Arquivo da categoria: Escudos

Desvio Dona Zizinha Atlético Clube (DDZAC) – São Gonçalo (RJ): enfrentou o C.R. Flamengo!

O Desvio Dona Zizinha Atlético Clube (DDZAC) é uma agremiação da cidade de São Gonçalo (RJ). O “Alviverde Gonçalense” foi Fundado na sexta-feira, do dia 17 de Abril de 1959, pelo Deputado Estadual Aécio Nancio, então aos 47 anos. A sua Sede (que foi uma doação do terreno por parte da prefeitura de São Gonçalo) está localizada na Rua Dr. Getúlio Vargas, nº 1.722, no bairro Santa Catarina, em São Gonçalo (RJ).

Se filiou na Liga Gonçalense de Desportos (LGD), no mês de abril de 1961.

A origem do nome curioso

Numa reportagem de 1973, no jornal O Fluminense, explica: A antiga Avenida Serrano era, praticamente, o que existia no local. O “Desvio” porque os bondes cruzavam uns pelos outros para seguir viagem.

Já “Dona Zizinha” porque era a pessoa mais conhecida na localidade, dona de um comercio de gêneros alimentícios. Não havia morador que não a conhecesse. Era quem emprestava dinheiro às famílias mais pobres e, muitas vezes, mandava alimentos para pessoas que sabia não poder comprá-los.

Alviverde Gonçalense enfrentou o Flamengo

O DDZAC Enfrentou o time misto do Flamengo, na noite da quarta-feira, às 21h30min., do dia 26 de Abril de 1961, no Estádio da Estação, em São Gonçalo. No final, o rubro-negro venceu por 2 a 0. O Mengão contou com jovens valores como Gerson (que mais tarde ganhou o apelido de “Canhotinha de Ouro”), Mauro, Edmar, Bolero, Hugo, Beirute, Manuelzinho, entre outros.

Três participações no Campeonato Gonçalense de Futebol

Disputou três edições do Campeonato Gonçalense: 1977, 1978 e 1979. Na estreia, em 1977, num jogo foi tumultuado e com quatro expulsões, o DDZAC venceu o Vila Guedes pelo placar de 2 a 1.

Os gols foram assinalados por Crispim e Aécio, enquanto Adib fez o de honra do Vila. Os vencedores jogaram: Jorge; Jair, Luisão, Dejair (Careca) e Miguel; Azul, Liderval e Toninho; Crispim, Aécio e Caco.

Em 1978, o DDZAC ficou com o vice da Taça da Cidade de São Gonçalo, organizado pela Liga Gonçalense de Desportos (LGD). O grande campeão foi o Brasilândia, então com apenas dois anos de existência.

Na temporada seguinte, pelo Campeonato Gonçalense, Desvio Dona Zizinha perdeu na final, para o Unidos do Porto da Pedra, ficando com vice-campeonato de 1979.   

Algumas formações

Time base de 1960: Carlinhos; Jico e Bringela (Nonô); Rubinho (Jorge), Dodo e Daniel (Careca); Fernando (Carlinhos), Mimi, Loloca, Cizinho (Paulinho) e Gabriel (Carlinhos II).

Time base de 1977: Jorge; Jair, Luisão, Dejair (Careca) e Miguel; Azul, Liderval e Toninho; Crispim, Aécio e Caco. Técnico: Mão de Onça.

Time base de 1978: Jairo; Wladimir, Carlinhos, Miguel e Danilinho; Neném, Potoca (Carlinhos Danilo) e Richard; Milton (Inaldo), Mário e Ademir. Técnico: Mão de Onça.

Time base de 1979: Careca (Nero ou Moreno); Baiano (Odir), Lenilton, Carlinhos e Miguel; Ademir (Adib), Luiz Ricardo (Carlos Alberto) e Potoca (Nelsinho); Richard (Neném), Inaldo e Richard II. Técnico: Carlinhos Danilo (depois Sebastião Silva).

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – O Fluminense (RJ) – Última Hora (RJ)

Escudo inédito, dos anos 30: Tupy Esporte Clube – Arraial do Cabo (RJ) 

Tupy Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Arraial do Cabo (RJ). O Alvinegro foi Fundado no domingo, do dia 19 de Abril de 1914. A sua Sede fique localizada na Avenida Getúlio Vargas, nº 50, no Bairro da Praia Grande, em Arraial do Cabo. Como registro, o Tupy participou na década de 60, do Campeonato Citadino de Cabo Frio.

Tupy Esporte Clube, manda os seus jogos no Estádio Municipal Hermenegildo Barcellos, o “Barcelão” (Capacidade para cerca de 5 mil pessoas), em Arraial do Cabo, para disputa dos campeonatos citadinos.

FOTO: Acervo de José Francisco de Moura, o Chicão

FONTES: O Fluminense – YouTube – Google Maps

Amistoso Nacional de 1950: Atlético Mineiro (MG) 4 X 2 Olaria A.C. (RJ)

Na noite da sexta-feira, do dia 24 de Março de 1950, o amistoso nacional, foi realizado em Belo Horizonte (MG), e o Atlético Mineiro venceu o Olaria Atlético Clube (RJ), pelo placar de 4 a 2.

O jogo foi prejudicado pelas fortes chuvas, que deixou o gramado em condições impraticáveis. O primeiro tempo terminou com vantagem para o Galo que foi para o vestiário vencendo por 2 a 1.

EM PÉ (esquerda para a direita): Juca, Mão de Onça, Afonso Silva, Zé do Monte, Carango e Moreno;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Lucas Miranda, Lauro, Alvinho e Nivio.

Na etapa final, quando o Atlético vencia por 3 a 2, houve um pênalti a favor do Olaria. Amaro bateu, mas Mão de Onça voou, espalmando para escanteio. O Galo marcou o quarto tento, dando números finais a peleja.

Ricardo Díez

Na etapa final, quando o Atlético vencia por 3 a 2, houve um pênalti a favor do Olaria. Amaro bateu, mas Mão de Onça voou, espalmando para escanteio. O Galo marcou o quarto tento, dando números finais a peleja.

Curiosidade

O técnico do Olaria era Domingos da Guia (Foto abaixo), considerado por muitos especialistas como um dos maiores zagueiros da história do futebol brasileiro. Após encerrar a carreira no Bangu, o Domingos deu os seus primeiros passos como treinador no clube da Rua Bariri.  

ATLÉTICO MINEIRO (MG) 4       X       2       OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Antonio Carlos, no bairro Lourdes, em Belo Horizontes/MG
CARÁTERAmistoso Nacional de 1950
DATASexta-feira, do dia 24 de Março de 1950
HORÁRIO21 horas (de Brasília)
RENDACr$ 11.322,00
ÁRBITROEgidio Nogueira {Federação Metropolitana de Football (atuação regular)}
ATLÉTICOMão de Onça; Juca e Capineiro (Oswaldo); Afonso, Monte (Paulo Curi) e Carango; Lucas Miranda, Lauro (Paulo Maia), Osni, Ubaldo Miranda (Biguá) e Nivio. Técnico: o uruguaio, Ricardo Díez
OLARIAMilton; Amaro e Lamparina; Olavo, Moacir e Ananias; Jarbas, Alcino (J. Alves), Mical (Jair), Maxwell (Washington) e Esquerdinha. Técnico: Domingos da Guia
GOLSUbaldo (Atlético); Nivio (Atlético); Mical (Olaria), no 1º Tempo. Maxwell (Olaria); Osni (Atlético); Nivio (Atlético), no 2º Tempo.

FOTOS: Estado de Minas (MG) – Acervo de Marcelão Marcelo Santos

FONTE: A Noite (RJ)

1º jogo internacional em Minas Gerais, em 1928: Associação Atlética Guaxupé – Guaxupé (MG) versus Peñarol Universitário (URU)

A Associação Atlética Guaxupé foi uma agremiação do município de Guaxupé, com uma população de 51.911 habitantes (segundo o censo do IBGE/2015), situado a 478 km da capital (Belo Horizonte) do estado de Minas Gerais.

Os Tigres Mineiros foi Fundado em 1924, cuja 1ª diretoria foi composta pelos seguintes membros: Presidente – Carlos Costa Monteiro;

Vice- Presidente – João dos Santos Coragem;

1º Secretário – André Cortez Granero;

Tesoureiro – Osvaldo Moreira.

A diretoria trabalhou arduamente a partir de 1926, para a construção de seu estádio Carlos Costa Monteiro. Além d o futebol ser o seu carro-chefe, o clube social, promovia bailes aos domingos e bailes carnavalescos.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Guaxupé

Alguns momentos da história do clube

No domingo, do dia 06 de Junho de 1926, em amistoso, o Guaxupé ficou no empate com o Club Athletico Muzambinho em 1 a 1. Segundo a reportagem de A Gazeta, cerca de 6 mil torcedores compareceram para assistir a peleja. Zé Pedro abriu o placar para o Muzambinho. Depois Omar deixou tudo igual para o Guaxupé, na primeira etapa.

No domingo, do dia 13 de Junho de 1926, em amistoso, o Guaxupé bateu, nos seus domínios, o Operário de Tambahu por 3 a 0.

Guaxupé perdeu para o C.A. Silex

No domingo, do dia 31 de Outubro de 1926, em amistoso, o Guaxupé acabou derrotado pelo Club Athletico Silex, em amistoso, pelo placar de 2 a 0. Com o resultado, os paulistas ficaram com a Taça São Paulo-Minas. A partida foi arbitrada pelo Sr. João Resaffe (do Silex).

Após forte chuva, o jogo começou com o estado do campo (que por sinal era de terra) estava ruim. Ocorreram algumas chances de gol, porém sem êxito. Assim o primeiro tempo terminou sem abertura de contagem.

Na etapa final, Pedro centrou na área. Nazareth rebateu e Lara, que num sem pulo acertou o canto direito do goleiro Tatutino, colocando os paulistas em vantagem. Restando 10 minutos para o fim, Pedrinho ampliou para o Silex.

Guaxupé: Matutino; Scafi e Nazareth; Jacy, Rueda e Motta; Sebastião, Bugelli, Miguel, Zezeca e Toninho.

Silex: Nicola; Moretti e Guarnieri; Allemão, Janeiro e Bertocco; Pedro, Figueiredo, Perim, Lara e Cezar

Inauguração da Praça de Esportes

No domingo, do dia 1º de maio de 1927, a Associação Atlética Guaxupé enfrentou o Club Athletico Sorocabano, na inauguração do seu Estádio Carlos Costa Monteiro, em  Guaxupé. Infelizmente, não foi encontrado o resultado dessa peleja.

Guaxupé enfrentou o Bicampeão Paulista

No domingo, às 16 horas, do dia 23 de outubro de 1927, foi realizado um amistoso nacional, entre a Associação Atlética Guaxupé (MG) versos Club Athletico Paulistano (SP), que tinha se sagrado Bicampeão do Campeonato Paulista daquele ano, pela LAF (Liga dos Amadores de Futebol), em 1926 e 1927.

O árbitro do jogo foi o Sr. Amphiloquo Marques, o “Filó“. A renda da partida foi revertida para a Santa Casa de Misericórdia. A delegação paulista ficou hospedada no Grande Hotel Cobra.

Nessa peleja os valores dos ingressos ficaram definidos:

Arquibancada (adultos) – 10$000 (dez mil réis);

Arquibancada (senhoras e senhoritas) – 5$000(dez mil réis);

Gerais – 5$000 (dez mil réis).

No final, melhor para o “Gloriosopaulista que venceu pelo placar de 3 a 2, no Estádio Carlos Costa Monteiro, em  Guaxupé. O Paulistano faturou o troféu oferecido pelo Instituto Paulista.

Na primeira etapa, o Paulistano abriu o placar, aos 25 minutos, após Friedenreich, El Tigre, dar passe para Seixas que driblou o zagueiro Scaf e soltou um foguete.

A bola explodiu na trave e quando o goleiro Matutino tentou defender, acabou se enrolando, colocando a bola contra o próprio patrimônio. Cinco minutos depois, o Guaxupé chegou ao empate! Tonin arriscou um chute de fora da área, acertando o ângulo de Rhormens que nada ode fazer.   

Na etapa final, aos 7 minutos, Abbate bateu falta, quase próximo ao centro de campo. A bola subiu e acabou encobrindo o arqueiro Matutino, recolocando os visitantes em vantagem. Novamente o Guaxupé, conseguiu o empate. Sebastião arrancou em velocidade, sem ser alcançado. Dentro da área, tocou na saída do goleiro, colocando para o fundo das redes.  

Aos 25 minutos, o gol da vitória veio com El Tigre, quando escapou pelo centro, driblou dois marcadores, e deu um chute a meia altura, sem chances para Matutino. Dando números finais a peleja.

As equipes foram com os seguintes atletas:

A.A. Guaxupé – Matutino; Scaff e Arnaldo; Motta, Tranquilin e Aziz; Tonin, Carlos, Annibal; Sebastião e Jamillo. Técnico: Waldemar Rheider.

C.A. Paulistano – Rhormens; Clodô e Barthô Faria; Abbate, Rueda e Alves; Formiga, Seixas, “El Tigre” Friedenreich, Miguel e Julio.

 A acolhida feita à caravana paulista foi das mais agradáveis e cativantes. Toda a comitiva foi levada de automóvel a passeio pelas ruas da cidade. Depois do jogo, os paulistanos dirigiram-se à Fazenda Monte Alto, para as devidas comemorações.

“El Tigre” Friedenreich atrás da bola (no centro)

1º jogo com “El Tigre” no Guaxupé

No domingo, às 16h30min., do dia 20 de novembro de 1927, o Guaxupé jogou amistosamente, em casa, contra o Esporte Clube Itapirense, de Itapira, situado no interior Paulista. Em disputa, uma artística taça, ofertada da exma. sra. D. Anna Magalhães Costa. O árbitro foi o Sr. Aracy (do Club Athleico Paulistano).

A.A. Guaxupé – Matutino; Arnaldo e Scaff; Aziz, Tranquilin e Jamillo; Renato, Sebastião, Carlos, “El Tigre” Friedenreich e Tonin. Técnico: Waldemar Rheider.

E.C. Itapirense: Annibal; Rosa e Nico; Garcia, Francisco e Thomaz; Juca, Pepico, Mello, Augusto e Tatico.

No primeiro tempo, o Guaxupé abriu o placar aos 20 minutos. Carlos driblou Garcia, escapando pela esquerda e tocou para Tonin. Na entrada da área, passou pelo zagueiro Rosa e chutou firme, vencendo o goleiro Annibal, que viu a bola morrer no fundo das redes.

Logo depois, Renato recebe passe de El Tigre, avança e passa para Sebastião que toca na saída de Annibal, marcando o gol. O árbitro Aracy apontou para o centro do campo, mas após a reclamação dos visitantes, voltou atrás e anulou o gol, marcando impedimento de Sebastião.

Aos 35 minutos, Augusto recebendo passe de Pepico, tocou para Mello, que livre bateu colocado para deixar tudo igual. 

Na etapa final, o Itapirense chegou a virada. Juca lançou Mello que passa por Arnaldo e chutou forte, sem chances para Matutino. No entanto, pouco depois, nova igualdade. Sebastião avançou pela direita e chutou para o gol. Thomaz na tentativa de interceptar a bola, acabou desviando com mão. Pênalti, que El Tigre cobrou com categoria, colocando a bola no fundo do barbante. O gol da vitória saiu dos pés de El Tigre, no minuto final, dando números finais a peleja.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Guaxupé

Guaxupé jogou o 1º jogo internacional do estado de Minas

O clube marcou época na história do futebol mineiro, no domingo, às 16 horas, do dia 27 de Maio de 1928, ao realizar a 1ª partida internacional no estado de Minas Gerais. Deu o pontapé inicial, o deputado estadual, Francisco Lessa.

Contando com cerca de 5 mil torcedores, a Associação Atlética Guaxupé venceu o Peñarol Universitário, do Uruguai, pelo placar de 2 a 1. O árbitro foi Augusto de Castro (substituído no 2º tempo por Odilon Penteado do Amaral).

Na primeira etapa, apesar do maior volume dos mineiros, o jogo terminou sem abertura de contagem. Na etapa final, logo aos 4 minutos, os uruguaios abriram placar. Minoli deu belo passe para Lerena que tocou para o gol.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Guaxupé – Troféu do jogo entre Guaxupé x Peñarol Universitário

Aos 15 minutos, o árbitro marcou pênalti, que Luiz converteu para deixar tudo igual. Minutos depois, Luiz deu belo passe para Marques que tirou do goleiro para decretar a virada do Guaxupé. Após os ânimos serem acalmados, o árbitro foi substituído pelo Sr. Odilon Penteado do Amaral.

Nos 15 minutos finais, o quadro uruguaio dominou por completo o jogo, mas sem conseguir marcar o tento de empate. Essa marcação gerou uma grande confusão e o jogo ficou paralisado por cerca de 15 minutos. Fim de jogo, e vitória do Guaxupé para delírio dos seus torcedores.

O feito histórico valeu uma taça ao time guaxupeano, hoje exposta no salão principal do Museu Histórico e Geográfico Comendador Sebastião de Sá, em Guaxupé.

Foto tirada nesse jogo do “El Tigre” Friedenreich

A.A. GUAXUPÉ (MG)         2          X         1          PEÑAROL UNIVERSITÁRIO (URU)

LOCALEstádio Carlos Costa Monteiro, em  Guaxupé/MG
CARÁTERAmistoso Internacional
DATADomingo, do dia 27 de Maio de 1928
HORÁRIO16 horas
PÚBLICOCerca de 5 mil pagantes
ÁRBITROAugusto de Castro (depois Odilon Penteado do Amaral)
GUAXUPÉRaposo; Scaff e Tranquinha; Assis, José e Janillo; Marques, Macha, “El Tigre” Artur Friedenreich, Luiz e Torrinho.
PEÑAROL UNIVERSITARIOSposito; Arminana e Oddo; Dominguez, Carbone e P. Campo; Cambon, Chelsi, Minoli, Fierro e Lerena. Técnico: E. Diaz.
GOLSLerena aos 4  minutos (Peñarol); Luiz, de pênalti, aos15 minutos (Guaxupé); Marques aos 22 minutos (Guaxupé), no 2º Tempo

Club Peñarol Universitário

Foto posada da A.A. Guaxupé na partida diante do Peñarol Universitário

A história desse clube em solo brasileiro, rendeu muitas críticas. Seja pelo comportamento dentro e fora de campo, a postura de cobrar dinheiro para cada partida realizada no Brasil, o que na época foi considerado inadequado.

Vale lembrar que na década de 20, o futebol brasileiro era amador e a imprensa não aceitava descobrir que um clube atuasse de forma profissional. Portanto, o fato da reportagem do jornal paulista “Diário Nacional” ter publicado uma nota do Presidente do Club Atletico Peñarol, o Sr. Juliano Soares, afirmando que o Club Peñarol Universitário, não tinha nenhum vinculo com o aurinegro foi mais uma forma de tirar a credibilidade do que um fato grave.

Pelo que pesquisei, o Club Peñarol Universitário não veio ao país declarando ser um “genérico” do original. O que entendi era que o que incomodou a imprensa foi a forma ríspida nos jogos, atitudes deselegantes nos locais aonde esteve hospedado e, principalmente, ter agido de forma comercial a sua participação nos amistosos! Acredito que esse foi o ponto que mais desagradou a imprensa e aos clubes.               

Dito isso, essa agremiação uruguaia, era filiada a Liga Universitária de Football (subordinada à Associação Uruguaya de Football), 565excursionou no Brasil, em maio de 1928. O Correio Paulistano foi passando algumas informações.

No dia 18 de Maio daquele ano, citou que a Associação Uruguaya de Football, tinha autorizado o Peñarol Universitário a viajar para o Brasil a fim de realizar alguns jogos.

Seis dias depois, desembarcou do navio Werra, em Santos/SP, chefiada pelo Sr. Alberto Corchis, doutorando de medicina da Universidade de Montevidéo; o secretário Jorge Belhot; jornalista Ricardo L. Zécca, do jornal ‘El Imparcial’ de Montevidéu; Pedro Belhot, representante da República Oriental e os seguintes jogadores:

Goleiros – Sposito (Olimpia F.C.) e Nario (Missiones);

Zagueiros – Oddo (Sul-Americain) Arminana (Central) e João Belhot (AC Peñarol e capitão do Peñarol Universitário);

Médios – Uslenghi (Nacional), Carbone (Uruguay FC), P. Campo (Rosarino), Dominguez (Lito FC) Rios (Racing) e Nunez (Belgrado);

Atacantes – Fierro (Missiones), Lerena (Capurro), Cheschi (AC Peñarol), Chelsi (Defensor), Miloni (Racing), Cambon (Nacional), Sosa (Uruguay-Positos) e Hernandez (Defensor) e o massagista e técnico, E. Diaz.

Abaixo os resultados, na ordem, com a data, resultado e local:

29 de abril de 1928Palestra Itália/SP2X2Peñarol UniversitárioParque Antarctica
1º de maio de 1928Sport Club Corinthians Paulista1X2Peñarol UniversitárioParque Antarctica
06 de maio de 1928Seleção Paulista4X0Peñarol UniversitárioParque Antarctica
13 de maio de 1928Seleção Santista4X1Peñarol UniversitárioPortuguesa Santista
17 de maio de 1928Portugueza de Esportes1X3Peñarol UniversitárioRua Cesario Ramalho, no Cambucy
20 de maio de 1928Guarani FC (Campinas)0X0Peñarol UniversitárioCampinas
24 de maio de 1928Floresta AC (Amparo)0X0Peñarol UniversitárioVilla Afonso Celso
27 de maio de 1928A.A. Guaxupé/MG2X1Peñarol UniversitárioGuaxupé/MG
17 de junho de 1928Comercial FC (Ribeirão Preto)2X0Peñarol Universitário Estádio da Rua Tibiriçá
29 de junho de 1928Associação Athletica Ferroviária1X1Peñarol UniversitárioAraraquara
05 de julho de 1928Rio Preto Sport Club2X4Peñarol UniversitárioSão José do Rio Preto
08 de julho de 1928Rio Preto Sport Club1X1Peñarol UniversitárioSão José do Rio Preto
18 de agosto de 1928XV de Novembro de Piracicaba2X1Peñarol UniversitárioPiracicaba
29 de setembro de 1928Flamengo/RJ2X1Peñarol UniversitárioLaranjeiras

Pelo levantamento que fiz, o Peñarol Universitário realizou 14 jogos (citados acima), em território brasileiro. Foram três vitórias, cinco empates e seis derrotas; marcando 17 gols, sofrendo 24 e um saldo negativo de sete.  

Guaxupé bateu o Palestra Itália

No domingo, do dia 26 de maio de 1929, o Guaxupé enfrentou, em amistoso, em casa, o poderoso Palestra Itália (SP). Diante de grande público, os donos da casa venceram a equipe paulista pelo placar de 2 a 1.

Em agosto de 2018 – A secretaria de cultura esporte e turismo promoveu no foyer do teatro municipal, uma exposição sobre a história do futebol de Guaxupé no século XX.

Dentre várias fotos memórias, foi exposto o troféu conquistado pela antiga Associação Atlética Guaxupé contra o Peñarol do Uruguai. A exposição fez parte de uma série de eventos pelo dia do profissional da educação física.

COLABOROU: Moisés H G Cunha

FOTOS: Divulgação/Prefeitura de Guaxupé/MG

FONTES: Secretaria de Cultura Esporte e Turismo da Prefeitura de Guaxupé/MG – Jota Araújo – Rádio Comunitária 87 FM (juracelio87.blogspot) – Revista Placar – A Lavoura (MG) – A Noite (RJ) – A Gazeta (SP) – Diário Nacional (SP) – Correio Paulistano (SP)

Ator de Hollywood, que fez o “Lanterna Verde” compra clube da Quinta Divisão Inglesa

O galã Ryan Reynolds, 46 anos, com mais de 50 filmes, dezenas de seriados na tevê e 22 prêmios em diversas categorias, surpreendeu o mundo da bola ao comprar, em novembro de 2020, o Wrexham Football Club, da Quinta Divisão Inglesa.

A aquisição foi feita com o também, em parceria com o ator Rob McElhenney. A compra teve aprovação de 98,6% dos membros envolvidos na votação. De acordo com a imprensa inglesa, os atores buscam transformar o time do País de Gales em uma “força global“. O acordo deve render investimentos de até 2 milhões de libras (R$ 14 milhões).

O clube é dirigido por torcedores desde 2011. No site oficial, eles postaram uma mensagem sobre a negociação. “O Wrexham Supporters Trust Board gostaria de agradecer ao Sr. Rob McElhenney, ao Sr. Ryan Reynolds, e seus conselheiros Inner Circle Sports e Walker Morris, por sua abordagem profissional e ponderada e pelo tempo que já dedicaram ao processo. Como torcedores do Wrexham, gostaríamos de desejar-lhes muita sorte no comando do nosso clube de futebol e aguardamos com ansiedade o que o futuro trará“. 

Após dois anos, clube vira sensação e ganhou forte patrocinador: TikTok

Natural de Vancouver, no Canadá, o ator de filmes como “A Proposta“, “Deadpool” 1 e 2 e “Lanterna Verde“, que já foi casado com a atriz Scarlett Johansson e, atualmente é marido de outra bela atriz: Blake Lively, Ryan Reynolds fez o clube receber atenção internacional ao projeto e agora está perto de dar um bom salto do ponto de vista esportivo.

Após de 14 temporadas na National League, que é equivalente à Quinta Divisão do futebol inglês, o Wrexham AFC está muito próximo de conseguir o acesso para a Football League, que compreende League Two (Quarta Divisão) e League One (Terceira Divisão).

Para os clubes locais só há duas divisões acima disso: Championship (Segunda Divisão) e Premier League, onde estão a nata dos principais clubes do Reino Unido. Vale lembrar que times do País de Gales são autorizados a disputar a liga inglesa.

O Wrexham é atualmente o vice-líder, com um jogo a menos, da National League com 53 pontos. O líder é o Notts County com 57 pontos. O 1º colocado desta fase sobe direto de divisão, enquanto os outros seis mais bem classificados disputam um mata-mata para definir mais uma vaga. Ao menos nesse mata-mata o time de Ryan Reynolds já está, e tem chances de subir no fim de semana

A sensação em todo o clube é fantástica. Mesmo em dias sem jogos, você pode sentir a positividade por causa do trabalho que ocorre dentro e fora do campo. Temos aqui um excelente grupo de jogadores, que estão tendo grandes resultados e divertindo públicos recordes; É claro que a promoção para a Football League é o principal objetivo, mas a sensação geral é de que o clube está indo na direção certa. Esperamos ser recompensado.“, disse Ryan Grant, diretor de marketing e comunicação do Wrexham.

Décimo Clube mais antigo do mundo bomba nas redes sociais

Estádio Racecourse Ground

O Wrexham Football Club está num ranking seleto! Afinal o clube Gales é o 10º clube mais antigo do mundo, Fundado em 1872. Antes de ser comprado por Ryan Reynolds vinha sendo administrado por uma associação de torcedores, então ficou muitos anos praticamente sem investimentos — só o básico para continuar existindo.

Das 14 temporadas seguidas na Quinta Divisão, só sonhou com o acesso quatro vezes. A nova administração mudou o patamar do clube esportivamente e também do ponto de vista financeiro. Nas redes sociais, por exemplo, o Wrexham comemorou em abril 150 mil novos seguidores.

Isso significa meio milhão de fãs nas cinco principais plataformas e, por consequência, dinheiro. Com uma destas plataformas a relação é ainda mais profunda: em junho do ano passado, o clube começou a ser patrocinado pelo TikTok.

O contrato tem mais um ano de validade e hoje a marca da rede social chinesa está no espaço principal da camisa. Além disso, Ryan Reynolds e Rob McElhenney são os apresentadores dos vídeos de melhores momentos dos jogos da equipe no TikTok.

Os atores dão uma linguagem informal e bem-humorada para uma produção que tinha tudo para ser engessada. “Esses vídeos despertam o interesse de todo o mundo no clube. Depois vem nosso trabalho de contar a história do clube e por que vale a pena segui-lo”, afirmou Ryan Grant.

Ryan Reynolds também participa de comerciais de TV em que atua com jogadores da equipe e está produzindo uma série documental chamada “Welcome to Wrexham(bem-vindos ao Wrexham). A produção foi comprada pelo canal FX, que pertence à Disney, será exibido a ‘série documental: Bem-vindos ao Wrexham‘, na quarta-feira, do dia 18 de janeiro de 2023, no STAR Plus.

Tanto Rob, quanto Ryan foram muito generosos e isso é algo pelo qual somos gratos aqui no clube. É fácil ver o quanto eles se importam com o clube e a cidade como um todo. Ainda há muito que gostaríamos de alcançar e estamos todos empolgados com o que o futuro reserva, porque acho que as possibilidades são infinitas“, aponta o diretor de marketing e comunicação do clube gales.

Ryan Grant acredita que projetos como esse, em que um clube de futebol é ao mesmo tempo uma plataforma de entretenimento, indicam uma tendência no universo da comunicação.

Acho que estamos em uma posição realmente única aqui no Wrexham e, como resultado, não acho que exista um clube mais empolgante no futebol mundial no momento. Quando você combina a história do clube com seu potencial de crescimento e quem são os donos, parece uma receita de sucesso. Espero que aqueles que começaram a seguir o clube aproveitem a jornada“, revelou.

Próximos capítulos

Ryan Reynolds é muito conhecido nos bastidores de Hollywood por sua vida fora dos sets de filmagem como empresário. Um dos negócios mais divulgados foi a compra uma marca de gin chamada Aviation vendida dois anos depois por um valor muito mais alto.

Ele também é dono de uma operadora de telefonia móvel e uma produtora de filmes. Além do Wrexham. O caminho natural do clube galês é aumentar de valor com o tempo e um dia ser vendido pelos atores a outros investidores, mas Ryan Reynolds e Rob McElhenney não estabelecem data, nem confirmam esta hipótese. O plano manifestado publicamente por eles é colocar o Wrexham na elite do futebol inglês.

Alguns dados sobre a agremiação galesa

O Wrexham Football Club fica sediado na Racecourse Ground, Mold Road, LL11 2AH – Wrexham, no País de Gales. Conhecido por “The Red Dragons(O Dragão Vermelho), foi Fundado no sábado, do dia 28 de setembro de 1872.

A equipe manda os seus jogos no Estádio Racecourse Ground, com capacidade para 15.550 pessoas. O presidente é Neville Dickens, o treinador é o inglês Phil Parkinson. O elenco é composto por 24 jogadores: 16 ingleses, seis galeses, um polonês e um atleta da Guiana.

Em relação aos títulos:

Campeonato Inglês Terceira Divisão: 1977-78;

Copa da Inglaterra FA Trophy: 2012–13;

Copa da Inglaterra EFL Trophy: 2004–05;

País de Gales Welsh Cup: 23 (1878, 1883, 1893, 1897, 1903, 1905, 1909, 1910, 1911, 1914, 1915, 1921, 1924, 1925, 1931, 1957, 1958, 1960, 1972, 1975, 1978, 1986, 1995);

País de Gales FAW Premier Cup: 5 (1998, 2000, 2001, 2003 e 2004).  

FONTES: site oficial do clube – UOL – Wikipédia  

Inédito!! ASEA (Associação Santista de Esportes Athleticos) – Santos (SP): Fundado em 1917

A ASEA (Associação Santista de Esportes Athleticos) foi uma entidade esportiva da cidade de Santos (SP). Coube ao modesto Club Athletico Santista a primazia da ideia de fundar a entidade máxima de Santos, surgiu no sábado, do dia 03 de Março de 1917, a fim de poder organizar o Campeonato Santista de Football, dos clubes filiados à Associação Paulista de Sports de Athleticos (APSA).

Cinco dias depois, o Club Athletico Santista oficializou à APSA concretizado a ideia  e pedindo o seu apoio oficial. Na sexta-feira, do dia 16 de Março de 1917, a APSA respondeu de forma positiva, e ofereceu a “Taça Braz Cubas” para ser disputada.

De posse do oficio da APSA o Club Athletico Santista obteve adesão da Associação Athletica Americano, Brasil Football Club e São Paulo Football Club, para colaborarem unidos na criação da entidade.

O projeto foi discutido por um grupo, longamente e aprovado com pequenas emendas; ficou ainda deliberado que se procedesse a inauguração. Essa reunião aconteceu na quinta-feira, do dia 12 de Abril de 1917, à Rua Braz Cubas, nº 164, no Centro de Santos, na secretaria do Athletico.

Estiveram presentes os seguintes dirigentes:

Alcides Cunha, Pedro Corrêa de Mello e A. Brandão Júnior (Club Athletico Santista); Joaquim Simão Fava, Aluisio Rocha e A. Grippio A. Botelho (Brasil Football Club); Olegário Lisboa, Alcino de Carvalho e Dermival da Cunha Brito (Associação Athletica Americano); Oscar Loyola, Manuel Honório Fortes e Raul Azevedo (São Paulo Football Club).

Assim, nos salões da Associação Athletica Americano, foi Fundado no sábado, do dia 21 de Abril de 1917, com o nome de Associação Santista de Sports Athleticos (ASSA).

Algumas personalidades estiveram presentes na fundação da ASSA: Benedicto Montenegro e Antonio Pedroso de Carvalho, presidente e secretário da Associação Paulista de Sports de Athleticos (APSA) e o Prefeito, em exercício, coronel Joaquim Montenegro, que em nome da Câmara Municipal de Santos, ofereceu a belíssima ‘Taça Câmara Municipal’.

A 1ª Diretoria foi constituída pelos seguintes membros:

Presidente – Alcides Cunha;

Secretário – Dermival da Cunha Brito;

Thesoureiro – Nelson Barreto Vinhas.

Os primeiros dois clubes filiados foram o São Paulo Railway Football Club (SPR FC) e o São Vicente Football Club que somados aos quatro fundadores participaram do Campeonato Santista de Football que teve início na quinta-feira, do dia 03 de Maio de 1917.

No final, coube o Club Athletico Santista o título citadino, o que lhe rendeu a Taça Câmara Municipal. Nos Segundos Quadros, após terminarem empatados com o mesmo número de pontos, o Brasil Football Club derrotou o SPR FC pelo placar de 1 a 0, e ficando com a Taça Braz Cubas. Nos Terceiros Quadros, quem levou a Taça Associação Santista foi Associação Athletica Americano, campeão invicto, só tendo empatado duas vezes.  

No início dos anos 20, a Sede da entidade máxima de Santos, ficava localizado na Praça Antonio Telles, nº 2, no Centro da cidade. A nova Sede instalada em 1931, na Rua João Pessôa, nº 176, no Centro de Santos.

A Taça Cidade de Santos, foi criada pela Lei nº 876, no sábado, do dia 16 de Outubro de 1926, pela municipalidade de Santos.

FONTES: Gazeta Popular (Santos/SP) – A Tribuna (SP)

Estádio Nielsen Louzada, o Louzadão, em Mesquita (RJ): história e ficha do jogo inaugural diante de equipe suíça

Por Sérgio Mello

Como não há em nenhum lugar, a história do estádio do Mesquita Futebol Clube, resolvi ir a fundo e pesquisá-lo. O Estádio Nielsen Louzada – localizado na Rua Ambrósio, nº 1.111, na Vila Emil, em Mesquita, situado na Baixada Fluminense do estado do Rio de Janeiro.

Entre o sonho de erguer um estádio para 50 mil pessoas, a realidade ficou em 6 mil pessoas, mas o que vale é resgatar a história do campo. A partida inaugural foi diante de um clube europeu e o Mesquita goleou de forma contundente. Assim, essa história merece ser contada! Boa leitura!    

Quem foi Nielsen Louzada?

Natural da cidade capixaba de Cachoeiro do Itapemirim, Nielsen Ferreira Louzada, nasceu na terça-feira, do dia 08 de Abril de 1930. Formado em Direito, foi várias vezes eleito como Deputado e Vereador.

Na década de 80, o Deputado Federal Nielsen Louzada (do PP de Nova Iguaçu) foi presidente do Mesquita Futebol Clube. Em 1981, na sua gestão, já tinha construído quatro salas para a administração, um salão de reuniões, uma entrada social com escadarias de mármore, uma área, um salão para shows, um restaurante (inaugurado na sexta-feira, do dia 10 de abril de 1981), organizou a secretaria do clube, adquiriu uma máquina de autenticação de recibos, 60 ventiladores, sete aparelhos de ar condicionado para as salas de trabalho e mobiliário moderno para o salão.

O título invicto da Terceirona em 1981, despertou o desejo de ter a “casa própria”   

No mesmo ano, o Mesquita se sagrou Campeão Invicto do Campeonato Carioca da 3ª Divisão de profissionais ao vencer o Rubro, de Araruama, duas vezes pelo mesmo placar: 1 a 0. Time base de 1981: Reinaldo (Orlando); Bira Gomes (José Luís), Jofre, Malaquias e Arialdo (Ananias); Beto, Jorge Luís e Pitita; Luisinho, Gélson e Jorge. Técnico: Nélson Corrêa, preparador físico Marcos César e Diretor de Futebol Odésio Amorim.

Em 1984, o sonho começou a ganhar forma

O acesso iniciou o desejo para a construção de um estádio para 20 mil pessoas, mas depois o planejamento aumentou a capacidade. Num clima muito festivo, o sonho saiu do papel e começou a ganhar forma na quinta-feira, do dia 09 de Agosto de 1984.

O presidente da construtora responsável pela construção do estádio, Miguel de Macedo Cordeiro, garantiu que o campo seria entregue em perfeitas condições a partir de fevereiro de 1985.

Naquele momento, o clube já tinha vendido 8 mil títulos de sócios-proprietários (5 mil da Série Bronze, já esgotada, e 3 mil da Série Prata). Por isso, a diretoria já estudava lançar a Série Ouro.

Naquele momento, Mesquita contava com uma população de 180 mil pessoas, na qual fazia parte do município de Nova Iguaçu, sendo a 9ª arrecadação de ICM do país

Clube possuía uma estrutura promissora

A sua sede em frente a Estação de Mesquita, com dois amplos salões de bailes abrigavam tranquilamente 10 mil pessoas, que de sábado e domingo superlotam o clube, proporcionando uma renda mensal de Cr$ 150 milhões.  

O número de sócios era de 30 mil (isso devidamente provado por documentos e dados bancários da conta do clube). Enfim, uma arrecadação de Cr$ 300 milhões, para uma despesa (entre o futebol e empregados) em torno de Cr$ 120 milhões.

Descrição de como seria o Estádio Nielsen Louzada

Assim, a matéria do Jornal do Brasil destacou: “O seu novo estádio, com capacidade para 50 mil pessoas sentadas confortavelmente, é uma replica do Maracanã, mais moderno e funcional. O novo estádio começa a mudar a arquitetura local.

Imponente, ele ocupa um espaço de 250 mil metros quadrados a pouco mais de 20 metros da estação de Mesquita. Construído de forma circular, terá 26 lances de arquibancada de cimento armado, com altura superior a 9 metros. 

Totalmente coberto em material metálico, apresenta uma distância do alambrado até o gramado de 14 metros, o campo tem dimensão oficial da FIFA, de 110 por 75, não poderá ser apontado como culpado por possíveis derrotas de grandes por lá.

Os jornalistas (rádio e televisão) terão à sua disposição 12 cabines fechadas, com ar refrigerado e outras facilidades. Para os fotógrafos, está sendo construído um fosso, na lateral do gramado, com dois metros de profundidade, coberto, inédito em campos do país.

Os jogadores e juízes, terão a seu dispor três túneis (iguais ao Maracanã), onde ficarão os vestiários, sala de aquecimento, massagens e demais facilidades. Uma obra que, se não tivesse a assistência permanente do presidente Nielsen Louzada, certamente não ficaria em Cr$ 5 bilhões e sim em Cr$ 12 bilhões”.

Mesquita conquista o inédito acesso à Primeira Divisão do Carioca 

Se nos bastidores, a diretoria trabalhava para ter a sua casa pronta, dentro das quatro linhas, o Mesquita Futebol Clube fez bonito e terminou como vice-campeão do Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 1985 (o Campo Grande Atlético Clube se sagrou campeão), assegurando o inédito acesso à Elite do Futebol Carioca em 1986. Abaixo, o time base, elenco, comissão técnica e diretoria:

Time base de 1985: Ricardo; Lútio, Celso, Moura e Manicera; Paulo César, Godói e Carlos; Renan, Antônio Carlos e Caldeira. Técnico: Renê Simões.

Elenco de 1985

Goleiros – Ricardo, Ricardo Pereira e Valdenir;

Laterais – Catinha, Lútio e Paulo Roberto;

Zagueiros – Marco Antônio, Celso e Bira;

Apoiadores – Manicera, Godói, Fernando Moura e Cléber;

Pontas – Oman, Miranda, Caldeira, Márcio e Júnior;

Atacantes –  Antônio Carlos e Fábio.

Comissão Técnica

Presidente – Nielsen Louzada;

Vice-presidente de Esportes – Sebastião Machado;

Coordenador Geral de Esportes – Josafá Ramacciotti Ribeiro;

Supervisor – Paulo Ferreira;

Médico e Psicólogo – Ézio de Oliveira Rocha;

Técnico – Renê Simões;

Preparador Físico – Waldemar Lemos;

Massagista – Malvadeza;

Auxiliar Geral do Departamento de Futebol – Antônio Melo;

Roupeiro – Reinaldo.

Inauguração projetava reunir as três maiores torcidas do país

Em julho de 1986 – A ideia era realizar um Quadrangular com as três maiores torcidas do futebol brasileiro: Flamengo, Corinthians, Vasco da Gama e Mesquita. O presidente Nielsen Louzada garantiu, com dados finais insofismáveis, que o Estádio Louzadão, localizado no bairro da Vila Emil, seria definitivamente o 2º maior do Rio de Janeiro. 

Além de uma excelente iluminação, vamos construir também, 50 camarotes, que serão vendidos depois de inaugurado. No momento não estamos precisando de dinheiro. O nosso material já está quase todo pago e nossa arrecadação continua subindo.

Se alguém disser que é um desperdício de tempo e dinheiro, posso explicar que durante a semana o estádio será usado (uma de suas dependências) como ginásio gratuito para os estudantes do local“, disse Nielsen Louzada.

Inauguração do Estádio Louzadão teve clube suíço

No entanto, após idas e vindas, finalmente a data para a inauguração da sua “nova casa” foi marcada: domingo, às 16 horas, do dia 26 de Janeiro de 1986, o Mesquita Futebol Clube enfrentou o Sport-Réunis de Delémont, da Suíça.

A delegação aurinegro suíça, desembarcou na terça-feira, às 7 horas, do dia 21 de janeiro de 1986, no Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador. Depois seguiu para o Hotel Plaza, no bairro de Copacabana, na zona sul do Rio, onde ficou hospedado.

Segundo a diretoria mesquitense, a expectativa esse jogo era para a presença entre 15 a 25 mil torcedores. A partida, além de inaugurar o Estádio Louzadão, também serviu de preparação para a inédita estreia no Campeonato Carioca da 1ª Divisão, no domingo, às 16 horas, do dia 16 de fevereiro de 1986, contra o Americano, em Campos dos Goytacazes.  

A Escola de Samba Beija-Flor serviu de inspiração

O planejamento previa que o estádio com capacidade para 50 mil pessoas ficaria pronto em agosto de 1986. O entusiasmo do presidente Nielsen Louzada era grande.

A intenção era transformar o Mesquita em um grande clube do futebol carioca, seguindo o exemplo do Grêmio Recreativo Escola de Samba Beija-Flor, de Nilópolis, que fez no Carnaval Carioca.

Para isso, o dirigente contava com o apoio de todos os torcedores da Baixada Fluminense e áreas adjacentes, para lotar as dependências do Estádio Louzadão.   

Quem é o S.R. de Delémont?

A sua sede fica na cidade de Delémont, e manda os seus jogos no Stade De La Blancherie, com capacidade para 5.263 pessoas. Fundado na terça-feira, do dia Em 17 de agosto de 1909, por meio da fusão entre duas equipes: “Delémont Football Club(fundado em 1905) e “L’union sportive Delémont-Gare(fundado em 1907).

Por muitos anos o clube aurinegro jogou no Campeonato Suíço da 2ª e 3ª Divisões. A 1ª vez na sua história, quando o Delémont ascendeu a Elite do Futebol Suíço foi em 1999/2000. Em 1986, o SR Delémont se encontrava no Campeonato Suíço da 2ª Divisão.

A permanência na Primeira Divisão Suíça durou apenas uma temporada e após terminar em 12º lugar, na 1ª fase, acabou rebaixado. Retornou á Elite, em 2002/2003, mas acabou caindo na mesma temporada para a Série B.

Mesquita arrasa clube suíço na inauguração do Louzadão

A estréia da nova casa, não poderia ser inaugurada de forma melhor. O Mesquita Futebol Clube não tomou conhecimento do o Sport-Réunis de Delémont, da Suíça, e aplicou uma sonora goleada de 6 a 0, levando a torcida ao delírio. O jogo contou com a presença do presidente da FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), Eduarda Viana, ‘Caixa D’Água’.

Descrição dos gols

Os suíços, que saíram do intenso frio europeu para o forte calor do verão fluminense aguentaram meia-hora. Depois, Miranda, aproveitando rebote do goleiro, após chute de Delacir, abriu o placar.

Cinco minutos depois, Antônio Carlos lançou Oman que tocou na saída ampliou de Farine, ampliando o marcador. Assim o Mesquita foi para o intervalo com o placar favorável de dois a zero.

Na etapa final, logo aos 8 minutos, Fernando Moura cobrou falta indireta, em direção ao gol. Em vez do goleiro suíço deixar a bola passar, rebateu para frente e Antônio Carlos só escorou para o fundo das redes.

Aos 14 minutos, Oman, em jogada individual, marcou um golaço! Aos 33 minutos, Antônio Carlos aproveitou o vacilo da defesa suíça e marcou o quinto gol mesquitense. Dois minutos depois, Oman entrou livre, dentro da área, e fuzilou a meta de Farine, para marcar o sexto gol do jogo e o seu “hat trick“, dando números finais a peleja.

MESQUITA F.C. (RJ)         6          X         0          S.R. DELÉMONT (SUI)

LOCALEstádio Nielsen Louzada, ‘Louzadão’, no bairro Vila Emil, em Mesquita/RJ
CÁRATERAmistoso Internacional
DATADomingo, do dia 26 de Janeiro de 1986
HORÁRIO16 horas
RENDACr$ 25.455.000,00
PÚBLICOCerca de 3.500 mil pagantes
ÁRBITROCarlos Elias Pimentel (FERJ)
AUXILIARESGino Jorge Viana (FERJ) e José Inácio Teixeira (FERJ)
MESQUITASanderson (Ricardo); Milton Mendes, Celso, Bira (Joel) e Paulo Roberto (Toninho); Manicera, Delacir (Lazinho) e Fernando Moura; Oman, Antônio Carlos e Miranda (Gilson). Técnico: Renê Simões.
 DELÉMONTFarine; Sambinello, Sabot, Bron (Gorrada) e Stenllet; Chapius, Germann (Sandoz) e Kohler (Mottl); Herti, Rebetes (Kalim) e Joliat. Técnico: Brow.
GOLSMiranda aos 30 minutos (Mesquita); Oman aos 35 minutos (Mesquita), no 1º Tempo. Antônio Carlos aos 8 e 33 minutos (Mesquita); Oman aos 14 e 35 minutos (Mesquita), no 2º Tempo.

Após uma atuação de gala, o Mesquita voltou aos treinos para realizar outro amistoso na semana seguinte: no domingo, às 17 horas, do dia 02 de fevereiro de 1986, contra o poderoso Bangu Atlético Clube, então vice-campeão do Brasileirão de 1985.

Pelo lado dos Mulatinhos Rosados, foi a estreia do meia Tobi, contratado ao Coritiba (campeão Brasileiro de 1985). Antes do jogo, a diretoria do Mesquita ofereceu uma “Placa de Prata” ao ponta-direita Marinho por ter sido eleito o melhor jogador do Brasileirão de 1985. Pelo jogo, o Bangu recebeu a cota de Cr$ 35 milhões, livres de impostos.

MESQUITA F.C. (RJ)         1          X         2          BANGU A.C. (RJ)

LOCALEstádio Nielsen Louzada, ‘Louzadão’, no bairro Vila Emil, em Mesquita/RJ
CÁRATERAmistoso Estadual
DATADomingo, do dia 02 de Fevereiro de 1986
HORÁRIO17 horas
RENDACr$ 82.120.000,00
PÚBLICO6.007 pagantes (12 mil presentes)
ÁRBITROReinaldo Farias (FERJ)
AUXILIARESDilermando Sampaio (FERJ) e Nicodemus Vidal (FERJ)
MESQUITARicardo (Sanderson); Toninho (Lazinho), Marco Antônio, Celso e Paulo Roberto; Manicera, Delacir (Flávio Renato) e Fernando Moura; Oman, Antônio Carlos e Miranda (Gilson). Técnico: Renê Simões.
 BANGUGilmar (Júlio Galvão); Perivaldo, Márcio Rossini (Jair), Oliveira (Cardoso) e Márcio (Velto); Israel (Robson),  Mario (Marcelino) e Arturzinho (Fajardo); Marinho (Tobi), Fernando Macaé e Ado (Gilson). Técnico: Moisés.
GOLSFernando Macaé aos 42 e 44 minutos (Bangu), no 1º Tempo. Oman aos 39 minutos (Mesquita), no 2º Tempo.

FOTOS: Jornal dos Sports – Acervo pessoal

FONTES: site do SR Delémont – Wikipédia – Jornal do Brasil (RJ) – Jornal dos Sports (RJ)