Escudo raro, década de 70: Tupã Futebol Clube – Tupã (SP)

O Tupã Futebol Clube é uma agremiação do município de Tupã, interior do estado de São Paulo. Sua Sede está localizado na Rua Chavantes, s/n, no Centro de Tupã (SP). As suas cores do tricolor: vermelho, preto e branco.

O “Tricolor da Alta Paulista” ou “Indião do Oeste Paulista” foi Fundado no sábado, do dia 08 de Fevereiro de 1936, por um grupo de 30 pessoas, que se reuniram à noite numa congregação para definir os detalhes da criação de um time de futebol para a cidade de Tupã.

O nome acabou sendo escolhido como Tupã Futebol Clube. Antônio Caran, o dono do local onde se realizou a reunião, foi nomeado o 1º presidente, enquanto Tobias Rodrigues desenhou o uniforme nas cores vermelha, preta e branca.

Vergilio Pereira de Araújo encarregou-se de escolher o local do estádio, que nada mais era que um campinho cercado de árvores nobres e plantações de café.

O Tupã tem em sua história partidas memoráveis, como, por exemplo, em 1948, quando a equipe do Santos viajou 10 horas até a cidade e perdeu por 3 a 2. Em 1950, mais uma contundente vitória sobre o time santista por 4 a 2. Em 1954, o time ficou com o vice-campeonato da Copa Anchieta, equivalente à Segunda Divisão da época.

Foto do ex-jogador Pulga

Conhecido como “o mais querido da Alta Paulista“, o Tupã tem uniforme que segue o padrão do São Paulo, com listras horizontais preta e vermelha, formando o conjunto tricolor.

Durante alguns recentes anos de sua história, o clube alterou seu uniforme, adotando as cores do município (branco, amarelo e azul), bem como seu escudo. As alterações não foram bem-vindas pela torcida, tendo o uniforme retornado à sua configuração inicial anos depois.

O escudo do clube também passou por mudanças, como em 1998, quando o símbolo ganhou um trovão, como referencia o Deus Tupã. Em 2000, um rosto indígena foi colocado sobre o escudo, mas depois o clube retornou ao símbolo original, similar ao do São Paulo.

Começou a disputar competições profissionais em 1949, jogando a Segunda Divisão até 1954. No ano seguinte, não disputou a competição, somente retornando em 1956. Em 1960, disputou a terceira divisão, retornando para a principal divisão de acesso no ano seguinte.

Em 1968, não disputou nenhuma competição, voltado no ano seguinte para a Terceira Divisão, deixando de disputar novamente um campeonato em 1970. Intercalou participações entre a segunda e terceira divisões até 1983, quando pediu licença junto a Federação. No início da década de 1980, teve confrontos memoráveis com a Penapolense.

Voltou a disputar a Terceira Divisão em 1985, permanecendo na divisão até 1993, quando caiu para a quarta divisão. Nessa década, teve bons jogos com o Rio Branco, de Ibitinga, com o Jaboticabal, com o Corinthians de Presidente Prudente e com o Barretos.

Na década de 2000, continuou a disputar a quarta divisão, tendo desistido da competição em 2006, retornando no ano seguinte.

Acesso a A-3 em 2013

O Tupã não começou bem e perdeu a primeira partida em casa para o Grêmio Prudente por 1 a 0, depois foi batido fora pelo Osvaldo Cruz por 2 a 1 e empatou por 2 a 2 com o Assisense diante de sua torcida. Então a diretoria optou por demitir o técnico China, que tinha montado todo o elenco.

Tupãzinho, então gerente de futebol, assumiu o comando técnico e elevou o aproveitamento. Com o ex-jogador no comando, o Tupã passou a ser consistente.

Além de garantir os três pontos diante de seu torcedor, o time sempre arrancava pontos dos adversários fora de casa, conseguindo avançar no torneio. Logo na estreia de Tupãzinho, goleada sobre o Presidente Prudente por 4 a 0.

Depois, o time devolveu a derrota para o Grêmio Prudente pelo mesmo placar. A partir de então, o time engatou uma sequência de vitórias no estádio Alonso Carvalho Braga, onde manda seus jogos. Com 13 pontos, o Tupã terminou na 2ª posição do Grupo 02 e avançou para o Grupo 14, onde teve Atibaia, Cotia e Américo como rivais.

A campanha em casa seguiu impecável: 2 a 1 sobre o Américo, 1 a 0 sobre o Cotia e 3 a 1 sobre o Atibaia. Fora de casa, arrancou um empate na última rodada por 2 a 2 com o Américo e garantiu a ponta da chave.

A terceira fase fez com que o Cotia novamente entrasse no caminho do Tupã. Os demais integrantes do Grupo 17 eram Primavera e Tanabi. Apesar das dificuldades, o Tupã conquistou 11 pontos, vencendo três em casa (2 a 1 sobre o Primavera e Cotia e 3 a 2 sobre o Tanabi) e arrancando dois empates como visitante (0 a 0 com Tanabi e 1 a 1 com o Primavera).

A invencibilidade em casa teve fim na quarta fase. Logo na estreia, o Tupã foi surpreendido pela Matonense, que venceu por 2 a 1. A vaga na Série A3 do Campeonato Paulista parecia distante, mas o clube soube recuperar os pontos perdidos.

Uma meta foi traçada: fazer pelo menos quatro pontos nas próximas duas partidas como mandante. E o empate com o Paulistinha por 1 a 1 e a vitória sobre o Atibaia por 1 a 0 trouxeram a confiança de volta à equipe. O clube goleou o Atibaia por 5 a 1 e chegou na penúltima rodada dependendo apenas de suas próprias forças para garantir o acesso.

7.500 torcedores compareceram no estádio e empurraram a equipe para a vitória, por 3 a 1, sobre o Paulistinha. O clube não chegou à final, pois perdeu diante da Matonense, mas o acesso da equipe consagrou Tupãzinho como treinador. Em 2014 e 2015, fez campanhas razoáveis na Série A3, mas acabou voltando para a Segunda Divisão (4º nível) em 2016.

HINO

Da nação indígena surgiu

O Tricolor mais querido!

E jogando um futebol exuberante,

corações ele atingiu.

Muitos craques passaram pelo time,

muitos gols eles fizeram!

Na derrota nunca esmoreceram,

nas vitórias muitas glórias!

Dá-lhe Tricolor! Dá-lhe Tricolor! (Refrão)

Muita garra, luta e determinação!

Dá-lhe Tricolor! Dá-lhe Tricolor!

Muita garra, luta e determinação!

Estádio Alonsão

A equipe manda os seus jogos no Estádio Municipal Alonso Carvalho Braga, o “Alonsão“, com capacidade para 12 mil pessoas. O local foi construído em 1942, na época com arquibancadas de madeira.

Posteriormente teve a construção de cinco mil lugares em arquibancadas de concreto, ampliadas na década de 80, para 10 mil lugares. A última ampliação aconteceu no inicio dos anos 90, quando chegou-se aos 14.800 lugares (com arquibancadas metálicas no setor das Gerais).

O Alonso Carvalho Braga conta também com cabines para rádios, camarotes, sala para filmagem, sala para convidados, sala com ar-condicionado para reuniões, quatro banheiros, dois bares, roletas com cartão magnético, vestiários amplos, sala da diretoria, sala de fotos e troféus, complexo de alojamentos, iluminação noturna por quatro torres de holofotes com doze refletores cada, placar, campo com gramado natural e com dimensões apropriadas ao futebol.

Atualmente a capacidade do estádio abaixou para 12 mil lugares devido às regras estipuladas pelo Corpo de Bombeiros. O estádio é palco de jogos inesquecíveis à torcida local, com público considerável.

Texto, desenho e pesquisa: Sérgio Mello

Colaborou: Rodrigo S. Oliveira

FOTO: Acervo de Vicente Henrique Baroffaldi e Paulo Micali

FONTES: Wikipédia – Federação Paulista de Futebol (FPF) – site do clube

Jaceguay Futebol Clube – São Paulo (SP): Fundado em 1912

O Jaceguay Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). O “Veterano Grêmio da Bella Vista” foi Fundado na terça-feira, do dia 1º de Outubro de 1912.

As cores verde e branco foram escolhidas pelo técnico  Salvador Loschiavo, que jogou no União Brasil (verde e amarelo), e depois jogou no Palestra Italia (atual Sociedade Esportiva Palmeiras) entre 1921 a 1927 e 1929 a 1934.

A sua Sede ficava localizada no bairro da Bela Vista, no encantador Bixiga, na região central de São Paulo. Já a sua Praça de Esportes estava situado na Rua Martinho Prado, s/n, também no bairro da Bela Vista.

Em 1914, disputou o Campeonato, organizado pela Liga Paulista de Sports (LPS). Em 1919, participou do Campeonato, organizado pela Federação Paulista de Sports (FPS). Nos anos 20, fez parte da APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos).

Famoso ataque demolidor do Jaceguay, na década de 40: Cebolinha – Zezinho – Caiuba  

Texto, desenho e pesquisa: Sérgio Mello

Colaborou: Rodrigo S. Oliveira

FOTO: Acervo de Mario Carmo Biondi

FONTES: Diário Nacional: A Democracia em Marcha (SP) – A Fita (SP) – O Combate: Independência, Verdade, Justiça (SP) – A Gazeta (SP)

Atlético Clube Itatiaia – Itatiaia (RJ): Fundado em 1938

O Atlético Clube Itatiaia é uma agremiação do município de Itatiaia, situado na região sul fluminense do estado do Rio de Janeiro. A Sede fica localizado na Praça João Vieira, s/n, no Centro de Itatiaia.

O “Mais Querido” foi Fundado em 1938. Nove anos depois, alterou o nome para Atlético Clube Campo Belo, denominação batizada em função do nome do 4º distrito Vila Campo Belo. As suas cores: azul e branco.

Na quarta-feira, do dia 14 de maio de 1952, o clube alterou novamente para nomenclatura atual, e, registrado em 12 de maio de 1957. Nesta época, os membros que faziam parte da diretoria eram os Senhores: Hugo Barbosa Pinto, Alarico Nicomedes Rodrigues, Emmanoel Ferreira Tavares, Clodoaldo Rodrigues Cardoso, Abelardo Martins de Oliveira e Geni de Paula Lima.

Seus Presidentes até o momento foram: Hugo Barbosa Pinto, Walter Miglioli, Silvio Cotrim, José Batista Pinto, Aluisio Rodrigues Marques, Jorge Barbosa da Silva, João Mathias de Aguiar, e recentemente Roberto Otatti.

Anos 60: Campo de futebol local com a presença entre outros do vereador na época Mário Pereira da Silva. Reparem na bandeira do Atlético Clube Itatiaia com o Gumercindo e o saudoso Fafu.

Filiado a Liga Desportiva de Resende

No final do mês de maio de 1952, a agremiação se filiou a Liga Desportiva de Resende (LDR), juntamente com o Esporte Clube Campo Elíseos (2º distrito de Alto dos Passos). As filiações foram homologadas pela Federação Fluminense de Desportos (FFD).  

Utilidade Pública

Na quarta-feira, do dia 17 de dezembro de 1952, o então governador do estado do Rio de Janeiro, Amaral Peixoto (de 31 de janeiro de 1951 a 31 de janeiro de 1955), sancionou a lei da Assembléia Legislativa considerando utilidade pública, o Atlético Clube Itatiaia.

Rivalidade

Flâmula referente ao 20º aniversário do clube

O Esporte Clube Nacional é o seu maior rival. A oposição também se fazia na irreverência de cada torcida, o Itatiaia era chamado de o “Mais Querido” e o Nacional, como o “Clube do Povo”. Esses simbolismos acabaram criando cultura, fazendo política e gerando comunicação.

A participação popular na época era tanta, que para satisfazer seus simpatizantes, os clubes procuravam outras atividades de lazer e cultura, a exemplo das escolinhas de futebol para crianças que no Nacional foram dirigidas em fases diferentes por José Limpinho, Dito Cambeta e Sidroneo.

No Itatiaia, Amíler e depois Jorge Barbosa da Silva. Tivemos também no Nacional, em sua Sede, a 1ª Escola de Alfabetização de adultos, em Itatiaia. As festas sociais eram patrocinadas pelas duas Entidades, assim como também as festas juninas.

Essas agremiações eram filiadas inicialmente na Liga Desportiva de Resende, e vários títulos foram conquistados para o nosso Distrito, o Nacional foi duas vezes campeão e o Itatiaia conquistou três vezes, títulos oficiais.

Clube ajudou a fundar a Liga Desportiva de Itatiaia

Foto de 1989

Com a Emancipação do município de Itatiaia, foi criado em 22 de Junho de 1990, a Liga Desportiva de Itatiaia (LDI), graças aos presidentes do Atlético Clube Itatiaia e Esporte Clube Nacional que se uniram a fim de fundá-la. O 1º presidente provisório da Liga foi Jorge Barbosa da Silva, que após organizar a sua administração.

No 1º Campeonato Citadino em 1991, o Atlético Clube Itatiaia ficou com o vice-campeonato, só atrás do arquirrival Nacional.

Desenhos e texto: Sérgio Mello

FOTOS: Acervo de Wanderson Alexandre Júlio (ex-jogador do clube) – Liliam Fróes

FONTES: Academia Itatiaiense de História – A Manhã (RJ) – Correio da Manhã (RJ)

Esporte Clube Nacional – Itatiaia (RJ): Fundado em 1951

O Esporte Clube Nacional é uma tradicional agremiação do município de Itatiaia, situada na região Sul Fluminense do estado do Rio de Janeiro (RJ). O “Clube do Povo” foi Fundado no sábado, do dia 08 de Dezembro de 1951 , com o nome de Guarani Futebol Clube. Em 20 de agosto de 1958, quando foi registrado, a agremiação adotou o nome atual: E.C. Nacional. As suas cores: verde e branco.

A 1ª Diretoria foi composta pelos seguintes membros: Sebastião Bernardo, José Aníbal Carneiro, Guilherme Camejo, Joaquim Carvalho Lemos, Joaquim Isidoro Coutinho e Arthur Alberto Leite Junior.

Os seus Presidentes ao longo da sua história foram os seguintes: Sebastião Bernardo, Elias Ferreira, José Coutinho, Luís Gomes Rabelo, José Nicanor de Barros e ultimamente, André Valente

O grande rival do Nacional é o Atlético Clube Itatiaia. O encontro entre essas duas equipes agitavam os torcedores itatiaienses, atraindo um grande número de pessoas nos jogos.  

No início das suas atividades o Nacional era filiado a Liga Desportiva de Resende (LDR), onde se sagrou campeão em duas oportunidades. Posteriormente, em 22 de Junho de 1990, quando presidentes do Atlético Clube Itatiaia e Esporte Clube Nacional se uniram a fim de fundar a Liga Desportiva de Itatiaia (LDI), passaram a jogar as competições no seu município. O 1º presidente provisório da Liga foi Jorge Barbosa da Silva, que após organizar a sua administração.

Primeiro Campeão Citadino: Esporte Clube Nacional

EM PÉ (esquerda para a direita): Samambaia, Newton Careca, Ary, Deleco, Mirinho, Fernando (C), Mazinho, Pedro Antônio, Totonho, Marquinho, Afrânio e Djalma.

AGACHADOS (esquerda para a direita): : Toninho Romário, Batista, Geovane, Serjão, Murilo, Jarbinha e Henrique.

No primeiro, extra-oficial, sagrou-se campeão o União da Vila Futebol, em 1990. Nos oficiais, o Esporte Clube Nacional tornou-se o 1º campeão do Município em 1991, invicto tendo como Vice o Atlético Clube Itatiaia.

O título foi alcançado na segunda partida da final, do 1º Campeonato Oficial de Amador de Itatiaia. Assim, o Nacional foi campeão de forma invicta, tendo o ataque mais positivo (33 gols), a defesa menos vazada (nove gols sofridos) e o artilheiro do certame: Toninho Romário com 11 gols. Ao todo foram 15 jogos, com 11 vitórias e quatro empates.

O time do Nacional campeão tinha a seguinte formação e numeração:

1 – Afrânio;

2 – Ary,

3 – Serjão,

4 – Fernando,

6 – Mazinho,

5 – Marquinho,

7 – Batista,

8 – Murilo,

10 – Geovane,

9 – Henrique,

11 – Toninho Romário

Técnico: Newton Careca.

No ano seguinte, em 1992, foi a vez do Novo Cimafe Futebol Clube, ficando com Vice o Verona Futebol Clube. Neste período, outros eventos foram realizados, sobretudo, buscando atingir os jovens do nosso município, e foi com esses eventos importantes, tais como: Campeonatos de Juvenil em 1992, quando sagrou-se campeão o Verona Futebol Clube.

O Campeonato de Juniores, também em 1992, quando teve como campeão o Esporte Clube Nacional, que surgiram as oportunidades que foram dadas a vários atletas juvenil, que posteriormente atuaram no Fluminense Football Club, do Rio de Janeiro e no Flamengo. Alguns destes atletas foram os seguintes: Bebeto, Altair, Flavinho, Xando, Alan, Alessandro Couto, Alex e Sirlei

FOTOS: Acervo de Murilo Souza de Oliveira (ex-jogador do Nacional)

Desenhos e texto: Sérgio Mello

FONTES: Academia Itatiaiense de História

Esporte Clube Maravilha – Rio de Janeiro (RJ): Fundado em 1939

Pesquisa, desenhos e texto: Sérgio Mello

O Esporte Clube Maravilha foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Alviceleste Maravilhense” foi Fundado no domingo, do dia 02 de Abril de 1939, como Sport Club Maravilha, por um grupo de desportistas liderados por Altair Pereira, Eloi Genovês, Geraldo de Souza, Petrônio Marcos, entre outros.    

Um breve resumo sobre a história do clube

O 1º campo (de propriedade do I.A.P.C., cedido por empréstimo) era modesto e dividia o espaço com outra equipe (Unidos). Posteriormente com a extinção do Unidos passou a gerir o campo sozinho, que ficava na Rua da Bica, em Quintino.

Até no final década de 40, a Sede provisória ficava na Praça Tiradentes, no Centro do Rio. Graças ao árduo trabalho do presidente do clube, Floriano Peixoto Resende, na noite de sábado, às 21 horas, no dia 18 de dezembro de 1954, o clube inaugurou a sua Sede própria que ficava situada na Rua Cupertino, nº 395, Quintino Bocaiúva, na Zona Norte do Rio (RJ). A mesma foi adquirida com enorme sacrifício, por meio das cotas dos sócios-proprietários e mensalidades.  

Contando com o 1º e 2º Quadros, a diretoria do Maravilha criou o quadro Infantil, no início de novembro de 1941. Além do futebol, o clube também contava com uma forte equipe de Tênis de Mesa

Em 1954, se sagrou campeão do Campeonato de Futebol Independente, organizado pelo jornalista Julio Neves e do qual contou com a participação de cerca de 80 clubes. Na final, após perder para os Irmãos Goulart por 5 a 3, no jogo de ida, em Olaria, o Maravilha reverteu o quadro venceu por 2 a 1, no Estádio Figueira de Melo, levantando a taça.

Maravilha jogou no Maracanã – Parte I

No sábado, do dia 09 de Abril de 1955, o Flamengo goleou o Santos por 5 a 1, válido pelo Torneio Rio – São Paulo. Na preliminar, o Maravilha jogou pela primeira vez no imponente Estádio Mario Filho, o Maracanã.

O adversário foi o Torres Homem Futebol Clube, do Bairro de Botafogo, filiado no Departamento Autônomo. Num jogo bastante movimentado, acabou empatada em 3 a 3.

O Maravilha vencia quando no “apagar das luzes” o zagueiro Joel, numa jogada de pura infelicidade, acabou marcando contra o próprio patrimônio. Os gols do Maravilha foram assinalados por Pitoca, duas vezes, e Cica um tento. O time jogou assim: Caju; Petrônio e Joel; Cunhado (Telo), Célio (Maneco) e Cicino; Cica, Lico (Taica), Azambuja, Buja (Renato), Jair  e Pitoca.   

No começo de 1956, o clube contava com 85 sócios proprietários, 315 contribuintes (sendo 55 juvenis) e mais seis diretores e conselheiros, dando um total de 400 associados. Segundo membros do clube, uma torcida de cerca de 2 mil pessoas.

Maravilha voltou a jogar no Maracanã e entregou uma flâmula ao craque Puskas

Ferenc Puskás abraçado com os jogadores do Maravilha

Na noite de sábado, às 19h30min., do dia 02 de Fevereiro de 1957, na preliminar do amistoso internacional entre Flamengo e Honved (base da Seleção Húngara, na época), o Maravilha voltou a pisar no gramado do Maracanã.

O Maravilha acabou derrotado pelo Modelo, de Bonsucesso (campeão do Torneio realizado pelo Bonsucesso Futebol Clube) pelo placar de 2 a 1, sofrendo, numa cobrança de penalidade máxima, o tento derradeiro no fim da partida.

No intervalo da preliminar, os jogadores do Maravilha ofereceram aos jogadores húngaros uma flâmula, como o craque Ferenc Puskás.  No segundo tempo, o Modelo, reforçado por jogadores do Aspirantes do Bonsucesso F.C. conseguiu o tento da vitória no final da peleja.

Gol de pênalti que deu a vitória ao Modelo
O goleiro Tide (Maravilha), entregando a flâmula a Farago

Time de 1941: Antoninho; Abraão e Raulino; Ney, Aprígio e Ovídio; Faustino, Altino, Antonio, Oswaldo e Donato. Reservas: Larry, Hamilton, Hélio, Luiz, Nascimento, Domingos, Nelson I e Nelson II.  

Time de 1953: Tide (Hugo); Petrônio (Medroso) e Esquerdinha; Joel, Cunhado e Cicino; Cica, Jair, Taica, Rogério (Osvaldo) e Guará (Djalma).  

Time de 1954: Tide (Hugo); Petrônio e Esquerdinha (Joel); Maneco, Célio e Cicino; Cica, Taica, Lico, Renato, e Rogério.  

Time de 1955: Caju; Toninho (Petrônio) e Joel (Maneco); Cunhado (Telo), Célio e Cicino; Cica, Lico (Taica), Azambuja (Geraldo), Jair (Renato) e Pitoca (Buja).  

Time de 1956: Caju; Petrônio e Joel; Maneca, Telo e Cicino; Cica, Lico, Arlindo, Jaú e Pitoca.  

FONTES: Gazeta de Notícias (RJ) – A Noite (RJ) – Jornal dos Sports – Diário de Notícias (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Tribuna da Imprensa (RJ)

Tamoio de Ramos Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ): Fundado em 1952

O Tamoio de Ramos Futebol Clube foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Um grupo de garotos residentes na Rua Dr. Noguchi, Travessa Salvador Maciel e Rua Diogo Brito, no bairro de Ramos resolveram se reunir para Fundar o clube, no Domingo, do dia 11 de Maio de 1952.

A primeira providência foi curiosa: na barreira existente na Rua Roberto Silva, pertencente ao Sr. Luiz Pacheco Drummond pintaram, numa pedra o escudo do clube.

Os senhores Severino Pinto de Araújo, Rubem Pinto de Araújo, Rubem das Neves, Fenelon Pinheiro (Lucas), Érico Loyola Rêgo, Nelson Herdeiro, Domingos Dias Teixeira e Djalma Ferreira da Silva vendo o esforço dos jovens, que começaram a jogar suas “peladas” acharam que deviam auxiliá-los, assistindo aos jogos e contribuindo financeiramente para melhoria do já então futuroso clube. As primeiras camisas, chuteiras, meias e calções foram comprados mediante um rateio em que entraram aqueles desportistas.

História do escudo

A principio o escudo pintado na pedra era semelhante ao São Cristóvão; em preto e branco; posteriormente foi modificado, passando a ser tricolor: azul, encarnado e branco em listras verticais separadas da parte de cima por uma faixa com os dizeres: Tamoio F.C.; na parte de cima duas flechas cruzadas, a simbolizar o nome “tamoio“. A ideia da mudança das cores e do escudo pertenceu ao desportista Nelson Herdeiro, por um simples fator: ele era desenhista e projetou o distintivo.

Em assembleia geral foi definida a 1ª Diretoria, que foi constituída pelos seguintes membros:     

Presidente – Djalma Ferreira;

Secretário Geral – Nelson Machado;

Tesoureiro – José Francisco Herdeiro;

Diretor de Esportes – Érico Loyola Rêgo;

2º Secretário – Nelson Herdeiro

Procurador – Nilson de Oliveira Ramos;

Diretor de Patrimônio – Osvaldo de Andrade.

Praça de Esportes

O seu campo ficava localizado no caminho do Itararé, ao lado de outros campos, ou sejam: Unidos do Itararé, Alvaceli Futebol Clube, Itaóca Futebol Clube e Antunes Futebol Clube, no bairro Jardim Ana Maria. No começo de 1956, o clube contavam com 140 associados. Segundo Nelson Machado, então presidente do clube em 1956, a maior vitória foi sobre o Cruzeiro do Sul Futebol Clube, campeão invicto de Petrópolis, por 2 a 1, no Estádio da Rua Bariri, em Olaria. 

Elenco em 1956

Goleiros: Zezinho e Renildo;

Zagueiros: Roberto, Darci, Osmar, João, Nelson e Zilmo;      

Médios: Neca, Flávio, Ézio, Djalma e Guilherme

Atacante: Harlei, Washington, Nei, Sobrinho, Zeca, Canucho e João.

Time base de 1960: Renilton; Sérgio e Walter; Leleco, Cícero e Joel; Washington, Tião, Zezinho, Índio e João.

FONTES: Tribuna da Imprensa (RJ) – Jornal dos Sports

Foto Rara de 1972: São Cristóvão de Futebol e Regatas (RJ)

EM PÉ (esquerda para a direita): Triel, Norival, Celso, Madeira, Dias e Almir AGACHADOS (esquerda para a direita): Gilbert, Ivo Sodré, Alexandre, Téia e Humberto. Destes, faleceram: Madeira, Almir e Ivo Sodré.

Acima o time posado do São Cristóvão de Futebol e Regatas, no Estádio de Moça Bonita, no bairro de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que saiu postado na revista Placar, em 1972:            

FOTO: Acervo de José Leôncio Carvalho

Foto Rara de 1972: Olaria Atlético Clube/RJ, com Garrincha, em Juazeiro do Norte (CE)

EM PÉ (esquerda para a direita): Aluísio, Fernando Pirulito, Mario Tito, Pedro Paulo, Altivo e Mineiro;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Garrincha, Ézio, Roberto Pinto, Salvador e Carlos Antonio.
Destes, já faleceram: Mario Tito, Pedro Paulo, Garrincha, Roberto Pinto e Salvador.

Na foto posada (acima), onde está Mané Garrincha, defendendo as cores do Olaria Atlético Clube, referente ao amistoso nacional contra o Combinado Icasa-Guarani. A partida transcorreu na sexta-feira, do dia 21 de abril de 1972, no Estádio Municipal Mauro Sampaio, o “Romeirão“, em Juazeiro do Norte (CE).

O clube da Rua Bariri recebeu a cota de Cr$ 25 mil pelo jogo. Após a partida, Mané Garrincha foi homenageado, onde recebeu o título de “Cidadão Juazeirense“, pela Câmara Municipal de Juazeiro do Norte, proposto pelo vereador Francisco Rocha da Silva.      

No final da peleja, o Combinado Icasa-Guarani venceu pelo placar de 3 a 1. A presença de Garrincha levou ao Romeirão o maior público de sua história: com mais de 15 mil pagantes. Mané Garrincha conseguiu os seus dribles clássicos (saída para a direita) sobre o lateral Catolé, o “João” da vez.

Da esquerda para direita: Francisco Bezerra (gerente das extintas Casas Pernambucanas), Edmilson Bezerra (dirigente da Liga Desportiva Juazeirense), Garrincha, Francisco Gama e Ednaldo Dantas (ambos dirigentes do Guarani).

FOTO POSADA: Acervo de José Leôncio Carvalho

FOTO: Acervo de Wilton Bezerra

FONTES: Jornal dos Sports – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Pernambuco