Arquivo da categoria: Campanhas dos Campeões

Torneio Internacional de Verão de 1973: Fluminense se sagrou campeão!! Gérson ‘Canhotinha de Ouro’ foi o artilheiro!

EM PÉ (esquerda para a direita): Félix, Toninho Baiano, Pintinho, Bruñel, Assis e Marco Antônio;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marquinhos, Kléber, Dionísio, Manfrini e Lula.

POR: Sérgio Mello

A segunda e última edição, do Torneio Internacional Verão de 1973, aconteceu entre os dias 27 de janeiro a 04 de fevereiro de 1973. A competição contou com a presença de quatro equipes (duas equipes cariocas e dois times argentinos):

Fluminense Football Club, Clube de Regatas Vasco da Gama, Asociación Atlética Argentinos Juniors (ARG)Club Atlético Atlanta (ARG). As equipes se enfrentaram em um turno único e o campeão seria aquele com o maior número de pontos. 

Regulamento

Por jogo, só seriam permitidas duas substituições em cada time, conforme a recomendação da FIFA. Se o torneio terminar empatado entre três clubes, será campeão o que tiver o melhor saldo de gols. Se persistir, vale o gol-average e ainda o sorteio está previsto em última hipótese.

No caso do torneio terminar empatado entre dois clubes, haverá uma partida extra, com prorrogação de 30 minutos (15 minutos cada tempo), caso termine empatado. E, se a igualdade persistir, a decisão será nos pênaltis para definir o campeão!

Vasco estreia com o pé direito

Técnico do Vasco: Mário Travaglini

O Torneio Internacional Verão de 1973, começou com um clássico do futebol Sul-Americano, no sábado, do dia 27 de Janeiro de 1973, entre o Vasco da Gama e o Argentinos Juniors/ARG, na noite de sábado, no aprazível Estádio de São Januário.

Com gol de Jorge Carvoeiro, a Cruz de Malta começou bem e venceu por 1 a 0. O Vasco apresentou um maior volume de jogo, buscando criar as principais jogadas pelas pontas.

O gol da vitória

Aos 30 minutos, Tostão penetrou e cruzou na área. A bola bateu no goleiro Spilinga e sobrou para , que passou para Jorge Carvoeiro que tocou para o fundo do barbante.

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       1          X         0          A.A. ARGENTINOS JUNIORS (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATASábado, do dia 27 de Janeiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 54.905,00
PÚBLICOcerca de 5 mil pessoas
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF)
AUXILIARESMoacir Miguel dos Santos (FCF) e José Muniz Brandão (FCF)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Eberval; Alcir Portela e Ademir (Gaúcho); Jorge Carvoeiro, Tostão (Roberto), Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
ARGENTINOS JUNIORSSpilinga; Marenda, Urchevik, Sosa e Montenegro; Tardivo e Pékerman (Alvarez); Rodriguez (Moreno), Cicarello, Cordero e Zurviria. Técnico: Juan Fiori
GOLJorge Carvoeiro aos 30 minutos (Vasco), no 2º Tempo
Técnico do Fluminense: Zezé Moreira

Fluzão bate Atlanta na estreia

Na estreia, no começo da noite de domingo, do dia 28 de Janeiro de 1973,o Fluminense derrotou o Atlanta/ARG por 1 a 0. O gol da vitória saiu dos pés do craque Gérson ‘Canhotinha de Ouro’, numa cobrança de falta magistral.

O gol do Canhotinha

Aos 26 minutos, Jair foi derrubado na entrada da área. Falta assinada pela arbitragem. Gérson ajeitou com carinho e bateu com categoria, colocando a bola no ângulo direito do goleiro Carballo, que nada pode fazer. Após o gol, o Tricolor criou boas chances, mas sem êxito. Na etapa final, o jogo ficou morno e o placar permaneceu inalterado.

FLUMINENSE F.C. (RJ)   1          X         0          C.A. ATLANTA (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATADomingo, do dia 28 de Janeiro de 1973
HORÁRIO18 horas
RENDACr$ 18.960,00
PÚBLICO1.833 pagantes
ÁRBITROLuís Carlos Félix (FCF)
AUXILIARESGeraldino César (FCF) e Luís Carlos Oliveira (FCF)
FLUMINENSEFélix; Toninho, Abel, Assis e Marco Antonio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair (Jeremias), Didi e Lula (Zé Roberto). Técnico: Zezé Moreira
ATLANTACarballo; Cortez, Pecoraro, Gutierrez e Lopez; Rodriguez e Fuentes; Ibañez, Caño, Gomez Voglino e Candau (Papalardo). Técnico: Rodolfo Petinoti
GOLGérson aos 26 minutos (Fluminense), no 1º Tempo.

Vasco não sai do zero com o Atlanta

EM PÉ (esquerda para a direita): Andrada, Paulo César, Moisés, Alcir Portela, Miguel, Alfinete e Jacinto Ferreira (massagista);
AGACHADOS (esquerda para a direita): Jorge Carvoeiro, Suingue, Tostão, Silva Batuta e Gilson Nunes.

A 2ª rodada, na noite de quarta-feira, do dia 31 de Janeiro de 1973,o Vasco não conseguiu furar o “ferrolho” do Atlanta/ARG, e ficou no empate sem gols, no Estádio de São Januário.

O Jornal dos Sports não perdoou e abriu a matéria: “Jogo bisonho, medíocre, o antifutebol. O torcedor carioca não merece assistir a partida como a de ontem à noite. Os argentinos entraram em campo dispostos a tudo para não perder e, quando o árbitro encerrou o jogo, o time inteiro do Atlanta trocava cumprimentos entre seus próprios jogadores. Pobre futebol argentino, que vive da violência  e da catimba“. 

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       0          X         0          C.A. ATLANTA (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATAQuarta-feira, do dia 31 de Janeiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 41.825,00
PÚBLICO3.956 pagantes
ÁRBITRONivaldo dos Santos (FCF)
AUXILIARESArtur Ribeiro de Araújo (FCF) e Wilson Dias Durão (FCF)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Fidélis; Alcir Portela (Gaúcho) e Ademir (Roberto); Jorge Carvoeiro, Tostão, Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
ATLANTACarballo; Gutierrez, Pecoraro, Cortez e Rodriguez (Diaz); Lopez (Alvarez) e Fuentes; Ibañez, Caño, Gomez Voglino e Candau. Técnico: Rodolfo Petinoti
GOLNenhum

Empate teve expulsão e tentativas de agressão ao árbitro

Argentinos Juniors
EM PÉ (esquerda para a direita): Tardivo, Urchevik, Pekerman, Marenda, Spilinga e Nicieza;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Cicarello, Pinasco, Moreno, Cordero e Carlos López.

No encerramento da 2ª rodada, na noite de quinta-feira, do dia 1º de Fevereiro de 1973, foi à vez do Fluminense não superar a retranca portenha e empatou em 1 a 1 com o Argentinos Juniors/ARG, no Estádio de São Januário.

Gols no 2º tempo

O primeiro tempo se resumiu numa única chance, desperdiçada por Gérson. Na etapa final, logo aos 4 minutos, Didi deu passe errado para Gérson, que não conseguiu alcançar a bola. Pékerman dominou e tocou para Zuviria que centrou na área. Moreno entrou entre a defesa Tricolor e testou firme para abrir o placar.  

Aos 18 minutos, o Fluzão empatou. Toninho correu pela direita e cruzou. A bola bateu na trave, e, no rebote, Gérson emendou para o fundo das redes. Segundo gol do Tricolor na competição e o 2º tento do Canhotinha de Ouro.

No momento que Gérson saia para comemorar o seu gol, Tardivo o atingiu, mas o árbitro não viu. Pouco depois, Tardivo voltou a agredir Gérson, mas dessa vez acabou expulso.

Revoltados, os argentinos tentaram agredir o árbitro Walquir Pimentel e o jogo ficou paralisado por alguns minutos. No retorno, o Fluminense melhorou e até pressionou, mas não conseguiu marcar e o resultado ficou mesmo no um a um.  

FLUMINENSE F.C. (RJ)               1          X         1          A.A. ARGENTINOS JUNIORS (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATAQuinta-feira, do dia 1º de Fevreiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 11.190,00
PÚBLICO1.108 pagantes
ÁRBITROWalquir Pimentel (FCF)
AUXILIARESVálter Gino (FCF) e Joel Cavalcanti (FCF)
CARTÃO VERMELHOTardivo (Argentinos Juniors)
FLUMINENSEJorge Vitório; Toninho, Silveira, Assis e Marco Antonio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair (Jeremias), Didi (Libânio) e Zé Roberto. Técnico: Zezé Moreira
ARGENTINOS JUNIORSSpilinga; Urchevik, Marenda, Sosa e Montenegro; Tardivo e Pékerman; Rodriguez (Alvarez), Cicarello (Moreno), Cordero e Zurviria. Técnico: Juan Fiori
GOLMoreno aos 4 minutos (Argentinos Juniors); Gérson aos 18 minutos (Fluminense), no 2º Tempo
Club Atletico Atlanta
EM PÉ (esquerda para a direita): Hugo Carballo, Alejandro Onnis, Héctor López, Santiago Rico, Ramón Ledesma e Osvaldo Gutiérrez;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Miguel A. Papalardo, Aldo Rodríguez, Horacio Ibáñez, Rubén Cano e Juan A. Gómez Voglino.

jogo entre o Argentinos Juniors e Atlanta foi cancelado

Oficialmente, Vasco da Gama e Fluminense, de comum acordo, resolveram cancelar a partida preliminar entre as duas equipes argentinas. O presidente do Vasco, Agathyrno da Silva Gomes disse que o jogo seria desnecessário por não ter mais nenhuma influência no título do Torneio Internacional de Verão.

Além disso, seria uma despesa a mais e os dois times argentinos não acrescentariam nada à renda do jogo. Sobre a participação das equipes argentinas, o dirigente reconheceu que foram duas equipes fracas.

Extraoficialmente, os dirigentes Tricolores e Cruzmaltinos não gostaram da postura dos ‘hermanos’ que acabaram por manchar a competição com catimba, antijogo e jogo violento. Por isso, optaram em cancelar o jogo. Com isso, os argentinos deixaram de faturar parte da renda da partida.

Para a grande final, o presidente vascaíno colocou os ingressos à venda: arquibancada a Cr$ 10,00 (tanto para os sócios ou não sócios).  

Fluzão derrota o Vasco é fatura o título

A decisão ficou entre o Fluminense e Vasco da Gama, no domingo, do dia 04 de Fevereiro de 1973, no Estádio de Januário. Melhor para o Tricolor das Laranjeiras que venceu por 1 a 0, com o gol assinado por Lula no final da partida.

Gol no finzinho do jogo

Aos 43 minutos, quando o jogo parecia caminhar sem gols, veio o lance decisivo. Alcir Portela errou o passe e a bola sobrou para Jair, que abriu para Toninho na direita. O lateral centrou na área para Silveira, que num drible de corpo, tirou Moisés da jogada. A bola sobrou para Lula, que colocou no canto, sem chances para o goleiro argentino Andrada.

Gérson ‘Canhotinha de Ouro’

Curiosidade O meia tricampeão do Mundo em 1970, GérsonCanhotinha de Ouro’ fechou como o artilheiro do Torneio Internacional de Verão de 1973, com dois gols. Geralmente, o meia tem como característica colocar os companheiros na cara do gol, mas dessa vez Gérson foi o goleador do time.

FLUMINENSE F.C. (RJ)               1          X         0          C.R. VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATADomingo, do dia 04 de Fevereiro de 1973
HORÁRIO17 horas
RENDACr$ 82.655,00
PÚBLICO7.829 pagantes
ÁRBITROJosé Mário Vinhas (FCF)
AUXILIARESAluísio Felisberto da Silva (FCF) e Eduardo Meneses (FCF)
CARTÃO VERMELHOCafuringa (Fluminense)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Alfinete (Fidélis); Alcir Portela e Ademir; Jorge Carvoeiro, Tostão, Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
FLUMINENSEFélix; Toninho, Silveira, Assis e Marco Antônio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair, Didi (Abel) e Lula. Técnico: Zezé Moreira
GOLLula aos 43 minutos (Fluminense), no 2º Tempo.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Fluminense53210312
Vasco da Gama33111110
Argentinos Juniors1201112-1
Atlanta1201101-1

Renda e Público

Torneio Internacional de Verão de 1973, teve um público total, nos três jogos, de 19.726 pagantes, que deu uma média de 3.945 por partida. A Renda dos cinco jogos, gerou um montante de Cr$ 199.493,00, que deu uma média de Cr$ 39.898,60 por partida.

FOTOS: World Soccer – Revista Placar – Acervo pessoal

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Diário de Notícias (RJ)

Torneio Internacional de Verão de 1972: Flamengo é campeão! Fio Maravilha faz golaço e ganha música de Jorge Ben Jor

EM PÉ (esquerda para a direita): Aloísio, Fred, Ubirajara, Reyes, Liminha e Paulo Henrique;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Mineiro (Massagista), Rogério, Zé Mario, Narciso Doval, Caio Cambalhota e Paulo César Caju.

Por: Sérgio Mello

O Torneio Internacional de Verão de 1972, foi realizado entre os dias 15 a 20 de janeiro de 1972. O evento contou com a participação de três equipes: Clube de Regatas Flamengo, Clube de Regatas Vasco da Gama e o Sport Lisboa e Benfica (Portugal).

As equipes se enfrentaram em um turno único e o campeão seria aquele com o maior número de pontos. Os três jogos foram realizados no imponente estádio do Maracanã.

Técnico do Flamengo: Zagallo

Regulamento

Por jogo, só seriam permitidas duas substituições em cada time, conforme a recomendação da FIFA. Se o torneio terminar empatado entre três clubes, será campeão o que tiver o melhor saldo de gols. Se persistir, vale o gol-average e ainda o sorteio está previsto em última hipótese.

No caso do torneio terminar empatado entre dois clubes, haverá uma partida extra, com prorrogação de 30 minutos (15 minutos cada tempo), caso termine empatado. E, se a igualdade persistir, a decisão será nos pênaltis para definir o campeão!

Preços dos Ingressos para os três jogos:

Camarote lateral – Cr$ 100,00;

Camarote de curva – Cr$ 60,00;

Cadeira especial – Cr$ 30,00;

Cadeira numerada lateral – Cr$ 20,00;

Cadeira sem número atrás do gol – Cr$ 12,00;

Arquibancada – Cr$ 7,00;

Geral – Cr$ 2,00;

Mengão estreia com vitória

O Benfica desembarcou no Rio de Janeiro, a fim de disputar o Torneio Internacional de Verão de 1972. Na ocasião, o clube português vinha de goleada sobre o rival Sporting, por 3 a 0, válido pelo Campeonato Português da 1ª Divisão de 1972/73. Para se ter uma ideia, os Encarnados sob o comando do inglês Jimmy Hagan disputou 14 jogos, vencendo todos, liderando com folga: 28 pontos.

No final, o Benfica se sagrou campeão Português invicto: 58 pontos em 30 jogos, com 28 vitórias e dois empates; marcando 101 gols, sofrendo 13 e um saldo pomposo de 88 gols.   

No sábado, às 21 horas e 15 minutos, do dia 15 de Janeiro de 1972, o jogo de abertura foi entre o Clube de Regatas Flamengo e Sport Lisboa e Benfica, de Portugal, no estádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio.

O Mengão derrotou o Benfica por 1 a 0, com um golaço de placa! Aos 33 minutos, do segundo tempo, o zagueiro paraguaio Reyes tomou a bola de Jordão e tocou no meio de campo para Samarone.

Este que tocou para Rogério que lançou na intermediária para Fio. O atacante passou na corrida por Rui Rodrigues, e, quando o goleiro Zé Henrique saiu para tentar interceptar, Fio deu o ‘drible da vaca’ (jogou a bola de um lado e pegou no outro) e tocou para o fundo das redes, levando a torcida rubro-negra ao puro êxtase!   

Fio Maravilha

Tá sabendo? O gol de Fio, inspirou na criação da canção de Jorge Ben

Curiosidade nº 1 – nessa partida, o gol do atacante rubro-negro Fio (que tinha completado 27 anos, quatro dias antes), acabou inspirando o cantor e compositor Jorge Ben Jor, que compôs a música “Fio Maravilha“. A partir daí, o jogador passou a ser conhecido por Fio Maravilha.

Essa canção homônima, grande sucesso nacional, vencedora do Festival Internacional da Canção de 1972 (na voz de Maria Alcina), que narra o feito contra a equipe portuguesa:

Tabelou, driblou dois zagueiros/ Deu um toque driblou o goleiro/ Só não entrou com bola e tudo/ Porque teve humildade em gol“. O gol (“de anjo, um verdadeiro gol de placa”, segundo Jorge Ben).

Curiosidade nº 2 – Detalhe que o contrato de Fio Maravilha com o Flamengo já havia expirado há 15 dias, que o renovou em razão do golaço. Fio Maravilha falou sobre a jogada que resultou no golaço:

Quando eu recebi a bola do Rogério, eu vim, consegui driblar os dois zagueiros, e os beques correndo atrás de mim. Aqui o goleiro saiu, eu fiz que ia para o meio do gol, para o meio da área, inverti e saí pelo lado esquerdo, o goleiro caiu… Em cima da marca da pequena área, eu toquei para o gol. Porque eu não quis correr o risco de tropeçar, acontecer alguma coisa, e perder. E daqui fiz o gol e saí para a galera“, revelou

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATASábado, do dia 15 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 283.847,00
PÚBLICO44.282 pagantes (44.440 presentes)
ÁRBITROAirton Vieira de Morais (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESGeraldino César (FCF) e Artur Ribeiro de Araújo (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Samarone), Paulo César Caju e Arílson (Fio Maravilha). Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni (Eurico) e Vitor Martins (Adolfo); Nenê, Jordão, Diamantino e Simões. Técnico: Jimmy Hagan
GOLFio aos 33 minutos (Flamengo), no 2º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Malta da Silva, Messias, Toni, Rui Rodrigues, Artur e Zé Henrique.
AGACHADOS (esquerda para a direita): Nenê, Vitor Martins, Jordão, Diamantino e Simões.

Vascão perde na estreia para o Benfica 

Na terça-feira, às 21h15min., do dia 18 de Janeiro de 1972, o Clube de Regatas Vasco da Gama enfrentou o “feridoSport Lisboa e Benfica (Portugal), no Maracanã. Sem apresentar um ritmo de jogo, o Vasco acabou derrotado pelo Benfica pelo placar de 2 a 0, e ficou com poucas chances de ficar com o título.

Um gol em cada tempo

Aos 24 minutos do primeiro tempo, Toni entregou a Eusébio, que de primeira tocou para Jordão. Renê estava na jogada, para a cobertura, mas furou. Jordão pegou a bola, invadiu a área, e, mesmo acossado por Alfinete, tocou forte, de perna esquerda, no centro do gol, batendo Andrada, que sairá no seu encalço.     

Aos 20 minutos da etapa final, Nenê passou por Alfinete, foi à linha de fundo e tocou para trás. Simões recebeu livre na marca do pênalti e não teve nenhum trabalho em chutar de perna direita e rasteiro, no canto direito do goleiro argentino Andrada, que nada pode fazer.

Técnico do Benfica: Jimmy Hagan

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       0          X         2          S.L. BENFICA (POR)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATATerça-feira, do dia 18 de Janeiro de 1972
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 136.961,00
PÚBLICO22.097 pagantes
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESAloísio Felisberto (FCF) e Neri José Proença (FCF)
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Buglê (Adilson); Luís Carlos, Roberto (Jaílson), Ferreti e Pastoril. Técnico: Zizinho
BENFICAZé Henrique; Malta da Silva, Messias, Rui Rodrigues e Artur; Toni e Simões; Nenê, Jordão (Zeca), Eusébio (Adolfo) e Diamantino. Técnico: Jimmy Hagan
GOLSJordão aos 24 minutos (Benfica), no 1º Tempo. Simões aos 20 minutos (Benfica), no 2º Tempo.

Mengão bate o Vasco e fica com o título

No feriado da quinta-feira, às 18 horas, do dia 20 de Janeiro de 1972, jogaram o Clube de Regatas Flamengo e o Clube de Regatas Vasco da Gama, no Maracanã para definir quem ficaria com o caneco. No final, o Rubro-negro venceu o Vasco por 1 a 0, e se sagrou campeão do Torneio Internacional de Verão de 1972.

O gol do título

Aos 32 minutos do primeiro tempo, Rogério entrou pela direita e cruzou sobre a área. A defesa do Vasco bobeou e Paulo César Caju, num mergulho sensacional, cabeceou no canto esquerdo do goleiro Andrada para abrir o placar.

C.R. FLAMENGO (RJ)       1          X         0          C.R. VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio Mario Filho, o Maracanã, no bairro homônimo, situado na zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1972
DATAQuinta-feira, do dia 20 de Janeiro de 1972
HORÁRIO18 horas
RENDACr$ 170.637,00
PÚBLICO29.381 pagantes
ÁRBITROJosé Marçal Filho (FCF – Federação Carioca de Futebol)
AUXILIARESJosias Miranda Paulino (FCF) e José Silveira (FCF)
FLAMENGOUbirajara; Aluísio, Fred, Reyes e Paulo Henrique; Liminha e Rodrigues Neto; Rogério, Caio Cambalhota (Fio Maravilha), Paulo César Caju e Arílson. Técnico: Mario Jorge Lobo Zagallo
VASCOAndrade; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir Portella e Adilson (Jaílson); Luís Carlos, Roberto (Gaúcho), Ferreti e Gilson Nunes. Técnico: Zizinho
GOLPaulo César Caju aos 32 minutos (Flamengo), no 1º Tempo.
EM PÉ (esquerda para a direita): Andrada, Fidélis, Eberval, Gaúcho, Moisés e Renê;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marco Antônio, Buglê, Ferreti, Luís Carlos e Gilson Nunes.
Técnico do Vasco: Zizinho

Renda e Público no Torneio

O Torneio Internacional de Verão de 1972, teve um público total, nos três jogos, de 95.760 pagantes, que deu uma média de 31.920 por partida. A Renda dos três jogos, gerou um montante de Cr$ 591.445,00, que deu uma média de Cr$ 197.148,33 por partida.

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FOTOS: Ser Benfiquista ponto com – Diário da Manhã (RJ) – Revista Placar

FONTE: Jornal dos Sports (RJ)

Torneio Início da Liga Uberabense de Futebol (LUF) de 1953: Nacional F.C. foi o campeão!

O Torneio Início da Liga Uberabense de Futebol (LUF) de 1953, foi realizado no domingo, às 13 horas, do dia 17 de maio de 1953, no Estádio Dr. Boulanger Pucci, no bairro Alto das Mercês, em Uberaba (MG).

Campeão do Torneio Início de 1953

A competição contou com a participação de nove equipes:

Asas Futebol Clube;

Associação Esportiva Merceana;

Botafogo Esporte Clube;

Clube Atlético Mineiro;

Clube Recreativo Ferroviário (Ibiá);

Esporte Clube Fabrício;

Independente Atlético Clube;

Nacional Futebol Clube;

Uberaba Sport Club.

Os Preços dos ingressos para a peleja foram definidos assim:

Cavalheiros – Cr$ 10,00;

Senhoras – Cr$ 5,00;

Crianças – Cr$ 3,00.

Com uma Renda de Cr$ 8.200,00, o evento não lotou às dependências do Estádio Dr. Boulanger Pucci. Talvez um dos fatores tenha sido o forte calor que aconteceu no dia e acabou afastando boa parte dos torcedores.

Na final, o Nacional se sagrou campeão ao derrotar o Clube Recreativo Ferroviário (Ibiá) pelo placar de 2 a 0. Abaixo os resultados do Torneio Início da LUF de 1953.

Vice-campeão do Torneio Início de 1953

1º jogo – Uberaba Sport Club 0 x 1 Clube Recreativo Ferroviário (1 x 2 escanteios)

Ferroviário: Nivaldo; Bigode e Lola; Ataíde, Paulo e Mário; Tuna, Nelito, Manoel, Juliano e Ivanir.

Uberaba: Caju; Aflaton e Beco; Santista, Tiago e Cocada; Sapinho, Jarbas. Maquinista, Celom e Lolo.

Árbitro: Joaquim Praxedes.

2º jogo – Associação Esportiva Merceana 0 x 0 Nacional Futebol Clube (0 x 1 escanteio)

Nacional: Osvaldo; Plínio e Sebastiãozinho; Ingronga, Geraldo e Rossi; Nicotina, Rubinho, Pé de Ferro, Domingos e Zé Pedro.

Merceana: Nenzico; Claiton e Acrisio; Nego, Olavo e Geraldo; Tucha, Betinho, Toró, Paulo e Aquino.

Árbitro: Policarpo Santos.

3º jogo – Asas Futebol Clube 0 x 0 Clube Atlético Mineiro (5 x 4, nos pênaltis. Milionário converteu os cinco para o Asas, enquanto Brauer errou o segundo).

Asas: Nenem; Fio e Ley; Demerval, Helio e Nego; Lazinho,  Galo, China, Waldomiro e Milionário.

Atlético: Rui; Helio e Inelo; Brauer, Hely e Lecha; Ari, Nonô, Azambuja, Calmon e Barriga.

Árbitro: Arlindo de Oliveira.

4º jogo – Independente Atlético Clube 0 x 0 Botafogo Esporte Clube (4 x 2, nos pênaltis. Nilo assinalou os quatro para o Independente, enquanto Joãozinho desperdiçou as duas primeiras cobranças).

Independente: Nivaldo; Mané e Nonato; Ditinho, Zezão e Darinho; Rogério, Márcio, Jorge, Nilo e Sargento.

Botafogo: Bruno; Roldan e Biguá; Gringo, Galo e Joãosinho; Barba, Baiano, Gato, Tatão e Ronaldo.

Árbitro: Joaquim Praxedes.

5º jogo – Clube Recreativo Ferroviário 0 x 0 Esporte Clube Fabrício (5 x 4, nos pênaltis. Nelito acertou todas as cobranças para o Ferroviário; enquanto Chiquinho perdeu a última cobrança).

Fabrício: Nicácio; Almir e Tonico; Vico, José e Roldan; Colmaneti, Chiquinho, Totonho, Zé Vieira e Pirilo.

Ferroviário: Nivaldo; Bigode e Lola; Ataíde, Paulo e Mário; Tuna, Nelito, Manoel, Juliano e Ivanir.

Árbitro: Waldemar Gomes.

6º jogo – Nacional Futebol Clube 1 x 0 Asas Futebol Clube (gol de Domingos)

Nacional: Osvaldo; Plínio e Sebastiãozinho; Ingronga, Geraldo e Rossi; Nicotina, Rubinho, Pé de Ferro, Domingos e Zé Pedro.

Asas: Nenem; Fio e Ley; Demerval, Helio e Nego; Lazinho,  Galo, China, Waldomiro e Milionário.

Árbitro: João de Melo.

7º jogo – Clube Recreativo Ferroviário 0 x 0 Independente Atlético Clube (5 x 4, nos pênaltis. Nelito acertou todas as cobranças para o Ferroviário; enquanto Nilo desperdiçou uma cobrança).

Ferroviário: Nivaldo; Bigode e Lola; Ataíde, Paulo e Mário; Tuna, Nelito, Manoel, Juliano e Ivanir.

Independente: Nivaldo; Mané e Nonato; Ditinho, Zezão e Darinho; Rogério, Márcio, Jorge, Nilo e Sargento.

Árbitro: Policarpo Santos.

8º jogo (Final) –  Nacional Futebol Clube 2 x 0 Clube Recreativo Ferroviário

Na final, teve a duração de 60 minutos. Os gols foram assinalados por Nicotina aos 15 minutos da etapa inicial; e Bel aos 23  minutos da segunda etapa.

Bel e Tinoco entraram no quadro do Nacional, enquanto Croner e Baiano no Ferroviário.

Nacional: Osvaldo; Plínio e Sebastiãozinho; Ingronga, Geraldo e Rossi; Nicotina, Rubinho, Pé de Ferro, Domingos e Zé Pedro.

Ferroviário: Nivaldo; Bigode e Lola; Ataíde, Paulo e Mário; Tuna, Nelito, Manoel, Juliano e Ivanir.

Árbitro: Arlindo de Oliveira.

FONTE: Lavoura e Commercio (MG)

Inédito!!! Sportivo Santa Cruz – Rio de Janeiro (RJ): Campeão da Liga Metropolitana de Desportos terrestres de 1930!

IMPORTANTE! Caso compartilhe dê os devidos créditos ao autor (Sérgio Mello) e ao blog (História do Futebol). Vamos valorizar quem pesquisa, quem redesenha e quem busca apresentar raridades aos aficionados pela história, pelos escudos, pelo futebol em si! Obrigado!

O Sportivo Santa Cruz foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Alvinegro Santacruzense” foi Fundado no sábado, do dia 27 de Março de 1926, por um grupo de militares do 2º Regimento de Artilharia Montada. A sua Sede ficava na Rua Senador Câmara, nº 41/ sobrado depois 71-A, no bairro de Santa Cruz (estação de Santa Cruz), na Zona Oeste do Rio (RJ).

O seu Estadium do 2º Regimento de Artilharia Montada, ficava localizado na Rua do Prado, nº 35, no bairro de Santa Cruz (estação de Santa Cruz), na Zona Oeste do Rio (RJ). O 1º Presidente foi o Sr. Ernesto Huergo. O seu grande rival, indiscutivelmente foi o Oriente Athletico Club. Os jogos entre essas duas equipes era chamado de o “Fla-Flu Santacruzense“.  

História do escudo e uniforme

A descoberta do escudo, que parecia que jamais seria encontrado, foi casual. O amigo, pesquisador e historiador, Auriel de Almeida fazendo suas pesquisas, se deparou no site do Esporte Clube Guanabara a explicação do distintivo, que somado ao estatuto encontrado pelo próprio, equacionou e assim foi possível redesenhar de forma fidedigna.

No site faz o seguinte esclarecimento: “O Esporte Clube Guanabara foi fundado oficialmente no dia 7 de setembro de 1941, mas o time já existia desde 1940 como Guanabara Futebol Clube, criado por iniciativa do Dr. César Augusto Marta, apaixonado pelo futebol da localidade de Santa Cruz e fanático torcedor do Sportivo, clube que havia fechado as portas em 1937.

O escudo e o uniforme da equipe, aliás, eram idênticos aos do Sportivo, mudando apenas as cores: ao invés de preto e branco, vermelho e branco, cores do Oriente, maior rival do Sportivo.

Explica-se: por um longo tempo Oriente e Sportivo fizeram o “derby de Santa Cruz”, sendo o Oriente o clube do frigorífico, com camisas vermelhas da cor do sangue, e o Sportivo o clube dos militares, com sóbrias camisas listradas pretas e brancas. O clássico entre os times dividia o bairro entre os campos da Rua Nestor e da Rua do Prado.

Quando o Sportivo entrou em crise, o Oriente se ofereceu para ajudar, mas o orgulho fez o Alvinegro preferir a extinção à ajuda do rival, fechando as portas em 1937.

Em memória deste triste fato, e simbolizando a união ideal entre os clubes do bairro, o Esporte Clube Guanabara adotou os símbolos do Sportivo com as cores do Oriente“. 

Os primeiros passos: jogos amistosos e incríveis goleadas

Um dos primeiros jogos amistosos, aconteceu no domingo, do dia 19 de Setembro de 1926, quando o Sportivo Santa Cruz goleou o Sport Club Netos do Esperança, pelo placar de 13 a 1. A partida foi arbitrada pelo Sr. Benedicto Serra. Na preliminar, o Segundos Quadros do Sportivo também goleou o adversário por 12 a 0.

Campeão do Torneio Início da Associação Santacruzense de 1927

Filiado a Associação Santacruzense, o Sportivo se sagrou campeão do Torneio Initium, no domingo, do dia 02 de Outubro de 1927, no campo do Esperança Football Club, no bairro de Santa Cruz.

A competição contou com a participação de sete equipes. Na decisão, o Sportivo bateu o Ideal Football Club, faturando o caneco. O time formou: Alves; Pequenino e Allemão (Dantas); Montinero, Inglez e Irineu; Cruz, Zazá, Amaral I, Amaral II e Gradim.

Filiação na LMDT

Nos primeiros anos, o clube realizava diversos eventos e participava de outros, entre eles o futebol. O Sportivo Santa Cruz ingressou na Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), na quinta-feira, do dia 21 de março de 1929.

Estreia aconteceu no Torneio Início de 1929

Doze dias depois estreou no Torneio Initium da Divisão Emmanuel Coelho Neto, no domingo do dia 21 de abril de 1930, no campo do Fidalgo Football Club, situado na Rua Domingos Lopez, em Madureira, na zona norte do Rio.

Enfrentou, às 14h15min., e venceu o Sport Club Anchieta, por 1 a 0, com arbitragem de Alberto Fernandes.

Nas semifinais, acabou sendo eliminado ao perder para o Sport Club Boa Vista por 3 a 2, na prorrogação. Antonio Drummond (do Anchieta) foi o árbitro. Na final, o Central bateu o Boa Vista por 2 a 0, ficando com o título.

O time formou com: Heitor; Levy e Sebastião; Joaquim, Hilário e Antonio; Amaral, Romualdo, Mozart, Jorge e João.

Debutou no Campeonato da LMDT de 1929

No Campeonato da Divisão “Mano”, da LMDT, a estreia, em casa, no domingo, do dia 19 de maio de 1929, diante do campeão de 1928: Sport Club América.

Apesar da derrota por 3 a 2, o Sportivo mostrou que seria uma “pedra na chuteira” dos seus adversários. Com arbitragem de Honorato Barbosa, os gols foram assinalados por Mário, duas vezes, e Arantes pra o América; enquanto Juquinha e Zazá marcaram para o time alvinegro.

Sportivo: Frango; Dantas e Belinho; Gradim, Hilário e Quinzinho; Eustachio, Zizinho, Juquinha, Zazá e Gaúcho.

América: Jayme; Serra e Damásio; Bery, Lucena e Admas; Canedo, Nenê, Mário, Arantes e Camarim.

No domingo, do dia 30 de junho, o Sportivo perdeu nos seus domínios para o Sport Club Boa Vista por 3 a 2, no campo do Oriente Athletico Club (na Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz).

No domingo, do dia 21 de julho, o Sportivo venceu o Sport Club Anchieta por 2 a 0, no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz. Os gols foram marcados por Juquinha e Bajara, de pênalti.

No domingo, do dia 06 de outubro, o Sportivo foi derrotado pelo Oriente Athletico Club por 2 a 1, fora de casa.

No domingo, do dia 10 de novembro, o Sportivo derrotou, fora de casa, o Club Athletico Central por 3 a 1.

Sportivo foi vice-campeão do Torneio Início de 1930

Jogou o Torneio Initium da Divisão “Mano”, da LMDT, no domingo do dia 27 de abril de 1930, no campo do Sport Club América, na Rua Isolina Meyer -estação do Méier, na zona norte do Rio.

O Sportivo estreou com vitória de 1 a 0, no Brasil Football Club, às 14 horas, com arbitragem de Homero Arcuri. Na fase seguinte, num jogo acirrado, o Sportivo passou pelo Oriente, na 2ª prorrogação, por 3 escanteios a um.

Na decisão, foi uma boa partida, bem arbitrada pelo Sr. Antonio Augusto de Almeida, triunfou o Associação Esportiva Ferroviária (nas cores azul e preto), que após o empate em 1 a 1 com o Sportivo, conquistou o título, com um escanteio e a zero. Os gols foram de Jaburuzinho para o Ferroviário e Tilco para  os alvinegros.

O Sportivo jogou: Jajá; Barroso e Gaúcho; Humberto, Guerra e Gradim; Tilco, Sebastião, Almir Mituca, Aquino e Zazá.

Muitos jogadores dos grandes do Rio defendiam as equipes da LMDT

Uma curiosidade é que o atacante ora chamado por Almir e ora chamado por ‘Mituca’ era jogador do Botafogo Football Club, que também defendia as cores do Sportivo, na década de 30.

Aliás, é importante informar que naquela época era comum jogadores dos grandes clubes defenderem os clubes da Liga Metropolitana. Só para exemplificar, o maior jogador daquela época, Leônidas da Silva, o “Diamante Negro” jogou no Jornal do Commercio Football Club.

Sportivo Campeão de 1930, na Divisão “Emmanuel Coelho Neto”, nos Primeiros e Segundos Quadros

O Sportivo Santa Cruz debutou em grande estilo e no final, faturou o inédito título! O Campeonato da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”, da Liga Metropolitana, contou com a participação de nove clubes:

Athletico Club Cordovil (Rua Oliveira Mello – bairro de Cordovil);

Associação Sportiva Ferroviária (bairro do Riachuelo / cores: azul e preto);

Brasil Football Club (Rua Sá);

Esperança Football Club (bairro de Santa Cruz / cores: verde e branco);

Guanabara Athletico Club (Rua da Lapa – bairro da Lapa /cores: azul e branco);

Irajá Athletico Club (Rua Monsenhor Félix – bairro de Irajá / cores: vermelho e branco);

Oriente Athletico Club (bairro de Santa Cruz / cores: vermelho e branco);

Sport Club Anchieta (bairro de Anchieta / cores: vermelho e preto);

Sportivo Santa Cruz (bairro de Santa Cruz / cores: preto e branco).

O início do Sportivo Santa Cruz foi avassalador! Os sete jogos primeiros jogos, foram 100% de aproveitamento. Sendo que em quatro com goleadas. Citando algumas, diante da Ferroviária (algoz na final do Torneio Início), foi 4 a 1. Os gols foram  de Almir Mituca, Aquino, Heitor e Edmundo; enquanto Jaburu fez o de honra para o negro-anil.

Não podemos esquecer da maior goleada do certame: no domingo, do dia 08 de junho de 1930, o Sportivo sapecou 11 a 1 no Brasil Football Club. Os gols foram de Aquino (quatro vezes); Zazá, Almir Mituca e Edmundo (duas vezes cada); Heitor um tento. Orestino fez o de honra para o Brasil.

No domingo, do dia 22 de Junho de 1930, o jogo valia a liderança isolada. E deu Sportivo! Mesmo como visitante, bateu o Anchieta  por 3 a 1. Os gols foram: Zazá aos 30 segundos de jogo; Gradim (contra), empatou; Edmundo aos 13 minutos; Heitor aos 44 minutos todos os tento no 1º tempo.

A invencibilidade caiu somente na última rodada do primeiro turno e para o seu maior rival. No domingo, do dia 27 de Julho de 1930, o Oriente venceu por 1 a 0, o Sportivo, no Estádio da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz.

No returno, o Sportivo não começou bem, ao perder, em casa, para o Irajá Athletico Clube por 4 a 2.  Os gols: Almir Mituca e Plínio, de pênalti, para o alvinegro. Enquanto Mineiro, Esquerdinha, Gringo e Edmundo (contra) para o alvirrubros.

No entanto, no dia 13 de setembro, a Liga Metropolitana deu os pontos desse jogo ao Sportivo, de acordo com o artigo 27 letra A, do regulamento de Football.

Num jogo muito catimbado, no domingo, do dia 31 de Agosto de 1930, Brasil FC e Sportivo ficaram no empate em 1 a 1. Arnaldo fez o gol para o Brasil, enquanto Edmundo assinalou para o alvinegro.

No dia 14 de setembro, a vitória do Sportivo por WO em cima do Anchieta, somado a derrota do Oriente por 1 a 0, para o Brasil, recolocou o alvinegro na liderança isolada.

Na rodada seguinte, no dia 21 de setembro, outro clássico de Santa Cruz! E o Sportivo derrotou o Esperança Football Club por 1 a 0.

Quando parecia que o título viria com tranquilidade, no dia 12 de outubro, o Sportivo foi até a Rua Oliveira Mello, e acabou derrotada por 3 a 2 para o Athletico Club Cordovil.

Porém, o que parecia ser um “duro golpe” se reverteu em alívio, em dose dupla. Explico! Dias depois, tanto o Cordovil quanto o Brasil desistiram de seguir no certame. 

Segundo o regulamento, quando um clube desistia da competição todos os jogos realizados, os pontos seriam repassados aos seus oponentes. Assim, nos dois jogos nesse returno, o Sportivo tinha somado um ponto nos dois jogos contra o Brasil e Cordovil. Assim o Sportivo faturou quatro pontos valiosos.

A última rodada, não poderia ser mais empolgante! Decidir o título da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”,  contra o maior rival! A princípio, o jogo estava marcado para o dia 10 de Outubro. Porém, acabou remarcado para o mês seguinte.

Então, no domingo, do dia 16 de novembro, às 15h30min., O Sportivo (com um ponto de vantagem), enfrentou o Oriente Athletico Club. Apesar de ser o mandante, o jogo foi realizado no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz (de propriedade do Oriente), uma vez que o seu Estádio não foi aprovado pela LMDT.

Com arbitragem de João Alves Pereira, o 1º tempo foi marcado pela pressão exercida pelo Oriente. No final, após uma infelicidade de Guerra, conseguiam os rubros  abrir o placar por intermédio de Josino.

Na etapa final, aos 31 minutos, Oscarino (jogador da Seleção Brasileira) colocou a mão na bola, dentro da área. Pênalti, que Guerra cobrou para empatar a peleja. Fim de jogo, empate em 1 a 1, e o Sportivo Santa Cruz conquistou  o inédito título do Campeonato da Divisão “Mano” da LMDT!

Na preliminar, o Sportivo venceu o Oriente por 3 a 0, e também se sagrou campeão nos Segundos Teams. O time secundário campeão formou: Annibal; Dantas e Cabrito; Acindino, Ratinho e Quinzinho; Nolinha, Ernani, Zizinho, Zequinha e Vivi.

Os times dos Primeiros Quadros jogaram assim: 

Sportivo: Jajá; Guerra e Orlando; Gradim, Sant’Anna e Zé Maria; Plínio, Edmundo, Mituca, Zazá e Titéo.

Oriente: Enéas; Domingos (Bangu) e Sá Pinto (Bangu); Simão, Oscarino (Seleção Brasileira) e Gudão (Fluminense); Barthô, Landislau (Bangu), Modesto (Brasil), Ernani e Josino.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
11/05/30Irajá AC1X2SportivoRua Monsenhor Félix
18/05/30Guanabara1X6SportivoRua Barão de Itapagipe
1º/06/30Sportivo4X1AS FerroviáriaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
08/06/30Sportivo11X1Brasil FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
22/06/30Anchieta1X3SportivoRua Arnaldo Murinelli – em Anchieta
29/06/30Sportivo3X2Esperança FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
20/07/30Sportivo6X1AC CordovilRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
27/07/30Oriente AC1X0SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
03/08/30Sportivo2X4Irajá ACRua Monsenhor Félix
10/08/30SportivoXGuanabaraResultado não foi encontrado
24/08/30FerroviáriaXSportivoResultado não foi encontrado
31/08/30Brasil FC1X1Sportivo *Rua Sá
14/09/30SportivoWOXAnchietaO Anchieta entregou os pontos nos primeiros e segundos quadros
21/09/30Esperança0X1SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
12/10/30Cordovil3X2Sportivo *Rua Oliveira Mello, em Cordovil
16/11/30Sportivo1X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz

* O Brasil e Cordovil desistiram de seguir na competição. Com isso, os pontos foram repassados ao Sportivo, com placar de 1 a 0.

Sportivo Santa Cruz – vice-campeão do Torneio Inicio; Campeão da Divisão “Emmanuel Coelho Neto” de 1930; Campeão da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres de 1930

Sportivo Campeão de 1930, da Liga Metropolitana, nos Primeiros e Segundos Quadros

Como resultado, o Sportivo Santa Cruz (campeão da Divisão “Emmanuel Coelho Neto”) enfrentaria na decisão o Sport Club América, do Lins de Vasconcellos (campeão da Divisão Emmanuel Nery), para definir o grande campeão.

No domingo, do dia 03 de Maio de 1931, 15h15min., no campo do Fidalgo Football Club, na Rua Domingos Lopes, nº 149, em Madureira. o Sportivo bateu o América por 2 a 0, se sagrando o campeão da Liga Metropolitana de 1930. Alcides Sanches foi o árbitro (Jornal do Commercio F.C.) da partida.

O jogo começou e o Sportivo tratou de impor o seu ritmo de jogo. O 1º gol saiu na metade da primeira etapa. Guerra bateu a falta para Jaguarão que soltou a bomba para estufar as redes!

O América partiu para cima e quase empatou quando Arantes chutou forte, carimbado a trave de Jajá. A resposta do Sportivo foi letal. Jaguarão cobrou o escanteio na área e Sant’Anna testou de forma inapelável, ampliando o marcador.

Na etapa final, o América pressionou, mas o Sportivo levava perigo nos contragolpes. Final de jogo, e o Sportivo Santa Cruz festejou mais um título em dose dupla, uma vez que na preliminar o Segundos Quadros do alvinegro venceu o Magno por 3 a 1, e também ergueu a taça!

 Sportivo: Jajá; Orlando e Gaúcho; Barroso, Sant’Anna e Guerra; Plínio, Edmundo, Almir Mituca, Zazá e Jaguarão.

SC América: Evaristo; Serra e Belleza; Zeca, Lucena e Camisa; Arantes, Mario, Goulart, Neném e Ramos.

Vice-campeão do Torneio Início da LMDT de 1931

No domingo do dia 24 de maio de 1931, o Sportivo ficou com vice do Torneio Initium da Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), realizado no campo da ABEL (Associação Beneficente dos Empregados da Light), na Rua Figueira de Melo, nº 406, em São Cristóvão, na zona norte do Rio.

No 2º jogo, às 13h25min., com arbitragem Benedicto Parreiras, o Sportivo venceu o Sudan Athletico Club (Cascadura) por 1 a 0 (um escanteio pró). Gol de Aderne.

Às 15h05min., com Alcides Sanchez no apito, o Sportivo voltou ao campo para enfrentar o Magno Football Club (Madureira) e vencer por 2 a 0. Os gols foram assinalados por Zazá e Boto.

Pelas semifinais, às 16h10min., sob às ordens de Benedicto Parreiras, o Sportivo superou o Sport Club Campinho por 1 a 0. O gol da vitória foi de Aderne.

Na grande final, às 16h50min., tendo João Alves Pereira (do Magno) no apito, Sportivo Santa Cruz e Jornal do Commercio Football Club (Gamboa) ficaram no empate sem gols.  Porém, nos escanteios, o alvirrubro da Gamboa levou a melhor por 3 a 0, ficando com o título.

Apesar do vice, o Sportivo fechou a competição de forma invicto e sem sofrer nenhum gol: foram quatro jogos, com três vitórias e um empate; marcando quatro gols e nenhum tento sofrido

O Sportivo jogou assim: Jajá; Barroso e Dantas; Calado, Guerra e Ratinho; Aderne, Gradim, Zazá, Zaquita e Boto.

No Campeonato da Liga Metropolitana de 1931 (Campeão foi o Oriente Athletico Club) contou com 11 participantes:

Deodoro Athletico Club;

Esperança Football Club (alviverde);

Fidalgo Sport Club;

Jornal do Commercio Football Club;

Magno Football Club;

Oriente Athletico Club;

Sport Club Boa Vista;

Sport Club Campinho;

Sport Club São José;

Sportivo Santa Cruz;

Sudan Athletico Club.

A estreia, no dia 21 de junho, o Sportivo venceu por 3 a 1 o Sport Club Boa Vista. Gols: Campista para o Boa Vista; Zazá, Almir Mituca e Pinto para os alvinegros.

O time seguiu embalado, batendo o Jornal do Commercio (6 a 2), Esperança (4 a 1), empatando com o grande rival Oriente (3 a 3), novo triunfo em cima do São José (2 a 1), até tomar para o Deodoro (5 a 2) e Sport Club  Campinho (1 a 0). 

O Sportivo voltou a vencer o Magno Football Club (5 a 2), depois empatou com Fidalgo (3 a 3), novo triunfo em cima do Sudan (3 a 2) e fechou o turno com derrota para o Campinho (1 a 0), porém na liderança.   

O segundo turno, o Sportivo Santa Cruz encontrou um grande adversário: Liga Metropolitana de Desportes Terrestres (LMTD). As atuações da arbitragem somada a indiferença da LMTD foi minando a diretoria alvinegra.

Apesar de grandes vitórias sobre o Boa Vista (1 a 0), São José (3 a 0), Oriente (3 a 1), Esperança (1 a 0) e Sudan (5 a 4), renderiam um total de 27 pontos, o que lhe daria o título com folga.

No entanto, restando um jogo diante do Fidalgo, em casa, a diretoria do Sportivo Insatisfeitos com as decisões da Liga, no dia 25 de Janeiro, tomaram a decisão drástica de se retirar da competição.

Com isso, “entregaram de bandeja” os títulos dos Primeiros e Segundos Quadros para o arqui-rival: Oriente Athletico Club. Para piorar, como o Sportivo se retirou, mesmo restando um jogo, o clube perdeu todos os pontos, saindo da liderança para a última colocação.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
21/06/31Boa Vista1X3SportivoEstrada das Furnas, no Alto da Boa Vista
28/06/31Sportivo6X2Jornal do Commercio FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
12/07/31Esperança1X4SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
19/07/31Oriente AC3X3SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
26/07/31São José1X2SportivoBairro de Magalhães Bastos
02/08/31Deodoro5X2SportivoEstrada de Nazareth – Deodoro
09/08/31Campinho1X0SportivoRua Mendes Aguiar, nº 18
16/08/31Sportivo5X2Magno FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
23/08/31Fidalgo3X3SportivoRua Domingos Lopez – Madureira
30/08/31Sudan AC2X3SportivoBairro de Cascadura

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
20/09/31Sportivo1X0Boa VistaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
04/10/31Sportivo3X0São JoséRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
11/10/31Sportivo5X3CampinhoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/10/31Jornal do Commercio3X1SportivoAv. Francisco Bicalho – Santo Cristo
25/10/31Sportivo5X4Sudan ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
08/11/31Magno FC4X1SportivoMadureira
1º/11/31Sportivo3X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
27/12/31Sportivo1X0EsperançaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
17/01/32Sportivo2X2DeodoroEstrada de Nazareth – Deodoro
25/01/32SportivoXFidalgoCancelado, porque o Sportivo abandonou o certame

Torneio Início da LMDT de 1932

No domingo, do dia 15 de maio de 1932, aconteceu o Torneio Initium, no campo do Deodoro Athletico Club, na Estrada de Nazareth, na Estação de Deodoro. O Sportivo enfrentou, às 13h40min., o Magno Football Club (Madureira). Porém, o alvinegro caiu por 1 a 0. Na final, o Deodoro foi o campeão e o Oriente, ficou com o vice.

O Campeonato da Liga Metropolitana em 1932, foi marcado pelo descontentamento de diversos clubes que no final foram abandonando o certame, inclusive o Sportivo Santa Cruz.

Uma curiosidade é que o Curva do Mattoso Football Club no meio da competição alterou o seu nome para Sportivo Campo Grandena sexta-feira, do dia 28 de outubro de 1932 – em homenagem ao bairro onde a agremiação tinha sede.

Resultados do 1º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
26/06/32Esperança1X2SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
03/07/32Sportivo1X2CampinhoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
10/07/32Magno FC3X0SportivoBairro de Madureira
17/07/32Sudan AC3X2SportivoBairro de Cascadura
24/07/32São José1X1SportivoBairro de Magalhães Bastos
07/08/32Oriente AC1X1SportivoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
14/08/32Sportivo4X1Vasquinho FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
21/08/32Rio São Paulo FC3X2SportivoBairro de Madureira
28/08/32Boa Vista4X0SportivoEstrada das Furnas, no Alto da Boa Vista
04/09/32SportivoXDeodoroRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
11/09/32Sportivo2X1Curva do MattosoRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/09/32Triângulo Azul FC2X3SportivoBairro: Centro

Resultados do 2º Turno

DATASRESULTADOSLOCAIS
02/10/32Sportivo2X1EsperançaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
09/10/32Campinho3X1SportivoRua Mendes Aguiar, nº 18
16/10/32Sportivo1X2Magno FCRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
23/10/32Sportivo2X2Sudan ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
30/10/32Sportivo5X1SC São JoséRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
05/11/32DeodoroXSportivoEstrada de Nazareth – Deodoro
15/11/32Sportivo2X1Oriente ACRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
20/11/32Vasquinho1X1SportivoBairro do Engenho de Dentro
27/11/32Sportivo1X0Rio São PauloRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
04/12/32SportivoXBoa VistaRua Nestor, nº 29 – Santa Cruz
18/12/32Campo Grande4X2SportivoBairro de Campo Grande
25/12/32SportivoXTriângulo AzulCancelado, porque o Sportivo abandonou o certame

Torneio Início da LMDT de 1933

Pelo Torneio Initium da LDMT, no domingo, às 11 horas, do dia 30 de abril de 1933, no campo do Bangu, o Sportivo caiu na estreia, ao perder para o Sportivo Campo Grande por 1 a 0. Sr. Francisco Antonio foi o árbitro. O Sportivo jogou: Oswaldo; Dantas e Euclydes; Jacy, Joaquim e Sebastião; Plínio, Mozart, Vieira e Rubem.

No Campeonato da Liga Metropolitana em 1933, o Sportivo Santa Cruz fez parta da Divisão Belfort Duarte. Nesse momento, o clube já apresentava dificuldades, sobretudo, no quesito estrutural.

E logo na estreia, foi “pintado um retrato” de como seria a temporada do alvinegro Santacruzense! No domingo, do dia 11 de junho de 1933, os jogadores dos primeiros e segundos quadros do Sportivo não compareceram no jogo, diante do Sport Club São José, em Magalhães Bastos, e perderam por W.O. (placar de 1 a 0).

Datas dos jogos

18 de junho de 1933, Sportivo x SC Albano

25 de junho de 1933, Sportivo x Esperança

02 de julho de 1933, Oriente x Sportivo

09 de julho de 1933, Sportivo x Magno

16 de julho de 1933, Sportivo x Campinho

23 de julho de 1933, SC Parames x Sportivo

06 de agosto de 1933, Deodoro x Sportivo

13 de agosto de 1933, Sportivo 1 x 3 Campo Grande

10 de setembro de 1933, Sportivo x São José

1º de outubro de 1933, Oriente 3 x 1 Sportivo

No dia em que o Sportivo Santa Cruz enfrentou o Flamengo

Em 1933, foram realizados obras para aumentar as arquibancadas do campo

No domingo, do dia 15 de outubro de 1933, no Estádio do Fluminense, em Laranjeiras, o Bangu venceu o Flamengo por 3 a 1, válido pelo Campeonato Carioca. Na preliminar, o Sportivo enfrentou, em amistosos, os amadores do Clube de Regatas Flamengo. A vitória foi rubro-negra pelo placar de 3 a 2.

No domingo, do dia 29 de outubro de 1933, no Estádio de São Januário, na preliminar da vitória do Palestra (SP) por 3 a 1, no Bonsucesso, válido pelo Torneio Rio-São Paulo. o Sportivo goleou o Vasquinho, por 5 a 0, pelo Campeonato da Liga Metropolitana.

No início de fevereiro de 1934, a Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT), suspendeu o Sportivo por não comparecer nas assembléias e do não pagamento das multas.

Oriente tentou ajudar o Sportivo a não ser extinto

O Oriente Athletico Club era o grande rival do Sportivo, no bairro de Santa Cruz. Porém, ao perceber que o clube co-irmão estava agonizando o presidente do Oriente, Sylvio Duarte de Moraes, tratou de ajudar, realizando um festival.

Naquele momento o Sportivo tinha se afastado das competições e com ajuda de abnegados sócios: Dr. João Gualberto do Amaral, João Martins de Andrade e Almir Augusto Amaral, tentou se reorganizar e voltar ao convívio do desporto carioca.

No domingo, às 16 horas, do dia 07 de novembro de 1937, no campo da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz, foi realizado o festival organizado pelo Oriente. Na partida de fundo, Oriente e Sportivo Santa Cruz empataram em 1 a 1. Os gols foram assinalados por Bugeca para o Oriente, enquanto José Moura Costa (campeão pelo Fluminense em 1924), de pênalti, marcou para o Sportivo.     

Depois, realizaram uma disputa, numa melhor de quatro jogos. No 1º jogo, no domingo, do dia 21 de novembro de 1937,  o Sportivo venceu o Oriente por 1 a 0. No 2º jogo, no domingo, do dia 28 de novembro de 1937,  as duas equipes empataram em 1 a 1.   

No domingo, do dia 28 de novembro de 1937, no campo da Rua Nestor, nº 2 jogo, em Santa Cruz, o último jogo entre Sportivo e Oriente, empate em 1 a 1. Com isso, nos três jogos, o Sportivo estava em vantagem com uma vitória e dois empates.

No domingo, do dia 16 de janeiro de 1938, Sportivo e Oriente se enfrentaram, válido pelo 4º jogo, no Estádio da Rua Nestor, nº 29, em Santa Cruz. E o Sportivo venceu o seu grande rival pelo placar de 3 a 1, faturando o troféu Antonio Joaquim da Costa. Assim, nos quatro jogos, o Sportivo Santa Cruz venceu duas partidas e empatou as outras duas; seis gols pró e três contra.   

Adeus Sportivo Santa Cruz

Apesar do seu último capítulo ter sido com a conquista da taça (troféu Antonio Joaquim da Costa), não suficiente para reverter o quadro! E assim, sem nenhum alarde e nem nenhuma despedida, desapareceu para sempre o Sportivo Santa Cruz, em 1938.

Algumas formações

Foto de 2019: Aqui ficava o campo, na Rua do Prado, nº 35, em Santa Cruz, zona oeste do Rio (RJ)

Time base de 1926: Irineu; Titeo e Dantas; Allemão, Pequenino (Zequita) e Leite; Zizinho, Moutinho, Mituca, Zazá e Chiquito (Augusto).

Time base de 1927: Irineu (Alves ou Quidoca); Dantas (Togo) e Pequenino (Russinho ou Montinero); Allemão (Inglez ou Penha), Machado (Cruz ou Zequita) e Moutinho (Amaral); Zizinho (Euclides), Leite (Amaral II ou Pinto), Mituca (João), Zazá (Gradim) e Juquinha (Augusto).

Time base de 1928: Geraldo; Pequenino e Dantas; Machado, Martins e Moutinho; Gradim, Zizinho, Mituca, Zazá e Ignácio.

Time base de 1929: Heitor (Frango); Levy (Dantas) e Sebastião (Belinho); Joaquim (Gradim), Hilário e Antonio (Quinzinho); Amaral (Eustachio), Romualdo (Zizinho), Mozart (Juquinha), Jorge (Zazá) e João (Gaúcho).

Time base de 1930: Jajá; Barroso (Guerra) e Gaúcho; Gradim (Barbosa), Plínio e Gringo; Zizinho (Aquino), Edmundo (Walter), Almir ‘Mituca’ (Aquino), Zazá (Vidal) e Heitor (Cap.).

Time base de 1931: Jajá; Orlando (Barroso) e Dantas; Mituca (Calado), Guerra (Gambá) e Ratinho (Gringo); Aderne (Heitor), Gradim (Annibal), Zazá (Titeo), Almir Mituca (Zaquita) e Pinto (Boto ou Cabrito).

Time base de 1932: Stemi; Zezinho e Dantas; Gradim, Sapinho e Gringo; Plínio, Heitor, Zazá, Vivi e Moura.

Time base de 1933: Zezé (Oswaldo); Durval (Dantas) e Guerra I (Euclydes); Gradim (Jacy), Feitiço (Luizinho ou Joaquim) e Guerra II (Sebastião); Hermes (Plínio), Waldemar (Mozart ou Yaya), Zazá (Vieira), André (Rubem) e Camarim (Isaac).

Time base de 1937: Enéas; Ernesto (Nula) e José (Zezé); Zé Carlos (João Coelho), João e Júlio; Lulu, André, Heitor, Albininho (Lulu) e José Moura Costa (Coelho).

Colaboração: Auriel de Almeida

Trabalho de pesquisa, desenho do escudo e uniforme: Sérgio Mello

FONTES: A Batalha (RJ) – A Esquerda (RJ) – A Noite (RJ) – A Rua (RJ) – A Manhã (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Critica (RJ) – Correio Paulistano (SP) – Diário Carioca (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal do Brasil (RJ) – Jornal do Commercio (RJ) – Jornal dos Sports (RJ) – O Imparcial (RJ) – O Jornal (RJ) – O Paiz (RJ) – O Radical (RJ) – Revista do E.C. Guanabara de 1983 – Google Maps

UNIRB Futebol Clube – Alagoinhas (BA): Título invicto da Série B e acesso inédito à Elite do Futebol Baiano em 2021!

O caçulinha UNIRB Futebol Clube de Alagoinhas, com menos de dois anos de existência, conquistou, de forma invicta, o título do Campeonato Baiano de Futebol da Segunda Divisão de 2020, organizado pela Federação Baiana de Futebol (FBF). A competição contou com a participação de seis clubes:

Associação Atlética Teixeira de Freitas (Teixeira de Freitas);

Associação Desportiva Jequié (Jequié);

Barcelona Futebol Clube (Ilhéus);

Canaã Esporte Clube (Irecê);

Colo Colo de Futebol e Regatas (Ilhéus); 

UNIRB Futebol Clube (Salvador).

O regulamento funcionou assim: as equipes se enfrentaram em turno único e os dois primeiros colocados avançariam para a final em dois jogos. Caso os resultados fossem iguais, o grande campeão seria decidido na disputa de pênaltis. Apenas o campeão disputará o Campeonato Baiano da 1ª Divisão em 2021.   

1ª Rodada

25/10/20UNIRB2X2BarcelonaEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
25/10/20Canaã*3X0Teixeira de FreitasEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)
25/10/20Jequié2X2Colo ColoEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do Canaã foi por W.O.

2ª Rodada

1º/11/20Barcelona0X0CanaãEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
1º/11/20Teixeira de Freitas0X3Jequié*Estádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
1º/11/20Colo Colo0X1UNIRBEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)

* Vitória do Jequié foi por W.O.

3ª Rodada

08/11/20UNIRB3X1JequiéEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
08/11/20Barcelona3X0Teixeira de FreitasEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
08/11/20Canaã0X1Colo ColoEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

4ª Rodada

18/11/20Teixeira de Freitas0X3Colo ColoEstádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
18/11/20Jequié3X1BarcelonaEstádio Waldomiro Borges (Jequié)
18/11/20Canaã0X0UNIRBEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

5ª Rodada

22/11/20Colo Colo4X1BarcelonaEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)
22/11/20UNIRB3X0Teixeira de FreitasEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
22/11/20Jequié2X1CanaãEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do UNIRB foi por W.O.

Após cinco rodadas, o UNIRB avançou para a final, terminando na 1ª colocação com 11 pontos, com três vitórias e dois empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos. O Colo Colo também se classificou para a decisão, ficando na 2ª posição com 10 pontos, com três vitórias, um empate e uma derrota; marcando 10 gols, sofrendo quatro, com saldo de seis tentos.

Decisão

 O 1º jogo aconteceu no domingo, do dia 19 de novembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Mário Pessoa, em Ilhéus. Num jogo truncado, a partida entre o Colo Colo e UNIRB terminou empatado sem abertura do placar.

COLO COLO (BA)  0 X 0 UNIRB F.C. (BA)

LOCALEstádio Mário Pessoa, em Ilhéus (BA)
CARÁTER1º jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 19 de novembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROReinaldo Silva de Santana
AUXILIARESEdevan de Oliveira Pereira e Daniella Coutinho Pinto
4º ÁRBITROJosué Reis de Jesus Junior
5º ÁRBITROLuanderson Lima dos Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Carlos Magno (UNIRB)
COLO COLONilton; José, Carlão (Gomes), Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola (Arthur), Jean e Bravo; Du (Adnael) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira (ex-zagueiro do Flamengo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho (Fausto), Rogério Patrik (Rondallys) e Elcarlos; Rodrigues (Carlos Magno) e Clebson (Tanaka). Técnico: Laelson Lopes
GOLNenhum

O 2º e derradeiro jogo aconteceu no último domingo, do dia 06 de dezembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas. A partida foi disputada e tanto o UNIRB quanto o Colo Colo não conseguiram furar a forte marcação do adversário.

Dessa forma o jogo terminou sem gols e, consequentemente, o grande campeão seria conhecido na disputa de pênaltis. O UNIRB venceu o Colo Colo por 4 a 2, conquistando o inédito título e acesso para a Elite do Futebol Baiano em 2021.

O time campeão foi o dono da melhor campanha da competição. Em sete jogos disputados, foram 13 pontos (três vitórias e quatro empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos) conquistados em uma campanha invicta.

Fundado em 2018, o UNIRB FC disputou sua primeira competição profissional em 2019. Um ano depois, o clube comemora seu primeiro título e o cobiçado acesso.

UNIRB F.C. (BA) 0 X 0 COLO COLO (BA) 

LOCALEstádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas (BA)
CARÁTERÚltimo jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 06 de dezembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROMoises Ferreira Simao
AUXILIARESCarlos Vidal Pereira de Oliveira e Jose dos Santos Amador
4º ÁRBITROEziquiel Sousa Costa
5º ÁRBITROWesley Silva Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Clebson (UNIRB);  Gomes, Bravo, Renan e Joadson Bola (Colo Colo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho, Rogério, Patrik (Carlos Magno, depois Marcelo) e Elcarlos; Tanaka (Rodrigues) e Clebson. Técnico: Laelson Lopes
COLO COLONilton; José, Gomes, Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola, Welton (Arthur) e Bravo; Josemar (Du) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira
GOLNenhum
PÊNALTIS UNIRB converteu quatro cobranças, enquanto o Colo Colo apenas duas vezes.

O técnico Laelson Lopes com o troféu da Segunda Divisão Baiana de 2020

Artilharia:

3 gols – Rodrigo (Jequié);

2 gols – Walson (UNIRB); Acosta (Barcelona); Pedro e Du (Colo Colo); Uenis (Jequié);

1 gol – Dedé, Maycon, Marcelo e Elcarlos (UNIRB); Victor Leandro, Kleiton, Arnold, Tatu e Tchu (Barcelona); Bravo, Felipe, Carlão, Henrique Santos, Mychel e Adnael (Colo Colo); William, Neto e Elenílson (Jequié); Luccas (Canaã);

FONTES: Federação Baiana de Futebol (FBF) – Site e página do clube

Goiânia Esporte Clube – Campeão Goiano de 1948

Após uma disputada acirrada com o Atlético e o Goiás, o Goiânia conquistou o título de Campeão Goiano de 1948. Abaixo sua campanha:

23 de maio de 1948
Goiânia 2×2 Vila Nova, em Goiânia
27 de junho de 1948
Goiânia 2×1 Goiás, em Goiânia
18 de julho de 1948
Goiânia 2×0 Anapolina, em Anápolis
25 de julho de 1948
Goiânia 4×0 Bancária, em Goiânia
01 de agosto de 1948
Goiânia 9×0 Botafogo, em Goiânia
15 de agosto de 1948
Goiânia 0x2 Atlético, em Goiânia
05 de setembro de 1948
Goiânia 3×1 Vila Nova, em Goiânia
03 de outubro de 1948
Goiânia 0x0 Goiás, em Goiânia
17 de outubro de 1948
Goiânia 4×0 Bancária, em Goiânia
31 de outubro de 1948
Goiânia 2×1 Anapolina, em Goiânia
05 de dezembro de 1948
Goiânia 8×0 Botafogo, em Goiânia
12 de dezembro de 1948
Goiânia 3×1 Atlético, em Goiânia

Goiânia Esporte Clube – Campeão Goiano de 1948

Fonte: Arquivos do Autor e Gazeta Esportiva / SP

Cotinguiba Sport Club – Campeão de Aracaju (SE) – 1941

Em 1941 a equipe do Cotinguiba Sport Club sagrou-se campeã de Aracaju, 
conquistando ainda a maior goleada do certame e e tendo o artilheiro da competição. 
Porém na decisão do título com o Riachuelo (campeão do Interior), 
a equipe acabou sendo derrotada. Abaixo a campanha na conquista do título:

Turno Único

03.08.1941
Cotinguiba 4x2 Siqueira Campos, em Aracaju
24.08.1941
Cotinguiba 3x6 Palestra, em Aracaju
21.09.1941
Cotinguiba 6x1 Vasco da Gama, em Aracaju
19.10.1941
Cotinguiba 15x0 Guarany, em Aracaju
28.12.1941
Cotinguiba 2x1 Sergipe, em Aracaju
11.01.1942
Cotinguiba 5x1 Paulistano, em Aracaju

Artilheiros

Gordinho                16 gols
Pirricha                05 gols
Baianinho               03 gols
Zé Grilo                03 gols
Deixa                   03 gols
Percy                   02 gols
Lô                      01 gol
Zeca                    01 gol
Marião                  01 gol



Fonte: Biblioteca Digital - Universidade Federal de Sergipe