Inédito!! São Cristóvão Futebol Clube, do Brás – São Paulo (SP): Fundado em 1914

Por Sérgio Mello

O São Cristóvão Futebol Clube, do Brás, foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). A sua Sede social ficava na Rua Lucas, nº 69; depois se transferiu para a Rua Jairo Gois, nº 95 a 99; ambos no bairro do Brás, na região Central de São Paulo/SP. O local contava com televisão, um salão de “snooker” (sinuca), mesas de xadrez, biblioteca, sala de leitura, rádio vitrola, um ótimo bar.

 Os “Diabos Varzeanos” foi Fundado na terça-feira, do dia 29 de setembro de 1914, por um grupo de rapazes componentes revendedores de jornais e outro grupo de estudantes do Instituto Eduardo Prado, da escola de padres dirigida pelo mosteiro de São Bento e cuja escola localizava-se na Rua Florêncio de Abreu, no Centro da cidade.

O diretor nesse como foi D. Placido Broders, o S.B., o grande animador para a fundação do clube, que a princípio se denominou Sport Club Eduardo Prado, até 1918, quando adotou o nome São Christovam Football Club. No início e por muito tempo (até a década de 30) era conhecido pelo “Clube dos Jornaleiros”.

Da sua primeira geração de fundadores, dirigentes e futebolistas se destacaram Thomaz Mazzoni, Francisco Labate, os irmãos Scagliusi, Miguel Sirabello, Francisco Carrone, João Pellegrini, J. Oliva, J. Zuppo, depois Saverio Mastrochirico, Laselva, Carrieri, Settani, Salvador, entre outros.  

Foi seu dinâmico fundador em conjunto com uma porção de nomes que não nos vem a memória, o popular Thomaz Mazzoni, também conhecido por Olympicus. Grandes foram os seus feitos, grandes vitorias e muitas derrotas também que amarguravam os seus jogadores e torcedores se bem que os simpatizantes também.

Foi um dos quadros que mais furor fizeram na várzea paulista, sendo respeitado em todo lugar onde se apresentava, sendo que em uma época levava junto a sua torcida a famosa Tarantela do São Cristóvão F.C.

Além do futebol, o clube também contava com uma equipe de tênis de mesa, que era filiada a Federação Paulista de Ping-Pong (FPPP), na década de 30.

Títulos do Alvinegro do Braz

Dentre as suas glórias, destacam-se os seguintes campeonatos: Em 1924, organizado pelo saudoso Canga Argueles, institui um campeonato varzeano cujo finalista foi o São Cristóvão F.C.

Há a lembrar-se que nesse campeonato foi cognominado de “Diabos Varzeanos“, em vista da banda que eles levavam aos jogos, e que era conhecida a Tarantela do São Cristóvão F.C., do Mastrochirico, do Bicudo e dos Cunhadinhos, e pelo barulho que faziam os seus jogadores se entusiasmavam e pareciam uns diabos correndo em campo, daquele nome e grandes vitorias.

Em 1930, um jornal instituiu um campeonato varzeano e deu-lhe o nome de Campeonato Olímpico, organizado pelo Jornal O Dia (SP), e novamente se consagrou campeão da várzea o “Alvinegro do Braz”, há a lembrar-se um caso curioso, pois a finalista foi realizada em dia de semana ou por outra de trabalho.

Daí reuniu-se uma comissão e foi as redações de jornais a fim de pedir que fosse expedida a edição da tarde um pouco mais cedo afim de que os jornaleiros pudessem ir assistir ao jogo de seu clube, se bem que muitos dos jornaleiros também eram jogadores, alguns ou a maioria dos jornais ficaram encalhados, como dizem os jornaleiros.

Com o tempo os seus dirigentes se enquadraram dentro dos bons clubes e inscreveram o “Alvinegro do Braz” na FPF (Federação Paulista de Futebol) e vindo assim a disputar os seus campeonatos amadores, campeonatos. Tornaram-se dessa forma campeões em 1944, na 1ª Divisão de Amadores. No ano seguinte (1945), campeões da Divisão principal, e vindo a ser vice-campeão da cidade.

Inúmeras viagens feitas ao Hinterland paulista de onde sempre voltou com vitórias sendo que bem poucas vezes no Interior Paulista, o São Cristóvão conheceu o amargor da derrota.

Na década de 50, o quadro de futebol só disputava partidas matutinas, mais para o divertimento de seus associados do que competições à vera. Em suma, o futebol passou a ser um entretenimento e não mais uma competição.  

FONTES: A Gazeta Esportiva (SP) – Correio Paulistano (SP) – A Gazeta (SP) – Correio de S. Paulo (SP)

Este post foi publicado em 01. Sérgio Mello, Carências, Curiosidades, Escudos, Fotos Históricas, Futebol Amador / Varzeano, História do Futebol, São Paulo em por .

Sobre Sérgio Mello

Sou jornalista, desde 2000, formado pela FACHA. Trabalhei na Rádio Record; Jornal O Fluminense (Niterói-RJ) e Jornal dos Sports (JS), no Rio de Janeiro-RJ. No JS cobri o esporte amador, passando pelo futebol de base, Campeonatos da Terceira e Segunda Divisões, chegando a ser o setorista do América, dos quatro grandes do Rio, Seleção Brasileira. Cobri os Jogos Pan-Americanos do Rio 2007, Eliminatórias, entre outros. Também fui colunista no JS, tinha um Blog no JS. Sou Benemérito do Bonsucesso Futebol Clube. Também sou vetorizador, pesquisador e historiador do futebol brasileiro! E-mail para contato: sergiomellojornalismo@msn.com Facebook: https://www.facebook.com/SergioMello.RJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *