Arquivo da categoria: Minas Gerais

Seleção Brasileira: a história dessa foto rara de 1963!

Uniforme de treino

A CBD (Confederação Brasileira de Desportos), por meio do técnico Aymoré Moreira convocou 29 jogadores, na terça-feira, do dia 05 de Fevereiro de 1963, para o Sul-Americano da Bolívia (atual Copa América), que transcorreu entre os dias 10 a 31 de março daquele ano.

O chefe da delegação Canarinho foi Edgar Leite de Castro; secretário, Edson de Oliveira; delegado, Abílio de Almeida; médico e supervisor, Hilton Gosling; técnico, Aymoré Moreira; assistente, Mario Celso de Abreu, o Marão; dentista, Mário Trigo; massagista, Eduardo Santana, “Pai Santana”; sapateiro e cozinheiro, Aristides; roupeiro e almoxarife, Ubirajara Ferreira.    

 A relação dos jogadores convocados:

Mineiros: Marcial (goleiro, Atlético-MG); Procópio (zagueiro, Atlético-MG); Massinha (lateral-direito, Cruzeiro); Geraldino (lateral-esquerdo, Cruzeiro); Hilton Oliveira (ponta-esquerda, Cruzeiro); Rossi (atacante, Cruzeiro); Luís Carlos (atacante, Cruzeiro); Amaury (cabeça-de-área, Cruzeiro); Marco Antonio (atacante, América Mineiro); Ari (América Mineiro); Nerival (meia, Cruzeiro); Fifi (meia-atacante, Atlético-MG).

Cariocas: Ubirajara (goleiro, Bangu); Mario Tito (zagueiro, Bangu); Itamar (lateral-esquerdo, America); Jorge (lateral-direito, America); Altamiro (atacante, São Cristóvão).

Paulistas: Henrique (goleiro, Corinthians); Ferrari (lateral-esquerdo, Palmeiras); Tarciso (zagueiro, Palmeiras); Píter (zagueiro, Comercial de Ribeirão Preto); Ílton Vaccari (meia, Guarani); Almir da Silva (atacante, Taubaté); Tião Macalé (meia, Guarani); Joaquinzinho (Juventus); e Oswaldo (atacante, Guarani)

Gaúchos: Flávio Minuano (atacante, Internacional); Cláudio Danni (zagueiro, Internacional).

Seleção Brasileira de Futebol (1963)
EM PÉ (esquerda para a direita): Henrique (Corinthians/SP), Jorge (America/RJ), Mario Tito (Bangu/RJ), Ílton Vaccari (Guarani/SP), Píter (Comercial-SP) e Itamar (Madureira);
AGACHADOS (esquerda para a direita): Altamiro (São Cristóvão/RJ), Flávio Minuano (Inter/RS), Joaquinzinho (Juventus/SP), Tião Macalé (Guarani/SP), Oswaldo (Guarani/SP) e  “Pai” Santana (massagista).

O treinador no Sul-Americano foi Mario Celso, o ‘Marão’, tendo Aymoré Moreira na supervisão.

Os convocados se apresentaram no domingo, do dia 10 de Fevereiro de 1963, na Sede da CBD, de onde seguiram para a Colônia de Férias do SESC, em Venda Nova, em Belo Horizonte/MG para o início dos treinos.

Curiosidade

Na lista apresentada pela CBD, o lateral-esquerdo Itamar, constava como jogador do Madureira Atlético Clube, porém, um mês antes da convocação o atleta tinha sido vendido para o America Football Club

No sábado, do dia 02 de Fevereiro de 1963, a diretoria do Tricolor Suburbano recebeu o valor de Cr$ 3 milhões e mais os passes de dois jogadores: Nai e Domingos e o direito de escolher outro jogador do elenco do America, caso Domingos não quisesse se transferir para Conselheiro Galvão.  

Segundo o contrato firmado, O America pagou a Itamar Cr$ 1 milhão, a título de luvas, e mais um salário mensal de Cr$ 70 mil. 

Sobre a foto: Brasil A x Cruzeiro e Brasil B x Atlético-MG  

Na tarde da segunda-feira, do dia 18 de Fevereiro de 1963, a Seleção Brasileira foi divida entre A (titulares) e B (reservas). Então, a Seleção A enfrentou o Cruzeiro, empatando em 1 a 1. Já a Seleção B jogou e venceu o Atlético Mineiro pelo placar de 3 a 1.

Estádio Juscelino Kubitschek de Oliveira, no bairro Barro Preto, em BH

Ambos os jogos-treinos, foram realizados no Estádio Juscelino Kubitschek de Oliveira (capacidade para 15 mil pessoas, de propriedade do Cruzeiro), no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte.

Um público regular, que gerou uma Renda de Cr$ 336.600,00, com ingresso vendidos a Cr$ 100,00.

O ensaio constou de quatro etapas, a primeira e terceira reservada a Seleção A x Cruzeiro e as demais para a Seleção B x Atlético-MG.

1ª Etapa

Na primeira fase, que teve a duração de 30 minutos, Seleção A e Cruzeiro empataram em um tento, com gols de Ari para o Escrete Canarinho aos 10 minutos, em jogada individual, iludiu vários adversários, terminando por passar por Norival e chutar, sem defesa para Tonho. Em seguida, após boa troca de passes entre Elmo e Emerson, culminou com ótimo lançamento para Antoninho que marcou para Raposa.

2ª Etapa

Depois, foi à vez da Seleção B x Atlético-MG, que durou meia-hora, sem abertura de contagem.   

3ª Etapa

Retornaram a Seleção A e Cruzeiro, por mais 30 minutos, o melhor momento foi um pênalti a favor do Brasil, aos 8 minutos, mas que o goleiro Mussula voou, espalmando para escanteio. O placar permaneceu inalterado, ficando em 1 a 1.

4ª Etapa

Para finalizar, mais meia-hora para Seleção B x Atlético-MG. Logo aos 5 minutos, o Brasil abriu o placar. Joaquinzinho fez excelente passe para Altamiro que driblou o goleiro e colocou  a bola rente a trave.

Aos 26 minutos, Oswaldo escapou pela direita e deu passe para Flávio Minuano, que se aproveitou da indecisão de Bueno para marcar o segundo da Seleção.  

Dois minutos depois, era a vez de Flávio Minuano fazer ótimo lançamento para Joaquinzinho que tocou na saída do arqueiro atleticano. Nos acréscimos, Mario Jorge deu chute fraco, mas o goleiro Ubirajara falhou, permitindo o gol de honra do Galo.

Treinador gostou do que viu

O técnico Aymoré Moreira não pode contar com o zagueiro Procópio Cardoso, Almir e Luís Carlos, todos lesionados. O treinador gostou do desempenho: “Pouco a pouco, vamos armando a seleção ideal“, completou Aymoré, que no dia seguinte dispensou o meia Fifi, do Atlético-MG, por não ter se apresentado juntamente com os demais atletas.

Sul-Americano de 1963: Brasil faz campanha ruim

Apesar da satisfação de Aymoré Moreira, o desempenho no Sul-Americano de Futebol, na Bolívia, foi decepcionante. Sete países participaram do torneio onde se enfrentaram em turno único.

A Seleção Brasileira terminou na 4ª posição, com cinco pontos em seis jogos: duas vitórias, um empate e três derrotas; marcando 12 gols, sofrendo 13 e um saldo negativo de um. A campeã invicta foi a Bolívia (11 pontos), com o Paraguai em segundo (nove), e a Argentina na 3ª colocação (sete).

SELEÇÃO BRASILEIRA ‘A’        1          X         1          CRUZEIRO (MG)

LOCALEstádio Juscelino Kubitschek de Oliveira, no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte/MG
CARÁTERJogo-treino
DATASegunda-feira, do dia 18 de Fevereiro de 1963
RENDACr$ 336.600,00
PÚBLICO3.366 pagantes
ÁRBITROGraça Filho (FMF – Federação Mineira de Futebol)
AUXILIARESJosé do Patrocínio (FMF) e Lúcio Alves (FMF)
BRASIL AMarcial (Henrique); Massinha, William, Cláudio e Geraldino; Ílton Vaccari e Amaury; Nerival, Rossi, Marco Antônio e Ari. Técnico: Aymoré Moreira
CRUZEIROTonho (Mussula); Juca, Raul (Vavá), Benito Fantoni (Dilsinho) e Jairo; Nuno e Nelsinho (Raul); Antoninho, Elmo, Émerson (Dirceu) e Norival. Técnico: Leonízio Fantoni, ‘Niginho’
GOLSAri aos 10 minutos (Brasil); Antoninho aos 11 minutos (Cruzeiro), no 1º Tempo

SELEÇÃO BRASILEIRA ‘B’        3          X         1          ATLÉTICO MINEIRO (MG)

LOCALEstádio Juscelino Kubitschek de Oliveira, no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte/MG
CARÁTERJogo-treino
DATASegunda-feira, do dia 18 de Fevereiro de 1963
RENDACr$ 336.600,00
PÚBLICO3.366 pagantes
ÁRBITROGraça Filho (FMF – Federação Mineira de Futebol)
AUXILIARESJosé do Patrocínio (FMF) e Lúcio Alves (FMF)
BRASIL BHenrique (Ubirajara); Jorge, Mario Tito, Píter e Itamar; Ílton Viccari e Tião Macalé; Altamiro, Joaquinzinho, Flávio Minuano e Oswaldo.
ATLÉTICO-MGFábio; Coelho, Eduardo, Bueno e Klébis; Dinar (Zico) e Fifi (Afonsinho); Toninho (Maurício), Nilson (Carlinhos), Mário Jorge e Noêmio. Técnico: Wilson de Oliveira
GOLSAltamiro aos 5 minutos (Brasil); Flávio Minuano aos 26 minutos (Brasil); Joaquinzinho aos 28 minutos (Brasil); Mário Jorge aos 37 minutos (Atlético-MG), no 2º Tempo.

Pesquisa, texto e redesenho do escudo e uniforme: Sérgio Mello

FOTO: Acervo de Memória Setembrina (@setedesetembrofcbh)

FONTES: Jornal dos Sports – Diário de Notícias (RJ) – Correio da Manhã (RJ)

Inédito!! Associação Athletica Forluminas – Belo Horizonte (MG): fundado no início da década de 30

A Associação Athletica Forluminas foi uma agremiação da cidade de Belo Horizonte (MG). A sua Sede (1932) ficava na Avenida Affonso Penna, nº 1.734, no bairro de Boa Viagem, em Belo Horizonte (MG). Fundado por funcionários da Companhia Fôrça e Luz de Minas Gerais (FORLUMINAS), no início da década de 30.

O Forluminas, no ano seguinte ao seu surgimento, se sagrou campeão Mineiro Amadorista de 1933. No domingo, do dia 17 de fevereiro de 1935, o Villa Nova, então campeão Mineiro da 1ª Divisão, goleou o Forluminas pelo placar de 7 a 0, em Nova Lima.

Em 1935, disputou a Sub-Divisão, com a participação do Sete de Setembro, Forluminas, Commercial, Graphico, Carlos Prates e Fluminense.

Em 05 de Agosto de 1939, A Federação Brasileira de Futebol comunicou que o Forluminas estava oficialmente filiado a Associação Mineira de Esportes (AME).

Mascote da A.A. Forluminas

No início da década de 40, disputou o Departamento Amadorista de Futebol, de Belo Horizonte. No começo dos anos 60, a agremiação alterou o seu nome, passando se chamar: Esporte Clube Forluminas.   

Pesquisa, texto, Desenho do escudo, mascote e uniforme: Sérgio Mello

FOTO: Sport Illustrado (RJ)

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – A Noite (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Sport Ilustrado (RJ) – O Jornal (RJ) – A Manhã (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Almanak Laemmert : Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ)

Foto rara, de 1961: Seleção Municipal de São João Del Rei (MG)

A Liga Municipal de Desportos (LMD) é a entidade máxima do município de São João Del Rei (MG).  A sua Sede fica localizada na Rua João Mourão, nº 8, no Centro de São João Del Rei. Fundado no Sábado, do dia 15 de Janeiro de 1944.

A Foto (acima) remete a década de 60, do ex-jogador Cisquinho do selecionado são-joanense. Vamos a descrição dos jogadores: EM PÉ (esquerda para direita): Barrinha, Agostinho, Pagador, Antero, Cisquinho, Zito, Tisca e Ary Beiçola;

AGACHADOS (esquerda para direita): Galdino, Batistinha, Nonato, Wilson, Papa Arroz e Vicentinho.

FOTO: Acervo de Cisquinho

FONTES: Página da LMD no Facebook – José Leôncio Carvalho

Foto rara, de 1970: Valeriodoce Esporte Clube – Itabira (MG)

A foto em destaque se refere ao Valeriodoce Esporte Clube, da cidade minera de Itabira. Na ocasião, o Valerio enfrentou, fora de casa, a equipe do Caratinga, válido pelo Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, em 1970.   

EM PÉ (esquerda para a direita): Dodo, Valter, Nelson Souza, Paulinho, Campista e Lincoln (irmão do saudoso meio campista do Flamengo, Geraldo Assoviador);

AGACHADOS (esquerda para a direita): Natalino, Carlinhos, Milton (ex. Palmeiras, América, de Rio Preto e times do México), Turcão e Del Prestes.

FONTE E FOTO: Acervo de José Leôncio Carvalho

Independente Atlético Clube – Uberaba (MG): escudos raros de 1943 e 1946

O Independente Atlético Clube é uma agremiação da Cidade de Uberaba (MG). A sua Sede na Rua Oswaldo Cruz, s/n, Conjunto Estados Unidos, em Uberaba. O Azulão foi Fundado no dia 23 de Março de 1938, por alguns dissidentes do Uberaba Sport Club.

O Independente teve seus momentos de glória e tem uma página bonita na história do futebol uberabense. Força no futebol amador, sendo um grande ganhador de títulos da Liga Uberabense de Futebol em todas as categorias, teve destaque para a série do hexacampeonato em que ganhou todos os títulos de 1946 a 1951.

Ao todo faturou 10 títulos: 1946, 1947, 1948, 1949, 1950, 1951, 1957, 1958, 1969 e 1975; Campeão do Torneio de Emancipação do Triângulo de Futebol, em 1990; Campeão da Taça Uberaba de Futebol Amador em 1994.

Na base, faturou sete títulos do Campeonato Citadino Juvenil (em 1980 passou a se chamar: Juniores)  de 1959, 1963, 1974, 1975, 1976, 1977 e 1985. No Campeonato Citadino Sub-17 faturou um título: 1993.

PROFISSIONALISMO

A década de 70 foi o grande período do Azulão no futebol profissional. Dirigido por empresários, o clube não quis ficar atrás dos seus dois grandes rivais e investiu na contratação de bons jogadores que, somados às revelações de suas divisões de base, o levaram a boas campanhas.

A principal delas aconteceu no título do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão (atual “Módulo II”) de 1967 que lhe garantiu o direito de disputar a Elite do Futebol Mineiro com os melhores times do estado. Participou das edições do Campeonato Mineiro da 1ª Divisão em 1968 e 1969 (9º colocado, dentre 16 equipes);

Em 1968, o ano não foi dos melhores e teve um momento decepcionante: a derrota de 10 a 0 para o Cruzeiro, no Mineirão. Em 1969, a campanha foi razoável e o time terminou o campeonato na 9ª colocação, uma à frente do rival Uberaba.

escudo e uniforme de 1943

DESPEDIDA

Após o campeonato de 1969, o Independente viveu dois momentos marcantes: vendeu o zagueiro Normandes para o Atlético Mineiro por um bom dinheiro e teve que abandonar o futebol profissional devido a uma grande crise financeira.

Não conseguiu se reerguer novamente no profissionalismo. Em 1972, por ocasião da inauguração do Uberabão, montou um time com ex-jogadores para enfrentar o Fluminense de Araguari, no novo estádio, e nunca mais voltou a jogar uma partida oficial.

PATRIMÔNIO

Mesmo tendo um rico patrimônio em local valorizado no bairro Estados Unidos, o Estádio Antônio Dal-Secchi, o Independente, é hoje pobre futebolisticamente. Atravessa fase ruim até mesmo no Campeonato Amador da LUF. Depois de cair para última divisão, o “Azulão” luta para voltar a estar pelo menos entre os grandes clubes da cidade.

FONTES: Jornal da Manhã Online – Rsssf Brasil – Liga Uberabense de Futebol (LUF) – Jornal Lavoura e Commercio (MG)

Sete de Setembro Futebol Clube – Uberaba (MG): Fundado no início dos anos 40

O Sete de Setembro Futebol Clube foi uma módica agremiação da cidade de Uberaba (MG). A equipe rubro-verde foi fundada, possivelmente, no início da década de 40. A sua Sede (provisória) ficava localizada na Rua Capitão Manoel Prata, s/n, no Bairro Industrial, em Uberaba.

O Sete se filiou a Liga Uberabense de Futebol (LUF), em 1943. O elenco treinava no campo Canadá. Na sua primeira temporada a equipe rubro-verde fez uma campanha modesta. No seu segundo ano, o clube sofreu algumas avarias. Em março de 1944, esteve na eminência de desaparecer do cenário esportivo.

Chegou a dispensar todos os defensores, quando o Sr. Paulo de Oliveira, presidente da Liga Uberabense de Futebol, delegou poderes  ao Sr. Justino Ferreira de Oliveira para reorganizar o clube.

Foto de maio de 1943

Na quarta-feira do dia 13 de Abril de 1944, com a retirada do Sr. Justino Ferreira de Oliveira da direção do Sete, a situação ficou difícil. A Liga de Futebol desejando auxiliar estudou várias formas capazes de solucionar o assunto, acabando por resolver a fusão do Sete de Setembro com o Atlântico, do bairro Alto São Benedito.

Na segunda-feira do dia 12 de Maio de 1944, a Liga Uberabense de Futebol buscando evitar a extinção do Sete, indicou o Sr. Absalão Ribeiro para ser o interventor até que uma nova seja eleita.

O conhecido desportista iniciou outra reorganização do clube e dando início aos treinos, que tem contado com a presença de vários jogadores inscritos. Clube desistiu de participar do campeonato daquele ano.

Na quarta-feira, do dia 14 de Fevereiro de 1945, circulavam notícias que o Sete reapareceria. O conhecido desportista José Ramos (Vermelhinho), deu os passos iniciais para que o clube retornasse. Se mudou para o bairro Alto São Benedito.

O Sete seguiu lutando com muita dificuldade para se manter no cenário do futebol uberabense. No final, a sua maior conquista veio em 1959, ao conquistar o título do Campeonato Citadino de Uberaba, da Segunda Divisão.

Curiosidade

Um fato que me chamou atenção deste clube foi o fato do seu escudo (formato de uma estrela), ser muito parecido com o distintivo do Araguari Atlético Clube (postado no História do Futebol, em 11/09/2015: https://historiadofutebol.com/blog/?p=76586).

Nesse caso, vale lembrar que o clube da cidade de Araguari foi Fundado no dia 16 de Novembro de 1944. Já o escudo do Sete foi encontrado em maio de 1943. Será que foi uma mera coincidência? Ou alguém copiou o escudo? Nesse caso, certamente não foi o Sete de Uberaba.

Colaborou: Fabiano Rosa Campos, presidente do Sete de Setembro FC, de Belo Horizonte

FONTES: Jornal Lavoura e Commercio (MG) – Liga Uberabense de Futebol (FUT)

Escudo raro, de 1943: Clube Atlético Mineiro – Uberaba (MG)

O Clube Atlético Mineiro (atual: Clube Atlético Uberabense) é uma agremiação da cidade de Uberaba, situado no Triângulo Mineiro do estado de Minas Gerais. O “Tricolor Abadiense” foi Fundado na terça-feira, do dia 06 de Abril de 1937.

imagem de 1943

A sua Sede e o Estádio Antônio Próspero, estão localizados na Rua Iguatama, nº 430, no bairro de Abadia, em Uberaba. A Liga Uberabense de Futebol (LUB), foi fundada no dia 25 de Fevereiro de 1943.

A 1ª competição organizada pela entidade foi o Torneio Início de 1943, realizado no domingo, do dia 23 de Maio daquele ano. Na final, o Atlético Mineiro venceu a Associação Esportiva Merceana e ficou com o título.

No Campeonato Citadino, organizado pela Liga Uberabense de Futebol (LUB), o “Tricolor Abadiense” foi campeão em 10 oportunidades: 1970, 1971, 1974, 1976, 1977, 1993, 1995, 1997, 2012 e 2019.

Foi campeão uma vez pelo Campeonato Citadino da Série B: 2009. Outro título aconteceu na Taça de Uberaba, em 1993. Na base, faturou o título do Campeonato Citadino Juvenil (em 1980 passou a se chamar: Juniores)  de 1961 e 1994.

Campeão do Torneio Início da LUF, de 1943

Tricolor Abadiensemudou de nome

Na manhã da segunda-feira, do dia 17 de agosto de 2020, a Câmara Municipal de Uberaba aprovou projeto que altera a Lei Municipal nº 924/61, que considera de utilidade pública o Clube Atlético Mineiro. A proposta, assinada pelo vereador Agnaldo Silva, altera a redação da norma, declarando de utilidade pública o “Clube Atlético Uberabense”.

Segundo o parlamentar, com o passar dos tempos o nome do Clube Atlético Mineiro sofreu alteração e hoje denomina-se “Clube Atlético Uberabense”. A alteração legislativa muda o nome da Associação, e ainda adéqua a lei 924/61 a nova técnica legislativa, em especial o que preconiza a Lei Complementar n.º 95, de 2 de fevereiro de 1998, que “dispõe sobre a elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis”, disse Agnaldo.

O “Clube Atlético Uberabense” é uma associação civil de direito privado, para fins não econômicos, adquirida sua personalidade jurídica em 20 de julho de 2018, com prazo de duração indeterminado.

Entre as ações desenvolvidas pelo Clube estão a prática ou competição em todas as modalidades esportivas amadoras especializadas, inclusive o futebol feminino; promover e desenvolver ações voltadas para a assistência social, com prestação de serviços gratuitos, permanente e continuada; e apoiar, incentivar e fomentar o desenvolvimento de habilidades e talentos para a prática de futebol. 

FONTES: Câmara Municipal de Uberaba – Página do clube no Facebook – Google Maps – Wiki Futebol Amador em Minas Gerais – Blog Galo Abadiense – Jornal Lavoura e Commercio (MG)

Esporte Clube Fabrício – Uberaba (MG): Fundado em 1943

O Esporte Clube Fabrício é uma agremiação da cidade de Uberaba (MG). A sua Sede fica localizada na Rua Portugal, s/n, no bairro Fabrício, em Uberaba. A história começou em 1941, com a fundação do Juventus Futebol Clube, que tinha como líderes os senhores Glayer Leite, seu irmão Iago Leite, Rogério Fernandes, Olavo Castanheira e outros.

Os treinamentos de época eram no campo de São José, onde atualmente esta a São Judas Ta, e cujo bairro era denominado de Alto do Cachide de futebol, tendo seu próprio campo de futebol. Os líderes da Juventus, acompanhados do Sr. Inderbugo Alves procurando o Prefeito Municipal Dr. Carlos Martins e além de solicitar uma área de trabalho direcionada a Uberabense.

Assim, o Vulcão foi Fundado na segunda-feira, do dia 17 de Maio de 1943, em reunião formal realizada à Rua Álvares Cabral com a Rua Santa Terezinha, no Bairro Fabrício. Dois anos depois, que o Grená conheceu seu 1º presidente: João Felix Fraga, que comandou o clube por um bom período.

Iniciando as atividades o clube construiu na área doada, o Estádio Getulio Vargas; foi constatada uma rivalidade entre os dirigentes do clube, na qual se formou o time Esporte Clube Fabrício 1ª Divisão, dirigido pelo Sr. Felix e Esporte Clube Fabricinho, dirigido pelo Sr. Vicente de Araujo. Em 1950, o Presidente da época Sr. Ouvidio de Vito e sua diretoria conseguiu acabar com a rivalidade e unir os dois times.

O 1º título do E. C. Fabrício foi conquistado em 1952, jogando no Estádio Antônio Dal Secchi (Campo do Independente), contra o time do Nacional do Esporte Público, vencendo o Esporte Clube Fabrício por 2 a 0, com gols de Zé Vieira e Zé de Freitas.

Em 1954, na administração do presidente da época, Sr. Agostinho Araujo o nome do estádio mudou para o Estádio Glayer Leite. Em 1964, o Fabrício conquistou o primeiro título Infantil da LUF (Liga Uberabense de Futebol). Em 1969, por meio de uma parceria conseguida pelo diretor Ismael Bocate com a Fábrica Óleo Ceres.

foto de 1944

O Estádio Glayer Leite foi cedido para que o time Ceres Futebol Clube mandasse seus jogos no Campeonato Uberabense da 2ª Divisão e em contra partida a fabrica se prontificou a colocar o gramado no campo.

Celeiro de craques

Em campo, os trabalhos de Lula, Caetano Blancado e Naldão deram a vida pelo clube e cuidaram da base com maestria revelou vários jogadores para o futebol brasileiro: Pirilo, Arquimedes, Zé do Quelé, Ticrila, foram importantes na vida do clube. Mas não podemos nos esquecer o atacante Tchainha, foi um monstro em matéria de gols.

Sete vezes campeão Citadino

O Fabrício tem no seu currículo sete conquistas no Campeonato Citadino de Uberaba da 1ª Divisão, organizado pela LUF: 1952, 1960, 1967, 1981, 1982, 1988 e 2000. Na Taça de Uberaba foram dois canecos: 1988 e 1990. No Campeonato Citadino de Uberaba Sub-20, faturou quatro títulos: 1981, 1984, 1986 e 1989. No Campeonato Citadino de Uberaba Sub-17, foi tricampeão: 1981, 1985 e 1991. No Campeonato Citadino de Uberaba da Sub-15, há registros de duas taças: 1962 e 1972.

Meta é disputar o Mineiro Sub-20  

Atualmente, o Esporte Clube Fabrício continua atuando como amador disputando todas as categorias do futebol: Pré-mirim, Mirim, Infantil, Juvenil, Junior, Amador, Mestre e Sênior, dando-se destaque ao trabalho social proporcionado a mais de 500 crianças cadastradas, que com a no esporte participação contribui para a melhoria da saúde e educação auxiliando assim na boa formação de cidadãos ordeiros. O clube projeta para o futuro, construir uma arquibancada e jogar o Sub 20 do Mineiro.

FONTES E FOTOS: Página do clube no Facebook – Lavoura e Commercio (MG) – No Bico da Chuteira, de Carlos Roberto Moura da Jmoline