Arquivo da categoria: Rio de Janeiro (antigo Estado do RJ)

Inédito! 1º Campeão do Campeonato Citadino de Três Rios (RJ) de 1939: Entrerriense F.C.

Por: Sérgio Mello

Breve história da cidade

Na quarta-feira, do dia 14 de dezembro de 1938, pelo decreto 634, o distrito de Entre-Rios (antes pertencia ao 2º Distrito de Paraíba do Sul) conseguiu a sua emancipação político-administrativa e o novo município foi instalado no domingo, do dia 1º de Janeiro de 1939.

Contudo, o município, nascido com a toponímia de Entre-Rios, viu-se no início dos anos 40 obrigado, por órgãos federais, a mudar a sua denominação pela triplicidade do nome existente em outros municípios brasileiros.

A partir da sexta-feira, do dia 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei 1.056, o município de Entre-Rios passou a chamar Três Rios, numa clara conotação aos três mais importantes rios que cortavam o seu território: rios Paraíba do Sul, Piabanha e Paraibuna. Entretanto, manteve-se o nome Entre-rios em diferentes instituições e estabelecimentos comerciais, como forma de resguardar a história da região.

Entidade de futebol em Três Rios

A entidade máxima do município de Três Rios é a LDTR (Liga Desportiva de Três Rios), Fundada no domingo, do dia 21 de Novembro de 1943. A sua Sede (atual) está localizada na Praça Visconde do Rio Novo, s/n, no Centro de Três Rios.

Entrerriense Futebol Clube (anos 30): onde se percebe a presença de alguns jogadores negros da esquerda para a direita tem-se Bertolino – Tamanduá – Fortunato – Licirio – Zé Coruja – Sapo – Gradim

1º Campeonato de Três Rios teve o Entrerriense com Campeão

Em Novembro de 1939, o Entrerriense Futebol Clube organizou o Campeonato Municipal, que podemos considerar como o embrião dos Citadinos de Três Rios, que viriam a se realizarem. Participaram os seguintes clubes:

Entrerriense Futebol Clube (Três Rios);

Serrariense Futebol Clube (Serraria, atual município de Comendador Levy Gasparian);

Commercial Athletico Club (Três Rios);

Central Sport Club;

Olympico (alvirrubro);

Volantes;

Cantagallo (Alvianil);

Fluminense Futebol Clube (Tricolor de Três Rios); 

Estádio da Rua Marechal Floriano, no Centro (propriedade do Entrerriense)

Observa-se (foto acima) a presença do público – homens, mulheres e crianças -, durante a inauguração do estádio de futebol do Entrerriense Futebol Clube, na cidade de Três Rios/RJ, em 1930. Destaque à direita para arquibancada, que possuía, embaixo, os pandemia, sem a presença do público. Sem informação do autor da fotografia, acervo André Mattos vestiários para os jogadores, e na esquerda, no primeiro plano, instrumentos musicais da Banda 1° de Maio.

Após a sexta rodada, o Serrariense Futebol Clube desistiu da competição. Na oitava rodada foi à vez do Volante e Central abandonarem o certame, deixando com cinco clubes que ficaram até a última rodada.

O 1º campeão de Três Rios foi o Entrerriense Futebol Clube, com 17 pontos, em 10 jogos; com oito vitórias, um empate e uma derrota; 43 gols pró, 16 tentos contra e um saldo pomposo de 27.   

1ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
01/10Olympico3X0Central SC 
01/10Commercial3X7Entrerriense 
01/10Serrariense FC5X4Volantes 
01/10Cantagallo2X2Fluminense 

2ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
08/10Entrerriense9X1Central SCDintinho
08/10Volantes3X5CantagalloNelson Soares
08/10Commercial2X2OlympicoJoão Manhães

3ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
15/10Volante3X1Central SC 
15/10Cantagallo5X2Serrariense FC 
15/10FluminenseXCommercialNão computado

4ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
22/10Entrerriense3X1Fluminense 
22/10Commercial2X0Central SC 
22/10Olympico2X2Volante 

5ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
29/10Commercial2X1Serrariense FC 
29/10Cantagallo3X2Central SC 
29/10Volante0X2Fluminense 

6ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
05/11Fluminense2X1Serrariense FC 
05/11Entrerriense3X3Volante 
05/11Cantagallo1X4Olympico 

7ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
15/11Commercial3X1VolanteHenrique Pinheiro
15/11Central SC1X2FluminenseAyres Azevedo
15/11Entrerriense3X2Olympico 

8ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
03/12Entrerriense2X1Cantagallo 
03/12Olympico5X2Fluminense 

9ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
03/12Fluminense X Commercial 
03/12Olympico X Central SC 

10ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
31/12Cantagallo X Olympico 
31/12Commercial X Central SC 

11ª Rodada:

DATARESULTADOSDOSJOGOSÁRBITROS
14/01Fluminense X Cantagallo 
14/01Entrerriense X Commercial 

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Entrerriense1710811431627
Fluminense151071227189
Olympico1409612311021
Commercial11104331923-4
Cantagallo9104152229-7
Volantes471241621-5
Serrariense FC24103913-4
Central SC06006522-17

ARTILHEIROS:

13 gols – Machareth (Entrerriense);

12 gols – Landico (Entrerriense);

8 gols – Pedro (Olympico); Môs;

6 gols –  Nery e Bolão (Entrerriense);  Alceu;

5 gols –  Chiquinho (Cantagallo); Castanheira;

4 gols –  Torquato e Macumba (Volante); Zico, Luizinho, Nicanor e Babazinho;

3 gols –  Tela, Walter, Dodoca, Nilton; Manequim (Entrerriense); Aluizio e Aladim;

2 gols –  Batoque, Mais, Hercílio, Álvaro, A. Carvalho, Moaycir e Canavez;

1 gol –  Cotação, João Vieira, Sapo, Alencar, Baptista, Bentinho; Silveira (Olympico); Hugo (Entrerriense); Tuninho, Macarrão, Argeu; Zezé (Entrerriense); Seixas, Colonia, Cley, Nelson e Licirio.

FOTOS: Revista Contempoartes

FONTES: Entre-Rios Jornal (RJ) – Dados do autor

Foto Rara, de 1965: Bonsucesso Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ), a história dessa imagem

Foto em destaque (em preto e branco): Alfinete, técnico do Bonsucesso F.C.
EM PÉ (esquerda para a direita): Marcelo, Jonas, Nogueira, Jerry, Jardel e Albérico;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Gilbert, Adauri, Sabará, Ivo Sodré e Escurinho (ex-Fluminense).

A foto posada, em destaque, do Bonsucesso Futebol Clube corresponde ao ano de 1965. Vamos contar um pouquinho da história dessa foto. O Bonsuça enfrentou o Botafogo de Futebol e Regatas, no sábado, do dia 27 de Novembro de 1965, válido pela 4ª rodada do segundo turno do Campeonato Carioca daquele ano.

Na véspera, os preços dos ingressos, com os militares pagando meia-entrada, foram apresentados: Arquibancadas: Cr$ 600,00Gerais: Cr$ 200,00.

No Botafogo, o técnico Daniel Pinto não pode contar com o meia Gerson (Canhotinha de Ouro), com um derrame no joelho direito. No seu lugar entrou Elton.

No Bonsucesso, o Diretor de Futebol, Sr. Rubens Araújo Reis prometeu um prêmio de Cr$ 150 mil (que poderá chegar a Cr$ 200 mil), em caso de vitória. Após o treino de sexta-feira (26/11/65), os jogadores seguiram para o Hotel Nice, no Centro do Rio, onde pernoitaram, a fim de no dia do jogo seguiram para o Maracanã.            

O técnico Alfinete demonstrou confiança na vitória: “O time está em boas condições físicas e técnicas, e, por essa razão, com grandes possibilidades de chegar a uma vitória sobre o Botafogo, por méritos, inclusive“, afirmou Alfinete.

No jogo, realizado no Estádio do Maracanã, Botafogo e Bonsucesso não saíram de um empate em 1 a 1. Resultado que, praticamente sepultou as chances de brigar pelo título Carioca para o clube de Estrela Solitária, enquanto para o Leão da Leopoldina foi um pontinho importante para subir na tabela.

Gol do Botafogo

O Botafogo abriu o placar aos 11 minutos. Jairzinho passou por dois adversários, foi a linha de fundo e centrou para Humberto e Artur que entravam livres na área.

O lateral Marcelo, que foi  para o centro da área dar cobertura do zagueiro Nogueira, em tentativa para cortar o lançamento de Jairzinho, acabou cabeceando no canto esquerdo de Jonas, que ainda saltou para bater com a nuca na trave. Gol contra a favor do Botafogo.  

Apesar do gol sofrido, o Bonsucesso teve o controle do jogo, ditando o ritmo, criando chances de empatar com Escurinho, uma vez, e Adauri, numa outra oportunidade. E assim, terminou o primeiro tempo.

No segundo tempo, logo aos 30 segundos, o Bonsuça quase empatou. Gilbert entrou livre até a pequena área e bicou para fora. Chegando com mais facilidade à área e explorando os seus ponteiros, o Bonsucesso já dominava amplamente a partida, quando chegou ao empate.

Gol do Bonsucesso

Aos 13 minutos, a bola chegou aos pés de Gilbert, que centrou na área. Sabará entrou entre Zé Carlos e Paulistinha e testou firme, sem chances para Manga, que foi buscar a bola no fundo das redes. Fim de jogo, e a reportagem do Jornal dos Sports classificou como um resultado injusto, pois o Bonsucesso merecia ter saído de campo com a vitória.   

BOTAFOGO F.R. (RJ)       1          X         1          BONSUCESSO F.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã
CARÁTER4ª rodada do returno Campeonato Carioca de 1965
DATASábado, do dia 27 de Novembro de 1965
HORÁRIO21 horas e 30 minutos
PÚBLICO5.334 pagantes
RENDACr$ 2.2580.040,00
ÁRBITROJosé Gomes Sobrinho
AUXILIARESCláudio Magalhães e Guálter Teixeira Portela Filho
BOTAFOGOManga; Joel, Zé Carlos, Paulistinha e Rildo; Elton e Afonsinho; Jairzinho, Humberto, Bianchini e Artur. Técnico: Daniel Pinto
BONSUCESSOJonas; Marcelo, Jerry, Nogueira e Albérico; Jardel e Ivo; Gilbert, Adauri, Sabará e Escurinho. Técnico: Alfinete
GOLSMarcelo, contra, aos 11 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Sabará, de cabeça, aos 13 minutos (Bonsuça), no 2º Tempo
PRELIMINARBotafogo FR 5 x 3 Bonsucesso FC
CARÁTERCampeonato Carioca de Aspirantes de 1965
HORÁRIO19 horas e 30 minutos
ÁRBITROIdovan Silva
AUXILIARESAntônio da Graça e Sebastião Bahia
BOTAFOGOCarlos Viana; Mura, Chiquinho, Carlos Alberto e Dimas; Airton e Marcos; Zélio, Sicupira, Zezé e Roberto II. Técnico: Admildo Chirol
BONSUCESSOUbirajara; Jorge, Moisés, Jurandir e Sérgio; Enir e Djair; Antônio Carlos, Rondino, Aloísio e Wellis.
GOLSRoberto aos 2 e 30 minutos (Botafogo); Wellis aos 28 e 45 minutos (Bonsuça); Zezé aos 44 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Wellis aos 26 minutos (Bonsuça); Zezé, de pênalti, aos 28 minutos (Botafogo); Sicupira aos 35 minutos (Botafogo), no 2º Tempo.

FOTOS: Acervo de José Leôncio Carvalho – Revista do Esporte (técnico Alfinete)

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Foto Rara de 1964: São Cristóvão F.R. Vice-campeão do Torneio Início Carioca!

Da esquerda para a direita: Roberto, Fraga, Elton, Jorge (página cortada), Jair Santos, Aladim, Edson, Valter, Augusto, Ari e Drauzio. 

O São Cristóvão Futebol e Regatas foi Vice-Campeão do Torneio Início do Campeonato Carioca de 1964, perdendo na final para o Bangu Atlético Clube pelo placar de 2 a 0, no estádio do Maracanã.

No domingo, do dia 28 de Junho de 1964, os comandados pelo técnico Danilo Alvim estrearam vencendo o Olaria Atlético Clube por 2 a 1. Os gols foram de Luís Carlos a um minuto para o clube da Rua Bariri, e Aladim aos 4 minutos e Jorge aos 7 minutos para o São Cri-Cri.

O segundo jogo foi diante do Campo Grande Atlético Clube, que terminou empatado sem gols. Na disputa de pênaltis, a equipe Cadete venceu por 5 a 4. Nas semifinais, o São Cristóvão bateu o poderoso Flamengo por 1 a 0. O gol foi assinalado por Jair, logo aos dois minutos de jogo.

Na grande final, o São Cristóvão acabou superado pelo Bangu, que venceu por 2 a 0. Após o primeiro tempo sem gols, na etapa final, Parada, de pênalti, aos sete minutos, e Cabralzinho aos 17 minutos, decretaram o triunfo e, Consequentemente, o título do Torneio Início Carioca para os ‘Mulatinho Rosados’.  

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)        0          X         2          BANGU A.C. (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã  
CARÁTERFinal do Torneio Início do Campeonato Carioca de 1964
DATANo domingo, do dia 28 de Junho de 1964
HORÁRIO11 horas
PÚBLICO17.231 pagantes
RENDACr$ 4.283.615,00
ÁRBITROCláudio Magalhães
AUXILIARESVanderlei e Silvio Cabeti
SÃO CRISTÓVÃODráuzio; Ari, Roberto, Élton e Édson; Válter e Jair; Augusto, Jorge, Aladim e Fraga. Técnico: Danilo Alvim
BANGUUbirajara; Orestes, Fidélis, Luís Alberto e Tupinambás; Romeu e Ocimar; Paulo Borges, Parada, Cabral e Aladim. Técnico: Martim Francisco
GOLSParada, de pênalti, aos 7 minutos (Bangu) e Cabralzinho aos 18 minutos (Bangu), no 2º Tempo.

FOTO: acervo de José Leôncio Carvalho

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Foto rara de 1963: São Cristóvão F.R. – Rio de Janeiro (RJ), no empate com o Vasco da Gama, pelo Estadual

EM PÉ (esquerda para a direita): Nelson de Almeida (dirigente), Édson, Renato, Válter, Moisés, Franz, Ari e Denoni Pereira Alves (treinador).
AGACHADOS (esquerda para a direita): Jorge, Artoff, Ivo, Jair Santos, Enir e Ademir (Massagista).

A foto acima em destaque é do São Cristóvão Futebol e Regatas. O time posado corresponde ao sábado do dia 07 de Dezembro de 1963, válido pela penúltima rodada do returno do Campeonato Carioca de 1963.

Nesse dia, a equipe Cadete empatou com o Vasco da Gama, em 1 a 1, no Estádio da Rua Figueira de Melo. Nessa partida, a reportagem do Jornal dos Sports criticou a atuação do árbitro José Monteiro, pelo pênalti marcado a favor do São Cristóvão e pela expulsão do zagueiro vascaíno Brito.

No final da competição as equipes tiveram uma campanha similar. O Vasco ficou na 6ª posição, no geral: 24 jogos, com 29 pontos; 11 vitórias, sete empates e seis derrotas; marcando 39 gols, sofrendo 23 e um saldo positivo de 16.

Já o São Cristóvão termino em 7º lugar, no geral: 24 jogos, com 21 pontos; nove vitórias, três empates e 12 derrotas; marcando 25 gols, sofrendo 38 e um saldo negativo de 13.

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)        1          X         1          VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, nº 200, no bairro de São Cristóvão
CARÁTERPenúltima rodada do 2º turno do Campeonato Carioca de 1963
DATASábado, do dia 07 de Dezembro de 1963
HORÁRIO17 horas
PÚBLICO1.218 pagantes
RENDACr$ 378.000,00
ÁRBITROSr. José Monteiro
AUXILIARESNilson Oliveira e Antônio Sampaio
CARTÃO VERMELHOBrito (Vasco da Gama)
SÃO CRISTÓVÃOFranz; Édson, Renato, Ari e Moisés; Válter e Ivo; Jair, Artoff, Jorge e Enir. Técnico: Denoni Alves
VASCOMarcelo; Paulinho, Brito, Barbosinha e Fontana; Odmar e Lorico; Milton, Mário, Célio e Ede. Técnico: Eduardo Pelegrini (interino)
GOLSCélio aos 21 minutos (Vasco), no 1º Tempo. Enir, de pênalti, aos 17 minutos (São Cristóvão), no 2º Tempo.
PRELIMINAR (Aspirantes)São Cristóvão 1 x 0 Vasco da Gama – gol de Mota aos 25 minutos do 2º tempo

Curiosidade

No início de 1962, Denoni era auxilia-técnico de Danilo Alvim. No sábado, do dia 27 de outubro de 1962, no empate em 1 a 1 com o Bonsucesso, em Teixeira de Castro, pelo Campeonato Carioca, o treinador deixou o comando da equipe Cadete para assumir a Seleção Boliviana que estava iniciando a preparação para a disputa do Sul-Americano de futebol (atual: Copa América).

 A partir daí, a diretoria escolheu Denoni Pereira Alves (na época aos 36 anos), ex-jogador do America e Portuguesa Carioca, formado em farmácia e que estava cursando a Escola Nacional de Educação Física.

Ele estreou no domingo, do dia 04 de novembro de 1962, na vitória sobre a Portuguesa Carioca por 2 a 0, no Estádio de Teixeira de Castro (propriedade do Bonsucesso F.C.), pelo Carioca. Gols de Enir aos 34 e 38 minutos do segundo tempo.

FOTO: acervo de José Leôncio Carvalho

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Sport Club Mackenzie – Rio de Janeiro (RJ): disputou quatro edições da Elite do Futebol Carioca na década de 20

Texto, pesquisa, desenhos (escudo e uniforme): Sérgio Mello

Escudo raro de 1918

Na tarde chuvosa de quinta-feira, às 14h20min., do dia 13 de Maio de 1920, o Mackenzie fez o seu 1º jogo em nível nacional. E o resultado foi apoteótico, com uma goleada por 7 a 1, em cima do Tupy de Juiz de Fora/MG (filiado à Sub-Liga Mineira de Desportos Terrestres), no Estádio Rua Prefeito Serzedello Correa (de propriedade do Andarahy Athletico Club, que em 1960 passou a ser do America Football Club), nº 198, no bairro do Andaraí. Com o triunfo, o clube do Méier faturou a Taça João Barros Freire.   

Na preliminar, que começou às 12h, o Americano venceu o SC Rio de Janeiro por 2 a 0.

O jogo começou com a equipe mineira tomando a iniciativa, criando boas chances, até que Kock abrir o placar. O gol acordou o Mackenzie que cresceu e conseguiu empatar por intermédio de Waldemar. E, logo depois virou com P. Lima.

O Tupy teve a chance de empatar, o zagueiro Juca Lopes tocou a mão na bola. Pênalti, que Raul bateu forte, carimbando a trave do goleiro José Lodi Batalha. E assim terminou o primeiro tempo, com vantagem dos cariocas por 2 a 1.

Na etapa final, o Mackenzie voltou melhor, exercendo uma pressão na defesa adversária até, após um escanteio, Mathias aproveitou para ampliar o marcador. Logo depois, Waldemar dá excelente passe para P. Lima marcar o 4º gol dos cariocas.

O Tupy estava atordoado, e Agenor sem dó, marcou o 5º gol para o Mackenzie. Agenor teve uma boa chance para marcar mais, mas que fez foi Waldemar, que depois de driblar o zagueiro Raul fuzilou o goleiro Mario, para marcar o 6º gol.

O último gol foi uma pintura! P. Lima recebeu a bola no meio de campo, ao perceber que a defesa estava adiantada, chutou de longe, marcando um lindo gol, dando números finais a peleja. O árbitro da partida foi o Sr. Ferreira Vianna Netto.

Mackenzie: Batalha; Juca Lopes e Gonçalves; Salomé, Villa e Norival; Agenor, P. Lima, Waldemar (Cap.), Mathias e Washington.

Tupy: Mario; Raul e Paranhos (Cap.); Humberto, Ernani e Acyr; Bacury, Kock, Lalinho, J. Maria e Dino.

Debutou no Carioca da 1ª Divisão de 1921

Em 1921, o Sport Club Mackenzie disputou o Campeonato Carioca da 1ª Divisão. Os clubes foram divididos em dois grupos: Série A (com equipes mais forte) e Série B (mais fraco, onde o Mackenzie fez parte). O título de campeão da cidade é decidido entre os campeões dos dois grupos.

O Mackenzie terminou na 5ª posição, num total de sete equipes: foram nove pontos em 12 jogos; com quatro vitórias, um empate e sete derrotas; com 25 gols pró, 31 tentos contra e um saldo negativo de seis.  

Carioca da 1ª Divisão de 1922, terminou na lanterna

Em 1922, o Mackenzie não foi bem no Campeonato Carioca da 1ª Divisão, terminando em último lugar sem nenhuma vitória. Nos 12 jogos, foram quatro empates e oito derrotas; 17 gols a favor, 27 tentos contra e um saldo de menos 10. O atacante Mathias foi o artilheiro do time com seis gols.

SC Mackenzie Campeão do Torneio Início 1923

Campeão do Torneio Início Carioca da 1ª Divisão de 1923

No domingo, do dia 08 de Abril de 1923, foi realizado o Torneio Início Carioca da 1ª Divisão, da LMDT, realizado no Estádio General Severiano, em Botafogo. E o Sport Club Mackenzie conquistou o seu título mais expressivo!

No jogo de estreia, bateu o Americano por 1 a 0, gol de Manuel. Na fase seguinte, o adversário era o Vasco da Gama e o Mackenzie foi gigante ao bater por 2 a 1 (gols de Manuel e Ismael), avançando para a próxima etapa.

Na semifinal, o Alvinegro Mackenzista encarou o Andarahy Athletico Club. Após o empate sem gols, o clube do Méier levou a melhor por um escanteio a zero.

Na grande final, Sport Club Mackenzie e Clube de Regatas Flamengo decidiram o título. Novamente um empate em 0 a 0, e o triunfo veio ao conseguir um escanteio e não ter cedido nenhum. Mackenzie campeão, formou assim: Luiz; Manduca e Nicanor; Aristides, Avelino e Washington; Fabio (Arthur Fleck), Manuel, Mathusalém, Ismael e Huguenotte.

Carioca da 1ª Divisão de 1923, melhor desempenho

Em 1923, o Campeonato Carioca da 1ª Divisão, contou com 16 equipes divididos em duas chaves de oito times: Grupo A (com as principais forças) e o Grupo B, onde o Mackenzie estava.

O clube do Méier terminou na 3ª colocação ao lado do Carioca! Ao todo, foram 17 pontos, em 12 jogos: oito vitórias, um empate e cinco derrotas; 36 gols a favor, 23 tentos contra e um saldo de 13. O atacante Ismael foi o vice-artilheiro do certame com 13 gols só atrás de Nonô, do Flamengo com 17 tentos. Outro destaque do Mackenzie, foi Durval que assinalou 10 gols.

Carioca da 1ª Divisão de 1924, última participação

Em 1924, o Campeonato Carioca da 1ª Divisão, da LMDT, o estava no Grupo A do Vasco da Gama (que se sagrou campeão vencendo todos os seus 16 jogos). O Mackenzie terminou na 6ª posição (num total de oito equipes), com oito pontos em 14 jogos: foram três vitórias, dois empates e nove derrotas; marcando 23, sofrendo 38 e um saldo de menos 15. O destaque ficou por conta de Durval que marcou 7 gols.

No final da temporada, os grandes se uniram para fundar a AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Athleticos). O Mackenzie seguiu os grandes e se filiou. Porém, o “prêmio” foi jogar a Segundona de 1925.

Penúltimo lugar na Segundona de 1925

O Campeonato da 2ª Divisão de 1925, contou com a presença de sete clubes (o Hellenico desistiu de participar). A campanha do Mackenzie foi ruim. Terminou na 6 posição, com nove pontos: foram três vitórias, três empates e seis derrotas; marcando 12 gols, sofrendo 28 e um saldo negativo de 16.    

Campeão do Torneio Início Carioca da 2ª Divisão de 1926

No domingo, do dia 03 de Maio de 1926, foi realizado o Torneio Início Carioca da 2ª Divisão, da AMEA. Na estreia, o Sport Club Mackenzie não teve dificuldades para bater o Independência por 3 a 0.

Na decisão diante do Olaria Atlético Clube o time Mackenzista mostrou superioridade e venceu por 3 a 1, ficando com o título. O time formou: Gomes; Pequenino e Lazaro; Nestor, Camillo e Mathias; Dionysio, Bahia, Goulart, Ramiro e Vianna.

Clube é excluído por não ter uma Praça de Esportes

Em 1927, foi excluído da AMEA, pelo fato do Mackenzie não possuir uma Praça de Esportes que atendesse as exigências da liga. Fato esse, que gerou uma enorme indignação tanto da diretoria quantos dos seus torcedores que se sentiram injustiçados.  

Em 1928, o retorno e um penúltimo lugar na Segundona

O Campeonato da 2ª Divisão de 1928, contou com a presença de nove clubes. A campanha do Mackenzie foi pífia. Terminou na 8ª posição, com nove pontos: foram três vitórias, três empates e 10 derrotas; marcando 22 gols, sofrendo 33 e um saldo negativo de 11.    

Um modesto 6º lugar na Segundona de 1929

O Campeonato da 2ª Divisão de 1929, contou com a presença de nove clubes. A campanha do Mackenzie foi uma 6ª colocação, com 13 pontos, em 16 jogos: foram quatro vitórias, cinco empates e sete derrotas; marcando 24 gols, sofrendo 35 e um saldo negativo de 11.    

Segundona de 1930, uma outra 6ª posição

O Campeonato da 2ª Divisão de 1930, contou com a presença de oito clubes. A campanha do Mackenzie foi uma 6ª colocação, com 13 pontos, em 14 jogos: foram três vitórias, três empates e oito derrotas; marcando 23 gols, sofrendo 37 e um saldo negativo de 14.    

Vice-campeão da 2ª Divisão de 1931

Em 1931, ficou com o vice-campeonato da 2ª Divisão da AMEA. A competição contou com a participação de 16 equipes. O Sport Club Mackenzie fechou na 2ª colocação com 48 pontos, em 30 jogos. Só atrás do grande campeão: Olaria Atlético Clube com 56 pontos, que só perdeu quatro pontos.

clube desiste da 2ª Divisão de 1932

O Campeonato da 2ª Divisão de 1932, contou com a presença de 13 clubes. Após disputar o primeiro turno, o Mackenzie acabou se licenciando. Na quarta-feira, do dia 10 de Agosto de 1932, enviou um oficio a AMEA, comunicando que estava desistindo de prosseguir no Campeonato da 2ª Divisão.

O clube teve uma perda de grande parte dos jogadores, que foram obrigados ao serviço militar. Por não ter um número mínimo de atletas para colocar em campo, o clube não teve alternativa a não ser solicitar a saída da competição. 

Nasce o Departamento Feminino, em 1933

Em outubro de 1933, foi criado o Departamento Feminino, tendo como a 1ª Presidenta a Sra. Cecília Domingues Freire, então professora municipal, esposa de Barros Freire, sócio benemérito do Mackenzie.

Em 1934/35, clube disputa o Estadual de Basquete e Atletismo

Em 1934 e 1935, o futebol foi deixado de lado, e a diretoria deu ênfase ao basquete (filiado a Liga Carioca de Basket-Ball) e o Atletismo (filiado a Liga Carioca Athletismo).

Campeão do 1º Campeonato da Federação Athletica Suburbana de 1936

O Sport Club Mackenzie se sagrou Campeão do 1º Campeonato da FAS (Federação Athletica Suburbana) de 1936. O Sport Club Abolição ficou com o vice-campeonato tanto nos Primeiros quanto nos Segundos Quadros.

No domingo, às 15h45min., do dia 13 de Junho de 1937, diante de grande público, o Mackenzie venceu o Sport Club Opposição por 1 a 0, na Rua Oliveira Andrade, no bairro da Piedade, na Zona Norte do Rio. O árbitro da peleja foi o Sr. Joaquim Cavalcanti.

O gol do título saiu ainda no primeiro tempo, após passe de Jarbas, o meia esquerda Alípio, chutou forte, sem chances para o goleiro Hugo. Na preliminar, entre os Segundos Quadros, o Opposição venceu por 4 a 0.

Mackenzie: Antonio; Lazaro e Altair; Tinoco, Mario Pinho e Elliot; Waldemar, Goulart(Álvaro), Jarbas, Alípio e Bias.

Opposição: Hugo; Nelson e Nico; Arengueiro, Boffyli e Charuto; Jamelão (Alberto), Marquinho, Amaro, Gereba e Bahiano.

Campeão do Torneio Início da FAS de 1937

No domingo, às 12h30min., do dia 08 de Agosto de 1937, teve início o Torneio Início da FAS (Federação Athletica Suburbana), da Série João Machado, de 1937. O palco do evento, foi na Praça de Esportes, do River Football Club, na  Rua João Pinheiro, no bairro da Piedade, na Zona Norte do Rio.

Na estreia, o Mackenzie bateu o Abolição por 2 a 1. Na sequência dos jogos, o torneio foi paralisado por falta de luz. Assim, a competição foi transferida para a semana seguinte, no campo do Opposição, na Rua Silva Xavier, no bairro da Abolição, na Zona Norte do Rio, que inaugurou os seus refletores.

Assim, no domingo, do dia 15 de Agosto de 1937, o Mackenzie venceu o Mavilis Football Club, do Caju, por 2 a 1, em escanteios, e faturou o Título do Torneio Início da FAS, da Série João Machado, de 1937.

O Mackenzie jogou assim: Antonio; Lazaro e Altair; Elliot, Mario Pinho e Walfredo; Waldemar, Bias, Pomba, Alípio e Álvaro.    

No II Campeonato da Federação Athletica Suburbana de 1937, o Mackenzie fez uma campanha irregular e acabou ficando longe do Bi. Quem se aproveitou foi o Engenho de Dentro Athletico Club, que ficou com o título máximo da FAS.

Vice-campeão no Segundos Quadros do Campeonato da FAS de 1938

No III Campeonato da Federação Athletica Suburbana, pela Série Benedicto Sarmento de 1938, o Mackenzie alugou a Praça de esportes do Sport Club Valim, situado na Rua Ferreira de Andrade, no Cachambi, a fim de disputar a competição.

Na estreia, no domingo do dia 10 de Julho de 1938, O Mackenzie venceu o Adélia, no campo do Engenho de Dentro, pelo placar de 1 a 0. O gol foi assinalado por Gaguinho. O árbitro foi o Sr. João Marques Baptista.

O time vencedor formou assim: Euro; Lazaro e Altair; Ribeiro, Buffet e Mendonça; Waldemar, Gualter, Goulart, Gaguinho e Luiz.

Após o triunfo, o “Alvinegro Mackenzista” oscilou, chegando a ficar na lanterna. Conseguiu até uma recuperação, mas sem chegar entre os primeiros. Melhor fez o Segundos Quadros do Mackenzie que fechou com o vice-campeonato de 1938, graças a desistência do Mavilis Football Club.  

TÍTULOS

Em 1917, o Mackenzie faturou seis troféus: campeão em cima do Everest, Villa Isabel e Sport Club Juiz de Fora/MG (esse jogo aconteceu no domingo, do dia 23 de setembro de 1917, na cidade mineira, com vitória dos cariocas por 2 a 0). E, vice-campeão perdendo para o Bangu Athletico Club, Villa Isabel e Rio de Janeiro.

Em 1918, faturou a Taça Alfredo de Siqueira, vencendo o Americano Football Club por 2 a 1, em General Severiano. Depois faturou outros sete troféus: em cima do Vasco da Gama; Rio de Janeiro, duas vezes; Sport Club Mangueira, um vez; todos no começo do ano. Nos Segundos Quadros, dois títulos, em cima do Flamengo e Americano; além das duas Taça Casa Stamp e Taça José Fernandes.

Além das taças, tiveram sete bronzes, oferecidos pelos Senhores: Abel Fernandes, despachante Freitas, Domingos Costa, Nelson Gareindo, Amadeu Macedo, Silva Manoel Football Club e Polytheama Meyer, pelo concurso havido entre o Americano FC, campeão da Segunda Divisão.

Em 1920, mais quatro troféus diante do Tupy de Juiz de Fora/MG (Taça João Barros Freire), Villa Isabel Football Club (Vila Isabel), Hélios Athletico Club (Catumbi) e Canto do Rio Football Club (Niterói).

Em 1923, se sagrou Campeão do Torneio Início da 1ª Divisão, da LMDT. Em 1926, se sagrou Campeão do Torneio Início da 2ª Divisão, da AMEA. Campeão do 1º Campeonato da FAS (Federação Athletica Suburbana) de 1936. No ano seguinte, faturou o Torneio Início da FAS de 1937.

Outros Títulos

BASQUETE

•          Taça Kanela Adulto masculino 1984

•          Taça Guanabara Adulto masculino 1978

•          Campeonato Estadual Aspirantes masculino 1968

•          Campeonato Estadual Juvenil masculino 1974; 1977 e 1980

•          Campeonato Estadual Infanto-Juvenil masculino 1970; 1971; 1972; 1977; 1978 e 1979

•          Campeonato Estadual Infantil masculino 1960(Torneio Infantil); 1976; 1980 e 1983

•          Campeonato Estadual Mirim masculino 1978/1º ; 1978/2º ; 1979 e 1980(Torneios Mirim), 1981; 1982 e 1984

•          Torneio Mini masculino 1973 e 1974

FUTSAL (Futebol de Salão)

•          Campeonato Metropolitano de Futebol de Salão Adulto masculino 1975

•          Campeonato Estadual Juvenil masculino 1969; 1970 e 1973

•          Campeonato Estadual Infanto-Juvenil masculino 1972; 1973(Junto ao Carioca); 1974 e 1976

•          Campeonato Estadual Infantil masculino 1969; 1970; 1971; 1977; 1978; 1979 e 1980

•          Campeonato Estadual Mirim 1981

•          Campeonato Estadual Pré-Mirim 1981 e 1991 (Junto a Vasco, Grajaú Tênis e Bangu)

•          Campeonato Estadual Fraldinha 1982; 1983 e 1991 (Junto a Vasco, Flamengo e Bangu)

Formações entre 1915 a 1938

Time base de 1915: Ivan Maya de Vasconcellos; Catalão e Euclydes Ferreira (Joel); Laranja (Oswaldo), Sylvio (Eugenio) e Murillo (Gilberto); Malot (Carvalhosa), Sampaio (Danton), Mathias (Zuzu), Bahia (Gilberto ou Sérgio), J. Oliveira (Manoel Marques ou Sampaio). Reservas: Jayme e João Nogueira. Capital: Antonio Mello, o ‘Catalão’.

Time base de 1916: Ivan de Vasconcellos (Malô); Othelo e Joel; Ricão, Ismael Cordovil (Danton) e Graciano (Laranja); Murillo, Mathias, Euclydes Ferreira, Gilberto e Sérgio (Raul). Capitão: Euclydes Ferreira.

Time base de 1917: Ivan de Vasconcellos; Othelo e Joel (Alfredo Silva ou Pinheiro); Sylvio (J. Silva), Cordovil (Hemeterio) e Oswaldo (Almeida); Oscar (Murillo), Mathias (Guaracy), Washington (Agenor), Gilberto (Bahia) e Heitor. Capitão: Othelo Medeiros.

Time base de 1918: Ivan de Vasconcellos; Othelo Medeiros (Zeca) e Juca Lopes (Juvellino); J. Silva, Hemeterio e Heitor Oliveira (Oswaldo); Murillo (Guaracy), Mathias (Floriano), Washington (Rodolpho), Gilberto (Bahia) e Agenor. Capitão: Othelo Medeiros.

Time base de 1919: Batalha; Zeca (Sylvio) e Juca Lopes; Eurico (Norival), Ferramenta (Castilho) e Salomé (Heitor); Guaracy (Murillo), Rodolpho, Mathias, Agenor (Justo) e Washington. Capitão: Othelo Medeiros.

Time base de 1920: Batalha (Luz); Juca Lopes e Gonçalo (Gabriel); Norival (Arlindo), Villa (Avelino) e Salomé (Heitor); Justo (Oswaldo), Neves (Washington), Mathias (Waldemar), Guaracy (P. Lima) e Agenor (J. Silva ou Alyrio). Capitão: Euclydes Motta e depois Waldemar.

Time base de 1921: Batalha (Luiz); Gabriel (Almeida) e Juca Lopes (José Lopes); Arlindo, Avelino (Norival) e Heitor (Cordeiro); Oswaldo (P. Lima), Neves (Washington), Mathias (Ismael), J. Silva (Agenor) e Justo (Alyrio). Reservas: Aramis e Murta. Capitão: Heitor de Oliveira e depois José Pereira Lima, o ‘P. Lima.

Time base de 1922: Batalha (Luiz); Lourival (Gabriel) e Juca Lopes; Norival Arlindo (Hermano) e Oswaldo (Arthur Fleck); Fernandes (Paschoal), J. Silva (Guaracy), Mathias (Allemão), Washington (Ismael) e Reis (Antonio). Capitão: José Lopes e depois Ângelo d’Abreu.

Time base de 1923: Luiz; Osmar (Manduca) e Juca Lopes (Gabriel ou Nicanor); Aristides, Avelino e Washington (Christovão); Fabio (Manoel), Durval (Evaristo), Mathuzalém (Barroso II), Ismael e Agenor (Hugnott).

Time base de 1924: Vieira; Osmar e Juca Lopes; Lucena, Sérgio (Evangelista) e Aristides; Werneck (Arthur Fleck), Ismael (Washington), Othelo (Muniz), Durval e Doca.

Time base de 1925: Raul; Monteiro e Moacyr; Marcelino, Floriano e Moysés; Bidoca, Bonitinho, Mintho, Tuller e Cabral. Reservas: Torres, Christovão e Pedro Helena.

Time base de 1926: Gomes; Pequenino e Lazaro; Nestor, Camillo e Mathias; Dionysio, Bahia, Goulart, Ramiro e Vianna.

Time base de 1927: Gomes; Pequenino e Lazaro; Nestor, Camillo e Mathias; Dionysio, Bahia, Goulart, Ramiro e Vianna.

Time base de 1928: Claudionor; Oswaldo (M. Lopes) e Palmeira (Ultramar); A. Silva, Camillo e Walter (Washington); Cavinha (Baptista), Belfort (Augusto), Athayde, Othelo e Hugnott (Juventino).

Time de 1929: Claudionor (José); Arthur (Alberto) e Palmeira (Pituca); M. Lopes (Mariano), Silva (Alex) e Delphim (Neves); Camillo (Aristheu), Venicio (Bibi), Moacyr (Paulista), Ultramar (Zequinha), Augusto (Alfredo ou Jayme), Amâncio (Sylvio ou Caroço) e Torraca (Protto ou Alvinho).

Time de 1930: Euro (Manoelzinho); Ultramar (Waldemar) e Palmeira (Norival ou Augusto); Washington (Ratão), Amâncio (Ultramar) e Venicio (Napoleão); Alvinho (Torraca), Athayde (Pessoa ou Waldemar), Luiz (Pery ou Álvaro), Campista (Augusto), Oscar (Pequenino) e Taquara (Bias).

Time de 1931: Euro (Oswaldo); Waldemar (Manoelzinho ou Ferreira) e Palmeira (Ultramar); Pará, Napoleão (Messias) e Fiorentino (Guerra ou Zico); Louveira (Loureiro), Zé Luiz, Goulart, Luiz (Mario) e Álvaro II. Reservas: Euro, Lourival, Amâncio, Alvinho, Mendonça, Ribeiro e Bias.

Time de 1932: Manoelzinho; Arthur e Waldemar; Lourival, Pará e Chaves; Vinicio, Loureiro, Sylvio, Goulart e Gradim. Reservas: Ultramar, Álvaro e Alvinho

Time de 1933, 1934 e 1935: Não disputou.

Time de 1936: Euro (Antonio); Lazaro e Altair; Thadeu (Lino ou Tinoco), Isaac (Mimosa) e Elliot (Mario Pinho); Ultramar (Pomba), Waldemar (Zazá), Goulart (Caio ou Arriaga), Jaburu (Jarbas ou Pixinha) e Bias (Alípio).

Time de 1937: Euro (Antonio); Lazaro e Altair; Thadeu (Lino ou Tinoco), Isaac (Mimosa ou Walfredo) e Elliot (Mario Pinho); Ultramar (Pomba), Waldemar (Zazá), Goulart (Caio ou Arriaga), Jaburu (Jarbas ou Pixinha) e Bias (Alípio ou Álvaro).

Time de 1938: Jaguaré (Antonio); Lazaro e Altair; Walfredo (Cito ou Chimbi), Archeti (Ratto ou Duca) e Elliot (Monteiro); Waldemar (Joãozinho), Gualter (Zizo), Ismael (Sylvio ou Zazá), João (Bentevengo ou Antônio) e Bias (Simas ou Luiz). Capitão: Joãozinho.

FONTES: Diversos jornais cariocas

Sport Club Mackenzie – Rio Janeiro (RJ): fundado em 1914, nas cores roxa e branca!

Texto, pesquisa, desenhos (escudo e uniforme): Sérgio Mello

O Sport Club Mackenzie é uma agremiação do bairro do Méier, situado na Zona Norte, da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Um clube com uma história riquíssima, entre descobertas inesperadas, como o clube ter surgido com outra cor, e, talvez ele seja mais antigo, tendo nascido com outro nome.       

No futebol, jogou a Primeira Divisão (de 1921 a 1924), Segunda e Terceira Divisões; participações com destaque no Basquete (campeão em 1984); Futsal, sendo campeão Metropolitano em 1975; Natação, entre outros. Vamos contar um pouquinho desse imponente clube do querido bairro do Méier!  

História: O começo

Um grupo de rapazes fundaram no sábado, do dia 1º de Junho de 1912, o Odeon Foot-Ball Club, cuja Sede e a Praça de Esportes ficavam situados na Rua Salvador Pires (esquina com a Rua Getúlio), nº 21, em Todos os Santos (atual: Méier).

Essa equipe foi o embrião do Mackenzie. A 1ª pista veio no sábado, do dia 1º de Novembro de 1913, quando o jornal O Imparcial colocou uma nota sobre a eleição que definiu a nova diretoria desse clube.

E, dos membros citados, oito fizeram parte da grupo que ajudou a fundar o Sport Club Mackenzie, 135 dias depois: José Rabello Leite Júnior (presidente reeleito em novembro de 1913), Alfredo José Gonçalves Ribeiro (vice-presidente), Thomaz Amaral de Vasconcellos (secretário e depois 1º Tesoureiro), Antonio de Mello Catalão (2º secretário e zagueiro), Floriano Lopes Rodrigues (1º Tesoureiro), Euclydes José Ferreira (Captain geral), Mathias Pinto Ribeiro (Captain do 1º Team), Jayme Ribeiro (ground committée).

No time Infantil do Odeon, alguns jogadores que depois jogaram no time de adulto do Mackenzie: Floriano, Oswaldo e Guaracy. Além de tudo isso, outros dois fatos que chamam a atenção: José Rabello Leite Júnior que era o presidente do Odeon também se tornou o 1º presidente do Mackenzie!  

Outro fato é que a Praça de Esportes (Rua Salvador Pires) do Odeon depois passou a ser do Mackenzie. E, somado tudo isso, o Odeon FBC foi dissolvido em fevereiro de 1914, e, no mês seguinte, veio surgimento do Mackenzie.   

Nasce o Sport Club Mackenzie

O “Alvinegro Mackenzista” foi Fundado na tarde de domingo, do dia 15 de Março de 1914, por um grupo de 14 desportistas do bairro do Méier, da zona Norte do Rio:

Alfredo José Gonçalves Ribeiro, Álvaro Valverde, Arydeu Telles de Souza, Benjamin Blume, Cícero Roberto de Oliveira, Dario Xavier de Brito, Euclydes de Carvalho, M, Floriano Lopes Rodrigues, Floriano Xavier de Brito, Jayme Ribeiro, José Rabello Leite Júnior, Thomaz Amaral de Vasconcellos e Tobias Rabello Leite.

A 1ª Assembléia foi realizada no prédio da Rua Getúlio, nº 153, no Meyer (atualmente: bairro de Todos os Santos). Na ocasião foi definidos a diretoria provisória, com os seguintes associados:

Presidente – Dario Xavier de Brito;

Secretário – Floriano Xavier de Brito;

Thesoureiro – Euclydes José Ferreira;

Capitain – Octacílio Braz.

Esse grupo foi responsável em organizar, a fim de que fosse definido a 1ª Diretoria do clube. Isso aconteceu no domingo, do dia 09 de Agosto de 1914, onde ficou constituída dessa forma:

Presidente – José Rabello Leite Júnior;

Vice-Presidente – Floriano Xavier de Brito;

Secretário – Antonio Janorot;

Thesoureiro – Tobias Rabello Leite;

Capitain – Octacílio Paz.

Você Sabia? 1º Uniforme: roxo e branco

Vida Sportiva (RJ) 1918

Na mesma reunião que definiu a primeira diretoria, foram escolhidas as cores roxa e branca para os uniformes dos jogadores, assim distribuídas: calção branco e jaqueta roxa.

Não foi possível descobrir, com exatidão, quando o clube alterou as suas cores. A data mais próxima, em 25 de abril de 1916, quando foi encontrado a menção do Mackenzie, sendo citado por alvinegro.

Nome foi uma homenagem ao clube paulista Mackenzie College

O nome do clube escolhido, foi uma sugestão de um dos fundadores: o Sr. Benjamim Blume, que propôs o Mackenzie, em homenagem a agremiação futebolística e tradicional instituição paulista da Associação Athletica Mackenzie College. A ideia foi colocada em votação e acabou sendo aprovado na assembléia geral.

Sedes Sociais

A 1ª Sede foi da Rua Salvador Pires (esquina com a Rua Getúlio), nº 21, em Todos os Santos (atual: Méier), que pertencia ao Odeon Football Club. A 2ª Sede era na Rua Ferreira de Andrade, nº 99 (atualmente no local há vários imóveis, inclusive a Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida), no Méier.

A partir de 1917, a Sede social fica até os dias de hoje, na Rua Dias da Cruz, nº 561, no bairro do Méier. É importante esclarecer que: com o passar dos anos, o número (começou com o 107), foi mudando (153, 156, 177), de acordo com o crescimento do bairro. Em abril de 1947, o Mackenzie comprou o terreno do lado da sede, onde foi construído o ginásio.

O clube chegou a ter Sub-sedes, como em 1928, localizado na Aristides Caire (do lado da linha do trem), nº 5, no Méier. Em 1929, alterou a entrada do local, passando para a Rua Arquias Cordeiro, nº 434, no Méier.

Em novembro de 1930, a Sub-Sede passou para o palacete da Rua Mossoró, nº 17 {esquina da Rua Imperial (atual: Rua Aristides Caire)}, no Méier.

No sábado, do dia 30 de Janeiro de 1932, nova mudança: inaugurou a sua Sede (na realidade uma Sub-Sede), na Rua Aristides Caire, nº 162 ou 221, no Méier.

Em 1934, o local possuíam: salão de festas (lindamente decorado), biblioteca, sala da diretoria, secretaria, salão de leitura, bar, vestiários para damas, além de dois confortáveis salões para banho, com todos os aparelhos sanitários exigidos pelo Departamento Nacional de Saúde Pública.

Circunda sua Sede uma vasta varanda que serve de descanso durante os intervalos das contradanças, tendo ainda um parque de diversões, com balanços, etc., para os filhos dos associados e crianças que freqüentavam a sede.    

Praças de Esportes

1914 – A 1ª Praças de Esportes, ficava na Rua Salvador Pires, nº 21 (esquina com a Rua Getúlio), na Estação de Todos os Santos (Atual: Méier). No domingo, do dia 29 de Novembro de 1914, O Imparcial deu uma nota, citando um jogo amistoso entre o Mackenzie e o Sport Club Bohemios.

Na preliminar entre os Segundos Quadros, terminou empatado em 1 a 1. Já no Primeiro Quadros, o Mackenzie atropelou seu adversário pelo placar de 10 a 3.

1916 – o campo do Mackenzie ficava na Rua Mauá (atual Rua Ferreira de Andrade, situado no bairro Cachambi), na estrada do Meyer. Na temporada seguinte mudou de endereço.

1917 – Na tarde de domingo, do dia 16 de Setembro de 1917, o clube inaugurou a sua Praça de Esportes, no Cachambi (hoje é um bairro, mas na época fazia parte do bairro do Méier).

Às 10h30min, o Mackenzie enfrentou o Sport Club Rio de Janeiro. No Segundo Quadros, o time Mackenzista venceu por 4 a 2. Já no 1º Quadros acabou derrotado pelo placar de 1 a 0.

O 1º Quadros formou assim:Ivan de Vasconcellos; Othelo e Alfredo Silva; J. Silva, Hemeterio e Oswaldo; Mathias, Agenor, Gilberto, Murillo e Washington. Capital: Othelo Medeiros.

No jogo enfrentou de fundo, às 16 horas, o São Christovam (do Carioca da 1ª Divisão) venceu por 3 a 0, o Americano Football Club, do bairro Riachuelo, do Carioca da 3ª Divisão.

Um excelente público presente compareceu para o jogo. O Jornal do Brasil assim descreveu: “Revestiu-se de grande brilhantismo a festa sportiva. A concorrência era avultada, notando-se a presença de um número crescido de senhoritas que emprestaram o encanto de sua graça e a bizarria de seus trajes claros, ao aspecto de recinto em festa todo engalanado de bandeirolas.

Na sexta-feira, do dia 1º de Julho de 1927, a diretoria do Mackenzie estava em vias de obter o arrendamento de um terreno, localizado na Rua Jockey Club (atual: Rua Licínio Cardoso), nº 42, no bairro de São Francisco Xavier, a fim de construir a sua Praça de Esportes, cuja dimensão é de 120×90.

1930 – No domingo, do dia 20 de janeiro de 1929, foram iniciadas as obras para a construção do campo e também das quadras de voleibol, basquete e tênis. Cerca de 16 meses depois, a Praça de Esportes foi inaugurada, na terça-feira, às 14h40min., do dia 13 de Maio de 1930, com vitória do Olaria Atlético Clube sobre Mackenzie por 2 a 1. Gols de Norival e Vieira para os olarienses e Athayde para a equipe Mackenzista. O árbitro foi Haroldo Motta (do Mackenzie).

Mackenzie: Manoelzinho; Norival e Palmeira; Ultramar, Napoleão e Taquara; Waldemar, Athayde, Augusto, Luiz e Campista.

Olaria: Amaury; Campos e Aristeu (Nicanor); Aristolino, Bolinha e Claudionor; Fernando, Rubens, Horácio, Vieira e Norival.    

1938 – Na sexta-feira, do dia 29 de Julho de 1930, a diretoria confirmou o contrato de arrendamento do terreno situado na Rua Magalhães Couto, nº 92, no Méier, onde pretendem construir a sua nova Praça de Esportes, tendo o campo de futebol e também a quadra de basquete. A inauguração aconteceu na terça-feira, do dia 18 de outubro de 1938.

Mackenzie ajudou a fundar três Ligas

Na sexta-feira, do dia 28 de Maio de 1915, foi Fundado a Associação Carioca de Football (ACF), tendo a Sede provisória situado na Rua da Saúde, nº 333, no Centro do Rio.

Os clubes fundadores foram: Mackenzie, Pereira Passos Football Club, Municipal Football Club, Confiança Athletico Club, Avenida Football Club e Botafogo Athletico Club.

No ano seguinte, novamente o Mackenzie se fez presente e ajudou na fundação da Liga Municipal de Football (LMF), na quinta-feira, do dia 24 de Fevereiro de 1916 (no mesmo jornal O Imparcial, apresentou outra data de fundação: 13/03/1916), juntamente com Sport Rio Club, Verein Zur Bemegungispide, Club Sportivo Leme e Lisboa Rio Football Club.

No sábado, do dia 22 de Agosto de 1936, foi Fundado a Federação Athletica Suburbana (FAS), pelos seguintes clubes: Engenho de Dentro Atlético Clube (Engenho de Dentro), Sport Club Mackenzie (Méier), Del Castilho Football Club (Del Castilho), Modesto Football Club (Quintino), River Football Club (Piedade), Adélia Football Club (Engenho de Dentro), Sport Club Abolição (Abolição), Club Atlético Central (Engenho Novo), Mavílis Football Club (Caju), Sport Club Oposição (Pilares), Magno Football Club (Madureira) e Argentino Football Club (Cascadura).

Desempenho dentro das quatro linhas de 1914 a 1916

Em 1914, os jogadores mackenzistas realizaram 18 jogos, obtendo 15 vitórias e três derrotas. Podemos citar, no domingo, do dia 24 de Maio de 1914, o Mackenzie venceu o Universal Athletico Club.

E, no domingo, do dia 25 de Outubro de 1914, quando amistosamente, nos seus domínios, o Mackenzie goleou o São João Football Club pelo placar de 9 a 1. O Sr. Floriano Peixoto Xavier de Brito foi o árbitro da partida.

Em 1915, o nível dos seus adversários aumentou, mas o desempenho também: foram 23 jogos, com 16 vitórias, dois empates e cinco derrotas. Em 1916, ajudou a fundar a Liga Municipal de Football (LMF). No Campeonato da LMF foram quatro jogos, com duas vitórias e dois empates. No geral, sob a enérgica direção de Euclydes Ferreira, em 25 jogos, venceu 21 vezes e quatro empates, terminando a temporada sem derrota. 

Vice-campeão do Campeonato Carioca da 3ª Divisão de 1917

Em dezembro de 1916, se filiou na Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT). Em 1917, Othelo de Medeiros foi o capitão do Mackenzie na Liga Metropolitana.

Coube a Othelo o preparo dos conjuntos mackenzistas para a conquista da hegemonia divisional: o que foi extraordinário trabalho dos 22 jogadores de Jaqueta alvinegra, obteve vitória sobre o Esperança, na estreia do Torneio Início de 1917, por 1 a 0, gol de Washington.

No 2º jogo, diante do Hellenico, o Mackenzie venceu por 2 a 0, gols de Mathias e Heitor. Na semifinal, acabou sendo superado pelo Americano por 1 a 0 (gol de Coelho, de pênalti). Na decisão, o Americano e Tijuca empataram sem gols, mas os tijucanos venderam por 3 a 0, em escanteios, ficando com o título.

Ao todo, em 1917, Othelo com seus disciplinados, jogaram 32 vezes, onde conquistaram 22 vitórias, cinco empates e cinco derrotas; marcando 109 gols (média de 3,4 gols por partida)

No Torneio Início da LMDT de 1917, realizado no campo do Smart Athletico Club, em Villa Isabel, o Mackenzie não teve uma boa atuação. Porém, no Campeonato Carioca da 3ª Divisão de 1917, terminou como vice-campeão (26 pontos, em 16 jogos: 13 vitórias e três derrotas; 58 gols pró, 23 gols contra e um saldo positivo de 35), só atrás do Americano Football Club (bairro do Riachuelo), com 27 pontos, em 16 jogos: 12 vitórias, três empates e uma derrota; 64 gols a favor; 14 gols contra e um saldo pomposo de 50 tentos.

Vice-campeão nos Segundos Quadros de 1918

Nos Segundos Quadros, o Mackenzie também terminou em 2º lugar (23 pontos, em 16 jogos: nove vitórias, cinco empates e duas derrotas; 51 gols pró, 30 gols contra e um saldo de 21). O Campeão foi o Esperança (25 pontos, em 15 jogos: 11 vitórias, três empates e uma derrota; 49 gols pró, 17 gols contra e um saldo de 32).

Campeão da Taça Alfredo Siqueira de 1918

No domingo, do dia 27 de Janeiro de 1918, veio uma vitória se tornou celebre na vida desportiva do Mackenzie, sobre o Americano Football Club (bairro do Riachuelo), que vinha de conquistar o título da Terceirona na temporada anterior.

As duas equipes decidiram o título da Taça Alfredo de Siqueira, e a equipe mackenzistas bateu o seu oponente por 2 a 1. Esse jogo, foi realizado no Estádio General Severiano (de propriedade do Botafogo Football Club, atual Futebol e Regatas), na preliminar do amistoso internacional da Seleção Brasileira, que perdeu por 1 a 0 para o Dublin, do Uruguai.

Acesso inédito para a Segundona de 1918, veio com goleada de 10 a 1

Apesar de ter ficado na 2ª posição da Terceirona em1917, o Mackenzie precisou decidir o acesso com o Paladino Football Club, que ficou em último no Carioca da 2ª Divisão de 1917.  

A partida derradeira, aconteceu na tarde de domingo, às 14h45min., do dia 24 de Fevereiro de 1918, no Estádio de General Severiano, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio.

O Mackenzie não tomou conhecimento do adversário e aplicou uma sonora goleada de 10 a 1 (lembrando que o mesmo Paladino, dois anos antes aplicou uma goleada no Vasco da Gama pelo mesmo placar. Até hoje essa foi a pior derrota sofrida pelo clube de São Januário). Com esse triunfo, o clube do Méier conquistou o direto de disputar a Segundona da Metropolitana de 1918.

O grande nome do jogo foi o atacante Mathias, autor de seis gols; Guaracy marcou dois; Agenor e Washington  assinalaram um tento cada. Portella fez o único gol do Paladino.

Na etapa final, Mathias fez aos 2 e 7 minutos, marcando quarto gol do Mackenzie. Aos 17 minutos, Portella, de pênalti, fez o tento de honra do Paladino. Aos 21 minutos, adivinha quem fez o quinto gol? Mathias! Três minutos depois, Agenor fez o 6º gol.

Aos 34 minutos, Washington, cobrando pênalti, fez o 7º tento. Aos 36 minutos, foi à vez Guaracy elevar o marcador para 8 a 1. Era um gol atrás do outro e aos 37 minutos, o artilheiro da partida, Mathias fez o 9º gol. Aos 39 minutos, Guaracy aumentou o placar para dois dígitos, dando números finais ao jogo.

Mackenzie: Ivan de Vasconcellos; Othelo e Pinheiro; Hemeterio, Almeida e Oswaldo; Murillo, Guaracy, Mathias, Washington e Agenor. Capital: Othelo Medeiros.

Paladino: Fernando; Octavio e Fernando II; João, José e Jayme; Alberto, Rydio, Ferreira, Atila e Portella.

No primeiro tempo, o Mackenzie abriu o placar logo aos 3 minutos por intermédio de Mathias. Aos 28 minutos, novamente Mathias, cobrando pênalti, ampliou.

Debutou na Segundona de 1918, ficando com o vice-campeonato

No Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 1918, da LMDT, o Mackenzie terminou em 2º lugar, tendo o Americano Football Club (bairro do Riachuelo), como o campeão.

No geral na temporada, tendo como capitão, Othelo de Medeiros foram 23 vitórias e 101 gols marcados. O centroforward (atacante) Mathias foi o artilheiro do Mackenzie na temporada com 18 gols assinalados.

De novo: Vice-campeão da Segundona de 1919

O Sport Club Mackenzie no seu terceiro ano voltou a figurar na mesma posição! No Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 1920, da LMDT, terminou como vice-campeão. Lembrando que em 1917, ficou em 2º lugar na Terceirona, somando mais três vezes na Segundona.

Ao todo, foram 18 jogos oficias, com 14 vitórias e quatro derrotas (para Palmeiras, Americano e SC Rio de Janeiro). Além disso, triunfou três amistosos: Villa Isabel Football Club (Vila Isabel), Hélios Football Club (Catumbi) e Canto do Rio Football Club (Niterói).

No final da temporada, o capitão, Othelo de Medeiros solicitou licença, sendo substituído pelo desportista Euclydes Motta, então vice-diretor esportivo do clube Mackenzista.

Tri-vice da Segundona em 1920

No Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 1919, da LMDT (Liga Metropolitana de Desportos Terrestres), novamente o Mackenzie bateu na trave! Ficando com o vice-campeonato, pelo terceiro ano consecutivo.

O Mackenzie fechou com 24 pontos (18 jogos, com 10 vitórias, quatro empates e quatro derrotas; marcando 51 gols, sofrendo 31 e um saldo positivo de 20) juntamente com o Americano (24 pontos em 18 jogos: com 11 vitórias, dois empates e cinco derrotas; marcando 51 gols, sofrendo 27 e um saldo positivo de 24). O Campeão foi o Carioca que somou 29 pontos (18 jogos, com 13 vitórias, três empates e uma derrota; marcando 52 gols, sofrendo 18 e um saldo positivo de 34).

Nos Segundos Quadros, o Mackenzie ficou na 4ª colocação (21 pontos em 18 jogos: com 10 vitórias, um empate e sete derrotas; marcando 52 gols, sofrendo 46 e um saldo positivo de seis). O Hellenico foi o Campeão com 32 pontos; o Vasco da Gama ficou com o vice (30 pontos) e o Rio de Janeiro em 3º lugar com 22.

Nos Terceiros Quadros, o clube do Méier também fechou na 3ª posição com 10 pontos; atrás do Rio de Janeiro em 3º lugar com 15; o Americano em 2º com 17; e o Campeão Hellenico com 23 pontos.