Arquivo da categoria: Escudos

Ideal EC e Recreio EC – Eternos Rivais de Recreio (MG)

A pequena cidade mineira de Recreio localizada na Zona da Mata com cerca de 12.000 habitantes, possui uma rivalidade grande no futebol entre o Ideal Esporte Clube e o Recreio Esporte Clube. Abaixo os dados destes clubes rivais:

Ideal Esporte Clube
Fundação: 02/07/1961
Estádio Alcides Campos

Recreio Esporte Clube
Fundação: 1961
Estádio Euvaldo Lodi

Fonte: www.recreiominhacidade

Juventude F.C. – Castro/PR – Uma participação na 3ª Divisão Paranaense de 1998

O Juventude Futebol Clube é uma equipe da cidade de Castro/PR (44 km de Ponta Grossa/PR). Foi fundada em 28 de Outubro de 1994. Sua sede fica situada à Rua Marechal Deodoro 1318 – Jardim Primavera. Manda seus jogos no Estádio Municipal Lulo Nunes (Caramuru) com capacidade para 5.000 pessoas.

O Juventude é um tradicional participante dos campeonatos amadores na região dos Campos Gerais, porém em 1998 a equipe foi convidada a participar da 3º Divisão do Campeonato Paranaense. Em um campeonato que contou com 11 participantes a equipe terminou em um honroso 8º lugar.

CAMPEONATO PARANAENSE 3ª DIVISÃO (1998)

Adversários Placar dos Jogos
01 Nacional (Rolândia)  2×1 – 4×0 – 6×0
02 Kashima (Guaíra)  1×1 – 0x5
03 Pindorama (Siqueira Campos)  1×0 – 2×2
04 Guaratuba (Guaratuba)  0x1 – 0x1
05 Cintos Mima (Colorado)  2×1
06 Cianorte (Cianorte)  2×1

 Teve 11 jogos, com 03 vitórias, 02 empates e 06 derrotas. Gols pró 13 e Gols contra 20.        Artilheiro da equipe no campeonato foi o atleta Marcelo Alves com 06 Gols marcados.

Após a aventura na 3ª divisão a equipe se concentrou nos campeonatos amadores e jogos amistosos. O time é Tri-campeão Amador de Castro/PR (1998, 2001 e 2004), Bi-Campeão do Campeonato Popular (Varzeano) (1997/2008).

Sua diretoria em 2018 era composta da seguinte forma:
Presidente: Omir de Jesus Marcondes Leal
Vice-presidente: Renan de Jesus
Diretor Esportivo: Joliélson Lara Morais
Técnico: João Maria de Lara
Secretária: Crisnere Pereira da Silva
Tesoureiro: Ivo Elias Marcondes Leal

Apesar de ser uma equipe amadora, sua diretoria faz questão de registrar todos os dados histórico do clube. Possui material estatístico com o resultados de todos os jogos, como nome de cada jogador que marcou gols e informações de cada campeonato que participou. Muitos clubes profissionais “ficam no chinelo” ao ser comparado ao tricolor castrense e seu cuidado com sua história.

Próximo de completar 25 anos de fundação em 2019, a equipe não irá disputar o Campeonato amador. O Presidente e fundado Omir Leal alega que as taxas de arbitragens estão muito caras para a realidade do futebol amador.

Informação Importante:
Circula na internet um escudo nas cores azul/branco de forma circular como sendo do Juventude de Castro, porém, conforme informação do Presidente e Fundador Omir Leal, este escudo nunca foi utilizado por sua equipe.

Fontes:
Omir de Jesus Marcondes Leal
Facebook do Juventude Futebol Clube
Livro “Futebol do Paraná – 100 anos de História” – Herberto Ivan Machado e Levi Mulford
Escudos e Uniformes desenho de Sergio Mello.

Clubes do RN: Treze da Vila

  • Nome: TREZE DA VILA E.C.
  • Cidade: Natal
  • Fundação: 4 de abril de 1961
  • Situação: amador

O Treze da Vila, tradicional clube amador de Natal, que tem sede no bairro de Dix-Sept Rosado, chegou neste ano a 58 anos de existência, o que para um clube amador é uma raridade. O clube disputa a anos o campeonato do Liga do Conselho de Desportos de Dix-Sept Rosado e já conquistou vários títulos. O clube apesar da longa história nunca disputou o campeonato profissional da Federação Norte-rio-grandense de Futebol, ao contrario do seu rival de bairro, o Fluminense, que atuou na divisão profissional nos anos 90. A comunidade é simpática ao clube e mantém o clube a tantos anos e paixão esta que vem do resultado de tantos títulos de campeão local dos anos 1963, 64, 65, 66, 67, 68, 69,70,71,72,73,74,75 (treze vezes campeão seguido) e ainda de 1989, 90, 91,93,94,95, 2000, 2003, 2005 e 2013. Das divisões de base da Federação do campeão de 1993, 94 e 95 foi campeão juvenil e em 2005 campeão invicto SUB-20 dentre outros títulos amadores.

Vianense Futebol Clube – Niterói (RJ): Fundado em 1938

O Vianense Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Niterói (RJ). O Alvicelestefoi Fundado na terça-feira, do dia 09 de Agosto de 1938. A sua Praça de Esportes (que ficou conhecido popularmente como ‘Campo do Vianense’), ficava próximo ao Estaleiro Guanabara (que ficava na Rua Barão do Amazonas), na Rua Santa Clara, s/n, no Bairro Ponta da Areia, em Niterói.

Na esfera futebolística, o Vianense participou tanto do Torneio Início quanto do Campeonato Niteroiense da Segunda Categoria, organizado pela Federação Fluminense de Desportos (FFD), nos anos de 1941, 1942, 1943, 1944 e 1945.

Em maio de 1948, se filiou no Departamento Niteroiense de Football (DNF). Disputou o Torneio Início e o Campeonato Niteroiense da Categoria Popular, nos anos de 1948 e 1949.

Em 1950, a competição mudou a nomenclatura, passando a se chamar Campeonato Niteroiense da Segunda Categoria. Nesse ano duas situações aconteceram na vida do Vianense: 1º o clube foi declarado utilidade pública, em junho. Em novembro, acabou se indispondo com a Liga e acabou desligado do Departamento Niteroiense de Football (DNF).

Esse problema foi determinante para que a diretoria do Vianense se afastasse do futebol. A partir de 1952, passou a dar ênfase ao atletismo, sobretudo, as corridas de rua, como por exemplo: São Silvestre, realizado anualmente no final do ano, na capital paulista.

Craques do Vianense

O clube ajudou e inspirou no surgimento de craques, como Milton Copolilo (Flamengo), Jair Marinho (Fluminense) deram os seus primeiros passos no Vianense. Ali também surgiu os irmãos Lemos: Cesar Maluco, Luizinho Tombo e Caio Cambalhota.

Campo do Vianense: da grama ao concreto

Em 1965, já sem nenhuma atividade, o ‘Campo do Vianense’ passou a ser tutelado pelo Esporte Clube Costeira. Em setembro de 1980, o presidente do Costeira, Sebastião Barbosa entrou em contato com o dono do campo, José Duarte Oliveira que na época residia em São Paulo. O acordo parecia eminente, uma vez que além do valor, o proprietário só exigiu que o estádio tivesse o seu nome. Exigência essa que a diretoria não se opôs.

Porém, a notícia despertou o interesse e uma Cooperativa da Cidade entrou na disputa, a fim de adquirir o ‘Campo do Vianense’ para construir um conjunto habitacional no local.   Na foto acima, a linha na cor amarela demarca aonde ficava o ‘Campo do Vianense’.

O último evento no ‘Campo do Vianense’ aconteceu no sábado, do dia 29 de agosto de 1981, quando ocorreu o Torneio Início dos Bancários de Niterói. Depois, o dono acabou aceitando a oferta da construtora de Cr$ 280 milhões (duzentos e oitenta milhões de cruzeiros) pelo campo. Fim da linha do ‘Campo do Vianense’ que se transformou em quatro blocos de edifícios.

 Time de 1950: Chiquinho; Gato e Julio; Vitoriano, Julinho e Haroldo; Popinha, Peru, Quintanilha, Vevé e Nelson.

 

 FONTES: A Tribuna (RJ) – Jornal dos Sports – Diário de Notícias (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Imprensa Popular (RJ) – O Fluminense – Última Hora (RJ) – A Noite – Diário de Notícias – Arquivo Público do Estado de São Paulo (Memória Pública)

Semeando Cidadania F.C. – Rio de Janeiro (RJ): Três edições na 3ª Divisão do Rio

O Semeando Cidadania Futebol Clube Ltda. foi uma agremiação efêmera da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Tricolor de Rio das Pedras” foi Fundado na quarta-feira, do dia 23 de Agosto de 2006. Ressaltando que a data oficial de fundação é: quinta-feira, do dia 7 de setembro de 2006. No escudo a caricatura do político ao centro.

A sua Sede administrativa ficava localizado na Estrada do Capenha, nº 1.127 / Bloco IV / Ap. 103 – Pechincha – Zona Oeste do Rio. As suas cores: azul, vermelho e branco. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Eustáquio Marques, em Curicica.

Criado em 1996, o projeto de inclusão social voltado para os jovens da favela de Rio das Pedras, a principal base política do ex-vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o ‘Nadinho de Rio das Pedras’, na região de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Uma década depois, Nadinho fundou o clube, onde era presidente e acionista majoritário, dono de 80% das cotas, mas tinha outros dois sócios: o ex-assessor parlamentar Renato Telles e o advogado João Gilberto Demercian Filho.

Filiou-se à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e se inscreveu para disputar ainda naquele ano para disputar o Campeonato Carioca da 3ª Divisão em 2006. Na sua estreia acabou ficando em 4º lugar na sua chave. Posição esta que não foi suficiente para avançar de fase.

Time posado de 2007

Em 2007, voltou a jogar a Terceirona do Rio, é obteve a 2ª colocação no seu grupo, se classificando para a seguinte. Na segunda fase, ficou em 2º lugar, só atrás do Campo Grande Atlético Clube.

Na terceira fase, o Semeando Cidadania terminou na 3ª posição, atrás de Aperibeense Futebol Clube e Teresópolis Futebol Clube, sendo eliminado da competição.

Em 2008, não conseguiu repetir as atuações da temporada anterior e acabou caindo logo na primeira fase, ao ficar em último lugar na sua chave. O ano de 2009 foi péssimo duplamente para o clube.

Primeiro, pediu licença da FERJ por conta da falta de recursos e pela sequência de competições, proveniente da passagem de todas as divisões dos Estaduais para o primeiro semestre.

Depois veio o golpe fatal, quando na tarde da quarta-feira, do dia 10 de junho de 2009, o ex-vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho de Rio das Pedras, foi assassinado. Com isso, apesar das tentativas de manter a agremiação em atividade, tempos depois foi colocado um ponto final na efêmera passagem do Semeando Cidadania Futebol Clube.

 

FONTES: Jornal dos Sports – EmpresasRJ.com (CNPJ) – Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) – Wikipédia – SRZD

FOTO: Paulo Roberto Rodrigues

Inédito!!! Noroeste Sport Club – Porto Velho do Estado do Amazonas (atual Rondônia): Fundado em 1923

O Noroeste Sport Club foi uma agremiação da cidade de Porto Velho (RO). O “Rubro-negro Porto-Velhense” foi Fundado na segunda-feira, do dia 1º de Janeiro de 1923, com o nome de Club Jararaca.

A Sede provisória ficava localizada na Avenida Sete de Setembro, nº 12 – Centro de Porto Velho. Já a sua Praça de Esportes foi inaugurada na sexta-feira do dia 12 de Outubro de 1923.

O clube sobrevivia por meio de realizações de bailes de carnaval, danças de salão, que eram realizados no Hotel Brasil. E também o clube realizava leilões variados.

O Noroeste disputou o Campeonato Citadino de Porto Velho, organizado pela Liga Desportiva Porto-Velhense (LDP), nos anos de 1923, 1924, 1925 e 1926. Nessas edições, contou com as seguintes agremiações: Brazil Sport Club, Noroeste Sport Club, União Sportiva Porto-Velhense (Fundado em 1916) e Ypiranga Sport Club (Fundado em 1919).

A cada ano, as competições (Campeonato Citadino e Torneio Início) recebiam o nome de uma personalidade local. Por exemplo, em 1925, a competição recebeu o nome de Taça Paulo Saldanha (coronel e desportista da cidade). As quatro equipes citadas acima estiveram presente nas competições até a década de 40.

 

Time base de 1923: Oliveira (Maicy); Grijalva e Maurício; Carlyle, Serapião e Ferreira; Azevedo, Carola, Lauro, Antonio e Pombinha.

Time base de 1925: Bensabath; Mundico e Antonio; Lincoln, Narciso e Palácio; Telmo, Lauro, Repolho, Carroussel e Joaquim.

Time base de 1926: Lindolpho (Bensabath); João (Ângelo) e Marques; Severino (Ciclysta), Lauro (Petronillo) e Trindade (Carlos); Zezinho (Carvalho), Repolho, Durval (Saavedra), Pombinha e Boy.

 Porto Velho, antes Estado do Amazonas 

Esclarecendo que na sexta-feira, do dia 02 de outubro de 1914, Porto Velho (atual capital de Rondônia) foi oficializado como Município pelo Estado do Amazonas, que na época a localidade fazia parte.

Em 1943, foi desmembrado do Amazonas assim como o Município de Lábrea e, juntamente com os Municípios Guajará-Mirim e Santo Antônio do Alto Madeira, desmembrados do Mato Grosso, passou a constituir o Território Federal do Guaporé, sendo sua capital.

Em 1945, após diversas reivindicações do Estado do Amazonas neste sentido, o Município de Lábrea foi devolvido ao Amazonas e o Município de Santo Antônio do Alto Madeira foi extinto, passando a integrar Porto Velho, sendo este e Guajará-Mirim os únicos municípios que compunham o Território Federal do Guaporé que, em 1956 passou a ser denominado Rondônia, e veio a ser elevado à categoria de Estado em 4 de janeiro de 1982.

 

FONTES: Prefeitura de Porto Velho/RO – Wikipédia – Alto Madeira (RO)

Distintivo Raro, de 1935: Grêmio Sportivo Ruy Barbosa – Pelotas (RS)

O Grêmio Sportivo Ruy Barbosa foi uma agremiação da cidade de Pelotas (RS). O Alviverde Pelotense foi Fundado na quarta-feira, do dia 30 de Março de 1927.

O futebol em Pelotas estava efervescente em 1922, onde existiam quatro ligas na cidade: Liga Pelotense de Foot-ball (LPF), Liga Cassiano do Nascimento (LCN), Liga Desportiva Acadêmica (LDA) e Liga José do Patrocínio (LJP).

Durante esse período, o Ruy Barbosa disputou várias competições em diversas ligas, como por exemplo, no Campeonato Pelotense de 1933, organizado pela LPAD (Liga Pelotense de Amadores de Desportos).

O GS Ruy Barbosa foi Campeão pela LCN, da Série B de 1941. Não confundir com o Sport Club Ruy Barbosa, da cidade de Porto Alegre (Fundado em 1915).

FONTES: Jornal Opinião Pública (RS)  – A Federação Orgam do Partido Republicano (RS) – Illustração Pelotense (RS) – Christian Ferreira Mackedanz – Rosélio Luís Basei

Inédito!! Sport Club Húngaro Paulistano – São Paulo (SP): Existiu entre 1919 a 1940

O Sport Club Húngaro Paulistano (São Pauloi Magyad) foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado por húngaros desportistas da escol. na quinta-feira, do dia 20 de Fevereiro de 1919. O futebol era o carro-chefe, mas também participavam de outras modalidades como o Ping-Pong (Tênis de Mesa), Xadrez, entre outros.

Em relação a Sede, o clube passou por vários endereços. Citando alguns:  Rua da Mooca, nº 381, no Bairro da Mooca (1930); Ladeira Santa Ephigenia, nº 19 / sobrado (1931); Rua (atual Avenida) Carlos Campos, s/n, no Bairro Pari (1937); Rua Brigadeiro Tobias, nº 509, Centro, São Paulo (SP). Número do Telefone: 4-6304 (até 1940).

A Praça de Esportes ficava na Rua Brigadeiro Tobias, nº 55-A, Centro de São Paulo. Além do nome, para não deixar dúvidas, o escudo foi inspirado no distintivo da Seleção Húngara de futebol, assim como o uniforme também seguia a mesma linha utilizando as cores da Hungria (grená, branco e verde).

Competições

Em março de 1927, ingressou na LAF (Liga de Amadores de Futebol), onde disputou no mesmo ano a Segunda Divisão, da Série Principal (equivalente a Terceira Divisão Paulista), que em termos de importância só ficava atrás da Série Intermediária (Segunda Divisão) e da Primeira Divisão da Série Principal (Elite Paulista).

Em 1929, o Húngaro Paulistano participou da Divisão Municipal, pela LAF. Uma Quarta Divisão Paulista.

Disputou o Torneio Eliminatório entre as equipes da Divisão Municipal, para preencher as duas vagas para o Campeonato Paulista da Segunda Divisão da APSA de 1930. Porém, acabou caindo na 1ª fase, no domingo, do dia 20 de Abril de 1930, ao ser derrotado pelo Húngaro Ypiranga por 2 a 0.

Esteve presente no Campeonato Municipal da APEA (Associação Paulista de Esportes Athleticos) de 1931 e 1932. Um fato curioso, aconteceu na segunda-feira, do dia 06 de Julho de 1931.

 

Escudo retirado da Revista Híradó - Informativo da Associação Húngara - Brazíliai Magyar Segélyegyle

Preliminar do amistoso internacional

O Húngaro Paulistano fez a preliminar do amistoso internacional, entre o Palestra Itália (atual Palmeiras) versus o campeão húngaro: Ferencvárosi Torna Club, às 21h40, que terminou com a goleada dos brasileiros por 5 a 2.

Na preliminar o Húngaro Paulistano foi derrotado por 4 a 2, pelo Club Athletico Brasil. Porém, a felicidade em estar no mesmo palco que o clube húngaro superou a derrota.

 

Clube é desclassificado e recebe multa pesada

No Campeonato Paulista da Segunda Divisão da APEA de 1933, o Húngaro Paulistano acabou passando por uma situação desagradável. Após não ter comparecido em dois jogos, o clube sofreu dura punição.

De acordo com a letra “G” do Artigo 27 do código de penalidades, por não ter comparecido no domingo, dia 23 de julho de 1933, para enfrentar o Esporte Clube Ypiranga, a APEA desclassificou o Húngaro Paulistano, além de ter recebido uma multa de 200$000 (duzentos mil réis).

 

Clube é obrigado a mudar o nome  

No início de fevereiro de 1940, o Sport Club Húngaro Paulistano solicitou autorização para funcionar como sociedade brasileira. No entanto, o então Ministro da Justiça, o mineiro Francisco Campos, de 49 anos, afirmou que só iria autorizar se caso a agremiação modificasse o nome, de acordo com a lei em vigor na época.

Diante das poucas opções, o Sport Club Húngaro Paulistano acabou acatando a “recomendação” e decidiu alterar o nome para: Clube Cultural Paulistano. A mudança acarretou com o afastamento do futebol.

Na década de 40, mudou de Sede duas vezes: Rua Sousa, nº 193; e na Rua Aurora, nº 408. Na década de 50, se transferiu para a Rua Conselheiro Nébias, 815, no Bairro dos Campos Elísios.

Durante esse período o clube apareceu diversas vezes no noticiário esportivo no Ping-Pong (Tênis de Mesa) e Xadrez. As últimas linhas sobre a existência do Clube Cultural Paulistano se esvaíram em meados da década de 70.

Time-base de 1927: Isazy; Matis e Hachmant; Miklos, Alcides e Boskovitz; Strauss II, Timon, Fillip, Varga e Strauss I.

Time-base de 1929: Raez (Varga); Horvath I e Bugyi (Horvath II); Nebel, Boskovitz e Stanicz; Marosan, Tomon (Stnutz), Kaplar (Varga), Struc (Tonem), Piller (Beltz).

Time-base de 1931: Casanady (Huber); Emílio e Idylio; Enke (Coke), Paschoal (Luiz) e Jacob (Manoel); Mathias (Augusto), José, Francisco, Ernesto (Varga) e Struc.

Time-base de 1932: Malck; Norvath e Bettoni; Kebel, Paschoal e Franckfurter; Barno, Costa, Roggerio, Hausner e Crocci.

 

FONTES: Correio Paulistano – Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) – Jornal dos Sports – Correio de São Paulo – Correio Paulistano – Diario Nacional : A Democracia em Marcha (SP) – A Gazeta (SP) – A Rua : Semanario Illustrado (RJ) – Revista Híradó (Informativo da Associação Húngara – Brazíliai Magyar Segélyegylet ) – Associação Húngara – Sociedade Brasileira de Socorro do Brasil (http://www.ahungara.org.br/) – Tribuna da Imprensa (RJ) – O Estado de Florianópolis (SC)