Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Escudo raro de 1906: Foot-Ball and Athletic Club – Rio de Janeiro (RJ)

POR: Sérgio Mello

O Football and Athletic Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado no domingo, do dia 27 de Setembro de 1903, por moradores dos bairros da Tijuca, Andaraí e Engenho Velho {São Francisco Xavier do Engenho Velho é uma antiga freguesia (conjunto de bairros) que compreendia toda a região hoje denominada Grande Tijuca}.

As cores escolhidas foram o vermelho e o branco. Porém, é importante ressaltar que o verde foi agregado, não sabemos se num curto período ou de forma esporádica. No desenho acima, há o verde num dos uniformes, realizado no domingo, do dia 20 de Maio de 1906, no campo da Rua Sá Ferrer, na derrota para o Bangu pelo placar de 3 a 1.

A sua Sede era no Andaraí, e depois na Rua Haddock Lobo, nº 187 A, na Tijuca. A sua Praça de Esportes (terreno da antiga Praça Hippodromo Nacional) ficava na Rua Campos Sales, na Tijuca, na zona norte do Rio.

O seu campo de treino ficava na Rua Asylo Izabel (atual Rua Mariz e Barros), na Tijuca. Pelo seu campo passava o Bonde de Asylo Izabel, servindo também os Bondes de Andarahy (Leopoldo) e Villa Izabel que transpunham perto.

Suas cores eram o vermelho e o branco. A sua 1ª Diretoria foi constituída pelos seguintes membros e cargos:

Presidente – Claudino Reis;

Procurador – Arthur Irineu de Souza;

Thesoureiro – Joaquim José de Almeida Coutinho;

Secretário – Oscar Fagundes.

Descrição da bandeira, uniforme e cores

Seu uniforme consiste em camisas vermelhas com o monograma F.A.C. em branco no peito e calções brancos. Sua bandeira era listrada em vermelho e branco na horizontal com o monograma no quadrante superior esquerdo em vermelho, em estilo semelhante à bandeira dos Estados Unidos. Em uma partida amistosa contra o Bangu Atlético Clube, em 1904, o clube usou um uniforme tricolor (verde, branco e vermelho).

O Football and Athletic Club seguiu vencendo amistosos e logo se tornou uma das equipes mais fortes da cidade, contando com bom número de sócios na zona norte.

Foto posada do Football and Athletic Club, em 20/05/1906

Athletic ajudou a fundar a Liga Metropolitana de Football

A partir da iniciativa dos dirigentes do Athletic, este em conjunto com os clubes Fluminense, Botafogo, Bangu, Paysandu e Rio Cricket fundaram a Liga Metropolitana de Football, no sábado, do dia 08 de Julho de 1905.  que organizou o Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1906.

Athletic jogou o 1º Campeonato Carioca da 1ª Divisão em 1906

O Athletic, no entanto, terminou em sexto e último lugar (foram dois pontos em 10 jogos: uma vitória e nove derrota; marcando dois gols, sofrendo 55 tentos e um saldo negativo de 53). A única vitória aconteceu na última rodada, em razão do Rio Cricket, não ter comparecido para jogar no Campo da Guanabara, em Laranjeiras. Consequentemente o Athletic foi declarado vencedor por W.O.

Mudança: sai o ‘Athletic’ e entra o ‘Internacional

Na quarta-feira, do dia 21 de novembro de 1906, mudou a sua denominação Associação Athletica Internacional. A sua Diretoria foi formada com os seguintes membros e cargos:

Presidente – tenenteSantiago Rivaldo;

Vice-Presidente – José da Rocha Gomes;

1° Secretário – Lindolpho Costa;

2° Secretário – Gaspar Marques Leite;

1° Thesoureiro – Armando de Carvalho;

2° Thesoureiro – Arnaldo Werneck Campello;

Procurador – João Leite;

Comissão de Campo – Hildebrando Paranhos; Alberto Alvarenga, “Baby”; John Walmsley e Álvaro Alvarenga.

Em 1907, também disputou o campeonato ao ficar em 3° lugar, empatado com o Paysandu. A Internacional ainda seguiu disputando alguns poucos amistosos, até o seu fim definitivo, nos idos de 1912.

Algumas formações do Foot-Ball and Athletic Club

Time base de 1904:

Goal keeper – Octavio Nascimento Silva (Americo Couto e Irineu de Souza);

Full-backs – Armando Cerqueira (Luiz Steele ou Luiz Maia) e Gaspar Leite (Arthu Irinco de Souza ou Jayme Cardoso);

Half-backs – Cesar Leite (Octavio Jardim), Lindolpho Costa (Amélio P. Silva) e Antonio Pereira da Silva (Carlos Leite ou I. Paranhos);

Forwards – Ary Werneck (João Pereira), Antonio Carneiro de Mendonça (Raul Muniz), Francisco Coelho (Álvaro de Alvarenga), Jerony Mesquita (Mario Kock de Vasconcellos) e Antonio Martins Pereira (Alberto de Alvarenga, ‘Baby’);

Reservas – Cordeiro Junior e Armando de Carvalho.

Capitães: Francisco Coelho, Alberto de Alvarenga e Armando Cerqueira.

Time base de 1905:

Goal keeper – Octavio Nascimento Silva (Arnaldo Cerqueira);

Full-backs – Luiz Steele e Hildebrando Paranhos (Gaspar Leite);

Half-backs – Frank Slade, Luiz Maia (Cesar Paranhos) e Alberto de Alvarenga, ‘Baby’ (Souza Netto);

Forwards – Antonio Carneiro de Mendonça (Guedes de Mello), Adhemar Faria (A. Vieira), Julio Cramer (Alencar), Nabuco (Teixeira Pinto) e Augusto Alvarenga (Carlos Leite).

Time base de 1906:

Goal keeper – Octavio Nascimento Silva (J. Maragliano, Americo Couto e Ary Werneck);

Full-backs – H. Helbert (H. Ellis ou Armando Motta) e Hildebrando Paranhos (Luiz Steele);

Half-backs – Luiz Maia (Edgard), Gaspar Leite  (Julio Cramer) e Cesar Paranhos (Arnaldo Cerqueira ou Djalma Bittencourt);

Forwards – B. Alvarenga (João Pereira), J. Abreu (J. Allen), Amado Gay Filho (John Walmsley) e Adhemar Faria (Torres ou Alberto de Alvarenga, ‘Baby’).

Capitão: Luiz Maia.

Colaboraram: Auriel de Almeida – Flávio Almeida

FOTO: Acervo de Cláudio Galvão

FONTES: Correio da Manhã (RJ) – Wikipédia – Revista da Semana (RJ) – Jornal do Brasil (RJ) – Jornal do Commercio (RJ)

Brasileirão de 1973: Clube de Regatas Vasco da Gama x America Football Club

Para a rodada dupla (Flamengo x Olaria e Vasco da Gama x America), de acordo com o boletim de informação 84/73 do gabinete da presidência do ADEG, os ingressos podem ser comprados, das 9 às 19 horas, nos seguintes postos de venda antecipada:

Teatro Municipal (Treze de Maio);

Copacabana (Mercado Azul);

Posto Esso (Av. Epitácio Pessoa);

Duque de Caxias (Rua José Alvarenga, 127).

Preços dos Ingressos:

Camarote de CurvaCr$ 150,00
Camarote lateralCr$ 100,00
Cadeira lateralCr$ 30,00
Cadeira de CurvaCr$ 20,00
ArquibancadaCr$ 10,00
GeralCr$ 2,00
Militar (fardado)Cr$ 1,00

Na partida de fundo, às 21h30min., o Vasco bateu o America por 2 a 1. Apesar de sofrer um gol cedo, o clube da Cruz de Malta não se desesperou  e dominou o jogo e conseguiu a virada, com dois golaços de Dé Aranha, o melhor jogador em campo.

O resultado deixou o Vasco próximo de se classificar para a fase semifinal do Brasileirão de 1973. A diretoria de São Januário pagou pela vitória um “bicho” de Cr$ 2 mil para cada jogador.

O Mecão abriu o placar aos 5 minutos. Após um cruzamento, o goleiro Andrada saiu mal, permitindo que Sérgio Lima, de perna direita, escorasse a bola para o gol vazio.

O empate veio aos 27 minutos. O Vasco era dono absoluto do jogo e após uma jogada , onde todo ataque participou, Dé Aranha fuzilou a meta de País. Assim, os jogadores foram para o intervalo com empate em um gol.

Na etapa final, o gol da vitória saiu aos 28 minutos. Luís Carlos cruzou na área. Roberto Dinamite dominou no peito e tocou para Dé Aranha, que chutou no ângulo direito, levando a torcida vascaína ao delírio.

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       2          X         1          AMERICA F.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, Maracanã
CARÁTER8ª rodada do 2º Turno do Campeonato Brasileiro de 1973
DATAQuarta-feira, do dia 12 de dezembro de 1973
HORÁRIO21 horas e 30 minutos (de Brasília)
PÚBLICO25.340 pagantes
RENDACr$ 198.117,00
ÁRBITRONivaldo dos Santos (FCF)
AUXILIARESLuís Carlos de Oliveira (FCF) e José Roberto Wright (FCF)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Alfinete; Gaúcho e Zanata; Luís Carlos, Dé Aranha, Buglê (Ademir) e Roberto Dinamite. Técnico: Mário Travaglini.
AMERICAPaís; Paulo Maurício, Alex, Wilson e Álvaro; Ivo e Tadeu; Flecha (Expedito), Sérgio Lima (Jeremias), Luís e Renato. Técnico: Marinho.
GOLSSérgio Lima aos 5 minutos (America); Dé Aranha aos 27 minutos (Vasco), no 1º Tempo. Dé Aranha aos 28 minutos (Vasco), no 2º Tempo.

FOTOS: Marcelo Santos, Marcelão

FONTE: Jornal dos Sports

Brasileirão de 1973: Clube de Regatas Flamengo x Olaria Atlético Clube

Para a rodada dupla (Flamengo x Olaria e Vasco da Gama x America), de acordo com o boletim de informação 84/73 do gabinete da presidência do ADEG, os ingressos podem ser comprados, das 9 às 19 horas, nos seguintes postos de venda antecipada:

Teatro Municipal (Treze de Maio);

Copacabana (Mercado Azul);

Posto Esso (Av. Epitácio Pessoa);

Duque de Caxias (Rua José Alvarenga, 127).

Preços dos Ingressos:

Camarote de CurvaCr$ 150,00
Camarote lateralCr$ 100,00
Cadeira lateralCr$ 30,00
Cadeira de CurvaCr$ 20,00
ArquibancadaCr$ 10,00
GeralCr$ 2,00
Militar (fardado)Cr$ 1,00
Correção!
EM PÉ (esquerda para a direita): Mauro Cruz, Beto, Batata, Gessé, Ademir e Klein;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Carlos Antonio, Fernando Pirulito, Jair, Roberto Pinto e Luiz Paulo (ex-Flamengo).

Mesmo sem chances de avançar no Campeonato Brasileiro de 1973, o Flamengo venceu o Olaria pelo placar de 2 a 1, no Estádio do Maracanã. Para o Rubro Negro, gols de Zico e Doval, no primeiro tempo, e Fernando Pirulito, no segundo tempo, para o Olaria.

O rubro-negro jogou bem e fez os seus gols. Aos 7 minutos, Zico recebeu na intermediária, a defesa abriu, e o Galinho, de fora da área, chutou forte, surpreendendo Ubirajara, que apenas olhou a bola morrer no canto esquerdo.

Aos 41 minutos, Rodrigues Neto foi lançado, mas demorou e perdeu a bola. Zico, melhor do time, em jogada de raça, recuperou a bola e deu para Doval, que passou entre dois zagueiros e chutou sem defesa para Ubirajara.

Na fase complementar, o Flamengo recuou e permitiu que o clube da Rua Bariri pressionasse, que chegou a marcar o tento de honra. Aos 39 minutos, Tanesi chutou, o goleiro Renato “bateu roupa” e a bola ficou nos pés de Fernando Pirulito, que tocou para o fundo das redes, dando números finais a peleja.

C.R. FLAMENGO (RJ)       2          X         1          OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, Maracanã
CARÁTER8ª rodada do 2º Turno do Campeonato Brasileiro de 1973
DATAQuarta-feira, do dia 12 de dezembro de 1973
HORÁRIO19 horas e 15 minutos (de Brasília)
PÚBLICO25.340 pagantes
RENDACr$ 198.117,00
ÁRBITROWalquir Pimentel (FCF)
AUXILIARESJosé Maria Brandão (FCF) e Angenor Martins (FCF)
CARTÕES VERMELHOSDoval (Flamengo) e Joel Santana (Olaria)
FLAMENGORenato; Moreira, Chiquinho, Reyes e Mineiro; Paulinho e Afonsinho (Zé Mário); Rogério (Paulinho II), Zico, Doval e Rodrigues Neto. Técnico: Zagalo.
OLARIAUbirajara; Mauro Cruz, Gilberto, Joel Santana e Da Costa; Silva, Gessé (Fernando Pirulito) e Roberto Pinto; Antoninho (Tanesi), Jair Ganso e Jair Pereira. Técnico: Paulinho de Almeida.
GOLSZico aos 7 minutos (Flamengo); Doval aos 41 minutos (Flamengo), no 1º Tempo. Fernando Pirulito aos 39 minutos (Olaria), no 2º Tempo.

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FOTOS: Clóvis Monteiro – Marcelo Santos, Marcelão – Zuzuarte

FONTE: Jornal dos Sports

Foto rara: Botafogo goleia o Fluminense e fica com o título Carioca de 1957

EM PÉ (esquerda para a direita): Adalberto, Thomé, Servilio, Nilton Santos, Pampolini e Beto;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Garrincha, Paulinho Valentim, Didi, Edison e Quarentinha.

O Botafogo de Futebol e Regatas se sagrou campeão do Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1957. O jogo que deu o título foi na última rodada diante do Fluminense Football Club.

Nessa partida, o Glorioso aplicou uma sonora goleada em cima do Tricolor das Laranjeiras pelo placar de 6 a 2, no Maracanã. Esse resultado foi a maior goleada da história em finais do Carioca.

O destaque desse jogo foi Paulinho Valentim que assinalou cinco gols, sendo o 3º tento de bicicleta, e o outro foi de Mané Garrincha. Os tentos de honra do Fluminense, foram de Escurinho e Waldo.

A campanha do Botafogo foram 36 pontos, em 22 jogos; 16 vitórias, quatro empates e duas derrotas; 64 gols a favor, 21 tentos contra e um saldo pomposo de 43. Na artilharia, Paulinho Valentim terminou com 22 gols, seguido por Dida (Flamengo) com 20 gols; Léo (Fluminense) com 19 gols.  

BOTAFOGO F.R. (RJ)       6          X         2          FLUMINENSE F.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, Maracanã
CARÁTERCampeonato Carioca da 1ª Divisão de 1957
DATADomingo, do dia 22 de Dezembro de 1957
HORÁRIO16 horas
PÚBLICO89.407 pagantes (99.465 presentes)
RENDACr$ 3.267.639,00
ÁRBITROAlberto da Gama Malcher (FMF)
AUXILIARESAntônio Viug (FMF) e Frederico Lopes (FMF)
BOTAFOGOAdalberto (Nº 1); Beto (Nº 2), Thomé (Nº 3) e Nílton Santos (Nº 6); Pampolini (Nº 4) e Servílio (Nº 5); Mané Garrincha (Nº 7), Didi (Nº 8), Paulinho Valentim (Nº 9), Edson (Nº 10) e Quarentinha (Nº 11). Técnico: João Saldanha.
FLUMINENSECastilho (Nº 1); Cacá (Nº 2), Pinheiro (Nº 3) e Altair (Nº 4); Jair Santana (Nº 5) e Clóvis (Nº 6); Telê Santana (Nº 7), Jair Francisco (Nº 8), Waldo (Nº 9), Róbson (Nº 10) e Escurinho (Nº 11). Técnico: Sylvio Pirillo
GOLSPaulinho Valentim aos 5, 29 e 42 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Escurinho aos 5 minutos (Fluminense); Paulinho Valentim aos 9 e 23 minutos (Botafogo); Garrincha aos 13 minutos (Botafogo); Waldo aos 40 minutos (Fluminense), no 2º Tempo.
PRELIMINARBotafogo F.R. 0 x 4 Fluminense F.C.
CARÁTERCampeonato Carioca de Juvenis de 1957
HORÁRIO14 horas
ÁRBITROJosé Monteiro (FMF)
AUXILIARESJosé Bittencourt (FMF) e Egídio F. Nogueira (FMF)
BOTAFOGOReginaldo; Marcelo e Juvenil; Osvaldo, Ney e Zé Carlos; Garrinchinha, Neto, Luís Carlos, China e Jorge.
FLUMINENSECláudio; Hercules e Geraldo; Jader, Darí e Wilson; Adilson, Gute, Walter, Valdo e Gelson.
GOLSWalter aos 23 minutos (Flu), no 1º Tempo.

FOTO: Alberto Lopes Leiloeiro

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Diário da Noite (RJ)

Desvio Dona Zizinha Atlético Clube (DDZAC) – São Gonçalo (RJ): enfrentou o C.R. Flamengo!

O Desvio Dona Zizinha Atlético Clube (DDZAC) é uma agremiação da cidade de São Gonçalo (RJ). O “Alviverde Gonçalense” foi Fundado na sexta-feira, do dia 17 de Abril de 1959, pelo Deputado Estadual Aécio Nancio, então aos 47 anos. A sua Sede (que foi uma doação do terreno por parte da prefeitura de São Gonçalo) está localizada na Rua Dr. Getúlio Vargas, nº 1.515, no bairro Santa Catarina, em São Gonçalo (RJ).

Se filiou na Liga Gonçalense de Desportos (LGD), no mês de abril de 1961.

A origem do nome curioso

Numa reportagem de 1973, no jornal O Fluminense, explica: A antiga Avenida Serrano era, praticamente, o que existia no local. O “Desvio” porque os bondes cruzavam uns pelos outros para seguir viagem.

Já “Dona Zizinha” porque era a pessoa mais conhecida na localidade, dona de um comercio de gêneros alimentícios. Não havia morador que não a conhecesse. Era quem emprestava dinheiro às famílias mais pobres e, muitas vezes, mandava alimentos para pessoas que sabia não poder comprá-los.

Alviverde Gonçalense enfrentou o Flamengo

O DDZAC Enfrentou o time misto do Flamengo, na noite da quarta-feira, às 21h30min., do dia 26 de Abril de 1961, no Estádio da Estação, em São Gonçalo. No final, o rubro-negro venceu por 2 a 0. O Mengão contou com jovens valores como Gerson (que mais tarde ganhou o apelido de “Canhotinha de Ouro”), Mauro, Edmar, Bolero, Hugo, Beirute, Manuelzinho, entre outros.

Três participações no Campeonato Gonçalense de Futebol

Disputou três edições do Campeonato Gonçalense: 1977, 1978 e 1979. Na estreia, em 1977, num jogo foi tumultuado e com quatro expulsões, o DDZAC venceu o Vila Guedes pelo placar de 2 a 1.

Os gols foram assinalados por Crispim e Aécio, enquanto Adib fez o de honra do Vila. Os vencedores jogaram: Jorge; Jair, Luisão, Dejair (Careca) e Miguel; Azul, Liderval e Toninho; Crispim, Aécio e Caco.

Em 1978, o DDZAC ficou com o vice da Taça da Cidade de São Gonçalo, organizado pela Liga Gonçalense de Desportos (LGD). O grande campeão foi o Brasilândia, então com apenas dois anos de existência.

Na temporada seguinte, pelo Campeonato Gonçalense, Desvio Dona Zizinha perdeu na final, para o Unidos do Porto da Pedra, ficando com vice-campeonato de 1979.   

Algumas formações

Time base de 1960: Carlinhos; Jico e Bringela (Nonô); Rubinho (Jorge), Dodo e Daniel (Careca); Fernando (Carlinhos), Mimi, Loloca, Cizinho (Paulinho) e Gabriel (Carlinhos II).

Time base de 1977: Jorge; Jair, Luisão, Dejair (Careca) e Miguel; Azul, Liderval e Toninho; Crispim, Aécio e Caco. Técnico: Mão de Onça.

Time base de 1978: Jairo; Wladimir, Carlinhos, Miguel e Danilinho; Neném, Potoca (Carlinhos Danilo) e Richard; Milton (Inaldo), Mário e Ademir. Técnico: Mão de Onça.

Time base de 1979: Careca (Nero ou Moreno); Baiano (Odir), Lenilton, Carlinhos e Miguel; Ademir (Adib), Luiz Ricardo (Carlos Alberto) e Potoca (Nelsinho); Richard (Neném), Inaldo e Richard II. Técnico: Carlinhos Danilo (depois Sebastião Silva).

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – O Fluminense (RJ) – Última Hora (RJ)

Escudo inédito, dos anos 30: Tupy Esporte Clube – Arraial do Cabo (RJ) 

Tupy Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Arraial do Cabo (RJ). O Alvinegro foi Fundado no domingo, do dia 19 de Abril de 1914. A sua Sede fique localizada na Avenida Getúlio Vargas, nº 50, no Bairro da Praia Grande, em Arraial do Cabo. Como registro, o Tupy participou na década de 60, do Campeonato Citadino de Cabo Frio.

Tupy Esporte Clube, manda os seus jogos no Estádio Municipal Hermenegildo Barcellos, o “Barcelão” (Capacidade para cerca de 5 mil pessoas), em Arraial do Cabo, para disputa dos campeonatos citadinos.

FOTO: Acervo de José Francisco de Moura, o Chicão

FONTES: O Fluminense – YouTube – Google Maps

Amistoso Nacional de 1950: Atlético Mineiro (MG) 4 X 2 Olaria A.C. (RJ)

Na noite da sexta-feira, do dia 24 de Março de 1950, o amistoso nacional, foi realizado em Belo Horizonte (MG), e o Atlético Mineiro venceu o Olaria Atlético Clube (RJ), pelo placar de 4 a 2.

O jogo foi prejudicado pelas fortes chuvas, que deixou o gramado em condições impraticáveis. O primeiro tempo terminou com vantagem para o Galo que foi para o vestiário vencendo por 2 a 1.

EM PÉ (esquerda para a direita): Juca, Mão de Onça, Afonso Silva, Zé do Monte, Carango e Moreno;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Lucas Miranda, Lauro, Alvinho e Nivio.

Na etapa final, quando o Atlético vencia por 3 a 2, houve um pênalti a favor do Olaria. Amaro bateu, mas Mão de Onça voou, espalmando para escanteio. O Galo marcou o quarto tento, dando números finais a peleja.

Ricardo Díez

Na etapa final, quando o Atlético vencia por 3 a 2, houve um pênalti a favor do Olaria. Amaro bateu, mas Mão de Onça voou, espalmando para escanteio. O Galo marcou o quarto tento, dando números finais a peleja.

Curiosidade

O técnico do Olaria era Domingos da Guia (Foto abaixo), considerado por muitos especialistas como um dos maiores zagueiros da história do futebol brasileiro. Após encerrar a carreira no Bangu, o Domingos deu os seus primeiros passos como treinador no clube da Rua Bariri.  

ATLÉTICO MINEIRO (MG) 4       X       2       OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Antonio Carlos, no bairro Lourdes, em Belo Horizontes/MG
CARÁTERAmistoso Nacional de 1950
DATASexta-feira, do dia 24 de Março de 1950
HORÁRIO21 horas (de Brasília)
RENDACr$ 11.322,00
ÁRBITROEgidio Nogueira {Federação Metropolitana de Football (atuação regular)}
ATLÉTICOMão de Onça; Juca e Capineiro (Oswaldo); Afonso, Monte (Paulo Curi) e Carango; Lucas Miranda, Lauro (Paulo Maia), Osni, Ubaldo Miranda (Biguá) e Nivio. Técnico: o uruguaio, Ricardo Díez
OLARIAMilton; Amaro e Lamparina; Olavo, Moacir e Ananias; Jarbas, Alcino (J. Alves), Mical (Jair), Maxwell (Washington) e Esquerdinha. Técnico: Domingos da Guia
GOLSUbaldo (Atlético); Nivio (Atlético); Mical (Olaria), no 1º Tempo. Maxwell (Olaria); Osni (Atlético); Nivio (Atlético), no 2º Tempo.

FOTOS: Estado de Minas (MG) – Acervo de Marcelão Marcelo Santos

FONTE: A Noite (RJ)