Arquivo da categoria: 31. Kaio Knauth

G.E. Glória de Vacaria: 1988/1989

 

A segundona gaúcha de 1988 possivelmente foi a mais disputada de todos os tempos: 36 equipes lutaram por duas vagas ao Gauchão. O Glória venceu as fases iniciais e apoiado em uma perfeita aliança entre clube, torcida, empresariado e poder público, partiu para a disputa do octogonal final como favorito. A largada, porém, foi preocupante, e a perspectiva do adiamento do sonho por mais um ano começava a tornar-se uma realidade.

Foi quando a direção contratou o técnico Daltro Menezes. Experiente e folclórico, o “Gordinho” deu ao time a confiança necessária para a vitória, que veio de forma definitiva na tarde de 27.11.1988, quando a cidade parou para ver o Glória golear o Ypiranga por 3 a 0 e conquistar o título da Divisão Especial de 1988. Durante o octogonal, o time-base teve: Gasperin; Betão, Chimbica, Chicão e Francisco; Alemão, Plein, Hélder e Edmundo; Zé Carlos e Marcos Toloco.

O grupo campeão da Divisão Especial de 1988. Acima, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Zé Moraes, Renato Lima, Chimbica, Didier, Cigano, Gasperin, Luiz Carlos e César “Vaquinha”. Em pé: Beto Almeida (Aux. Técnico), Daltro Menezes (Técnico), Ricardo, Herman, não identificado, Zé Carlos II, Plein, Chiquinho, Zé Carlos, Marcos Toloco, Élder, não identificado, Betão e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Agachados/sentados: Chimia, Nestor (Massagista), Edmundo, Chicão, Jorginho, Faller, Élton, Francisco, Áureo e Edu Chaves (Supervisor).

Com a vaga assegurada, era necessário preparar-se para a estréia na elite. Manteve-se Daltro Menezes e reforços foram trazidos. A expectativa era imensa, mas a equipe correspondeu ao que dela se esperava: o Rio Grande conheceu o estilo Glória de jogar futebol, feito de muita determinação e espírito de grupo, mesclando a experiência do veterano Gasperin com a raça do jovem atacante Zé Cláudio e com a qualidade de Branco e Edmundo, um dos remanescentes de 1988. Foram dias de Glória! O reconhecimento nacional veio rápido: a revista Placar, na edição 981, dedicava duas páginas à excelente campanha do time no campeonato gaúcho.

O grupo 4º colocado no Gauchão de 1989. Em pé, da esq. para a dir.: Zé Roberto, Paulão, Garcia, Paulo Santos, Vladimir, Didier, Edmundo, Gasperin, Zé Cláudio, Gilberto, Ricardo, Daltro Menezes (Técnico), Hamilton (Prep. Físico), Josimar Pilar (Dir. de Futebol), Alexandre Pilar e Antônio Soares dos Santos (Dir. Administrativo). Ajoelhados: Francisco, Zé Carlos, Áureo, Juarez, Rubinho, não identificado e Edmílson. Sentados/agachados: Jorginho, Branco, Jair, Élder, Chimbica, Edu Chaves (Supervisor) e Nestor (Massagista).

As Partidas memoráveis foram disputadas, como o Internacional X Glória de 09.03.1989, quando os vacarienses encurralaram o adversário em seu próprio terreno e só não saíram vencedores devido à má-arbitragem. Ou como o Glória X Grêmio de 30.04.1989, em Vacaria. Naquele dia, um Grêmio em crise subiu a Serra com a obrigação de vencer, sob pena de eliminação. Em um duelo dramático e tumultuado, o tricolor arrancou suados 2 a 1, no jogo que ficou conhecido como “A Guerra de Vacaria”.

Após um começo empolgante do “Leão”, valeram a experiência e a tradição das outras equipes. Bravamente, o Glória terminou o campeonato no 4º lugar, feito notável para um estreante. Time-base durante o Gauchão, e o melhor da História do clube: Gasperin; Paulão, Vladimir, Juarez e Francisco; Edmílson, Jair, Branco e Edmundo; Geraldo e Zé Cláudio. Campanha: 26 jogos, 7 vitórias, 13 empates e 6 derrotas, 27 gols a favor e 26 gols contra.

O bom resultado no estadual valeu o convite para disputar a Divisão Especial brasileira, mas a equipe foi eliminada na primeira fase. A irregularidade refletia a perda de jogadores importantes: Gasperin encerrara a carreira, enquanto Branco, Edmundo e Zé Cláudio deixaram Vacaria. De qualquer forma, o discreto 34º lugar entre as 96 equipes da segundona brasileira representou a primeira experiência do time vacariense em competições nacionais.

FONTES: Revista Placar e site do G.E. Glória de Vacaria.

Amistoso de 1985: Glória de Vacaria (RS) x Internacional (RS)

 

 

Em 1985, após quatro temporadas disputando competições amadoras, o Glória anunciou a reativação de seu Departamento Profissional. Depois de anos de licenciamento, teria que recomeçar disputando a pouco valorizada terceira divisão. Talvez por isso, havia a desconfiança de que a nova incursão no profissionalismo não se sustentaria, como em 1976 e 1979/1980. Desta vez, porém, o projeto era mais sólido e com um objetivo definido: levar o Glória até a disputa do Gauchão, ao convívio dos grandes.

Para atingir essa meta, os dirigentes executaram uma política prudente: a formação de uma boa equipe só poderia ocorrer se houvesse uma estrutura condizente. Assim, mesmo com o risco de não obter bons resultados em sua reestréia, o Glória optou por começar investindo na própria casa. E fez, à época, o que alguns clubes da primeira divisão até então não tinham feito: instalou um sistema de refletores no estádio Altos da Glória.

Um fato de tal importância não poderia resumir-se a ele próprio, e o Internacional foi convidado para o amistoso de inauguração. O adversário era o tetracampeão gaúcho, e muitos de seus jogadores haviam feito parte da Seleção medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984. Mais que uma festa, a vinda do Internacional para Vacaria significava que o projeto de alcançar a primeira divisão não era um blefe. E em 12 de junho de 1985, a cidade recepcionou, com grande festa, o escrete Colorado.

O amistoso foi assim noticiado pelo jornal Zero Hora:

“Um adversário fraco na teoria – o Glória participa da terceira divisão do futebol gaúcho – fez com que os jogadores do Inter se poupassem no início da partida. Mas o time local estava muito motivado e surpreendeu: aos sete minutos, a zaga do Inter parou, César chutou e Mauro concluiu para grande alegria dos torcedores presentes no estádio do Alto [sic] da Glória. Isso fez com que os jogadores do Inter […] se esforçassem mais. Daí, a virada veio ao natural: Rubén Paz (de pênalti) empatou aos 12 minutos e Kita ampliou aos 32. Mas o frio – fez cinco graus positivos em Vacaria – permitiu ao time do Glória mostrar um bom preparo físico e resistir bastante à base de muita correria.

“No segundo tempo, a temperatura baixou para os dois graus positivos e o Glória ainda lutou até os 15 minutos, quando César perdeu excelente oportunidade para empatar. Depois disso, no entanto, o Inter tomou conta do jogo e construiu a goleada: aos 19 minutos Jussiê fez o terceiro gol; aos 23 Kita marcou o quarto; aos 31 minutos, Verdum – na cobrança de um segundo pênalti – ele errou o primeiro, mas Itiberê Padilha ordenou novo chute – fez o quinto e o mesmo Verdum ampliou para seis aos 34 minutos.”

O resultado de 6 a 1 não deixou dúvidas sobre a diferença entre as duas equipes, apesar da bravura dos jogadores do “Leão”, no amistoso que foi o marco simbólico da arrancada do Glória rumo à primeira divisão. Em breve, todos sentiam, o Internacional voltaria a atuar na cidade, desta vez valendo pontos, e nunca mais uma derrota no Altos da Glória seria vendida facilmente. Naquela noite, os refletores iluminavam mais do que um simples amistoso: iluminavam o futuro de um clube e de toda uma comunidade rumo a uma era de vitórias.

 

Ficha Técnica

Glória: Didier (Aritana); Valdecir (Canhoto), Pedrinho, Rui e Osmar; Renatinho (Bido), Gilmar e Nilzo; Carlinhos (Mano), César “Vaquinha” e Mauro (Raul). Técnico: Renatinho.

Internacional: Mano (Zé Carlos); Luiz Carlos Winck, Aloísio, Mauro Galvão (Pinga) e André Luiz; Ademir Kaefer (Marquinhos), Ademir Alcântara (Silvinho) e Rubén Paz; Jussiê, Kita (Luís Freire) e Pedro Verdum. Técnico: Octacílio Gonçalves.

Arbitragem: Itiberê Padilha, com Celso Pastro e Enísio Matte.

Renda: Cr$ 28.000.000,00
Local: estádio Altos da Glória, em Vacaria.

 

Fonte: Jornal ZH e Site do Clube.

Ficha do Jogo: jogo final da Taça Brasil de 1959

 

Ficha Técnica
EC Bahia 3 x 1 Santos FC
Taça Brasil de 1959 – Jogo Desempate
Ficha Técnica
• Competição (Tournament): Taça Brasil de 1959 – Final – 3º Jogo (Desempate)
• Data (Date): Terça-feira, 29 de Março 1960
• Estádio (Stadium): Mário Filho “Maracanã”, no Rio de Janeiro/RJ
• Público (Attendance): 17.330 pagantes – Renda: Cr$ 642.703,00
• Árbitro (Referee): Frederico Lopes (RJ)
• Assistente 1 (Assistant Referee 1): Wilson Lopes de Souza (RJ)
• Assistente 2 (Assistant Referee 2): Aírton Vieira de Morais “Sansão” (RJ)
• Advertências (Cautions): Na época ainda não existia
• Expulsão (Sent Off): Vicente (Bahia), Getúlio, Formiga, Doval e Coutinho (Santos)
Gols do Bahia Gols do Santos
1-1 Vicente, aos 37’/1° 1-0 Coutinho, aos 27’/1°
2-1 Léo, aos 2’/2°
3-1 Alencar, aos 31’/2°
Esporte Clube Bahia Santos Futebol Clube
GO
DF
DF
DF
DF
MC
MC
AT
AT
AT
AT
Leandro Cardoso “Nadinho”
Nenzinho
Henrique dos Santos
Alberto “Beto” Pereira
Vicente Arerari
Flávio dos Santos
Mário de Araújo
Mário da Nova “Marito”
Joacy Freitas “Alencar”
Leonardo “Léo” Briglia
Armindo Avelino “Biriba”
GO
DF
DF
DF
DF
MC
MC
AT
AT
AT
AT
Carlos Pierin “Lalá”
Getúlio Santos
Mauro Ramos de Oliveira
Francisco Ferreira “Formiga”
José Carlos Silvério “Zé Carlos”
José Ely “Zito”
Mário
Dorval Rodrigues
Paulo César “Pagão” (Tite)
Antônio Wilson “Coutinho”
José Macia “Pepe”
Técnico: Carlos Martin Volante Técnico: Luis Alonso “Lula”
1 Augusto Vieira “Tite”
Tempo Normal Prorrogação Penalidades
1º T 2º T Final 1º T 2º T Final Time A Time B
1 x 1 2 x 0 3 x 1
# Com esse resultado o Bahia sagrou-se campeão barsileiro;
# Como o Bahia havia perdido o jogo anterior, em Salvador, por 2 x 0 houve a necessidade de um jogo extra. Esse jogo foi no Maracanã e o Bahia saiu vencedor;
# Observação: O técnico Efigênio Bahiense, o “Geninho”, era policial e só podia comandar
o Esporte Clube Bahia quando estava de licença;
# Observação: Pelé não jogou, pelo Santos, porque estava machucado;
# Bahia: Camisa tricolor, Calção Azul e Meias Azuis;
# Santos: Camisa Branca, Calção Branco e Meias Brancas;

FONTE: Blog Ficha do Jogo

Amistoso de 1983: São Paulo (RS) 0 x 2 Inter de Lages (SC)

Em 1983, o São Paulo de Rio Grande recebeu em seu estádio o Internacional de Lages para um amistoso. A vitória ficou com a equipe catarinense, que marcou o um gol em cada tempo com Nestor e Nunes. Não foram encontradas informações sobre público e renda.

SÃO PAULO             
0   X  2 INTER DE LAGES (SC)
Data: 05/02/1983 [Sábado], Hora: 20:30, Local: Aldo Dapuzzo (Rio Grande, RS), Arbitragem: Zeno Escobar Barbosa, Auxiliares: Valdir Vioni e Luz Carlos Tibursky, Cartão Amarelo: Djalma, Paranhos e Toninho (SP), Toninho Caixão (I), Gols: Nestor aos 6′ e Nunes aos 52′.
São Paulo (Rio Grande, RS) Nando; Douglas, Carlão, Toninho e Paulo Barroco; Djalma, Mazinho e Neca; Gélson, Paranhos e Baltazar. Técnico: Daltro Menezes.
Internacional (Lages, SC) Carlos Alberto; Dutra, Jorge, Cidão e Cláudio Radar; Toninho Caixão, Bim e Rubenval; Nunes, Nestor e Toninho Caju. Técnico: Firmino Romual Negri.

 

FONTE: Site Súmulas Tchê

Artilheiros da Taça Brasil de 1964

Gildo, do Ceará, artilheiro com 8 gols.

COM 8 GOLS:
Gildo [Ceará (CE)]
COM 7 GOLS:
Ruiter [Confiança (SE)] e Pelé [Santos (SP)]
COM 6 GOLS:
Bita [Náutico (PE)]
COM 5 GOLS:
Urbano [Rio Branco (ES)] e Pepe [Santos (SP)]
COM 4 GOLS:
Cocó [Campinense (PB)] e Wílson Lopes [Rio Branco (ES)]
COM 3 GOLS:
Araponga [Campinense (PB)], Carlito [Ceará (CE)], Beto e Sebastos [Confiança (SE)], Wílson [Maranhão (MA)], Geraldo José [Náutico (PE)], Coutinho e Toninho Guerreiro [Santos (SP)]
COM 2 GOLS:
Bougleux e Luiz Carlos [Atlético (MG)], Ireno [Campinense (PB)], William [Ceará (CE)], Élio Albacete [Confiança (SE)], Aírton Beleza [Flamengo (RJ)], Croinha e Valdeci [Maranhão (MA)], Idésio e Madureira [Metropol (SC)], Quarentinha [Paysandu (PA)], Loloca, Pedroca e Tassu [Ríver (PI)], Peixinho [Santos (SP)], Paulinho Dantas e Sete-Léguas [Vila Nova (GO)]
COM 1 GOL:
Galdino, Oziel e Paulo Geladeira [Alecrim (RN)], Toninho e Viladônega [Atlético (MG)], Tonho Zeca [Campinense (PB)], Charuto, Dedé, Lucena e Zé Gerardo [Ceará (CE)], Jurandyr e Raimundinho [Confiança (SE)], Paulinho, Zezé e Zezito [Cruzeiro do Sul (DF)], Canhoteiro e Deda [CSA (AL)], Amauri, Carlinhos, Murilo e Paulo Chôco [Flamengo (RJ)], Carlinhos e Dedé [Fluminense de Feira (BA)], Geraldo [Goytacáz (RJ)], Alcindo [Grêmio (RS)], Ariston e Zuringue [Grêmio Maringá (PR)], Barrão [Maranhão (MA)], Calita, Gaiola e Galego [Metropol (SC)], Fredoca [Nacional (AM)], Ivan Brondi, Nado e Salomão [Náutico (PE)], Ademir da Guia e Gildo [Palmeiras (SP)], Chininha, Laércio, Vila, Wanderley e Zé Maria [Paysandu (PA)], Gelsinho e João Francisco [Rio Branco (ES)], Vilmar [Ríver (PI)], Dicá, Fausto e Maércio [Vila Nova (GO)]

Artilheiros Negativos

COM 1 GOL CONTRA:
Zé Mecânico (Confiança (SE)), Waltirdes (Goytacáz (RJ)) e Joel Camargo (Santos (SP)).

FONTE: site sumulas-tchê