Arquivo da categoria: Hinos de Clubes

Escudo Raro, de 1918: Cotinguiba Sport Club – Aracaju (SE)

O Cotinguiba Esporte Clube é um clube esportivo e social de Aracaju, capital do estado do Sergipe. Fundado no dia 10 de outubro de 1909, é o primeiro campeão estadual do Sergipe e conquistou o campeonato em 1918, 1920, 1923, 1936, 1942, 1952 e 1957. É conhecido como o Tubarão da Praia.

Com o nascimento do Cotinguiba Esporte Clube a vida sócio-esportiva sergipana começa a se organizar. Sensível aos anseios da gente sergipana, um valioso grupo de intelectuais e desportistas deu início às demarches para a criação da agremiação.A data oficial de fundação é 10 de outubro de 1909. Na ocasião lá estavam os mais autênticos representantes das famílias Franco, Leite, Rollemberg, Garcez e Vasconcelos. Seus primeiros sócios e dirigentes.

Era, pois, um clube elitista. Criado e dirigido pelo ‘high-society”.Nasceu onde ainda hoje vive. Tomou o nome de Cotinguiba em homenagem ao rio que nos separa da Barra dos Coqueiros.Depois o rio mudou de nome nesta região e passou a se chamar Rio Sergipe, de acordo com determinação emanada do Poder Legislativo.Começou com o remo e, já no ano seguinte, arrebatava, triunfal-mente, a primeira colocação do primeiro campeonato de remo.

O futebol veio logo depois, em 1916, quando foi criada a Liga Desportiva Sergipana, e era praticado na Praça da Conceição, primitivo nome da praça Pinheiro Machado, que depois passou a ser denominada de Praça Tobias Barreto, com um monumento ao centro, em homenagem ao gênio sergipano. Os rivais do remo, das regatas, passavam a ser, também, rivais no futebol.

Equipe do Cotinguiba
Em 1918 começam, precariamente, os Campeonatos e o Cotinguiba saiu na frente, conquistando o 1º título. No ano seguinte, 1919, não houve campeonato, mas os dois clubes ganharam um terreno, cedido por Adolfo de Faro Rollemberg, para ser preparado e utilizado como campo de futebol. Foi o Campo do Adolfo, que durante pelo menos três décadas sediou as partidas de futebol, abrigou desfiles cívicos e estudantis, festas e outros eventos. Em 1920 o Cotinguiba ganhou de novo.
Voltou a ser campeão sergipano em 1923 e depois somente em 1936. Voltou a ser campeão no ano de 1942 e em 1952.
Cotinguiba campeão de 1942
Na década de 40, o Tubarão encontra seu ponto culminante na administração de Clóvis Cardoso, homem que modificou o cenário arquitetônico de Aracaju, realizou consideráveis reformas na sua sede, surgindo a feição mediterránea que até hoje possui, apesar da rebeldia de algumas reformas que ali foram realizadas em outras gestões.
Foi o primeiro campeão de Remo, Futebol, Voleibol, Basquetebol, Pedestrianismo e Natação. No ocaso da década de 50 surgiu em nossa Capital o Futebol de Salão. No futebol conquistou mais um título em 1957.
 Cotinguiba campeão de 1957
 Com o passar do tempo, a rivalidade com o Sergipe caia e terminava desaparecendo. É quando entra em cena a Associação Desportiva Confiança, que passa a ser o principal rival do Clube Esportivo Sergipe. Tal fato coincide com a implantação do profissionalismo do futebol sergipano, o que significa mais exigências, compromissos, formação de equipes remuneradas, a corrida em busca do público pagante para lotar os estádios e dos auxílios do Poder Público, que é, em si, um capítulo da história do futebol em Sergipe. Com o domínio do futebol sergipano pelo Sergipe, Confiança e Itabaiana, o Cotinguiba perdeu espaço no futebol sergipano.
Em 1975 ficou em 4° lugar no sergipano e em 1977 também fez boa campanha. Nos anos 90 ainda se mantinha no futebol profissional, mas não acompanhando o ritmo da dupla de ferro da capital.
Em 1996 acabou sendo rebaixado juntamente com o Propriá para a segunda divisão sergipana.No ano seguinte ficou em 4° lugar na segunda divisão, longe do acesso.
O Cotinguiba voltou aos gramados em 2005, eliminado nas semifinais da segundona pelo Olímpico Pirambu com duas derrotas. Em 2006 acabou afastado do campeonato por seu estádio não atender aos padrões exigidos pela FSF.
Disputou os campeonatos de 2007 e 2008, mas em 2009 acabou não disputando a segunda divisão.
O Cotinguiba manteve sua sede social, promoveu festas, praticou outros esportes, ainda hoje tem o Remo que o consagrou, sendo que a sua sede é uma das mais importantes de Aracaju.
Escudos Anteriores
Hino (Autor: Gilson Nascimento)

Tubarão da Praia
Sou tubarão da praia, 
Sou campeão na bola e na raia,
Sou do time de valor,
Sou Cotinguiba com muito amor
Sua história relevante,
Vai sempre evocar esse time vibrante,
Sua torcida brava: “Pra frente guerreiros!”
Sou Cotinguiba, somos pioneiros.

O tempo passa, mas fica a lembrança,
Quem tem fé, tem esperança,
Decano da fundição sua morada é no meu coração,
Amo essa camisa querida,
Sou Cotinguiba por toda vida.

Sou tubarão da praia, 
Sou campeão na bola e na raia,
Sou do time de valor,
Sou Cotinguiba com muito amor.

 

FONTES: Revista Vida Sportiva – História dos Clubes Nacionais

Foto Rara, de 1941: Parnahyba Sport Club – Parnaíba (PI)

O Parnahyba Sport Club é uma agremiação da cidade de Parnaíba (PI). A sua Sede fica localizada na Rua du Marechal Pires Ferreira, nº 634, no Bairro de Nossa Senhora de Fátima, na Parnaíba. O “Tubarão do Litoral” foi Fundado no dia 1º de Maio de 1913, por José de Moraes Correia, Ozias de Moraes Correia, Colibri Alves, Oton Ramos, Hilton Lopes, José Leite e Mário Reis.

É o clube mais antigo do estado, e participa do campeonato estadual desde 1916, quando o mesmo foi instituído pela Liga Sportiva Parnahybana. Com a criação da Federação Piauiense de Futebol, em 1941, ficou fora do estadual, retornando somente em 1968. O Parnahyba detém os recordes de público e renda nos Campeonatos Piauienses de 2004, 2005 e 2006.


Estádio Petrônio Portela

Considerado o berço do futebol parnaibano, a história do estádio Petrônio Portela se confunde com a história do Parnahyba. Construído na década de 1920, pela Casa Inglesa, foi batizado originalmente por Estádio Internacional. Seu estilo arquitetônico semelhante aos estádio ingleses da época, único no Brasil, era símbolo do glamour das disputas do Campeonato Parnahybano no século passado.

Com o fechamento da Casa Inglesa, o estádio é colocado à venda, sendo comprado pelo Governo do Estado do Piauí, na pessoa do então-governador parnaibano Alberto Silva, sendo, em 1973, doado ao Parnahyba Sport Club.

Após as construções do estádio Municipal Mão Santa (atualmente Estádio Municipal Pedro Alelaf), o Parnahyba deixa, definitivamente, de mandar seus jogos do Petrônio Portela, que, “esquecido” começa a sofrer aos danos provocados pelo tempo e a falta de manutenção.

Restando apenas as ruínas da estrutura original, a diretoria do Parnahyba resolve, em 2008, iniciar uma grande reforma de restauração e ampliação no estádio, transformando-o no Centro de Treinamentos da equipe profissional e das categorias de base. As primeiras etapas, que consistiam na recuperação da estrutura administrativa já foram contempladas.


Títulos
Estaduais
Campeonato Piauiense: 12 (Incluindo era amadora e era profissional)
1916, 1924, 1925, 1927, 1929, 1930, 1940, 2004, 2005, 2006, 2012 e 2013.
Taça Estado do Piauí: 2004 e 2012.
Taça Gov. Alberto Silva: 1988.
Outras Conquistas

Campeonato Parnaibano:
1941– 1942 – 1944 – 1945 – 1946 – 1954 – 1961 – 1965- 1967.

 

Curiosidades
– Campeão do Centenário do Futebol Piauiense, título simbólico alusivo aos 100 anos do futebol no Piauí, completos em 2005;

– Clube Piauiense mais antigo em atividade;

– Único tricampeão estadual do interior 2004/05/06;

– Primeiro campeão “arrastão” (sem precisar de final, vencendo 1º e 2º turnos do estadual) 2004.

 

HINO – Parnahyba Sport Club

 

Letra do Hino

Composto originalmente por R.Petit, o hino do clube transformou-se anos mais tarde no hino oficial da Cidade de Parnaíba, desde então o Hino do Parnahyba Sport Club vem fazendo parte de todas as cerimônias oficiais tanto do clube quanto da cidade.
“Ó Parnaíba,

Teu nome exprime

Em nosso peito

Ardor sublime

Que nos inspira a repetir a doce escala

Da voz do rio que te envolve que te embala


Teus filhos bravos

No embate rudo

Fazem do peito

Um bronzeo escudo


ESTRIBILHO – E quem da luta

Todo ardor não liba

Ao som do brado:

Salve ó Parnaíba

 

Possues o brilho

Da paz bendita

Que sobre nós

Fulge e palpita

 

Ao sopro forte do Nordeste a vida canta

Nessa oficina de labor que nos encanta


Do nosso esforço

Vem a surgir

A glória excelsa

Em teu porvir

 

ESTRIBILHO

A doce sombra

Da paz suprema

Progredir sempre

É o nosso lema


Onde a bravura destemida enfim assome,

Nos lembra o rio que te deu tão grande nome


Teus filhos bravos

No embate rudo

Fazem do peito

Um bronzeo escudo

 

ESTRIBILHO – E quem da luta

Todo ardor não liba

Ao som do brado:

Salve ó Parnaíba

 

Possues o brilho

Da paz bendita

Que sobre nós

Fulge e palpita”

 

 

FONTES: Site do clube – Blog Relíquias do Futebol

FOTO: Acervo Severino Filho (Foto tirada no dia 21 de Setembro de 1941)

Cordino Esporte Clube – Barra do Corda (MA): Vice-campeão Maranhense da 1ª Divisão de 2017

O Cordino Esporte Clube é uma agremiação do Município de Barra do Corda (MA). Localizado a 462 km da capital de São Luís, a Barra do Corda conta com uma população de 86.662 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2016Fundado na segunda-feira, do dia 08 de Março de 2010.

A sua Sede está situada na Avenida Eliezer Moreira, s/n – Centro – Barra do Corda. O Cordino manda os seus jogos no Estádio Leandro Cláudio da Silva, o ‘Leandrão’, com capacidade para 1.400 pessoas. A Seleção Municipal de Barra do Corda, inspirou o surgimento do Cordino E.C., que disputava o “Copão Maranhão do Sul”, torneio intermunicipal da região.

Entusiasmados, os dirigentes e a prefeitura resolveram profissionalizar a equipe, pagando todas as taxas junto à FMF (Federação Maranhense de Futebol) e o primeiro torneio que participou foi na Segunda Divisão Maranhense de 2010. A sua principal contratação para o restante do Campeonato Maranhense foi o meio campista Leonardo Lucena.

Naquele ano, conquistou o vice-campeonato, e, conseqüentemente, o acesso para a Elite do Futebol Maranhense. De lá pra cá, são sete participações no Campeonato Maranhense da 1ª Divisão. Em 2011, terminou na 5ª colocação; já em 2012, ficou na 8ª posição. Em 2013, fechou em 5º lugar; enquanto em 2014 terminou na 4ª posição. Em 2015, ficou em 7º lugar e no ano seguinte (2016), acabou na 4ª colocação.

A melhor campanha aconteceu este ano (2017), quando o Cordino conquistou seu primeiro título em 2017, valendo a Taça do 1º Turno do Campeonato Maranhense de Futebol. O clube terminou em 1º lugar no Grupo B, que contou também com o Maranhão, Moto Club e Americano de Bacabal. Foram seis jogos, com três vitórias, dois empates e uma derrota; marcando 10 gols e sofrendo apenas três.

Nas semifinais, o Cordino venceu o São José, de Ribamar por 2 a 1. Na decisão, empatou, em casa, em 0 a 0, diante da Sociedade Imperatriz de Desportos. Contudo, no jogo da volta, derrotou o adversário, fora de casa, pelo placar de 2 a 1, conquistando o inédito título.

No 2º Turno, o Cordino seguiu mostrando as suas garras, ao terminar na vice-liderança do Grupo B: foram quatro jogos, com uma vitória, um empate e duas derrotas; assinalando quatro gols e sofrendo seis. Na fase semifinal, bateu o Santa Quitéria, fora dos seus domínios, por 1 a 0, avançando para a final. Diante do Sampaio Corrêa, o Cordino não conseguiu superá-lo. Empate no Estádio Leandrão em 1 a 1, e na volta acabou goleado por 4 a 1, no Estádio João Castelo, o Castelão, em  São Luís.

Assim, Sampaio Corrêa e Cordino decidiram o título do Campeonato Maranhense da 1ª Divisão de 2017, em dois jogos. Na primeira partida, às 16 horas, realizada na quinta-feira, do dia 15 de junho, no Estádio Castelão, o Sampaio Corrêa suou para derrotar o Cordino por 2 a 1.

No jogo da volta, na quinta-feira, do dia 29 de junho, às 20h15, o Cordino mandou o jogo no Estádio Frei Epifânio, na cidade de Imperatriz. O Cordino abriu o placar logo aos 2 minutos de jogo, com um gol contra de Fredson. Esse resultado daria o título. Porém, o sonho não durou muito, já que sete minutos depois Isac empatou a peleja. E, aos 39 minutos da etapa inicial, Da Silva acabou marcando contra o próprio patrimônio, colocando o Sampaio em vantagem.

No segundo tempo, o Sampaio só não ampliou, porque o goleiro Eduardo Alves defendeu um pênalti cobrado por Isac aos 13 minutos. Fim de jogo, o Sampaio venceu por 2 a 1, se sagrando campeão. Porém, para o Cordino o vice-campeonato maranhense também foi muito festejado.

O Cordino disputou o Campeonato Brasileiro da Série D, de 2017. Ficou no Grupo A4, juntamente com o Santos (AP), Altos (PI) e Tocantins (TO). No entanto, terminou na 3ª posição e acabou eliminado: foram seis jogos, com duas vitórias, um empate e três derrotas; marcando cinco gols e sofrendo nove.

Hino do Cordino Esporte Clube

 “Canta meu Cordino Esporte Clube 

Canta com amor a tua glória 

Canta com a tua voz altaneira

Que a tua bandeira bem alto tremula

No Pavilhão da vitória 

Enfrentarás lutando pelo teu valor

E vencerás com honra, glória e ardor

Quer na paz, quer na luta, vencerás! 

Salve Cordino Esporte Clube!

No ritmo de luz e amor” 

Hino do Cordino Esporte Clube

FONTES: GloboEsporte.com – Wikipédia – Barra do Corda News

FOTO: Ivan Silva

Primeiro de Maio Futebol Clube – Santo André (SP): Campeão da Segundona de 1926

O Primeiro de Maio Futebol Clube é uma agremiação centenária da cidade de Santo André (SP). Os “Flechas Verdes” foi Fundado na segunda-feira, do dia 18 de Agosto de 1913 (na época São Bernardo do Campo), mas na verdade, a oficialização do time que já batia bola na pequena Santo André.

A paixão que unia os 25 operários italianos e descendentes transformou um informal jogo em uma sociedade. Os fundadores foram os seguintes: Rodolpho Garbin, Antonio Guidoni, José Lari, Silvio Broquin, José Balista, Primo Gamberini, Luiz Banzato, Salvador Pellegrini, Francisco Fiberg, Ido Beccheri, Alfredo Artioli, Gregório Manetti, Máqui Guirelli, Dionysio Giaccherini, João Tetti, Silvio Cherchiari, Domingos Dalle Nogari, João Ubertis, Nazareno Baccheschi, Izaias Pellegrini, João Lúcio de Campos, Luiz de Alcântara, João Garofalo, Dante Sofiati e José Campanini.

Como eram todos operários, decidiram homenagear o dia do trabalhador, batizando o time com o nome de Primeiro de Maio Football Club. O primeiro jogo oficial aconteceu no dia de Natal daquele mesmo ano.

Não há registro algum nos livros de atas de que a primeira reunião do novo clube, e as seguintes, tivessem sido realizadas no armazém dos Piagentini, prevalecem os ricos depoimentos verbais que acrescentam o endereço a Rua Coronel Oliveira Lima, n° 60 (calçadão central da cidade), e que ali foram feitas pelo menos quatro reuniões do novo clube.

A Sede fica localizado no coração de Santo André, na região central, na Avenida Portugal, nº 79, e possui uma área de 19 mil m², dos quais 13 mil m² de área construída. Atualmente, o clube tem como meta a de desenvolver a prática de atividades esportivas, sociais e recreativas, que conta hoje com cerca de 13 mil associados em seu quadro associativo, constituído basicamente por médicos, dentistas, advogados, engenheiros, profissionais liberais e empresários.

Tem como origem o esporte e hoje participa competitivamente nas modalidades de Futebol de Salão (categorias: sub-09, sub-11, sub-13 e sub-15), Natação (masculino e feminino)Judô (masculino e feminino), Snooker, Bocha (masculino e feminino) e Xadrez.

Primeiro título

Em 1914, o Primeiro de Maio que fez a primeira excursão para Jundiaí, onde enfrentou o Corinthians Jundiayense. A conquista da 1ª taça veio num jogo realizado contra o Serrano Athletico Club, de Paranapiacaba, em 1916.

 

Duas participações na Elite do Futebol Paulista

Uma das mais antigas equipes da cidade e do estado de São Paulo a disputar o Campeonato Paulista da Primeira Divisão (atual A1), de 1927, pela antiga APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos). Participou 13 vezes das divisões de acesso do Campeonato Paulista de Futebol.

Em 1917 o Primeiro de Maio se filiou à Associação Paulista de Sports Athleticos, com o objetivo de disputar o campeonato paulista. No ano de 1926  foi Campeão do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, garantindo o direito de disputar a elite do futebol estadual no ano seguinte. Em 1928, fundiu-se ao Corinthians Futebol Clube, de São Bernardo do Campo, mas a união não deu certo, e acabou sendo desfeita em 1930.

Em 1940, participou pela última vez de uma competição oficial profissional. Entretanto permaneceu no amadorismo até 1949, quando se licenciou do Campeonato Citadino de Santo André. A partir daí o clube passou a investir na espaço social e no futebol de salão.

Ao todo, o Primeiro de Maio Futebol Clube participou de 15 edições do futebol paulista. No Campeonato Paulista da Primeira Divisão, foram duas: 1927 e 1936. E no Campeonato Paulista da Segunda Divisão, foram 13 edições: 1919, 1920, 1921, 1922, 1923, 1924, 1925, 1926, 1938, 1939 e 1940.

HINO do Primeiro de Maio F.C.

“Vinte e cinco ilustres fundadores, operários de visão.

Foi então, a forte engrenagem deste clube tradição.

Salve, salve o Primeiro de Maio, nosso nome exaltação.

De alta voz e brado juvenil cantamos com o coração:

de glórias mil, alto e bom tom,

te exaltamos com fervor.

Oh! Clube bom e popular, que o esporte sempre divulgou.

Unidos com muito vigor de verde e branco proclamar:

Primeiro de Maio, a tradição familiar”.

 

FONTES: Wikipédia – Site do clube – Site – As Mil Camisas – Waldomiro Junho – livro “Os Flechas Verdes”, de autoria do historiador Ademir Médice