Foto rara: Flamengo 4 x 1 Fluminense – amistoso do ‘Dia do Trabalhador’ de 1957

Zagalo (Flamengo) e Pinheiro (Fluminense), no centro o árbitro da FMF , Alberto da Gama Malcher

Em homenagem ao “Dia dos Trabalhador” e com portões franqueados ao público, Flamengo e Fluminense defrontaram-se, na tarde de quarta-feira, do dia 1º de Maio de 1957, no Estádio de São Januário, em caráter amistoso, porém valendo a Taça Brasília. A peleja contou com a presença do exmo. do Sr. presidente da República, Juscelino Kubitschek. O espetáculo, tecnicamente deixou muito à desejar, estando longe daquele clássico renhido e cheio de emoções, de há muito tradicional no futebol metropolitano.

Para a fraqueza do prélio contribuiu muito o Fluminense, que se apresentou cheio de falhas, com um conjunto desarticulado e sem demonstrar o menor senso de coordenação. A vitória do Flamengo por 4 a 1 foi justa e merecida, sem que entretanto, dê margem para que se afirme esteja o rubro-negro reabilitado de seus últimos insucesso. A exibição negativa do Tricolor facilitou em grande parte a tarefa de seu mais ferrenho adversário.

A maior parcela de culpa pela contundente derrota do Fluminense, coube à sua defensiva, principalmente pela maneira dispersiva como atuou. Do começo ao fim da peleja, seus integrantes não se definiram em campo, como fossem calouros a sofrer os impactos psicológicos duma estreia, em match de grande importância.

Dois elementos merecem, contudo, um destaque negativo: Cacá e Altair, que mais pareciam médios volantes que propriamente zagueiros laterais. Amos, avançando em demasia, deixando uma lacuna, que era preenchida pelos avantes do Flamengo.

Os 4 a 1 talvez sejam exagerados para quem ignora o transcurso da partida, mas na verdade foram até modestos para o rubro-negro, que poderia dilatar a contagem, caso assim o desejasse. Os tentos, à exceção do feito por Joel com uma espetacular cabeçada, foram consignados facilmente, sem maiores entraves.

Os erros da retaguarda influíram no ataque chefiado por Valdo. Neste setor, não houve também destaque individual. Telê não foi aquele mesmo dínamo que a torcida está acostumada a ver: Valdo, parece que ficou indigesto com os “gols” feitos na temporada de 56, e Escurinho, que vinha atuando surpreendentemente bem nos últimos compromissos do Fluminense, voltou ao nível que lhe é peculiar.

Um Flamengo à vontade

A fragilidade de estrutura que caracterizou o “onzetricolor, como dissemos, facilitou a tarefa do Flamengo. Este, contudo, houve-se melhor do que no prélio de domingo último, quando deixou-se abater pelo São Paulo e por idêntica contagem. Embora todo o conjunto atuasse a contento, merecem destaque: o goleiro Ari, que demonstrou muita firmeza nas poucas bolas que o ameaçaram; a linha média e os avantes, Joel, Moacir e Henrique.

FONTE & FOTO: Correio da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *