Arquivo do Autor: Vitor Dias

Sobre Vitor Dias

Sou pesquisador do futebol mineiro, sobretudo das divisões inferiores e outros torneios estaduais. Tenho contribuído para a RSSSF Brasil com vários campeonatos da Segunda Divisão e também com edições do Torneio Incentivo, além de colaborar com pesquisas de pendências do Campeonato Mineiro. Meu foco de pesquisa são dados estatísticos do futebol mineiro, tendo como interesse estatísticas do futebol brasileiro como um todo, com ênfase em Minas Gerais.

Sociedade Esportiva Patrocinense (Patrocínio-MG) muda pela terceira vez de escudo

A Patrocinense, herdeira do antigo Clube Atlético Patrocinense, não consegue firmar sua identidade. Desde sua fundação (2010), já teve quatro escudos diferentes. Em 2016, estreou o quarto e atual escudo. Seguem os escudos da equipe:

Primeiro escudo da Patrocinense, tendo como base o brasão municipal (2010-2011)

Segundo escudo da Patrocinense, igual ao do antigo CAP mas com as iniciais do clube novo (2012-2014)

Terceiro escudo da Patrocinense, mais elaborado (2015)

Quarto e atual escudo da Patrocinense, pra mim o mais bem elaborado (2016). A camisa do clube, sem nenhum patrocínio, estampa a cruz amarela em tamanho bem grande.

Fontes:

  • Prefeitura de Patrocínio
  • Blog da Patrocinense
  • Facebook não-oficial da Patrocinense
  • Wikipédia
  • Um Grande Escudeiro
  • Facebook oficial do Uberaba Sport Club
Compartilhe...

Banco de dados de jornais digitalizados

Prezados,

Estou baixando e montando uma nuvem online de jornais digitalizados para ficar à disposição dos membros do blog. Os jornais que já estão na nuvem podem ser acessados e baixados neste link. Como o armazenamento será pago a partir de fevereiro de 2016 (a nuvem está no período grátis de 3 meses), quando essa data chegar irei pedir ajuda aos membros do blog que puderem colaborar comigo no pagamento da anuidade.

Se alguém quiser que eu baixe e disponibilize na nuvem algum acervo digitalizado, basta citá-lo nos comentários que irei fazer o possível para disponibilizá-lo.

Façam bom proveito do acervo!

Abraços,
Vítor Dias

Compartilhe...

Amistoso Interestadual – Sport Juiz de Fora 2×1 Internacional-RS

SPORT JUIZ DE FORA 2×1 INTERNACIONAL-RS
Data: 30 de agosto de 1953, 15:15
Local: Estádio José Procópio Teixeira Filho (Campo do Sport)
Renda: Cr$ 41.370,00
Preliminar: Sport JF 1×0 Glória (Campeonato Juizforano de Aspirantes)
Árbitro: Adelino Ribeiro de Jesus
Gols: Pirilo (2), Bodinho
SPORT: Tonico; Márcio, Luiz Gonzaga; Gabriel, Ary, Pedro; Rubem (Ary II), Amarílio, Pirilo, Douglas, Haroldo. Técnico: tenente Heribaldo Lira.
INTERNACIONAL: Milton; Florindo, Oreco; Paulinho, Salvador, Odorico; Luizinho, Salis, Bodinho, Jerônimo (Albery), Fernando (Canhotinho). Técnico: Teté.

Fonte: Folha Mineira (acervo digital da Biblioteca Nacional)

Compartilhe...

Campeonato Juizforano 1952

Participantes (todos de Juiz de Fora):

  1. Sport Club Juiz de Fora
  2. Tupi Football Club
  3. Tupynambás Futebol Clube
  4. Volante Futebol Clube

Regulamento: turno e returno em pontos corridos.

TABELA

Data Mandante Placar Visitante Estádio
24/08/1952 Tupynambás 0x3 Tupi Dr. José Paiz Soares
31/08/1952 Sport 8×2 Volante José Procópio Teixeira Filho
07/09/1952 Tupi 2×1 Volante Salles de Oliveira
14/09/1952 Tupynambás 2×2 Sport Dr. José Paiz Soares
12/10/1952 Volante 0x0 Tupynambás Dr. José Paiz Soares
19/10/1952 Sport 0x2 Tupi José Procópio Teixeira Filho
26/10/1952 Tupi 2×3 Tupynambás Salles de Oliveira
06/11/1952 Volante 2×6 Sport Dr. José Paiz Soares
09/11/1952 Volante 0x6 Tupi Dr. José Paiz Soares
16/11/1952 Sport 0x2 Tupynambás José Procópio Teixeira Filho
23/11/1952 Tupynambás 2×1 Volante Dr. José Paiz Soares
30/11/1952 Tupi 3×1 Sport Salles de Oliveira

CLASSIFICAÇÃO

Pos Time Pts J V E D GP GC SG
1 Tupi 10 6 5 0 1 18 5 13
2 Tupynambás 8 6 3 2 1 9 8 1
3 Sport 5 6 2 1 3 17 13 4
4 Volante 1 6 0 1 5 6 24 -18

Com estes resultados, o Tupi Football Club sagrou-se Campeão Juizforano de 1952.

Fonte: Folha Mineira (acervo digital da Biblioteca Nacional)

Compartilhe...

Torneio Municipal de Juiz de Fora 1952

O Torneio Municipal de Juiz de Fora, em 1952, foi um torneio oficial que preencheu o calendário da Liga de Desportos de Juiz de Fora entre o Torneio Início e o Campeonato da Cidade. Assim como os torneios municipais do Rio de Janeiro, foi disputado em turno único.

Participantes (todos de Juiz de Fora):

  1. Associação Atlética Volante
  2. Sport Club Juiz de Fora
  3. Tupi Football Club
  4. Tupynambás Futebol Clube

Regulamento: turno único com partidas em campo neutro.

Tabela:

Data Mandante Placar Visitante Estádio Cidade
30/03/1952 Tupynambás 1×1 Sport Salles de Oliveira Juiz de Fora
13/04/1952 Tupi 3×2 Volante José Procópio Teixeira Filho Juiz de Fora
20/04/1952 Sport 2×2 Tupi Doutor José Paiz Soares Juiz de Fora
11/05/1952 Volante 2×3 Tupynambás Salles de Oliveira Juiz de Fora
18/05/1952 Tupi 1×1 Tupynambás José Procópio Teixeira Filho Juiz de Fora
22/06/1952 Sport 1×1 Volante Doutor José Paiz Soares Juiz de Fora

 

Classificação:

Pos Equipe PP PG J V E D GP GC SG
1 Tupi 2 4 3 1 2 0 6 5 1
2 Tupynambás 2 4 3 1 2 0 5 4 1
3 Sport 3 3 3 0 3 0 4 4 0
4 Volante 5 1 3 0 1 2 5 7 -2

Tupi e Tupynambás disputaram um desempate para se averiguar o campeão.

TUPYNAMBÁS 0x0 TUPI (1×0 pro.)
Domingo, 29/6/1952
Estádio José Procópio Teixeira Filho (Sport)
Renda: Cr$ 13.857,00
Gol: Zu 135′ (2ª prorrogação)
TUPYNAMBÁS: Pavio; Timbinha, Canhoto; Valdinê, Demeure, Adair; Maneco, Valdinho, Tuzinho (Zu), Sinhô, Canhotinho. Técnico: tenente Heribaldo.
TUPI: Barbosa; Jorginho, Domício; Belozi, Paulinho (P. Garcia), Zé do Correio; Cotoco, Isaías, Vistrinho, Dario, Garbero (Toledinho). Técnico: capitão Roxânio do Prado.

Com estes resultados, o TUPYNAMBÁS sagrou-se Campeão do Torneio Municipal de Juiz de Fora 1952.

Fonte: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, jornal Folha Mineira.

Compartilhe...

Santos de Tereré, um abnegado participante do Campeonato Paraibano

O Santos Futebol Clube, de João Pessoa, foi fundado em 9/11/1949 e em 1954 disputou pela primeira vez o Campeonato Paraibano, na época chamado de “Misto”, por ter times profissionais e semiprofissionais. Ao longo de cinco décadas, o clube estabeleceu um recorde: participou ininterruptamente de 39 edições do Campeonato Paraibano, aproveitando-se de crises políticas e financeiras que acometeram os quatro grandes campeões do Estado ainda na ativa – Botafogo, Campinense, Treze e Auto Esporte -, que deixaram de jogar um ou outro campeonato.

O recorde do Santos de Tereré só foi batido por um desses quatro em 2013, quando o Botafogo alcançou a marca de 40 edições consecutivas jogando o campeonato.

Ao longo dos tempos, o Santos quase sempre foi figurante no campeonato, fazendo-se presente na parte de baixo da tabela, na companhia de times como Nacional de Cabedelo e Santa Cruz de Santa Rita. Contudo, ano sim ano também o Santos estava lá.

A partir dos anos 2000, o clube preferiu manter apenas categorias de base e abandonou o futebol profissional. O campo que o clube possui hoje situa-se no bairro Ernesto Geisel, em João Pessoa, podendo ser visto aqui, no Google Street View.

Recentemente, o clube foi lembrado em uma crônica no site Esporte São José do Sabugi pelo colunista Francisco Serpa, cuja reprodução autorizada segue abaixo:

Crônicas do Serpa: O Santos de Tereré

O mundo possuía o Santos de Pelé e companhia, um time que ganhava todos os campeonatos que disputava, aqui e em alhures; João Pessoa desfrutava do Santos de Tereré, um time que não ganhava campeonatos mas jogava com bastante raça e formava e ainda forma jovens para a vida.

Três desportistas sonhadores, Jonatas Figueiredo de Souza, Renato Queiroz Fernandes e José Walter Marinho Marsicano, no dia nove de setembro de 1949, sentados em uma Praça localizada na Rua Odon Bezerra, Tambiá, em frente ao atual prédio da Federação Paraibana de Futebol fundaram o Santos Futebol Clube de João Pessoa. Não resta dúvida que a escolha do nome foi uma singela homenagem ao time paulista.

Por muitos anos o Santos Futebol Clube disputou a primeira divisão do campeonato paraibano de futebol com equipes modestas, utilizando jogadores jovens e prata da casa. Era um misto de juvenil com amador com garra e vontade competindo com os profissionais. Onde faltava recursos e meios, sobrava improvisação e disposição.

O seu eterno presidente José Walter Marsicano, que era conhecido por Tereré, dedicou-se tanto ao clube que o seu apelido foi incorporado pelo time, quando passou a ser carinhosamente denominado pelo torcedor e pela imprensa como o “Santos de Tereré”. Ele presidiu a agremiação por mais de trinta anos e nutriu no seio de sua família o amor pela agremiação, deixando o seu filho Leonardo Menezes Marsicano e o neto Leonardo Filho comandando a agremiação e não deixando o sonho acabar.

Vários jovens foram revelados nos quadros da base do Santos Futebol Clube e que posteriormente vestiram a camisa de times considerados grandes no estado e em centros maiores. Quem não se lembra do atacante “Zito Camburão”, do ponta esquerda “Vandinho”, do goleiro “Ademar”, do centroavante “Ary”, de “Marcos do Boi “ e tantos outros que a memória não recorda?

Em 1998 a agremiação resolveu suspender as suas atividades do departamento de futebol profissional, e dedicar-se exclusivamente as categorias de base que funcionam no seu centro de treinamento localizado no Bairro do Geisel, disputando anualmente todas as competições oficiais: desde fraudinha aos juniores.

Entre os títulos conquistados no futebol pelo Santos Futebol Clube, dois são bastante lembrados por seus dirigentes, o primeiro foi o título invicto do campeonato amador, quando seu treinador era o comentarista esportivo Ivan Bezerra Cavalcante, o segundo foi a conquista da segunda divisão do campeonato paraibano.

Como não poderia deixar de ser o Santos enfrentou várias crises durante a sua existência, em uma delas o time foi derrotado por 10 x 0 pelo Treze Futebol Clube, em Campina Grande. Nesse dia ninguém se entendeu, nem dentro nem fora de campo, e a discussão foi tão grande que no retorno esqueceram de trazer o material de jogo, que ficou na Rainha da Borborema.

Mesmo reconhecendo as dificuldades e a falta de políticas públicas destinadas aos clubes de futebol, em particular, aos pequenos, o sonho dos herdeiros de Walter Marinho Marsicano, o “Tereré”, é reativar o departamento de futebol profissional do Santos e voltar a disputar a primeira divisão, como nos bons e saudosos tempos.

Francisco Di Lorenzo Serpa
Membro da API, UBE e APP
falserpa@oi.com.br

O post original pode ser acessado aqui. Vale a pena visitar as outras colunas do Serpa, com várias histórias do futebol da Paraíba.

Assim como o caso do Floresta de Rio Branco/AC, o Santos de Tereré é mais um caso de clube que se confundiu com seu quase eterno mantenedor, e certamente há milhares de casos parecidos Brasil afora.

Compartilhe...

Lista de clubes cadastrados na Confederação Brasileira de Futebol

Prezados,

Aproveitando o gancho dos posts do Edu Cacella, informo que finalmente consegui tratar um arquivo que alguns aqui devem conhecer, que é o clubes_uf.pdf, um arquivo que estava disponível no site da CBF há alguns anos, mas foi retirado. Por anos, tentei tratá-lo e convertê-lo em texto.

Só hoje consegui um site para tratar esse arquivo. Assim, deixo-o aqui à disposição dos colegas para consulta.

Infelizmente, as informações são demasiado básicas: há apenas o nome completo do clube e seu código na CBF com a respectiva UF. Assim, não conseguimos saber exatamente de que cidade cada clube é, sobretudo nos casos de duplicidade de nomes. Ainda assim, acredito que esses arquivos poderão ser úteis.

Seguem os links:

clubes_uf.pdf

clubes_UF

Abraços a todos!

Compartilhe...

Campeonato da Cidade de Belo Horizonte 1934

O Campeonato da Cidade de Belo Horizonte de 1934 foi disputado entre 7 clubes. O campeão fez a final do Campeonato Mineiro contra o campeão de Juiz de Fora.

Participantes:

  1. América Futebol Clube – Belo Horizonte
  2. Clube Atlético Mineiro – Belo Horizonte
  3. Esporte Clube Siderúrgica – Sabará
  4. Retiro Sport Club – Nova Lima
  5. Sete de Setembro Football Club – Belo Horizonte
  6. Sociedade Sportiva Palestra Italia – Belo Horizonte
  7. Villa Nova Atlético Clube – Nova Lima

O Sete de Setembro, por não ter estádio em condições de jogo, mandou seus jogos contra as equipes de BH na casa do adversário, e contra os demais clubes em diversos estádios da capital. Graças a um exemplar da Folha de Minas de outubro de 1934, temos as rendas de cada partida.

Tabela:

Turno Data Mandante Placar Visitante Estádio Renda
1 06/05/1934 Atlético 1×3 Villa Nova Lourdes R$ 6325$000
1 06/05/1934 Retiro 1×2 América Retiro R$ 677$000
1 13/05/1934 Palestra Italia 5×1 Sete de Setembro Barro Preto R$ 1697$000
1 13/05/1934 Siderúrgica 3×2 América Praia do Ó R$ 1766$000
1 13/05/1934 Villa Nova 3×0 Retiro Villa Nova R$ 1278$000
1 20/05/1934 América 2×2 Palestra Italia Alameda R$ 3209$000
1 20/05/1934 Retiro 5×1 Sete de Setembro Retiro R$ 277$000
1 20/05/1934 Siderúrgica 0x3 Atlético Praia do Ó R$ 3509$000
1 27/05/1934 Siderúrgica 7×1 Sete de Setembro Praia do Ó R$ 263$000
1 27/05/1934 Villa Nova 2×2 Palestra Italia Villa Nova R$ 879$000
1 03/06/1934 Palestra Italia 2×2 Atlético Barro Preto R$ 9430$000
1 03/06/1934 Villa Nova 2×1 Siderúrgica Villa Nova R$ 835$000
1 10/06/1934 América 1×2 Atlético Alameda R$ 8485$000
1 10/06/1934 Siderúrgica 4×0 Palestra Italia Praia do Ó R$ 1170$000
1 10/06/1934 Villa Nova 2×0 Sete de Setembro Villa Nova R$ 57$000
1 17/06/1934 Atlético 4×1 Sete de Setembro Lourdes R$ 2970$000
1 17/06/1934 Retiro 3×1 Palestra Italia Retiro R$ 657$000
1 24/06/1934 América 3×3 Villa Nova Alameda R$ 5491$000
1 24/06/1934 Siderúrgica 4×1 Retiro Praia do Ó R$ 600$000
1 29/06/1934 Atlético 0x0 Retiro Lourdes R$ 3243$000
1 01/07/1934 América 2×2 Sete de Setembro Alameda R$ 911$000
2 01/07/1934 Siderúrgica 2×1 Villa Nova Praia do Ó R$ 3250$000
2 08/07/1934 América 1×3 Retiro Alameda R$ 1047$000
2 08/07/1934 Sete de Setembro 2×6 Atlético Lourdes R$ 2437$000
2 22/07/1934 Retiro 0x7 Villa Nova Retiro R$ 3000$000
2 22/07/1934 Sete de Setembro 3×2 Palestra Italia Barro Preto R$ 1267$000
2 29/07/1934 Atlético 2×0 América Lourdes R$ 7077$000
2 29/07/1934 Retiro 2×2 Siderúrgica Retiro R$ 557$000
2 05/08/1934 Palestra Italia 4×2 América Barro Preto R$ 2192$000
2 05/08/1934 Sete de Setembro 1×1 Villa Nova R$ 2139$000
2 12/08/1934 Retiro 1×2 Atlético Retiro R$ 2238$000
2 12/08/1934 Sete de Setembro 2×2 Siderúrgica R$ 1446$000
2 19/08/1934 Palestra Italia 3×2 Retiro Barro Preto R$ 1882$000
2 19/08/1934 Villa Nova 11×0 América Villa Nova R$ 192$000
2 26/08/1934 Atlético 2×0 Palestra Italia Lourdes R$ 10763$000
2 26/08/1934 Sete de Setembro 0x2 Retiro Alameda R$ 28$000
2 02/09/1934 América 1×3 Siderúrgica Alameda R$ 2065$000
2 23/09/1934 Atlético 1×0 Siderúrgica Lourdes R$ 8971$000
2 30/09/1934 Palestra Italia 1×1 Siderúrgica Barro Preto R$ 696$000
2 30/09/1934 Villa Nova 1×0 Atlético Villa Nova R$ 7885$000
2 07/10/1934 Palestra Italia 0x3 Villa Nova Barro Preto R$ 9414$000
2 07/10/1934 Sete de Setembro 2×5 América Alameda R$ 129$000

Classificação:

Pos Equipe PG PP J V E D GP GC SG Aprov.
1 Villa Nova 19 5 12 8 3 1 39 10 29 79,17%
2 Atlético 18 6 12 8 2 2 25 11 14 75,00%
3 Siderúrgica 15 9 12 6 3 3 29 17 12 62,50%
4 Retiro 10 14 12 4 2 6 20 26 -6 41,67%
5 Palestra Italia 10 14 12 3 4 5 22 27 -5 41,67%
6 América 7 17 12 2 3 7 21 38 -17 29,17%
7 Sete de Setembro 5 19 12 1 3 8 16 43 -27 20,83%

Com estes resultados, o Villa Nova sagrou-se campeão de Belo Horizonte em 1934.

Renda do campeonato, por equipe:

Equipe Renda total Renda/jogo
Atlético R$ 39349$000 R$ 6558$167
Palestra Italia R$ 25311$000 R$ 4218$500
América R$ 21208$000 R$ 3534$667
Villa Nova R$ 11126$000 R$ 1854$333
Siderúrgica R$ 10558$000 R$ 1759$667
Sete de Setembro R$ 7446$000 R$ 1241$000
Retiro R$ 7406$000 R$ 1234$333
Total R$ 122404$000 R$ 2914$381
Compartilhe...