Arquivo da categoria: Clubes de Futebol

Outro escudo de 1957: Esporte Clube Parames, de Jacarepaguá – Rio de Janeiro (RJ)


Esporte Clube Parames foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O seu campo e a Sede ficavam localizados na Rua Berdardino, s/n, e na Rua Pedro Teles, 490, ambos no Bairro da Praça Seca, em Jacarepaguá – Zona Oeste do Rio, respectivamente.

‘Mais Querido de Jacarepaguá’ foi Fundado no dia 03 de Junho de 1925, por um grupo de jovens, liderados por Victor Parames Domingues, que emprestou o seu terreno para a construção do campo e da sede (que em seguida, passou a ser o Patrono do clube). As suas cores eram o azul celestepreto branco.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é EC-Parames-Jacarepagua-1925-57-500x303.jpg

TÍTULOS 

clube paramistas foi um grande celeiro de jogadores para os grandes do Rio de Janeiro. No Campeonato Carioca da Terceira Divisão, o Parames foi vice-campeão em 1944, e, campeão em 1945. No domingo, dia 07 de setembro de 1950, faturou a bela Taça Carlos Eiras, após vencer os dois jogos contra o Diário da Noite Futebol Clube, por 6 a 3 (nos seus domínios) e 4 a 1 (no campo do Bemfica, na Rua Jockey Club (atual Licínio Cardoso), nº 42, no Bairro de São Francisco Xavier, na Zona Norte do Rio). 

Ainda em 1950, participou do Campeonato do Departamento Autônomo, organizado pela Federação de Metropolitana de Futebol (F.M.F.). Outro título expressivo pelo Parames  (1956) veio sete anos depois, quando faturou a ‘I Copa da Cidade’ de 1952 (evento de futebol amador promovido pelo jornal Diário da Noite), que contou com a participação de 68 clubes da capital carioca.

Parames chegou na grande final de forma invicta. No 1º jogo da final, enfrentou o Continental, da Gáveano  Domingo, 28 de Dezembro de 1952, às16h30min, no Estádio do Flamengo. Arbitrado por Miguel A. Ruas (Departamento Autônomo da F.M.F.), a partida terminou empatada sem gols.

Na disputa de pênaltis, o Continental venceu por 4 a 3.A partida decisiva, aconteceu na tarde do domingo, do dia 11 de janeiro de 1953, no Estádio Aniceto Moscoso, na Rua Conselheiro Galvão, em Madureira. o Parames levantou a taça ao golear do Continental por 4 a 1. Grilo abriu o placar no 1º tempo. Na etapa final, Sérgio ampliou e Grilo, novamente, fez o terceiro gol. Oldemar, contra, elevou o placar para 4 a 0. Iante, de pênalti, fez o tento de honra para o clube da Gávea.

No jogo da entrega das faixas, o Parames goleou o EC Valim, do Méier por 7 a 4. O clube também faturou o tricampeonato da Região Administrativa de Jacarepaguá, em 19611962 e 1963Time-base de 1951: Antonio; Tutuca e Tião; Didico, Ivam e Quimba; Carlos, Octacilio, Harodinho, Guilherme e Haroldo.

O CLUBE FECHOU ÀS PORTAS EM 1974 

O mais tradicional clube de futebol que existiu em Jacarepaguá. Durou por 49 anos, quando em 1974, quando a família Parames pediu de volta o terreno onde ficava o campo e a sede, na Rua Pedro Teles, a fim de alugá-lo para o Parque de Diversões IV Centenário. Atualmente o local fica o Residencial Porto Bello e o Residencial porto Fino

AGRADECIMENTO ESPECIAL: O levantamento dos clubes, sobretudo, extintos nem sempre é fácil. Nem sempre as pesquisas equacionam certas questões! Nessas horas a parceria sempre é bem-vinda, pois ajuda no resgate da história do nosso futebol.

Nesse caso em especial, um agradecimento ao Carlos Alberto, ‘Carlão’ (jogou no time de Aspirantes na década de 60) pelo envio da carteirinha de sócio do seu pai o Sr. Casemiro Leal, que também foi diretor do clube. Muito obrigado pela colaboração!

 FONTES: Site WSC  – Jornal A Manhã – Diário da Noite 

O Pery Ferroviário Esporte Clube completa neste dia 18 de setembro: 100 anos!!

O Pery Ferroviário Esporte Clube é uma agremiação do município de Mafra, que fica a 310 km da capital do estado de Santa Catarina. A localidade conta com uma população de 56.292 habitantes, segundo o IBGE/2019.

O “Leão da Fronteira” foi Fundado no Sábado, do dia 18 de Setembro de 1920, por funcionários da Viação Férrea, com o nome de Pery Sport Club. Essa nomenclatura perdurou até 1938, quando o nome foi alterado para “Pery Ferroviário Esporte Clube”, também conhecido como “Pery” ou “Pery Ferroviário” foi destaque até a década de 70. A sua Sede social está situada na Avenida Coronel José Severiano, nº 117, no Centro de Mafra (SC).

O Pery Ferroviário participou de 14 edições do Campeonato Catarinense da Primeira Divisão, alcançando o vice-campeonato em 1939. Sua torcida o batizou de Leão da Fronteira, já que Mafra localiza-se no norte catarinense, às margens do rio Negro e fazendo divisa com o Paraná.

Em 1936 o Pery Ferroviário ganhou a alcunha de Leão da Fronteira. O Pery atuava havia 17 anos, mas numa tarde qualquer de 1936, ao empatar em 5 gols contra o Rio Negrinho, é que a equipe de empregados da Viação Férrea caiu definitivamente no gosto dos fãs.

Sede atual do Peri Ferroviário

Até aos 25 minutos finais, o placar apontava 5 a 0 para os adversários. “O Pery Ferroviário sempre teve seus cobras e finos, como eram chamados os craques da época“, relembrou um emocionado Rivadávia Pereira, 66 anos, o Zagallo do Norte catarinense, que defendeu as cores verde e branco do time mafrense entre os anos 50 e 60.

Time posado de 1939

Setenta anos após sua fundação, entretanto, o Pery Ferroviário praticamente se resume às lembranças de ex-jogadores e dirigentes, além das poucas fotos e troféus (de um total de 300 taças) que teimam em permanecer no que restou da cede, no Centro da cidade de Mafra.

No auge, a agremiação tinha centenas de sócios (uma mensalidade vinha descontada no salário dos ferroviários de SC e do PR), um bom gramado e uma piscina de ponta. “Até a Vera Fischer nadou aqui“, ilustra Pereira, hoje um pacato senhor que se comove imensamente ao relembrar antiguidades do time que aprendeu a admirar ainda criança, quando seu irmão Silvio integrava o elenco do Pery Ferroviário, que levou este nome em homenagem ao índio estilizado pelo escritor José de Alencar.

Infraestrutura satisfatória à parte, o Pery Ferroviário não era um clube rico. “Ao final do jogo, não sobrava para nós nem as camisetas, que eram reutilizadas“, disse Melchíades Rosa, o Kid, 55 anos, que garante ter defendido o clube mafrense em todas as posições possíveis, exceto no gol.

Agora, pouco há: a piscina está desativada, sócios são escassos (aproximadamente 40 em 2000) e o estádio Ildefonso Mello é só um arremedo do que já simbolizou – arquibancadas desmontadas, casamatas quebradas, vestiários alagados e gramado esburacado.

Eventualmente, alguma promoção social é organizada por obra do seu presidente, Orlando Reis. Para piorar tudo, resume Reis, uma dívida trabalhista de R$ 30 mil, a ser paga em 6 anos, minguou as possibilidades de reerguer naturalmente o Pery Ferroviário.

Qualquer um que desejar investir no clube é bem-vindo“, arremata Reis, tentando levantar o Leão da Fronteira à base de colaboradores, a exemplo do que aconteceu na década de 20, quando 24 ferroviários, em suas horas de folga, derrubavam imbuías e guaviroveiras para dotar Mafra de um campo de futebol. Em 1937 as equipes do Operário, Pery FerroviárioAmérica e Rio Negro ambas de Mafra, Três Barras de Três Barras, Canoinhas de Canoinhas e Bandeirantes de São Bento do Sul fundam em Mafra a Liga Esportiva Catarinense (LEC).

Trajetória
1920 – O clube é fundado em Mafra, então um importante entroncamento ferroviário catarinense. Aos domingos, um grupo de funcionários da Viação Férrea começa a jogar num campo improvisado ao lado do galpão das locomotivas.

1925 – O time aplica 12 a 0 no Rio Negrinho.

1934 – Campeão da Taça Trabalho, ao derrotar o União, de União da Vitória (PR), por 3 a 1.

1936 – O clube é vice-campeão estadual. Em seguida, ao vencer o Grêmio, de Curitiba (PR), leva a Taça Alexandre Gutierrez.

1939 – O Pery sagra-se novamente vice-campeão de SC. Ganha o Torneio Festival da América, ao passar pelo América, de Joinville, por 4 a 2.

1940 – Ganha a Taça Pérola, ao vencer o Canoinhas, por 8 a 0, num jogo disputado em Mafra.

1957 – Campeão municipal invicto.

1969 – Campeão do Torneio Início da Liga Corupaense.

1970 – A partir desta data, com a lenta falência do sistema férreo, o Pery inicia sua queda.

2006 – Disputa o Campeonato Catarinense de Futebol Profissional da Divisão de Acesso, obtendo a 5ª colocação geral.

Colaborou: Cícero Urbanski

FONTES: Wikipédia – Google Maps – Correio de Corumbá – Clickriomafra.com.br

S.E. Junak 8 – Irati/PR

Arte de Sergio Mello /históriadofutebol.com

A Sociedade Esportiva Junak 8 foi uma agremiação esportiva da cidade de Irati, estado do Paraná. A Equipe era ligada a Sociedade Polonesa Towarzystwo Wolnosc, fundada em 1916, hoje Sociedade Beneficente e Cultural Iratiense.

O JUNAK espalhou-se por outras sociedades também no interior. Em Irati o JUNAK 8 teve time de vôlei e basquete e foi o primeiro espaço em que se praticaram estas modalidades esportivas. O atletas do lado direito é o patriarca da família Ziembikiewicz, Sr. João, pai do Recho (João Ricardo Ziembikiewicz). Foto acervo da Sra. Maria Felícia Ziembikiewicz Havresko. Aproximadamente na década de 1930. Fonte: Facebook de Herculano Batista Neto, publicado em 30 de abril de 2016.

A Junak foi responsável pela introdução do Basquete e Volei na cidade de Irati, porém seus membros se envolviam em todas as atividades esportiva, sendo assim não poderia deixar de praticar o futebol.

Foto/Acervo: HERCULANO BATISTA NETO que inclusive esclarece que o penúltimo da esquerda para a direita é seu avô materno Boleslau Duda. Publicado no Facebook em 28 de abril de 2016.

Em 1937 a equipe, juntamente as equipes do Iraty S.C.; Palestra F.C, ambos de Irati, Guarany S.C. e Poço Bonito F.C, ambos de Rebouças, reorganizaram a Liga Esportiva Sul-Paranaense – LESP. Todas as equipes participaram do campeonato daquele ano, que teve o Iraty Sport Club como seu campeão, que assim garantiu o direito de disputar o título de campeão Paranaense de futebol contra os demais campeões das Ligas do Paraná (Curitiba, Ponta Grossa, Litoral e Paranaguá).

Fontes:
ORREDA, José Maria. O esporte em Irati. Edipar: Irati,1987.
Facebook de Herculano Batista Neto, consultado em 24 de março de 2020.
Facebook de Antonio Alceu Jacopetti, consultado em 24 de março de 2020.

Dourados Futebol Clube – Dourados (MS): Disputou três edições da 1ª Divisão do Estadual

O Dourados Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Dourados (MS). A sua Sede ficava situada na Av. Marcelino Pires, nº 5.326, no Bairro Cabeceira Alegre, em Dourados.

Em Março de 1991, após a fusão entre o Ubiratan Esporte Clube e o Clube Atlético Douradense nascia o Dourados Futebol Clube. Após se filiar a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS), a equipe esteve presente em três edições do Campeonato Sul-Mato-Grossense da 1ª Divisão: 1991, 1992 e 1994. Após a última participação no Estadual, a fusão foi desfeita e o Dourados virou história.

FONTES: site FutebolMS – Mercado Livre – Cássio Siqueira

Clubes do Paraná – Esporte Clube Fortaleza (Curitiba – PR)

Nome: Esporte Clube Fortaleza
Fundação: 02 de abril de 1983
Endereço: Rua Adari Fernando Visinoni, 362 – Cidade Industrial – Curitiba – PR
Estádio: Estádio Antonio Monteiro Sobrinho
Cores: azul – preto / branco

Apesar de ter sido fundado em 1983, sómente em 1995 a equipe começou a disputar a
Divisão Suburbana na 2ª Divisão e não fez feio, conseguindo o tricampeonato (95/96/97).
Apesar de ter direito ao acesso, seus dirigentes não aceitaram a promoção para a divisão principal do futebol suburbano, por causa do aumento dos custos com a manutenção dos atletas.
Em 2003, atravessando uma crise financeira a equipe se licenciou das disputas oficiais
retornando sómente em 2015. Atualmente disputa a Série B (2ª Divisão) da competição.

Fonte: Arquivos de Levi Mulford Chrestenzen / Google Maps

Fachada da Sede / Estádio

Clube Esportivo Operário Várzea-grandense – 70 anos de história

Tudo começou com um grupo de jovens de Várzea Grande, liderados por Rubens dos Santos, com apoio do Bispo Dom Antônio Campello de Aragão, no dia 1º de maio de 1949, fundava o Clube Esportivo Operário Várzea-grandense.
Quanto ao nome, por ser a data em que se comemorava o Dia do Trabalhador, Rubens dos Santos achou por bem homenagear a classe, motivo do nome Operário.
O Bispo Dom Campello doou as primeiras camisas, e por ser torcedor do Fluminense do Rio Janeiro, as cores foram idênticas às do clube carioca, permanecendo até hoje.

 

O primeiro jogo

 

A primeira partida aconteceu na do dia 1º de maio à tarde no Círculo Operário, na Rua Independência, centro de Várzea Grande, e Boava fez o primeiro gol da história do clube na vitória de 1 a 0, diante do Palmeiras do Porto.
 
Da esq. p/ a dir.: Zé Simeão, Ciro, Lindolfo, Boava, Benedito Sapateiro, Assis, Nonô Sapateiro, Caetano, Gonçalo Gongon, Alito e Jorge Mussa.
A primeira diretoria

 

O time dava o pontapé inicial em campo, e Rubens dos Santos convocava torcedores e simpatizantes do clube para a formação da 1ª diretoria. A reunião aconteceu no dia 15 de maio na casa de Joaquim Santana Rodrigues, com Luiz Vitor da Silva sendo escolhido como 1º presidente na história do Operário Várzea-grandense. A diretoria era composta ainda por Lamartine Pompeu de Campos, Joaquim Santana Rodrigues, Oldemar Pereira, Mestre Dario, Manoel Mendes de Oliveira, e Manoel Santana.

 

                                   Da esq. p/ a dir.: Joaquim Santana, Rubens dos Santos, Luís Vitor da Silva, Oldemar Pereira, Mestre Dário e Manoel Santana.

Filiou-se na FMD

 

O Campeonato Amador Várzea-grandense ficava pequeno pela grandeza do futebol que o Operário apresentava e o presidente Rubens dos Santos atravessou a ponte, filiando o clube em 1958 na Federação Mato-grossense de Desportos.
Nesta época o tricolor contava com grandes jogadores, a saber: Nassarden, Beraldo Correa, Iunes Huntar, Ali Huntar, Jafa Huntar, Mussa, Mauro, Tião Macalé, Caboclo, Botelho, João Garrucha, Acimar, Berlindes Pacu e outros. Em 1961, Rubens dos Santos deixou a presidência do clube, assumindo Ari Leite de Campos.
No ano de 1963, Rubens dos Santos é eleito novamente presidente, renovando por completo o plantel, senão vejamos: Saldanha (Palmeiras), Poxoréo (Mixto), Lício Amorim e Vital (Atlético), Ide “Nhara” e Bem, (XV de Novembro). O time titular era formado por Saldanha, Vital, Martinho, Formiga e Maneco; Poxoréo, Aélio e Tatu; Ide “Nhara”, Gildo (Bem) e Lício Amorim (Didi).
Com Rubens dos Santos como treinador surgia o “Rolo Compressor”, ganhando todos os títulos disputados naquele ano de 1964.

 

O Rolo Compressor
 
Em 1964, com Atair Monteiro, como presidente, e Rubens dos Santos na direção técnica, o Operário foi campeão Cuiabano pela primeira vez, com uma campanha, onde em 12 jogos venceu 9, não tomando conhecimento de seus adversários, com goleadas de 9 x 2 e 8 x 2 sobre o XV de Novembro; 6 x 0 sobre o Dom Bosco; 5 x 1 sobre o Palmeiras e 5 x 0 sobre o Riachuelo. Damasceno foi o artilheiro com 24 gols.
O poeta Silva Freire criou o slogan “A Alma Alegre do Povo” após a conquista.
Conquistou também o Torneio dos Campeões, competição disputada pelos campeões das Ligas de Campo Grande, Corumbá e outras, e a decisão aconteceu entre Operário e Ubiratan de Dourados, com o Estádio Presidente Dutra lotado, após um empate em 0 x 0 no tempo normal, o tricolor venceu na prorrogação, com um gol de Ide “Nhara” aos 13 minutos do segundo tempo.

 

 

Em pé da esq. p/ a dir.: JK, Musse, Martinho, Formiga, Maneco, Ciro, Pádua, Saldanha e Vital; Agachados da esq. p/ a dir.: Souza, Ide, Damasceno, Fião, Franklin e Lício Amorim.
Primeiro Campeão Profissional

 

Em 1967, Rubens dos Santos, ao lado de dirigentes como Ranulfo Paes de Barros, Joaquim de Assis, Macário Zanagape e Agripino Bonilha, implantavam o futebol profissional em Mato Grosso.
E coube ao Operário vencer o primeiro campeonato de profissionais em Mato Grosso.
A decisão do campeonato, aconteceu diante do Mixto, seu maior rival, com duas vitórias, 1 x 0 e 3 x 1 respectivamente.
Em 1968 o time conquistaria o bicampeonato, novamente diante do Mixto.

 

Em 1969, apesar dos esforços do presidente Ditinho de Zaine, foi decepcionante a campanha tricolor, inclusive, com o clube pela 1ª vez na história, solicitando licença na FMD, ficando fora do campeonato de 1970.
Em 1971 Rubens dos Santos retorna ao clube, trazendo com ele um jovem radialista, Roberto França que assumia como treinador. Várias contratações foram feitas no futebol carioca e mineiro, quando chegaram Gaguinho (Botafogo), Jorge Cruz (Bonsucesso), Veludo (Madureira), Fagundes (Araxá e Araguari), e a maior de todas, o artilheiro Bife, contratado junto ao LS de Campo Grande, a pedido de Roberto França, que deixou o cargo no final do primeiro turno, assumindo João Batista Jaudy. O Operário foi vice-campeão, perdendo o título para o Dom Bosco em uma final emocionante, pelo placar de 3 x 1.
 
Primeiro Representante de Mato Grosso em uma Competição Nacional
 
O Operário foi o primeiro clube de Mato Grosso a participar de uma competição a nível nacional.
Em 1968 o chicote da fronteira disputou a Taça Brasil, direito adquirido por ser o campeão Cuiabano de 1967.
A estreia foi contra o Atlético Goianiense, no dia 04 de agosto, no Estádio Presidente Dutra e vitória de 2 a 0 com gols de Odenir e Jaburu.

 

Em pé da esq. p/ a dir.: Darcy Avelino, JK, Gonçalo, Walter, Boquinha e Glauco. Agachados da esq. p/ a dir.: Ide, Jaburu, Gebara, Beto e Odenir.
 
Primeiro Campeão Estadual de Profissionais
Era do Operário as façanhas nas conquistas do título de Campeão dos Campeões em 1964, implantação do futebol profissional em 1967, onde foi campeão, e no ano de 1973, conquistou o título de 1º Campeão Estadual de Futebol Profissional (Mato Grosso ainda não tinha sido dividido). O time foi reforçado com as contratações de Paulinho, Zé Pulula, Arlindo, Ruiter, Márcio, Dirceu Batista (Cruzeiro), Jeferson Lira, Gilson Lira e o treinador Totinha Gomes.
Neste ano o campeonato passou a contar com participantes de todo estado: Operário, Dom Bosco, Palmeiras, Mixto, Comercial (Campo Grande), Operário (Campo Grande) e União (Rondonópolis). A competição foi disputada em três turnos, com o Operário ganhando dois, e assim foi para a decisão, diante do Dom Bosco, em uma melhor de quatro pontos com a vantagem de 1 ponto. Após empatar a primeira partida em 0 x 0, o Operário goleou o azulão na segunda partida, por 4 x 0, com gols de Bife (2), Ruiter e César. Na terceira e última da decisão empatou em 0 x 0, assegurando a histórica conquista.

Em pé da esq. p/ a dir.: Jeferson Lira, Carlos Pedras, Nelson Paô, Joel Diamantino, Paulo Fernandes e Gaguinho. Agachados da esq. p/ a dir.: Zé Pulula, Gilson Lira, Bife, Bife e Odenir.

 

O Operário viria conquistar o Campeonato Mato-grossense 10 anos depois, em 1983, jogando a final contra seu velho rival, o Mixto e vencendo por 1 x 0, gol de falta de Panzariello.

 

Em pé da esq. p/ a dir.: Caruzo, Mão de Onça, Laércio, Juarez e Panzariello; Agachados da esq. p/ a dir.: Manfrini, Adalberto, Bife, Udelson, Mosca e Ivanildo.

 

Tricampeonato 1985/86/87

 

Começava o ano de 1985, e o Operário tinha como presidente Edvaldo Ribeiro. Com ele ideias novas, contratações de peso, e a formação de um super time. Na decisão diante do Mixto, uma goleada por 5 x 0, com dois gols de Dito Siqueira, Vanderlei, Alencar e Lúcio Bala.
No ano seguinte, Edvaldo Ribeiro reformulou o elenco, conquistando o bicampeonato após uma eletrizante final com o Mixto.
Em 1987, o inédito tricampeonato aconteceu com Osmar Rodovalho, na direção técnica, com José Roberto Pará como supervisor.

 

Em pé da esq. p/ a dir.: Marião, Alencar, Vandeir, Gilvã, Laércio, Nei Dias e Careca (massagista); Agachados da esq. p/ a dir.: Sérgio Luís, Dito Siqueira, Vanderlei, Vander e Ivanildo.

Em pé da esq. p/ a dir.: Nei Dias, Panzariello, Genilson, Alencar, Ailton Lima, Vandeir e Laércio; Agachados da esq. p/ a dir.: Guerreiro, Jota Maria, Calango e Ivanildo.

 

 Em pé da esq. p/ a dir.: Cabral (massagista), Caruzo, Júlio César, Jorginho, Vagner, Panzariello e Oséias; Agachados da esq. p/ a dir.: Nasser, Edmilson, Pelego, Esquerdinha e Ivanildo.

 

Apesar de passar por mãos de pessoas inteligentes e capacitadas na administração, após a conquista do tri, o Operário só foi conquistar novamente o campeonato em 1994, quando venceu o Dom Bosco, na final, por 3 a 2. O detalhe deste jogo é que o jovem Wender marcou os três gols do chicote e se tornou o único jogador na história do futebol mato-grossense a marcar três vezes em uma única final de campeonato e se tornou também o artilheiro com 17 gols.

Em pé da esq. p/ a dir.: Adrisson, Jailson, Edson Luiz, Ado, Ernandes, Aguinaldo, Ricardo Arandu e Vitor; Agachados da esq. p/ a dir.: Josenilson, Andrade, Didi, Iuca, Rogério Uberaba, Marcelo Papagaio, Renatinho e Wender.

 

Em 1995 veio o bicampeonato conquistado diante do time do União de Rondonópolis. O plantel era formado por Ernandes, Aguinaldo, Sálvio, Marquinhos, Iuca, Zé Valdo, Bujica, Adrisson, Ferreirinha, Márcio, Jailson, Ado, Edson Luiz, Gersinho, Victor, Índio, Josenilson, Jonas, Wender e Abílio. Bujica foi artilheiro da competição 23 gols.

 

Voltou a repetir o feito em 2002, após passar sete anos de jejum.

Após alguns anos afastado, o Operário está voltando aos poucos e este ano conquistou o vice campeonato Mato-grossense e garantiu vagas na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro da Série D em 2020.
Aos poucos o Clube Esportivo Operário Várzea-grandense vai reescrevendo a sua história nas páginas do futebol de Mato Grosso. História que hoje completa 70 anos, escrita com letras maiúsculas.
 
Os Campeões
 
1964 – Saldanha, JK (Vital), Martinho, Formiga, Maneco, Franklin, Damasceno, Poxoréo, Ide, Fião e Lício Amorim.
1967 – Saldanha, JK, Gonçalo, Glauco, Darcy Avelino, Carlinhos, Beto, Ide, Fião, Gebara e Odenir.
1968 – Walter, JK, Gonçalo, Glauco, Darcy Avelino, Adalberto, Poxoréo, Gebara, Ide, Fião e Jaburu.
1972 – Carlos Pedras, JK, Malaquias, Gaguinho, Darcy Avelino, Joel Diamantino, Joel Silva, César, Cecílio, Bife e Odenir. Técnico: Totinha
1973 – Carlos Pedras, Paulinho, Malaquias, Jéferson Lira, Joel Diamantino, Gaguinho, Dirceu Batista, Ruiter, Gilson Lira (Zé Pulula), Bife e Odenir.
1983 – Mão de Onça, Caruzo, Laércio, Panzariello, Juarez, Udelson, Adalberto, Mosca, Manfrini, Bife e Ivanildo.
1985 – Vandeir, Nei Dias, Marião, Gilvan, Laércio, Alencar, Dito Siqueira (Sérgio Luiz), Vander, Lúcio Bala (Nasser), Vanderlei e Ivanildo.
1986 – Vandeir, Genilson, Ailton Lima, Panzariello, Laércio, Sérgio Luiz, Ailton Calango, Mosca, Jota Maria, Luizinho e Ivanildo.
1987 – Júlio César, Caruzo, Laércio, Panzariello, Oseias, Edmilson, Ailton Calango, Esquerdinha, Nasser, Jorginho e Ivanildo.
1994 – Aguinaldo, Josenilson, Edson Luís, Jailson, Ricardo Arandú, Ado, Andrade, Iuca, Renatinho, Vitor e Wender.
1995 – Aguinaldo, Josenilson, Edson Luís, Índio, Zé Valdo, Ado, Vitor, Gersinho, Iuca, Bujica e Wender.
2002 – Alexandre Junior, Odair, Índio, Gonçalves, Marcelo, Renatinho, Elias, Jonas, Toni, Ronaldo e Bibiu.

 

 
 
Fonte: Acervo Pulula da Silva/Jornal O Estado de Mato Grosso/Diário de Cuiabá

Inédito!! Sport Club Húngaro Paulistano – São Paulo (SP): Existiu entre 1919 a 1940

O Sport Club Húngaro Paulistano (São Pauloi Magyad) foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado por húngaros desportistas da escol. na quinta-feira, do dia 20 de Fevereiro de 1919. O futebol era o carro-chefe, mas também participavam de outras modalidades como o Ping-Pong (Tênis de Mesa), Xadrez, entre outros.

Em relação a Sede, o clube passou por vários endereços. Citando alguns:  Rua da Mooca, nº 381, no Bairro da Mooca (1930); Ladeira Santa Ephigenia, nº 19 / sobrado (1931); Rua (atual Avenida) Carlos Campos, s/n, no Bairro Pari (1937); Rua Brigadeiro Tobias, nº 509, Centro, São Paulo (SP). Número do Telefone: 4-6304 (até 1940).

A Praça de Esportes ficava na Rua Brigadeiro Tobias, nº 55-A, Centro de São Paulo. Além do nome, para não deixar dúvidas, o escudo foi inspirado no distintivo da Seleção Húngara de futebol, assim como o uniforme também seguia a mesma linha utilizando as cores da Hungria (grená, branco e verde).

Competições

Em março de 1927, ingressou na LAF (Liga de Amadores de Futebol), onde disputou no mesmo ano a Segunda Divisão, da Série Principal (equivalente a Terceira Divisão Paulista), que em termos de importância só ficava atrás da Série Intermediária (Segunda Divisão) e da Primeira Divisão da Série Principal (Elite Paulista).

Em 1929, o Húngaro Paulistano participou da Divisão Municipal, pela LAF. Uma Quarta Divisão Paulista.

Disputou o Torneio Eliminatório entre as equipes da Divisão Municipal, para preencher as duas vagas para o Campeonato Paulista da Segunda Divisão da APSA de 1930. Porém, acabou caindo na 1ª fase, no domingo, do dia 20 de Abril de 1930, ao ser derrotado pelo Húngaro Ypiranga por 2 a 0.

Esteve presente no Campeonato Municipal da APEA (Associação Paulista de Esportes Athleticos) de 1931 e 1932. Um fato curioso, aconteceu na segunda-feira, do dia 06 de Julho de 1931.

 

Escudo retirado da Revista Híradó - Informativo da Associação Húngara - Brazíliai Magyar Segélyegyle

Preliminar do amistoso internacional

O Húngaro Paulistano fez a preliminar do amistoso internacional, entre o Palestra Itália (atual Palmeiras) versus o campeão húngaro: Ferencvárosi Torna Club, às 21h40, que terminou com a goleada dos brasileiros por 5 a 2.

Na preliminar o Húngaro Paulistano foi derrotado por 4 a 2, pelo Club Athletico Brasil. Porém, a felicidade em estar no mesmo palco que o clube húngaro superou a derrota.

 

Clube é desclassificado e recebe multa pesada

No Campeonato Paulista da Segunda Divisão da APEA de 1933, o Húngaro Paulistano acabou passando por uma situação desagradável. Após não ter comparecido em dois jogos, o clube sofreu dura punição.

De acordo com a letra “G” do Artigo 27 do código de penalidades, por não ter comparecido no domingo, dia 23 de julho de 1933, para enfrentar o Esporte Clube Ypiranga, a APEA desclassificou o Húngaro Paulistano, além de ter recebido uma multa de 200$000 (duzentos mil réis).

 

Clube é obrigado a mudar o nome  

No início de fevereiro de 1940, o Sport Club Húngaro Paulistano solicitou autorização para funcionar como sociedade brasileira. No entanto, o então Ministro da Justiça, o mineiro Francisco Campos, de 49 anos, afirmou que só iria autorizar se caso a agremiação modificasse o nome, de acordo com a lei em vigor na época.

Diante das poucas opções, o Sport Club Húngaro Paulistano acabou acatando a “recomendação” e decidiu alterar o nome para: Clube Cultural Paulistano. A mudança acarretou com o afastamento do futebol.

Na década de 40, mudou de Sede duas vezes: Rua Sousa, nº 193; e na Rua Aurora, nº 408. Na década de 50, se transferiu para a Rua Conselheiro Nébias, 815, no Bairro dos Campos Elísios.

Durante esse período o clube apareceu diversas vezes no noticiário esportivo no Ping-Pong (Tênis de Mesa) e Xadrez. As últimas linhas sobre a existência do Clube Cultural Paulistano se esvaíram em meados da década de 70.

Time-base de 1927: Isazy; Matis e Hachmant; Miklos, Alcides e Boskovitz; Strauss II, Timon, Fillip, Varga e Strauss I.

Time-base de 1929: Raez (Varga); Horvath I e Bugyi (Horvath II); Nebel, Boskovitz e Stanicz; Marosan, Tomon (Stnutz), Kaplar (Varga), Struc (Tonem), Piller (Beltz).

Time-base de 1931: Casanady (Huber); Emílio e Idylio; Enke (Coke), Paschoal (Luiz) e Jacob (Manoel); Mathias (Augusto), José, Francisco, Ernesto (Varga) e Struc.

Time-base de 1932: Malck; Norvath e Bettoni; Kebel, Paschoal e Franckfurter; Barno, Costa, Roggerio, Hausner e Crocci.

 

FONTES: Correio Paulistano – Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) – Jornal dos Sports – Correio de São Paulo – Correio Paulistano – Diario Nacional : A Democracia em Marcha (SP) – A Gazeta (SP) – A Rua : Semanario Illustrado (RJ) – Revista Híradó (Informativo da Associação Húngara – Brazíliai Magyar Segélyegylet ) – Associação Húngara – Sociedade Brasileira de Socorro do Brasil (http://www.ahungara.org.br/) – Tribuna da Imprensa (RJ) – O Estado de Florianópolis (SC)