Centro Sportivo Mossoroense – Mossoró (RN): O pesadelo dos grandes nordestinos

O Centro Sportivo Mossoroense foi uma agremiação da cidade de Mossoró (RN). Fundado no domingo, do dia 21 de Novembro de 1920. As suas cores escolhidas: vermelho e branco. O seu campo ficava na Praça do Hospital, atualmente chamado: Rua Juvenal Lamartine, s/n, no bairro Bom Jardim, em Mossoró. A 1ª Diretoria foi constituída da seguinte forma:

Presidente – Gentil Soares e Silva;

Orador – Manoel Rodrigues da Chagas;

Tesoureiro – Manoel Soares de Miranda;

Adjunto-tesoureiro – Genipapo Fernandes;

Diretor Sportivo – Paulo de Albuquerque.

A ideia de fundação do Centro Sportivo deu-se através de alguns dirigentes do Humaytá, que tinha como objetivo, contar com um aliado nas reuniões presididas pela Liga Mossoroense de Futebol (LMF), posicionando-se contrário às pretensões do Ypiranga, tendo em vista que, naquele momento, a rivalidade chegava ao limite máximo permitido entre os Alviceleste e o alvinegros.

Ocorre, entretanto que, como se diz no adágio popular, o “tiro saiu pela culatra”. Tão logo o Centro tomou conhecimento da artimanha aplicada pelo “vovô”, posicionou-se contrário, passando a fazer parte do bloco que decidia os interesses do Ypiranga.

A formação inicial do Centro Sportivo foi a seguinte: Loureiro; Toinho e Nino; Joca Delfino, João Batista Pinto e Pio Xis; Carlito Santiago, João Nogueira Filho, Humberto Mendes, José Soares e Zeca Matias.

No dia 25 de dezembro de 1921, a Liga Mossoroense de Futebol (LMF), idealizou um torneio no qual o Centro Sportivo havia sido sorteado para atuar diante do Humaytá, sendo que, ao final do clássico, “vovô” conquistou a vitória pelo placar de 1 a 0, gol marcado através do atacante Nunes.

Na citada partida, o Centro Sportivo atuou com o futebol de Cazuza (goleiro que havia sido dispensado pelo América de Natal-RN, dada a sua indisciplina na meã); Cabeleira e Navegantino; Joca, João Batista e Pio Xis; Olavo, Luisinho, Eurico, Bobô e Gim.

Na história do Campeonato Citadino de Mossoró, o Centro Sportivo foi campeão uma vez: em 1939, organizado pela Associação Mossoroense de Esportes Atléticos (AMEA).

As Marchinhas que viraram um Hino para os torcedores

No ano de 1935, ainda no apogeu, o Centro Sportivo, cantavam os seus torcedores uma canção na música de Grau Dez, marcha carnavalesca de autoria de Elizeu de tal, a qual era:

A vitória há de ser tua, tua, tua,

Centro Idolatrado…

És o time que atua, atua,

Sempre equilibrado,

Toda vez que fores jogar

A vitória tens que levar…

            O Esporte diz: eu lá não vou não,

            O Palmeiras, alimenta ilusão,

            O ABC diz quem pode arriscar,

            É o União, União, União…

Não me arrisco, diz o Humaitá,

É tolice, quem com ele jogar,

O União empatou por descuido,

De outra vez a lavagem virá…

Há uma outra, por ocasião do Carnaval no ano de 1935, que era assim:

Somos do Centro, onze jogadores,

Embaixadores,

Somos do prazer…

Marcando passo com viva alegria,

Até na folia

Iremos vencer…

Roulleaux, Bitenta, Paraguai, Midinho,

Ayres, Luiz Zezinho, Lolinha, Bolão,

Lóia e Sabino, eis o time altivo,               (BIS)

Do Centro Esportivo,

O nosso campeão…

Vamos treinar,

Para jogar,

Com Deus Momo na folia,

Se ele perder,

Para aprender,

Rasgamos-lhe a fantasia.

Amistosos com as grandes forças do futebol nordestino

Em 1933, o Centro Sportivo Mossoroense recebeu a visita do Fortaleza Esporte Clube da capital alencarina, num clássico que terminou sem abertura do placar. Observe a súmula: Centro Sportivo: Rolleaux; Júlio Ferreira e Paraguai; Lolinha, Saruê e Bitenta; Mundoca, Antônio Ayres, Careca, Zezinho e Raimundo Canuto.

Fortaleza-CE: Zé Augusto; Alberto e Zé Félix; Jaburu, Tancredo e Corado; Pirão, Jandir, Agápito, Juraci e Bacurim.

Em 1936, a equipe do Fortaleza Esporte Clube (CE), da capital alencarina, atuou amistosamente em nossa cidade, diante do Centro Sportivo, obtendo uma vitória pelo placar de 3 a 1.

Observe a formação do alvirrubro no referido jogo: Rolleaux; Júlio Ferreira e Antônio Paraguai; Lolinha, Saruê e Bitenta; Mundoca, Antônio Ayres, Careca, Zezinho e Raimundo Canuto.

O Fortaleza formou: Zé Augusto; Alberto e Zé Félix; Jaburu, Tancredo e Corado; Pirão, Jandir, Agapito, Juraci e Bacurim.

Goleadas históricas em cima do ABC, Treze e América de Natal

Em 1938, o Centro Sportivo recebeu a visita do Santa Cruz de Natal, e, sem cerimônias, goleou por 5 a 1. Depois foi a vez do ABC de Natal tombar frente ao Centro Sportivo pelo marcador de 6 a 1. Depois, voltou a vencer o ABC de Natal, em outubro de 1938, por 3 a 0.       

Em 1939, o Centro Sportivo Mossoroense fez história aos golear impiedosamente o Treze da Paraíba pelo placar de 6 a 1. Porém, a maior goleada ainda estava por vir. O América de Natal acabou sucumbindo diante do Centro Sportivo pelo impressionante placar de 12 a 1.

Em 1940, o jogo foi diante do Maguari de Fortaleza, e o campeão da temporada de Mossoró, empatou em 4 a 4. O fato curioso, é que o Mossoroense vencia por quatro a zero, mas com quatro frangos seguidos sofridos pelo arqueiro Zé Olindo acabou cedendo o empate.

Ainda em 40, diante de resultados tão expressivos e somado a goleada histórica sofrida, o América de Natal convidou o Centro Sportivo Mossoroense a jogar em Natal. Sob o comando do técnico Manoel Eufrásio de Oliveira, o Centro Sportivo bateu Mecão por 3 a 1, com gols de Raimundo Canuto e Mundoca, duas vezes; enquanto Petrovich marcando o tento de honra do América.   

Antes de retornar para Mossoró, o time realizou o último amistoso na capital potiguar, diante do Santa Cruz de Natal, na época uma das grandes forças do estado. Derrota por 1 a 0 para o time da capital foi muito contestada. O gol foi assinalado numa cobrança de pênalti, por intermédio de Stéfenson. A reclamação foi que a falta aconteceu na entrada da área e não dentro. Além disso, a arbitragem do cabo João, foi repleto de incidentes.

Apesar do Centro Sportivo Mossoroense viver um momento de ascensão, o clube acabou fechando às portas, no início da década de 40, deixando um vazio e uma saudade no povo mossoroense, que perdura até os dias de hoje.    

Colaborou: Gerson Rodrigues

FONTES: Blog do Olivar Monte – Livro “Esboço Histórico do Futebol Mossoroense”, de Manoel Leonardo Nogueira         

Este post foi publicado em 01. Sérgio Mello, Carências, Curiosidades, Escudos, Fotos Históricas, História do Futebol, Rio Grande do Norte em por .

Sobre Sérgio Mello

Sou jornalista, desde 2000, formado pela FACHA. Trabalhei na Rádio Record; Jornal O Fluminense (Niterói-RJ) e Jornal dos Sports (JS), no Rio de Janeiro-RJ. No JS cobri o esporte amador, passando pelo futebol de base, Campeonatos da Terceira e Segunda Divisões, chegando a ser o setorista do América, dos quatro grandes do Rio, Seleção Brasileira. Cobri os Jogos Pan-Americanos do Rio 2007, Eliminatórias, entre outros. Também fui colunista no JS, tinha um Blog no JS. Sou Benemérito do Bonsucesso Futebol Clube. Também sou vetorizador, pesquisador e historiador do futebol brasileiro! E-mail para contato: sergiomellojornalismo@msn.com Facebook: https://www.facebook.com/SergioMello.RJ

2 pensou em “Centro Sportivo Mossoroense – Mossoró (RN): O pesadelo dos grandes nordestinos

  1. Antonio Mario Ielo

    Sergio e amigos,

    Excelente resgate do futebol potiguar, especificamente os clubes que disputaram os campeonatos de Mossoró, considerando que os verdadeiros campeonatos estaduais só começaram a ser realizados na década de 70, pois os anteriores a está década, eram na verdade campeonatos da cidade de Natal. Vale a pena visitar o blog do Oliver Monte, e quem conseguir um exemplar ou e-book do livro do “saudoso” jornalista Lupércio, que não é o meu caso ainda. Para que quer realmente resgatar a história dos campeonatos nos estados brasileiros, tem que registrar também os campeonatos citadinos importantes do interior, como no caso do futebol de Natal e Mossoró-RN, como registramos os campeonatos da Teresina e Parnaíba-PI, João Pessoa e Campina Grande-PB, Recife e Caruaru-PE, Salvador e Ilhéus, Aracaju e Itabaiana-SE, Belo Horizonte, Varginha e Juiz de Fora-MG, São Paulo, Santos e Campinas-SP, São Luiz e Caxias-MA, Maceió e Penedo-AL, Goiania, Goiás Velho e Catalão, entre tantos outros. abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *