Arquivo da categoria: Fotos Históricas

Escudos inéditos, dos anos 50 e 70: Federação Acreana de Desportos (FAD) – Rio Branco (AC)

Uniforme de 1958

A Liga Acreana de Esportes Terrestres (LAET) foi uma agremiação da cidade de Rio Branco (AC). Foi Fundada em meados de 1921, pelos presidentes de quatro clubes: Luiz Mestrinho Filho, do Rio Branco Football Club; Cap. Manoel Germiniano de Amorim. do Militar Football Club; Domingos Mirão, do Ypiranga Sport Club; e pelo presidente do Acreano Sporting Club, Armindo Silva, sucessor do presidente fundador, Arnaldo Pinho.

A criação da LAET aconteceu no 1º ano de governo do Dr. Epaminondas Tito Jácome (Foi médico sanitarista, deputado provincial e, juntamente com José Plácido de Castro, participou da Revolução Acriana, em outubro de 1902, que culminou na nacionalização daquele território. Foi o 1º governador do território do Acre, de 1º de janeiro de 1921 a 22 de junho de 1922).

O intuito da liga era dirigir e difundir os desportos de caráter amadorista em todo o Território Federal do Acre, desporto este que envolviam o Football, o basketball e o volleyball. A sua fundação ocorreu na sede no Palácio do Governo Departamental, um prédio de madeira construído em meados de 1908 pelo então prefeito Gabino Besouro para sediar a Prefeitura do Departamento do Alto Acre, ou seja, no mesmo local onde hoje se ergue majestosamente o Palácio Rio Branco.

O antigo prédio de madeira foi demolido pelo governador Hugo Carneiro na segunda-feira, do dia 28 de maio de 1928 para o início da construção do atual Palácio Rio Branco. Desse endereço, a Sede Provisória da Mentora do futebol acreano passou a ser nas dependências do Departamento de Obras e Viação, um grande prédio de madeira localizado na esquina da Avenida Getúlio Vargas com rua Benjamim Constant, (hoje Palácio das Secretarias).

Na foto vê-se o radialista Jaime Rebelo, o árbitro Odail Braga Martins, Jaime Basílio e Hugo.
Foto tirada no Parque Amazonense em 1958 por ocasião da partida entre Seleção da Federação Acreana de Desportos e São Raimundo Esporte Clube. Foto do acervo de Rui Heliandro Sá Valente.

Surge a FAD

Foi nesse novo endereço que ocorreu a alteração do nome para Federação Acreana de Desportos (FAD), já no governo territorial de José Guiomard dos Santos (1946-1950); era uma sexta-feira, dia 27 de janeiro de 1947, quando foi fundada pelos presidentes do Rio Branco Football Club, Isidoro da Cunha Pereira, pelo presidente do Fortaleza Football Club, Milton Braga Rôla, pelo presidente em exercício do Independência Futebol Clube, Dário D’Anzicourt, e pelo presidente do América Esporte Clube, Francisco José Paes.

A idealização da FAD ocorreu três anos antes de sua fundação, fruto de uma medida deliberativa do então presidente do Conselho Regional de Desportos (CRD), tenente-coronel Jefferson Ribeiro do Amaral, comandante da Polícia Militar do Território, expedida na sexta-feira, do dia 16 de junho de 1944, dando amplos poderes à comissão recém constituída para organizar a entidade fadense.

Essa comissão foi composta dos senhores Isidoro da Cunha Pereira, Antônio Fecury e os tenentes Sidney Bourguignon, Rui Medeiros de Oliveira Azevedo, e Gerardo Parente Soares.

O Conselho Regional de Desportos havia sido instalado no sábado, do dia 19 de dezembro de 1942, como um órgão consultivo do governo territorial. Sua composição inicial era formada pelo tenentecoronel Luiz Miranda Leal, presidente e comandante da Polícia Militar, pelo professor Urajá Dias Nogueira, secretário, pelo experiente advogado Mário de Oliveira, digno representante do Conselho, e ainda pelo Dr. José Valentim de Araújo, e Wilson de Almeida Aguiar.

Após esse ato, é então elaborado o estatuto para dirigir a prática esportiva em todo o Território Federal do Acre; esse estatuto só entraria em vigor após sua aprovação na primeira sessão ocorrida em 4 de maio de 1947 na Sede Provisória da FAD, sessão presidida pelo presidente do Rio Branco Football Club, Isidoro da Cunha Pereira, isso se dá porque o clube fundador mais antigo haveria de presidir os destinos da Mentora até quando da eleição e posse da primeira diretoria.

Seleção da Federação Acreana de Desportos (FAD) – 1966. Em pé, da esquerda para a direita: Coco (dirigente), Tião Lustosa, Alberto, Vianna, Benevides, Mozarino, Zezé Gouveia e Eugênio Mansour (dirigente). Agachados: Dimiro, Amílcar, Bebé, Danilo Galo e Bico-Bico. Foto/Acervo Francisco Dandão.

Primeira competição aconteceu em 1942

Mesmo assim, o Conselho Regional de Desportos, ainda em 1942, inicia uma extensa temporada futebolística de caráter oficial com a realização do Torneio Início, versão 1943, disputados nas tardes de domingos, no estádio central de Rio Branco, localizado na rua Rui Barbosa e defronte o Quartel General da Polícia Militar, hoje, a Praça Rodrigues Alves.

06/12/42AcreXDuque de Caxias
13/12/42Rio Branco FCXAssociação dos Comerciários Acreanos
20/12/42PennapolisXDuque de Caxias
27/12/42AcreXRio Branco FC
03/01/43ComerciáriosXPennapolis
10/01/43Duque de CaxiasXRio Branco FC
17/01/43AcreXComerciários
24/01/43PennapolisXRio Branco
30/01/43Duque de CaxiasXComerciários
7/02/43AcreXPennapolis

1º Presidente FAD

Tão-logo a entrada em vigor do Estatuto da Federação Acreana de Desportos (FAD), os presidentes dos quatro clubes fundadores escolheram, por voto secreto, o seu 1º Presidente, Biênio 1947/1948; o nome escolhido foi o agrônomo Francisco Custódio Freire, Diretor do Departamento da Produção.

A posse do vice-presidente fadense só aconteceu no domingo do dia 07 de setembro de 1947; o escolhido foi o Dr. Valério Caldas Magalhães, que permaneceu no cargo até a posse da nova diretoria, em 6 de fevereiro do ano subseqüente.

FAD se filiou à CBD em 1947

Foi nessa gestão que a Estatuto da Federação Acreana de Desportos solicitou em fins de julho de 1947 e obteve filiação à Confederação Brasileira de Desportos (CBD), confirmada em 31 de julho. O pedido havia sido oficializado pelo presidente Francisco Custódio Freire que obteve total apoio dos clubes filiados e ter sido o Estatuto da FAD aprovado em sessão da Mentora em 4 de maio de 1947.

A confirmação de filiação à CBD foi feita através de ofício assinado pelo 1º Secretário Manoel Furtado Oliveira, datado de 6 de agosto. O presidente sucessor do agrônomo foi o Dr. Edson Stanislau Afonso que assumiu a Mentora do futebol acreano em 6 de fevereiro de 1949 juntamente com todo o corpo diretivo da FAD.

A eleição da segunda diretoria ocorreu dia 26 de janeiro passado e foi fruto de consenso dos quatro dirigentes desportivos da capital acreana filiados a FAD. A solenidade concorrida de posse do Dr. Edson Stanislau ocorreu, às 10 horas, no auditório do Instituto de Nossa Senhora de Nazaré, oportunidade em que se fizeram presente:

o governador em exercício Major Raimundo Pinheiro de Lima, Dr. Felippe Meninéa Pereira, presidente do Conselho Regional de Desportos e secretário do Governo, Milton Braga Rôla, do Independência Futebol Clube, Francisco Paes, do América Esporte Clube, do médico Manoel Marinho Monte, e Waldemar Maciel, representante do Rio Branco Football Club, e ainda, a presença de Moura Brasil Neto, e Ubirajara Ribeiro, membros do CRD.

Foi nessa solenidade que a nova diretoria assumiu, para a gestão 1949/1950. A diretoria que assumia era composta ainda pelo Dr. Hugo Ferreira Carvalho (1º Secretário), tenente Carlos Martinho de Albuquerque (2º Secretário), Eduardo de Oliveira Nazaré (1º Tesoureiro), Milton Matos da Rocha (2º Tesoureiro).

O Conselho Superior de Legislação e Justiça foi composto pelos senhores membros efetivos magistrado Pojucam Barroso Cordeiro Ribeiro, e prof. Francisco Mariano Ribeiro e pelos suplentes Dr. Ismael Carvalho, Dr. Manoel Vargues Matoso, e por Américo Macedo.

Seleção da Federação Acreana de Desportos – 1967. Da esquerda para a direita: Benevides, Mozarino, Viana, Alberto, Zezé Gouveia, Danilo Galo, Dimiro, Bebé, Bico-Bico, Amílcar e Tião Lustosa. Foto/Acervo Antônio Benevides.

Já o Conselho Fiscal foi presidido por Alexandre dos Santos Leitão, Cristóvam Nunes, e Antonio d’Esberad Cavalcanti Rocha. A 1ª reunião ordinária de trabalho da gestão do Dr. Edson Stanislau ocorreu na quarta-feira, do dia 02 de março de 1949, oportunidade em que o mesmo, por eleição, fez a devida nomeação do Dr. Gerardo Parente Soares, e médico Manoel Marinho Monte, chefes dos departamentos Técnico, e Médico, respectivamente.

No dia seguinte, assume interinamente o vice-presidente da Mentora haja vista a urgente viagem feita pelo dirigente maior à capital Baré, Manaus, oportunidade em que iria manter contato com dirigentes para um jogo amistoso com o Nacional Fast Club a ser realizado em meados de abril daquele ano.

Com a chegada do Dr. Edson Stanislau, o presidente em exercício fadense Dr. Francisco Custódio Freire apresenta renúncia assumindo em seu lugar o Dr. José Maria Gonçalves Bastos. Em princípio de novembro daquele ano, toda a diretoria oficializa pedido de renúncia, fato já tido como certo para acontecer. Assim, em 24 de outubro é feita uma convocação urgente pelo presidente renunciante de uma Assembléia Geral Extraordinária, fato que acontece nas dependências da Sede Social do Rio Branco Football Club com as presenças da diretoria prestes a renunciar, dos dirigentes esportivos fundadores da FAD e do novo clube a ela filiada, o Fortaleza Football Club. Aceita a renúncia, nova diretoria é eleita, ficando assim, agendada sua posse no mesmo local para o dia 31 de novembro, às 11 horas da manhã. A nova diretoria, biênio 1951/1952:

Presidente – Capitão Milton Braga Rôla;

Vice-Presidente – Francisco Custódio Freire;

1º Secretário – tenente Valdemar D’Ávila Maciel;

2º Secretário – Eduardo Almada Brito;

1º Tesoureiro – Eduardo Oliveira Nazaré (reeleito);

2º Tesoureiro – Milton Matos da Rocha (reeleito);

Conselho Fiscal – Miguel de Freitas Leite, Antonio d’Esberard Cavalcanti Rocha, e Cristóvam Nunes;

Conselho Superior de Legislação e Justiça – presidido pelo Dr. Pojucam Barroso Cordeiro Ribeiro, e pelos juízes Francisco Mariano de Sá Ribeiro, e Dr. Manoel Vargues Matoso.

Diretor do Departamento Técnico – tenente Gesner Maciel de Lemos;

Diretor do Departamento Médico – Dr. Manoel Marinho Monte.

Mudança de endereço

Com a demolição do antigo barracão de madeira (onde era o Departamento de Obras e Viação) e a conseqüente inauguração do Palácio das Secretarias no domingo, do dia 14 de março de 1971, a FAD teve que mudar de endereço, indo então para uma sala cedida pela diretoria do Rio Branco Football Club no Estádio José de Melo.

Todo o acervo da Federação Acreana de Desportos nesse momento se resumia num amontoado de papéis que podia ser levado dentro de um saco com capacidade para 60kg. Vez por outra, a entidade fadense chegou a funcionar na residência do ex-presidente, Milton Braga Rôla, ou na casa do Barrinho (José da Paz Barros).

Os bens móveis, nem se falam. Em janeiro de 1974, já no governo de Francisco Wanderley Dantas, a Mentora mudou novamente de endereço, passou a funcionar numa sala – subsolo do Fórum Barão do Rio Branco, permanecendo por pouco mais de oito meses, quando então, já na administração do presidente Major Adel Derze, passou a funcionar num barracão de madeira de propriedade de jogador do Estrelão, o legendário Pedro Sepetiba; nesse barracão funcionou tempos depois a Sorveteria do Fabiano (rua Quintino Bocaiúva, N° 84, Centro).

Coube ao recém-eleito presidente Alércio Dias, sucessor de Alcides Dutra, a mudança desse endereço para uma confortável sala no primeiro andar da Sede Social da Associação Desportiva Vasco da Gama, localizada na Avenida Brasil, 563. Esse foi o penúltimo endereço da Mentora.

Sede própria inaugurada em 1987

É que foi no segundo mandato do presidente Antonio Aquino Lopes que projetou-se ter a FAD sua Sede Própria. O início das obras para a construção da nova sede foi durante o ano de 1986 e sua inauguração ocorreu numa data história para a entidade: no domingo, do dia 26 de Abril de 1987, ano do 40º aniversário de sua fundação.

A Sede Própria fica na Rua Manoel Cesário, 540, Bairro Aviário. Tem 520 metros de área quadrada, dois pisos e custou na época, Cz$ 2 milhões. Foi inaugurada com a presença do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Octávio Pinto Guimarães, e seu assessor, Ildo Najar, além da presença de todos os desportistas.

Seleção da Federação Acreana de Desportos (FAD) – 1979
EM PÉ (esquerda para a direita): Lécio, Chicão, Mário Sales, Pintão, Zé Augusto e Carlinhos Bigode.
AGACHADOS (esquerda para a direita): Mário Vieira, Eli, Manoelzinho, Carioca e Pistolinha

FAD é extinta para dar lugar a FFEAC

Somente na terça-feira, do dia 1º de setembro de 1987, em Assembléia Geral, com a presença dos dirigentes do Rio Branco Football Club, Independência Futebol Clube, Atlético, Acreano, Atlético Clube Juventus, São Francisco Futebol Clube, Associação Desportiva Vasco da Gama, e Andirá Esporte Clube é que houve a alteração no Estatuto da Entidade, resultado do trabalho da equipe formada pelos desportistas José Humberto Gomes Souza, Adauto Brito da Frota, José Eugênio de Leão Braga, Roberto Chaar, Antonio Nizomar dos Santos, Alzerino Paiva de Melo, Vicente de Andrade Chagas, Paulo Maia Sobrinho, desembargador Lourival Marques de Oliveira, Rivaldo Bernardo Patriota, e Aldemir Sena de Souza.

Uma das mudanças históricas do futebol do estado, foi extinção da Federação Acreana de Desportes (FAD), e o devido surgimento da nova Mentora do futebol acreano: Federação de Futebol do Estado do Acre (FFEAC).

Última mudança: sai a FFEAC e entra a FFAC

Na segunda-feira, do dia 08 de Novembro de 1999, em uma nova Assembléia Geral, com a presença dos dirigentes dos clubes acima mais Associação Desportiva Senador Guiomard ADESG, a Mentora teve nova e definitiva denominação, Federação de Futebol do Acre (FFAC).

FOTOS: Acervo de Rui Heliandro Sá Valente – Acervo de Francisco DandãoAcervo de Antônio Benevides

FONTE: Revista do Futebol Acreano (2005)

Liga Acreana de Esportes Terrestres (LAET) – Rio Branco (AC): existiu entre 1921 a 1947!

A Liga Acreana de Esportes Terrestres (LAET) foi uma agremiação da cidade de Rio Branco (AC). Foi Fundada em meados de 1921, pelos presidentes de quatro clubes: Luiz Mestrinho Filho, do Rio Branco Football Club; Cap. Manoel Germiniano de Amorim. do Militar Football Club; Domingos Mirão, do Ypiranga Sport Club; e pelo presidente do Acreano Sporting Club, Armindo Silva, sucessor do presidente fundador, Arnaldo Pinho.

A criação da LAET aconteceu no 1º ano de governo do Dr. Epaminondas Tito Jácome (Foi médico sanitarista, deputado provincial e, juntamente com José Plácido de Castro, participou da Revolução Acriana, em outubro de 1902, que culminou na nacionalização daquele território. Foi o 1º governador do território do Acre, de 1º de janeiro de 1921 a 22 de junho de 1922).

O intuito da liga era dirigir e difundir os desportos de caráter amadorista em todo o Território Federal do Acre, desporto este que envolviam o Football, o basketball e o volleyball. A sua fundação ocorreu na sede no Palácio do Governo Departamental, um prédio de madeira construído em meados de 1908 pelo então prefeito Gabino Besouro para sediar a Prefeitura do Departamento do Alto Acre, ou seja, no mesmo local onde hoje se ergue majestosamente o Palácio Rio Branco.

Foto de 1936

O antigo prédio de madeira foi demolido pelo governador Hugo Carneiro na segunda-feira, do dia 28 de maio de 1928 para o início da construção do atual Palácio Rio Branco. Desse endereço, a Sede Provisória da Mentora do futebol acreano passou a ser nas dependências do Departamento de Obras e Viação, um grande prédio de madeira localizado na esquina da Avenida Getúlio Vargas com rua Benjamim Constant, (hoje Palácio das Secretarias).

Surge a FAD

Foi nesse novo endereço que ocorreu a alteração do nome para Federação Acreana de Desportos (FAD), já no governo territorial de José Guiomard dos Santos (1946-1950); era uma sexta-feira, dia 27 de janeiro de 1947, quando foi fundada pelos presidentes do Rio Branco Football Club, Isidoro da Cunha Pereira, pelo presidente do Fortaleza Football Club, Milton Braga Rôla, pelo presidente em exercício do Independência Futebol Clube, Dário D’Anzicourt, e pelo presidente do América Esporte Clube, Francisco José Paes.

FONTE E FOTO: Revista do Futebol Acreano (2005)

Amistoso nacional de 1948: Botafogo (RJ) goleou o Inter de Porto Alegre (RS) por 6 a 2, em General Severiano!

EM PÉ (esquerda para a direita): Gerson, Oswaldo, Nilton Santos, Rubinho, Ávilla e Juvenal;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Paraguaio, Geninho, Pirilo, Otávio e Braguinha.

No domingo, do dia 19 de Dezembro de 1948, ocorreu o encontro do Botafogo, atual Campeão Carioca de 1948, e o Sport Club Internacional, Porto Alegre/RS, Bicampeão Gaúcho de 1947-48, no Estádio General Severiano, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio. A equipe com Jayme Moreira Filho, Sergio Paiva, Waldir Amaral e Ademar Pimenta transmitiram o jogo pela Rádio Nacional.

EM PÉ (esquerda para a direita): Ivo, Nena, Maravilha, Alfeu, Viana e Abigail;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Tesourinha, Ghizzoni, Adãozinho, Vilalba e Carlitos.

No final, o Botafogo goleou o Inter de Porto Alegre pelo placar de 6 a 2. Destaque para o alvinegro Juvenal que foi a grande figura em campo. Osvaldinho que substituiu Pirilo, demonstrou magníficas condições técnicas.

BOTAFOGO FR (RJ) 6 X 2 S.C. INTERNACIONAL (RJ)

LOCALEstádio General Severiano, no bairro de Botafogo, na Zona Sul do Rio (RJ)
CARÁTERAmistoso Nacional de 1948
DATADomingo, do dia 19 de Dezembro de 1948
HORÁRIO15 horas
RENDACr$ 108.772,00
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROMário Viana
BOTAFOGOOswaldo; Gerson (Marinho) e Nilton Santos (Sarno); Rubinho (Ivan), Ávilla (Berascochea) e Juvenal (Adão); Paraguaio, Geninho, Osvaldinho, Otávio e Braguinha (Reinaldo). Técnico: Zezé Moreira
INTER/RSIvo; Nena e Maravilha; Alfeu (Guizzone), Viana e Abigail; Tesourinha, Ghizzoni (Segura), Adãozinho, Vilalba (Roberto) e Carlitos. Técnico: Carlos Volante
GOLSVilalba aos 40 segundos (Inter); Juvenal aos 7 minutos (Botafogo); Otavio aos 11 e 28 minutos (Botafogo); Osvaldinho aos 22 minutos (Botafogo), no 1º Tempo. Osvaldinho aos 9 minutos (Botafogo); Adãozinho aos 12 minutos (Inter); Paraguaio aos 25 minutos (Botafogo), no 2º Tempo.

FOTOS: A Noite (RJ) – Correio da Manhã (RJ)

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Notícias (RJ)

Foto Rara, de 1975: Colorado Esporte Clube – Curitiba (PR)

EM PÉ (esquerda para a direita): Edson Madureira, Zé Carlos, Zequinha, Negri, Nenê e Bira;

AGACHADOS (esquerda para a direita): Thirso Del Corso, Galeno, Marinho, Téia, Neo e Genau.

FOTO: Acervo de José Carlos de Oliveira (Zequinha)

Foto Rara, de 1980: Sport Club do Recife (PE)

EM PÉ (esquerda para a direita): País (goleiro), Alex, Cícero, Ramirez, Merica e Paulo Mauricio;

AGACHADOS (esquerda para a direita): Denô, Lola, Jorge Campos, Didi e Roberto.

FOTO: Acervo de Alexandre Kamianecky (nascido na Alemanha, ex-jogador do America, Sport do Recife, entre outros)

Torneio Início Amazonense da 1ª Divisão de 1973: Nacional Futebol Clube, com o craque Toninho Cerezo, foi o Campeão!

O Torneio Início do Campeonato Amazonense da 1ª Divisão de 1973, organizado pelo Departamento de Futebol Profissional da FAF (Federação Amazonense de Futebol), foi realizado no domingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973.

Em razão do gramado do Estádio Vivaldo Lima, que estava passando por uma reforma (a previsão era para ser liberado três dias depois do torneio início), foi cogitado o torneio ser realizado no Estádio da Colina ou Parque. Porém, após muita pressão vinda dos clubes, imprensa esportiva e torcedores, as melhorias foram aceleradas e o estádio foi entregue na data do Torneio Início

EM PÉ (esquerda para a direita): Tião, Décio,  Flávio, Toninho Cerezo,  Eurico Souza e Luiz Florêncio;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Zé Eduardo, Serginho, Ângelo, China e Reis.

Com antecipação os oito clubes definiram os cinco cobradores de pênaltis, caso houvesse a necessidade:

América Futebol Clube: Rui, Pedro, Rosimar, Nido e Amiraldo;

Associação Atlética Rodoviária: Santos, Julião, Santiago, Tadeu e Joaquim

Atlético Rio Negro Clube: Jorge Cuíca, Zé Raimundo, Ferreira, Rolinha e Casemiro;

Nacional Fast Club: Batista, Zé Carlos, Rolinha, Paulo e Almir;

Nacional Futebol Clube: Valdomiro, Newton, Toninho Cerezo, Flávio e Zé Eduardo;

Olímpico Clube: Amaro, Evandro, Nei, João Pereira e Nivaldo;

São Raimundo Esporte Clube: Adonias, Almir, Flávio, Ronildo e Paulinho;

Sul América Esporte Clube: Didel, Itagiba, Sena, Dorval e Silva.

Programa do Torneio Início

O evento teve início às 13h30min., com a concentração das equipes representativas das associações participantes, com todos os seus titulares, no gramado do Estádio Vivaldo Lima.

Na sequência, às 13h45min., teve a solenidade do hasteamento do Pavilhão Nacional, presidida pelo excelentíssimo senhor governador do estado do Amazonas, o engenheiro João Walter de Andrade, sob os acordes do  Hino Nacional Brasileiro executado pela Banda de Música da Polícia Militar do Estado do Amazonas.

Logo após, 13h50min., ocorreu o desfile das oito equipes que passaram à frente da Banda de Música do Colégio Benjamim Constant, em homenagem    às autoridades, à crônica esportiva do Rádio, do Jornal e da Televisão e ao público presente.

Às 13h59min., toque de silêncio, executado por um corneteiro da Polícia Militar do Estado do Amazonas, em homenagem à memória dos desportistas desaparecidos.

Às 14 horas, teve início da disputa do Torneio de Apresentação do Campeonato Amazonense de Futebol de 1973. Às 16h30min., teve a eleição da Rainha do Torneio, entre as candidatas apresentadas pelos oito clubes participantes. Às 16h40min., início a disputa do título do Torneio Início.

Às 17h30min., aconteceu a escolha dos Melhores do Torneio Início, pela Comissão Julgadora, integrada de representantes de todos os órgãos da Imprensa, do Rádio e da Televisão, da ACLEA, de Federação Amazonense de Futebol e do Conselho Regional de Desportos do Amazonas.  

Por fim, às 18 horas, foi a entrega dos prêmios aos eleitos pela Comissão Julgadora, inclusive, a Rainha do Torneio (a vencedora foi Laiz Cruz, do Nacional), no centro do gramado do Estádio Vivaldo Lima, em Manaus.

No final, a equipe comandada por João Lacerda Filho, Barbatana, então com 44 anos, o Nacional Futebol Clube se sagrou campeão do Torneio Início do Campeonato Amazonense da 1ª Divisão de 1973. Ao todo, foram três jogos, com uma vitória e dois empates, onde venceu na decisões por penalidades.  

Nacional com Toninho Cerezo

Um dos destaques do Naça foi o meia Toninho Cerezo, que ainda nem tinha completado 18 anos (faz aniversário no dia 21 de abril). O craque estava emprestado pelo Atlético Mineiro para adquirir experiência.

1º JOGO:

A.A. RODOVIÁRIA (AM)    0          X         1          SÃO RAIMUNDO E.C. (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
HORÁRIO14 horas
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROJosé Carlos Amato (FAF)
AUXILIARESTarcilo Vasconcelos (FAF) e Raimundo dos Anjos (FAF)
CARTÃO VERMELHOJedir (São Raimundo)
RODOVIÁRIAToninho; Dirlei, Joaquim, Valter e Zequinha; Mario Bacuri e Tadeu; Zezé, Santos, Julião e Santiago. Técnico: Edmilson Oliveira
SÃO RAIUMUNDODissica; Calderaro, Paulinho, Itamar e Araim; Adonias e Ademir; Jedir, Sauba; Ronildo e Flávio. Técnico: Arlindo Louchards
GOLSauba aos 4 minutos (São Raimundo), do 2º Tempo.  

2º JOGO:

ATLÉTICO RIO NEGRO (AM)     0 (3)    X         0 (4)    OLÍMPICO CLUBE (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROJulio Cesar Cosenza (FAF)
AUXILIARESOnizio Casemiro (FAF) e Guilherme Pereira (FAF)
RIO NEGROClovis; Zé Raimundo, Casemiro, Helito e Nonato; Bahia e Zé Claudio; Bolo, Jorge Cuíca, Ferreira e Rolinha. Técnico: Osvaldinho
OLÍMPICOSilvio; Nivaldo, Nei, Floriano e João Pereira; Da Silva e Amaro;  Dinho, Augusto, Edward e Evandro. Técnico: Flávio de Souza
GOLNenhum
PÊNALTISNivaldo, João Pereira, Amaro e Evandro (Olímpico); Jorge Cuíca, Ferreira e Zé Raimundo (Rio Negro).

3º JOGO:

NACIONAL FAST CLUB (AM)    0 (7)    X         0 (9)    AMÉRICA F.C. (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROAlexandre Lourenço (FAF)
AUXILIARESRaimundo Alcedies (FAF) e Odilio Mendonça (FAF)
FAST CLUBBorrachinha; Olacy, Zé Carlos, Zequinha e Almir; Barrote e Rolinha; Paulo, Batista, Nilson e Muniz. Técnico: Kurtz
AMÉRICADudu; Fernando, Paulo Santos, Grilo e Ponga; Pedro e Amiraldo; Nido, Dacio, Rui e Rosimar. Técnico: Amadeu Teixeira
GOLNenhum
PÊNALTISNido, Rui, Amiraldo e Pedro (América); Rolinha, Zé Carlos, Almir e Batista (Fast Club).
CURIOSIDADEApós o empate sem gols, nos pênaltis na primeira série terminou em 4 a 4. Na segunda série o América venceu por 5 a 3.

4º JOGO:

NACIONAL F.C. (AM)        2          X         0          SUL AMÉRICA E.C. (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROJander Cabral dos Santos (FAF)
AUXILIARESJosé Pereira Serra (FAF) e Tarcilo Vasconcelos (FAF)
NACIONALProcópio; Flávio, Fausto, Valdemiro e Luiz Florêncio; Jorginho e Toninho Cerezo; Zé Eduardo, Careca, Louro e Newton. Técnico: Barbatana
SUL AMÉRICAToinho; Mistral, Didel, Maravilha e Denival; Tapioca e Itagiba; Olair,  Sena, Dorval e Silva (Jorge). Técnico: Jandeir Cardoso
GOLSCareca aos 2 minutos (Nacional); Zé Eduardo aos 7 minutos (Nacional), no 2º Tempo.  

1ª SEMIFINAL:

SÃO RAIMUNDO E.C. (AM)         0 (4)    X         0 (3)    OLÍMPICO CLUBE (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROManuel Luiz Bastos (FAF)
AUXILIARESOnizio Casemiro (FAF) e Guilherme Pereira (FAF)
SÃO RAIUMUNDODissica; Calderaro, Paulinho, Itamar e Araim; Adonias e Ademir; Airton, Sauba; Ronildo e Flávio. Técnico: Arlindo Louchards
OLÍMPICOSilvio; Maravilha, Nei, Valdir Santos e João Pereira; Da Silva e Amaro;  Dinho, Augusto, Vandi e Evandro. Técnico: Flávio de Souza
GOLNenhum
PÊNALTISFlávio, Almir, Sauba e Adonias (São Raimundo); João Pereira, Dinho e Evandro (Olímpico).    

2ª SEMIFINAL:

NACIONAL F.C. (AM)        0 (11)  X         0 (9)    AMÉRICA F.C. (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROPaulo Bernardes (FAF)
AUXILIARESRaimundo Alcedies (FAF) e Odilio Mendonça (FAF)
NACIONALProcópio; Flávio, Fausto, Valdemiro e Luiz Florêncio; Jorginho e Toninho Cerezo; Zé Eduardo, Careca, Louro e Newton. Técnico: Barbatana
AMÉRICADudu; Fernando, Paulo Santos, Grilo e Ponga; Pedro e Amiraldo; Nido, Dacio, Rui e Rosimar. Técnico: Amadeu Teixeira
GOLSNenhum  
PÊNALTISRui e Dácio (América); Jorginho, Newton, Toninho Cerezo e Careca (Nacional).
CURIOSIDADENa 1ª série de pênaltis empate em 4 a 4. Na 2ª Série nova igualdade em 3 a 3. Na 3ª Série vitória do Naça por 4 a 2.

GRANDE FINAL:

NACIONAL F.C. (AM)        0 (4)    X         0 (3)    SÃO RAIMUNDO E.C. (AM)

LOCALEstádio Vivaldo Lima, o Vivaldão, em Manaus (AM)
CARÁTERTorneio Início do Estadual da 1ª Divisão de 1973
DATADomingo, do dia 11 de Fevereiro de 1973
HORÁRIO16 horas e 40 minutos
RENDANão divulgado
PÚBLICONão divulgado
ÁRBITROJulio Cesar Cosenza (FAF)
AUXILIARESOdilio Mendonça (FAF) e Tarcilio Vasconcelos (FAF)
NACIONALProcópio; Flávio, Fausto, Valdemiro e Luiz Florêncio; Jorginho e Toninho Cerezo; Zé Eduardo, Careca, Louro e Newton (Eurico Souza). Técnico: Barbatana
SÃO RAIUMUNDODissica; Calderaro, Paulinho, Itamar e Araim; Adonias e Ademir; Airton, Sauba; Ronildo e Flávio. Técnico: Arlindo Louchards
GOLSNenhum  
PÊNALTISJorginho, Souza, Careca e Eduardo marcaram; enquanto Toninho Cerezo desperdiçou (Nacional); Flávio, Sauba e Adonias; enquanto Almir e Paulinho perderam (São Raimundo).
CURIOSIDADEO jogo teve a duração de 40 minutos (20 minutos cada tempo)

Curiosidades

Escalação: Procópio; Flávio, Fausto, Valdemiro e Luiz Florêncio; Jorginho e Toninho Cerezo; Zé Eduardo, Careca, Louro e Newton (Eurico Souza). Técnico: Barbatana

O Nacional contava com dois jovens talentos que vieram emprestados do Atlético Mineiro: e Toninho Cerezo e Ângelo. E outro mineiro era Geraldo Souza Eurico (Eurico Souza), 21 anos, que veio por empréstimo junto ao Cruzeiro, um dia antes do Torneio Início.

Cinco dias após o título do Torneio Início, desembarcou em Manaus, o goleiro Décio, contratado junto ao Paysandu de Belém (PA). Anteriormente, teve passagens pela Tuna Luso (PA), Sport do Recife (PE) e Central Sport Club, de Barra do Piraí (RJ).     

Colaborou: Fabiano Rosa Campos

FOTO: Revista Placar

FONTE: Jornal do Commercio (AM)

Escudo Inédito!! Esporte Clube Palmeirense – Ponte Nova (MG): Há 60 anos, se sagrava Campeão da Zona Centro e vice Mineiro da 2ª Divisão!

O Esporte Clube Palmeirense é uma agremiação do município da Ponte Nova (cerca de 60 mil habitantes), que fica a 180 km da capital (Belo Horizonte) do estado de Minas Gerais.

Fundado no domingo, do dia 10 de outubro de 1943, a sua Sede está localizada na Rua Aldo Aviani, nº 91, no bairro Guarapiranga, em Ponte Nova. Mais informações está na postagem:

Na esfera profissional, o Palmeirense disputou duas edições do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão, organizado pela Federação Mineira de Futebol (FMF): 1961 e 1962.

Na estreia no profissionalismo, caiu na primeira fase

Nessa postagem, vamos relembrar o título que nesse ano completa 60 anos. O Palmeirense estreou literalmente com a “cara e a coragem“. Somado a falta de estrutura e “grana curta” a sua participação no Campeonato Mineiro da 2º Divisão de 1961, com a presença de 20 equipes, distribuídas em quatro grupos de cinco times, foi aquém.

O Palmeirense ficou no Grupo A, da Zona Centro, juntamente com Ferroviário Atlético Clube (Divinópolis), Esporte Clube Caratinga (Caratinga) e Minas Esporte Clube (Nova Era).

Mesmo sofrendo duas goleadas, a equipe do Pau D’Alho fez boas partidas tanto em Ponte Nova como em outras cidades. O estádio ganhou às pressas, arquibancadas e algumas reformas.

Como apenas o primeiro colocado avançava, o Palmeirense não passou da primeira fase ao terminar na 4ª colocação, com cinco pontos em oito jogos: duas vitórias, um empate e cinco derrotas; oito gols pró, 21 tento contra e um saldo positivo de 12.

Era presidente do clube Mário Lobo de Medeiros e o treinador José Tavares, o ‘Zé Biscoito’. O elenco foi montado com os seguintes atletas: Itamar, Carlos, Neri, General, Zé Galli, Zé Geraldo Cabeção, Fernando, Wilson Serrano, Júlio, Zin Lolli, Dodô Lolli, Darci, Roberto Villar, Lauro e Rubinho. O destaque era Lauro, com passagens pelo Atlético Mineiro, Ponte Preta/SP e São Paulo/SP.

EM PÉ (Esquerda para a direita): Paulo Castanheira (técnico), Itamar Borboleta, Wilson Serrano, Luiz Batatinha, senhora não identificada, Zé Galli, General, Isaías e Alfredo Amora (dirigente);
AGACHADOS (Esquerda para a direita): Domingos Surdo (massagista), Jaci, Pelezinho, Darci Guimarães, Faixa Branca, Zin Loli e Pedro Bala.

Título inédito da Zona Centro de 62

Na temporada seguinte, o Palmeirense voltou melhor preparado e fez um Campeonato Mineiro da Segunda de 1962, memorável. A competição contou com a participação de 19 times, divididos em duas chaves de 10 e nove equipes.

A equipe do Pau D’Alho teve a companhia do Pontenovense Futebol Clube. Apesar persistindo a falta de recursos financeiros, o Palmeirense ficou no Grupo da Zona Centro, juntamente com dez equipes: Curvelo Esporte Clube (Curvelo); Esporte Clube Itaúna (Itaúna); Ferroviário Atlético Clube (Divinópolis); Independente Futebol Clube (Vespasiano); Meridional Esporte Clube (Conselheiro Lafaiete); Paraense Esporte Clube (Pará de Minas); Pontenovense Futebol Clube (Ponte Nova); Sete de Setembro Futebol Clube (Belo Horizonte); Vila Esporte Clube (Formiga).

Com uma campanha espetacular, o Palmeirense foi o Campeão da Zona Centro com um aproveitamento de 80,6% dos pontos. O time recebeu vários reforços e o comando técnico foi entregue a Paulo Castanheira.

No elenco, nomes como: Itamar Borboleta, Zé Galli, Oceli, Wilson Serrano, Zito, General, Pelezinho, Fernando Tibúrcio, Luiz, Décio, Jaci, Hélio, Darci Guimarães, Zin Lolli, Rubinho, Isaías e o craque Pedro Bala, vindo do Clube de Regatas Vasco da Gama/RJ.

Numa das partidas no Pau D’Alho, o Palmeirense goleou o Ferroviário de Divinópolis pelo placar de 4 a 0 (vice-campeão de 1961). Abaixo a tabela de classificação da chave:

CLASSIFICAÇÃO DA ZONA CENTRO

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Palmeirense29181332332211
Paraense25181053351619
Itaúna2318954311912
Sete de Setembro181874728235
Meridional18176652628-2
Pontenovense17177371314-1
Vila Esporte Clube171865723230
Ferroviário17186572328-5
Independente11173591934-15
10ºCurvelo011701160428-24

Agora a campanha do Esporte Clube Palmeirense, com as datas, resultados e os locais dos jogos, abaixo:

1º TURNO

1º/08/62Palmeirense4X2MeridionalPonte Nova
12/08/62Sete de Setembro2X0PalmeirenseBelo Horizonte
19/08/62Palmeirense2X2Vila ECPonte Nova
26/08/62Pontenovense0X0PalmeirensePonte Nova
02/09/62Palmeirense (WO)XCurvelo *Ponte Nova
09/09/62Paraense2X3PalmeirensePará de Minas
16/09/62Palmeirense2X0IndependentePonte Nova
23/09/62Ferroviário1X2PalmeirenseDivinópolis
30/09/62Palmeirense1X0EC ItaúnaPonte Nova

2º TURNO

14/10/62Palmeirense3X1Sete de SetembroPonte Nova
21/10/62Meridional1X1PalmeirenseConselheiro Lafaiete
28/10/62CurveloXPalmeirense (WO)Curvelo
04/11/62Palmeirense1X0PontenovensePonte Nova
11/11/62Vila EC1X2PalmeirenseFormiga
18/11/62Palmeirense4X0FerroviárioPonte Nova
25/11/62Independente1X2PalmeirenseVespasiano
02/12/62EC Itaúna7X1PalmeirenseItaúna
09/12/62Palmeirense3X2ParaensePonte Nova

* Após perder por WO para Palmeirense, a Federação Mineira de Futebol aplicou uma punição de 200 dias ao Curvelo.

Distintivo atual

Vice-campeão da Segundona de 1962

Com a conquista da Zona Centro, o Esporte Clube Palmeirense  decidiu o título do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1962, com o Uberlândia Esporte Clube, vencedor da Zona Triângulo, em dois jogos de ida e volta.

No jogo de idana tarde de domingo, do dia 31 de Março de 1963 – o Uberlândia venceu o Palmeirense por 2 a 1, no Estádio Juca Ribeiro, em Uberlândia.

Os gols foram assinalados por Dimas e Zinho para os donos da casa, enquanto Pedro Bala fez o de honra da equipe alvinegra. A Renda foi de Cr$ 625.000,00. O árbitro foi Sr. Coracy Jerônimo, auxiliado por Elmo Sanchez e Witan Marinho, todos da FMF.

No jogo da voltana tarde de domingo, do dia 07 de Abril de 1963 – o Palmeirense recebeu o Uberlândia, no Estádio Mario Lobo, Pau D’Alho, em Ponte Nova, precisando da vitória. No entanto, acabou derrotado pelo placar de 2 a 0 (gols de Zinho). Com esse resultado, o Palmeirense ficoucomo vice-campeonato da Segunda Divisão de 1962. Vale lembrar que naquela época, apenas o campeão (Uberlândia) asseguraria vaga na Elite do Futebol Mineiro de 1963.  

Time base de 1962: Itamar Borboleta, Isaías, Zé Galli, General, Helvécio; Wilson Serrano, Darci Guimarães; Del Vechio, Zin Loli, Hélio (Jaci) e Pedro Bala (ex-jogador do Vasco da Gama/RJ).

Colaborou: Fabiano Rosa Campos

FOTO: Acervo de José Alfredo Padovani

FONTES: José Alfredo Padovani – Rsssf Brasil – Folha de Ituiutaba (MG)

Torneio Internacional de Verão de 1973: Fluminense se sagrou campeão!! Gérson ‘Canhotinha de Ouro’ foi o artilheiro!

EM PÉ (esquerda para a direita): Félix, Toninho Baiano, Pintinho, Bruñel, Assis e Marco Antônio;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Marquinhos, Kléber, Dionísio, Manfrini e Lula.

POR: Sérgio Mello

A segunda e última edição, do Torneio Internacional Verão de 1973, aconteceu entre os dias 27 de janeiro a 04 de fevereiro de 1973. A competição contou com a presença de quatro equipes (duas equipes cariocas e dois times argentinos):

Fluminense Football Club, Clube de Regatas Vasco da Gama, Asociación Atlética Argentinos Juniors (ARG)Club Atlético Atlanta (ARG). As equipes se enfrentaram em um turno único e o campeão seria aquele com o maior número de pontos. 

Regulamento

Por jogo, só seriam permitidas duas substituições em cada time, conforme a recomendação da FIFA. Se o torneio terminar empatado entre três clubes, será campeão o que tiver o melhor saldo de gols. Se persistir, vale o gol-average e ainda o sorteio está previsto em última hipótese.

No caso do torneio terminar empatado entre dois clubes, haverá uma partida extra, com prorrogação de 30 minutos (15 minutos cada tempo), caso termine empatado. E, se a igualdade persistir, a decisão será nos pênaltis para definir o campeão!

Vasco estreia com o pé direito

Técnico do Vasco: Mário Travaglini

O Torneio Internacional Verão de 1973, começou com um clássico do futebol Sul-Americano, no sábado, do dia 27 de Janeiro de 1973, entre o Vasco da Gama e o Argentinos Juniors/ARG, na noite de sábado, no aprazível Estádio de São Januário.

Com gol de Jorge Carvoeiro, a Cruz de Malta começou bem e venceu por 1 a 0. O Vasco apresentou um maior volume de jogo, buscando criar as principais jogadas pelas pontas.

O gol da vitória

Aos 30 minutos, Tostão penetrou e cruzou na área. A bola bateu no goleiro Spilinga e sobrou para , que passou para Jorge Carvoeiro que tocou para o fundo do barbante.

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       1          X         0          A.A. ARGENTINOS JUNIORS (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATASábado, do dia 27 de Janeiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 54.905,00
PÚBLICOcerca de 5 mil pessoas
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF)
AUXILIARESMoacir Miguel dos Santos (FCF) e José Muniz Brandão (FCF)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Eberval; Alcir Portela e Ademir (Gaúcho); Jorge Carvoeiro, Tostão (Roberto), Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
ARGENTINOS JUNIORSSpilinga; Marenda, Urchevik, Sosa e Montenegro; Tardivo e Pékerman (Alvarez); Rodriguez (Moreno), Cicarello, Cordero e Zurviria. Técnico: Juan Fiori
GOLJorge Carvoeiro aos 30 minutos (Vasco), no 2º Tempo
Técnico do Fluminense: Zezé Moreira

Fluzão bate Atlanta na estreia

Na estreia, no começo da noite de domingo, do dia 28 de Janeiro de 1973,o Fluminense derrotou o Atlanta/ARG por 1 a 0. O gol da vitória saiu dos pés do craque Gérson ‘Canhotinha de Ouro’, numa cobrança de falta magistral.

O gol do Canhotinha

Aos 26 minutos, Jair foi derrubado na entrada da área. Falta assinada pela arbitragem. Gérson ajeitou com carinho e bateu com categoria, colocando a bola no ângulo direito do goleiro Carballo, que nada pode fazer. Após o gol, o Tricolor criou boas chances, mas sem êxito. Na etapa final, o jogo ficou morno e o placar permaneceu inalterado.

FLUMINENSE F.C. (RJ)   1          X         0          C.A. ATLANTA (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATADomingo, do dia 28 de Janeiro de 1973
HORÁRIO18 horas
RENDACr$ 18.960,00
PÚBLICO1.833 pagantes
ÁRBITROLuís Carlos Félix (FCF)
AUXILIARESGeraldino César (FCF) e Luís Carlos Oliveira (FCF)
FLUMINENSEFélix; Toninho, Abel, Assis e Marco Antonio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair (Jeremias), Didi e Lula (Zé Roberto). Técnico: Zezé Moreira
ATLANTACarballo; Cortez, Pecoraro, Gutierrez e Lopez; Rodriguez e Fuentes; Ibañez, Caño, Gomez Voglino e Candau (Papalardo). Técnico: Rodolfo Petinoti
GOLGérson aos 26 minutos (Fluminense), no 1º Tempo.

Vasco não sai do zero com o Atlanta

EM PÉ (esquerda para a direita): Andrada, Paulo César, Moisés, Alcir Portela, Miguel, Alfinete e Jacinto Ferreira (massagista);
AGACHADOS (esquerda para a direita): Jorge Carvoeiro, Suingue, Tostão, Silva Batuta e Gilson Nunes.

A 2ª rodada, na noite de quarta-feira, do dia 31 de Janeiro de 1973,o Vasco não conseguiu furar o “ferrolho” do Atlanta/ARG, e ficou no empate sem gols, no Estádio de São Januário.

O Jornal dos Sports não perdoou e abriu a matéria: “Jogo bisonho, medíocre, o antifutebol. O torcedor carioca não merece assistir a partida como a de ontem à noite. Os argentinos entraram em campo dispostos a tudo para não perder e, quando o árbitro encerrou o jogo, o time inteiro do Atlanta trocava cumprimentos entre seus próprios jogadores. Pobre futebol argentino, que vive da violência  e da catimba“. 

C.R. VASCO DA GAMA (RJ)       0          X         0          C.A. ATLANTA (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATAQuarta-feira, do dia 31 de Janeiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 41.825,00
PÚBLICO3.956 pagantes
ÁRBITRONivaldo dos Santos (FCF)
AUXILIARESArtur Ribeiro de Araújo (FCF) e Wilson Dias Durão (FCF)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Fidélis; Alcir Portela (Gaúcho) e Ademir (Roberto); Jorge Carvoeiro, Tostão, Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
ATLANTACarballo; Gutierrez, Pecoraro, Cortez e Rodriguez (Diaz); Lopez (Alvarez) e Fuentes; Ibañez, Caño, Gomez Voglino e Candau. Técnico: Rodolfo Petinoti
GOLNenhum

Empate teve expulsão e tentativas de agressão ao árbitro

Argentinos Juniors
EM PÉ (esquerda para a direita): Tardivo, Urchevik, Pekerman, Marenda, Spilinga e Nicieza;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Cicarello, Pinasco, Moreno, Cordero e Carlos López.

No encerramento da 2ª rodada, na noite de quinta-feira, do dia 1º de Fevereiro de 1973, foi à vez do Fluminense não superar a retranca portenha e empatou em 1 a 1 com o Argentinos Juniors/ARG, no Estádio de São Januário.

Gols no 2º tempo

O primeiro tempo se resumiu numa única chance, desperdiçada por Gérson. Na etapa final, logo aos 4 minutos, Didi deu passe errado para Gérson, que não conseguiu alcançar a bola. Pékerman dominou e tocou para Zuviria que centrou na área. Moreno entrou entre a defesa Tricolor e testou firme para abrir o placar.  

Aos 18 minutos, o Fluzão empatou. Toninho correu pela direita e cruzou. A bola bateu na trave, e, no rebote, Gérson emendou para o fundo das redes. Segundo gol do Tricolor na competição e o 2º tento do Canhotinha de Ouro.

No momento que Gérson saia para comemorar o seu gol, Tardivo o atingiu, mas o árbitro não viu. Pouco depois, Tardivo voltou a agredir Gérson, mas dessa vez acabou expulso.

Revoltados, os argentinos tentaram agredir o árbitro Walquir Pimentel e o jogo ficou paralisado por alguns minutos. No retorno, o Fluminense melhorou e até pressionou, mas não conseguiu marcar e o resultado ficou mesmo no um a um.  

FLUMINENSE F.C. (RJ)               1          X         1          A.A. ARGENTINOS JUNIORS (ARG)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATAQuinta-feira, do dia 1º de Fevreiro de 1973
HORÁRIO21 horas e 15 minutos
RENDACr$ 11.190,00
PÚBLICO1.108 pagantes
ÁRBITROWalquir Pimentel (FCF)
AUXILIARESVálter Gino (FCF) e Joel Cavalcanti (FCF)
CARTÃO VERMELHOTardivo (Argentinos Juniors)
FLUMINENSEJorge Vitório; Toninho, Silveira, Assis e Marco Antonio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair (Jeremias), Didi (Libânio) e Zé Roberto. Técnico: Zezé Moreira
ARGENTINOS JUNIORSSpilinga; Urchevik, Marenda, Sosa e Montenegro; Tardivo e Pékerman; Rodriguez (Alvarez), Cicarello (Moreno), Cordero e Zurviria. Técnico: Juan Fiori
GOLMoreno aos 4 minutos (Argentinos Juniors); Gérson aos 18 minutos (Fluminense), no 2º Tempo
Club Atletico Atlanta
EM PÉ (esquerda para a direita): Hugo Carballo, Alejandro Onnis, Héctor López, Santiago Rico, Ramón Ledesma e Osvaldo Gutiérrez;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Miguel A. Papalardo, Aldo Rodríguez, Horacio Ibáñez, Rubén Cano e Juan A. Gómez Voglino.

jogo entre o Argentinos Juniors e Atlanta foi cancelado

Oficialmente, Vasco da Gama e Fluminense, de comum acordo, resolveram cancelar a partida preliminar entre as duas equipes argentinas. O presidente do Vasco, Agathyrno da Silva Gomes disse que o jogo seria desnecessário por não ter mais nenhuma influência no título do Torneio Internacional de Verão.

Além disso, seria uma despesa a mais e os dois times argentinos não acrescentariam nada à renda do jogo. Sobre a participação das equipes argentinas, o dirigente reconheceu que foram duas equipes fracas.

Extraoficialmente, os dirigentes Tricolores e Cruzmaltinos não gostaram da postura dos ‘hermanos’ que acabaram por manchar a competição com catimba, antijogo e jogo violento. Por isso, optaram em cancelar o jogo. Com isso, os argentinos deixaram de faturar parte da renda da partida.

Para a grande final, o presidente vascaíno colocou os ingressos à venda: arquibancada a Cr$ 10,00 (tanto para os sócios ou não sócios).  

Fluzão derrota o Vasco é fatura o título

A decisão ficou entre o Fluminense e Vasco da Gama, no domingo, do dia 04 de Fevereiro de 1973, no Estádio de Januário. Melhor para o Tricolor das Laranjeiras que venceu por 1 a 0, com o gol assinado por Lula no final da partida.

Gol no finzinho do jogo

Aos 43 minutos, quando o jogo parecia caminhar sem gols, veio o lance decisivo. Alcir Portela errou o passe e a bola sobrou para Jair, que abriu para Toninho na direita. O lateral centrou na área para Silveira, que num drible de corpo, tirou Moisés da jogada. A bola sobrou para Lula, que colocou no canto, sem chances para o goleiro argentino Andrada.

Gérson ‘Canhotinha de Ouro’

Curiosidade O meia tricampeão do Mundo em 1970, GérsonCanhotinha de Ouro’ fechou como o artilheiro do Torneio Internacional de Verão de 1973, com dois gols. Geralmente, o meia tem como característica colocar os companheiros na cara do gol, mas dessa vez Gérson foi o goleador do time.

FLUMINENSE F.C. (RJ)               1          X         0          C.R. VASCO DA GAMA (RJ)

LOCALEstádio de São Januário, no bairro São Cristóvão (atual bairro Vasco da Gama), na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTERTorneio Internacional de Verão de 1973
DATADomingo, do dia 04 de Fevereiro de 1973
HORÁRIO17 horas
RENDACr$ 82.655,00
PÚBLICO7.829 pagantes
ÁRBITROJosé Mário Vinhas (FCF)
AUXILIARESAluísio Felisberto da Silva (FCF) e Eduardo Meneses (FCF)
CARTÃO VERMELHOCafuringa (Fluminense)
VASCOAndrada; Paulo César, Miguel, Moisés e Alfinete (Fidélis); Alcir Portela e Ademir; Jorge Carvoeiro, Tostão, Dé Aranha e Amarildo. Técnico: Mário Travaglini
FLUMINENSEFélix; Toninho, Silveira, Assis e Marco Antônio; Denílson e Gérson; Cafuringa, Jair, Didi (Abel) e Lula. Técnico: Zezé Moreira
GOLLula aos 43 minutos (Fluminense), no 2º Tempo.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Fluminense53210312
Vasco da Gama33111110
Argentinos Juniors1201112-1
Atlanta1201101-1

Renda e Público

Torneio Internacional de Verão de 1973, teve um público total, nos três jogos, de 19.726 pagantes, que deu uma média de 3.945 por partida. A Renda dos cinco jogos, gerou um montante de Cr$ 199.493,00, que deu uma média de Cr$ 39.898,60 por partida.

FOTOS: World Soccer – Revista Placar – Acervo pessoal

FONTES: Jornal dos Sports (RJ) – Diário de Notícias (RJ)