Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Unidos do Porto da Pedra Social Clube – São Gonçalo (RJ): Hexacampeão Gonçalense

IMPORTANTE! Caso compartilhe dê os devidos créditos ao autor (Sérgio Mello) e ao blog (História do Futebol). Vamos valorizar quem pesquisa, quem redesenha e quem busca apresentar raridades aos aficionados pela história, pelos escudos, pelo futebol em si! Obrigado!

O Unidos do Porto da Pedra Social Clube foi uma agremiação da cidade de São Gonçalo (RJ). A equipe “rubra gonçalense” foi Fundado na sexta-feira, do dia 06 de Junho de 1969 por um grupo de oito desportistas: Valmir da Silva, Amilse Augusto, Edésio Silva, Jorge Pinheiro (Pirulito), Jurair Ferreira, Nid Silvares, Jairo Marchon e Jeremias

O 1º uniforme: camisa branca (feito com saco de farinha de trigo), meias preta e amarela (doadas por Israel Santana), servia para os jogos do segundo e primeiro times.

O 1º Presidente foi Haroldo Moreira, que ficou no cargo por seis anos, foi o responsável em adotar a cor vermelha no uniforme. Até 1975, o clube já tinha revelado bons valores: Ciraldo (atuando no futebol venezuelano); Tonho (campeão juvenil pelo Madureira em 1974 e depois jogou no Esporte Clube Costeira, de Niterói); Helvécio (São Cristóvão); Silvinho (Hercílio Luz/SC), entre outros.

Na sua Praça de Esportes, no bairro de Porto da Pedra, além do futebol, as festas juninas (em parceria com “Os Amigos do Balão”) eram muito concorridas, na década de 70, sendo considerada a maior do estado do Rio de Janeiro.

No futebol, o clube disputou diversos amistosos e até realizando algumas excursões, como no dia 15 de novembro de 1971, quando o Unidos foi até cidade mineira de Itajubá, onde enfrentou a Seleção Itajubense

1973: ano de grandes realizações e novidades  

Primeiro uniforme utilizado pelo Unidos do Porto da Pedra, em 1969

Em fevereiro de 1973, o clube criou a categoria ‘Dente-de-leite’ e montou o Bloco carnavalesco, que ficava na Rua Abílio José de Matos, nº 1.320, no bairro Porto da Pedra. Em maio, a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, aprovou o projeto de lei que considera a agremiação rubra gonçalense como Utilidade Pública.

E, no mês seguinte (maio de 1973), comemorando o seu 4º aniversário, o Unidos se filiou na Liga Gonçalense de Desportos (LGD), para disputar no Campeonato Gonçalense de Futebol.

Os dirigentes, buscando melhorar a estrutura, compraram um veículo, que, além de transportar os jogadores, prestavam um serviço social junto aos moradores do bairro.    

O Unidos do Porto da Pedra na década de 70, se tornou o grande baluarte do futebol gonçalense, faturando seis títulos: 1973, 1974, 1977, 1978, 1979 e 1980. Desta forma se tornando a segunda equipe com mais títulos de São Gonçalo, só atrás do Esporte Clube Metalúrgico com 13 conquistas

1º título: Torneio Início Gonçalense de 1973

Demonstrando que não tinha a intenção de ser um mero coadjuvante, o Unidos do Porto da Pedra deu o seu “cartão de vistas” logo na 1ª competição que disputou. No domingo, às 10 horas, do dia 1º de Julho de 1973, o Torneio Início de São Gonçalo, foi realizado no campo do Cordeiro Futebol Clube, em Santa Isabel.

O evento, organizado pela LGD (Liga Gonçalense de Desportos), teve a participação de 14 equipes, levando às bilheterias Cr$ 840 cruzeiros. Ao todo foram realizados 13 jogos até definir quem ficaria com a ‘Taça Imataca’.

Os participantes: BandeiranteBrasinhaCariocaCentralCROLGirassolLaranjalMiriambiNalinNazaréPachecosSantosUnidos do Porto da PedraUnidos Vila Guedes.

O Unidos do Porto da Pedra estreou vencendo o Nazaré por 1 a 0; depois passou pelo Laranjal por 3 a 2. Na semifinal, derrotou o Santos pelo placar de 1 a 0. Na grande final, faturou o título inédito ao vencer o Unidos Vila Guedes por 2 a 0.

O time formou com: Jimenez; Jeremias, César, Zé Maria e Carlinhos; Pirulito e Niltinho; Jurair, Chico, Wilson e Fernando. Técnico: Hélio Bravo.      

Campeão Invicto Gonçalense de 1973

Em seguida, o Unidos do Porto da Pedra debutou no Campeonato Citadino de São Gonçalo de 1973, e, sem cerimônias levantou o título de forma invicta! Após se campeão da sua chave, a equipe rubra seguiu imbatível até o título.

A campanha: nove jogos, com sete vitórias e dois empates; com 19 gols a favor, quatro tentos contra e um saldo positivo de 15. O atacante Wilson foi o artilheiro do certame com 10 gols; enquanto Sergipano, do CROL, foi o segundo com nove tentos.

Os resultados, pela ordem: Vila Guedes (2 a 1); Santos (2 a 0); Girassol (2 a 2); Carioca (1 a 0); Miriambi (6 a 0); Pachecos (2 a 0); Girassol (1 a 0); CROL (3 a 1); Laranjal (0 a 0).

O time titular: Tonho; Zé Maria, César, Gilton e Carlinhos; Serreca (Boi), Pirulito e Niltinho; Jurair, Wilson e Geraldinho. Reservas: Jimenez, Jeremias, Cláudio, Ataíde, Roberto, Chico e Fernando.  Técnico: Hélio Bravo.

Unidos enfrentou o Madureira

No domingo, do dia 07 de outubro de 1973, no jogo da ‘entrega das faixas’, o Unidos do Porto da Pedra enfrentou o Madureira Esporte Clube, da 1ª Divisão do Campeonato Carioca. No final, o Tricolor Suburbano venceu por 2 a 1, que teve arbitragem de Décio Alfradique e uma Renda de Cr$ 1.445,00.

Campeão da Taça de Bronze de 1974

Em 1974, o clube seguiu levantando canecos. Primeiro, foi campeão da sua chave, da Taça de Bronze e depois faturou o título geral do mesmo torneio. Depois veio o bicampeonato Gonçalense.

Na principal competição de São Gonçalo foi recheada de polêmicas. No final, a Liga Gonçalense de Desportos acabou decretando quatro campeões: Unidos do Porto da Pedra, Nacional Futebol Clube, América do Galo Branco e Esporte Clube Metalúrgico.   

Vice-campeão no carnaval e no futebol

Em 1975, o Unidos do Porto da Pedra, desfilou no 2º Grupo (tipo uma Segunda Divisão), dos blocos e escolas de samba de São Gonçalo, no sábado – dia 08 de fevereiro. No final, o Unidos ficou com o vice-campeonato, só atrás da campeã: Bafo do Leão, que somou 64 pontos.

Voltando ao futebol, a equipe rubra participou do Torneio de Clubes Campeões Municipais, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD). Após um começo ruim na competição, o Unidos chegou no último jogo precisando vencer para não depender de outro resultado.

E a vaga veio em grande estilo, ao golear o Castelo por 4 a 0, no distrito de Boa Esperança, em Rio Bonito. Com isso, Unidos do Porto da Pedra avançou para a fase final, juntamente com o Castelo Futebol Clube (Rio Bonito), Santos Futebol Clube (Iguaba)CIPEC Esporte Clube (Mendes) e o Rio Bonito Atlético Clube (Rio Bonito).

No final o Unidos do Porto da Pedra ficou em 2º lugar, só atrás do CIPEC. Estreou com derrota para o CIPEC por 5 a 1, no Estádio Isa Fernandes, em Mendes. Depois ficou no empate em 2 a 2 com o Rio Bonito, em Santa Isabel.

Em Araruama, derrotou o Santos por 2 a 0. Fechou o 1º turno, empatando sem abertura de contagem com o Castelo, no Estádio da Rua Dr. March, no Barreto, em Niterói.

No returno, empate com o CIPEC em 3 a 3, no Estádio da Rua Dr. March, no Barreto, em Niterói. Depois, o Unidos visitou o Rio Bonito e goleou por 5 a 1. Jogando no Estádio da Rua Dr. March, no Barreto, em Niterói, bateu o Santos por 1 a 0. O resultado do último jogo, no domingo do dia 29 de junho, diante do Castelo, no Estádio Esteves Pereira Pintas, não foi encontrado. O único título na temporada de 1975 foi o Torneio Início da LGD.

Vice-campeão Gonçalense de 1976

Em  1976, o Unidos do Porto da Pedra fez uma bela campanha no Campeonato Gonçalense daquele ano, vencendo os dois turnos da Chave B, avançando para a final. No domingo, do dia 22 de junho, goleou o Graça pelo placar de 5 a 1, em Santa Isabel. Wilson, três vezes, Jadir e Geraldinho marcaram para o Unidos, enquanto Julinho fez o tento de honra do Graça.

Na grande final, numa melhor três ou quantos pontos, o adversário foi o Centro Esportivo Mauá, campeão também nos dois turnos da Chave A.

No 1º jogo da final, no domingo, do dia 12 de setembro, às 15 horas, em Santa Isabel, o Mauá saiu na frente e venceu o Unidos por 2 a 1. No 2º jogo da final, no domingo, do dia 19 de setembro, às 15 horas, em Santa Isabel, o Unidos deixou tudo igual ao bater o Mauá por 1 a 0.

No entanto, o gol da vitória, gerou uma briga generalizada. Posteriormente, a partida foi anulada e gerou diversas brigas nos tribunais desportivos. No final, foi remarcado o jogo que decidiria o título.

A partida foi realizada, no domingo, do dia 23 de Janeiro, no Estádio Assad Abdala, que contou com bom público e uma renda de 6.680,00 cruzeiros. O primeiro tempo terminou com vantagem para o Unidos, com gol de Quinho aos 14 minutos. 

Porém, na etapa final, o Mauá empatou por intermédio de Maurinho aos 25 minutos. E, assim, o jogo terminou empatado em 1 a 1. Com isso, teve a necessidade de uma prorrogação de 30 minutos.

Quando o jogo parecia caminhar para a disputa de pênaltis, o atacante mauense Baleia (que saiu do banco de reservas) recebeu passe de Toninho, ajeitou e soltou uma bomba, sem chances para Jimenez, aos 10 minutos do segundo tempo da prorrogação.

O Unidos pressionou os cinco minutos finais, mas os atacantes não tiveram sorte. Fim de jogo, e após muitas polêmicas, coube ao Mauá a honraria de ficar com o título do Campeonato Gonçalense de 1976.

Unidos conquista o TRI Gonçalense

Em 1977, começou com a posse do novo presidente do clube: José de Oliveira Prado. Depois, o Unidos disputou o Campeonato de Clubes Amadores de Campeões Municipais, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD). A competição começou no dia 23 de janeiro, e, contou com a participação de 26 clubes:

América (São Gonçalo); América (Saquarema); Castelo (Rio Bonito); CIPEC (Mendes); Coroados; Cotonifício Gasparian (Levy Gasparian); Esperança; Filó; Friburgo; Itaguaí; Mesquita; Morro Grande; Onze Unidos; Progresso; Riachuelo (Paraíba do Sul); Santa Luíza; Santos (Iguaba); São José (Cachoeiras de Macacu); São José (Itaboraí); São Luís; Siderantim (Barra Mansa); Tomazinho (São João de Meriti); Tupi; Unidos Porto da Pedra; Volantes; XV de Novembro (Nilópolis).

A Liga Gonçalense de Desportos, resolveu homenagear o Centenário de o jornal O Fluminense, no Campeonato Citadino de São Gonçalo de futebol de 1977. A competição foi dividida em duas chaves:

Grupo A Clube Esportivo Mauá, CROL Futebol Clube, Girassol Futebol Clube, Vitória Atlético Clube;

Grupo B Unidos do Porto da Pedra, Vila Guedes Futebol Clube, Desvio Dona Zizinha Atlético Clube (DDZAC), Metalúrgico, Vila Três Futebol Clube.

No 1º turno, o Mauá foi campeão no Grupo A e o Vila Guedes Futebol Clube no Grupo B. No Returno, o Unidos do Porto da Pedra faturou com uma rodada antecedência, e o Vitória levou no Grupo A.

O turno final, com jornada dupla, no Estádio Assad Abdala, começou na sexta-feira, do dia 3 de Março de 1978, o 1º jogo (19h30min), o Vitória venceu o Vila Guedes por 1 a 0. Na partida de fundo (21h15min), com gol de Carlos Alberto, o Mauá venceu o Unidos por 1 a 0.

No entanto, a direção do Unidos do Porto da Pedra recorreu na Junta Disciplinar Desportiva (JDD), alegando que o jogador do Mauá, Helvécio (com passagens pelo São Cristóvão e Botafogo de Ribeirão Preto/SP), teria sido inscrito após da data limite na LGD.

Assim, na segunda rodada, no domingo, do dia 12 de Março de 1978, o Unidos empatou com o Vitória. E, na rodada decisiva, no domingo, às 16 horas, do dia 19 de Março de 1978, o Mauá bateu o Vitória por 3 a 0; enquanto o Unidos do Porto da Pedra venceu o Vila Guedes por 2 a 1.

Meses depois, a JDD deu ganho de causa para o Unidos, no caso ‘Helvécio’, mas depois voltou atrás. Posteriormente o clube recorreu no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da CBD (Confederação Brasileira de Desportos), e obteve vitória. Apenas um ano depois, a LGD oficializou o título, dando assim, o Tricampeão Gonçalense para o Unidos.

Em 1978, foi vice no Carnaval e Tetracampeão no futebol

Na quarta-feira, do dia 8 de março de 1978, o bloco foi juridicamente promovido a bloco de enredo, transformando-se em Grêmio Recreativo Bloco Carnavalesco Porto da Pedra. Assim, o clube possuía as duas maiores paixões: futebol e samba, em harmonia.

O Unidos do Porto da Pedra participou da Taça de Bronze, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD). Após um início claudicante, a equipe rubra subiu de produção culminando com uma vitória categórica sobre a forte equipe do Esporte Clube Maricá por 2 a 0.

Na fase seguinte, venceu o São João da Barra por 1 a 0 e 4 a 2; e o Rio das Ostras por 2 a 1 e 0 a 0. No último jogo, que valia a vaga para a fase final, o Unidos com vários desfalques acabou derrotado pelo Esporte Clube Maricá por 1 a 0, e acabou eliminado.

No carnaval de 1978, o Unidos do Porto da Pedra somou 107 pontos, ficando com o vice-campeonato no 2º Grupo. A campeã foi a Cruzamento e Amor que somou 108 pontos.

No Campeonato Gonçalense, o Unidos do Porto da Pedra após vencer o Brasilândia por 3 a 0, no Estádio Assad Abdala, no Barreto, faturou o 1º Turno, na sua chave.

Na grande final, numa melhor de três jogos, enfrentou o Grêmio Esporte Clube. O 1º jogo aconteceu no domingo, do dia 25 de março de 1979, em Santa Isabel, o Unidos ficou no empate em 1 a 1.

O 2º jogo aconteceu na segunda-feira, do dia 02 de abril de 1979, em Santa Isabel, e o Unidos do Porto da Pedra bateu o Grêmio por 2 a 1, faturou o Tetracampeonato Gonçalense.

O primeiro tempo, terminou empatado em um gol. Gilberto abriu o placar para o Unidos aos 10 minutos. Porém, Cacá deixou tudo igual para a equipe Alvi-laranja aos 35 minutos.

Na etapa complementar, o time comandado por Hélio Bravo chegou ao gol do título aos 39 minutos. O ponta Quinho arrancou com a bola dominada, passou pelos marcadores e tocou na saída do goleiro. Fim de jogo, e muita festa na arquibancada da torcida rubra.

1979, o Unidos fatura o Pentacampeonato

No Torneio Início da LGD, veio o 1º título! Depois no Campeonato Gonçalense de 1979, começou o Unidos vencendo os três primeiros jogos e assumindo a liderança isolada. Na 4ª rodada perdeu o primeiro ponto ao empatar com o DDZAC (Desvio Dona Zizinha Atlético Clube), em 2 a 2.

Após uma campanha sólida, o Unidos chegou na decisão mais uma vez. Desta vez o adversário era DDZAC.

O 1º jogo, aconteceu no domingo, às 16 horas, do dia 11 de novembro de 1979, no Estádio Sebastião Guimarães, em Santa Isabel. E a vitória ficou para o Unidos que bateu o DDZAC por 1 a 0. O gol foi assinalado por Sérgio Dinamite aos 15 minutos do 1º tempo.

O 2º jogo, aconteceu no domingo, às 15h30min., do dia 18 de novembro de 1979, no Estádio Assad Abdala, no Barreto. E o Unidos do Porto da Pedra venceu novamente o o DDZAC por 3 a 2, ficando mais uma vez com título!

O time formou com: Carlos Augusto; Tuca, Jordão, Gilton e Carlinhos; Aroldo, Jadir e Gilberto; Paulinho (Jurair), Jairzinho e Enoc (Serginho). Técnico: Hélio Bravo

No Carnaval… Unidos é campeão em 1980

No carnaval de 1980, reservou o título do Unidos do Porto da Pedra no 1º Grupo que somou 84 pontos, enquanto a Cruzamento e Amor foi a 2ª colocada com 81 pontos.

Unidos deu trabalho para ADN

No domingo, às 16 horas, do dia 02 de Março de 1980, no Estádio Assad Abdala, no Barreto, em Niterói, o Unidos do Porto da Pedra enfrentou os juniores da ADN (Associação Desportiva Niterói), que na época disputava o Campeonato Carioca da 1ª Divisão da categoria.

E, apesar da derrota magra por 1 a 0, o Unidos deu  muito trabalho para a ADN, tendo perdido um pênalti e um gol não marcado pelo árbitro Robson Oliveira, da LGD.

ADN: Sérgio; Bira, Aragão, Artur e Edilson; Gustavo, Márcio e Luís Carlos; Serginho, Rogério e Siri. Técnico: Roberto Miranda.

Unidos: Carlos Augusto; Tuca, Jordão, Gilton e Carlinhos; Aroldo, Jadir e Gilberto; Inaldo, Hélvio e Jairinho. Técnico: Hélio Bravo.

Unidos ficou no empate com o Costeira

Na tarde de domingo, às 15h30min., do dia 13 de abril de 1980, no Estádio Assad Abdala, no Barreto, em Niterói, o Unidos do Porto da Pedra jogou, em amistoso, contra o Esporte Clube Costeira (até ali tinha ficado com o vice-campeonato da Divisão de Acesso da FERJ).

O empate em 0 a 0, acabou tumultuado em razão da falta de pulso do árbitro foi Ivanildo Pereira Lima (FERJ). A “chapa só não esquentou” porque os presidentes Sebastião Barbosa (Costeira) e José Alves (Unidos) agiram com frieza e objetividade. 

Hexacampeão Gonçalense!

Após ter realizado uma série de jogos amistosos, o Unidos do Porto da Pedra não começou bem o Campeonato Gonçalense de futebol. Na estreia, do domingo do dia 11 de maio de 1980, diante do, às 13h15min., em Santa Isabel, ficou no empate com o Girassol, em 1 a 1.

Na 2ª rodada, domingo do dia 18 de maio de 1980, o Unidos foi derrotado pelo Vila Guedes pelo placar de 2 a 0, em Neves. O resultado mexeu com os brios e na 3ª rodada, domingo do dia 25 de maio de 1980, o Unidos se reabilitou ao vencer o Cordeiros por 3 a 1, em Santa Isabel.

Pela 4ª rodada, domingo do dia 1º de junho de 1980, o Unidos venceu mais uma: dessa vez goleando o Nova Cidade pelo placar de 4 a 1. Pela 5ª rodada, domingo do dia 08 de junho de 1980, o Unidos ficou no empate em 0 a 0 com o Metalúrgico.

A reação acabou sendo tardia, e o Vila Guedes faturou o 1º turno, enquanto o Nova Cidade levou o 2º turno. Porém, no 3º turno, o Unidos ressurgiu e venceu o Nova Cidade por 3 a 1, no domingo do dia 28 de setembro, se credenciando para o turno extra que decidiria o título gonçalense.

O triangular final reuniu o Unidos, Nova Cidade e Vila Guedes. No 1º jogo, no domingo, do dia 05 de outubro, Unidos e Vila Guedes não saíram do zero, no Estádio Assad Abdala, no Barreto.

No 2º jogo, no domingo, do dia 12 de outubro, Unidos venceu o Nova Cidade por 2 a 1, no Estádio Assad Abdala, no Barreto.

Para ficar com o título, o Unidos tinha que torcer que no último jogo o Vila não saísse com a vitória. Então, no 3º jogo, no domingo, do dia 19 de outubro, Vila Guedes e Nova Cidade empataram em 1 a 1, no Estádio Assad Abdala, no Barreto. Com o resultado, o Unidos do Porto da Pedra faturou o tetracampeonato e o sexto título gonçalense na sua história! 

Unidos fatura o Torneio Início de 1981

A temporada começou com Unidos do Porto da Pedra levantando mais uma taça. No domingo, do dia 05 de Julho de 1981, pelo Torneio Início da LGD, o Unidos bateu o Miriambi na final, por 1 a 0, em Santa Isabel, conquistando o título. O herói da partida foi o atacante Jairinho que fez o gol da vitória. 

O time formou com: Cléber; Didi, Luiz Sérgio, Gilton e Zezinho; Jadir, Aroldo e Élvio; Jairinho, Gilberto e Sérgio (Tostão). Técnico: Hélio Bravo.

O Nova Cidade é campeão Gonçalense de 1981 

No Campeonato Gonçalense, o Unidos alternou altos e baixos, e acabou sofrendo uma goleada de 5 a 1 para o Nova Cidade, que ficou o título do 1º turno. No returno, o Unidos seguiu irregular enquanto o Nova Cidade aproveitou para abrir vantagem e, com uma rodada de antecedência, conquistou o inédito título Gonçalense de 1981.

Na última rodada, o Unidos do Porto da Pedra derrotou o Miriambi por 3 a 0, terminando com o vice-campeonato Gonçalense de 1981.   

Campeã do Carnaval Gonçalense de 1982

O Unidos do Porto da Pedra faturou o título do Carnaval em São Gonçalo, obtendo nota máxima nos nove quesitos (90 pontos) do Grupo A. A partir daí a escola cresceu e seguiu conquistando títulos até chegar na elite do carnaval carioca, desfilando na Marques de Sapucaí.

No futebol, o clube tirou o time de campo   

Em contrapartida, o futebol dava indícios que estava chegando ao fim. No início de maio de 1982, a diretoria do Unidos estava firme no propósito em não disputar o Campeonato Gonçalense daquele ano. 

A alegação era que a competição era deficitária e sem ter ajuda do então prefeito, Jayme Campos (MDB), que prometera, ao assumir, construir um estádio municipal, mas nada fez.

A ideia era dedicar mais o setor social e construir uma sede social a fim de poder melhorar o seu faturamento.  E no final, foi assim que aconteceu. Da forma meteórica como surgiu, o Unidos do Porto da Pedra se afastou, mas, seguramente, deixou a sua marca na história do futebol gonçalense!

FONTES: O Fluminense – A Luta Democrática – Jornal dos Sports – Diário de Notícias

Inédito!! Sporting Club do Brasil – Rio de Janeiro (RJ): Campeão do Torneio Início de 1934! Três participações na Segundona Carioca

IMPORTANTE! Caso compartilhe dê os devidos créditos ao autor (Sérgio Mello) e ao blog (História do Futebol). Vamos valorizar quem pesquisa, quem redesenha e quem busca apresentar raridades aos aficionados pela história, pelos escudos, pelo futebol em si! Obrigado!

O Sporting Club do Brasil foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Na sua 1ª viagem, fora de Portugal, o Sporting Lisboa, estreou o seu uniforme (camisas com listas horizontais verdes e brancas), no Brasil.

No domingo, do dia 15 de Julho de 1928, enfrentou o Fluminense Football Club, no Estádio de Laranjeiras, no zona sul do Rio. O Tricolor bateu a equipe portuguesa por 4 a 1.

A partida ganhou muito destaque da imprensa carioca, o que encantou muitos torcedores. Entre eles, um grupo de desportistas moradores das imediações da Praça Lopes Trovão, que resolveram homenagear o clube português ao criar uma agremiação.

Assim, o Sportinguense foi Fundado na quinta-feira, do dia 27 de Setembro de 1928, por José Antonio Bruni, José Teixeira, Nicola Bruni, Anthero Ferreira, Raphael Perrone, Carlos Nascimento. Outros nomes foram importantes na estruturação: Henrique Teixeira, Jesus Villar Ozon, Jayme do Amaral Figueiredo, Antonio Moutinho.

Além do futebol, no decorrer o clube contou com outras modalidades: Ping-Pong (Tênis de Mesa) e Basquetebol. No clube também os bailes eram muito concorridos no Centro do Rio. As suas cores: branco e azul cerúleo.

Algumas de suas Sedes: entre 1930 a 1932, ficava na Rua São Pedro, nº 168, no Centro do Rio. A partir de junho de 1932, estava localizada na Rua Marechal Floriano, nº 46/1º andar, no Centro do Rio.

Por fim, a sua Sede (entre 1933 a 1940) ficava localizada na Rua General Câmara, nº 156 (sobrado) ou 356, no Centro do Rio. Em 1941, com a criação da Avenida Presidente Vargas, diversas ruas desapareceram, inclusive a Rua General Câmara.

Ingressou na ASEA em 1930 e na LMDT em 1933

Foto de 1941

Em 1930, se filiou e disputou as competições da Associação Suburbana de Esportes Athleticos (ASEA). Na sexta-feira, do dia 21 de Abril de 1933, se filiou à Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT).

Vice-campeão da sua Série do Torneio Início de 1933

A sua estreia aconteceu no Torneio Initium, no domingo do dia 30 de abril de 1933, realizado no campo da Viação Excelsior, em São Cristóvão, na zona norte do Rio.

O Sporting começou com o pé direito, ao bater o Sparta Football Club, por 1 a 0. Oscar Costa foi o árbitro. O time jogou: Sylvio; Augusto e Joaquim; Sebastião, Francelino e Jayme; Júlio, José, Peruano, Antonio e Santos.

Na segunda fase, outro triunfo. Dessa vez eliminou o Vicente de Carvalho por 1 a 0. Carlos Gomes apitou a peleja. Na terceira fase, encarou o Ideal, e novamente, conquistou a vitória: 2 a 0. Jayme Xavier foi o árbitro. No entanto, acabou caindo na final da sua série, ao ser derrotado pelo Jequiá, da Ilha do Governador por 2 a 0.

No Campeonato da Liga Metropolitana de 1933, o Sporting Club do Brasil estreou, no domingo, do dia 04 de Junho de 1933, arrancou um empate, fora de casa, com o Fundição Nacional Athletico Club, em 1 a 1.

Mosquito fez o gol para o Fundição, enquanto Lino marcou o tento do Alvianil. O time jogou: Sylvio; Quincas e Augusto; Mosquito, Lino e Paraizo; Gradim, Uubinar, Pierlen e Fernandes.

No returno, o Sporting goleou o Fundição por 4 a 1. No final, o Sportinguense fez uma boa campanha, terminando na 4ª colocação, na Divisão Emmanuel Nery.

Campeão do Torneio Início da Liga Metropolitana de 1934

No domingo, do dia 06 de Maio de 1934, se sagrou campeão do Torneio Initium, realizado no Estádio de Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão, na zona norte do Rio.

Na estreia, o Sporting bateu o Boa Vista por 1 a 0. Gol de Gradim. Na fase seguinte, passou pelo São José por 2 a 0. Mosquito, de pênalti, e Arlindo (contra), marcaram os tentos.

Na decisão, o Sporting Club do Brasil venceu o Sportivo Campo Grande por 2 a 1, ficando o inédito título. Plínio e Pichin, marcaram para o Sporting, enquanto Modesto fez o tento de honra do time vencido.

O S.C. do Brasil jogou assim: Aguiar; Quincas e Augusto; Paris, Lino e Mosquito; Maneco, Pichin, Gradim, Pipino e Fernando.

Vice-campeão do Campeonato da Liga Metropolitana de 1934

No Campeonato da Liga Metropolitana de 1934, o Sporting venceu o 1º Turno, com apenas três pontos perdidos, na frente do São José (quatro pontos perdidos) e Boa Vista (cinco pontos perdidos).

O Sporting Club do Brasil perdeu a invencibilidade na última rodada do primeiro turno – no domingo, do dia 22 de julho de 1934 – ao ser derrotado pelo vice-líder São José por  2 a 1, em Magalhães Bastos.

No final do campeonato, ocorreu uma debandada de diversos clubes, entre eles o Sporting, que indignado com o Sportivo Campo Grande que entregou os pontos para o São José (que acabou campeão da temporada), ficando com vice-campeonato. Posteriormente pediu desfiliação da Liga Metropolitana.

Na terça-feira, do dia 07 de Maio de 1935, o Sporting se filiou na Federação Metropolitana de Desportos (FMD). Assim, disputou nos anos de 1935, 1936 e 1937, o Campeonato da Divisão Intermediária, da Federação Metropolitana de Desportos (atual Carioca da Segunda Divisão).

Em 1935, na divisão Zona Sul, mandava os seus jogos no Campo da Avenida Pedro II. Nessa divisão participaram nove equipes:

Confiança Athletico Club;

Japohema Football Club;

Jardim Football Club;

River Football Club;

Sport Club Boa Vista;

Sport Club Cocotá;

Sport Club Portugal-Brasil;

Sporting Club do Brasil;

Viação Excelsior Football Club.

Ressurge o Sporting em 1940

O clube acabou sendo fechado pela Polícia, sob a alegação de residir no 2º andar uma família, sendo a escada a mesma para ambos. A medida policial foi acatada e o clube manteve-se inativo. A sede provisória ficava na Rua General Câmara, nº 102/ 2º andar, no Centro.

Com o falecimento de um dos fundadores, o Sr. Jesus Villar Ozon, fez com que os antigos membros se reagrupassem e, assim, reabrir o Sporting Club do Brasil no terça-feira, do dia 09 de maio de 1940.

Apesar do duro golpe, o Sporting voltou aos campos na terça-feira, do dia 04 de março de 1941, para enfrentar, às 19h45min., em amistoso, o Maurity Sport Club, no campo do Opposição, no bairro da Piedade, na zona norte do Rio. 

A reestréia foi animadora, com o Sporting goleando por 4 a 1. Os gols foram assinalados por Mario, duas vezes; Gabriel e Gildo, um tento cada. O time formou com: Hermínio; Ninito e Augusto; Orlando, Castro e Mesquita; Gabriel, Lima, Mario, Pepino (Gildo) e Homero.

Na terça-feira, do dia 12 de agosto de 1941, inaugurou a nova Sede situado na Rua Leandro Martins, nº 71, no Centro do Rio. Já disputando apenas o Tênis de Mesa, o Sporting Club do Brasil apareceu no noticiário até 1948, quando desapareceu sem deixar vestígios.  

Hino (marchinha de autoria: Nicola Bruni)

As nossas cores,

Dizem flores,

E amores,    

Sob o branco véu,

De um  lindo céu,

De anil,

Nosso pavilhão encerra

Sporting Club do Brasil

 A nossa bandeira,

Coberta de glórias,

Ostenta altaneira,

As páginas da história,

O nome consagrado,

De cada jogador,

Conquistando no gramado,

A victoria e o valor.

FONTES: A Esquerda (RJ) – A Nação (RJ) – A Noite (RJ) – A Manhã (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Diário Carioca (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal do Commercio (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – O Radical (RJ)

Inédito!!! Sportivo Santa Cruz – Rio de Janeiro (RJ): Campeão da Liga Metropolitana de Desportos terrestres de 1930!

IMPORTANTE! Caso compartilhe dê os devidos créditos ao autor (Sérgio Mello) e ao blog (História do Futebol). Vamos valorizar quem pesquisa, quem redesenha e quem busca apresentar raridades aos aficionados pela história, pelos escudos, pelo futebol em si! Obrigado!

O Sportivo Santa Cruz foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Alvinegro Santacruzense” foi Fundado no sábado, do dia 27 de Março de 1926, por um grupo de militares do 2º Regimento de Artilharia Montada. A sua Sede ficava na Rua Senador Câmara, nº 41/ sobrado depois 71-A, no bairro de Santa Cruz (estação de Santa Cruz), na Zona Oeste do Rio (RJ).

O seu Estadium do 2º Regimento de Artilharia Montada, ficava localizado na Rua do Prado, nº 35, no bairro de Santa Cruz (estação de Santa Cruz), na Zona Oeste do Rio (RJ). O 1º Presidente foi o Sr. Ernesto Huergo. O seu grande rival, indiscutivelmente foi o Oriente Athletico Club. Os jogos entre essas duas equipes era chamado de o “Fla-Flu Santacruzense“.  

História do escudo e uniforme

A descoberta do escudo, que parecia que jamais seria encontrado, foi casual. O amigo, pesquisador e historiador, Auriel de Almeida fazendo suas pesquisas, se deparou no site do Esporte Clube Guanabara a explicação do distintivo, que somado ao estatuto encontrado pelo próprio, equacionou e assim foi possível redesenhar de forma fidedigna.

No site faz o seguinte esclarecimento: “O Esporte Clube Guanabara foi fundado oficialmente no dia 7 de setembro de 1941, mas o time já existia desde 1940 como Guanabara Futebol Clube, criado por iniciativa do Dr. César Augusto Marta, apaixonado pelo futebol da localidade de Santa Cruz e fanático torcedor do Sportivo, clube que havia fechado as portas em 1937.

O escudo e o uniforme da equipe, aliás, eram idênticos aos do Sportivo, mudando apenas as cores: ao invés de preto e branco, vermelho e branco, cores do Oriente, maior rival do Sportivo.

Explica-se: por um longo tempo Oriente e Sportivo fizeram o “derby de Santa Cruz”, sendo o Oriente o clube do frigorífico, com camisas vermelhas da cor do sangue, e o Sportivo o clube dos militares, com sóbrias camisas listradas pretas e brancas. O clássico entre os times dividia o bairro entre os campos da Rua Nestor e da Rua do Prado.

Quando o Sportivo entrou em crise, o Oriente se ofereceu para ajudar, mas o orgulho fez o Alvinegro preferir a extinção à ajuda do rival, fechando as portas em 1937.

Em memória deste triste fato, e simbolizando a união ideal entre os clubes do bairro, o Esporte Clube Guanabara adotou os símbolos do Sportivo com as cores do Oriente“. 

Os primeiros passos: jogos amistosos e incríveis goleadas

Um dos primeiros jogos amistosos, aconteceu no domingo, do dia 19 de Setembro de 1926, quando o Sportivo Santa Cruz goleou o Sport Club Netos do Esperança, pelo placar de 13 a 1. A partida foi arbitrada pelo Sr. Benedicto Serra. Na preliminar, o Segundos Quadros do Sportivo também goleou o adversário por 12 a 0.

Campeão do Torneio Início da Associação Santacruzense de 1927

Filiado a Associação Santacruzense, o Sportivo se sagrou campeão do Torneio Initium, no domingo, do dia 02 de Outubro de 1927, no campo do Esperança Football Club, no bairro de Santa Cruz.

A competição contou com a participação de sete equipes. Na decisão, o Sportivo bateu o Ideal Football Club, faturando o caneco. O time formou: Alves; Pequenino e Allemão (Dantas); Montinero, Inglez e Irineu; Cruz, Zazá, Amaral I, Amaral II e Gradim.

Filiação na LMDT

Nos primeiros anos, o clube realizava diversos eventos e participava de outros, entre eles o futebol. O Sportivo Santa Cruz ingressou na Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), na quinta-feira, do dia 21 de março de 1929.

Estreia aconteceu no Torneio Início de 1929

Doze dias depois estreou no Torneio Initium da Divisão Emmanuel Coelho Neto, no domingo do dia 21 de abril de 1930, no campo do Fidalgo Football Club, situado na Rua Domingos Lopez, em Madureira, na zona norte do Rio.

Enfrentou, às 14h15min., e venceu o Sport Club Anchieta, por 1 a 0, com arbitragem de Alberto Fernandes.

Nas semifinais, acabou sendo eliminado ao perder para o Sport Club Boa Vista por 3 a 2, na prorrogação. Antonio Drummond (do Anchieta) foi o árbitro. Na final, o Central bateu o Boa Vista por 2 a 0, ficando com o título.

O time formou com: Heitor; Levy e Sebastião; Joaquim, Hilário e Antonio; Amaral, Romualdo, Mozart, Jorge e João.

Debutou no Campeonato da LMDT de 1929

No Campeonato da Divisão “Mano”, da LMDT, a estreia, em casa, no domingo, do dia 19 de maio de 1929, diante do campeão de 1928: Sport Club América.

Apesar da derrota por 3 a 2, o Sportivo mostrou que seria uma “pedra na chuteira” dos seus adversários. Com arbitragem de Honorato Barbosa, os gols foram assinalados por Mário, duas vezes, e Arantes pra o América; enquanto Juquinha e Zazá marcaram para o time alvinegro.

Sportivo: Frango; Dantas e Belinho; Gradim, Hilário e Quinzinho; Eustachio, Zizinho, Juquinha, Zazá e Gaúcho.

América: Jayme; Serra e Damásio; Bery, Lucena e Admas; Canedo, Nenê, Mário, Arantes e Camarim.

No domingo, do dia 30 de junho, o Sportivo perdeu nos seus domínios para o Sport Club Boa Vista por 3 a 2, no campo do Oriente Athletico Club (na Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz).

No domingo, do dia 21 de julho, o Sportivo venceu o Sport Club Anchieta por 2 a 0, no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz. Os gols foram marcados por Juquinha e Bajara, de pênalti.

No domingo, do dia 06 de outubro, o Sportivo foi derrotado pelo Oriente Athletico Club por 2 a 1, fora de casa.

No domingo, do dia 10 de novembro, o Sportivo derrotou, fora de casa, o Club Athletico Central por 3 a 1.

Sportivo foi vice-campeão do Torneio Início de 1930

Jogou o Torneio Initium da Divisão “Mano”, da LMDT, no domingo do dia 27 de abril de 1930, no campo do Sport Club América, na Rua Isolina Meyer -estação do Méier, na zona norte do Rio.

O Sportivo estreou com vitória de 1 a 0, no Brasil Football Club, às 14 horas, com arbitragem de Homero Arcuri. Na fase seguinte, num jogo acirrado, o Sportivo passou pelo Oriente, na 2ª prorrogação, por 3 escanteios a um.

Na decisão, foi uma boa partida, bem arbitrada pelo Sr. Antonio Augusto de Almeida, triunfou o Associação Esportiva Ferroviária (nas cores azul e preto), que após o empate em 1 a 1 com o Sportivo, conquistou o título, com um escanteio e a zero. Os gols foram de Jaburuzinho para o Ferroviário e Tilco para  os alvinegros.

O Sportivo jogou: Jajá; Barroso e Gaúcho; Humberto, Guerra e Gradim; Tilco, Sebastião, Almir Mituca, Aquino e Zazá.

Muitos jogadores dos grandes do Rio defendiam as equipes da LMDT

Uma curiosidade é que o atacante ora chamado por Almir e ora chamado por ‘Mituca’ era jogador do Botafogo Football Club, que também defendia as cores do Sportivo, na década de 30.

Aliás, é importante informar que naquela época era comum jogadores dos grandes clubes defenderem os clubes da Liga Metropolitana. Só para exemplificar, o maior jogador daquela época, Leônidas da Silva, o “Diamante Negro” jogou no Jornal do Commercio Football Club.

Sportivo Campeão de 1930, na Divisão “Emmanuel Coelho Neto”, nos Primeiros e Segundos Quadros

O Sportivo Santa Cruz debutou em grande estilo e no final, faturou o inédito título! O Campeonato da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”, da Liga Metropolitana, contou com a participação de nove clubes:

Athletico Club Cordovil (Rua Oliveira Mello – bairro de Cordovil);

Associação Sportiva Ferroviária (bairro do Riachuelo / cores: azul e preto);

Brasil Football Club (Rua Sá);

Esperança Football Club (bairro de Santa Cruz / cores: verde e branco);

Guanabara Athletico Club (Rua da Lapa – bairro da Lapa /cores: azul e branco);

Irajá Athletico Club (Rua Monsenhor Félix – bairro de Irajá / cores: vermelho e branco);

Oriente Athletico Club (bairro de Santa Cruz / cores: vermelho e branco);

Sport Club Anchieta (bairro de Anchieta / cores: vermelho e preto);

Sportivo Santa Cruz (bairro de Santa Cruz / cores: preto e branco).

O início do Sportivo Santa Cruz foi avassalador! Os sete jogos primeiros jogos, foram 100% de aproveitamento. Sendo que em quatro com goleadas. Citando algumas, diante da Ferroviária (algoz na final do Torneio Início), foi 4 a 1. Os gols foram  de Almir Mituca, Aquino, Heitor e Edmundo; enquanto Jaburu fez o de honra para o negro-anil.

Não podemos esquecer da maior goleada do certame: no domingo, do dia 08 de junho de 1930, o Sportivo sapecou 11 a 1 no Brasil Football Club. Os gols foram de Aquino (quatro vezes); Zazá, Almir Mituca e Edmundo (duas vezes cada); Heitor um tento. Orestino fez o de honra para o Brasil.

No domingo, do dia 22 de Junho de 1930, o jogo valia a liderança isolada. E deu Sportivo! Mesmo como visitante, bateu o Anchieta  por 3 a 1. Os gols foram: Zazá aos 30 segundos de jogo; Gradim (contra), empatou; Edmundo aos 13 minutos; Heitor aos 44 minutos todos os tento no 1º tempo.

A invencibilidade caiu somente na última rodada do primeiro turno e para o seu maior rival. No domingo, do dia 27 de Julho de 1930, o Oriente venceu por 1 a 0, o Sportivo, no Estádio da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz.

No returno, o Sportivo não começou bem, ao perder, em casa, para o Irajá Athletico Clube por 4 a 2.  Os gols: Almir Mituca e Plínio, de pênalti, para o alvinegro. Enquanto Mineiro, Esquerdinha, Gringo e Edmundo (contra) para o alvirrubros.

No entanto, no dia 13 de setembro, a Liga Metropolitana deu os pontos desse jogo ao Sportivo, de acordo com o artigo 27 letra A, do regulamento de Football.

Num jogo muito catimbado, no domingo, do dia 31 de Agosto de 1930, Brasil FC e Sportivo ficaram no empate em 1 a 1. Arnaldo fez o gol para o Brasil, enquanto Edmundo assinalou para o alvinegro.

No dia 14 de setembro, a vitória do Sportivo por WO em cima do Anchieta, somado a derrota do Oriente por 1 a 0, para o Brasil, recolocou o alvinegro na liderança isolada.

Na rodada seguinte, no dia 21 de setembro, outro clássico de Santa Cruz! E o Sportivo derrotou o Esperança Football Club por 1 a 0.

Quando parecia que o título viria com tranquilidade, no dia 12 de outubro, o Sportivo foi até a Rua Oliveira Mello, e acabou derrotada por 3 a 2 para o Athletico Club Cordovil.

Porém, o que parecia ser um “duro golpe” se reverteu em alívio, em dose dupla. Explico! Dias depois, tanto o Cordovil quanto o Brasil desistiram de seguir no certame. 

Segundo o regulamento, quando um clube desistia da competição todos os jogos realizados, os pontos seriam repassados aos seus oponentes. Assim, nos dois jogos nesse returno, o Sportivo tinha somado um ponto nos dois jogos contra o Brasil e Cordovil. Assim o Sportivo faturou quatro pontos valiosos.

A última rodada, não poderia ser mais empolgante! Decidir o título da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”,  contra o maior rival! A princípio, o jogo estava marcado para o dia 10 de Outubro. Porém, acabou remarcado para o mês seguinte.

Então, no domingo, do dia 16 de novembro, às 15h30min., O Sportivo (com um ponto de vantagem), enfrentou o Oriente Athletico Club. Apesar de ser o mandante, o jogo foi realizado no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz (de propriedade do Oriente), uma vez que o seu Estádio não foi aprovado pela LMDT.

Com arbitragem de João Alves Pereira, o 1º tempo foi marcado pela pressão exercida pelo Oriente. No final, após uma infelicidade de Guerra, conseguiam os rubros  abrir o placar por intermédio de Josino.

Na etapa final, aos 31 minutos, Oscarino (jogador da Seleção Brasileira) colocou a mão na bola, dentro da área. Pênalti, que Guerra cobrou para empatar a peleja. Fim de jogo, empate em 1 a 1, e o Sportivo Santa Cruz conquistou  o inédito título do Campeonato da Divisão “Mano” da LMDT!

Na preliminar, o Sportivo venceu o Oriente por 3 a 0, e também se sagrou campeão nos Segundos Teams. O time secundário campeão formou: Annibal; Dantas e Cabrito; Acindino, Ratinho e Quinzinho; Nolinha, Ernani, Zizinho, Zequinha e Vivi.

Os times dos Primeiros Quadros jogaram assim: 

Sportivo: Jajá; Guerra e Orlando; Gradim, Sant’Anna e Zé Maria; Plínio, Edmundo, Mituca, Zazá e Titéo.

Oriente: Enéas; Domingos (Bangu) e Sá Pinto (Bangu); Simão, Oscarino (Seleção Brasileira) e Gudão (Fluminense); Barthô, Landislau (Bangu), Modesto (Brasil), Ernani e Josino.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
11/05/30Irajá AC1X2SportivoRua Monsenhor Félix
18/05/30Guanabara1X6SportivoRua Barão de Itapagipe
1º/06/30Sportivo4X1AS FerroviáriaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
08/06/30Sportivo11X1Brasil FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
22/06/30Anchieta1X3SportivoRua Arnaldo Murinelli – em Anchieta
29/06/30Sportivo3X2Esperança FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
20/07/30Sportivo6X1AC CordovilRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
27/07/30Oriente AC1X0SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
03/08/30Sportivo2X4Irajá ACRua Monsenhor Félix
10/08/30SportivoXGuanabaraResultado não foi encontrado
24/08/30FerroviáriaXSportivoResultado não foi encontrado
31/08/30Brasil FC1X1Sportivo *Rua Sá
14/09/30SportivoWOXAnchietaO Anchieta entregou os pontos nos primeiros e segundos quadros
21/09/30Esperança0X1SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
12/10/30Cordovil3X2Sportivo *Rua Oliveira Mello, em Cordovil
16/11/30Sportivo1X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz

* O Brasil e Cordovil desistiram de seguir na competição. Com isso, os pontos foram repassados ao Sportivo, com placar de 1 a 0.

Sportivo Santa Cruz – vice-campeão do Torneio Inicio; Campeão da Divisão “Emmanuel Coelho Neto” de 1930; Campeão da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres de 1930

Sportivo Campeão de 1930, da Liga Metropolitana, nos Primeiros e Segundos Quadros

Como resultado, o Sportivo Santa Cruz (campeão da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”) enfrentaria na decisão o Sport Club América, do Lins de Vasconcellos (campeão da Divisão Emmanuel Nery), para definir o grande campeão.

No domingo, do dia 03 de Maio de 1931, 15h15min., no campo do Fidalgo Football Club, na Rua Domingos Lopes, nº 149, em Madureira. o Sportivo bateu o América por 2 a 0, se sagrando o campeão da Liga Metropolitana de 1930. Alcides Sanches foi o árbitro (Jornal do Commercio F.C.) da partida.

O jogo começou e o Sportivo tratou de impor o seu ritmo de jogo. O 1º gol saiu na metade da primeira etapa. Guerra bateu a falta para Jaguarão que soltou a bomba para estufar as redes!

O América partiu para cima e quase empatou quando Arantes chutou forte, carimbado a trave de Jajá. A resposta do Sportivo foi letal. Jaguarão cobrou o escanteio na área e Sant’Anna testou de forma inapelável, ampliando o marcador.

Na etapa final, o América pressionou, mas o Sportivo levava perigo nos contragolpes. Final de jogo, e o Sportivo Santa Cruz festejou mais um título em dose dupla, uma vez que na preliminar o Segundos Quadros do alvinegro venceu o Magno por 3 a 1, e também ergueu a taça!

 Sportivo: Jajá; Orlando e Gaúcho; Barroso, Sant’Anna e Guerra; Plínio, Edmundo, Almir Mituca, Zazá e Jaguarão.

SC América: Evaristo; Serra e Belleza; Zeca, Lucena e Camisa; Arantes, Mario, Goulart, Neném e Ramos.

Vice-campeão do Torneio Início da LMDT de 1931

No domingo do dia 24 de maio de 1931, o Sportivo ficou com vice do Torneio Initium da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), realizado no campo da ABEL (Associação Beneficente dos Empregados da Light), na Rua Figueira de Melo, nº 406, em São Cristóvão, na zona norte do Rio.

No 2º jogo, às 13h25min., com arbitragem Benedicto Parreiras, o Sportivo venceu o Sudan Athletico Club (Cascadura) por 1 a 0 (um escanteio pró). Gol de Aderne.

Às 15h05min., com Alcides Sanchez no apito, o Sportivo voltou ao campo para enfrentar o Magno Football Club (Madureira) e vencer por 2 a 0. Os gols foram assinalados por Zazá e Boto.

Pelas semifinais, às 16h10min., sob às ordens de Benedicto Parreiras, o Sportivo superou o Sport Club Campinho por 1 a 0. O gol da vitória foi de Aderne.

Na grande final, às 16h50min., tendo João Alves Pereira (do Magno) no apito, Sportivo Santa Cruz e Jornal do Commercio Football Club (Gamboa) ficaram no empate sem gols.  Porém, nos escanteios, o alvirrubro da Gamboa levou a melhor por 3 a 0, ficando com o título.

Apesar do vice, o Sportivo fechou a competição de forma invicto e sem sofrer nenhum gol: foram quatro jogos, com três vitórias e um empate; marcando quatro gols e nenhum tento sofrido

O Sportivo jogou assim: Jajá; Barroso e Dantas; Calado, Guerra e Ratinho; Aderne, Gradim, Zazá, Zaquita e Boto.

No Campeonato da Liga Metropolitana de 1931 (Campeão foi o Oriente Athletico Club) contou com 11 participantes:

Deodoro Athletico Club;

Esperança Football Club (alviverde);

Fidalgo Sport Club;

Jornal do Commercio Football Club;

Magno Football Club;

Oriente Athletico Club;

Sport Club Boa Vista;

Sport Club Campinho;

Sport Club São José;

Sportivo Santa Cruz;

Sudan Athletico Club.

A estreia, no dia 21 de junho, o Sportivo venceu por 3 a 1 o Sport Club Boa Vista. Gols: Campista para o Boa Vista; Zazá, Almir Mituca e Pinto para os alvinegros.

O time seguiu embalado, batendo o Jornal do Commercio (6 a 2), Esperança (4 a 1), empatando com o grande rival Oriente (3 a 3), novo triunfo em cima do São José (2 a 1), até tomar para o Deodoro (5 a 2) e Sport Club  Campinho (1 a 0). 

O Sportivo voltou a vencer o Magno Football Club (5 a 2), depois empatou com Fidalgo (3 a 3), novo triunfo em cima do Sudan (3 a 2) e fechou o turno com derrota para o Campinho (1 a 0), porém na liderança.   

O segundo turno, o Sportivo Santa Cruz encontrou um grande adversário: Liga Metropolitana de Desportes Terrestres (LMTD). As atuações da arbitragem somada a indiferença da LMTD foi minando a diretoria alvinegra.

Apesar de grandes vitórias sobre o Boa Vista (1 a 0), São José (3 a 0), Oriente (3 a 1), Esperança (1 a 0) e Sudan (5 a 4), renderiam um total de 27 pontos, o que lhe daria o título com folga.

No entanto, restando um jogo diante do Fidalgo, em casa, a diretoria do Sportivo Insatisfeitos com as decisões da Liga, no dia 25 de Janeiro, tomaram a decisão drástica de se retirar da competição.

Com isso, “entregaram de bandeja” os títulos dos Primeiros e Segundos Quadros para o arqui-rival: Oriente Athletico Club. Para piorar, como o Sportivo se retirou, mesmo restando um jogo, o clube perdeu todos os pontos, saindo da liderança para a última colocação.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
21/06/31Boa Vista1X3SportivoEstrada das Furnas, no Alto da Boa Vista
28/06/31Sportivo6X2Jornal do Commercio FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
12/07/31Esperança1X4SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
19/07/31Oriente AC3X3SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
26/07/31São José1X2SportivoBairro de Magalhães Bastos
02/08/31Deodoro5X2SportivoEstrada de Nazareth – Deodoro
09/08/31Campinho1X0SportivoRua Mendes Aguiar, nº 18
16/08/31Sportivo5X2Magno FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
23/08/31Fidalgo3X3SportivoRua Domingos Lopez – Madureira
30/08/31Sudan AC2X3SportivoBairro de Cascadura

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
20/09/31Sportivo1X0Boa VistaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
04/10/31Sportivo3X0São JoséRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
11/10/31Sportivo5X3CampinhoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/10/31Jornal do Commercio3X1SportivoAv. Francisco Bicalho – Santo Cristo
25/10/31Sportivo5X4Sudan ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
08/11/31Magno FC4X1SportivoMadureira
1º/11/31Sportivo3X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
27/12/31Sportivo1X0EsperançaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
17/01/32Sportivo2X2DeodoroEstrada de Nazareth – Deodoro
25/01/32SportivoXFidalgoCancelado, porque o Sportivo abandonou o certame

Torneio Início da LMDT de 1932

No domingo, do dia 15 de maio de 1932, aconteceu o Torneio Initium, no campo do Deodoro Athletico Club, na Estrada de Nazareth, na Estação de Deodoro. O Sportivo enfrentou, às 13h40min., o Magno Football Club (Madureira). Porém, o alvinegro caiu por 1 a 0. Na final, o Deodoro foi o campeão e o Oriente, ficou com o vice.

O Campeonato da Liga Metropolitana em 1932, foi marcado pelo descontentamento de diversos clubes que no final foram abandonando o certame, inclusive o Sportivo Santa Cruz.

Uma curiosidade é que o Curva do Mattoso Football Club no meio da competição alterou o seu nome para Sportivo Campo Grandena sexta-feira, do dia 28 de outubro de 1932 – em homenagem ao bairro onde a agremiação tinha sede.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
26/06/32Esperança1X2SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
03/07/32Sportivo1X2CampinhoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
10/07/32Magno FC3X0SportivoBairro de Madureira
17/07/32Sudan AC3X2SportivoBairro de Cascadura
24/07/32São José1X1SportivoBairro de Magalhães Bastos
07/08/32Oriente AC1X1SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
14/08/32Sportivo4X1Vasquinho FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
21/08/32Rio São Paulo FC3X2SportivoBairro de Madureira
28/08/32Boa Vista4X0SportivoEstrada das Furnas, no Alto da Boa Vista
04/09/32SportivoXDeodoroRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
11/09/32Sportivo2X1Curva do MattosoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/09/32Triângulo Azul FC2X3SportivoBairro: Centro

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
02/10/32Sportivo2X1EsperançaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
09/10/32Campinho3X1SportivoRua Mendes Aguiar, nº 18
16/10/32Sportivo1X2Magno FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
23/10/32Sportivo2X2Sudan ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
30/10/32Sportivo5X1SC São JoséRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
05/11/32DeodoroXSportivoEstrada de Nazareth – Deodoro
15/11/32Sportivo2X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
20/11/32Vasquinho1X1SportivoBairro do Engenho de Dentro
27/11/32Sportivo1X0Rio São PauloRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
04/12/32SportivoXBoa VistaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/12/32Campo Grande4X2SportivoBairro de Campo Grande
25/12/32SportivoXTriângulo AzulCancelado, porque o Sportivo abandonou o certame

Torneio Início da LMDT de 1933

Pelo Torneio Initium da LDMT, no domingo, às 11 horas, do dia 30 de abril de 1933, no campo do Bangu, o Sportivo caiu na estreia, ao perder para o Sportivo Campo Grande por 1 a 0. Sr. Francisco Antonio foi o árbitro. O Sportivo jogou: Oswaldo; Dantas e Euclydes; Jacy, Joaquim e Sebastião; Plínio, Mozart, Vieira e Rubem.

No Campeonato da Liga Metropolitana em 1933, o Sportivo Santa Cruz fez parta da Divisão Belfort Duarte. Nesse momento, o clube já apresentava dificuldades, sobretudo, no quesito estrutural.

E logo na estreia, foi “pintado um retrato” de como seria a temporada do alvinegro Santacruzense! No domingo, do dia 11 de junho de 1933, os jogadores dos primeiros e segundos quadros do Sportivo não compareceram no jogo, diante do Sport Club São José, em Magalhães Bastos, e perderam por W.O. (placar de 1 a 0).

Datas dos jogos

18 de junho de 1933, Sportivo x SC Albano

25 de junho de 1933, Sportivo x Esperança

02 de julho de 1933, Oriente x Sportivo

09 de julho de 1933, Sportivo x Magno

16 de julho de 1933, Sportivo x Campinho

23 de julho de 1933, SC Parames x Sportivo

06 de agosto de 1933, Deodoro x Sportivo

13 de agosto de 1933, Sportivo 1 x 3 Campo Grande

10 de setembro de 1933, Sportivo x São José

1º de outubro de 1933, Oriente 3 x 1 Sportivo

No dia em que o Sportivo Santa Cruz enfrentou o Flamengo

Em 1933, foram realizados obras para aumentar as arquibancadas do campo

No domingo, do dia 15 de outubro de 1933, no Estádio do Fluminense, em Laranjeiras, o Bangu venceu o Flamengo por 3 a 1, válido pelo Campeonato Carioca. Na preliminar, o Sportivo enfrentou, em amistosos, os amadores do Clube de Regatas Flamengo. A vitória foi rubro-negra pelo placar de 3 a 2.

No domingo, do dia 29 de outubro de 1933, no Estádio de São Januário, na preliminar da vitória do Palestra (SP) por 3 a 1, no Bonsucesso, válido pelo Torneio Rio-São Paulo. o Sportivo goleou o Vasquinho, por 5 a 0, pelo Campeonato da Liga Metropolitana.

No início de fevereiro de 1934, a Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), suspendeu o Sportivo por não comparecer nas assembléias e do não pagamento das multas.

Oriente tentou ajudar o Sportivo a não ser extinto

O Oriente Athletico Club era o grande rival do Sportivo, no bairro de Santa Cruz. Porém, ao perceber que o clube co-irmão estava agonizando o presidente do Oriente, Sylvio Duarte de Moraes, tratou de ajudar, realizando um festival.

Naquele momento o Sportivo tinha se afastado das competições e com ajuda de abnegados sócios: Dr. João Gualberto do Amaral, João Martins de Andrade e Almir Augusto Amaral, tentou se reorganizar e voltar ao convívio do desporto carioca.

No domingo, às 16 horas, do dia 07 de novembro de 1937, no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz, foi realizado o festival organizado pelo Oriente. Na partida de fundo, Oriente e Sportivo Santa Cruz empataram em 1 a 1. Os gols foram assinalados por Bugeca para o Oriente, enquanto José Moura Costa (campeão pelo Fluminense em 1924), de pênalti, marcou para o Sportivo.     

Depois, realizaram uma disputa, numa melhor de quatro jogos. No 1º jogo, no domingo, do dia 21 de novembro de 1937,  o Sportivo venceu o Oriente por 1 a 0. No 2º jogo, no domingo, do dia 28 de novembro de 1937,  as duas equipes empataram em 1 a 1.   

No domingo, do dia 28 de novembro de 1937, no campo da Rua Nestor, nº 2 jogo, em Santa Cruz, o último jogo entre Sportivo e Oriente, empate em 1 a 1. Com isso, nos três jogos, o Sportivo estava em vantagem com uma vitória e dois empates.

No domingo, do dia 16 de janeiro de 1938, Sportivo e Oriente se enfrentaram, válido pelo 4º jogo, no Estádio da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz. E o Sportivo venceu o seu grande rival pelo placar de 3 a 1, faturando o troféu Antonio Joaquim da Costa. Assim, nos quatro jogos, o Sportivo Santa Cruz venceu duas partidas e empatou as outras duas; seis gols pró e três contra.   

Adeus Sportivo Santa Cruz

Apesar do seu último capítulo ter sido com a conquista da taça (troféu Antonio Joaquim da Costa), não suficiente para reverter o quadro! E assim, sem nenhum alarde e nem nenhuma despedida, desapareceu para sempre o Sportivo Santa Cruz, em 1938.

Algumas formações

Foto de 2019: Aqui ficava o campo, na Rua do Prado, nº 35, em Santa Cruz, zona oeste do Rio (RJ)

Time base de 1926: Irineu; Titeo e Dantas; Allemão, Pequenino (Zequita) e Leite; Zizinho, Moutinho, Mituca, Zazá e Chiquito (Augusto).

Time base de 1927: Irineu (Alves ou Quidoca); Dantas (Togo) e Pequenino (Russinho ou Montinero); Allemão (Inglez ou Penha), Machado (Cruz ou Zequita) e Moutinho (Amaral); Zizinho (Euclides), Leite (Amaral II ou Pinto), Mituca (João), Zazá (Gradim) e Juquinha (Augusto).

Time base de 1928: Geraldo; Pequenino e Dantas; Machado, Martins e Moutinho; Gradim, Zizinho, Mituca, Zazá e Ignácio.

Time base de 1929: Heitor (Frango); Levy (Dantas) e Sebastião (Belinho); Joaquim (Gradim), Hilário e Antonio (Quinzinho); Amaral (Eustachio), Romualdo (Zizinho), Mozart (Juquinha), Jorge (Zazá) e João (Gaúcho).

Time base de 1930: Jajá; Barroso (Guerra) e Gaúcho; Gradim (Barbosa), Plínio e Gringo; Zizinho (Aquino), Edmundo (Walter), Almir ‘Mituca’ (Aquino), Zazá (Vidal) e Heitor (Cap.).

Time base de 1931: Jajá; Orlando (Barroso) e Dantas; Mituca (Calado), Guerra (Gambá) e Ratinho (Gringo); Aderne (Heitor), Gradim (Annibal), Zazá (Titeo), Almir Mituca (Zaquita) e Pinto (Boto ou Cabrito).

Time base de 1932: Stemi; Zezinho e Dantas; Gradim, Sapinho e Gringo; Plínio, Heitor, Zazá, Vivi e Moura.

Time base de 1933: Zezé (Oswaldo); Durval (Dantas) e Guerra I (Euclydes); Gradim (Jacy), Feitiço (Luizinho ou Joaquim) e Guerra II (Sebastião); Hermes (Plínio), Waldemar (Mozart ou Yaya), Zazá (Vieira), André (Rubem) e Camarim (Isaac).

Time base de 1937: Enéas; Ernesto (Nula) e José (Zezé); Zé Carlos (João Coelho), João e Júlio; Lulu, André, Heitor, Albininho (Lulu) e José Moura Costa (Coelho).

Colaboração: Auriel de Almeida

Trabalho de pesquisa, desenho do escudo e uniforme: Sérgio Mello

FONTES: A Batalha (RJ) – A Esquerda (RJ) – A Noite (RJ) – A Rua (RJ) – A Manhã (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Critica (RJ) – Correio Paulistano (SP) – Diário Carioca (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal do Brasil (RJ) – Jornal do Commercio (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – O Imparcial (RJ) – O Jornal (RJ) – O Paiz (RJ) – O Radical (RJ) – Revista do E.C. Guanabara de 1983 – Google Maps

Amistoso Nacional: E.C. Vitória (BA) 3 x 1 São Cristóvão F.R (RJ)

Na tarde de domingo, do dia 05 de Abril de 1953, o São Cristóvão e Vitória, se enfrentaram no Estádio da Fonte Nova, em Salvador (BA). O Vitória, uma semana antes, se sagrou campeão do Torneio Início baiano, enquanto o time Cadete, dias antes, faturou o título invicto do Torneio Quadrangular, em Campinas (reuniu, o Guarani, Ponte Preta e America-RJ).      

O São Cri-Cri quatro dias antes de enfrentar o rubro-negro baiano, perdeu o técnico Mario Faccini, que se desligou do clube para dirigir o Guarani de Campinas (SP). Assim, que foi escolhido para ser o “treinador tampão” foi o zagueiro e capitão Índio que acumulou as funções de jogador e técnico. O chefe da delegação dos Cadetes foi o Sr. Alvino Braga da Silva.   

E.C. VITÓRIA (BA)     3  X  1  SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Otávio Mangabeira, a “Fonte Nova“, em Salvador (BA)
CARÁTERAmistoso Nacional
DATADomingo, do dia 05 de Abril de 1953
RENDACerca de 120 mil cruzeiros
ÁRBITRORuy Carneiro (Federação Metropolitana de Futebol)
VITÓRIAPeriperi (Maciel); Eduardo e Alirio; Hilton Viana, Nélio e Joel; Tombinho; Otonel, Juvenal, Purunga e Ciro. Técnico: Osvaldo Costa   
SÃO CRISTÓVÃOMariano; Nei e Índio; Manfredo, Severino (José Alves) e Décio; Motorzinho, Humberto; Cabo Frio (Paulo César), Ivan (Cosme) e Carlinhos. Técnico: Índio
GOLSJuvenal, de pênalti, aos 18 minutos (Vitória), no 1º Tempo. Juvenal aos 30 minutos (Vitória);  Tombinho aos 35 minutos (Vitória); Carlinhos (São Cristóvão), no 2º Tempo.

FONTES: Jornal dos Sports – Unica (BA)

Tamoyo Football Club (atual: Tamoyo E.C.) – Cabo Frio (RJ): 1º escudo entre 1915 a 1918

Hoje o Tamoyo Esporte Clube completa 105 de existência!

Uma breve história desta simpática agremiação que fica na cidade de Cabo Frio, na Região dos Lagos no estado do Rio de Janeiro. A sua atual Sede está localizado na Avenida Nilo Peçanha, nº 153, no Centro da cidade.

Fundado no sábado, do dia 15 de Novembro de 1915, com o nome de Tamoyo Football Club. Na década seguinte alterou a nomenclatura para “Tamoyo Sport Club“. Na década de 40, com o aportuguesamento de boa parte dos clubes, a agremiação cabofriense passou a se chamar: Tamoyo Esporte Clube, que perdura até os dias atuais.  

O Tamoyo possui um histórico expressivo em duas modalidades esportivas: Futebol e o Futsal (antigo Futebol de Salão), onde é considerado um dos clubes mais tradicionais do Estado. Em 2015, ano em que completou seu centenário, disputou o Campeonato Estadual sub-20.

No campo, possui diversos títulos do Campeonato Citadino de Cabo Frio. No âmbito estadual, nos anos de 1941 (terminando na 5ª colocação, no geral) e 1942, o Tamoyo participou do Campeonato Fluminense de Futebol.

Na esfera profissional, o clube participou em três oportunidades do Campeonato Carioca da 3ª Divisão, organizado pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ): 1982, 1983 e 1985.

FONTES: Wikipédia – Site do Clube – Acervo de Marcelão Marcelo Santos (ex-goleiro da Cabofriense)

Inédito!! Esporte Clube São Bento – Angra dos Reis (RJ): Duas participações no Campeonato Fluminense de Clubes Campeões Municipais em 1962 e 1964

O Esporte Clube São Bento foi uma agremiação da cidade de Angra dos Reis (RJ). A sua Sede social ficava localizado na Rua Arcebispo Santos, nº 94, no Centro da cidade. Foi Fundado em 1950.

Há poucas informações do São Bento. O que foi apurado é que o time foi Tricampeão de Angra dos Reis em 1955, 1956 e 1957. Cinco anos depois disputou o III Campeonato Fluminense de Clubes Campeões Municipais de 1962. Na estreia, nem precisou jogar, uma vez que o seu adversário (Guarani Esporte Clube, de Volta Redonda), desistiu de participar. Assim, avançou para a segunda fase.

Time posado de 1973

Posteriormente, participou do Torneio de Campeões do Estado do Rio de 1964, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD). Tupi (Paracambi); São Pedro (São João de Meriti); Mauá e Metalúrgico (São Gonçalo); Tanguá (Rio Bonito); PIauí (FNM); Flamengo (Macaé); Mangueira (Paraíba do Sul); Cantagalo (Cantagalo).

Time base de 1957: Zezito; China e Pindaro; Santos, Benê e João Cidade (Assaid); Artur, Mair, Edson e Ézio.

Time posado de 1976

FONTES: Jornal dos Sports – O Fluminense (RJ) – A Noite (RJ) – Última Hora (RJ) – Acervo de Pedro Almeida

Andarahy Athletico Club – Rio de Janeiro (RJ): escudo e reportagem com lindas fotos de 1930

O Andarahy Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado numa terça-feira, do dia 09 de Novembro de 1909, tinha a sua Sede e o campo localizados na Rua Prefeito Serzedello Correa (atual Rua Barão de São Francisco), que em 1960 foi vendido ao América e nos anos 90 foi trocado para a construção do Estádio Giulitte Coutinho, no Distrito de Edson Passos, em Mesquita. Atualmente, o campo do Andarahy é o shopping Boulevard (antigo: Iguatemi), no bairro do Andaraí, na Zona Norte do Rio.

De suas fileiras suburbanas saíram alguns jogadores de valor para o futebol do Rio antigo. E, entre outras coisas, se conta a história de um sapo enterrado no campo do Vasco, por uma figura “folclórica” do clube Arubinha. Esse sapo foi vingança da gente do Andarahy, depois de um revés em 1937,  no 2º Turno, para o Vasco, por 12 a 0.

Quadras de Basquete e voleibol

Nessa temporada o Andarahy foi o último colocado no Campeonato da Liga de Futebol do Rio de Janeiro, ano da pacificação nacional. Seria também o último campeonato em que o velho Andarahy tomaria parte na Divisão Maior do futebol carioca.

Curioso que de um modo geral, na era das cisões, o Andarahy esteve sempre junto com o Vasco, na mesma Liga. Mas, o fato é que depois dessa “praga”, o Vasco somente seria campeão carioca depois de um longo jejum, em 1945.

O Andarahy iniciou sua participação em Campeonatos da cidade do Rio de Janeiro, em 1916 na então Liga Metropolitana de Sports Athléticos. Nessa temporada o América foi campeão carioca e o clube do subúrbio ficou colocado em penúltimo lugar, com 10 pontos ganhos e 14 pontos perdidos.

Quadra de Tênis

Mas, conseguiu a façanha de derrotar o campeão por 1 a 0, no returno, assim como venceu o Botafogo por 3 a 2, e o Fluminense por 2 a 1. O Andarahy jamais conseguiu derrotar o Vasco da Gama na sua passagem pelo futebol carioca em campeonatos oficiais.

Foi um clube carioca de grandes campanhas, ganhou o Torneio Início do Campeonato Carioca de 1924 foi vice-campeão carioca em 1921 e 1934, e 3º colocado no Campeonato Carioca em 1924, e 1933. Com a união da FCF e da FMD em 1937, o clube deixa o Campeonato Carioca para sempre.

Estádio Prefeito Serzedello Correa

Abaixo uma reportagem na íntegra do jornal Excelsior, em 1930:   

O Andarahy Athletico Club é uma das nossas instituições desportivas brilhantes tradições. Sua actuação no meio esportivo carioca tem sido efficiente, cooperando sempre pelo maior desenvolvimento da nossa cultura physica.

Excelsior”, que, há muito, vem se interessando pela vida dos esportes entre nós, occupa-se hoje o Andarahy A.C., dedicando-lhe nada menos de quatro páginas, todas illustradas com photographias colhidas na sede do referido club. Na primeira destas páginas encontra-se a actual diretoria do Andarahy, na segunda, o seu primeiro team; na terceira, varios aspectos colhidos na sua sede, quando estivemos, há dias, alli; e na quarta, ou melhor, nesta página, alguns trophéus conquistados brilhantemente, em encontros com outros clubs desta capital.

Pelo avultado número de taças e bronzes ganhos nobremente pelo Andarahy, o leitor avaliará por si o valor desportivo dessa instituição que é, sem exaggero da nossa parte, uma das mais valorosas que possuímos.

Reconhecendo-o é que aqui prestamos esta homenagem, aliás espontânea e desinteressada, como vimos fazendo com os demais clubs, cuja vida tem sido tratada por nós, que, como já dissemos, muito nos interessamos pela prosperidade da nossa cultura physica, através de todos os esportes.

O Andarahy, possuindo um bom campo de foot-ball e locaes apropriados para apropriados para a pratica de outros gêneros esportivos, está destinado a ter cada dia maior actuação nos nossos meios que cultivam o esporte.

Tendo tomado parte em pugnas memoraveis, das quaes tantas vezes sahira triumphante, o Andarahy impoz-se definitivamente no conceito público, tornando-se um dos clubs que desfructam de maiores sympathias populares.

Diretoria de 1930

Para demonstração da sua prosperidade, o Andarahy está actualmente dotando o seu campo de uma excellente archibancada, de onde o público possa assistir com conforto os jogos que, de futuro próximo, se realizarem alli.

Emfim, é uma das nossas mais bem constituídas organizações desportivas, razão pela qual sempre se impôz no conceito e na admiração de quantos, como nós, se interessam pelo esporte no Brasil“.

FONTE & FOTOS: Jornal Excelsior          

Foto rara: Flamengo 4 x 1 Fluminense – amistoso do ‘Dia do Trabalhador’ de 1957

Zagalo (Flamengo) e Pinheiro (Fluminense), no centro o árbitro da FMF , Alberto da Gama Malcher

Em homenagem ao “Dia dos Trabalhador” e com portões franqueados ao público, Flamengo e Fluminense defrontaram-se, na tarde de quarta-feira, do dia 1º de Maio de 1957, no Estádio de São Januário, em caráter amistoso, porém valendo a Taça Brasília. A peleja contou com a presença do exmo. do Sr. presidente da República, Juscelino Kubitschek. O espetáculo, tecnicamente deixou muito à desejar, estando longe daquele clássico renhido e cheio de emoções, de há muito tradicional no futebol metropolitano.

Para a fraqueza do prélio contribuiu muito o Fluminense, que se apresentou cheio de falhas, com um conjunto desarticulado e sem demonstrar o menor senso de coordenação. A vitória do Flamengo por 4 a 1 foi justa e merecida, sem que entretanto, dê margem para que se afirme esteja o rubro-negro reabilitado de seus últimos insucesso. A exibição negativa do Tricolor facilitou em grande parte a tarefa de seu mais ferrenho adversário.

A maior parcela de culpa pela contundente derrota do Fluminense, coube à sua defensiva, principalmente pela maneira dispersiva como atuou. Do começo ao fim da peleja, seus integrantes não se definiram em campo, como fossem calouros a sofrer os impactos psicológicos duma estreia, em match de grande importância.

Dois elementos merecem, contudo, um destaque negativo: Cacá e Altair, que mais pareciam médios volantes que propriamente zagueiros laterais. Amos, avançando em demasia, deixando uma lacuna, que era preenchida pelos avantes do Flamengo.

Os 4 a 1 talvez sejam exagerados para quem ignora o transcurso da partida, mas na verdade foram até modestos para o rubro-negro, que poderia dilatar a contagem, caso assim o desejasse. Os tentos, à exceção do feito por Joel com uma espetacular cabeçada, foram consignados facilmente, sem maiores entraves.

Os erros da retaguarda influíram no ataque chefiado por Valdo. Neste setor, não houve também destaque individual. Telê não foi aquele mesmo dínamo que a torcida está acostumada a ver: Valdo, parece que ficou indigesto com os “gols” feitos na temporada de 56, e Escurinho, que vinha atuando surpreendentemente bem nos últimos compromissos do Fluminense, voltou ao nível que lhe é peculiar.

Um Flamengo à vontade

A fragilidade de estrutura que caracterizou o “onzetricolor, como dissemos, facilitou a tarefa do Flamengo. Este, contudo, houve-se melhor do que no prélio de domingo último, quando deixou-se abater pelo São Paulo e por idêntica contagem. Embora todo o conjunto atuasse a contento, merecem destaque: o goleiro Ari, que demonstrou muita firmeza nas poucas bolas que o ameaçaram; a linha média e os avantes, Joel, Moacir e Henrique.

FONTE & FOTO: Correio da Manhã