram para o Maracanã.            

O técnico Alfinete demonstrou confiança na vitória: “O time está em boas condições físicas e técnicas, e, por essa razão, com grandes possibilidades de chegar a uma vitória sobre o Botafogo, por méritos, inclusive“, afirmou Alfinete.

No jogo, realizado no Estádio do Maracanã, Botafogo e Bonsucesso não saíram de um empate em 1 a 1. Resultado que, praticamente sepultou as chances de brigar pelo título Carioca para o clube de Estrela Solitária, enquanto para o Leão da Leopoldina foi um pontinho importante para subir na tabela.

Gol do Botafogo

O Botafogo abriu o placar aos 11 minutos. Jairzinho passou por dois adversários, foi a linha de fundo e centrou para Humberto e Artur que entravam livres na área.

O lateral Marcelo, que foi  para o centro da área dar cobertura do zagueiro Nogueira, em tentativa para cortar o lançamento de Jairzinho, acabou cabeceando no canto esquerdo de Jonas, que ainda saltou para bater com a nuca na trave. Gol contra a favor do Botafogo.  

Apesar do gol sofrido, o Bonsucesso teve o controle do jogo, ditando o ritmo, criando chances de empatar com Escurinho, uma vez, e Adauri, numa outra oportunidade. E assim, terminou o primeiro tempo.

No segundo tempo, logo aos 30 segundos, o Bonsuça quase empatou. Gilbert entrou livre até a pequena área e bicou para fora. Chegando com mais facilidade à área e explorando os seus ponteiros, o Bonsucesso já dominava amplamente a partida, quando chegou ao empate.

Gol do Bonsucesso

Aos 13 minutos, a bola chegou aos pés de Gilbert, que centrou na área. Sabará entrou entre Zé Carlos e Paulistinha e testou firme, sem chances para Manga, que foi buscar a bola no fundo das redes. Fim de jogo, e a reportagem do Jornal dos Sports classificou como um resultado injusto, pois o Bonsucesso merecia ter saído de campo com a vitória.   

BOTAFOGO F.R. (RJ)       1          X         1          BONSUCESSO F.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã
CARÁTER4ª rodada do returno Campeonato Carioca de 1965
DATASábado, do dia 27 de Novembro de 1965
HORÁRIO21 horas e 30 minutos
PÚBLICO5.334 pagantes
RENDACr$ 2.2580.040,00
ÁRBITROJosé Gomes Sobrinho
AUXILIARESCláudio Magalhães e Guálter Teixeira Portela Filho
BOTAFOGOManga; Joel, Zé Carlos, Paulistinha e Rildo; Elton e Afonsinho; Jairzinho, Humberto, Bianchini e Artur. Técnico: Daniel Pinto
BONSUCESSOJonas; Marcelo, Jerry, Nogueira e Albérico; Jardel e Ivo; Gilbert, Adauri, Sabará e Escurinho. Técnico: Alfinete
GOLSMarcelo, contra, aos 11 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Sabará, de cabeça, aos 13 minutos (Bonsuça), no 2º Tempo
PRELIMINARBotafogo FR 5 x 3 Bonsucesso FC
CARÁTERCampeonato Carioca de Aspirantes de 1965
HORÁRIO19 horas e 30 minutos
ÁRBITROIdovan Silva
AUXILIARESAntônio da Graça e Sebastião Bahia
BOTAFOGOCarlos Viana; Mura, Chiquinho, Carlos Alberto e Dimas; Airton e Marcos; Zélio, Sicupira, Zezé e Roberto II. Técnico: Admildo Chirol
BONSUCESSOUbirajara; Jorge, Moisés, Jurandir e Sérgio; Enir e Djair; Antônio Carlos, Rondino, Aloísio e Wellis.
GOLSRoberto aos 2 e 30 minutos (Botafogo); Wellis aos 28 e 45 minutos (Bonsuça); Zezé aos 44 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Wellis aos 26 minutos (Bonsuça); Zezé, de pênalti, aos 28 minutos (Botafogo); Sicupira aos 35 minutos (Botafogo), no 2º Tempo.

FOTOS: Acervo de José Leôncio Carvalho – Revista do Esporte (técnico Alfinete)

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)