Arquivo da categoria: Autores

Lista de autores do blog

Torneio Internacional de Verão de 1972: Flamengo é campeão! Fio Maravilha faz golaço e ganha música de Jorge Ben Jor

EM PÉ (esquerda para a direita): Aloísio, Fred, Ubirajara, Reyes, Liminha e Paulo Henrique;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Mineiro (Massagista), Rogério, Zé Mario, Narciso Doval, Caio Cambalhota e Paulo César Caju.

Por: Sérgio Mello

O Torneio Internacional de Verão de 1972, foi realizado entre os dias 15 a 20 de janeiro de 1972. O evento contou com a participação de três equipes: Clube de Regatas Flamengo, Clube de Regatas Vasco da Gama e o Sport Lisboa e Benfica (Portugal).

As equipes se enfrentaram em um turno único e o campeão seria aquele com o maior número de pontos. Os três jogos foram realizados no imponente estádio do Maracanã.

Técnico do Flamengo: Zagallo

Regulamento

Por jogo, só seriam permitidas duas substituições em cada time, conforme a recomendação da FIFA. Se o torneio terminar empatado entre três clubes, será campeão o que tiver o melhor saldo de gols. Se persistir, vale o gol-average e ainda o sorteio está previsto em última hipótese.

No caso do torneio terminar empatado entre dois clubes, haverá uma partida extra, com prorrogação de 30 minutos (15 minutos cada tempo), caso termine empatado. E, se a igualdade persistir, a decisão será nos pênaltis para definir o campeão!

Preços dos Ingressos para os três jogos:

Camarote lateral – Cr$ 100,00;

Camarote de curva – Cr$ 60,00;

Cadeira especial – Cr$ 30,00;

Cadeira numerada lateral – Cr$ 20,00;

Cadeira sem número atrás do gol – Cr$ 12,00;

Arquibancada – Cr$ 7,00;

Geral – Cr$ 2,00;

Mengão estreia com vitória

O Benfica desembarcou no Rio de Janeiro, a fim de disputar o Torneio Internacional de Verão de 1972. Na ocasião, o clube português vinha de goleada sobre o rival Sporting, por 3 a 0, válido pelo Campeonato Português da 1ª Divisão de 1972/73. Para se ter uma ideia, os Encarnados sob o comando do inglês Jimmy Hagan disputou 14 jogos, vencendo todos, liderando com folga: 28 pontos.

No final, o Benfica se sagrou campeão Português invicto: 58 pontos em 30 jogos, com 28 vitórias e dois empates; marcando 101 gols, sofrendo 13 e um saldo pomposo de 88 gols.   

No sábado, às 21 horas e 15 minutos, do dia 15 de Janeiro de 1972, o jogo de abertura foi entre o Clube de Regatas Flamengo e Sport Lisboa e Benfica, de Portugal, no estádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio.

O Mengão derrotou o Benfica por 1 a 0, com um golaço de placa! Aos 33 minutos, do segundo tempo, o zagueiro paraguaio Reyes tomou a bola de Jordão e tocou no meio de campo para Samarone.

Este que tocou para Rogério que lançou na intermediária para Fio. O atacante passou na corrida por Rui Rodrigues, e, quando o goleiro Zé Henrique saiu para tentar interceptar, Fio deu o ‘drible da vaca’ (jogou a bola de um lado e pegou no outro) e tocou para o fundo das redes, levando a torcida rubro-negra ao puro êxtase!   

Fio Maravilha

Tá sabendo? O gol de Fio, inspirou na criação da canção de Jorge Ben

Curiosidade nº 1 – nessa partida, o gol do atacante rubro-negro Fio (que tinha completado 27 anos, quatro dias antes), acabou inspirando o cantor e compositor Jorge Ben Jor, que compôs a música “Fio Maravilha“. A partir daí, o jogador passou a ser conhecido por Fio Maravilha.

Essa canção homônima, grande sucesso nacional, vencedora do Festival Internacional da Canção de 1972 (na voz de Maria Alcina), que narra o feito contra a equipe portuguesa:

Tabelou, driblou dois zagueiros/ Deu um toque driblou o goleiro/ Só não entrou com bola e tudo/ Porque teve humildade em gol“. O gol (“de anjo, um verdadeiro gol de placa”, segundo Jorge Ben).

Curiosidade nº 2 – Detalhe que o contrato de Fio Maravilha com o Flamengo já havia expirado há 15 dias, que o renovou em razão do golaço. Fio Maravilha falou sobre a jogada que resultou no golaço:

Quando eu recebi a bola do Rogério, eu vim, consegui driblar os dois zagueiros, e os beques correndo atrás de mim. Aqui o goleiro saiu, eu fiz que ia para o meio do gol, para o meio da área, inverti e saí pelo lado esquerdo, o goleiro caiu… Em cima da marca da pequena área, eu toquei para o gol. Porque eu não quis correr o risco de tropeçar, acontecer alguma coisa, e perder. E daqui fiz o gol e saí para a galera“, revelou

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATASábado, do dia 15 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 283.847,00
PÚBLICO44.282 pagantes (44.440 presentes)
ÁRBITROAirton Vieira de Morais (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESGeraldino César (FCF) e Artur Ribeiro de Araújo (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Samarone), Paulo César Caju e Arílson (Fio Maravilha). Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni (Eurico) e Vitor Martins (Adolfo); Nenê, Jordão, Diamantino e Simões. Técnico: Jimmy Hagan
GOLFio aos 33 minutos (Flamengo), no 2º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Malta da Silva, Messias, Toni, Rui Rodrigues, Artur e Zé Henrique.
AGACHADOS (esquerda para a direita): Nenê, Vitor Martins, Jordão, Diamantino e Simões.

Vascão perde na estreia para o Benfica 

Na terça-feira, às 21h15min., do dia 18 de Janeiro de 1972, o Clube de Regatas Vasco da Gama enfrentou o “feridoSport Lisboa e Benfica (Portugal), no Maracanã. Sem apresentar um ritmo de jogo, o Vasco acabou derrotado pelo Benfica pelo placar de 2 a 0, e ficou com poucas chances de ficar com o título.

Um gol em cada tempo

Aos 24 minutos do primeiro tempo, Toni entregou a Eusébio, que de primeira tocou para Jordão. Renê estava na jogada, para a cobertura, mas furou. Jordão pegou a bola, invadiu a área, e, mesmo acossado por Alfinete, tocou forte, de perna esquerda, no centro do gol, batendo Andrada, que sairá no seu encalço.     

Aos 20 minutos da etapa final, Nenê passou por Alfinete, foi à linha de fundo e tocou para trás. Simões recebeu livre na marca do pênalti e não teve nenhum trabalho em chutar de perna direita e rasteiro, no canto direito do goleiro argentino Andrada, que nada pode fazer.

Técnico do Benfica: Jimmy Hagan

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       0          X         2          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATATerça-feira, do dia 18 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 136.961,00
PÚBLICO22.097 pagantes
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESAloísio Felisberto (FCF) e Neri José Proença (FCF)
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Buglê (Adilson); Luís Carlos, Roberto (Jaílson), Ferreti e Pastoril. Técnico: Zizinho
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni e Simões; Nenê, Jordão (Zeca), Eusébio (Adolfo) e Diamantino. Técnico: Jimmy Hagan
GOLSJordão aos 24 minutos (Benfica), no 1º Tempo. Simões aos 20 minutos (Benfica), no 2º Tempo.

Mengão bate o Vasco e fica com o título

No feriado da quinta-feira, às 18 horas, do dia 20 de Janeiro de 1972, jogaram o Clube de Regatas Flamengo e o Clube de Regatas Vasco da Gama, no Maracanã para definir quem ficaria com o caneco. No final, o Rubro-negro venceu o Vasco por 1 a 0, e se sagrou campeão do Torneio Internacional de Verão de 1972.

O gol do título

Aos 32 minutos do primeiro tempo, Rogério entrou pela direita e cruzou sobre a área. A defesa do Vasco bobeou e Paulo César Caju, num mergulho sensacional, cabeceou no canto esquerdo do goleiro Andrada para abrir o placar.

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          C.R. VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATAQuinta-feira, do dia 20 de Janeiro de 1972
HORÁRIO18 horas
RENDACr$ 170.637,00
PÚBLICO29.381 pagantes
ÁRBITROJosé Marçal Filho (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESJosias Miranda Paulino (FCF) e José Silveira (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Fio Maravilha), Paulo César Caju e Arílson. Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Adilson (Jaílson); Luís Carlos, Roberto (Gaúcho), Ferreti e Gilson Nunes. Técnico: Zizinho
GOLPaulo César Caju aos 32 minutos (Flamengo), no 1º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Andrada, Fidélis, Eberval, Gaúcho, Moisés e Renê;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marco Antônio, Buglê, Ferreti, Luís Carlos e Gilson Nunes.
Técnico do Vasco: Zizinho

Renda e Público no Torneio

O Torneio Internacional de Verão de 1972, teve um público total, nos três jogos, de 95.760 pagantes, que deu uma média de 31.920 por partida. A Renda dos três jogos, gerou um montante de Cr$ 591.445,00, que deu uma média de Cr$ 197.148,33 por partida.

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FOTOS: Ser Benfiquista ponto com – Diário da Manhã (RJ) – Revista Placar

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Clube Esportivo Social União Medianeirense – Medianeira (PR): Campeão da Taça Paraná de 1972 e disputou o Estadual da 2ª Divisão

distintivo utilizado em 1972

O Clube Esportivo Social União Medianeirense ou CESUM ou União Medianeirense é uma agremiação  do município  de Medianeira (com 45.812 habitantes, segundo o censo do IBGE/2018), localizado no Oeste do estado do Paraná a 585 km da capital (Curitiba).

O CESUM foi Fundado na terça-feira, do dia 09 de Outubro do ano de 1956. A sua Sede social está situado na Avenida Brasil, nº 3.240, no Centro de Medianeira (PR). A sua praça de esportes é o Estádio Edgar Darolt, com capacidade para 2 mil pessoas.

Campeão da Taça Paraná de 1972

O União Medianeirense ganhou repercussão em âmbito estadual, quando faturou o inédito título da Taça Paraná de 1972, organizado pela Federação Paranaense de Futebol (FPF), a principal competição do futebol amador do estado brasileiro do Paraná.

Na Taça Paraná de 1972, o CESUM ficou no Grupo VIII, com Juventude Esporte Clube (Cascavel), Sociedade Esportiva Aliança (Palotina) e Mariluz Atlético Clube

A estreia aconteceu no dia 1º de outubro de 1972, quando o União Medianeirense venceu o Aliança por 3 a 1, no Estádio Edgar Darolt, em Medianeira. No outro jogo da chave, o Juventude, em casa, bateu o Mariluz, por 1 a 0.

EM PÉ (esquerda para a direita): Toninho, Ivo, Somis, Murilo, Edir, Darci, Cascata e Renê;
 
EM PÉ (esquerda para a direita): Rui, Pedrinho , Neri, Ivo Darolt, Paraguaio, Wanderlei e Pasim.

Na “entrega das faixas”, o CESUM enfrentou o Pinheiros, na tarde de domingo, do dia 28 de Janeiro de 1973, o Estádio Edgar Darolt, em Medianeira. Pelo jogo, o clube Alviceleste de Curitiba recebeu uma cota de 5 mil cruzeiros

Em 1988, se sagrou campeão da Taça Oeste. Após o título o clube recebeu o convite do presidente da Federação Paranaense de Futebol (FPF), Onaireves Nilo Rolim de Moura para disputar o Campeonato Estadual da 2ª Divisão na temporada seguinte. O CESUM aceitou o desafio.

Estadual da Segunda Divisão

Na esfera profissional, o União Medianeirense já disputou o Campeonato Paranaense da 2ª Divisão de 1976, organizado pela FPF (Federação Paranaense de Futebol).

Em 1989 e 1991, o MEC – Medianeira Esporte Clube. O MEC usou a vaga do CESUM. No início de 1992 o MEC foi fundado oficialmente, sendo desmembrado do CESUM. em 1993 fez uma parceria frustrada com o Foz do Iguaçu Esporte Clube, surgindo o FOZ-MEC. Em 1994 o MEC jogou o Estadual da 2⁰ Divisão sozinho. Em 1993, o CESUM/MEC não jogou a Segundona Paranaense.

Outra curiosidade, na temporada 1989 a equipe usava as cores do município, azul, branco, vermelho. O uniforme da equipe não possuía escudo. Em um canal no YouTube é possível ver um escudo na camisa de um dos goleiros, parecido com o escudo do Fortaleza, mas não é possível ver o “letreiro“.

A partir de 1990 passou a jogar com as cores verde, preto e branco. Um escudo no formato do antigo do Vila Nova, de Goiás. Em 1992, usava um escudo parecido com o do Santos. As cores permaneceram as mesmas. 1993, fez a fusão/parceria. Em 1994 não consegui fotos, mas em depoimento do ex dirigente, era o mesmo de 1992.

A sua primeira participação aconteceu em 1976, depois jogou em 1989, 1990, 1991, 1992 e 1993. Após a sua última participação, o União Medianeirense se licenciou até os dias de hoje das competições profissionais.

COLABOROU: Rodrigo S. Oliveira

FOTOS: Acervos de Valdir Henrique Brod e Leila Grapiglia

FONTE: Wikipédia – Diário do Paraná (RJ)

Foto Rara, de 1925: Seleção Carioca de Futebol

EM PÉ (esquerda para a direita): Floriano, Moderato, Nilo, Pennaforte, Helcio, Haroldo, Moacyr, Nono, Candiota, Nascimento e Fortes.

No domingo, do dia 20 de Setembro de 1925, pelo 3º Campeonato Brasileiro de Football, o Combinado Carioca (Fluminense e Flamengo), venceu a Seleção Paulista, no Estádio das Laranjeiras, na Zona Sul do Rio (RJ). Segundo a reportagem, o palco contou com a presença de 40 mil pessoas.

FONTE E FOTO: Jornal Para Todos (RJ)

Fotos raras, de 1965: no dia que o Paysandu SC goleou o Penãrol (URU), em Belém (PA)

Por: Sérgio Mello

O Paysandu Sport Club fez história ao golear o poderoso o Club Atletico Penãrol, de Montevidéu (Uruguai), pelo placar de 3 a 0. A partida amistosa transcorreu na tarde de domingo, do dia 18 de Julho de 1965, e, teve como destaque o goleiro Castilho, bicampeão mundial pelo Brasil, que operou defesas sensacionais quando foi o maior assédio do ataque uruguaio.

Com o resultado, o Bicolor colocou um ponto final, na invencibilidade do Penãrol (que no ano seguinte se tornaria tricampeão da Libertadores: 1960, 1961 e 1966) em território brasileiro na excursão em jogos no Rio de Janeiro, pelo Torneio IV Centenário (3 a 1, no Fluminense) e São Paulo (0 a 0, com o Palmeiras e 1 a 1, com o Comercial, de Ribeirão Preto).

EM PÉ (esquerda para a direita): Oliveira, Beto, João Alves, Abel, Castilho, Carlinhos;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Quarentinha, Pau Preto, Édson Piola, Milton Dias e Ércio.

Os gols foram assinalados por Ércio aos 18 minutos, atirando forte da esquerda para a direita do gol de Mazurkiewicz. O segundo gol saiu aos 43 minutos, com  Milton Dias que soltou uma bomba da entrada da área, no primeiro tempo.

Na etapa final, o 3º gol aconteceu aos 37 minutos, quando Vila ganhou na corrida o seu marcador Varela, foi linha de fundo, e centrou na medida para Fernando, completando para o fundo das redes.

EM PÉ (esquerda para a direita): Caetano, Mazurkiewicz, Tito Goncálvez, Varela, Lezcano, Fórlan e Roque Máspoli (técnico);
AGACHADOS (esquerda para a direita):  Abbadie, Pedro Rocha, Silva, Spencer e Joya.

No final do jogo, o goleiro Castilho, melhor em campo, estava muito emocionado destacou: “Essa vitória foi uma das mais bonitas da minha carreira. O Fluminense perdeu pra o Peñarol, mas eu, que continuo mais tricolor ainda, vinguei a sua derrota, com os meus companheiros do Paysandu“, afirmou Castilho.  

PAYSANDU S.C. (PA)       3          X         0          C.A. PEÑAROL (URU)

LOCALEstádio Leônidas Sodré de Castro, ‘Curuzú’, em Belém/PA
CARÁTERAmistoso internacional de 1965
DATADomingo, do dia 18 de Julho de 1965
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROSr. Manuel Oliveira
PAYSANDUCastilho; Oliveira, Abel, J. Alves e Carlinhos; Beto e Quarentinha; Pau Preto (Marabá), Vila, Milton Dias e Ércio. Técnico: Álvarez
PENÃROL/URUMazurkiewicz; Furlan, Lezcano, Varela e Caetano; D’Avila e Pedro Rocha; Abadie (Flores), Spence (Resnick), Silva e Joya. Técnico: Roque Máspoli    
GOLSÉrcio aos 18 minutos (Paysandu); Milton Dias aos 43 minutos (Paysandu), no 1º Tempo. Pau Preto aos 37 minutos (Paysandu), no 2º Tempo.

FOTOS: Revista do Esporte (RJ) – site do Paysandu SC – Acervo de Juan R. Ballesteros

FONTES: Revista do Esporte (RJ) – A Cruz (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – Jornal do Brasil (RJ)

Paysandu S.C. – Belém (PA): em 1965, o clube investiu 110 milhões de cruzeiros, montou um timaço, derrotou um gigante e se sagrou campeão!

Por: Sérgio Mello

Para conquistar o Campeonato Paraense da 1ª Divisão de 1965, o Paysandu Sport Club não ‘olhou despesas’ e nem mediu esforços, no sentido de reforçar sua equipe e fazê-la a melhor do estado do Pará, o que conseguiu!

A maior contratação foi a de Castilho, goleiro bicampeão mundial pela Seleção Brasileira (1958 e 1962), e que foi um dos pontos altos em toda a campanha.

Bicolor gastou 110 milhões de cruzeiros, em reforços

As despesas atingiram a cifra de Cr$ 110 milhões (cento e dez milhões de cruzeiros), pois só Castilho (veio por empréstimo do Fluminense, no dia 1º de julho até o dia 31 de dezembro de 1965) custou aos cofres do clube Bicolor Cr$ 20 milhões e o treinador uruguaio Juan Antônio Álvarez (estava no Nacional do Uruguai), então com 40 anos, mais Cr$ 10 milhões.

Fora o que se gastou com Rubilotta (contratado ao Vasco da Gama), os irmãos Édson Piola  e Antônio Piola (ambos ex-Fast Club/AM), além de Da Silva, Arakem e Calazans, que não acertaram no clube Bicolor.

Arte: Sérgio Mello

Campeão nos profissionais e os títulos invictos no aspirantes e juvenis

Apesar de ter tido quatro presidentes durante do Campeonato Paraense, o Paysandu não sentiu a influência do comando máximo do clube e sagrou campeão por antecipação, conquistando, ainda, os títulos nas categorias de Aspirantes e Juvenis, sem nenhuma derrota.

Os quatro presidentes foram: Fausto Soares Filho (cujo mandato terminou no início do certame), Urubatan de Oliveira, Júlio Bendahan e, finalmente, Giórgio Falângola.

Impecável campanha      

Embora não tivesse um elenco muito grande, o Paysandu Sport Club realizou bela campanha, primando pela regularidade. Tanto assim que, nas 12 partidas que disputou, somou 21 pontos: com 10 vitórias, um empate e uma derrota; marcando 42 gols (média de 3,5 gols por jogo), 10 tentos sofridos (defesa menos vazada) e um saldo positivo de 32 gols. O artilheiro do certame foi Nascimento, do Tuna Luso com 12 gols; enquanto Édson Piola ficou em segundo, com 11 tentos

Triunfou nos amistosos internacionais

Em meio ao Estadual, o Paysandu Sport Club ainda teve tempo para realizar dois amistosos internacionais, com duas vitórias: 3 a 1, no SV Transvaal, de Paramaribo (Suriname) e 3 a 0, no Peñarol, de Montevidéu (Uruguai).

Reformas e construções

O Estádio de Curuzu, a praça de esportes do Paysandu, estava passando por remodelações e melhoramentos. Novas arquibancadas e refletores para serem inaugurados. A direção estava tratando para a construção do Palacete Alviazul, com previsão para ser entregue em 1967.

O Paysandu Sport Club, formando, na foto, com reservas e titulares!
 
EM PÉ (esquerda para a direita): Oliveira, Tadeu, Paulinho, J. Alves, Abel, Castilho (goleiro), Carlinhos, Chininha e Juan Antônio Álvarez (técnico uruguaio);
AGACHADOS (esquerda para a direita): Quarentinha, Fernando, Vila, Rubilotta, Ércio, Édson Piola e Paulo.

Dados dos Campeões Paraense de 1965

Castilho – Carlos José Castilho, nascido no Rio de Janeiro/RJ, no dia 27 de novembro de 1927. Casado, atua como goleiro.

Paulinho – Paulo do Carmo Sobrinho, nascido em Belém/PA, no dia 24 de dezembro de 1942. Solteiro, atua como zagueiro lateral direito ou esquerdo.

Abel – Abel Viana de Oliveira, nascido no Xapuri/AC, no dia 10 de setembro de 1938. Casado, funcionário do Banco do Brasil, atua como zagueiro

Beto – Carlos Alberto Silva Cavalcanti, nascido em Belém/PA, no dia 19 de janeiro de 1945. Solteiro, militar e prata da casa, atual como zagueiro lateral direito.

J. Alves – João Alves de Souza, nascido em Belém/PA, no dia 08 de outubro de 1937. Bancário, jogador experiente, já atuou no Remo/PA, Olaria/RJ e Lusitano de Évora (Portugal), atual como quarto zagueiro.

Carlinhos – Carlos Ferreira Campos, nascido em Belém/PA, no dia 22 de janeiro de 1942. Foi comprado ao Avante/PA por Cr$ 500 mil, atua como lateral-esquerdo.

Oliveira – Raimundo Evandro da Silva Oliveira, nascido em Belém/PA, no dia 04 de março de 1944. Solteiro, deixou de ser lateral para jogar na ponta-direita, marcando sete gols.

Édson Piola – Édson da Costa Petrúcio, nascido em Manaus/AM, no dia 16 de julho de 1943. Solteiro, é um dos “cobras” da equipe. Estudante do curso cientifico Solteiro, foi artilheiro do clube no Estadual com 11 gols.

Rubilotta – Wolter Rubilotta, nascido em São Paulo/SP, no dia 06 de fevereiro de 1945. Solteiro, estudante, foi emprestado pelo Vasco da Gama/RJ. Tornou-se um dos pontos altos da equipe.

Quarentinha – Paulo Benedito dos Santos Braga, nascido em Belém/PA, no dia 18 de dezembro de 1934. Casado, funcionário estadual. Prata da casa atua como meio de campo.

Ércio – Ércio Ramos dos Santos, nascido em Belém/PA, no dia 08 de junho de 1939. Casado, com dois filhos, funcionário estadual. Atua como atacante.

Vila – Jason Dracon Brochado, nascido em Belém/PA, no dia 12 de fevereiro de 1940. Atua como ponta-direita, ponta-esquerda ou como ponta-de-lança.

Léo Marcial – Leoníceo Nóvoa da Costa, nascido em 1945. Solteiro, estudante, transferiu-se há pouco para o Paysandu.

Helito – Helito Faustino da Silva, nascido em Niterói/RJ, no dia 24 de novembro de 1937. Atua como goleiro, tendo jogado no Canto do Rio/RJ.

Paulo – Paulo Malvão de Moraes, nascido em Belém/PA, no dia 14 de abril de 1937. Solteiro, é o homem de sete instrumentos no time. Atua como meio de campo.

Pau Preto – Fernando Malvão de Moraes, nascido em Belém/PA, no dia 11 de agosto de 1928. É o veterano da equipe. Aos 38 anos, jogou inúmeras vezes pela Seleção Paraense e tem grande coleção de títulos. Atua como meio de campo.

Tadeu – José Tadeu Nunes, nascido em Belém/PA, em 1945. Com 20 anos, 1,80 cm, estudante. Fez apenas duas partidas na temporada.

Milton Dias – Milton Dias, nascido em Belém/PA, em 1945. Foi vendido ao Penãrol (Uruguai) por 15 mil dólares. Atuou no certame de 1965, como ponta-direita e ponta-de-lança.

Milton Marabá – Milton de Sousa Figueiredo, nascido em Marabá/PA, no dia 21 de maio de 1944. É bancário e prata da casa.

Laércio – Laércio de Souza Pimentel, nascido em Monte Alegre/PA, no dia 20 de junho de 1945. Transferiu-se para o Clube do Remo. Atua como meio de campo.

Zito – Alélio de Oliveira, nascido em Belém/PA, no dia 07 de novembro de 1940. Jogou apenas uma vez no campeonato de 1965. Atua como meio de campo.

Maravilha – José Adriano, nascido em Belém/PA, em 1941. Atua como zagueiro e lateral, pertencia ao Norte Brasileiro/PA.

Álvarez – Juan Antônio Álvarez, natural em Montevidéu (Uruguai), no dia 1º de Março de 1926. Começou a carreira como jogador no Nacional (Uruguai) entre 1945 a 1948. Depois se transferiu para o Bonsucesso/RJ, onde ficou de 1948 a 1951 e encerrou a carreira no Olaria/RJ. Em 1964, foi auxiliar-técnico de Zezé Moreira, no Nacional (Uruguai). Em 1965, começou como técnico no Paysandu/PA.

FOTOS: Revista do Esporte (RJ) – site do Paysandu SC – Acervo de Juan R. Ballesteros

FONTES: Revista do Esporte (RJ) – A Cruz (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – Jornal do Brasil (RJ)

Fotos raras, de 1915: Estádio de General Severiano – Rio de Janeiro (RJ)

Foto de 1915

Estádio de General Severiano, de propriedade do Botafogo Football Club (depois da fusão passou a ser do Botafogo de Futebol e Regatas), ficava na Avenida Venceslau Brás, s/n, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio (RJ).

O campo foi construído (em madeira) em 1912, e inaugurado na terça-feira, do dia 13 de Maio de 1913, na vitória do Botafogo sobre o Flamengo por 1 a 0, válido pelo Campeonato Carioca da 1ª Divisão. O gol foi assinalado pelo atacante Mimi Sodré.

Foto de 1915

Alguns números interessantes sobre o Estádio de General Severiano: Carvalho Leite foi o maior goleador com 101 gols, em 90 jogos, e uma média de 1,1 gol por jogo.

O Estádio em concreto foi reinaugurado em 1938

Foto panorâmica de 1941

Em 1937, quando começou a “Campanha do Cimento“, que consistia num livro de ouro para doações de torcedores, a reconstrução foi concluída. A sua reinauguração aconteceu no domingo, do dia 28 de agosto de 1938.

Na cerimônia realizada antes do 1º jogo, um mapa do Brasil foi desenhado no centro do gramado com terra originada de cada estado do país. O jogo foi contra o Fluminense e o Botafogo venceu por 3 a 2.

Décadas de 30 e 40

Neste estádio o Botafogo decidiu o Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1934, contra o Andarahy, vencendo o jogo por 2 a 1. O Botafogo também decidiu o Campeonato Carioca da 1ª Divisão de 1948, contra o Vasco da Gama, vencendo o jogo por 3 a 1, com o estádio lotado por aproximadamente 20 mil pessoas.

Demolição

Foto de meados de 70

O estádio foi demolido quando o clube perdeu a posse do terreno nos aos 70. A última partida neste estádio deu-se no sábado, do dia 30 de novembro de 1974, empate em 2 a 2 com o Madureira.

Em 1975, recebeu a 1ª edição do Hollywood Rock, que gerou o documentário “Ritmo Alucinante“. Em 1977, a sede foi vendida para a Companhia Vale do Rio Doce; o clube na época era presidido por Charles Macedo Borer. Com a venda da sede, o futebol do Botafogo foi para Marechal Hermes, e como o antigo estádio foi demolido, lá foi construído um novo, com armações tubulares, denominado: Estádio Mané Garrincha.

FOTOS: Sports (RJ) – Revista Placar – Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

FONTE: Diversos jornais cariocas

Inédito!! 1º escudo de 1914: Riachuelo Football Club – Paraíba do Sul (RJ), entre as décadas de 10 a 30

Por: Sérgio Mello

O Riachuelo Esporte Clube é uma agremiação do município de Paraíba do Sul, que fica na região Sul Fluminense do estado do Rio de Janeiro. Com uma população de 44.045 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2018, está a 138 km de distância da capital.

A sua Sede  social e o Estádio Alfredo da Costa Mattos Júnior ficam situados na Praça São Pedro São Paulo, nº 25, no bairro da Vila Nicolau Melick, em Paraíba do Sul (RJ).

Uma curiosidade pouco conhecida começa no “Auriverde Riachuelense” a Fundação, ocorrido na sexta-feira, do dia 20 de Março de 1914, quando surgiu o Riachuelo Football Club.

Inauguração do Riachuelo, em- 20 de março de 1914

Exatamente, primeiramente nasceu como “Football Club“, só alterando para “Sport Club” em 1933. Posteriormente, em meados dos anos 40, quando aportuguesou para “Esporte Clube“.

Alguns amistosos

Um dos primeiros jogos que se tem registro, aconteceu na segunda-feira, do dia 07 de Setembro de 1914, quando o Riachuelo venceu o Serrano (não especificado se era um clube da cidade ou de outro município), por 2 a 1, no seu campo.

Outro jogo, aconteceu no domingo, do dia 27 de Setembro de 1914, o Riachuelo goleou o “Scratch” Iris (não mencionado a sua localidade), por 7 a 2, no seu campo.

No domingo, do dia 08 de Fevereiro de 1920, em amistoso, o Riachuelo goleou o Entrerriense por 4 a 2, em Paraíba do Sul.

escudo dos anos 30

No domingo, às 16h30min., do dia 25 de Março de 1917, em comemoração ao seu 3º aniversário, o Riachuelo recebeu no seu ground, o Portella Football Club (atual Portela Atlético Clube), do município de Governador Portela. O “Auriverde Riachuelense” venceu a peleja por 3 a 2.  

Diante de um ótimo público, apesar do primeiro tempo ter sido animadíssimo, terminou sem gols. Na etapa final, os visitantes saíram na frente por intermédio de Esmeraldo. Mas o Riachuelo pressionou e marcou três gols. No  final, Edmundo diminuiu a contagem.  

O time escalado foi: Jayme Santos; Clóvis (Cap.) e Rogério; Mont Mor, Teles, e Eustowhs; São, Andrade, Elizabeth, Jaime II e Santos.

Portella: Ribeiro; Olívio e Paulo; Bittencourt, Favilha e Edmundo; Silva, Esmeraldo, Olympio, Antonio e Supo.

Time base de 1916: Jayme Santos; Jarbas e Mario Pinto; Clóvis, Raul (Cap.) e Didimo; Sólon, Pereira, Waldemar, Flávio e Newton. Reservas: Bias, Waldemar II, Duílio e Gilberto.

Time base de 1919: Jayme Santos; Mario e Neto; Mattos, Edmundo e Quaruta; Clóvis, Adão, Reynaldo, Lauro e Nonô.

FOTOS: Acervo de Celso Malheiros

FONTES: Correio da Manhã (RJ) – A Noite (RJ) – O Tico-Tico (RJ) – Arealense (RJ)

Campeonato Paulista da 2ª Divisão de Amadores de 1958: Jardim Futebol Clube (SP)

Jardim Futebol Clube Campeão do Torneio Início de 1958

A cidade de São José do Rio Preto, no Interior Paulista, sediou o Torneio Início do Campeonato Paulista da 2ª Divisão de Amadores de 1958. O evento teve patrocínio e organização da C.C.E. e da L.R.F.

O grande Campeão foi o Jardim Atlético Clube, enquanto o Ipiranga Futebol Clube ficou com o vice. A competição contou com 12 clubes:

A.C.R.E.;

Brasileiro Atlético Clube;

Circulista;

Comercial Futebol Clube;

Cristalux Futebol Clube;

Esporte Clube Brasil do Morro;

Ipiranga Futebol Clube;

Jabaquara Futebol Clube;

Jardim Atlético Clube;

Portuguesa;

Recreativa dos Alfaiates;

São Paulo Futebol Clube.

Importante!

Aos amigos internautas que conheçam algumas dessas equipes, nos informem, por exemplo, o nome completo, fundação, endereço, escudo ou cores. Vamos resgatar cada equipe!

FONTE E FOTO: A Gazeta Esportiva (1º de abril de 1958 – SP)