Cillos Futebol Clube – Santa Bárbara d’Oeste (SP): Fundado em 1934

Atinge-se  o  ano  de  1934  e  é  fundado  o  Cillos Futebol Clube, da Usina  Açucareira de Cillos. Francisco de Cillo, um dos proprietários da companhia, encabeçou o movimento. Além de ser o “dono do time” – como dizia o povo usineiro – Chiquinho de Cillo também jogava futebol.

De início ele ganhou a condição de titular, pois era um atleta muito bom, aliás, por várias vezes foi convocado a defender a Seleção Barbarense.  Dentre os fundadores, o Sr. Augusto Domingues foi outro que se destacou na fase de organização do Cillos Futebol Clube. A nova associação somente conseguiu registrar seus estatutos sociais em 9 de fevereiro de 1936.

Evidente que com a força que recebia da companhia, o clube usineiro teria até melhores condições financeiras que o “veterano” União Agrícola, apenas sustentado e dirigido por um grupo de pessoas abnegadas. E o futebol na Usina de Cillos foi empolgando a todos. O time não chegou ao profissionalismo, limitando-se a competir como clube amador em certames oficiais pela cidade e região.

A foto mostra um acontecimento social no Cillos Futebol Clube. Ano de 1940, quando foi eleita Rainha a srta. Delmira Lacava, ficando Lila Ferreira (à esquerda) como 1.ª Princesa e Zuleica Crisp (à direita) como 2.ª Princesa. No flagrante ainda aparecem (da esquerda para a direita): Jeferson, o maestro da Banda; Sàbato Ferraro, presidente; Chiquinho de Cillo e Lourival de Andrade-Vavà, todos da diretoria fundadora do clube usineiro.

Pelos lados do Cillos, o time das cores azul e branca, bons quadros de futebol se sucederam. Segundo os mais antigos, seu primeiro conjunto que adentrou aos gramados foi este: Luiz Módulo, João Lopes e Orlando Pompermeier; Alberto Brigoni; Ricardo Pompermeier e Mário Euphrázio ou Trajano  Crisp; Cardoso, Batata, Chiquinho de Cillo, Hilário e Antonio Pavan.

Na sequência, nos primeiros anos de existência do novo clube, é lógico que vieram outros valores, como Chico Veríssimo, João Ananias, Tertuliano, João Miguel, Euclides Módulo, Sílvio Bento, Isidoro Brigoni, Domingos de Moura, Alberto Bataglia, João Grande, Avelino Custódio.

FONTES: Livro “A Memória do Futebol Barbarense… Até os dias de Hoje”, de autoria de J.J. Bellani – Waldomiro Junho

Este post foi publicado em 01. Sérgio Mello, Curiosidades, Escudos, Fotos Históricas, História do Futebol, São Paulo em por .

Sobre Sérgio Mello

Sou jornalista, desde 2000, formado pela FACHA. Trabalhei na Rádio Record; Jornal O Fluminense (Niterói-RJ) e Jornal dos Sports (JS), no Rio de Janeiro-RJ. No JS cobri o esporte amador, passando pelo futebol de base, Campeonatos da Terceira e Segunda Divisões, chegando a ser o setorista do América, dos quatro grandes do Rio, Seleção Brasileira. Cobri os Jogos Pan-Americanos do Rio 2007, Eliminatórias, entre outros. Também fui colunista no JS, tinha um Blog no JS. Sou Benemérito do Bonsucesso Futebol Clube. Também sou vetorizador, pesquisador e historiador do futebol brasileiro! E-mail para contato: sergiomellojornalismo@msn.com Facebook: https://www.facebook.com/SergioMello.RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *