Arquivo da categoria: Fotos Históricas

Escudo raro de 1970: Pavunense Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ)

O Pavunense Futebol Clube é uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A sua Sede social e o Estádio Arnaldo de Sá Mota (Capacidade: 1.200 pessoas) ficam localizados Avenida Sargento de Milícias, nº 901, no bairro da Pavuna, na Zona Norte do Rio de Janeiro/RJ.

O “Verde Ouro Pavunense” foi fundado no domingo, do dia19 de agosto de 1923, com o nome de Pavunense Football Club. Não confundir com outro clube do bairro chamado Sport Club Pavunense, que não existe mais.

Em 1930, a Sede social ficava na Rua Maria Joaquina, nº 58, na Pavuna. Em 1931, a sede do clube passou para a Rua Judith Guerra, nº 24, na estação da Pavuna. Na década de 30, a sua Praça de Esportes ficava situado na Praça Nossa Senhora das Dores, na Pavuna.

Nasce o Rancho Carnavalesco

Ernesto dos Santos, conhecido por “Dois de Ouro” com o consentimento do presidente do clube reuniu um grupo de associados a fim de fundar no domingo, do dia 02 de dezembro de 1934, o Rancho Carnavalesco.  

Na sede social, quando o primeiro ensaio preparatório para o carnaval, o presidente do Pavunense mandou fechar a sede. Mesmo assim o grupo não se deu por vencido e realizou o ensaio do lado de fora do clube.  

Logo após ficou resolvido o desligamento da maioria dos associados, e fundado o Rancho Carnavalesco Sofres Porque Queres, idealizado por Ernesto dos Santos, conhecido por “Dois de Ouro”.

Departamento Autônomo

Em 1950, o Pavunense Futebol Clube se filiou ao Departamento Autônomo. Em 1979, foi campeão da Taça Cidade do Rio de Janeiro, competição promovida pelo Departamento Autônomo.

Foi campeão da categoria adultos da mesma competição em 1971, vencendo o Atlético Clube Nacional, de Guadalupe. Em 1977, foi vice-campeão ao capitular diante do Esporte Clube São José.

Em 1982, bateu o Oriente Atlético Clube, tendo como artilheiro o atacante Corrêa. No mesmo ano venceu a Taça Eficiência, a exemplo do ano anterior. Em 1983, sagrou-se campeão de juniores.

Período na esfera profissional

Em 1989, estreia no profissionalismo ao disputar o Campeonato Estadual da 3ª Divisão de Profissionais. Fica apenas em 6º lugar no seu grupo, não se classificando para a fase final, ao ficar atrás de Entrerriense Futebol Clube, Céres Futebol Clube, Tamoio Futebol Clube e Portela Atlético Clube.

Em 1990, volta a disputar a mesma divisão com uma campanha bem melhor. É o líder na primeira fase, classificando-se, mas na fase final fica em 4º lugar, atrás de Tupy Sport Club, Céres Futebol Clube e Esporte Clube Maricá.

Em 1991, a antiga Terceira Divisão torna-se Segunda com a criação do Módulo “B” da Primeira Divisão. O Pavunense classifica-se em primeiro em seu grupo na fase inicial do campeonato, mas fica apenas em quarto lugar na classificação final, repetindo a boa campanha do ano anterior. Na sua frente ficaram Saquarema Futebol Clube, Olympico Futebol Clube e Canto do Rio Foot-Ball Club.

Em 1992, na Segunda Divisão, é terceiro em seu grupo, ficando atrás do Serrano Foot Ball Club e Bayer Esporte Clube classificando-se para a segunda fase.

Nesta, classifica-se em segundo lugar, atrás do Heliópolis Atlético Clube e vai para a fase final do certame quando acaba eliminado em terceiro lugar, atrás de Serrano e Heliópolis na chave “A”.

Em 1993, se licencia das competições profissionais, voltando no ano seguinte na mesma Segunda Divisão. Em 1994, é eliminado na primeira fase da competição ao ficar apenas em sétimo em seu grupo.

Celeiro de Craques

Advém então um longo período de inatividade de seu departamento de futebol profissional. A agremiação revelou nomes de vulto para o futebol como Osmar Guarnelli; Manguito; Juary; Ney Conceição e João Paulo (ex-Santos Futebol Clube e Clube de Regatas do Flamengo); Luiz Henrique (ex-Palmeiras); Luís Fernando (ex-Fluminense); Serginho Filho (ex-Madureira).

Títulos

1971 e 1982 – Campeão do Departamento Autônomo;

1971 – Vice-campeão do Torneio Início do VI° Campeonato Carioca de Veteranos do jornal Luta Democrática;

1969 – Campeão da I Taça Guanabara de Futebol Amador, categoria adultos;

1970 – Campeão da II Taça Guanabara de Futebol Amador, categorias adultos e juvenil;

1977 – Vice-campeão do Departamento Autônomo;

1979 – Campeão da Taça Cidade do Rio de Janeiro (Departamento de Futebol Amador da Capital);

1980 – Vice-campeão estadual de Veteranos do Departamento de Futebol Amador da Capital;

1980 – Vice-campeão do Torneio Início (Taça Aloísio Rodrigues) de veteranos do Campeonato Estadual, promovido pelo DFAC;

1982 – Campeão da Taça Eficiência (Departamento de Futebol Amador da Capital);

1983 – Campeão de Juniores do Departamento de Futebol Amador da Capital);

2019 – Campeão da Rio Copa, categoria sub 15;

Algumas formações:

Time base de 1931: Vasconcellos; Chico (Russo) e Adolpho (Macedo); Zezinho, Candido (Pedro Aredes) e Pestana (Oswaldo Pinto); Chilão (Herminio), Luciano (Sena), Cavallaria (Roque), Lobo (Rafael) e Vavao (Vino). Reservas: Cavalcante, Carneiro, Mandinho e Curuza.  

Time base de 1942: Zeca; Wilson e Seraphim; Vicente, Luciano e Osório; Carlinho (Alfredinho), Joãozinho, Nazary, Bidoca (Alemão) e Valete.

Time base de 1946: Iate (Tote); Vicente (Djalma) e Maciel (Nico); Carlinho, Haroldo (Clovis) e Osório; Bebeto (Waldemar), Alemãozinho (Walter II), Olegário (Carlinhos), Corujinha (Zezé) e Chico.

Time base de 1947: Tote (Jorge); Djalma e Muriel (Maciel); Carlos (Alcides), Haroldo (Freitas) e Osório; Bebeto (Roberto), Valdemar (Ary), Olegário, Augusto (Zeca) e Valter (Chico).

Time base de 1948: Jorge (Tote ou Fumaça); Reny (Bória) e Djalma (Nande); Lalao (Hélio), Haroldo (Souza) e Osório (Chico); Tiago (Bias), Alfredo (Tinteiro), Diogenes (Pires), Betinho (Graveto) e Valete (Lica ou Piolho).

Time base de 1949: Tote (Luiz Borracha); Americo e Djalma; Betinho (Carlinhos), Clovis e Osório; Bias, Diogenes (Julinho), Olegário (Chimbau), Osmar e Bebeto.

Time base de 1950: Divino (Zezinho); Djalma e Guaranhos (Lindo); Betinho (Valdir), Daú (Zezé) e Osório (Clovis); Bias (Timbolô), Zeca (Zé Maria), Diogenes (Walter), Ivan (Toinho) e Bebeto (Lica ou Jorge).

Time base de 1951: Jorge (Mão de Ferro ou Divino); Osmar (Di) e Diogenes (Daú); Betinho, Carlos Viana (Valdir) e Osório; José (Bias), Julinho (Zequinha), Nilo (Valdir Garrucha), Ivan (Banga) e Toinha (Lica).

Time base de 1961: Kaiser; Taminha, Neca, Ney, Osmar e Leonel (Boy); Zelito, Laranjeira, Valter, Wilson e Ivan.

FOTO: Acervo do ex-jogador João Paulo

FONTES: Wikipédia – A Manhã (RJ) – A Noite (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – Jornal do Brasil (RJ)

Associação Atlética Alagoana – Mesquita (RJ): Fundado em 1947

A Associação Atlética Alagoana foi uma agremiação do município de Mesquita, localizada na Baixada Fluminense do estado do Rio de Janeiro. A distância até a capital do Rio é de 24 km, contando com uma população de 177.016 habitantes, segundo o censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2021.

O Tricolor foi Fundado na terça-feira, do dia 16 de Setembro de 1947, pelo Sr. José Costa, que foi o idealizador e também o 1º Presidente do clube. As suas cores eram o vermelho, branco e azul, em homenagem a bandeira do estado de Alagoas.

A sua Sede e a Praça de Esportes ficavam no Distrito de Edson Passos, em Mesquita/RJ (lembrando que naquela época, o município era um distrito de Nova Iguaçu).

Após uma série invicta de 38 jogos, na tarde de domingo, do dia 04 de Agosto de 1957, o Alagoana foi derrotado pelo Esporte Clube Nova Cidade, de Nilópolis, pelo placar de 3 a 2.

A Associação Atlética Alagoana foi filiada a Liga de Desportos de Nova Iguaçu (LDNI), onde disputou várias edições do Campeonato Citadino nos anos 60 e 70.

O clube conquistou o título, por antecipação, da chave do Quinto Distrito, ao empatar por 2 a 2 com o Brasileirinho, na da quinta rodada returno (num total de sete rodadas) do Campeonato da Segunda Divisão de Nova Iguaçu.

Algumas formações:

Time base de 1957: Nelson (Barbosinha); Walter (Toca) e Ivanildo (Erasmo ou Etacino); Toledo, Nelsinho e Marujo (Waldemar); Dalton (Careca), Tuta (Orlando), Caveirinha (Bonitinho ou Amaury), Naná (Duca ou Lô) e Eraldo (Mazinho).

Time base de 1958: Walter; Sargento (Bira) e Maceió (Teca); Nelsinho, Marujo e Júlio; Lô, Tuta, Bonitinho (Dalton), Joãozinho (Naná) e Eraldo.

Time base de 1970: Beto (Alberto); Laranja, Pretinho (Colúmbia), Cabeção (Jorge) e Macacão (Giovane); Gilson (Ildebrando) e Moacir (Baiano); Caim, Olímpio (Pione), Moa (Bené) e Deny.

Time base de 1972: Beto; Carlinhos, Gilvan, Deni e Tuca; Jorge e Edmur; Flamínio, Niterói, Moacir e Carlinhos II.

Time base de 1973: Beto; João, Orlando, Jorge e Manoel; Tuca e Alcenir; Jairo (Vanderlei), Dinar (Hélio), Silva (Costa) e Dennis (Pimenta).

Time base de 1974: Vitamina (Beto); Beck (Gilson ou Pelé), Gilvan (João ou Toninho), Colúmbia (Jorge) e Giovani (Brivaldo ou Deni); Deneval (Tuca ou Miguel) e Nelson (Alcenir ou Milton); Paulinho (Chupeta), Antônio (Niterói), Walter (Francisquinho) e Carlinhos (Nilo ou Nilton).

FONTES E FOTOS: A Luta Democrática (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – O Fluminense (RJ)

Fotos Raras de 1962: Campo Grande Atlético Clube – Rio de Janeiro (RJ)

O Campo Grande Atlético Clube debutou no Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1962. A competição reuniu 13 equipes, e o Campusca terminou na 9ª colocação: ao todo foram 24 jogos e 17 pontos; com cinco vitórias, sete empates e 12 derrotas; marcando 28 gols, sofrendo 48 tentos e um saldo negativo de 20.

O Galo da Zona Rural (atual Zona Oeste), investiu para não fazer feio! Contratou o goleiro Barbosa, que jogou no Vasco da Gama e Seleção Brasileira; o meia Dequinha, com passagens pelo Flamengo, Botafogo e Seleção Brasileira; Décio Esteves, jogou no Bangu, Olaria e Seleção Brasileira; Viana e Russo, ex-São Critóvão.

Campusca debuta no Torneio Início

A primeira competição foi o Torneio Início, realizado no dia 24 de junho de 1962, no Estádio do Maracanã, e o Campo Grande estreou vencendo o Madureira por 1 a 0, gol de Adilson no segundo tempo.

Na fase seguinte, o Campusca caiu diante do Vasco da Gama pelo placar de 1 a 0. O gol vascaíno foi assinalado por Joãozinho no fim do jogo. Nos dois jogos, o time formou assim: Barbosa; Atila, Harlei, Guilherme e Darci Santos; Russo e Dequinha; Jarbas, Décio Esteves, Adilson e Roberto Peniche. Técnico: Plácido Monsores.

Na estreia do Carioca, Campo Grande surpreende e vence o Botafogo

O campeão Carioca de 1961 foi Botafogo. Base da Seleção Brasileira, o clube da Estrela Solitária vivia um momento de euforia.  Afinal, na sexta-feira, do dia 29 de junho de 1962, o Brasil conquistava o Bicampeonato Mundial, ao golear a Suécia pelo placar de 5 a 2.

E, 48 horas depois, o Botafogo estrearia no Campeonato Carioca de 1962. A viagem da Suécia até o Brasil e mais os festejos pelo título mundial foi demais para os cinco jogadores do clube: Amarildo, Nilton Santos, Zagallo, Garrincha e Didi. Do quinteto, apenas Amarildo foi a campo. Além dos quatro desfalques o time também não pode contar com Airton.

Diante de tantos desfalques o Campo Grande aproveitou para causar a primeira zebra do Estadual, ao vencer por 1 a 0, debutando com o “pé direito”.

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)       1        X        0        BOTAFOGO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã
CARÁTER1ª rodada da Taça Guanabara de 1962
DATADomingo, do dia 1º de Julho de 1962
HORÁRIO16 horas
RENDACr$ 1.441.222,00
ÁRBITROEunápio de Queiroz (FCF)
CAMPO GRANDEBarbosa; Atila, Viana, Guilherme e Darci Santos; Dequinha e Adilson; Nelsinho, Domingos, Décio Esteves e RobertoPeniche. Técnico: Plácido Monsores
BOTAFOGOManga; Joel, Zé Maria, Paulistinha e Rildo; Pampolini e Edson; Luiz Carlos, Amoroso, Amarildo e Neivaldo. Técnico: Marinho Rodrigues
GOLNelsinho aos 28 minutos (Campo Grande), no 1º Tempo.
PRELIMINARBotafogo 4 x 1 Campo Grande, pelo Campeonato Carioca de Aspirantes
EM PÉ (esquerda para a direita): Edmar, Átila, Viana, Guilherme, Décio Esteves e Brandãozinho;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Nelsinho, Bezerra, Adilson, Dequinha e Paulinho.

A Campanha do Campo Grande na Taça Guanabara (Primeiro turno) e no returno.

TAÇA GUANABARA

Domingo, 1º de julhoCampo Grande1X0BotafogoMaracanã
Domingo, 08 de julhoMadureira1X1Campo GrandeConselheiro Galvão
Domingo, 15 de julhoCanto do Rio1X1Campo GrandeCaio Martins
Domingo, 22 de julhoCampo Grande3X1São CristóvãoÍtalo Del Cima
Sábado, 28 de julhoAmerica1X1Campo GrandeMaracanã
Domingo, 05 de agostoFluminense1X0Campo GrandeMaracanã
Domingo, 12 de agostoFlamengo2X0Campo GrandeMaracanã
Domingo, 26 de agostoBonsucesso3X2Campo GrandeFigueira de Melo
Domingo, 02 de setembroCampo Grande0X1PortuguesaÍtalo Del Cima
Domingo, 09 de setembroCampo Grande2X0OlariaÍtalo Del Cima
Domingo, 16 de setembroBangu3X2Campo GrandeMoça Bonita
Sexta-feira, 21 de setembroVasco da Gama7X0Campo GrandeMaracanã
O Estadio Italo Del Cima ganhando formato em 1962

SEGUNDO TURNO

Sexta-feira, 28 de setembroBotafogo2X0Campo GrandeMaracanã
Sábado, 06 de outubroCampo Grande0X1MadureiraÍtalo Del Cima
Domingo, 14 de outubroCampo Grande2X0Canto do RioÍtalo Del Cima
Domingo, 21 de outubroSão Cristóvão3X2Campo GrandeFigueira de Melo
Domingo, 28 de outubroCampo Grande2X2AmericaÍtalo Del Cima
Domingo, 03 de novembroCampo Grande0X4FluminenseMaracanã
Sexta-feira, 08 de novembroCampo Grande0X5FlamengoMaracanã
Quinta-feira, 15 de novembroCampo Grande0X2BonsucessoÍtalo Del Cima
Domingo, 25 de novembroPortuguesa1X2Campo GrandeTeixeira de Castro
Domingo, 02 de dezembroOlaria2X2Campo GrandeRua Bariri
Domingo, 09 de dezembroCampo Grande2X2BanguÍtalo Del Cima
Sexta-feira, 14 de dezembroCampo Grande3X3Vasco da GamaMaracanã

FOTOS: Revista do Esporte (RJ)

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Notícias (RJ)

Esporte Clube Delamare – Japeri (RJ): Fundado em 1961

O Esporte Clube Delamare é uma agremiação do município de Japeri, localizado na Baixada Fluminense do estado do Rio de Janeiro. Com uma população de 106.296 habitantes, segundo o censo do IBGE/2021, fica a 70 km de distância da capital fluminense.

A sua Sede social fica situado na Rua Irati, s/n, no bairro Jardim Delamare, em Japeri/RJ. Lembrando que entre 28 de abril de 1952 a 30 de junho de 1991, a localidade era distrito de Nova Iguaçu.

Breve história do Delamare

No feriado da ‘Proclamação da República’, foi Fundado na quarta-feira, do dia 15 de Novembro de 1961, por um grupo de desportistas formado pelos senhores José Carroceiro, Manoel Antônio, Paulo Filadelfo, Manoel Gordinho, Waldemar, Eraldo, Carlinhos, Milião, entre outros.

O grupo se reuniu em um campinho localizado próximo ao atual Campo do Belo Horizonte Futebol Clube e criaram o Esporte Clube Delamare, no início eram apenas um quadro, suas cores vermelhas e pretas no padrão igual à camisa do Clube de Regatas Flamengo, já que seus fundadores eram na maioria torcedores rubro-negros.

Os principais atletas na época, foram Juraci, Milião, Waldemar, Manoel Antônio, Bigode, Zé Carroceiro, Jair, Manoel Gordinho, Paulo Filadelfo, Carlinhos e Eraldo.

Praça de Esportes

Alguns anos após a constituição a Imobiliária Delamare S.A. doou uma Praça de Esporte, localizada na Av. Delamare para construção do Campo de Futebol, o que foi realizado com muito esforço e trabalho por parte de todos que participavam na época.

Com o campo próprio o Delamare passou a ter jogos amistosos todos os domingos com a participação do primeiro e segundos quadros, comparecendo um grande contingente de torcedores para assistir aos jogos.

Nesse período, os principais adversários foram: Santa Terezinha, Vila Nova, Mucajá, São Jorge, Senhor do Bonfim, Lusitano, Citropolis, Delmar, Floresta, Algezur, Santo Antônio, Diamante Negro, Vale Ouro, Paesleme, Chave de Ouro e Vila Central.

Na década de 60, o principal time do Delamare era: Maquinista; Bigode, Jair, Careca e Tião; Zé Carroceiro, Oselas e Tião Medonha; Hamilton, Ageu e Fernando.

Nos anos 70 e 80, o Delamare disputou o Campeonato Iguaçuano da 2ª Divisão, organizado pela LDNI (Liga de Desportos de Nova Iguaçu). Na quarta-feira, do dia 13 abril de 1983, o Conselho Regional de Desportos determinou junto a LDNI o afastamento de 36 clubes em virtude de não terem requerido o alvará em tempo hábil.  

O Delamare estava nessa lista, o que resultou não poder disputar nenhuma competição oficial até que o problema fosse solucionado. Nos anos 90, foi convidado para ingressar na Liga de Desportos de Queimados (LDQ). Atualmente é filiado na Liga Desportiva Japeriense (LDJ), criada no dia 13 de Março de 1993.

FONTES: O Fluminense (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – André Luiz Pereira Nunes – Página do clube no Facebook

Escudos raros dos anos 50 e 70: Atlético Clube Paranavaí (ACP) – Paranavaí (PR)

Escudo de 1971

O Atlético Clube Paranavaí (ACP) é uma agremiação da cidade de Paranavaí, localizado no Noroeste do estado do Paraná. O município fica a 504 km da capital Curitiba, contando com uma população de 91.950 habitantes, segundo o censo do IBGE/2019.

A sua Sede está situada na Rua Carlos Faber, s/n/ Sala 1, Subsl, Estadio Mun. W. W., no bairro Santa Cecília, em Paranavaí/PR. A equipe manda os seus jogos no Estádio Municipal Dr. Waldemiro Wagner, o “Felipão”, com capacidade para 25 mil pessoas.

O “Vermelhinho do Fim da Linha” foi Fundado na quinta-feira, do dia 14 de março de 1946, com o nome de Paranavaí Futebol Clube. A sua primeira participação no Campeonato Paranaense, aconteceu em 1960.

EM PÉ (esquerda para a direita): Zé Carlos, Clarindo, Mota, Café, Silva, Tatú e Manecão (presidente);
AGACHADOS (esquerda para a direita): Arcanjo, Noriva, Tutu, Luiz Carlos e Scarpini.

Tricampeão Estadual da Segundona

Em 1967, 1983 e 1992 foi campeão Estadual da Segunda Divisão. Na Elite do Futebol Paranaense, a sua melhor colocação foi o vice-campeonato em 2003, perdendo a final apenas para o Coritiba, tendo empatado na ida por 2 a 2, e perdendo na volta por 2 a 0.

Escudo da década de 50

Duas finais e um título inédito na Primeira Divisão Estadual

Em 2007, conquistou o seu 1º título Campeonato Paranaense da Primeira Divisão, ganhando em cima do Paraná Clube, vencendo o primeiro jogo por 1 a 0, e empatando por 0 a 0 na Vila Capanema. O “Vermelhinho do Fim da Linha” disputou no mesmo ano o Campeonato Brasileiro da Série C, sendo eliminado na primeira fase.

Declínio

Em 2013, o ACP entrou no Estadual justamente com a meta de se manter na Primeira Divisão. No primeiro turno o time conseguiu bons resultados e chegou a ocupar a 5ª colocação na tabela.

Na reta final do turno começaram os problemas da equipe. Foram quatro derrotas seguidas junto coma a saída do técnico Ney César. Depois, o Paranavaí acumulou maus resultados e passou a brigar com os times que estavam ameaçados do rebaixamento.

A fase ruim ficou evidente com a saída de vários atletas nos últimos jogos e a greve dos jogadores por conta dos salários atrasados desde a metade de fevereiro. Foi rebaixado após derrota de 3 a 0 para o Paraná Clube.

Em 2019 o clube foi rebaixado para a Terceira Divisão Paranaense após derrota de 4 a 2 para o Rolândia. O Vermelhinho já estava em situação complicada pelos quatro pontos perdidos por colocar em campo 16 jogadores não inscritos na Confederação Brasileira de Futebol nas partidas.

FOTO: “Acervo Futebol do Interior Paranaense – Profissionais”

FONTES: Wikipédia – Páginas do clube nas redes sociais

Foto rara de 1962: Clube de Regatas Flamengo – Rio de Janeiro (RJ)

Fazendo mais do que lícito esperar um quadro jovem e sem a necessária experiência, o Flamengo chegou ao vice-campeonato com brilhantismo. Sua campanha foi das mais bonitas, já que não decepcionou contra os chamados pequenos. Sua ofensiva foi a melhor do certame, com 57 tentos e sua defesa foi a segunda menos vazada, com 15 gols. Em todo Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1962, o Flamengo obteve 18 vitórias, dois empates e quatro derrotas.

Na foto (acima) em destaque o Clube de Regatas Flamengo com a seguinte constituição:

EM PÉ (esquerda para a direita): Joubert, Fernando, Décio, Vanderlei, Carlinhos ‘Violino’ e Jordan;

AGACHADOS (esquerda para a direita): Joel, Gerson, Henrique, Dida e Alfredinho.

FONTE E FOTO: Revista do Esporte (RJ)

Escudos Inéditos de 1913 e 1918!!! Santos Futebol Clube – Santos (SP): Bicampeão 1962 e 1963!

Distintivo de 1918

O Santos Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Santos (uma população de 418.608 habitantes, segundo o censo do IBGE/2022), situado a 77 km da capital do estado de São Paulo.  A sua Sede e o Estádio Urbano Caldeira, ‘Vila Belmiro’ (Capacidade: 17.923 pessoas), estão localizados na Rua Princesa Isabel, s/n, na Vila Belmiro, em Santos/SP.

Fundação: Uma breve história

A reunião histórica que gerou a sua Fundação aconteceu na tarde do domingo, 14 de abril de 1912, na sede do Clube Concórdia, na antiga Rua do Rosário, 18 (hoje rua João Pessoa, 8/10), no Centro da cidade.

A iniciativa para a fundação fora de três esportistas da cidade, Francisco Raymundo Marques, Mário Ferraz de Campos e Argemiro de Souza Júnior. Eles convidaram a todos os interessados para participar da reunião inaugural do novo clube, que foi constituído para ser destinado a prática do futebol, que no começo do século passado estava engatinhando no Brasil. São considerados como sócios-fundadores todos os 39 participantes dessa reunião.

Foto de 1918

As cores iniciais: azul e branco

No dia da fundação, o nome da entidade foi sugerido por Edmundo Jorge de Araújo: Santos Foot-Ball Club e as cores dos uniformes da nova agremiação, que seria presidida no primeiro ano de existência por Sizino Patusca, eram o azul e o branco, com fios dourados entre elas.

Um ano depois passou a ser alvinegro

Na segunda-feira, do dia 31 de março do 1913, as cores foram alteradas, por sugestão de Paulo Peluccio, passaram a ser calção branco e camisa listrada de branco e preto. O Conselho Deliberativo do Clube teve início no dia 28 de janeiro de 1932 e o 1º Presidente foi Flamínio Levy.

No começo de sua gloriosa caminhada entra para a vida do clube, Urbano Vilella Caldeira Filho, um homem que dedicou toda a vida ao time que tanto amou até o falecimento, no ano de 1933.

Urbano Caldeira

Urbano Caldeira foi atleta, técnico, dirigente e hoje é um dos patronos do Santos Futebol Clube. Em sua homenagem o nome do estádio que foi erguido, no ano de 1916, leva seu nome como reconhecimento de seu amor ao Alvinegro Praiano.

Distintivo de 1913

Passagem efêmera do União F.C.

As primeiras conquistas importantes na história do time começaram em 1913 com a conquista do campeonato santista, repetindo o feito em 1915, jogando como o apelido de “União Futebol Clube” por imposição da diretoria da Associação Paulista de Esportes Atléticos.

Ataque dos 100 gols

No ano de 1927 surge no time um ataque que até hoje não foi superado em jogos do campeonato paulista, com uma média de 6,25 gols por partida e que ficou eternizado como o time do “Ataque dos 100 gols”. Ataque esse que era formado por Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista.

Foto de 1913

Edson Arantes do Nascimento, Pelé

O 1º Campeonato Paulista vencido pelo Santos aconteceu em 1935, título esse conquistado na casa do adversário na capital paulista. A equipe volta a ganhar os certames paulistas em 1955 e 1956 e novamente no ano de 1958, quando então já tinha em suas fileiras um garoto apelidado de Pelé (que chegou no clube em 1956), que nos anos seguintes se tornaria o melhor jogador de futebol em todos os tempos.

Bicampeão Mundial

Na chamada “Década de Ouro”, nos anos 60, o time conquistou o mundo exibindo um futebol digno de aplausos, com conquistas constantes, não só no futebol brasileiro como também no planeta.

A coroação maior desse time ícone da cidade de Santos aconteceu no ano de 1962, quando o Alvinegro mais famoso do mundo venceu todos os certames mais importantes disputados nesse ano e sagrando-se no ano seguinte Bicampeão Mundial. A FIFA outorgou ao clube o título de “O melhor time do século nas Américas”.

Principais títulos

Nos dias atuais o Santos Futebol Clube possui oito títulos brasileiros: 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1968, 2002 e 2004. Nos campeonatos paulistas foram 22 conquistas, na Taça Libertadores da América foram três conquistas e nos Mundiais Interclubes foram duas conquistas.

Craques da Vila

Revelando jogadores como Joel Camargo, Clodoado, Edu, Pita, João Paulo, Juary, Araken Patusca, Antoninho, Pelé, Robinho, Paulo Henrique Ganso e Neymar o time continua sendo o orgulho de toda a gente Alvinegra nos seus 111 anos de história.

P.S.: O escudo no uniforme dos atletas, é meramente uma ilustração, uma vez que naquela época os jogadores do Santos, a exceção do goleiro, não utilizavam o distintivo na camisa.

Desenho dos escudos e uniformes: Sérgio Mello

FOTOS: Acervo do pesquisador santista, Marcelo Fernandes

FONTES: Diversos jornais paulistas – Site do clube

Foto rara de 1959: Madureira Atlético Clube – Rio de Janeiro (RJ)

Com esta equipe, o Madureira Atlético Clube (atual; Madureira Esporte Clube) fez boa figura no Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1959, terminando na 7ª colocação (atrás dos seis clubes grandes), com 18 pontos em 22 jogos: foram sete vitórias, quatro empates e 11 derrotas; marcando 25 gols, sofrendo 40 tentos e um saldo negativo de 15.

Na foto (Acima) em destaque o Madureira Atlético Clube com a seguinte constituição:

EM PÉ (esquerda para a direita): Bitum, Salvador, Silas, Frazão, Apel e Décio Brito;

AGACHADOS (esquerda para a direita): Nelsinho Rosa, Azumir, Zé Henrique, Nayr e Osvaldo.

Três anos depois, apenas Apel e Bitum (depois virou treinador) continuavam no clube. Salvador se transferiu para o Olaria; Zé Henrique ficou no clube até 1960, se transferindo para o Bonsucesso, em 1961.

Silas, Décio Brito e Osvaldo se transferiram para o Santos/SP, em 1961. Azumir se transferiu para o Vasco da Gama, em 1961. Posteriormente foi vendido ao Porto de Portugal.

O meia Nelsinho Rosa foi comprado pelo Flamengo, em 1961; Nayr se transferiu para o Botafogo de Ribeirão Preto/SP, em 1961; Frazão se transferiupara o Botafogo.

FONTE E FOTO: Revista do Esporte (RJ)