Arquivo da categoria: Fotos Históricas

Sapopemba Athletico Club – Rio de Janeiro (RJ): Existiu entre 1921 a 1931

O Sapopemba Athletico Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A palavra “Sapopemba” é um nome tupi que significa “raiz angulosa, com protuberâncias“, através da junção dos termos sapó (“raiz”) e pem (“anguloso, com protuberâncias”).

O 1º nome do bairro de Ricardo de Albuquerque, situado na Zona Norte do Rio, era Sapopemba. Antigamente existiam fazendas nesta localidade, a maior delas chamava-se “Sapopemba“. O trem já circulava e fazia parada no bairro, por isso o nome do bairro era Parada Sapopemba.

Voltando ao futebol, o “Clube Verde-rubro” foi Fundado na sexta-feira, do dia 12 de Agosto de 1921, por um grupo de desportistas, com o intuito de correspondesse as expectativas dos habitantes de Deodoro. A sua Praça de Esportes ficava localizada na Estrada  Nazareth, próximo a Estação de Deodoro.

Reunidos e dado a conhecer o finalidade que os animava foi designado para o dia 18 de agosto do mesmo ano, para uma assembléia geral. No dia marcado, com um grande número de sócios deu-se cumprimento a deliberação que constituía o assunto que deu origem a convocação da assembléia. 

Ladislau Patão foi o seu 1º Presidente, o mais ardoroso daqueles dias, constituiu a diretoria um núcleo de devotados a causa do Sapopemba A. Club. Ganhando vitórias sobre vitórias, adquiriu nome, e cumpriu sempre seus deveres, tem vivido modestamente, mas galharda e orgulhosamente.

Foi campeão diversas vezes, e muitas conquistou lugares de destaque nos campeonatos. Das diversas diretorias, as mais proficientes, foram a do Sr. Omar Costa, que deu início os melhoramentos do clube, este fechou o campo coadjuvado por Ladislau Patão, Manoel Ignácio e muitos outros.  

Manoel Ignácio de Souza, tomou o encargo de na sua primeira gestão (1927) introduzir melhoramentos de grande importância e conforto, pois foi este juntamente com Ladislau, que colocou água, aparelho sanitário, etc.

Em 1928, Manoel Ignácio, apesar de estar fora da diretoria, conseguiu iniciar a construção da arquibancada, e o esforçado Ladislau, foi a coluna mestra nesta obra, auxiliado em parte por alguns diretores.

Em 1929, na gestão de Abílio Vanzan, foi inaugurado o importante serviço de socorro destinado aos jogadores, serviço este idealizado pelo secretário geral, João Nepomuceno Barcellos, que exercia funções acumuladas de diretor e enfermeiro da Caixa de Socorros Leontina Patão, serviço este bem aparelhado, dispondo de medicamentos para socorros de urgência e material cirúrgico.

O diretor técnico de sports, Juvenal de Oliveira, o homem que muito contribuiu para as constantes vitórias, que possuía como auxiliar, Balbino Motta

Em 1927 o “Clube Verde-rubro” estava filiado a Liga Leopoldinense de Football (LLF). Na segunda-feira, do dia 23 de Julho de 1928, a LLF se unificou com a Associação Athletica Suburbana (AAS), dando origem a Associação Carioca de Esportes Athleticos (ACEA), situado na Rua Anna Nery, nº 335, no bairro de Benfica, na zona norte do Rio.

Sapopemba fica com o vice-campeonato nos Primeiro e Segundos Quadros 

Na domingo, do dia 13 de Janeiro de 1929, válido pelo Campeonato da Associação Carioca de Esportes Athleticos (ACEA) de 1928, se enfrentaram os campeões dos grupos: Sapopemba Athletico Club (da serie Central) e Athletico Club Cordovil (da serie Cidade), na Praça de Esportes, da Avenida Francisco Bicalho (em frente a Estação Barão de Mauá), no Centro do Rio.

No final, num jogo equilibrado, o Sapopemba acabou derrotado pelo placar de 1 a 0. O gol do título foi assinalado pelo atacante Joãozinho, do Cordovil, na primeira etapa. Com isso, o Sapopemba ficou com o vice-campeonato (recebeu o Troféu Imprensa) da florescente entidade suburbana.

A partida foi arbitrada pelo Sr. Saint Justo Filho (Sport Club São José), que teve boa atuação. No título dos Segundos Quadros, novamente o Sapopemba chegou na final e, de novo, ficou com vice. O Mauá Football Club venceu por 3 a 1, se sagrando campeão.

Sapopemba A.C.: Agnaldo; Jesuino e Ribeiro; Pery, Mamão e Manata; Campista, Jahú, Machado, Novello e Jayme. Técnico: Juvenal de Oliveira

A.C. Cordovil: Paulo; Nascimento e Ananias; Gradin, Damião e Lauro; Joãozinho, Belmiro, Neco, Honório e Barriga.

Sapopemba “cai” na semifinal do Torneio Início de 1929

O Torneio Início da Divisão Suburbana, da ACEA, aconteceu no domingo, do dia 05 de Maio de 1929, na Praça de Esportes, do Sapopemba localizado próximo a Estação de Deodoro. O campeão foi o Internacional Football Club.

Primeira Fase

São José0X1InternacionalÁrbitro: Nerval Costa (Argentino F.C.)
FlorestaXIrajáos dois times não compareceram ao jogo
Municipais0X2SapopembaÁrbitro: Antonio Saint Justo Filho (S.C. São José)
Recreio1X0CoqueiroÁrbitro: Miguel Veríssimo dos Santos (Internacional F.C.)
Estrela D’Alva1X0ArgentinoÁrbitro: Alberto Alves (Coqueiro F.C.)

Segunda Fase

Rio F.C.XInternacionalO Internacional venceu por W.O.
Floresta/IrajáXSapopembaO Sapopemba venceu por W.O.
Recreio1X0Estrela D’AlvaÁrbitro: Jorge Perrot (Sapopemba A.C.)

Semifinal

Internacional1X0SapopembaÁrbitro: Alberto Lambert (Argentino F.C.)

FINAL

Internacional0X0Recreio F.C.Árbitro: Alberto Lambert (Argentino F.C.) O Inter venceu no critério de escanteios: 1 a 0.

Arquibancadas inauguradas em 1929

No domingo,às 13 horas, do dia 18 de Agosto de 1929, a diretoria do Sapopemba inaugurou as arquibancadas e demais dependências da sua Praça de Esportes, localizado próximo da Estação de Deodoro.

Sapopemba altera o nome em 1931

Na terça-feira, do dia 28 de abril de 1931, a diretoria Sapopemba Athletico Club solicitou filiação a Liga Metropolitana, já com o novo nome: Deodoro Athletico Club.

Time base de 1928 – Agnaldo; Jesuino e Ribeiro; Pery, Mamão e Manata; Campista, Jahú, Machado, Novello e Jayme. Técnico: Juvenal de Oliveira

Time base de 1929 – Agnaldo; J. Augusto (Jesuino) e Ribeiro; Pery, Mamão e Manata; Machado, Jahú, Fraga, Marcello e Luveira (Jarbas). Técnico: Juvenal de Oliveira.

FONTES: A Manhã (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal dos Sports (RJ)

Unidos de Manguinhos Futebol Clube – Armação de Búzios (RJ): Fundado em 1959

O Unidos de Manguinhos Futebol Clube é uma agremiação da cidade de Armação de Búzios (RJ). Fundado na terça-feira, do dia 23 de Junho de 1959. A sua Sede fica localizado na Av. José Bento Ribeiro Dantas, s/n, no bairro Manguinhos, em Búzios. As suas cores: verde e branco.

A história desta agremiação é limitada, mas dentro do que foi possível resgatar será contada. O clube alviverde, juntamente com o Perynas Atlético Clube,  ganhou a filiação na LCD – Liga Cabofriense de Desportos (situada na Rua Major Belegard, nº 525, no bairro São Bento, em Cabo Frio), título de a experiência por 365 dias (um ano), em 14 de julho de 1961. Com isso, o Unidos de Manguinhos disputou o Campeonato Citadino de Cabo Frio, em 1961 e 1962.

No domingo, às 11h30min., do dia 16 de Julho de 1962, foi realizado o Torneio Início da LCD, no Estádio Municipal. Participaram seis equipes: Associação Atlética Cabofriense, Clube Esportivo Sergipe, Perynas Atlético Clube, Tamoio Esporte Clube, Unidos Atlético Clube e Unidos de Manguinhos. Na final, que teve a duração de 60 minutos, a Cabofriense ficou com o título, ao vencer o Perynas por 3 a 2.

Resultados

Tamoio0 (1)X0 (2)CabofriensePênaltis: João Marcos (AAC) e Luiz (TEC)
Sergipe1X0Unidos de ManguinhosGol(S): Renato, de pênalti.
Unidos A.C.0 (1)X0 (2)PerynasPênaltis: Roberto (PAC) e Wilson (UAC)
Cabofriense3X1SergipeGol(S): Luiz, Walter e João.
Perynas2X3CabofrienseGol(S): Célio, duas vezes, e Manuel (AAC); Ailton e Edílson (PAC).

O Campeonato Citadino de Cabo Frio, teve início no domingo, do dia 30 de Julho de 1962, até domingo, do dia 11 de novembro de 1962. Devido a falta de praças de esportes, os primeiros jogos foram realizados no Estádio Municipal.

1ª Rodada

30/07/62C.E. Sergipe2X0Unidos A.C.
06/08/62Perynas A.C.1X1A.A. Cabofriense
13/08/62Tamoio E.C. X Unidos de Manguinhos F.C.

2ª Rodada

20/08/62Unidos A.C. X A.A. Cabofriense
27/08/62Unidos de Manguinhos F.C. X C.E. Sergipe
03/09/62Tamoio E.C. X Perynas A.C.

3ª Rodada

10/09/62A.A. Cabofriense X Unidos de Manguinhos F.C.
17/09/62Perynas A.C. X Unidos A.C.
24/09/62C.E. Sergipe X Tamoio E.C.

4ª Rodada

1º/10/62Unidos de Manguinhos F.C. X Perynas A.C.
08/10/62A.A. Cabofriense X C.E. Sergipe
15/10/62Unidos A.C. X Tamoio E.C.

5ª Rodada

22/10/62C.E. Sergipe X Perynas A.C.
29/10/62Unidos A.C X Unidos de Manguinhos F.C.
05/11/62Tamoio E.C. X A.A. Cabofriense

No domingo, às 11h30min., do dia 05 de Agosto de 1962, foi realizado o Torneio Início da LCD, no Estádio Municipal. Estiveram presentes nove equipes: Associação Atlética Cabofriense, Arraial Esporte Clube, Clube Esportivo Sergipe, Esporte Clube Operário, Guarany Esporte Clube, Perynas Atlético Clube, Tamoio Esporte Clube, Tupy Esporte Clube e Unidos de Manguinhos.

Na grande final de Aspirantes, por causa da falta de luz (foram jogados oito minutos), precisou ser realizado no outro domingo: 12/08/62, no mesmo local. Nos 52 minutos finais, O Tupy, mesmo com nove jogadores, conseguiu sustentar o placar em branco nos primeiros 30 minutos. 

Porém, na meia-hora final, a Cabofriense soube se aproveitar da vantagem numérica e goleou o Tupy pelo placar de 4 a 0. Os gols foram assinalados por Carlinhos, Aguinaldo, Zé Carlos (pênalti) e Cinho.       

1º Jogo

Tamoio E.C.1X0Unidos de Manguinhos F.C.Gol(S): Joel
Árbitro: Nelson de Oliveira / Auxiliares: Jovino Tavares de Almeida e Virgilio Alves da Cunha

2º Jogo

Tupy E.C.0 (3)X0 (0)Perynas A.C.Pênaltis: Abiud
Árbitro: Jovino Tavares de Almeida / Auxiliares: Joaquim Soares dos Santos e Virgilio Alves da Cunha

3º Jogo

Arraial E.C.0 (3)X0 (1)E.C. OperárioPênaltis: João Mangona
Árbitro: Miguel da Silva / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Joaquim Soares dos Santos

4º Jogo

A.A. Cabofriense1X0C.E. SergipeGol(S): Jorginho
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Miguel da Silva

5º Jogo

Guarany E.C.0 (3)X0 (2)Tamoio E.C.Pênaltis: João Pires (GEC)
Árbitro: Virgilio Alves da Cunha / Auxiliares: Miguel da Silva e Joaquim Soares dos Santos

6º Jogo

Tupy E.C.1X0Arraial E.C.Gol(S): Abiud
Árbitro: Nelson de Oliveira / Auxiliares: Joaquim Soares dos Santos e Virgilio Alves da Cunha

7º Jogo

A.A. Cabofriense1X0Guarany E.C.Gol(S): Emanuel
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos / Auxiliares: Nelson de Oliveira e Miguel da Silva

8º Jogo

A.A. Cabofriense4X0Tupy E.C.Gol(S): Carlinhos, Aguinaldo, Zé Carlos e Cinho.         
Árbitro: Joaquim Soares dos Santos

A partir daí, não foi encontrado mais informações do Unidos de Manguinhos, na década de 60. Segundo relatos, essa agremiação disputou outras edições do certame de Cabo Frio.

Contando com a ajuda do pesquisador Mario Ielo, o Unido de Manguinhos participou do Campeonato Citadino de Cabo Frio de 1971, organizado pela Liga Cabofriense de Desportos.

Lembrando que tanto Arraial do Cabo quanto Armação de Búzios eram distritos de Cabo Frio. Apenas em 1985, Arraial do Cabo e 1995, Armação de Búzios, obtiveram a emancipação, ganhando o status de munícipio. A competição, que teve a Cabofriense como a grande campeã, contou com a presença de dez equipes:

Associação Atlética Cabofriense (Cabo Frio);

Arraial Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Atlético Clube Tufão (Cabo Frio);

Clube Esportivo Sergipe (bairro da Passagem, em Cabo Frio);

Esporte Clube Operário (Cabo Frio);

Guarany Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Perynas Atlético Clube (Cabo Frio);

Tamoyo Esporte Clube (Cabo Frio);

Tupy Esporte Clube (Arraial do Cabo);

Unidos de Manguinhos Futebol Clube (bairro Manguinhos, em Armação de Búzios).

A partir daí, na década de 70, o clube atravessava um crise institucional, e, Raimundo Farias alterou o nome para Búzios Esporte Clube, tendo seu CNPJ 30.345.011/0001-74, sendo aberto em 1º de Janeiro de 1978. Este clube existe até hoje. Já o Unidos de Manguinhos, há um movimento para recolocá-lo novamente em atividade, a fim de disputar as competições de veteranos na região.

Fotos: Prof. José Francisco de Moura, Chicão

FONTES: Última Hora (RJ)Flávio Rebel

Sport Club Fluminense – Niterói (RJ): Fundado em 1916, jogou duas edições do Campeonato Fluminense em 1926/27

O Sport Club Fluminense (atual Fluminense de Natação e Regatas) foi uma agremiação da cidade de Niterói (RJ). Fundado na quinta-feira, do dia 27 de julho de 1916, por um grande grupo de remadores, composto por:

Armando Magalhães, Arthur Mattos Silva, Benjamin Costa, Carlos Imbassahy, Célio Ferreira da Costa, Cezar Gonçalves de Mattos, Eduardo Imbassahy, Emílio Mattos, Eugênio Duarte, Francisco Mattos Silva, Hamilton Peçanha, João Mello, José de Oliveira Campos Junior, José Mattos, Lourival Barbosa e Murillo Souza Soares.

As atividades da agremiação azul e branco se iniciaram com a aquisição daeeira “Rapa o Yole a 2 baliza” e a partir daí, tem início uma trajetória de sucesso e demonstração de apreço ao remo. A sua Sede ficava localizada na Rua (atual Avenida) Visconde do Rio Branco, nº 197, no Centro de Niterói.

A 1ª Diretoria do clube Alvianil foi constituída pelos seguintes membros:

Presidente – José de Oliveira Campos Junior;

1º Secretário – Murillo Souza Soares;

2º Secretário – Alfredo Rosa;

1º Thesoureiro – Frederico Lago;

2º Thesoureiro – João Vaz de Andrade;

Diretor Geral de Sport – Francisco Mattos Silva.       

Inaugurado a Praça de Esportes

Apesar do “carro-chefe” ser o iatismo, remo e natação, em menos de seis meses depois, o clube inaugurou o seu Ground, no domingo, do dia 14 de Janeiro de 1917, situado na Rua Santa Rosa, nº 354, no bairro Santa Rosa, em Niterói. Com isso, o futebol foi inserido no seio dessa agremiação niteroiense.  

S.C. Fluminense organizou a 1ª Regata Náutica de Niterói, em 1917

Na quarta-feira, do dia 07 de março de 1917, graças a gentileza do Clube de Regatas Lage, que cedeu o seu lugar para o Sport Club Fluminense, filiado (no dia 02 de fevereiro de 1917) a União das Sociedades do Remo, da Lagoa Rodrigo de Freitas, que realizou a 1ª regata náutica de Niterói.

O evento, transcorreu na enseada da Armação de Niterói, no domingo, do dia 10 de junho daquele ano. O local foi no cais da Rua Visconde de Rio Branco, defronte a Sede do Sport Club Fluminense, compreendendo a extensão nunca inferior a 500 metros, achava-se repleto de famílias  e cavalheiros que acompanhavam a disputa dos páreos.

O Clube de Regatas Jardinense (uniforme: vermelho e âncora branca) terminou na 1ª colocação no geral: quatro ouros e três pratas; em 2º lugar o Club de Regatas Piraquê (uniforme: rubro-negro em listas horizontais) com quatro ouros e duas pratas; na 3ª posição o Sport Club Fluminense (uniforme: azul e branco em listas verticais) com um ouro e duas pratas; no 4º lugar o Clube de Regatas Lage (uniforme: branco e emblema verde) com um ouro e uma prata.

Em 1919, deixou a União das Sociedades do Remo. No ano seguinte, mais precisamente na terça-feira, do dia 28 de dezembro de 1920, se filiou na Federação Brasileira das Sociedades do Remo. Em 1921, o clube contava com cerca de 300 sócios.

Algumas aparições no esporte bretão

Em 1917, era filiado a Associação Nictheroyense de Football (ANF). Em 1918, disputou o Campeonato Fluminense, organizado pela Associação Fluminense de Desportos Terrestres (AFDT).

No entanto, a competição não terminou, uma vez que a ‘gripe espanhola(foi uma pandemia – muito similar a Covid-19 – que aconteceu entre 1918 e 1919, atingindo todos os continentes e deixando um saldo de, no mínimo, 50 milhões de mortos ), fez o mundo parar. O Byron liderava até ser interrompido. Posteriormente, o Campeonato Fluminense de 1918 não foi reconhecido como uma competição estadual pela FFD (Federação Fluminense de Desportos).

Nova Sede é inaugurada

No sábado, às 21 horas, do dia 06 de Março de 1926, o clube inaugurou a sua nova sede, na Rua (atual Avenida) Visconde do Rio Branco, nº 171, no Centro de Niterói. No evento, esteve presente o então governador do estado do Rio de Janeiro, Feliciano Pires de Abreu Sodré (23/12/1923 a 22/12/1927), acompanhado dos seus secretários.

O edifício (arquitetado pelo Sr. Albano Pereira do Nascimento) é uma linda construção arquitetônica, possuindo dois pavimentos, sendo o superior constante de um salão para bailes e recepções, secretaria, arquivo, toillet (toalete) para as damas e terasse (terraço); na parte inferior acham-se a garagem, rouparia, banheiros, aparelhos sanitários e  área com diversos aparelhos para cultura física.

Campeão de Water Polo Juvenil e Infantil

O Sport Club Fluminense quebrou uma seqüência de cinco títulos seguidos do Centro de Canoagem Guanabara, e faturou a inédita conquista de Water Polo Juvenil de 1925, da Federação Brasileira das Sociedades do Remo (FBSR).

Na final, a equipe Alvianil bateu o Guanabara por 3 a 1. O time campeão foi: Geraldo Imbassahy de Mello, Waldemar Marques, Francisco Watson, João Pinto Rodrigues Filho, Araken do Prado Rabello, Oriente Ferreira e Jesus Pinheiro Motta.

Em 1927, foi à vez da equipe infantil, que na grande final venceu o Clube de Regatas Guanabara pelo placar de 4 a 0, no pitoresco Retiro da Saudade, na Lagoa Rodrigo de Freitas, organizado pela FBSR.

O Fluminense conquistou o título de forma invicta e sem sofrer nenhum gol. Os gols foram assinalados por: Almir (duas vezes), Moacyr e Haroldo. O quadro vencedor: Lício, Haroldo, Moacyr Braga Land, Joasil, Oswaldo, Almir de Castro LIsboa e Mira.

SC Fluminense ajudou a fundar a AFEA

Às 20h30min., da terça-feira, no dia 09 de novembro de 1924, foi fundado a Associação Fluminense de Esportes Athléticos (AFEA). A Sede provisória ficava no Canto do Rio: Praia de Icarahy, nº 407, no bairro de Icaraí, em Niterói.

Os clubes fundadores foram os seguintes: Rio Cricket Associação Atlética; Canto do Rio Football Club, Grupo de Regatas Gragoatá, Club de Regatas Icarahy, Internacional Football Club e Sport Club Fluminense, todos da cidade de Niterói e a exceção: Serrano Football Club, de Petrópolis.

Após algumas reuniões, na quarta-feira, do dia 07 de janeiro de 1925, em assembléia geral, foi constituída a 1ª Diretoria da AFEA, com os seguintes cargos e membros:

Presidente – Rodolpho Fernandes de Macedo;

Vice-Presidente – L. E. Rogers;

1º Secretário – Arthur Pereira Legey;

2º Secretário – Mucio Soares;

1º Thesoureiro – Odmar Bastos;

2º Thesoureiro – Ismar Barbosa.  

PS: Menos de seis meses, Rodolpho Fernandes de Macedo, alegando problemas pessoais, renunciou o cargo. Após a reunião anterior ter definido o vencedor, na sexta-feira, do dia 24 de julho de 1925, tomou posse o coronel José Ferreira Aguiar a presidência da AFEA.

O Campeonato Fluminense de Futebol da AFEA começou em 1925, mas o Sport Club Fluminense participou pela 1ª vez em 1926, e, repetindo à dose no ano seguinte (1927).

Em 1947, o clube alterou o nome

No início da década de 40, a agremiação aportuguesou o nome, passando a se chamar: Esporte Clube Fluminense. Posteriormente, veio outra mudança: oficialmente, na segunda-feira, do dia 27 de Janeiro de 1947, alterou o nome para Fluminense Natação e Regatas.

Time base de 1917: Bambu; Oscar e Luiz; João I, Oscarino e Pedro; Paschoal, Octacílio, João II, Vadinho e Nelson.

Uniforme, escudo, pesquisa e texto: Sérgio Mello

COLABOROU: Auriel de Almeida

FOTOS: Companhia Nacional de Tabacos Olympicos – Vida Sportiva (RJ) – Careta (RJ)

FONTES: A Razão (RJ) – O Brasil (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Gazeta de Notícias (RJ) – Jornal do Brasil (RJ) – Lanterna: Diário Vespertino (RJ) – O Brasil (RJ) – O Fluminense (RJ) – O Imparcial (RJ) – O Imparcial: Diário Ilustrado do Rio de Janeiro (RJ) – O Paiz (RJ) – Sport Ilustrado (RJ)

Maringá Atlético Clube – Maringá (PR): Campeão Estadual da 2ª Divisão de 1989

O Maringá Atlético Clube foi uma efêmera agremiação da cidade de Maringá (PR). A história do clube tem relação com a paixão pelo futebol de Elnio Silveira Pohlmann. O desportista fundou o Grêmio de Esportes Maringá, popular “Apucarana“, nome histórico e folclórico do futebol paranaense.

Já foi diretor do Grêmio de Esportes Maringá e, posteriormente, Fundou na terça-feira, do dia 03 de Janeiro de 1989, o Maringá Atlético Clube, o MAC. A sua Sede administrativa ficava situada na Rua Santos Dumont, nº 2.675/ Sala 06 / 2º Andar, no bairro Zona 01, em Maringá (PR).

Suas cores correspondem a bandeira da cidade de Maringá: branco, amarelo e vermelho. A mascote era o Cachorro! A equipe mandava os seus jogos no Estádio Regional Willie Davids, com capacidade para 16 mil pessoas.

Campeão da Segunda Divisão Paranaense de 1989

O MAC debutou na esfera profissional ainda em 1989, quando disputou o Campeonato Paranaense da 2ª Divisão, organizado pela Federação Paranaense de Futebol (FPF). E, de cara, faturou o título inédito!

A competição contou com a participação de 22 clubes, divididos em quatro grupos (três chaves com seis equipes e um com quatro times). O MAC ficou na “Chave Norte” juntamente com:

Arapongas Esporte Clube (Arapongas),Sociedade Esportiva e Recreativa Japurá (Japurá), Nacional Atlético Clube (Rolândia), Jandaia Esporte Clube (Jandaia do Sul) e Clube Atlético Cambé (Cambé).

Na 1º Fase, o MAC terminou na 2ª colocação, com 14 pontos em 10 jogos: sete vitórias e três derrotas; marcando 24 gols e sofrendo 12, com um saldo positivo de 12.

Avançaram para a 2ª Fase, o MAC, Japurá e Arapongas, que se enfrentaram em turno e returno. No final, o Maringá terminou com o mesmo número de pontos do Arapongas, mas ficou em 2º lugar no saldo de gols: foram oito pontos em seis jogos; duas vitórias e quatro empates; marcando seis gols e sofrendo três, um saldo de três.   

Na 3ª Fase, o Maringá ficou na Chave C, com o Comercial Esporte Clube (Ubiratan) e Clube Esportivo Caxias (Palmas). O MAC terminou na 1ª posição com Seis pontos em quatro jogos: duas vitórias e dois empates; marcando nove gols e sofrendo quatro, com um saldo positivo de cinco.

Com isso, o time avançou para as Semifinais. No jogo de ida, domingo, do dia 19 de novembro de 1989, o MAC venceu, em casa, o União Operário Esporte Recreativo (Laranjeiras do Sul)pelo placar de 3 a 0.   

No jogo da volta, domingo, do dia 26 de novembro de 1989, o MAC arrancou empate em 1 a 1, fora de casa, com o União Operário Esporte Recreativo (Laranjeiras do Sul), avançando para a grande final.

No 1º jogo da decisão, domingo, do dia 03 de dezembro de 1989, o MAC foi até Arapongas e bateu o time da casa pelo placar de 2 a 1. No jogo final, domingo, do dia 10 de dezembro de 1989, o Maringá Atlético Clube voltou a vencer o Arapongas Esporte Clube (Arapongas), por 1 a 0, se sagrando campeão Paranaense da Segunda Divisão pela 1ª vez na sua curta história!

No total, a campanha do MAC foi a seguinte: 35 pontos em 24 jogos: 14 vitórias, 07 empates e 03 derrotas; marcando 46 gols e sofrendo 21, com um saldo positivo de 25.

Debuta na Elite do futebol da Paraná sem perder para os grandes

O título rendeu ao MAC o direito de jogar pela vez no Campeonato Paranaense da 1ª Divisão de 1990. A competição contou com a  participação de 22 clubes, divididos em dois grupos Azul e Branco.     

O Maringá Atlético Clube ficou no Grupo Azul, terminando na 9ª colocação com 17 pontos, em 21 jogos, foram cinco vitórias, sete empates e nove derrotas; marcando 17 gols e sofrendo 17, com saldo zero. No geral, o MAC ficou na 14ª posição.

Um fato, no mínimo, curioso, foi que o Maringá enfrentou os quatro grandes do estado e não perdeu. Foi uma vitória e três empates: no domingo, do dia 04 de fevereiro de 1990, venceu o Londrina por 1 a 0, no Estádio Willie Davids.

No domingo, do dia 04 de Março, empatou com o Coritiba em 0 a 0, no Estádio Couto Pereira; No quarta-feira, do dia 14 de Março, outro empate, dessa vez com o Paraná Clube em 0 a 0, no Estádio Willie Davids. No sexta-feira, do dia 25 de Maio, ficou no empate sem gols, com o Athletico Paranaense, no Estádio Joaquim Américo.

Estadual de 1991, clube abandona após três rodadas

O MAC teve uma participação melancólica no Campeonato Paranaense da 1ª Divisão de 1991. A competição teve a presença de 24 equipes. O Maringá Atlético, estava no Grupo A, começou bem. Estreou, no domingo, do dia 24 de fevereiro, empatando, em casa, em 1 a 1 com o Apucarana.  

Pela segunda rodada, no domingo, do dia 3 de março, perdeu, fora de casa, pelo placar de 1 a 0 para o Campo Mourão. Na 3ª rodada, na sexta-feira, do dia 8 de março, o Maringá Atlético recebeu o Paranavaí e venceu por 2 a 0.

Após esse jogo, a diretoria do Maringá Atlético tomou uma decisão radical e comunicou a Federação Paranaense de Futebol (FPF), que o clube estava desistindo do campeonato.

A FPF decidiu anular os seus jogos e o clube foi automaticamente rebaixado para o Campeonato Paranaense da Segunda Divisão. No final do ano, mais precisamente no dia 10 de dezembro de 1991, a direção informou que o clube estava fechando às portas para nunca mais retornar.

DESENHO DOS ESCUDOS, UNIFORMES E TEXTO: Sérgio Mello

COLABOROU: Rodrigo S. Oliveira

FOTOS: Museu dos Esportes

FONTES: Wikpédia – Arquivos de Levi Mulford Chrestenzen

CSA – Maceió (AL): Escudo raro de 1973, que contou com Dida e Garrincha

O CSA (Centro Sportivo Alagoano) é uma agremiação da cidade de Maceió (AL). A sua Sede fica na Av. Menino Marcelo, nº 8.122, na Cidade Universitária, em Maceió (AL). O Centro de Treinamento Gustavo Paiva fica situado na Av. Major Cícero de Góes Monteiro, nº 2.593, bairro Mutange, em Maceió (AL).

O “Azulão do Mutange” foi Fundado no domingo, do dia 7 de Setembro de 1913, na Sociedade Perseverança e Auxiliar dos Empregados no Comércio, quando um grupo de desportistas, liderado por Jonas Oliveira, se reuniu com o objetivo de criar a agremiação.

O 1º nome foi Centro Sportivo Sete de Setembro, em homenagem a sua data de fundação, e começou a funcionar na própria sede da Sociedade Perseverança, onde ficavam guardados os seus primeiros barcos. Ali, se formou uma verdadeira academia de atletas, pois o clube tinha um ótimo corpo de lutadores de boxe, luta greco-romana, além de levantamento de peso, lançamento de dardo e de disco e esgrima.

Os esportes náuticos só entraram na história do clube em 1917 e, durante muitos anos, seus associados usaram a Lagoa Mundaú para passeios e competições náuticas.

Não demorou muito tempo e a sede do clube foi transferida para uma das dependências do Palácio Velho, antigo Palácio do Governo. Em seguida, no ano de 1915, mais uma mudança ocorreu e a sede azulina passou a funcionar em um prédio na Praça da Independência, antiga Praça da Cadeia, pertencente ao Tiro de Guerra.

Foi aí, inclusive, que o time realizou seus treinos e jogos. O 1º jogo dos azulinos foi contra uma equipe formada por alagoanos que estudavam em Recife e os azulinos venceram por 3 a 0.

O Escudo do Golfinho

Dois anos após a fundação, aconteceu a primeira modificação do nome do CSA que, de Centro Sportivo Sete de Setembro passou a se chamar Centro Sportivo Floriano Peixoto, em 1915.

No sábado, do dia 13 de abril de 1918, o time mudou mais uma vez a sua razão social e foi batizado, em assembléia geral, com o nome de Centro Sportivo Alagoano, que de imediato passou a se identificar com o povo alagoano e a ser conhecido como o “Clube das Multidões“.

O CSA é o maior vencedor do Campeonato Alagoano da 1ª Divisão, com um total de 40 títulos, oito a mais do que o seu maior rival: CRB com 32 conquistas.

Breve história de O Escudo do Golfinho de 1972/73

O escudo na verdade foi uma logomarca do CSA, lançado o projeto, no sábado, do dia 23 de Setembro de 1972, para apresentação da maquete da nova Sede Social e Náutica.

O intuito do evento era a venda de títulos patrimoniais, a fim de que o clube pudesse levantar o montante para a construção do Parque Esportivo do Centro Sportivo Alagoano, no bairro do Mutange, localizado às margens da Lagoa Mundaú. No final, chegou a ser construída uma piscina, mas posteriormente acabou sendo aterrada.  

Em 1973, o CSA realizou vários jogos com um escudo diferente e bonito (pelo menos para mim), onde é possível ver um golfinho de boné, abraçando uma bola e sobre o contorno oval, com as letras CSA. O distintivo ficou conhecido entre os torcedores azulinos como “O Escudo do Golfinho“.

Mané Garrincha, em 19/09/1973

Garrincha vestiu a camisa nº 7, do CSA

Na noite de quarta-feira, do dia 19 de Setembro de 1973, aproveitando a folga na rodada do Campeonato Brasileiro da 1ª Divisão, o CSA realizou um amistoso, contra o ASA de Arapiraca (Associação Sportiva São Domingos, do município alagoano de Murici foi convidada, mas rejeitou por não ter chegado a um acordo financeiro), no Estádio Rei Pelé, em Maceió.

Nessa partida, Mané Garrincha foi a grande atração da partida. O jogador, que ficou hospedado no Parque Hotel, definiu a sua presença após uma reunião do seu empresário W. F. Galiza com os dirigentes do clube alagoano: Aurélio Lages, Fernando Collor e Arnaldo Chagas, com a colaboração do radialista Haroldo Miranda.

Garrincha jogou ao lado do meia Dida (então na função de técnico do CSA), seu companheiro na Copa do Mundo de 1958, na Suécia. Mané recebeu diversas homenagens (recebeu três lindos troféus: da diretoria do CSA, da Associação de Cronistas Desportivos de Alagoas e de uma firma de Maceió) e fez um pedido (que foi atendido): que a entrada fosse franqueada para as crianças até 12 anos.  

Na partida, Dida, então com 39 anos, já não gozava de um condicionamento físico de outrora. Por isso, jogou os primeiros 20 minutos da etapa inicial, o suficiente para deixar a sua marca.

O técnico do ASA, Júlio Silva lamentou que o marcador do Mané, também com 39 anos, seria o lateral Luizão, porém o mesmo estava contundido e não pode jogar. O treinador revelou que Luizão chorou, pois queria enfrentar Garrincha e ser mais um “novo João“.

No final, o CSA venceu o ASA pelo placar de 3 a 1. Garrincha não marcou. Os tentos foram do veterano Dida, Tião (contra) e Manoelzinho Cariri. Para o ASA de Arapiraca, Zito fez o tento de honra.

Da esquerda para a direita: Dudu e Manoelzinho Cariri (autor de um dos gols)

DESENHO DO ESCUDO, UNIFORME E TEXTO: Sérgio Mello

FOTOS: Acervo de Walter Luís – Museu dos Esportes

FONTES: site oficial do clube – Federação Alagoana de Futebol (FAF) – Wikipédia – “O Escudo do Golfinho – CSA 1972”, no Futebol Alagoano para Sempre, autoria de Walter Luís (YouTube) – Jornal dos Sports (RJ) – Diário de Pernambuco (PE)

1º Escudo de 1934: Tramways Sport Club – Recife (PE)

O Bicampeão Pernambucano de 1936-37, o O Tramways Sport Club foi uma agremiação da cidade de Recife (PE). O Tramwiano ou Transviário foi Fundado na quinta-feira, do dia 24 de Maio de 1934, após a fusão de três equipes internos da empresa Pernambuco Tramways & Power Com-pany Limited: Aurora Sport Club (Escritório), Tuiuty Força  Sport Club (Oficinas  e  Setor de Eletricidade)  e  Trafégo Sport Club (Trafégo).   Essa adesão ocorreu no  bairro da Torre e teve como primeiro presidente Conrad Riebsch.

O Tramways possuía uma estrutura de grande clube, como o Estádio Parque da Jaqueira, com capacidade para 3 mil pessoas, que foi arrendado entre 1934 a 1943, localizado na Avenida Rui Barbosa, nº 1820 – Bairro da Jaqueira. Além de uma bela sede com quadras de tênis, vôlei, basquete, todas com refletores. Possuíam equipes de vôlei, basquete e futebol, e todas com categorias de base.

Na elite do futebol pernambucano, o Tramways SC participou sete vezes: 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941. Logo na sua primeira participação o time Transviário mostrou que seria uma ‘pedra na chuteira’ dos adversários. Após terminar o Estadual empatado com o Santa Cruz (22 pontos), e no primeiro jogo um empate em 4 a 4, o Tramways só foi cair no último e derradeira partida, ao perder por 5 a 2.

Se bateu na trave em 1935, na temporada seguinte o Tramways foi implacável e conquistou o inédito título de 1936 com folga. Sete pontos de vantagem para o segundo colocado (24 contra 17 pontos do Santa Cruz), com melhor ataque (69 gols e melhor defesa (24 gols).

A soberania do Tramways no futebol pernambucano prosseguiu em 1937. O Bicampeonato veio de forma incontestável com oito pontos de diferença para o vice (30 contra 22 pontos do Santa Cruz), e, novamente melhor ataque (64 gols) e defesa (16 tentos).

Em 1938, enfim, a hegemonia do o Tramways foi interrompida pelo Sport Recife que arrancou o título no 3º Turno, deixando para trás Santa Cruz (vice) e a equipe Transviária (3º lugar).

No Campeonato Pernambucano de 1939, o time até começou bem, terminando o 1º turno em terceiro lugar, mas no returno o Tramways acabou de produção e acabou na quinta colocação.

Em 1940, aquele time brilhante e assustador não mais existia. Os resultados expressivos sumiram, e acabou na 6ª e última posição. Veio o Estadual de 1941, e com ele um Tramways debilitado e sem forças para reagir. No final, o sexto lugar (só na frente do SC Flamengo, também na descendente) foi o estopim para a sua retirada.

Contudo, o seu início avassalador com dois títulos e um vice nos três primeiros estaduais do Tramways merece ficar guardado na história. Não apenas do futebol pernambucano, mas se estendendo para o futebol brasileiro.

Time-base de 1934: Raymundo; Zezinho e Maia; Ipisllone, Simonette e Nadú; Waldemar, Carioca, Mario II, Leonel e Cruz.

Time-base de 1935: Ruben; Domingos e Moacyr; Zezé, Julinho e Faustino; Maturano, Bermudes (Cap.), Salvio, Ralph e José Lopes.

FONTES: Diário de Pernambuco – A Província – Jornal de Recife (PE) – Diário da Manhã (PE)

Torneio Domingos D’Angelo de 1969: História e a conquista invicta do Campo Grande A.C. (RJ)

Campusca campeão do Torneio Domingos D’Angelo de 1969

Quem foi o multifacetário e baluarte Domingos D’Angelo?

Uma das figuras mais singulares do esporte carioca, nasceu no antigo Distrito Federal, no dia 10 de Agosto de 1911, Domingos D’Angelo, iniciou a carreira profissional como jornalista, chefiando a seção de esportes do extinto vespertino Vanguarda e trabalhando como redator do Jornal dos Sports.

Formado em Medicina, serviu na Beneficência Portuguesa e no Pronto Socorro e mantinha seu consultório na Rua de Santana, no Centro do Rio, onde angariou grande popularidade, pois jamais se interessou em cobrar dos pobres que solicitavam a sua assistência.

Homem de múltiplas atividades e sempre interessado no bem estar  dos humildes, ingressou na política, conseguindo eleger-se por três vezes, como Vereador e Deputado Estadual.

Fora das atividades profissionais, atuou como árbitro de futebol. Como médico, foi chamado para servir na Federação Metropolitana de Futebol (FMF), em 1941.

Por seus múltiplos afazeres particulares, que lhe consumiam quase o dia todo, Domingos D’Angelo passou a servir apenas como secretário-geral, e, com o advento da reforma administrativa da FMF, em 1958, assumiu a Superintendente da Federação Carioca de Futebol (FCF) até os últimos dias de vida.

Por diversas vezes ocupou o cardo de Diretor interino de Árbitros. Na quarta-feira, do dia 26 de Fevereiro de 1969,  o Sr. Domingos D’Angelo foi eleito para a presidência da Junta Disciplinar Desportiva (JDD), do Departamento Autônomo

No final do mês de março de 1969, Domingos D’Angelo foi internado no Hospital Souza Guiar, vítima de uma indisposição circulatória (trombose). Apesar de os médicos terem informado que o dirigente se recuperaria em poucos dias, o final não foi esse.

Na quarta-feira, do dia 09 de Abril de 1969, então aos 57 anos, não resistiu a um derrame cerebral e acabou falecendo. Domingos D’Angelo era casado com D. Iolanda D’Angelo e deixou três filhas. 

Torneio Domingos D’Angelo criado em abril de 1969

A Federação Carioca de Futebol (FCF) resolveu prestar uma homenagem e, ainda no mês de abril, criou o Torneio Domingos D’Angelo, que foi realizado entre os meses de maio e junho de 1969.

O contou com quatro equipes: Campo Grande Atlético Clube; Madureira Atlético Clube; Olaria Atlético Clube e São Cristóvão de Futebol e Regatas.

Campeão garantia vaga para disputar a Taça Guanabara de 1969

O regulamento era simples. As equipes se enfrentaram em turno e returno. A equipe com maior número de pontos seria declarada a campeã, e como prêmio, teria assegurada a sua participação na Taça Guanabara, que em 1969, contou a presença de oito clubes.   

Campusca fatura o título de forma invicta

Fotografia: Campo Grande, campeão do Torneio Domingos D’Angelo de 1969, no Estádio Mario Filho, o Maracanã.
EM PÉ (esquerda para a direita): Helinho (goleiro), Zezinho, Adilson, Geneci, Vicente e Biluca; AGACHADOS (esquerda para a direita): Gil, Ademir, Hélio Cruz, Clair e Alves.

Sob a presidência de Constantino Guimarães, o Campo Grande Atlético Clube conquistou o título, sem nenhuma derrota, o Torneio Domingos D’Angelo, o que lhe garantiu a oitava e última vaga na Taça Guanabara de 1969.   

técnico Aureliano Beltrão

A equipe comandada por Aureliano Beltrão, terminou na 1ª colocação. Foram nove pontos, em seis jogos, com três vitórias e três empates; marcando cinco gols, sofrendo apenas dois e um saldo de três.

No final, o presidente da Federação Carioca de Futebol (FCF), Otávio Pinto Guimarães entregou ao capitão do Campusca, Hélio Cruz a taça de campeão.  

Abaixo, as fichas-técnicas de todas as 12 partidas realizadas na competição:

1ª RODADA do 1º Turno (17/05/69)

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 0          X          1          OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 17 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO204 pagantes
RENDANCr$ 408,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESAntenor Martins (FCF) e Nivaldo dos Santos (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo (Admílson), Dias e Conceição; Solimar e Juarez; Robertinho, Valcir, Assis, (Edílson) e Nei. Técnico: Edmilson
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton; William, Mimi (Nando), Fernando e Adílson (Silva). Técnico: Amaro
GOL(S)Mimi, de cabeça, aos 27 minutos (Olaria); no 1º Tempo.

MADUREIRA A.C. (RJ)             0          X          1          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 17 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO99 pagantes
RENDANCr$ 239,00
ÁRBITROLuís Carlos Félix (FCF)
AUXILIARESJosias Paulino (FCF) e José Alves (FCF)
MADUREIRAUbaldo; Luciano, Almeida, Silva e Fernando; Wilson e Marcílio; Hélio (Netinho), Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Pedrinho, Dionísio (Clair), Hélio Cruz e Avelino (Ademir). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Clair aos 10 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

2ª RODADA do 1º Turno (24/05/69)

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 2          X          2          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 24 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO166 pagantes
RENDANCr$ 332,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Solimar; Élcio e Juarez; Robertinho, Valcir, Admílson (Acir) e Nei (Moreira). Técnico: Edmilson
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Pedrinho (Jairo), Clair, Hélio Cruz e Valmir (Ademir). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Alves aos 32 minutos (Campusca); no 1º Tempo. Moreira aos 19 minutos (São Cristóvão); Hélio Cruz aos 35 minutos (Campusca); Juarez aos 43 minutos (São Cristóvão) no 2º Tempo.

OLARIA A.C. (RJ)                    1          X          1          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 24 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO84 pagantes
RENDANCr$ 168,00
ÁRBITROJosé Aldo Pereira (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e José Silveira (FCF)
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton; William, Dario (Mimi), Fernando e Adílson (Silva). Técnico: Amaro
MADUREIRAPaulo Roberto; Luciano, Almeida, Silva e Fernando; Fará e Wilson (Netinho); Machado, Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Adílson aos 24 minutos (Olaria); no 1º Tempo. Zé Pinto aos 44 minutos (Madureira), no 2º Tempo.

3ª RODADA do 1º Turno (31/05/69)

MADUREIRA A.C. (RJ)             1          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 31 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO137 pagantes
RENDANCr$ 317,00
ÁRBITROGeraldino César (FCF)
MADUREIRAUbaldo; Luciano, Almeida (Taquinho), Silva e Pereira; Fará e Wilson; Machado, Miguel, Zé Pinto e Nodir. Técnico: Esquerdinha
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Solimar, Dias e Conceição; Édson e Juarez; Robertinho, Edmílson, Valcir e Nei. Técnico: Edmilson
GOL(S)Miguel aos 16 minutos (Madureira); no 1º Tempo.

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)      0          X          0          OLARIA A.C. (RJ)        

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 31 de Maio de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO135 pagantes
RENDANCr$ 270,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Antenor Martins (FCF)
CARTÃO VERMELHOJardel (Olaria)
CAMPO GRANDEHelinho; Zezinho (Almir), Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Clair, Ademir, Hélio Cruz e Valmir (Pedrinho). Técnico: Aureliano Beltrão
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Jardel; William, Dario, Fernando e Silva. Técnico: Amaro
GOL(S)Nenhum tento assinalado

1ª RODADA do 2º Turno (07/06/69)

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)      1          X          0          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 07 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 154,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Antenor Martins (FCF)
CAMPO GRANDEJonas; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Clair, Ademir (Gil), Hélio Cruz e Dionísio (Aurelino). Técnico: Aureliano Beltrão
MADUREIRAPaulo Roberto; Suquinha, Almeida, Pereira e Fernando; Fará e Marcílio; Machado, Miguel, Zé Pinto(Netinho) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Clair aos 15 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

OLARIA A.C. (RJ)         3          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER1ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 07 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICO161 pagantes
RENDANCr$ 322,00
ÁRBITROCarlos Floriano Vidal (FCF)
AUXILIARESEdelmar Freire (FCF) e Eduardo Menezes (FCF)
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete (Mineiro); Guaraci e Hamilton; William (Dodô), Dario, Fernando e Silva. Técnico: Amaro
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Hélio, Dias e Solimar; Ari (Silva) e Moreira; Nei, Juarez, Alcir e Roberto. Técnico: Edmilson
GOL(S)Silva aos 15 minutos (Olaria); Hamilton aos 24 minutos (Olaria); no 1º Tempo. Fernando aos 42 minutos (Olaria), no 2º Tempo.

2ª RODADA do 2º Turno (14/06/69)

CAMPO GRANDE A.C. (RJ)                  1          X          0          SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)

LOCALEstádio Ítalo del Cima, no bairro de Campo Grande (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 14 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 212,00
ÁRBITROCarlos Floriano Vidal (FCF)
AUXILIARESEdelmar Freire (FCF) e Nivaldo dos Santos (FCF)
CARTÕES VRMELHOSDias, Alexandre e Robertinho (São Cristóvão)
CAMPO GRANDEZaífre; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Ademir (Gil), Clair, Hélio Cruz e Avelino (Dionísio). Técnico: Aureliano Beltrão
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Hélio; Silas e Juarez (Madeira); Alexandre, Robertinho, Moreira, e Juarez II (Edmilson). Técnico: Edmilson
GOL(S)Gil aos 32 minutos (Campusca); no 2º Tempo.

MADUREIRA A.C. (RJ)                         1          X          0          OLARIA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Conselheiro Galvão, no bairro de Madureira (RJ)
CARÁTER2ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 14 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 30 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANCr$ 262,00
ÁRBITROCarlos Costa (FCF)
AUXILIARESAntenor Martins (FCF) e Eduardo Menezes (FCF)
MADUREIRAPaulo Roberto; Fernando, Edmar, Taquinho e Campelo; Fará e Marcílio; Netinho (Duarte), Machado, Miguel (Wilson) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
OLARIABeto; Aluísio, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Hamilton (Dodô); William, Dario, Fernando e Silva (Adílson). Técnico: Amaro
GOL(S)Fará aos 35 minutos (Madureira); no 1º Tempo.

3ª RODADA do 2º Turno (21/06/69)

OLARIA A.C. (RJ)         0          X          0          CAMPO GRANDE A.C. (RJ)     

LOCALEstádio Antônio Mourão Vieira Filho, na Rua Bariri, em Olaria (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 21 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 15 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANão divulgado
ÁRBITROJosé Mario Vinhas (FCF)
AUXILIARESIrandir Paiva (FCF) e Josias Miranda Paulino (FCF)
OLARIABeto; Almir, Miguel, Altivo e Alfinete; Guaraci e Jardel; William, Mimi, Fernando (Mafra) e Naldo. Técnico: Amaro
CAMPO GRANDEHelinho; Almir, Biluca, Geneci e Vicente; Adílson e Alves; Gil, Clair (Ademir), Hélio Cruz e Dionísio (Zezinho). Técnico: Aureliano Beltrão
GOL(S)Nenhum tento assinalado

SÃO CRISTÓVÃO F.R. (RJ)                 1          X          1          MADUREIRA A.C. (RJ)

LOCALEstádio Figueira de Melo, no bairro de São Cristóvão (RJ)
CARÁTER3ª Rodada do Returno Torneio Domingos D’Angelo de 1969
DATASábado, no dia 21 de Junho de 1969
HORÁRIO15 horas e 15 minutos
PÚBLICONão divulgado
RENDANão divulgado
ÁRBITRONivaldo dos Santos (FCF)
AUXILIARESEduardo Menezes (FCF) e Edelmar Freire (FCF)
SÃO CRISTÓVÃOPaulo José; Triel, Agrimaldo, Dias e Hélio; Silas e Juarez (Madeira); Alexandre, Robertinho, Moreira, e Juarez II (Edmilson). Técnico: Edmilson
MADUREIRAPaulo Roberto; Fernando, Edmar, Taquinho e Campelo; Fará e Marcílio; Netinho (Duarte), Machado, Miguel (Wilson) e Nodir. Técnico: Esquerdinha
GOL(S)Netinho (Madureira) e Nei (São Cristóvão).

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CLUBESPGJVEDGPGCSG
Campo Grande A.C.096330523
Olaria A.C.076231523
Madureira A.C.066222440
São Cristóvão F.R.02602439-6

ARTILHARIA:

2 gols – Clair (Campo Grande);

1 gol – Alves e Hélio Cruz (Campo Grande); Zé Pinto, Miguel, Fará e Netinho (Madureira); Mimi, Adílson, Silva, Hamilton, Fernando e Gil (Olaria); Moreira, Juarez e Nei (São Cristóvão).

Colaborou: José Leôncio Carvalho

FONTES & FOTOS: Jornal dos Sports (RJ) – Correio da Manhã (RJ) – Diário de Notícias (RJ) – O Jornal (RJ)Revista do Esporte

1º Escudo: Club Athletico Paranaense – Curitiba (PR)

Existiu até o início da década de 30

O Club Athletico Paranaense é uma agremiação da cidade de Curitiba (PR). Em 1923, após problemas com dívidas e vagas, a diretoria do America resolveu abrir mão do Estadual como forma de protesto. Foi aí que surgiu a ideia de convidar o presidente do Internacional, Arcésio Guimarães, para unificar os dois times e criar uma nova potência no futebol paranaense.

Um ano e muitas reuniões depois, as duas diretorias conseguiram entrar em acordo quanto à cor do uniforme e escudo (que existiu por cerca de uma década) do novo time e deram aperto de mão final, que selou a união de América e Internacional. Assim, de forma oficial, o “Furacão” foi Fundado na quarta-feira, do dia 26 de Março de 1924.

Arcésio Guimarães se tornou o 1º Presidente e também o responsável por dar início à trajetória de conquistas do Club Athletico Paranaense, entrando para sempre na história do Rubro-Negro.

FONTES E FOTO: Site do clube – jornal Olho na Lance com Robson Furlan