Arquivo da categoria: Hinos de Clubes

Esporte Clube Siderúrgica – Sabará (MG): Fundado em 1930

O Bicampeão Mineiro (1937 e 1964) é o Esporte Clube Siderúrgica uma agremiação do Município de Sabará, que fica a 15 km da capital (Belo Horizonte) do estado de Minas Gerais. Com uma população de 135.196 habitantes, segundo o IBGE/2016, o povo sabaraense tem como o seu maior orgulho o “Esquadrão de Ferro”, que foi Fundado no sábado, do dia 31 de maio de 1930, pelos funcionários da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira (criada em 11/12/1921), por isto o nome escolhido para o clube.

A equipe das cores azul e branco tem a sua Sede localizada na Rua da Ponte, s/n, no bairro de Siderúrgica, em Sabará (MG). Além do departamento de futebol, a meta era transformar o clube numa recreação esportiva para atender a toda família dos seus funcionários.

O Siderúrgica sempre se apoiou no apoio e patrocínio da Belgo-Mineira, e seu declínio está ligado ao fim de mesma. Seu Estádio Eli Seabra Filho, conhecido como “Praia do Ó” (capacidade para um mil pessoas), foi construído pela empresa siderúrgica em um terreno cedido pelo Recreio Club Siderúrgica, posteriormente inaugurado no domingo, do dia 26 de Agosto de 1934. A mascote escolhida foi a Tartaruga, desenhada pelo cartunista Mangabeira em 1943.

HISTÓRIA E GLÓRIAS

O clube disputou sua 1ª partida, ainda não como profissional, no domingo, do dia 17 de agosto de 1930, contra o Alves Nogueira Foot Ball Club. O jogo foi no campo do adversário e o Siderúrgica acabou derrotado.

Em 1931, se filiou a Liga Mineira de Desportes Terrestres (LMDT), e no ano seguinte, com o forte apoio da Belgo-Mineira, disputou e conquistou o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão de 1932. Em 1933, se profissionalizou e venceu, logo na sua estreia, o poderoso Palestra Itália (atual Cruzeiro) pelo placar de 2 a 1.

TÍTULO INÉDITO DA ELITE DO FUTEBOL MINEIRO DE 1937

Em 1937, alcançou uma de suas mais importantes glórias: a conquista do Campeonato Mineiro da Primeira Divisão. Na decisão venceu o tradicional Villa Nova, em um jogo desempate, contando com a sorte também já que o rival perdeu um pênalti importantíssimo. Teve o artilheiro da competição, Arlindo com 10 gols.

O time base: Tonho, Rômulo Januzzi, Ferreira, Chico Preto, Mascote, Paulo Florêncio, Moraes,Geraldo Rebelo, Chiquinho, Arlindo e Princesa.

Nos anos seguintes manteve seu sucesso nos gramados mineiros, vencendo jogos importantes contra rivais tradicionais de Belo Horizonte e se sagrando vice-campeão do torneio regional em 1936, 1938, 1941, 1950, 1952 e 1960. Em 1942, teve a honra de ceder à Seleção Brasileira, para disputa do Sul-americano, seu meio de campo e destaque do time Paulo Florêncio.

Manteve outras atividades além do futebol, tendo êxito nas modalidades de basquetebol, voleibol, tênis e futebol de salão. Este último sendo campeão estadual em 1960 e 1962.

BICAMPEÃO MINEIRO DE 1964

Em 1964, sagrou-se campeão mineiro pela 2ª vez e o último campeão mineiro antes da “Era Mineirão”. Durante a campanha deixou para trás rivais fortíssimos, como o Cruzeiro de Tostão, o decacampeão mineiro América e o tradicional Atlético Mineiro. Na final, venceu o América fora de seus domínios por 3 a 1, no estádio Otacílio Negrão de Lima, o Alameda (estádio atualmente extinto).

O time campeão, comandado pelo lendário técnico Yustrich: Djair; Geraldinho, Chiquito, Zé Luiz e Dawson Laviolla; Edson e Paulista; Ernani, Silvestre, Noventa (Aldeir) e Tião Cavadinha.

Esta conquista rendeu uma simpática marchinha, entoada pelos torcedores: “(…) Não tem, não tem/ não tem Galo, nem Raposa e nem Leão/ esse ano o negócio só vai bem/ pra Tartaruga do Napoleão (…)”.

Um causo citado sobre essa conquista, que teria acontecido, contra o Atlético Mineiro, entre o técnico Yustrich e o atacante Noventa merece ser esclarecido! O jogador sofreu uma fratura no braço e mesmo com uma tipóia, foi obrigado pelo treinador a jogar. Esse caso de fato aconteceu, mas não na conquista do Bicampeonato, mas sim no Estadual de 1965, dia do Galo.

Como campeão mineiro de 1964, coube ao Siderúrgica representar o estado na Taça Brasil de 1965. Jogando no recém-inaugurado “Mineirão”, o clube recebeu e venceu o Atlético-GO por 3 a 1, seguindo na competição até ser derrotado pelo Grêmio (RS).

DECLÍNIO E ATUAL SITUAÇÃO

Assim como seu meteórico sucesso, o declínio do clube foi algo rápido e intimamente ligado a parceria com a Belgo-Mineira. Em 1966, o Siderúrgica terminou em penúltimo lugar no torneio regional, escapando do rebaixamento, pois apenas o último colocado acabou caindo para a Segundona Mineira (no caso, o Esporte Clube Renascença).

Em 1967, devido à revolução industrial no Brasil, a empresa siderúrgica cessou o apoio financeiro ao Siderúrgica, terminando uma parceria que durava 34 anos de sucesso. Sem condições de se manter, o “Esquadrão de Ferro” pediu licenciamento a Federação Mineira de Futebol (FMF) e depois acabou extinguindo o departamento de futebol profissional, assim como muitos clubes conhecidos da época.

Siderúrgica e Atlético, anos 50. Estádio Praia do Ó em Sabará. O goleiro Dejair do Siderúrgica e o atacante Décio Simeão, Ubaldo do Atlético na jogada (Acervo de Procópio Cardoso).

Permaneceu desativado por 26 anos, e retornou, sem sucesso de outrora, mais três vezes no futebol profissional: 1993, 1997 e 2007. Em todos os casos, jogou o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão e não teve êxito, sempre terminando nas últimas colocações.

Em 2011, o clube novamente ativou seu departamento de futebol profissional e se inscreveu para a disputa do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão, organizado pela Federação Mineira de Futebol (FMF). No entanto, não obteve sucesso e foi eliminado ainda na primeira fase.

Em 2012, o Siderúrgica teve uma campanha fraca na Segundona Mineira, sendo eliminado ainda na 1ª fase e ficando na lanterna do grupo sem nenhuma vitória.

A falta de verbas do Siderúrgica impediram o retorno de uma equipe profissional para a Segunda Divisão em 2014, mantendo apenas seis equipes de base, nas categorias pré-mirim, mirim, infantil e juvenil. Como não podem usar o Estádio da Praia do Ó, treinam em uma escola estadual de Sabará.

O “Esquadrão de Ferro” retomou novamente as atividades em 2015, e para a disputa da Segunda Divisão, utilizou o Estádio Israel Pinheiro, em Itabira, para mando de suas partidas, o mesmo ocorrendo em 2016.

APÓS 31 ANOS, ENFIM, A VITÓRIA

A última partida que o Siderúrgica jogou ainda patrocinado pela Belgo-Mineira foi a vitória fora de casa contra o Renascença, em Belo Horizonte, na quinta-feira, do dia 08 de dezembro de 1966, porém a vitória não evitou o primeiro rebaixamento na história da Tartaruga.

Como time profissional, a equipe sabarense voltou a campo apenas em 1993, com uma campanha pífia, aonde em sete jogos, a Tartaruga perdeu seis e empatou um jogo. Depois disso, o time só voltou a disputar um campeonato profissional em 1997, a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, aonde novamente fez uma campanha pífia, com oito jogos, perdeu 4, empatou 2 e venceu 2.

A primeira dessas duas vitórias aconteceu no domingo, do dia 20 de Julho de 1997, 2 a 1 para cima do Fabril, quase 31 anos depois da sua última vitória. A segunda vitória aconteceu no domingo, do dia 31 de agosto de 1997, 4 a 2 em cima do Esportivo de Passos.

NOVO JEJUM DE VITÓRIAS

Essa foi a última vitória até hoje a nível profissional do Siderúrgica, sendo que o último jogo de 1997 ele empatou em 1 a 1 com o Aciara em Ipatinga. O próximo campeonato profissional que a equipe disputou, o da Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, foi em 2007 e depois jogou as edições de 2011, 2012, 2015 e 2016.

As campanhas foram as seguintes: 2007: 8 jogos, 4 empates e 4 derrotas; 2011: 6 jogos: 1 empate e 5 derrotas; 2012: 6 jogos: 1 empate e 5 derrotas; 2015: 8 jogos: 2 empates e 6 derrotas e em 2016: 8 jogos: 2 empates e 6 derrotas, o que dá um jejum de 19 anos sem vencer ou 37 jogos profissionais seguidos sem vencer, o que é o jejum mais longo da história do clube se for levado como consideração o número de partidas sem vencer.

HINO DO E.C. SIDERÚRGICA

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

A tartaruga anda devagar,
Mas neste passo comanda o pelotão,
Ninguém consegue acompanhar.
A Tartaruga do Napoleão.
Não tem, não tem.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

Não tem, não tem
Não tem pro Galo, nem Raposa, nem Leão
Este ano o negócio só vai ser,
Pra Tartaruga do Napoleão.

A tartaruga anda devagar,
Mas neste passo comanda o pelotão,
Ninguém consegue acompanhar.
A Tartaruga do Napoleão.
Não tem, não tem.

Link do Hino, no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=iTZU13C21zk

TRIBUTO

Essa postagem é um tributo ao jovem Mateus Gomes Rossi, geólogo formado na USP, mestrando da COPPE-UFRJ, e dono do blog “Do Capotão ao Couro”, que faleceu prematuramente em 22 de dezembro de 2016 aos 29 anos.

Um agradecimento especial ao pai do Mateus: Sr. Marcelo Rossi, que gentilmente enviou o primeiro trabalho de pesquisa: Esporte Clube Siderúrgica de Sabará.

FONTES: Wikipédia – O Estado de Minas – Mateus Gomes Rossi – Marcelo Rossi  

FOTOS: Página do clube no Facebook – sabaranet.com – Acervo de Guilherme L. de Oliveira

Sousa Esporte Clube – Sousa (PB): 1º Escudo de 1991 a 1993

O Sousa Esporte Clube é uma agremiação da cidade de Sousa (PB). O “Dinossauro Verde do Sertão” foi Fundado na quarta-feira, do dia 10 de Julho de 1991, a data (dia e mês) corresponde ao aniversário da cidade de Sousa. A mascote do Sousa é um dinossauro devido no século XIX na região ter encontrado pegadas desses animais extintos a milhões de anos. Por isso, o mascote passou a ser um dinossauro.

A patrocinadora na camisa do Sousa Esporte Clube (foto abaixo) era a SAELPA (Sociedade Anônima de Eletrificação da Paraíba). Era uma sociedade de economia mista estadual, formada sob a forma de sociedade anônima de capital fechado. Em 2000, foi privatizada, alterando o nome para Energisa Paraíba.

A sua Sede fica localizada na Rua Feliz Sucupira de Quieroga, nº 03, no Bairro Jardins, em Sousa. A equipe manda os seus jogos no Estádio Municipal Governador Antônio Mariz, o “Marizão” com Capacidade para 13 mil pessoas, que foi construído em 1994. Entre 1991 a 1993, a equipe mandava os seus jogos no município de São Gonçalo, que fica a 18 km de Sousa.

O Sousa começou a competir profissionalmente no Campeonato Paraibano da Segunda Divisão de 1991, e de cara se sagrou campeão. Ficou por 2 anos com participações razoáveis na Série A. Esteve prestes a não disputar o Campeonato Paraibano de Futebol de 1994.

Conseguiu se arrumar na última hora e foi recompensado com o título do ano, tornando-se a 1ª equipe do Sertão a conquistar o Paraibano, fora da ligação João Pessoa-Campina Grande. Em 1995, foi vice-campeão paraibano, perdendo para o Santa Cruz-PB da cidade de Santa Rita, situada na região metropolitana de João Pessoa, time esse que viria a se tornar bicampeão em 1996.

O Sousa ainda disputou a Copa do Brasil de 1995, sendo eliminado (mas com dignidade) pelo Flamengo (RJ). Perdeu os dois jogos por 1 a 0. Na Série C do Brasileirão, o Dinossauro teve uma participação razoável em 1994, mas em 1995 ficou em 23º lugar na competição, fazendo assim sua melhor classificação em torneios de porte nacional na história.

Depois disso, o Sousa amargou disputas para fugir do rebaixamento. Na Elite Paraibana, o time chegou ao “fundo do poço” em 2005, quando venceu apenas três partidas de 14 disputadas. No ano seguinte melhorou um pouco: venceu cinco partidas de 16 disputadas.

A partir de 2007 o Sousa fez as pazes com as grandes campanhas, chegando à final do 1º turno e à semifinal do 2º, garantindo o 3º lugar. Em 2008 disputou a Copa do Brasil, sendo eliminado pelo Vitória (BA) pelo placar de 4 a 1 em casa.

Ficou em terceiro mais uma vez no estadual, chegando às finais dos dois turnos e perdendo para Treze e Campinense. Venceu os dois clássicos contra o Atlético de Cajazeiras: 3 a 1 em Cajazeiras e 1 a 0 em Sousa.

Fez um primeiro turno impecável, com oito vitórias, quatro empates e apenas uma derrota. No segundo turno, apareceram duas derrotas, mas nada que impedisse o avanço da equipe. No somatório geral, foram 26 partidas, com 15 vitórias, seis empates e cinco derrotas.

Em 2009, a equipe finalmente chegou ao bicampeonato, vencendo o Treze na final, garantindo assim uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro do mesmo ano, torneio este que preferiu não participar, cedendo assim sua vaga ao Treze Futebol Clube.

Com o título, conquistou ainda a vaga na Copa do Brasil de 2010 onde enfrentou o Vasco da Gama na primeira fase, tendo de mandar seu jogo, mais uma vez, no estádio “O Almeidão“, em João Pessoa onde saiu derrotado por 2 a 1, depois de estar vencendo, com gol do meia “Ribinha”, garantindo assim o jogo de volta em São Januário, jogo este que terminou empatado por 0 a 0.

No ano de 2012 sagrou-se campeão do Segundo turno do campeonato Paraibano, vencendo o Campinense Clube na decisão, no entanto na finalíssima do campeonato, perdeu para o mesmo Campinense, ficando com o vice-campeonato, o que lhe assegurou a vaga no Campeonato Brasileiro da série D daquele ano.

Participou ainda do Campeonato Brasileiro da série D em 2016, sendo eliminado ainda na primeira fase. Fez uma má campanha no Campeonato Paraibano de 2017, ficando na sexta colocação. Disputou ainda o Campeonato Brasileiro da Série D do mesmo ano, conseguindo sua classificação para a segunda fase, porém sendo eliminado nesta.

 

Hino do Sousa Esporte Clube (PB)

Nós somos o Sousa Esporte Clube,
Nós somos o eterno campeão
Nós somos o Sousa Esporte Clube,
Somos o Dinossauro do sertão

Hoje, a cidade sorriso
É berço de harmonia e de alegria,
E o toque de bola no gramado,
De futebol com
Classe e categoria

No bico da chuteira leva o coração,
Batendo forte nós somos campeões!

No peito e na raça,
Com a bola no pé,
Já tendo a certeza de um grande olé,
No peito e na raça,
Com a bola no pé,
Já tendo a certeza de olé

O Sousa Esporte Clube expressam alegria,
Seu futebol é raça,
É arte e magia
Nossa camisa é sangue explode coração
Nosso grito de guerra é pura emoção!

Sou, sou Dinossauro eu sou,
A gente vai ganhar
E ninguém vai nos segurar,
Sousa! Sousa!
Sou, sou Dinossauro eu sou,
A gente vai ganhar
E ninguém vai nos segurar,
Sousa! Sousa!

Link: https://www.youtube.com/watch?v=ZX-fqojprmw

FONTE: Wikipédia

FOTO: Página do Facebook “Evandro Viana:  E a Bola – Memórias do Nosso Futebol Nordestino”

Associação Atlética Coruripe – Coruripe (AL): Diversas participações na Elite do Futebol Alagoano

Associação Atlética Coruripe é uma agremiação da cidade de Coruripe, no litoral Sul do Estado de Alagoas. O “Hulk Praiano” foi Fundado no sábado, do dia 1º de Março de 2003. As suas cores: verdeamarelo e branco. A sua Sede fica localizado na Rua Floriano Peixoto, nº 160 A, no Centro da cidade. O Coruripe manda os seus jogos no Estádio Municipal Gerson Amaral, com Capacidade para 6 mil pessoas.

Como tudo começou

Em 2002, a cidade de Coruripe foi convidada para disputar o campeonato de futebol da AMA (Associação dos Municípios de Alagoas). O convite foi aceito, e logo depois foi montada a Seleção Coruripense, que entrou no torneio sem grandes pretensões mas aos poucos conseguiu avançar e ao final saiu com o merecido título.

No ano seguinte, em 2003, a Seleção Coruripense voltou ao campeonato da AMA, voltou a fazer uma boa campanha e ficou com 3º lugar. Ainda em 2003, um homem de Teotônio Vilela, cidade vizinha, resolveu pedir o campo da Seleção Coruripense emprestado para que seu time, o Teotônio disputa-se o Campeonato Alagoano da 2ª divisão profissional. O responsável, Roswellington Tavares “O Pato” relatou para o então secretário de esportes da época, Maykon Beltrão.

Fundação

Maykon Beltrão vendo a possibilidade de uma equipe profissional na cidade, se juntou com o pai, Sr. João Beltrão e os mesmos tiveram a iniciativa de também colocar uma equipe para a disputar a segunda divisão.

Um dos fatos que mais pesou na decisão dos gestores, foi o grande número de espectadores que acompanhavam as partidas do time amador. Com um time profissional, a cidade ganharia mais visibilidade no estado, além servir como uma forma de lazer para a população.

Com apoio e dicas do clube/empresa Corinthians-AL, que ajudou a inexperiente diretoria a aprender um pouco sobre o mundo do futebol. O Coruripecomeçou a se planejar e montou um time forte, já visando o acesso a elite do futebol alagoano.

Estreia oficial

No dia 15 de junho de 2003 a Associação Atlética Coruripe entrou em campo pela primeira vez para disputar uma partida oficial. A partida aconteceu diante do Bandeirante, pela primeira rodada do grupo A da Segundona 2003. Em campo o Coruripe venceu por 2 a 0, com dois gols marcados pelo jogador Araújo (Vovô), aos 21 e 39 minutos do segundo tempo, cravando assim seu nome na história do verdão.

Principais fatos históricos

2003 – É campeão do Campeonato Alagoano da Segunda Divisão e promovido à primeira divisão

2004 – Surpreende a todos e é finalista do Campeonato Alagoano, mas perde o título para o Corinthians Alagoano. Disputa pela primeira vez o Campeonato Brasileiro – Série C e a Copa do Brasil.

2005 – É novamente finalista do Campeonato Alagoano e perde para o ASA na final

2006 – Derrota o CSA na final e conquista o título inédito do Campeonato Alagoano

2007 – Derrota o ASA na final e conquista o bicampeonato estadual. Nesse mesmo ano faz sua melhor campanha na Série C, tendo terminado em 3° colocado em seu grupo.

2011 – Faz boa campanha no Campeonato Alagoano e chega à final, mas perde o título para o ASA.

2012 – É rebaixado para a Segunda Divisão após uma péssima campanha no Campeonato Alagoano.

2013 – É vice-campeão do Campeonato Alagoano da Segunda Divisão e promovido à primeira divisão.

2014 – Surpreende a todos e conquista o título estadual sobre o CRB, até então bicampeão no estado (2012 e 2013). No mesmo ano disputou o Campeonato Brasileiro – Série D.

2015 – Vence o CSA nos dois jogos da semifinal do Estadual e elimina o time azulino do restante da temporada. Volta a enfrentar o CRB na final, só que desta vez é derrotado por 2×0 no Estádio Rei Pelé e perde o título. Na Copa do Brasil chega à segunda fase, mas é eliminado pelo Cuiabá. Na Série D foi eliminado nas oitavas de final pelo São Caetano.

2016 – É semifinalista do Campeonato Alagoano, mas é eliminado pelo CRB e perde a disputa do terceiro lugar para o Murici, ficando sem a vaga para a Série D.

2017 – No Campeonato Alagoano da 1ª Divisão, o Coruripe não fez uma boa campanha. Dentre as dez equipes participantes, o clube terminou na 8ª colocação, escapando por pouco do rebaixamento. O Sete de Setembro (9º lugar) e Miguelense (10 e último colocado) foram as equipes que desceram para a Segundona Alagoana, em 2018.

HINO – Associação Atlética Coruripe

“Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

Na segundona em 2003, o Coruripe foi a grande sensação.

pois jogando o fino da bola, foi fazendo escola,

vai ser

nosso campeão…

 (refrão) Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

 Com bira e beltrão no comando, e o açúcar

Coruripe no coração,

a seleção alvi verde vai ganhar o passaporte pra primeira divisão.

Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor.

 (refrão) Alvi verde eu sou, com todo o meu amor

Coruripe eu sou, por que ele retribui o meu amor”.

 

 LINK:  https://www.youtube.com/watch?v=MJn6tbE0vIU 

 

FONTES: Wikipédia – YouTube – Página do clube no Facebook – Federação Alagoana de Futebol (FAF)

Escudos do fim de 70 e início dos anos 80: Trem Desportivo Clube – Macapá (AP)

Modelo da década de 70

Trem Desportivo Clube é uma agremiação esportiva brasileira, sediada na cidade de Macapá, capital do estado do Amapá, destacando-se no futebol. O clube foi fundado em 1 de janeiro de 1947, sendo seus principais fundadores os ferroviários Bellarmino Paraense de Barros, Benedito Malcher, os irmãos Osmar e Arthur Marinho, Walter e José Banhos, além de outros.

Tendo sua sede situada num dos mais importantes bairros de Macapá, o Trem Desportivo Clube jáfoi por duas vezes campeão amapaense. Possui um invejável histórico no velho Copão da Amazônia. Foi pentacampeão de 1985 a 1989.

O diferenciado nome do clube nada mais é do que uma homenagem ao bairro onde foi fundado e a profissão exercida por seus fundadores, todos eles ferroviários. Este, por sua vez , recebeu o nome no início do século XIX. Naquela época, foram encontrados na Avenida Feliciano Coelho de Carvalho vestígios de alguns trilhos de trem, que possivelmente serviram como meio de transporte do material para a construção da cidade.

O Trem já foi por 5 vezes campeão amapaense e possui um ótimo histórico na antiga Torneio da Integração da Amazônia ou Copão da Amazônia, onde o time foi pentacampeão de 1985 a 1990. O Torneio Integração da Amazônia foi uma das antigas competições regionais disputadas no Brasil. Era composto por participantes dos estados do AcreAmapáRondônia e Roraima. O Trem é o clube que mais vezes foi campeão entre todos os Estados com 5 títulos e em segundo lugar o Rio Branco-AC com 3.

No profissionalismo, o Trem passou a enfrentar diversas dificuldades. Afastado de 1994 a 1999, o clube ensaiou a possibilidade do seu retorno ao futebol profissional em 2001, mas preferiu esperar um pouco mais e continuou trabalhando no seu projeto de restauração do clube.

Atualmente, o clube do Trem é o mais bem estruturado do estado do Amapá. Em um acordo com o governo do Estado, restaurou o seu ginásio poliesportivo, que além da quadra para a prática de esportes, possui dormitório para os atletas. A sede campestre também sofreu reformas e está em condições para uso. É nela que os jogadores de futebol do clube treinam, quando estão em atividade. No ano de 2011, a “Locomotiva” pretende inaugurar o seu estádio e assim se tornar o único clube do Amapá com estádio próprio.

No ano de 2007, o Trem conseguiu sagrar-se campeão estadual profissional, depois de mais de 20 anos sem levantar a taça e em 2010 tornou-se bi-campeão do campeonato profissional vencendo os dois turnos sob o comando da presidente Socorro Marinho e do técnico Roberto Foguetinho. Em 2011, a Locomotiva levantou mais um caneco tornando-se tricampeã do futebol profissional amapaense novamente com Socorro Marinho e com o técnico Fran Costa.

Socorro Marinho tem adotado uma política de valorização das categorias de base para que os jogadores formados no Trem sejam aproveitados no profissional, além de priorizar contratações de jogadores que residam no Estado do Amapá.

HINO DO TREM DESPORTIVO CLUBE

O brilhar de cincos estrelas rubro negras altaneiras
Contam glórias do poderoso Trem
Revela a alegria, a paixão incontida
E excita o meu coração
Trem expresso poderoso
Por trilho vigoroso
Construistes tua escolha
Trem bala que atropela adversários
Na quadra ou no gramado é sempre vencedor
Trem dos bailes de salão
O som de uma orquestra anima o folião
Não é somente um time
És um clube vibrante e poderoso
Maior dos maiorias
Trem tu és meu o enredo
Tu és meu o apego
Tu és minha paixão
Quando fechar meus olhos
Direi ao criador
“Com sua licença,
Sou rubro negro amapaense
Com muito amor”.

Link para escutar o Hino: https://www.youtube.com/watch?v=v7O6Xphj1V8

 

  • Copa do Brasil:
  • 1993 (primeira fase: Trem 0 x 5 Remo-PA/ Remo-PA 2 x 0 Trem) – Colocação final: 31º colocado (32 clubes);
  • 2008 (primeira fase: Trem 0 x 0 Paraná/ Paraná 4 x 0 Trem) – Colocação final: 50º clocado (64 clubes);
  • 2011 (primeira fase: Trem 2 x 1 Náutico-PE/ Náutico-PE 6 x 0 Trem) Colocação final: 40º clocado (64 clubes);
  • 2012 (primeira fase: Trem 0 x 5 ABC). Colocação final: 63º colocado (64 clubes);
  • Campeonato Brasileiro Série C:
  • 2004 (primeira fase: Roraima 1 x 1 Trem/ Trem 0 x 0 Roraima – segunda fase: Trem 0 x 1 G. Coariense – AM/ G. Coariense – AM 3 x 2 Trem) – Colocação final: 31º colocado (60 clubes).
  • Campeonato Brasileiro Série D:
  • 2011 (primeira faseTrem 2 x 1 Independente-PA/ Sampaio Corrêa-MA 5 x 0 TremTrem 2 x 0 São Raimundo/ Comercial-PI 1 x 0 TremTrem 1 x 1 Comercial/ São Raimundo-PA 2 x 2 TremTrem 1 x 0 Sampaio Corrêa-MA/ Independente-PA 1 x 0 Trem) – Colocação final: 23º colocado (40 clubes)
  • 2012.

Títulos

Estaduais

Outras Conquistas

Categorias de Base

  • No Sub-20 – campeão (2003, 2005,2006 e 2016) e vice-campeão (2007, 2011 e 2015).
  • No Sub-18 – campeão (2008) e vice-campeão (2009 e 2010).
  • No Sub-15 – campeão (2009).
  • No sub-13 – vice campeão (2011)
  • O Trem Desportivo Clube tem se apresentado nos últimos anos como o clube que tem a categoria de base mais forte do Estado do Amapá. De 2003 a 2011 a Locomotiva, no sub-18 e no sub-20, esteve presente em 8 finais e sagrou-se campeã 4 vezes.

FONTES: Wikipédia – Bola na Rede – Página do Clube no Facebook – Futebol Amapaense.ZipNet – YouTube – Blog Tribuna Amapaense

Foto Rara, de 1966: São Carlos Clube – São Carlos (SP): Diversas participações nas esferas profissionais

São Carlos Clube é um clube social, recreativo e esportivo da cidade de São Carlos, interior do Estado de São Paulo. Fundado em 9 de janeiro de 1944 da união entre o São Carlos Tênis Clube (fundado em 1920) e o Clube Comercial (fundado em 1936), dando origem ao atual São Carlos Clube. Suas cores são azul e branco

  • Em 25 de fevereiro de 1951 o São Carlos Clube e o Paulista Esporte Clube fundiram-se sob a denominação comum de São Carlos Clube e ficou consignado que o Estádio Paulista manteria o mesmo nome, e em 21 de março de 1951 houve a incorporação oficial ao Paulista Esporte Clube e toda a área onde o clube está instalado, em uma área de aproximadamente 135 mil m².
  • O clube possui uma sede na avenida São Carlos, que foi inaugurada em 18 de setembro de 1948 e que hoje é usada para eventos culturais e sociais da cidade.
  • Dentre todos os anos de existência deste clube social até hoje, destaca-se a promoção de atividades culturais organizadas pelos seus sócios e os famosos bailes (carnaval, debutantes, havaiano, reveillon e outros) no grande salão da Sede Avenida que outrora já foi palco grandes festas.

Futebol profissional

  • Quando da extinção do pioneiro do futebol profissional Bandeirantes, o São Carlos Clube, fundado em 9 de janeiro de 1944, clube da “elite” são-carlense entrou no futebol profissional em 1965 e tinha “personalidade” dentro e fora de campo. Disputou cinco campeonatos sucessivos na terceira e segunda divisões.

Mandava seus jogos no Estádio do Paulista, de sua propriedade e já remodelado. Em 1966 o clube inaugurou o sistema de iluminação para jogos noturnos, fez uma grande reforma no estádio com a ajuda da população da cidade, elevando a capacidade para 10 mil lugares, e trouxe o Palmeiras em 7 de agosto de 1966 par um jogo amistoso comemorativo que terminou empatado em 4 gols.

Nesse mesmo ano o clube subiu para a segunda divisão, onde permaneceu até 1969. Mas em 1970 o time saiu do futebol profissional não conseguindo colocar a cidade na primeira divisão, deixando saudade em toda a população. Hoje o estádio tem capacidade para aproximadamente 4.000 espectadores, pois foram demolidas mais da metade das arquibancadas, para construção de outros campos menores de futebol para uso dos sócios, ficaram somente a arquibancada coberta e a arquibancada da curva sul.

Participações

  • Terceira divisão 1965, 1966 – (1966 subiu para a segunda)
  • Segunda divisão 1967, 1968 e 1969 – (1970 clube saiu do futebol profissional)

Conquistas

Hino do clube no futebol

“A Águia da Paulista entrou em campo,

entrou em campo,

vestida de azul e branco,

de azul e branco,

o Gigante da 28 vai vibrar

e a torcida vai cantar:

São Carlos, São Carlos,

o clube do coração

avante São Carlos,

este ano serás o campeão!”

Jogadores que compunham o plantel de 1965 a 1967
  • Zagui(*), Zinho(*), Anisio, Motta, Pádua, Dirceu, Zequinha, Baltazar, Mário, Macalé(*), João Batista, Manezinho, Coelho, Itamar, Zé Carlos (Gasolina), Talin, Fidélis Bianchini(*), Laércio, Cairo, Adair e Valdir; Pedrinho, Laerte, Tinin, Roberto Colucci, Darcy, Ruy, Nogueira (Técnico: Manga e depois Zezé Procópio)
Time base de 1966
  • Zinho(goleiro), Motta(zagueiro e lateral direito), Laerte Ramos(zagueiro), Tinin(zagueiro e meio de campo), Baltazar(meio de campo) e Roberto Colucci(lateral esquerdo); Darcy(ponta direita), Ruy(ponta de lança), Cairo(centro avante), Adair(meia esquerda), Valdir(ponta esquerda).
Jogadores que compunham o plantel de 1967 e 1968
  • Baltazar, Pádua, Tinin, Dirceu, Detão, Anisio, Zinho(*), Roberto Colucci, Macalé(*), Guilherme (*), João Batista, Zequinha, Pádua, Mário, Manezinho, Nelson, Darcy, Nenê, Dirceu, Chiquinho, Ruy, Zé Carlos (Gasolina), Edson (Lumumba), Adair, Fernando Sátiro, Wander, Lelo, Alemão, Cláudio, Itajubá, Nê, e Valdir. (Técnico: Zezé Procópio e depois Pepino)
Jogadores que compunham o plantel de 1969
  • Pádua, Zequinha, Tinin, Zinho(*), Darci, Edson Pupin, Hélio(*), Sucena, Dicão, Alemão, Claiton, Fernando Sátiro, Dê Iembo, Nim, Nei, Polaco, Edson Pintinho, Zé Carlos, Vander, Germano Lance, Valdir. (Técnico: Profº Machado e depois Peru)
Diretoria
  • José Fernando Porto (presidente da época)
  • Mariano Marigo (diretor de futebol)
  • Pedro Eussiles Alonso (diretor e assessor de imprensa)
  • Irineu Walter Bellasalma (diretor esportivo)
Comissão técnica
  • Rubens (técnico) 1965 e 1966 (treinador)
  • Manga 1966 e 1967 (treinador)
  • Zezé Procópio 1967 e 1968 (treinador)
  • Ilzo Neri 1968 (treinador)
  • Pepino 1967 a 1968 (treinador e instrutor físico)
  • Profº Sebastião Machado da Silva 1969 (treinador e instrutor físico)
  • Peru 1969 (treinador)
  • Beto Mendonça (auxiliar)
  • Lello (auxiliar)
  • Dr. Abel Terrugi (médico)
  • Waldemar de Mattos (massagista)

Disputas de campeonatos ano a ano

Campeonato da Terceira Divisão de 1965 – 2ª Série
  • 13/06/1965 – São Carlos Clube 2×0 Inter Limeira (primeiro jogo profissional oficial do clube)
  • 20/06/1965 – Inter Bebedouro ?x? São Carlos Clube
  • 27/06/1965 – São Carlos Clube 1×1 Palmeiras-SJBV
  • 04/07/1965 – Ituveravense 2×0 São Carlos Clube
  • 11/07/1965 – São Carlos Clube 3×0 Orlândia
  • 18/07/1965 – Cerâmica Mogi 2×2 São Carlos Clube
  • 25/07/1965 – Monte Alto ?x? São Carlos Clube
  • 01/08/1965 – São Carlos Clube 4×0 Velo Clube
  • 08/08/1965 – Monte Azul 2×0 São Carlos Clube
  • 15/08/1965 – Inter Limeira 1×0 São Carlos Clube (2º turno)
  • 22/08/1965 – São Carlos Clube 2×1 Inter Bebedouro
  • 29/08/1965 – Palmeiras-SJBV 5×1 São Carlos Clube
  • 05/09/1965 – São Carlos Clube 4×1 Ituveravense
  • 12/09/1965 – Orlândia ?x? São Carlos Clube
  • 19/09/1965 – São Carlos Clube 4×0 Cerâmica Mogi
  • 26/09/1965 – Monte Alto 5×3 São Carlos Clube
  • 03/10/1965 – Velo Clube 2×3 São Carlos Clube
  • 10/10/1965 – São Carlos Clube 7×0 Monte Azul
Classificação
Campeonato da Terceira Divisão de 1966 – 4ª Série
  • 29/05/1966 – São Carlos Clube 4×4 Ituveravense (1º turno)
  • 05/06/1966 – Monte Azul ?x2 São Carlos Clube
  • 12/06/1966 – São Carlos Clube 4×0 Orlândia
  • 19/06/1966 – Catanduva 1×1 São Carlos Clube
  • 26/06/1966 – São Carlos Clube 3×1 Monte Alto
  • 03/07/1966 – Olímpia 0x0 São Carlos Clube
  • 10/07/1966 – São Carlos Clube 2×1 Palmeiras FC
  • 17/07/1966 – Folga
  • 24/07/1966 – Inter Bebedouro ?x2 São Carlos Clube
  • 14/08/1966 – Ituveravense 2×1 São Carlos Clube (2º turno)
  • 21/08/1966 – São Carlos Clube 5×0 Monte Azul
  • 28/08/1966 – Orlândia 6×1 São Carlos Clube
  • 05/09/1966 – São Carlos Clube 2×0 Catanduva
  • 12/09/1966 – Monte Alto ?x1 São Carlos Clube
  • 19/09/1966 – São Carlos Clube 1×0 Olímpia
  • 25/09/1966 – Palmeiras FC 3×1 São Carlos Clube
  • 02/10/1966 – Folga
  • 09/10/1966 – São Carlos Clube x Inter Bebedouro
Classificação
  • 20/11/1966 – Derac 0x0 São Carlos Clube (1ª Série – 2ª fase)
  • 27/11/1966 – São Carlos Clube 5×0 Caçapavense
  • 04/12/1966 – Volkswagen Clube 1×2 São Carlos Clube
  • 15/01/1967 – Inter Limeira 2×0 São Carlos Clube
  • 12/02/1967 – São Carlos Clube 5×0 Derac
  • 19/02/1967 – São Carlos Clube 4×0 Volkswagen Clube
    • 1ª Série
  • 26/02/1967 – Palmeiras 5×0 Portofelicense
  • 26/02/1967 – Volkswagen Clube 3×1 Derac
    • 2ª Série
  • 26/02/1967 – Orlândia 3×0 Ourinhense
  • 26/02/1967 – Fernandópolis 3×0 Dracena
  • 26/02/1967 – Piraju 2×0 Ituveravense
  • 26/02/1967 – Tanabi 3×0 Linense
    • 1ª Série
  • 05/03/1967 – Derac 2×1 Palmeiras
  • 05/03/1967 – São Carlos Clube 2×0 Inter Limeira
    • 2ª Série
  • 05/03/1967 – Linense 4×1 Dracena
  • 05/03/1967 – Piraju 3×1 Ourinhense
  • 05/03/1967 – Orlândia 6×1 Fernandópolis
    • 1ª Série
  • 12/03/1967 – Palmeiras-SJBV 2×0 São Carlos Clube
  • 12/03/1967 – Portofelicense 4×2 Volkswagen Clube
  • 12/03/1967 – Orlândia 7×1 Tanabi
    • 2ª Série
  • 12/03/1967 – Ourinhense 1×0 Fernandópolis
  • 12/03/1967 – Derac 3×1 Ituveravense
  • 12/03/1967 – Piraju 4×1 Linense
    • 1ª Série
  • 19/03/1967 – Inter Limeira 1×0 Volkswagen Clube
  • 19/03/1967 – Portofelicense 3×2 Derac
  • 19/03/1967 – Ituveravense 4×0 Orlândia
    • 2ª Série
  • 19/03/1967 – Fernandópolis 5×1 Linense
  • 19/03/1967 – Tanabi 1×0 Piraju
    • 1ª Série
  • 26/03/1967 – Derac 2×1 Inter Limeira
  • 26/03/1967 – São Carlos Clube 3×1 Portofelicense
  • 26/03/1967 – Orlândia 2×0 Dracena
    • 2ª Série
  • 26/03/1967 – Linense 4×3 Ituveravense
  • 26/03/1967 – Ourinhense 2×0 Tanabi
  • 26/03/1967 – Fernandópolis 6×0 Piraju
    • Finais
  • 02/04/1967 – Orlândia 1×1 São Carlos Clube
  • 03/04/1967 – Ituveravense 3×1 Inter Limeira
  • 09/04/1967 – São Carlos Clube 2×0 Orlândia
  • 09/04/1967 – Inter Limeira 3×1 Ituveravense
Classificação
  • Inter Limeira (campeão) – acesso
  • Ituveravense (vice-campeão) – acesso
  • São Carlos Clube (3º colocado) – acesso
  • Palmeiras-SJBV (4º colocado) – acesso
Campeonato da Segunda Divisão de 1967 – Primeira Série (Grupo B Paulo Machado de Carvalho)
  • 21/05/1967 – São Carlos Clube 1×0 Ponte Preta
  • 28/05/1967 – São Carlos Clube 6×1 XV de Jaú
  • 04/06/1967 – Ferroviária (Bot.) 0x0 São Carlos Clube
  • 11/06/1967 – São Carlos Clube 0x2 XV de Piracicaba
  • 18/06/1967 – Palmeiras (SJBV) 1×3 São Carlos Clube
  • 25/06/1967 – São Carlos Clube 3×1 Taubaté
  • 02/06/1967 – São Carlos Clube 1×0 Nacional
  • 09/07/1967 – Inter Limeira 1×1 São Carlos Clube
  • 16/07/1967 – São Carlos Clube 0x0 Estrada
  • 22/07/1967 – Jabaquara 2×0 São Carlos Clube (sábado à noite)
  • 30/07/1967 – São Carlos Clube 4×0 Saad
  • 06/08/1967 – Paulista 2×1 São Carlos Clube
  • 13/08/1967 – Esportiva 3×2 São Carlos Clube
  • 19/08/1967 – Ponte Preta 0x0 São Carlos Clube
  • 27/08/1967 – São Carlos Clube 6×0 São José
  • 03/09/1967 – XV de Jaú 0x1 São Carlos Clube
  • 10/09/1967 – XV de Piracicaba 2×0 São Carlos Clube
  • 17/09/1967 – São Carlos Clube x Palmeiras (SJBV)
  • 24/09/1967 – Taubaté 0x1 São Carlos Clube
  • 01/10/1967 – São Carlos Clube 1×0 Bragantino
  • 06/10/1967 – Nacional 2×0 São Carlos Clube
  • 15/10/1967 – São Carlos Clube 5×4 Inter Limeira
  • 22/10/1967 – Estrada x São Carlos Clube venceu
  • 29/10/1967 – São Carlos Clube 7×0 Jabaquara
  • 05/11/1967 – Saad 2×1 São Carlos Clube
  • 12/11/1967 – São Carlos Clube 1×0 Paulista
Classificação
  • XV Piracicaba 50
  • Paulista 46
  • Ponte Preta e São Carlos 34
  • Ponte Preta 33
  • Inter Limeira 29
  • Palmeiras (SJBV) 25
  • Ferroviária (Bot.) 19
  • XV Jaú 17
Campeonato da Segunda Divisão de 1968 – Série A
  • 30/06/1968 – Francana 2×1 São Carlos Clube
  • 07/07/1968 – São Carlos Clube 3×0 Corinthians-PP
  • 14/07/1968 – Linense 1×0 São Carlos Clube
  • 21/07/1968 – São Carlos Clube 2×1 Andradina
  • 04/08/1968 – Ferroviário 2×0 São Carlos Clube
  • 11/08/1968 – São Carlos Clube 4×1 Noroeste
  • 18/08/1968 – Rio Preto 2×2 São Carlos Clube
  • 25/08/1968 – São Carlos Clube 1x? Barretos
  • 01/09/1968 – São Carlos Clube 1×2 Francana
  • 08/09/1968 – Corinthians-PP 3×1 São Carlos Clube
  • 15/09/1968 – São Carlos Clube 2×2 Linense
  • 22/09/1968 – Andradina 1×0 São Carlos Clube
  • 06/10/1968 – São Carlos Clube ?x1 Ferroviário
  • 13/10/1968 – Noroeste 3×1 São Carlos Clube
  • 20/10/1968 – São Carlos Clube ?x? Rio Preto
  • 27/10/1968 – Barretos 2×2 São Carlos Clube
Classificação
  • Ferroviário 21
  • Francana 20
  • Barretos 17
  • Corintians 16
  • Linense 15
  • Noroeste, Rio Preto e São Carlos 13
  • Andradina 12
Campeonato da Segunda Divisão de 1969 – Série A
  • 06/07/1969 – Vasco 1×2 São Carlos Clube
  • 13/07/1969 – São Carlos Clube 0x0 Nacional
  • 20/07/1969 – São Carlos Clube 0x1 Ponte Preta
  • 27/07/1969 – União Barbarense 0x2 São Carlos Clube
  • 03/08/1969 – Noroeste 2×0 São Carlos Clube
  • 10/08/1969 – São Carlos Clube 1×0 Saad
  • 24/08/1969 – Nacional 2×0 São Carlos Clube
  • 30/08/1969 – São Carlos Clube 2×0 União Barbarense
  • 07/09/1969 – São Carlos Clube 0x0 Noroeste
  • 14/09/1969 – Ponte Preta 2×0 São Carlos Clube
  • 28/09/1969 – São Carlos Clube 1×2 Vasco
  • 05/10/1969 – Saad 2×1 São Carlos Clube
Classificação
  • Ponte Preta 23
  • Noroeste 18
  • Nacional, São Carlos 10
  • União Barbarense 9
  • Vasco 8
  • Saad 6

Memorial de amistosos de futebol profissional

No amistoso contra a Seleção Olímpica do Brasil em 10 de março de 1968, a ficha do jogo foi a seguinte
  • Seleção Olímpica do Brasil: Raul Marcel (Palmeiras); Tuta (Ponte Preta), Almeida (Corinthians) (Cláudio Deodato (São Paulo)), Major (Vasco) e Miguel (Olaria); Tião (Corinthians) e Moreno (Palmeiras); Manoel Maria (Santos), Lauro (Palmeiras) (Plínio (Corinthians)), China II (Palmeiras) e Toninho (São Paulo) (Luis Henrique (Fluminense)) – Técnico: Antoninho.
  • São Carlos ClubeMacalé; Nelson, Zequinha, Pádua e Nenê; Dirceu (Chiquinho) e Adair; Rui, Édson, Itamar (Itajubá) e Nê – Técnico: Zezé Procópio
  • Gols: No 1º tempo, Edson aos 7′, China II aos 18′, Rui aos 22′ e China II aos 35′. No 2º tempo, Itajubá aos 9′ e Tuta aos 44′.

Desempenho em competições

Campeonatos profissionais
Ano Competição Desempenho Colocação J V E D GP GC MG AP
1965 Paulista Terceira Divisão Primeira fase 6° no grupo
1966 Paulista Terceira Divisão Finais 3° e acesso
1967 Paulista Segunda Divisão Primeira fase 5° no grupo
1968 Paulista Segunda Divisão Primeira fase 3° no grupo
1969 Paulista Segunda Divisão Primeira fase 4° no grupo
Total
FONTES: Wikipédia – Site do Clube – Página do clube no Facebook