Arquivo da categoria: 03. Toninho Sereno

Dados de outros clubes da cidade de Moreno (PE)

Alguns clube filiados a Liga Desportiva de Moreno (LDM), na década de 80.

Nome: ABC Futebol Clube
Cores:  
Fundação: 19 de Julho de 1979
Endereço: Rua Joaquim Nabuco, nº 408 – Moreno (PE)

 

Nome: Associação Atlética 10 de Novembro
Cores: Azul, branco e vermelho
Fundação: 10 de Julho de 1976
Endereço: Moreno (PE)

 

Nome: Botafogo Futebol Clube
Cores: Preto e branco
Fundação: 20 de Julho de 1980
Endereço: Rua Antonio Vicente, nº 73 – Bonança – Moreno (PE)

 

Nome: Guarani Futebol Clube
Cores: Verde e branco
Fundação: 15 de Julho de 1975
Endereço: Rua José Hermínio de Moraes, s/n – Moreno (PE)

 

Nome: Olaria Futebol Clube
Cores: Azul e branco
Fundação: 07 de Março de 1981
Endereço: Rua Adauto Barbosa de Souza, s/n – Moreno (PE)

 

Nome: São Paulo Futebol Clube
Cores:  
Fundação:  
Endereço: Engenho Sapucaia – Moreno (PE)

 

Nome: União Esporte Clube de Moreno
Cores:  
Fundação: 10 de Agosto de 1982
Endereço: Rua Francisco Marques, nº 190 – Moreno (PE)

 

FONTES:  Blog Boleiros Moreno-PE

Foto Rara: América F.C. – Rio de Janeiro (RJ): Campeão da Taça Guanabara de 1974

TIME POSADO

EM PÉ (Da esquerda para a direita): Orlando Lelé, Geraldo, Rogério, Alex, Ivo e Álvaro;

AGACHADOS (Da esquerda para a direita): Flecha, Bráulio, Luisinho Lemos, Edu Coimbra e Gilson Nunes.

 

CAMPANHA DO MECÃO

A campanha na Taça Guanabara, foram 11 jogos, com nove vitórias, um empate e uma derrota; marcando 19 gols, sofrendo apenas quatro, um saldo de 15 gols. O América terminou com 19 pontos contra 18 do Tricolor das Laranjeiras.   

 

FLUMINENSE F.C.

0

X

1

AMÉRICA F.C.

LOCAL Estádio Mario Filho, ‘Maracanã’, no Bairro do Maracanã, na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTER Final da Taça Guanabara do Rio de 1974
DATA Domingo, do dia 22 de Setembro de 1974
RENDA Cr$1.447.665,00
PÚBLICO 97.681 pagantes
ÁRBITRO José Aldo Pereira
AUXILIAR Luis Carlos Félix e Walquir Pimentel
FLUMINENSE Félix; Toninho, Assis, Bruñel e Marco Antônio; Gérson, Cléber e Carlos Alberto Pintinho; Cafuringa, Gil e Mazinho. Técnico: Carlos Alberto Parreira
AMÉRICA Rogério; Orlando, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo e Bráulio; Flecha, Luisinho, Edu Coimbra (Renato) e Gilson Nunes. Técnico: Danilo Alvim
GOLS Orlando, em cobrança de falta, aos 12 minutos (América), do 1º Tempo.

 

FONTE: Revista Placar

Foto rara: Operário Futebol Clube – Campo Grande – MT-MS – campeão mato-grossense de 1974

Fonte: Placar

OBS: Na época, a cidade de Campo Grande pertencia ao Estado de Mato Grosso. Entretanto, no dia 11 de outubro de 1977, uma lei complementar criou o Estado de Mato Grosso do Sul, dividindo Mato Grosso em dois estados, tornando a cidade de  Campo Grande a capital do novo estado.

Foto Rara, de 1918: Associação Atlética Sucrerie – Piracicaba (SP)

A Associação Atlética Sucrerie foi fundada em 8 de fevereiro de 1914 por funcionários da Société Sucrerie Brasiliene que era de origem francesa e dona do Engenho Central na Vila Rezende.

Segundo dizem, Angelo Filipini um dos seus fundadores confeccionou o primeiro carimbo do clube a mão, fazendo uso de um canivete.

Em 1942 em virtude da 2° Grande Guerra Mundial, por imposição governamental, os clubes com nomes estrangeiros foram obrigados a adotar nomes brasileiros, assim a A.A. Sucrerie passou a se chamar Clube Atlético Piracicabano.

Um dos grandes rivais do XV de Piracicaba foi um dos pioneiros do profissionalismo no interior e disputou a 2° divisão (atual série A2) até o ano de 1954, deixando o profissionalismo em 1955.

Por suas fileiras passaram grandes jogadores como Pepino, Rabeca, Strauss, Coringa (recebeu o Belford Duarte da CBD por nunca ter sido expulso), Tito Ducatti (o seu maior artilheiro), Benedito Julião que jogou muitos anos no Corinthians e chegou a ser convocado  para a Seleção Brasileira e Cuíca, ou melhor, Mazzola, campeão Mundial em 1958 na Suécia.

Foto do mestre Idálio Filetti, provavelmente dos anos 1940. Mostra a torcida do Estádio Dr. Kok. Interessante é saber que o estádio surgiu por intercessão de alguns desportistas, sendo a maioria deles funcionários do Engenho Central, que solicitaram emprestado terreno situado na av. Dona Francisca, através de seu proprietário Dr. Holger Jensen Kok, então diretor superintendente da Societé de Sucreries Bresiliennes – Engenho Central. No início do século passado, locou a área por valor ínfimo, para que pudessem construir um campo de futebol.

Uma campanha destinada a arrecadar fundos para a compra da área do estádio, foi desencadeada pelo Sr. Lázaro Pinto Sampaio, que contatou fornecedores, industriais, comerciantes, proprietários de engenhos, usineiros etc, além de contribuições dos funcionários da empresa Dedini S/A, a fim de buscar as verbas necessárias para a compra do referido terreno. Assim foi possível a efetivação da aquisição da área que foi denominada ESTÁDIO DR. KOK, em homenagem à memória do nobre ilustra patriarca, no dia 5 de agosto de 1941.

A foto mostra a sede administrativa do Clube Atlético Piracicabano, nos anos de 1960. Situava-se na avenida Barão de Serra Negra, ao lado da praça da Igreja Imaculada Conceição, na Vila Rezende. O clube representou por muitas décadas os rezendinos, senão toda Piracicaba. O prédio não existe mais.

Atualmente, o Clube Atlético Piracicabano possui sua sede na Avenida Brasília, número 571, no bairro de Vila Rezende, nessa cidade.

 

FONTE:Revista O Malho – fotoeahistoria.blogspot.com.br de Edson Rontani Junior – educandopeloesporte.com.br