Arquivo da categoria: Internacional / Conmebol

MAIORES CAMPÕES DO TORNEIO APERTURA DA ARGENTINA.

Com 6 titulos: Boca Juniors e River Plate. Com 1 titulo: Banfield, Estudiantes, Independiente, Lanús, Newell’s Old Boys, Racing e Vélez Sarsfield.

ÚLTIMOS CAMPEÕES:

2000/2001: Boca Juniors.

2001/2002: Rancing.

2002/2003: Independiente.

2003/2004: Boca Juniors.

2004/2005: Newell’s Old Boys.

2005/2006: Boca Juniors.

2006/2007: Estudiantes.

2007/2008: Lanús.

2008/2009: Boca Juniors.

2009/2010: Banfield.

Fonte: Lance.

Taça Libertadores 1963 – Fichas Técnicas

Copa Libertadores 1963

 

GRUPO I

 

ALIANZA LIMA (Peru)                        O

MILLONARIOS (Colômbia)               O

Lima, 24 de abril de 1963

Estádio: Nacional.

Público: 20.000

Juez: Carlos Robles (Chile).

ALIANZA LIMA: Rodolfo Bazán, Rubén Rivas, Mendoza, Donayre, Rodolfo Guzmán, De La Vega, Pedro León, Tenemás, Del Valle, Víctor Rostaing, Víctor Zegarra.

MILLONARIOS: Pablo Centurión, Conrado Arango, Santiago Vulcano, Arturo Solórzano, Ricardo Díaz, Oscar Jamardo, José Romeiro, Genaro Benítez, Cabrera, Marino Klinger, Carlos Arango.

 

MILLONARIOS (Colômbia)                 O

ALIANZA LIMA (Peru)                         1

Bogotá, 26 de mayo de 1963

Estádio: Nemesio Camacho “El Campín”.

Público: 30.000

Juez: Carlos Robles (Chile).

MILLONARIOS: Pablo Centurión, Conrado Arango, Santiago Vulcano, Finot Castano, Luis Rubio, Oscar Jamardo, Genaro Benítez, José Romeiro, Carlos Campillo (Marino Klinger), Delio Gamboa, Rubén Pizarro.

ALIANZA LIMA: Rodolfo Bazán, Wantuil, Adolfo Donayre, Rodolfo Guzmán, Rubert Rivas, Juan De La Vega, Enrique Tenemás, Pedro León, Víctor Rostaing, H. Del Valle, Víctor Zegarra.

Gol: Víctor Zegarra (AL).

 

ALIANZA LIMA (Peru)                        O

BOTAFOGO (Brasil)                              1

Lima, 30 de junio de 1963

Estádio: Nacional.

Público: 25.000

Juez: José Luis Praddaude (Argentina).

ALIANZA LIMA: Rodolfo Bazán, Wantuil, Adolfo Donayre, Rodolfo Guzmán, Rubert Rivas, Juan De La Vega, Enrique Tenemás, Victor Zegarra, Pedro León, Victor Rostaing, Héctor Del Valle.

BOTAFOGO: Manga, Ayrton, Nilton Santos, Zé Carlos, Joel Arlindo, Rildo, Amoroso, Elton, Jairzinho, Quarentinha, Mário Lobo Zagallo.

Gol: Elton (B).

 

MILLONARIOS (Colômbia)                 O

BOTAFOGO (Brasil)                              2

Bogotá, 7 de Júlio de 1963

Estádio: Nemesio Camacho, “El Campín”.

Público: 28.000

Juez: Rubén Cabrera (Paraguay).

MILLONARIOS: Centurión, F. Castano, Conrado Arango, Lombana, Ricardo Díaz, Jamardo (Carlos Arango), Pizarro, Romero, Campillo, Delio Gamboa, Benítez.

BOTAFOGO: Manga, Navel, Joel Arlindo, Nagle, Rildo, Paulista, Jairzinho, Jair Félix, Antoninho, Amarildo, Zagallo.

Goles: Antoninho, Rildo (B).

Expulsados: Conrado Arango (M); Jairzinho (B).

 

BOTAFOGO (Brasil)

MILLONARIOS (Colômbia)

Nota: El partido de vuelta contra el Botafogo en Rio de Janeiro, que debía jugarse el 21 de Júlio, no se Ilevó a cabo ya que el conjunto de Milionários ai estar eliminado prefirió pagar Ia multa establecida por Ia C.S.F. que ascendió a US$ 4.500,-

 

BOTAFOGO (Brasil)                              2

ALIANZA LIMA (Peru)                        1

Rio de Janeiro, 24 de Júlio de 1963

Estádio: Maracanã.

Público: 15.000

Juez: Manuel Velarde (Argentina).

BOTAFOGO: Manga, Joel Arlindo, José Maria, Nilton Santos, Rildo, Ayrton, Jairzinho, Roberto, Antoninho, Iroldo, Mário Lobo Zagallo.

ALIANZA LIMA: Bazán, Rivas, Wantuil, Guzmán, Donayre, De La Vega, Tenemás, Zegarra, Pedro León, Rostaing, Del Valle.

Goles: Jairzinho, Nilton Santos (B); Enrique Tenemás (AL).

 

GRUPO II

 

EVEREST (Ecuador)          O

PENAROL (Uruguay)        5

Guayaquil, 9 de junio de 1963

Estádio: Modelo.

Público: 30.000

Juez: Domingo Massaro (Chile).

EVEREST: Hugo Mejía, Miguel Bustamante, Jorge Spencer, Flores, Verna, José Johnson, Pedro Gando, Bolívar Merizalde, Néstor Azón (Romero), Leonardo Palácios, Armando Larrea.

PENAROL: Luis Maidana, Juan V. Lezcano, Cano, E. González (Omar Caetano), Néstor Goncálvez, Roberto Matosas, Júlio César Abbadie, Pedro Virgílio Rocha, José Sasía, Alberto Pedro Spencer, Juan Joya.

Goles: José Sasía 3, Pedro Virgílio Rocha 2 (P).

 

PENAROL (Uruquay)        9

EVEREST (Ecuador)          1

Montevideo, 7 de Júlio de 1963

Estádio: Centenário.

Público: 40.000

Juez: Carlos Nai Foino (Argentina).

PENAROL: Luis Maidana, Juan V. Lezcano, Cano, E. González, Roberto Matosas, Ornar Caetano, Júlio César Abbadie, Pedro Virgílio Rocha, José Sasía, Alberto Spencer, Juan Joya.

EVEREST: Hugo Mejía, Consistre (Pardo), Jorge Spencer, Flores, Zambrano, José Johnson, Pedro Gando, Daniel Pinto, Romero, Leonardo Palácios, Armando Larrea.

Goles: Alberto Spencer 5, Roberto Matosas 2, Pedro Virgílio Rocha, Júlio César Abbadie (P); Pedro Gando (E).

 

GRUPO III

 

OLÍMPIA (Paraguay)                   1

BOCA JUNIORS (Argentina)       O

Asunción, 7 de abril de 1963

Estádio: Manuel Ferreira (Olimpia).

Público: 45.000

Juez: Arturo Yamasaki (Peru).

OLÍMPIA: Aguilar, Cano, D. Segovia, Echagúe, Galeano, G. Gonzalez, Arámbulo, Núnez, Zárate, B. Ferreira (E. Segovia), Doldán.

BOCA JUNIORS: Roma, Silvero, Marzolini, Simeone, Rattín, Orlando, Ernesto Grillo, Menéndez, Paulo Valentim, Sanfilippo, R. Pérez.

Gol: B. Ferreira (0).

 

BOCA JUNIORS (Argentina)       5

OLÍMPIA (Paraguay)                   3      

Buenos Aires, 14 de abril de 1963

Estádio: “La Bombonera” (BJ).

Público: 40.000

Juez: Arturo Yamasaki (Peru).

BOCA JUNIORS: Roma, Silvero, Marzolini, Simeone, Rattín, Orlando, Oreste Ornar Corbatta, Menéndez, Paulo Valentim, Sanfilippo, R. Pérez (A. Gonzalez).

OLÍMPIA: Aguilar, Villalba, Segovia, Echagúe, Galeano, Lezcano, Arámbulo, Núnez, Zárate, B. Ferreira, V. Rodríguez.

Goles: Valentim 2, Menéndez 2, Corbatta (BJ); Zárate, Segovia, Arámbulo (0).

 

BOCA JUNIORS (Argentina)               1

UNIVERSIDAD DE CHILE (Chile)    O

Buenos Aires, 26 de junio de 1963

Estádio: “La Bombonera” (BJ).

Público: 40.000

Juez: Arturo Yamasaki (Perú).

BOCA JUNIORS: Roma, Edson dos Santos, Marzolini, Novarini (Simeone), Rattín, Orlando, Oreste Ornar Corbatta, A. C. Rojas, Menéndez, Sanfilippo, Alberto Gonzalez.

UNIVERSIDAD DE CHILE: Pacheco, Donoso, S. Navarro, Villanueva, Contreras, Moris, 0. Rojas, Campos, E. Alvarez, Marcos, Sepúlveda.

Gol: A. Gonzalez (BJ).

 

UNIVERSIDAD DE CHILE (Chile)    4

OLÍMPIA (Paraguay)                           1

Santiago, 17 de Júlio de 1963

Estádio: Nacional.

Público: 22.064

Juez: Manuel Velarde (Argentina).

UNIVERSIDAD DE CHILE: Astorga, S. Navarro, Donoso, Villanueva, Contreras, Sepúlveda, Musso, Coll (Fumaroli), E. Alvarez, Marcos, Leonel Sánchez.

OLÍMPIA: Aguilar (Jiménez), Cano, D. Segovia, Echagúe, G. Gonzaiez, Villalba, Arámbulo, Alonso, Torres, Segovia, Núnez.

Goles: Arámbulo (0); É. Alvarez 2, Marcos, Musso (UCH).

 

 

OLÍMPIA (Paraguay)                       2     

UNIVERSIDAD DE CHILE (Chile)  1

Asunción, 24 de Júlio de 1963

Estádio: Manuel Ferreira (Olimpia).

Público: 15.000

Juez: Alberto Tejada (Peru).

UNIVERSIDAD DE CHILE: Astorga, Eyzaguirre, Donoso, S. Navarro, Contreras, Sepúlveda, Musso, E. Alvarez, Fumaroli (Campos), Marcos, Leonel Sánchez.

OLÍMPIA: Aguilar, Villalba, D. Segovia, Echagúe, G. Gonzalez, C. Lezcano, Arámbulo, Alonso, Torres, B. Ferreira, Núñez (Doldán)

Goles: Sepúlveda (UCH); Núnez 2 (O).

 

UNIVERSIDAD DE CHILE (Chile)    2

BOCA JUNIORS (Argentina)              3

Santiago, 31 de Júlio de 1963

Estádio: Nacional.

Público: 53.863

Juez: Esteban Marino (Uruguay).

UNIVERSIDAD DE CHILE: Astorga, Eyzaguirre, Donoso, S. Navarro, Contreras, Sepúlveda, Musso, E. Alvarez, Campos, Marcos, Leonel Sánchez. BOCA JUNIORS: Errea, Silvero, Marzolini, Simeone, Rattín, Orlando, Ernesto Grillo, A. C. Rojas, Paulo Valentim, Sanfilippo, A. Gonzalez.

Goles: Campos 2 (UCH); Sanfilippo 3 (BJ)

 

Clasificado directo: PEÑAROL (Uruguay) – Ultimo campeón –

 

 

SEMIFINALES A

 

PENAROL (Uruguay)                    1

BOCA JUNIORS (Argentina)       2

Montevideo, 7 de agosto de 1 963

Estádio: Centenário.

Público: 50.000

Juez: José Dimas Larrosa (Paraguay)

PENAROL: Maidana, Maciel, Cano, E. Gonzalez, Goncalvez, Matosas, Abbadie, Pedro Virgílio Rocha, Sasía, Spencer, Joya.

BOCA JUNIORS: Errea, Magdalena, Heredia, Simeone, Rattín, Orlando, Rulli,

A. C. Rojas, Paulo Valentim, Menéndez, A. González.

Goles: Magdalena en contra (P) Valentim 2 (BJ).

 

BOCA JUNIORS (Argentina) 1

PENAROL (Uruguay)             O   

Buenos Aires, 15 de agosto de 1963.

Estádio: “La Bombonera”.

Público: 45.000

Juez: José Dimas Larrosa (Paraguay)

BOCA JUNIORS: Errea, Magdalena, Heredia, Simeone, Rattín (Novarini), Orlando, A. C. Rojas, Menéndez, Paulo Valentim, Sanfilippo, A. Gonzaiez PENAROL: Maidana, Matosas, Cano, E. Gonzalez, Goncalvez, Caetano, Abbadie, Pedro Virgílio Rocha, Sasía, Spencer, Joya.

Gol: Sanfilippo (BJ).

Expulsados: Novarini, Valentim (BJ); Abbadie, Caetano (P).

Clasificado: BOCA JUNIORS

 

SEMIFINALES B

 

SANTOS FC (Brasil)                             1

BOTAFOGO (Brasil)                           O

San Pablo, 22 de agosto de 1963

Estádio: Pacaembú.

Público: 45.000

Juez: Eunapio de Queiroz (Brasil).

SANTOS FC: Gilmar, Mauro, Geraldino, Dalmo, Zito, Calvet, Dorval, Lima, Coutinho, Pele, Tite.

BOTAFOGO: Manga, Ayrton, Nilton Santos, Zé Carlos, Joel, Rildo, Amoroso, Elton, Jairzinho, Quarentinha, Mário Zagallo.

Goles: Pele (S); Jairzinho (B).

 

BOTAFOGO (Brasil)                             O

SANTOS FC (Brasil)                             4

Rio de Janeiro, 28 de agosto de 1963

Estádio: Maracanã.

Público: 65.000

BOTAFOGO: Manga, Zé Carlos, Ayrton, Joel, Nilton Santos, Rildo, Elton, Amoroso, Quarentinha, Jairzinho, Mário Zagallo.

SANTOS FC: Gilmar, Mauro, Geraldino, Dalmo, Zito, Calvet, Dorval, Lima, Almir, Pele, Pepe.

Goles: Pelé 3, Lima (S).

 

Clasificado: SANTOS FC

 

FINALES

 

SANTOS FC (Brasil)                      3

BOCA JUNIORS (Argentina)       2

Rio de Janeiro, 4 de setiembre de 1963

Estádio: Maracanã.

Público: 100.000

Juez: Marcel Albert Bois (Francia).

SANTOS FC: Gilmar, Mauro, Calvet, Dalmo, Zito, Geraldino, Dorval, Lima,

Coutinho, Pele, Pepe.

BOCA JUNIORS: Errea, Magdalena, Marzolini (Silveira), Simeone, Rattin,

Orlando, Ernesto Grillo, A. C. Rojas, Menéndez, Sanfilippo, A. González.

Goles: Coutinho 2, Lima (S); Sanfjlippo 2 (B).

 

BOCA JUNIORS (Argentina)       1

SANTOS FC (Brasil)                      2

Buenos Aires, 11 de setiembre de 1963

Estádio: “La Bombonera” (BJ).

Público: 60.000

Juez: Marcel Albert Bois (Francia).

BOCA JUNIORS: Errea, Magdalena, Orlando, Simeone, António Rattin, Silveira, Ernesto Grillo, Menéndez, José Sanfilippo, A. C. Rojas, Alberto González.

SANTOS FC: Gilmar, Mauro, Geraldino, Dalmo, Zito, Calvet, Dorval, Lima, Coutinho, Pele, Pepe.

Goles: Sanfilippo (BJ); Coutinho, Pele (S).

 

 

Campeón: SANTOS FC

NUEVO MARACANAZO! E NUEVAS MAZELAS DA CONMEBOL

Amigos não sou torcedor do Fluminense/RJ, por ser amante do futebol acompanhei a final da Libertadores 2008 e mais uma vez o palco maior do nosso futebol foi mais uma vez cenário de uma tragédia esportiva do futebol brasileiro. A vitória da LDU foi merante mais um capitulo doloroso na história do Maracanã, um estádio lotado vibrante que esperava a maior conquista do tricolor das laranjeiras mais não deu e como sempre vem as reclamações, as criticas sobre os erros de arbitragens que como sempre nesta competição deste do seu inicio afeta os nossos clubes na maioria vitimas da maioria destes erros, mais os erros começam fora de campo pois a entidade que é a organizadora das competições no nosso continente, é verdade que muitas coisas mudaram apartir dos anos 90, a competição deixou de ser um torneio marginalizado mais ainda ocorrem muitas coisas erradas não se sabe direito o quese passa na cabeças dos dirigentes da Conmebol, deste os anos 80 que vinha notando um estranho absurdo considerar o gol na casa do adversário valer o dobro em uma fase com grupos de quatro, não se sabiam deste critério criado na Europa, eles usavam de forma incorreta já que somente serveria pra questões de jogos na fase eliminatórias o famoso mata-mata, se na competição usou este critério até as semifinais como na final ele não passa a contar se são dois jogos em ida e volta e não somente um jogo unico, pasmém ai o Fluminense foi prejudicado se prevalecesse o gol na casa da LDU pois foram marcados dois gols em Quito, mais fazer o que os dirigentes assinam, concordam com tudo metem o canetaço.

A Conmebol tem também um estranho fato de premiar juizes que erram demais durante a competição em apitar os jogos finais é um fato muy estranho, Hector Baldassi prejudicou o Flamengo ano passado contra o Defensor nas oitavas e este ano lesou o Santos contra o América no México ao não marcar um penalti claro e anular um gol legitmo do Peixe, mesmo assim ele estava lá todo enrolado deixou de dar um penalti claro ao Flu quando o jogo estava 2 a 1 e um impedimento inexistente de Cícero, mais ai o auxiliar também tem sua parcela pela má colocação no lance, mais isto é bobagem diante de um fato no futebol um dia se erra contra no outro a favor, no lance de Washington me lembrou o lance de Vica em Claúdio Adão na final de 1985 contra o Bangu e na TV quem criticava o juiz pela não marcação do penal era nada mais nada menos que José Roberto Wright o mesmo que não deu o penalti de Vica em 85, outra coisa o juiz lesou também a LDU anulando com legitimo aos onze minutos do segundo tempo da prorrogação ai foi a lei da compensação! serà?.

Para a Conmebol acho que deveria se definir um critério para as novas competições pois ela se tornou mais rentavel aos participantes mais tem dese ter mais respeito aos torcedores que lotam os estádios e apreciam pela TV não só na América do Sul mais também na Asia de onde vem gordas cotas de publicidade.

1º – Definir a formula e critérios de desempate que prevaleça até o final da competição. O gol na casa do adversário tem de valer até a final ou se faz como na Liga dos Campeões da Europa a finalissima é jogada em um jogo só em país neutro ai não tem o gol na casa do adversário.

2º – Punir rigorasamente os juizes e auxiliares que erram demais a favor os times da casa ou os times de maior camisa e pressão e não premiarem com o apito nas finais.

3º – Que se cobre os U$ 100,00 pelos cartões amarelos mais que o atleta seja suspenso após o terceiro cartão e cartão vermelho a multa seja de U$ 500,00.

4º – Que os estádios que tenham problemas com torcidas como no jogo Boca Juniors e Cruzeiro quando o auxiliar fora atingido por uma pedra, sejam suspensos por mais de um ano sem ter jogos e não apenas por alguns jogos, o Boca se chegasse a final teria o prazer de jogar na Bombonera se eliminasse o Fluminense.

5º – Cidades com mais de 4.000 metros de Altitude não poderiam ter jogos.

Acho que isto valorizaria mais a competição se teria mais respeito ao público.
Quanto a Fluminense cabe as reclamações já que o título não veio, o clube faturaria mais com a ida ao Mundial de Clubes no final do ano e a distância da Libertadores de 2009 agora de mais de 10.000 kilometros.

Texto: Galdino Silva

Salão da Fama do Mundialito da Escola Tahuichi Aguillera na Bolivia

Esta escola de futebol, localizada em Santa Cruz de la Sierra na Bolivia, realiza ano a ano um Mundialito, onde sempre existe a presenção de futuras estrelas do futebol mundial.O Torneio é sub-15.A seleção do Paraguai foi campeã de 2008.

Jogadores que chegaram as seleções nacionais

Iker Casillas Espanha
Oscar Miñambres Espanha
Roque Santa Cruz Paraguai
Fabián Carini Uruguai
Cesar Maldonado Chile
Claudio Jiménez Argentina
Fernando Montenegro Argentina
Carlos Hurtado México
José Castillo Bolivia
Juan Carlos Melgar Bolivia
Sergio Jáuregui Bolivia
Juan Carlos Arce Bolivia
Diego Buonanotte Argentina

Clubes que já participaram

Real Madrid
Bayern Munich
Boa Vista
Brondby
Excellent School Soccer
Saitama
River Plate
Boca Juniors
Independiente
Velez Sarsfield
Sporting Cristal
Universitario
Alianza de Lima
Peñarol
Defensor Sporting
Danubio
Emelec
Flamengo
Vasco da Gama
São Paulo
Tigres
Necaxa
Atlas
Los Tecos
Monterrey
América
Saint Benedict
Olimpia
Cerro Porteño
Cobreloa
Colo Colo
Atletico Medellín

A “filial” na 1°divisão e o time principal na segunda, acreditem!!!

Amigos estava eu organizando ontem de noite meus arquivos costarriquenhos quando fui mais a fundo nos clubes para saber detalhes de suas histórias.Reparei que existem algumas confusões de nomes parecidos de clubes diferentes.Sendo que uma realmente é inusitada.

Vou começar pela cidade de Puntarenas, onde acho que acontece uma coisa inédita no futebol mundial. O time principal da cidade, o mais tradicional, campeão nacional em 1986 o Municipal Puntarenas milita a 7 anos na segunda divisão.Bom, cansados de tantos anos fora da elite do futebol local, um grupo de empresários resolveu comprar a vaga na 1° divisão do Santa Barbara, clube já extinto.Este novo clube, uma sociedade anônima, se chamou Puntarenas Futbol Club, é da cidade de mesmo nome e usam as mesmas cores do Municipal, inclusive atuam no mesmo estádio, Lito Perez.
Já nasceu vencedor com o investimento realizado, foi campeão do torneio apertura de 2005/06 e da Copa UNCAF de Clubes da Concacaf em 2006.Mas o detalhe que achei mais interessante que os empresários investem no clube mais novo e usam o Municipal Puntarenas, tradicional e mais antigo, como uma espécie de time de base do clube mais novo, não é uma filial oficial, mas sim talvez da pior maneira para seus torcedores.
Não sei dizer qual o sentimento do povo local, mas como torcedor que sou, jamais entenderia uma situação dessas.

Municipal Puntarenas
[img:mpalpuntarenas2.jpg,full,vazio]

Puntarenas FC
[img:puntarenas_fc2.jpg,full,vazio]

Outra confusão que pode ocorrer é em relação ao Cartaginés Sport Club da cidade de Cartago, clube tradicional da 1°divisão local, que atua com uniforme listrado em azul e branco.A confusão a meu ver é com a Associacion Deportiva Cartagena, fundada em 1990, da cidade de Cartagena, que também atua com uniforme listrado e ambos os escudos são bem parecidos.
Neste caso não tem nenhuma ligação entre as equipes.

Cartaginés SC
[img:Cartagin__s.jpg,full,vazio]

AD Cartagena
[img:AD_Cartagena.jpg,full,vazio]

A terceira e última que irei postar também pode causar confusão.Existe um clube que se chama Asociacion Deportiva Guanacasteca, que atua na segunda divisão da cidade de Nicoya na Provincia de Guanacaste e existiu um outro chamado AD Guanacaste FC da cidade de Liberia, também da Provincia de Guanacaste e que em 2002 mudou de nome para Municipal Liberia(atual Liberia Mia) quando conseguiu o acesso a 1°divisão.
Qualquer outra dúvida me perguntem.

Guanacaste FC
[img:GUANACASTE.jpg,full,vazio]

Municipal Liberia
[img:Liberia.jpg,full,vazio]

AD Guanacasteca
[img:A_D_Guanacasteca.jpg,full,vazio]

ARTIGO DA SEMANA N°13/2008 A TRAGÉDIA DO ALIANZA LIMA EM 1987 VEIO A TONA 19 ANOS DEPOIS!!!!

Em Dezembro de 2007 se cumpriram 20 anos da tragédia aérea que vitimou toda a equipe do mais popular clube do Peru,o Alianza Lima,o acidente foi no dia 8 de Dezembro de 1987,nele faleceram 43 pessoas vinculadas ao clube,entre eles todos os jogadores e seu técnico.

Em 1987 o Alianza Lima,”Los Potrillos”,como eram conhecidos ocupava o primeiro lugar na tabela do campeonato peruano e faltando apenas algumas rodadas dava-se a impressão de estar indo rumo a um novo título quando aconteceu esta terrível tragédia.No dia 07 de Dezembro deste ano o Alianza Lima viajou a cidade de Pucallpa para jogar uma partida do Campeonato Nacional,contra o Deportivo Pucallpa.

A partida foi ganha pelo Alianza por 1×0 com gol de Carlos Bustamante,porém esta foi a notícia menos importante daquele dia.Após a partida a equipe que havia fretado um vôo charter para fazer a viagem de ida,onde tudo foi normal,como a viagem de volta.
O retorno aconteceu na noite do dia 08 de Dezembro em um avião Fokker F-27 da Marinha de Guerra do Peru,quando o avião se precipitou no mar quando se encontrava a poucos Km do Aeroporto Internacional Jorge Chávez na altura da cidade chalaça de Ventanilla.

ABAIXO O PILOTO EDILBERTO
[img:alianza_piloto.jpg,full,centralizado]

O único sobrevivente deste acidente foi o piloto, Edilberto Villar Molina que hoje vive na Austrália, falecendo todos os jogadores do clube, seu corpo técnico encabeçado pelo seu treinador Marcos Calderón.
No ano de 2006 uma investigação jornalística conseguiu a informação oficial preparada pela Marinha de Guerra do Peru,até então mantida em sigilo.Em 9 de Fevereiro de 1988, a Junta de Investigación de Accidentes de la Aviación Naval entregou ao Alto Comando da Marinha de Guerra do Peru o resultado das investigações, que continham os dados da caixa-preta do avião.
Neste relatório do acidente se assinalava que o avião apresentava falhas técnicas e que o piloto não tinha experiência para realizar vôos noturnos e nem de realizar os procedimentos de emergência corretos em caso de pane, fator determinante para a queda, chegando ao ponto do avião já em situação de emergência, o co-piloto, ter de ler o manual de procedimentos de emergência para o piloto, só que o manual estava em inglês e ambos tinham 40% de conhecimento da língua.Além disso continha um documento do relato do piloto onde pode-se ler os últimos momentos de vida do único jogador que conseguiu sair da aeronave ainda vivo,além do próprio piloto.
Alfredo Tomassini,jogador do Alianza e o piloto Edilberto,ainda ficaram algumas horas no mar de Ventanilla a espera de socorro.Alfredo não resistiu e morreu antes da chegada do socorro.

Esta informação foi sigilosa até 2006, por 19 anos ela ficou guardada na caixa-forte de um banco norte-americano.A divulgação de tal informação causou uma comoção nacional por saber da falta de preparo dos pilotos da Marinha do Peru e da péssima manutenção da aeronave.Familiares e dirigentes souberam dos detalhes do acidente e ficaram chocados.O piloto Edilberto e o co-piloto, entraram em pânico quando na segunda tentativa de aterrisar com problemas no trem de pouso da frente os passageiros foram até a cabine para ver o que ocorria.
O piloto então entregou o comando do avião ao co-piloto, ainda mais inexperiente, enquanto saiu da cabine e foi pedir a todos que se sentassem.Enquanto a noite, o co-piloto não percebia no altímetro por estar em pânico o avião descer a 700m por minuto, o piloto tentava acalmar os passageiros, de volta a cabine começou a tentar decifrar o manual em inglês para realizar o terceiro procedimento de emergência,deixando o co-piloto comandando a aeronave.

Como os passageiros voltaram a se reunir assustados na porta da cabine pela descida brusca do avião, isso causou um peso maior na parte frontal da aeronave, que aumentou ainda mais sua velocidade, nesta altura descendente.Sem reparar nas chamadas da torre do aeroporto por estarem neste estado de choque, em dado momento o co-piloto em um ato de desespero simplesmente entregou o manche do avião ao piloto, retirou os fones do ouvido e disse;”Ele é seu”; e saiu desesperado pela cabine de comando.
O piloto assustado e em choque pegou o comando do avião novamente, só que como estava em desespero também não reparou no altímetro,segundos depois o avião se espatifou no mar.
Por ironia do destino, nas duas passagens pelo aeroporto anteriores em que tentou baixar o trem de pouso da frente do avião em uma manobra de emergência, ambos foram avisados várias vezes que os 3 trens de pouso estavam já baixados em posição normal, fato visto pela torre, porém, tanto piloto como co-piloto tentaram uma terceira manobra de emergência, a que nunca ocorreu, por não ouvirem a torre comunicando este fato o que com certeza salvaria a vida de todos a bordo.Mas em desespero ambos ignoraram a torre de comando e continuaram a decifrar o manual em inglês.
Detalhe que 01 ano antes a Fokker havia mandado um relatório a Marinha do Peru,dizendo que o piloto em estado de stress,entrava em pânico e se desestabilizava.

O Alianza Lima terminou o campeonato de 1987 jogando com um time formado por juvenis e alguns jogadores emprestados pelo Colo Colo do Chile,que havia passado por uma tragédia similar e deu seu apoio ao clube peruano.A amizade destes dois clubes se fortaleceu muito após este ato de seus dirigentes.Infelizmente no restante do campeonato o Alianza fragilizado não conseguiu manter a liderança e o título acabou com a equipe do Universitário de Deportes de Lima.

Pereceram neste acidente 16 integrantes da equipe, 6 membros do corpo técnico, 4 auxiliares, 8 membros da torcida, 3 árbitros e 6 tripulantes.

JOGADORES

José Manuel “Caico” Gonzalez Ganoza
César Sussoni
Tomás Lorenzo “Pechito” Farfán
Daniel Reyes
Johnny Watson
Braulio Tejada
José Mendoza
Gino Peña
Aldo Chamochumbi
Carlos Bustamante
Milton Cavero
Luis Antonio Escobar
Ignacio Garretón
José Casanova
Alfredo Tomassini
William León
Aldo Sussoni
Marcos Calderón Medrano(Técnico)

ÚLTIMA FOTO DE LOS POTRILLOS
[img:alianza.jpg,full,centralizado]

Fonte:Internet(tradução minha)

Argentina: Futebol e Guerra

Em 1976, foi instaurada uma ditadura militar de extrema-direita na Argentina. Os militares ficaram apenas sete anos (de março de 1976 a dezembro de 1983). Apesar de ter durado menos tempo, a ditadura portenha conseguiu ser muito mais violenta com a oposição.

O número de torturados, mortos e “desaparecidos” pelo regime argentino superou em muito o “nosso” regime militar, fazendo milhares de vítimas. Na América do Sul, a ditadura argentina só foi superada em violência e número de vítimas pelo regime ditatorial instaurado pelo general Augusto Pinochet no Chile, que governou o pais de 1973 a 1990.

Argentina vence a copa de 78 em casa

Em 1978, a seleção de futebol da Argentina venceu a Copa do Mundo em casa, a ditadura argentina aproveitou a conquista do título mundial para fazer propaganda e ganhar popularidade. Apesar de invicto, o time brasileiro perdeu a chance de disputar a final quando foi superado em saldo de gols pelo time da casa depois que a seleção da Argentina goleou a seleção do Peru (6×0).

A goleada atraiu suspeitas de fraude. Ainda hoje, muitos torcedores brasileiros suspeitam que houve “marmelada”. Segundo essa versão, o time peruano teria sido subornado para “entregar” o jogo. Até o fato de o goleiro da seleção peruana, Ramon Quiroga, ser um argentino que se naturalizou peruano, contribuiu para aumentar as suspeitas. De qualquer modo, com ou sem trapaça, a seleção argentina venceu a seleção holandesa na final.

A seleção brasileira teve que se conformar com o terceiro lugar e com o título de “campeão moral”. A Copa de 1978 também é lembrada pela partida que ficou conhecida como a “Batalha de Rosário”, na qual brasileiros e argentinos se enfrentaram num jogo que terminou empatado (0x0).
Argentina e Inglaterra: rivais na guerra e no futebol

Guerra das Malvinas

Em 2 de abril de 1982, para desviar a atenção da opinião pública dos problemas internos, o governo ditatorial argentino resolveu apelar novamente para o nacionalismo: iniciou uma guerra contra o Reino Unido pela posse das ilhas Falklands (a Guerra das Malvinas, com as ilhas são chamadas pelos argentinos).

O tiro saiu pela culatra: a guerra terminou com uma humilhante derrota para as forças armadas argentinas, cuja rendição se deu em 14 de junho do mesmo ano. Com a derrota militar para os britânicos, a opinião pública da Argentina se voltou contra o governo, que entrou em colapso. No ano seguinte, a ditadura chegava ao fim na Argentina. Curiosamente, a Guerra das Malvinas aumentou a rivalidade entre as seleções de futebol da Inglaterra e da Argentina (sem falar em briga de torcidas).

A rivalidade já existia antes da guerra e teria começado na Copa do Mundo de 1966, realizada na Inglaterra: numa das partidas, a seleção inglesa derrotou a seleção argentina por 1×0 num jogo marcado por uma arbitragem polêmica, que resultou na expulsão do então capitão do time argentino, Antonio Rattín, considerada injusta pela maioria dos torcedores argentinos.

Maradona e a “mão de Deus”

Na Copa de 1986, realizada no México, que acabou vencida pela Argentina, os argentinos viram num jogo contra a seleção inglesa, uma chance de se “vingarem” da derrota na guerra. Dessa vez, os argentinos saíram vitoriosos (2×1). Foram dois gols de Maradona, o segundo foi legítimo, mas o primeiro foi feito com a mão. O craque argentino afirmou cinicamente que esse gol foi de cabeça, a mão que se viu era “de Deus”.

Muita gente misturou política e futebol, seja para fazer propaganda, seja para difundir a discórdia e o preconceito. No entanto, também é verdade que o futebol-arte supera as diferenças políticas e ideológicas. Um exemplo disso ocorreu em 1969 , durante uma excursão na África, o Santos de Pelé jogou dois amistosos no antigo Congo Belga: o pais estava dividido por uma guerra civil, mas os dois lados fizeram uma trégua para ver o “Rei” jogar.

Fonte:Tulio Vilela

Copa de 78, uma história obscura!!!!!

Ezequiel Fernández Moores(AFP)
Buenos Aires, Argentina

“Em minha própria terra, senti, eu juro, o pior de tudo… Todo mundo falando a mesma coisa: ‘este traidor da pátria, por que vem aqui…'”. Rodulfo Manzo nem sequer pode escapar à vergonha em San Luis de Cañete, a 140 km de Lima, sua terra natal. Confessou há alguns anos. Mas essa vergonha ameaça persegui-lo por toda a vida. Manzo foi um dos zagueiros-centrais da seleção peruana que foi goleada em 6 a 0 pela Argentina na Copa de 1978, em uma das partidas mais escandalosas da história das Copas do Mundo e cujos fantasmas foram resgatados esses dias por Fernando Rodríguez Mondragón.

O filho de Gilberto Rodríguez Orejuela e sobrinho de Miguel Rodríguez Orejuela, líderes do Cartel de Cali, revelou um dado inédito ao assegurar que o narcotráfico contribuiu com dinheiro para subornar o Peru. Saberá por acaso se o Cartel de Cali tinha algum vínculo com hierarcas da ditadura que governava a Argentina e com alguns de seus membros interessados em que o mundial servisse de plataforma a suas ambições políticas?
Esse suposto vínculo, que me foi sugerido anos atrás por fontes ligadas à própria ditadura, teria servido à goleada de 6 a 0 que permitiu à Argentina estar à frente do Brasil por melhor saldo de gols e classificar-se para a final do mundial que aconteceu em sua própria casa. Jamais houve evidências concretas. Mas os próprios jogadores reabriram as portas às suspeitas em torno do desenvolvimento e do resultado final desta partida, fundamental para que a Argentina ganhasse justamente esse Mundial, para a alegria não só de seu povo, mas também da sangrenta ditadura comandada pelo general Jorge Rafael Videla.

Ainda tenho fresca a imagem de Juan Carlos Oblitas, outro integrante daquela seleção peruana, quando o perguntei sobre essa partida na tribuna de imprensa no Estádio Azteca, no dia da abertura da Copa do México de 86. “Essa partida não foi normal, nessa partida houve coisas raras”, revelou Oblitas.
Já no ano de 1982, numa investigação que realizei para a Rádio Continental, de Buenos Aires, o falecido jornalista argentino Carlos Juvenal contou que, depois do 6 a 0, encontrou-se com um grupo de jogadores peruanos no centro de Buenos Aires e que o próprio capitão da equipe, Héctor Chumpitaz, lhe confessou sobre “um dinheiro adicional”, mas completou que nunca o admitiria em público.
Chumpitaz, é claro, sempre rechaçou as suspeitas. O fez inclusive há alguns dias, logo quando houve a denúncia do colombiano Fernando Rodríguez Mondragón e o havia desmentido em outro programa de investigação cujo roteiro escrevi e que foi transmitido em 2003 pelo canal Telefe da Argentina, logo retransmitido em diversos países pelo History Channel (“A festa paralela”).

Foi nesse mesmo programa que Manzo, então um humilde pedreiro, contou que até seu próprio povo o chamava de “o vendido”. Por que ele e não outro dos jogadores peruanos que atuaram naquela partida? Ocorreu que um ano depois, comprado pelo clube argentino Vélez Sarsfield, Manzo, numa conversa informal sobre aquele 6 a 0, respondeu uma piada em Buenos Aires afirmando que a Argentina teve que pagar em dinheiro para lograr essa goleada. Só horas depois teve que assinar uma retratação diante das câmeras de TV assegurando que jamais havia dito isso.
Também o goleiro argentino daquela seleção peruana, Ramón Quiroga, rachaçou sempre as suspeitas sobre sua figura, mas não sobre a de outros. “Dos que agarraram a grana, vários morreram e outros morreram para o futebol”, disse Quiroga, numa entrevista ao diário La Nación, de Buenos Aires, do dia 8 de outubro de 1998, que logo, igual a Manzo, se encarregou de desmentir.
“Nesta partida jogou (Roberto) Rojas, um tipo que nunca havia jogado. Ele morreu em um acidente… Marcos Calderón morreu na queda de um avião”, seguiu Quiroga na entrevista. E adicionou que no intervalo dessa partida ele e também Chumpitaz pediram a Calderón que tirasse Manzo, porque “não parava ninguém. No gol de (Alberto) Tarantini, o “Negro” Manzo agachou-se e o deixou sozinho. Não sei nem por onde anda Manzo agora. Era um bom jogador, mas não o queríamos”.
Quiroga afirmou que contra a Argentina “jogaram jogadores que não haviam estado em nenhuma outra partida”, e mencionou Raúl Gorriti (“que entregou o quarto ou quinto gol”), a Roberto Rojas e o próprio Manzo, e admitiu que a equipe peruana estava dividida entre os jogadores do Alianza Lima de um lado e os do Sporting Cristal de outro.

Tão dividido estava o time que Calderón foi pressionado por uns jogadores para que não incluísse Quiroga nessa partida, dada sua condição de argentino, mas que o goleiro se manifestou seguro de poder atuar sem pressões e por isso foi finalmente incluído pelo treinador. Vários gols foram feitos debaixo de seu nariz, por rivais sem qualidade. Mas também é certo que, depois daquela goleada e durante muitos anos, no Brasil, cada vez que um goleiro cometia erros grosseiros, dizia-se que era “um Quiroga”. Quinze dias depois do Mundial, a Argentina do general Videla, que antes da partida tinha ingressado ao vestiário peruano junto com o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger, “outorgou um crédito não reembolsável” ao Peru “para a aquisição de quatro mil toneladas de trigo a granel”, segundo publicou o diário La Razón daquele dia, na sua página 11 e sob o título “Trigo”. Essa doação, segundo afirmou o escritor inglês David Yallop em seu livro de 1999 “How they stole the game” (“Como eles roubaram o jogo”), formou parte do suposto acordo da ditadura argentina com a peruana, cuja seleção, a pedido do técnico Calderón, atuou nessa partina com a camiseta alternativa (vermelha), “para não passar vergonha com a tradicional alvi-rubra”.
Yallop cita como autor do suborno o almirante Carlos Lacosta, homem forte da ditadura na organização do Mundial, logo premiado pela Fifa, que o designou vice-presidente. Lacoste, falecido em 2004, era mão direita do almirante Emilio Massera, por acaso o mais sanguinário e mais ambicioso politicamente dos três integrantes da Junta Militar que comandava a Argentina. Contra Lacoste e Massera apontou também o então Secretário da Fazenda da Argentina, Juan Alemann, crítico dos gastos que demandava o Mundial e que teve uma bomba explodindo em sua casa, localizada a metros de uma sede policial no elegante bairro Norte de Buenos Aires, no mesmo momento em que a Argentina marcava seu quarto gol no Peru. Era o gol que bastava para classificar-se como finalista do Mundial. “Quem armou toda essa operação sabia que iam ter quatro gols”, disse Alemann no documentário de TV “A festa paralela”.
Poucos sabem que a ditadura argentina já havia se interessado pela seleção peruana alguns meses antes da Copa, quando a equipe conseguiu a classificação para o Mundial diante do Chile, onde mandava o ditador Augusto Pinochet, de pouca afinidade com os militares argentinos. Fato confirmado pelo conflito de Beagle que quase acarretou uma guerra, no fim daquele mesmo 1978. Não agradava à Argentina de Videla e Massera que o Chile jogasse em seu Mundial. E a Junta se interessou, portanto, vivamente, pela classificação do Peru.
O técnico César Luis Menotti e o goleiro Ubaldo Matildo Fillol juraram até por seus filhos, no documentário de TV, que o triunfo era legítimo. Recordaram que a Argentina já tinha vencido com facilidade o Peru, em Lima, num amistoso pouco antes do Mundial e que, quando se enfrentaram no torneio, o Peru era uma seleção debilitada pelas lesões e pelo cansaço e que só queria voltar a seus país.
Mas o testemunho mais notável foi de outro jogador, Osvaldo Ardiles, peça-chave daquela Seleção Argentina e ex-técnico do Huracán: “Se vocês me perguntam se a Junta Militar fez algo, eu vou te dizer que não sei, mas essa gente estava preparada para fazer absolutamente tudo. Tomara que não tenham feito nada, que o triunfo tenha sido simplesmente esportivo. Se não tivesse sido assim, me sentiria muito mal, estaria pensando provavelmente em devolver minha medalha”.