Arquivo da categoria: Rio de Janeiro

Esporte Clube Maravilha – Rio de Janeiro (RJ): Fundado em 1939

Pesquisa, desenhos e texto: Sérgio Mello

O Esporte Clube Maravilha foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). O “Alviceleste Maravilhense” foi Fundado no domingo, do dia 02 de Abril de 1939, como Sport Club Maravilha, por um grupo de desportistas liderados por Altair Pereira, Eloi Genovês, Geraldo de Souza, Petrônio Marcos, entre outros.    

Um breve resumo sobre a história do clube

O 1º campo (de propriedade do I.A.P.C., cedido por empréstimo) era modesto e dividia o espaço com outra equipe (Unidos). Posteriormente com a extinção do Unidos passou a gerir o campo sozinho, que ficava na Rua da Bica, em Quintino.

Até no final década de 40, a Sede provisória ficava na Praça Tiradentes, no Centro do Rio. Graças ao árduo trabalho do presidente do clube, Floriano Peixoto Resende, na noite de sábado, às 21 horas, no dia 18 de dezembro de 1954, o clube inaugurou a sua Sede própria que ficava situada na Rua Cupertino, nº 395, Quintino Bocaiúva, na Zona Norte do Rio (RJ). A mesma foi adquirida com enorme sacrifício, por meio das cotas dos sócios-proprietários e mensalidades.  

Contando com o 1º e 2º Quadros, a diretoria do Maravilha criou o quadro Infantil, no início de novembro de 1941. Além do futebol, o clube também contava com uma forte equipe de Tênis de Mesa

Em 1954, se sagrou campeão do Campeonato de Futebol Independente, organizado pelo jornalista Julio Neves e do qual contou com a participação de cerca de 80 clubes. Na final, após perder para os Irmãos Goulart por 5 a 3, no jogo de ida, em Olaria, o Maravilha reverteu o quadro venceu por 2 a 1, no Estádio Figueira de Melo, levantando a taça.

Maravilha jogou no Maracanã – Parte I

No sábado, do dia 09 de Abril de 1955, o Flamengo goleou o Santos por 5 a 1, válido pelo Torneio Rio – São Paulo. Na preliminar, o Maravilha jogou pela primeira vez no imponente Estádio Mario Filho, o Maracanã.

O adversário foi o Torres Homem Futebol Clube, do Bairro de Botafogo, filiado no Departamento Autônomo. Num jogo bastante movimentado, acabou empatada em 3 a 3.

O Maravilha vencia quando no “apagar das luzes” o zagueiro Joel, numa jogada de pura infelicidade, acabou marcando contra o próprio patrimônio. Os gols do Maravilha foram assinalados por Pitoca, duas vezes, e Cica um tento. O time jogou assim: Caju; Petrônio e Joel; Cunhado (Telo), Célio (Maneco) e Cicino; Cica, Lico (Taica), Azambuja, Buja (Renato), Jair  e Pitoca.   

No começo de 1956, o clube contava com 85 sócios proprietários, 315 contribuintes (sendo 55 juvenis) e mais seis diretores e conselheiros, dando um total de 400 associados. Segundo membros do clube, uma torcida de cerca de 2 mil pessoas.

Maravilha voltou a jogar no Maracanã e entregou uma flâmula ao craque Puskas

Ferenc Puskás abraçado com os jogadores do Maravilha

Na noite de sábado, às 19h30min., do dia 02 de Fevereiro de 1957, na preliminar do amistoso internacional entre Flamengo e Honved (base da Seleção Húngara, na época), o Maravilha voltou a pisar no gramado do Maracanã.

O Maravilha acabou derrotado pelo Modelo, de Bonsucesso (campeão do Torneio realizado pelo Bonsucesso Futebol Clube) pelo placar de 2 a 1, sofrendo, numa cobrança de penalidade máxima, o tento derradeiro no fim da partida.

No intervalo da preliminar, os jogadores do Maravilha ofereceram aos jogadores húngaros uma flâmula, como o craque Ferenc Puskás.  No segundo tempo, o Modelo, reforçado por jogadores do Aspirantes do Bonsucesso F.C. conseguiu o tento da vitória no final da peleja.

Gol de pênalti que deu a vitória ao Modelo
O goleiro Tide (Maravilha), entregando a flâmula a Farago

Time de 1941: Antoninho; Abraão e Raulino; Ney, Aprígio e Ovídio; Faustino, Altino, Antonio, Oswaldo e Donato. Reservas: Larry, Hamilton, Hélio, Luiz, Nascimento, Domingos, Nelson I e Nelson II.  

Time de 1953: Tide (Hugo); Petrônio (Medroso) e Esquerdinha; Joel, Cunhado e Cicino; Cica, Jair, Taica, Rogério (Osvaldo) e Guará (Djalma).  

Time de 1954: Tide (Hugo); Petrônio e Esquerdinha (Joel); Maneco, Célio e Cicino; Cica, Taica, Lico, Renato, e Rogério.  

Time de 1955: Caju; Toninho (Petrônio) e Joel (Maneco); Cunhado (Telo), Célio e Cicino; Cica, Lico (Taica), Azambuja (Geraldo), Jair (Renato) e Pitoca (Buja).  

Time de 1956: Caju; Petrônio e Joel; Maneca, Telo e Cicino; Cica, Lico, Arlindo, Jaú e Pitoca.  

FONTES: Gazeta de Notícias (RJ) – A Noite (RJ) – Jornal dos Sports – Diário de Notícias (RJ) – Diário da Noite (RJ) – Tribuna da Imprensa (RJ)

Tamoio de Ramos Futebol Clube – Rio de Janeiro (RJ): Fundado em 1952

O Tamoio de Ramos Futebol Clube foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Um grupo de garotos residentes na Rua Dr. Noguchi, Travessa Salvador Maciel e Rua Diogo Brito, no bairro de Ramos resolveram se reunir para Fundar o clube, no Domingo, do dia 11 de Maio de 1952.

A primeira providência foi curiosa: na barreira existente na Rua Roberto Silva, pertencente ao Sr. Luiz Pacheco Drummond pintaram, numa pedra o escudo do clube.

Os senhores Severino Pinto de Araújo, Rubem Pinto de Araújo, Rubem das Neves, Fenelon Pinheiro (Lucas), Érico Loyola Rêgo, Nelson Herdeiro, Domingos Dias Teixeira e Djalma Ferreira da Silva vendo o esforço dos jovens, que começaram a jogar suas “peladas” acharam que deviam auxiliá-los, assistindo aos jogos e contribuindo financeiramente para melhoria do já então futuroso clube. As primeiras camisas, chuteiras, meias e calções foram comprados mediante um rateio em que entraram aqueles desportistas.

História do escudo

A principio o escudo pintado na pedra era semelhante ao São Cristóvão; em preto e branco; posteriormente foi modificado, passando a ser tricolor: azul, encarnado e branco em listras verticais separadas da parte de cima por uma faixa com os dizeres: Tamoio F.C.; na parte de cima duas flechas cruzadas, a simbolizar o nome “tamoio“. A ideia da mudança das cores e do escudo pertenceu ao desportista Nelson Herdeiro, por um simples fator: ele era desenhista e projetou o distintivo.

Em assembleia geral foi definida a 1ª Diretoria, que foi constituída pelos seguintes membros:     

Presidente – Djalma Ferreira;

Secretário Geral – Nelson Machado;

Tesoureiro – José Francisco Herdeiro;

Diretor de Esportes – Érico Loyola Rêgo;

2º Secretário – Nelson Herdeiro

Procurador – Nilson de Oliveira Ramos;

Diretor de Patrimônio – Osvaldo de Andrade.

Praça de Esportes

O seu campo ficava localizado no caminho do Itararé, ao lado de outros campos, ou sejam: Unidos do Itararé, Alvaceli Futebol Clube, Itaóca Futebol Clube e Antunes Futebol Clube, no bairro Jardim Ana Maria. No começo de 1956, o clube contavam com 140 associados. Segundo Nelson Machado, então presidente do clube em 1956, a maior vitória foi sobre o Cruzeiro do Sul Futebol Clube, campeão invicto de Petrópolis, por 2 a 1, no Estádio da Rua Bariri, em Olaria. 

Elenco em 1956

Goleiros: Zezinho e Renildo;

Zagueiros: Roberto, Darci, Osmar, João, Nelson e Zilmo;      

Médios: Neca, Flávio, Ézio, Djalma e Guilherme

Atacante: Harlei, Washington, Nei, Sobrinho, Zeca, Canucho e João.

Time base de 1960: Renilton; Sérgio e Walter; Leleco, Cícero e Joel; Washington, Tião, Zezinho, Índio e João.

FONTES: Tribuna da Imprensa (RJ) – Jornal dos Sports

Foto Rara de 1972: São Cristóvão de Futebol e Regatas (RJ)

EM PÉ (esquerda para a direita): Triel, Norival, Celso, Madeira, Dias e Almir AGACHADOS (esquerda para a direita): Gilbert, Ivo Sodré, Alexandre, Téia e Humberto. Destes, faleceram: Madeira, Almir e Ivo Sodré.

Acima o time posado do São Cristóvão de Futebol e Regatas, no Estádio de Moça Bonita, no bairro de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que saiu postado na revista Placar, em 1972:            

FOTO: Acervo de José Leôncio Carvalho

Foto Rara de 1972: Olaria Atlético Clube/RJ, com Garrincha, em Juazeiro do Norte (CE)

EM PÉ (esquerda para a direita): Aluísio, Fernando Pirulito, Mario Tito, Pedro Paulo, Altivo e Mineiro;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Garrincha, Ézio, Roberto Pinto, Salvador e Carlos Antonio.
Destes, já faleceram: Mario Tito, Pedro Paulo, Garrincha, Roberto Pinto e Salvador.

Na foto posada (acima), onde está Mané Garrincha, defendendo as cores do Olaria Atlético Clube, referente ao amistoso nacional contra o Combinado Icasa-Guarani. A partida transcorreu na sexta-feira, do dia 21 de abril de 1972, no Estádio Municipal Mauro Sampaio, o “Romeirão“, em Juazeiro do Norte (CE).

O clube da Rua Bariri recebeu a cota de Cr$ 25 mil pelo jogo. Após a partida, Mané Garrincha foi homenageado, onde recebeu o título de “Cidadão Juazeirense“, pela Câmara Municipal de Juazeiro do Norte, proposto pelo vereador Francisco Rocha da Silva.      

No final da peleja, o Combinado Icasa-Guarani venceu pelo placar de 3 a 1. A presença de Garrincha levou ao Romeirão o maior público de sua história: com mais de 15 mil pagantes. Mané Garrincha conseguiu os seus dribles clássicos (saída para a direita) sobre o lateral Catolé, o “João” da vez.

Da esquerda para direita: Francisco Bezerra (gerente das extintas Casas Pernambucanas), Edmilson Bezerra (dirigente da Liga Desportiva Juazeirense), Garrincha, Francisco Gama e Ednaldo Dantas (ambos dirigentes do Guarani).

FOTO POSADA: Acervo de José Leôncio Carvalho

FOTO: Acervo de Wilton Bezerra

FONTES: Jornal dos Sports – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Pernambuco

Foto Rara de 1971: Olaria Atlético Clube (RJ)

EM PÉ (esquerda para a direita): Haroldo, Pedro Paulo, Altivo, Miguel, Roberto Pinto e Alfinete;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marco Antonio, Luiz Carlos Feijão, Osni, Fernando Pirulito e Salvador.
Destes, já faleceram: Pedro Paulo, Roberto Pinto, Luiz Carlos Feijão e Salvador.  

Foto posada (acima) enviado pelo amigo José Leôncio Carvalho, do Olaria Atlético Clube, no domingo do dia 14 de Março se 1971. Nesse dia o clube da Rua Bariri enfrentou o Bonsucesso Futebol Clube, o “Clássico da Leopoldina“, válido pela 2ª rodada do Campeonato Carioca da 1ª Divisão daquele ano.

A partida teve início às 17h45min., no estádio General Severiano (propriedade do Botafogo de Futebol e Regatas), no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. Essa partida fez parte da Loteria Esportiva, o teste nº 33, cujo prêmio era de Cr$ 4.320.344,60.

Aos 43 minutos do segundo tempo da partida, um gol contra do goleiro do Bonsuça, Ubirajara, decretou a vitória do Olaria pelo placar de 2 a 1. O jogo foi equilibrado e muito disputado, e agradou o pequeno publico presente – apenas 169 pagantes. O Olaria, um pouco melhor, acertou três bolas na trave.  

O Bonsucesso começou o jogo em ritmo muito veloz e, aos 9 minutos, Jair Pereira abriu o marcador. A jogada nasceu de cobrança de Gibira, que lançou a bola sobre a área. O goleiro Pedro Paulo rebateu e Jair tocou para o fundo das redes.

O Olaria não se abateu. Roberto Pinto foi à frente e as constantes deslocações de Osni, permitiram boas penetrações de Marco Antônio pela direita e de Luís Carlos pela esquerda.

Luís Carlos, aos 17 minutos, recebeu livre na área e chutou fraco, acertando a trave. Dois minutos depois foi a vez de Altivo. Bateu uma falta de fora da área e Ubirajara fez uma defesa milagrosa.

Aos 25 minutos, Olaria chegou ao empate. Roberto Pinto aproveitou a falha da defesa do rubro-anil para marcar o gol. Logo após o gol, o zagueiro Dutra reclamou falta na jogada que resultou no gol e acabou expulso. Assim, Oberdã passou para a zaga e o ataque do Bonsuça perdeu poder ofensivo.

No segundo tempo, o jogo ficou equilibrado até aos 20 minutos, com boas oportunidades de gol de ambos os lados. Osni, aos 10 minutos, em condições de marcar e Ubirajara mandou para escanteio.

O técnico do Olaria, Jair da Rosa Pinto fez duas alterações: saindo Luís Carlos Feijão e Fernando Pirulito para as entradas de Humberto e Afonsinho, respectivamente.

A partir daí o clube da Rua Bariri cresceu de produção e começou a pressionar. Aos 40 minutos, novamente o zagueiro Altivo chutou no travessão, ao cobrar uma falta de fora da área.

OLARIA A.C.2X1BONSUCESSO F.C.
LOCALEstádio General Severiano, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. (RJ)
CARÁTER2ª rodada do Campeonato Carioca de 1971
DATADomingo, do dia 14 de Março de 1971
HORÁRIO17 horas e 45 minutos
RENDACr$ 925,00
PÚBLICO169 pagantes
ÁRBITROJosé Teixeira de Carvalho
AUXILIARMário Leite dos Santos e Edelmar Freire
CARTÃO VERMELHODutra (Bonsucesso)
OLARIAPedro Paulo; Haroldo, Miguel, Altivo e Alfinête; Fernando Pirulito (Afonsinho) e Roberto Pinto; Marco Antônio, Osni, Luís Carlos Feijão (Humberto) e Salvador. Técnico: Jair da Rosa Pinto
BONSUCESSOUbirajara; Natal, Dutra, Jurandir e Romero; Oberdã e Gibira; Moreira, Jair Pereira, Luís Henrique e Rodrigues. Técnico: Alfredo Abraão
GOLSJair Pereira aos nove minutos (Bonsucesso); Roberto Pinto aos 25 minutos (Olaria), no 1º tempo. Ubirajara, contra, aos 43 minutos (Olaria), no 2º Tempo.

FOTO: Acervo de José Leôncio Carvalho

FONTE: Jornal dos Sports

Rodoviário Atlético Clube – Volta Redonda (RJ): Pentacampeão citadino nos anos 50

O Rodoviário Atlético Clube foi uma agremiação da cidade de Volta Redonda (RJ). O “Alvianil Volta-redondense” foi Fundado na quinta-feira, do dia 1º de Outubro de 1942.

Foi figurinha carimbada no Campeonato Citadidino de Volta Redonda, onde alcançou o seu auge na década de 50, quando faturou o pentacampeonato nos anos de 1954, 1955, 1956, 1957 e 1958.

Porém, no começo de setembro de 1961, o declínio se acentuou após o contrato que mantinha com o Guarani Esporte Clube para utilizar a Praça de Esportes General Sylvio Raulino de Oliveira (que nesse ano foram instalados os refletores e também os alambrados) para jogos e treinos, não foi renovado.

Com isso, o clube Pentacampeão citadino, sob a presidência do Sr. Neri Miglioli ficou sem local para se preparar o seu elenco. A partir daí, o dirigente buscou junto as autoridades de Volta Redonda, conseguir um terreno para construir a sua Praça de Esportes. No entanto, no ano seguinte conseguiu um campo no município vizinho: Barra Mansa. Mais precisamente no estádio da Associação Atlética Goiabal.

Porém, o Rodoviário tentou seguir disputando o Campeonato Citadino de Volta Redonda, o que gerou descontentamento da Liga Desportiva de Volta Redonda (LDVR) e dos clubes da cidade do Aço. Após pressão, a LDVR não aceitou e o Rodoviário não disputou o certame.     

FONTES: Última Hora (RJ) – Livro “Varandão da Saudade”, do autor Sérgio Luiz – pesquisador, Gil Bracarense Leite

Esporte Clube Siderantim – Barra Mansa (RJ): Mascote ‘Periquito do Vale’

O Esporte Clube Siderantim é uma agremiação esportiva da cidade de Barra Mansa (RJ). O “Periquito do Vale” foi Fundado no sábado, do dia 04 de Agosto de 1951, por um grupo de funcionários da empresa Siderúrgica Barra Mansa (atual: Votorantim).

Com apenas um ano de atividades, o Siderantim, conquistou o seu 1º titulo Campeonato Citadino, mas que, infelizmente, não se possui muitos registros sobre esta edição da competição. No final do mês de Julho de 1952, o Siderantim recebe uma carta da FFD (Federação Fluminense de Desportos) convidando o clube a se profissionalizar para disputar a elite do Campeonato Fluminense, que na época era a competição de maior valor em todo o estado do Rio de Janeiro.

No dia 19 de Março de 1953 o Esporte Clube Siderantim aceita o convite da FFD para a disputa de sua primeira competição profissional. No dia 12 de Abril no Estádio Esperidião Geraidine ocorre o II Torneio de Inicio profissional do Campeonato Fluminense, sendo um torneio de pré-temporada, que apesar de não ser um torneio de extrema importância ele fica marcado como a primeira competição profissional disputada pelo Esporte Clube Siderantim, infelizmente o clube é eliminado já na primeira fase após um empate contra Barra Mansa Futebol Clube, entretanto perde no critério de corners (escanteios) por 2 a 0.

Após 7 dias do Torneio de Inicio no dia 19 de Abril, o Siderantim finalmente estreia no Campeonato Fluminense contra o Tupi de Paracambi, no dia 20 de Abril o Siderantim contrata um reforço para a equipe  o jogador Odair de Souza Bueno que estava defendendo o quadro de profissionais do Canto do Rio de Niterói, o clube terminou na 10º colocação no fim do primeiro turno, no dia 18 de Janeiro de 1954 o Siderantim fecha o contrato com o atleta Francisco Régio para a disputa do 2º turno.

Notório clube da região centro-sul fluminense, o Siderantim debuta nas competições realizadas na década de 50, tais quais o Campeonato Estadual Fluminense. Participa dessa competição em 1953 e 1954. No Torneio Início de 53, é eliminado ainda na primeira fase.

Em 54, na chave de sua região se encontravam Barra Mansa Futebol Clube, Associação Atlética Comercial, Guarani Esporte Clube, Resende Futebol Clube e Associação Atlética de Volta Redonda. Se classificaram para a segunda fase: Guarani, Barra Mansa e Resende.

Após a fusão dos antigos estados da Guanabara e Rio de Janeiro, o Siderantim estreia em 1982 no Campeonato Estadual da Terceira Divisão de Profissionais.

Na primeira fase, se classifica para a fase final como líder de sua chave, à frente de União Esportiva Coelho da Rocha, Tomazinho Futebol Clube, Nacional Foot-Ball Club, Heliópolis Atlético Clube e Cruzeiro Futebol Clube. Na fase final é novamente o primeiro colocado, à frente de Clube Esportivo Rio Branco, Rio das Ostras Futebol Clube e União Esportiva Coelho da Rocha, fazendo a final contra o Rio Branco, de Campos, vencendo-o por 2 a 1, e consagrando-se campeão e promovido à Segunda Divisão de Profissionais do estado do Rio de Janeiro. O artilheiro da equipe nesse campeonato foi o hoje radialista Walter Cardoso.

Em 1983, já na Segunda Divisão, fica na sexta posição, atrás dos promovidos Olaria Atlético Clube e Friburguense Atlético Clube, além de Serrano Foot Ball Club, Associação Atlética Portuguesa e Madureira Esporte Clube, e à frente de Rubro Atlético Clube e Mesquita Futebol Clube.

Em 1984, é o segundo colocado ao fim do primeiro turno, atrás somente do Bonsucesso Futebol Clube. No segundo turno, fica apenas em oitavo lugar, último, atrás de Bonsucesso Futebol Clube, Associação Atlética Cabofriense, São Cristóvão de Futebol e Regatas, Associação Atlética Portuguesa, Madureira Esporte Clube, Rubro Atlético Clube e Nacional Foot-Ball Club. O Siderantim acaba tendo que participar de um torneio da morte com Madureira, Nacional e Rubro, que posteriormente é anulado, não havendo descenso.

Em 1985, é apenas o 11º colocado, penúltimo, à frente apenas do Nacional Foot-Ball Club, que já agonizava os seus últimos instantes de sua bela história. O campeonato conheceu naquele ano os acessos de Campo Grande Atlético Clube e Mesquita Futebol Clube, respectivamente primeiro e segundo lugares, cabendo a Associação Atlética Cabofriense, Friburguense Atlético Clube, Serrano Foot Ball Club, Royal Sport Club, Rubro Atlético Clube, São Cristóvão de Futebol e Regatas e Madureira Esporte Clube as colocações seguintes.

Em 1986, é o 12º colocado, último, do campeonato que teve como promovidos Porto Alegre Futebol Clube e Associação Atlética Cabofriense. Em 1987, é 9º colocado ao fim do primeiro turno, ficando à frente de Esporte Clube Nova Cidade, Clube Esportivo Rio Branco e Tomazinho Futebol Clube. No segundo turno é apenas o nono colocado, à frente de Tomazinho Futebol Clube, Serrano Foot Ball Club e Clube Esportivo Rio Branco. O Volta Redonda Futebol Clube foi o campeão e vice foi o Friburguense Atlético Clube.

Em 1988, em acentuada crise financeira e estrutural, demonstrada pelas más campanhas dos anos anteriores, se licencia das competições de âmbito profissional.

Volta apenas em 1992 na 2ª Divisão, na prática uma terceira, visto que a verdadeira segunda virara Módulo B da Primeira Divisão. A campanha não é boa. O clube é apenas o penúltimo colocado em sua chave na primeira fase, sendo logo eliminado da disputa, ficando atrás de Colégio Futebol Clube, Tamoio Futebol Clube, Monte D’Ouro Futebol Clube e Porto Real Country Club. O GREFFEM foi o último porque perdeu 5 pontos devido a ter utilizado um jogador em condição irregular.

Em 1993, disputa novamente a mesma Segunda Divisão. Fica em quinto em sua chave ao fim do primeiro turno, atrás de Barra Mansa Futebol Clube, Bayer Esporte Clube, Heliópolis Atlético Clube e Grêmio Esportivo Km 49. No segundo turno é segundo, atrás do Bayer Esporte Clube, contudo não consegue se classificar para o quadrangular final após o somatório dos dois turnos.

Desde então, a agremiação não mais disputa os campeonatos promovidos pela FFERJ. Foi extinto quando a Siderúrgica Barra Mansa, pertencente ao Grupo Votorantim, resolveu acabar com suas dependências para ampliar a área da empresa.

FONTES: Blog do clube – Wikipédia – Mercado Livre

Inédito!! Grêmio Sportivo Quintino Bocaiúva – Rio de Janeiro (RJ): 1º Campeão do Campeonato Carioca de Basquete Feminino

O Grêmio Sportivo Quintino Bocaiúva (Grêmio de Quintino) foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Fundado no domingo, do dia 02 de Abril de 1939. A sua Sede ficava localizada na Rua Nerval de Gouveia, nº 13, em frente à Estação Quintino, que é anexo a Rua Elias da Silva, no bairro de Quintino Bocaiúva, na Zona Norte do Rio.

O clube alvianil era muito atuante nos bailes de carnaval, festas juninas, desfiles e musicais, realizados em sua bela sede. Entre suas atividades praticadas, estavam o atletismo, Tênis de mesa, futebol, bilhar, voleibol, basquetebol, entre outros.  

A sua quadra poliesportiva (chamada de “Quadra Olímpica”) foi inaugurada no domingo, do dia 04 de junho de 1950, quando foi realizado um amistoso entre as equipes de basquete masculino do Tijuca Tênis Clube e Clube de Regatas Flamengo. No final, melhor para a equipe tijucana que venceu por 25 a 20.  

No domingo, do dia 26 de Agosto de 1945, o clube excursionou até o Município de Rodeio (atual: Engenho Paulo de Frontim), onde enfrentou, em amistoso,  o Centro Fluminense de Cultura Física.

No início de setembro de 1949, foi eleito para a presidência do clube, o vereador pelo Partido Republicano (entre 1947 a 1951) Luís da Gama Filho, então com 43 anos.

No final da década de 30, ele assumiu a presidência do River Football Club. Para quem não associou o nome a pessoa, ele comprou em 1939 o Colégio Piedade e em 1951 criou a Universidade Gama Filho.

1º campeão estadual de basquete feminino

Apesar do futebol ter sido o “carro-chefe“, o Grêmio Quintino entrou para a história do estado do Rio de Janeiro no basquete! Após se filiar a Federação Metropolitana de Basketball (FMB), na segunda-feira, do dia 09 de junho de 1952, o Grêmio de Quintino disputou o Campeonato Carioca adulto de basquete masculino e feminino em 1952.

Foi o 1º Campeonato Carioca de Basquete Feminino, realizado na história, e o Grêmio de Quintino fez história ao se sagrar campeão invicto do estadual, com sete vitórias no mesmo números de jogos. O Flamengo acabou com o vice-campeonato.

A competição, que teve início no dia 30 de julho, contou com a participação de oito equipes:

America Football Club;

Botafogo Futebol e Regatas;

Carioca Esporte Clube;

Clube de Regatas Flamengo;

Clube de Regatas Vasco da Gama;

Fluminense Football Club;

Grêmio de Quintino;

Madureira Atlético Clube.

Uma curiosidade é que o treinador da equipe (masculino e feminino) foi o lendário Charles de Macedo Soares, o “Charles Borer“, que trabalhou no cargo, sem nenhuma remuneração, de forma filantrópica. Lembrando que, entre 1976 a 1981, Charles Borer foi presidente do Botafogo de Futebol e Regatas.

O time titular era formado pelas seguintes atletas: Nívea (Nívea Figueiredo de Andrade e Silva), Norma, Ivone (Ivone de Araújo Santos), Irani (Irani P. da Costa) e Eugenia (Eugenia Rindeika). As reservas: Glicínia (Glicínia Clara Leal de Carvalho), Lourdes (Lourdes de Jesus Dias), Abigail, Marina, Dircí, Eunice, e Zombinha.

Vice-campeão de basquete feminino em 1953

No ano seguinte, voltou a fazer bonito, e ficou com vice-campeonato estadual de 1953, com oito vitórias e duas derrotas (O Fluminense foi campeão com dez vitórias), quando sua jogadora Ivone foi a cestinha da competição, com 161 pontos.

O time formou com: Maria Teresinha Paz, Abigail dos Santos, Joana Rindeica, Estefania Nair Chalodwski, Lais Gomes Mourão, Norma Rosa Paz, Efigênia Rindeica, Lourdes de Jesus Dias, Ivone de Araujo Santos

No futebol, disputou os campeonatos amadores menores. A Praça de Esportes utilizado para os jogos era o da Escola 15 de Novembro, atual ETE República, dentro do campus da FAETEC Quintino, que ficava na Rua Clarimundo de Melo.

O campo era conhecido como “Estádio do Instituto 15 de Novembro“, inaugurado no domingo, do dia 14 de novembro de 1943, com a goleada do Clube de Regatas Flamengo (então bicampeão da 3ª categoria da Federação Metropolitana de Futebol) por 5 a 2, em cima do Botafogo de Futebol e Regatas.

O Grêmio de Quintino era ligado ao político Jorge Leite, e entrou em decadência ao mesmo tempo em que este perdeu prestígio eleitoral.

Sua antiga sede ainda é conhecida popularmente pelo nome de Grêmio de Quintino, e alugada para eventos. Em 2012, o nome “Baixo Quintino” foi usado comercialmente.

Foto de 2010, da Sede do Grêmio Quintino

Time base de 1945: Sylvio; Nico (Ivo) e Alberto (Carlos); Cito, Bira e Aloísio; Orlando (Djalma), Zequinha, Gerente, Nelson e Canhoto (Aldo). Reservas: Germano e Helio.       

Imagem da carteirinha: site ‘Leilão Naira Santos’

FONTES: A Luta Democrática – A Noite – Diário Carioca – Diário de Notícias – Federação de Basquetebol do Estado do Rio de Janeiro – Imprensa Popular – Jornal dos Sports – O Imparcial – O Jornal (RJ) – Tribuna Popular