Arquivo da categoria: 03. Toninho Sereno

União Jabaquara Futebol Clube – São Caetano do Sul (SP): Fundado em 1944

O União Jabaquara Futebol Clube é uma agremiação do município de São Caetano do Sul, que fica na Zona Sudeste da Grande São Paulo. Com uma população de 161.127 habitantes (segundo o Censo do IBGE/2019), fica a 13 km da capital paulista.

O “Jabuca” e/ou “O Leão da Vila” foi Fundado na quinta-feira, dia 20 de Julho de 1944. As suas cores vermelho, amarelo e azul é uma homenagem a bandeira de São Caetano do Sul.

A sua Sede e a Praça de Esportes ficam na Rua Hélio Benedete (antiga Avenida Prosperidade), nº 800, no bairro Vila Prosperidade, em São Caetano do Sul.

Dois anos após sua fundação, o Jabaquara iniciava sua trajetória vitoriosa (1946)

Nasce o União Jabaquara

Sua criação foi resultado do desentendimento ocorrido entre alguns associados da SBER Vila Prosperidade, em reunião na sede do clube. Na época, o presidente Cláudio Alcon, enfatizou: “A partir da meia-noite de hoje o Vila Prosperidade não tem mais nenhum sócio”.

Foi a gota d’água que muitos esperavam e não demorou para marcarem uma reunião de emergência no Bar dos Pereiras. Compareceram esportistas do bairro: Guilherme Maiotto, o Gambinha, Ellio Benedetti, Mário Rodrigues, Pedro Izquierdo Vadillo, conhecido como Perico, Zé Pirulão, Pedro Loureiro, Daniel Loureiro, Eduardo Loureiro, Braguinha, Zé Fofo, Elísio Arnesi, Nenê Arnesi, Hermelindo Beraldo, Francisco Testa, Eduardo Amaral, Luis Mori, Mário Mori, Aldo Mori, Isaac, Oswaldo Polastre, José de Carvalho, Garrincha, Tarcísio, Cupim Segato, Álvaro (cunhado do Cupim), José Marchiori, Octávio Marchiori, José Bernardi, Genarino Aguzzi e muitos outros.

Devido a cisão com o Vila Prosperidade ficou decidida a formação de outro clube, cujo nome deveria ser de um time dos chamados pequenos e que tivesse como mérito principal o fato de ter vencido um dos chamados grandes do Campeonato Paulista de Profissionais, como o Corinthians, Palmeiras e São Paulo, o chamado Trio de Ferro do futebol profissional do Estado.

Coincidência ou não a proeza aconteceu com uma goleada histórica do Jabaquara Atlético Clube (ex-Hespanha), sobre o São Paulo FC, pela contagem de 4 a 1, concretizando assim no dia 20 de julho de 1944, o nascimento do União Jabaquara Futebol Clube, que viria posteriormente cumprir uma trajetória de conquistas no futebol amador da cidade de Santo André.

Dinho (em pé), Daniel e Pedro, todos da família Loureiro, em 1948

Famoso apresentado de tevê ajudou na construção da sede

Como o Jabaquara que não tinha local para suas reuniões, foi graças ao arrojo e desprendimento daqueles que o fundaram, que com a cara e coragem, começaram a construção da tão sonhada sede social, quando aconteceu um fato interessante e inédito.

O saudoso animador e apresentador de televisão, Manoel de Nóbrega, participou de uma reunião, em 1945, realizada em cima de caibros e montes de entulho, quando o mesmo solicitou apoio a um candidato ao Senado Federal e doou Cr$.20.000,00 (vinte mil cruzeiros), importância destinada ao pagamento do telhado da sede.

Isso para sorte e alívio de Pedro Izquierdo Vadillo, o Perico, que havia emprestado sua indenização recebida da Usina São José, e já não tinha esperanças de reaver aquela importância.

Assim, em muito pouco tempo, o Jabaquara tornou-se um dos clubes de maior número de torcedores em toda região do ABC, com uma trajetória marcada por grandes realizações e conquistas, culminando com a obtenção de vários títulos de campeão amador de Santo André, nas diversas categorias, desde mirim até o adulto.

Equipe principal do Jabaquara, em 1948

Plebiscito faz clube mudar para São Caetano do Sul

Em 1966, o União Jabaquara passou a disputar os campeonatos promovidos pela Liga Sancaetanense de Futebol (LSF), ex-Liga de Esportes de São Caetano do Sul (Lescs), pois, com o plebiscito de 1963, o Bairro Prosperidade passou a pertencer à cidade de São Caetano do Sul, onde continuou sua marcha vitoriosa de conquistas inesquecíveis, firmando-se, seguramente, como o clube de uma das maiores torcida da cidade, fato que se perpetua até hoje.

Títulos conquistados

O Jabaquara conquistou no período em que disputou torneios e campeonatos em Santo André, vários títulos importantes e, após 1966. O Jabaquara deu início à marcha vitoriosa em São Caetano do Sul, sendo Supercampeão da Divisão Especial em 1971; Campeão Municipal Amador em 1979, 1985, 1989 e 1990.

Vice-Campeão em 1986, 1995 e 1996; 3º lugar em 1992, 1993 e 1994; 4º lugar em 1988; 5º lugar em 1991 e 11º lugar em 1997. Na categoria Juniores, após 1977 o Jabaquara foi campeão em 1984, 1986 e 1997. Nos Veteranos foi campeão em 1984, 1989, 1992 e 1996.

E temos vários títulos de quando éramos filiados a Liga de Santo André. Só que eles inexplicavelmente não registraram nada“, protestou o presidente do clube, Francisco Nieto, que foi jogador do clube de 1963 até 1984, e depois assumiu como técnico, cargo que ocupou por 17 anos antes de assumir a presidência.

Em 1951, o Jabaquara sagrou-se campeão em Santo André, onde disputou o campeonato amador da categoria principal

União Jabaquara muda de nome

Na quarta-feira, do dia 20 de dezembro de 1972 o clube teve sua denominação mudada para Centro Recreativo e Esportivo União dos Amigos (CREUA), do Bairro Prosperidade, fruto das fusões determinadas pelas autoridades municipais da época.

Com isso o União Jabaquara foi extinto na fusão com a SERB Vila Prosperidade e com a Sociedades Amigos de Bairro, fato veementemente contestado pelos antigos jabaquarenses, inconformados com a extinção do nome de três agremiações, todas com raízes no cenário esportivo e político da região do ABC.

Ficou determinado pelos poderes constituídos que os clubes que não tivessem aderido às fusões, estavam impossibilitados de disputar campeonatos ou torneios oficiais promovidos pela Liga Sancaetanense de Futebol.

Nove anos depois clube volta a usar o nome de fundação

Em junho de 1981, os verdadeiros jabaquarenses resolveram fundar novamente o União Jabaquara Futebol Clube. Mal orientados, foram informados da impossibilidade do clube ter o mesmo nome, em virtude de sua extinção, quando da fusão ocorrida em 1972, quando na verdade apenas a data de fundação não poderia ser repetida, mas o nome não existia mais e, portanto, estava liberado.

Assim, na sexta-feira, do dia 5 de junho de 1981, a Sociedade Esportiva Recreativa União Jabaquara (SERU), foi fundada, nome que não agradava aos torcedores, mas, pelo menos, seria o nome Jabaquara que estaria disputando pelo Bairro Prosperidade.

Esta entidade, também teve expressiva campanha de conquistas de títulos, contando com a mesma animada e às vezes, fanática torcida, que permanece até hoje levando alegria aos estádios onde a equipe se apresenta.

Nesta reunião, o Jabaquara através de fusão, fez surgir no futebol profissional a AD São Caetano

Assim surgiu a Associação Desportiva São Caetano

Na segunda-feira, do dia 4 de dezembro de 1989, ano em que a SERU Jabaquara se sagrou campeã nas categorias Principal, Veteranos e Juniores. Na oportunidade comentava-se sobres a possibilidade da fundação de uma equipe profissional na cidade e, numa iniciativa do prefeito Luiz Olinto Tortorello, com o apoio de centenas de esportistas e de toda comunidade, o Jabaquara, através da sua diretoria comandada pelo saudoso Roberto Righeto, o Turú, concordou e mudou sua denominação para Associação Desportiva São Caetano, entidade que até hoje representa o Município no cenário esportivo profissional do Estado de São Paulo.

Tal acontecimento se deu por causa de exigência estatutária imposta pela Federação Paulista de Futebol (FPF), para a disputa da 3ª Divisão de Profissionais, já que para filiar-se, a entidade deveria ter disputado os três últimos campeonatos amadores da sua cidade e estar filiado à Liga Sancaetanense de Futebol (LSF).

Quando foi dado o parecer do presidente do Conselho Deliberativo da entidade, Carlos Roberto de Jesús Polastro, o Carlão, a data que se mantém viva é 20 de julho de 1944! Assim, já que não é possível recuperá-la legalmente, tanto faz a de 5 de junho de 1981, como qualquer outra data, até a de 29 de dezembro de 1989.

Assim, o Conselho Deliberativo, por unanimidade dos seus membros, aprovou o nascimento da Associação Desportiva São Caetano. Mas o nome Jabaquara continuou e continua vivo na memória de todos.

Aliás, Carlos Roberto Polastro, compôs o hino que ficou conhecido no país inteiro quando o São Caetano foi um dos protagonistas do futebol nacional no início dos anos 2000.

Fui vice-presidente do São Caetano quando o time foi fundado. Até assumiu a presidência por seis meses. Quando fomos campeões da terceira divisão em 1990, percebi que não tínhamos um hino. Daí comecei a compor“, recordou Polastro. Segundo o aposentado, o hino do Azulão ficou pronto em maio de 1991.

O prefeito Luiz Olinto Tortorello ladeado por João Tessarini, o saudoso Turú e o atual presidente Bernardino

Renascimento da SERU Jabaquara

A determinação de uma plêiade de esportistas e o grande amor que sempre dedicaram ao Leão da Vila Prosperidade, como é carinhosamente conhecido por causa da garra e espírito de luta dos seus torcedores, fez renascer o clube querido.

Assim é que, na sexta-feira, do dia 29 de dezembro de 1989, foi fundada a Sociedade Esportiva Recreativa União Jabaquara, retornando com força total ao cenário esportivo regional, que hoje, depois de muitas lutas e tentativas junto ao poder público municipal, finalmente recebeu das mãos do prefeito Luiz Tortorello o tão sonhado estádio distrital, dotado de arquibancadas, amplos vestiários, cantina, sala para guarda de material, etc.

Centro Esportivo Recreativo Roberto Righeto

Nome do estádio

Numa justa homenagem a um dos seus mais ilustres colaboradores, o local recebeu o nome de Centro Esportivo Recreativo Roberto Righeto, conhecido como Turú.

Mas algo estava faltando para completar a alegria desses abnegados, o retorno do antigo e tradicional nome que foi homologado pela Liga Sancaetanense de Futebol (LSF) e Federação Paulista de Futebol (FPF): União Jabaquara Futebol Clube, grandeza e orgulho do futebol amador de São Caetano do Sul.

O presidente do Leão da Vila disse que a equipe tem a maior torcida da cidade. “Agora diminuiu um pouco. Porém, nas finais dos torneios, levamos 1.500 pessoas para o campo“, afirmou Nieto. O dirigente declarou que no começo da década de 1990, cerca de 8 mil pessoas compareciam aos jogos do time.

Último título de campeão da categoria principal conquistado pelo União Jabaquara, em 1990

Presidentes

Desde a fundação até hoje, dezenas de nomes ilustres e abnegados passaram pela presidência do hoje União Jabaquara FC (alguns dos quais sem registro). Foram destacados alguns nomes até 1972, data em que foram realizadas as fusões em São Caetano do Sul:

Guilherme Maiotto, o Gambinha, Luis Mori, Mário Rodrigues, Ellio Benedetti, Eduardo Amaral, Aparecido Cabral, Milton e Benedito Polastro. Depois vieram: Manoel Maximiano David (77/78), Irineu Bernardo Serafim (79/80), Silvio Fernandes (81/82), Abraão de Souza Mello (83/84), Edmilson Zambone (84/85), Carlos Roberto de Jesús Polastro (86/87), Roberto Righetto (88/89), Roberto Righetto e Bernardino José dos Santos (90/9l), Bernardino José dos Santos (92/93), Bernardino José dos Santos (94/95), cujo mandato foi prorrogado até 1996 e ainda cumprindo mandato no período (97/98).

FOTOS: Acervos de Pedro Loureiro e Gilson S.SantosMeu acervo

FONTES: Álbum na época pertencia – Diário do Grande ABC – Revista Raízes

Botafogo Futebol Clube – Indaiatuba (SP): Fundado em 1952

INDAIATUBA

A palavra “Indaiatuba” significa, em tupi-guarani, região coberta de indaiás, que são palmeiras de pequeno porte.

Indaiatuba, inicialmente denominada “Votura(à beira do rio Votura), era ponto de passagem de tropas constituídas no século 18. Na quinta-feira, do dia 9 de dezembro de 1830, tornou-se, por decreto do Imperador, sede de uma das Freguesias de Vila de Itu, ganhando autonomia política em relação a Itu e recebendo a denominação de Freguesia de Indaiatuba.

Foi instituída como cidade na quarta-feira, do dia 19 de dezembro de 1906.

Faz limites ao norte com Monte Mor e Campinas: ao sul, com Salto e Itu; ao leste com Itupeva e a oeste com Elias Fausto.

A distância aproximada da cidade de São Paulo para Indaiatuba é de 115 km, aproximadamente 1 hora e 16 minutos de carro.

BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE

O Botafogo Futebol Clube, glorioso alvinegro da cidade de Indaiatuba, foi fundado no domingo, do dia 16 de março de 1952. A sua sede é localizada na Rua Senhor Patrício Pereira de Oliveira, nº 1880, em Vila Areal.

Campeão varzeano nos anos de 1973 (invicto), 1975 e 1976.

EM PÉ (esquerda para a direita): Nerico, Toni, Bodinho, Rubão, Ringo, Zé Carlo e Rebite;
AGACHADOS (esquerda para a direita): Tingo, Miúdo, Nelsindo, Ademir, Robertinho e Di Carmona.

Arte: escudo e uniforme – Sérgio Mello

FONTES: Google – Botafogo bar do Tite

Associação Atlética Portuguesa Vila Mariana – São Paulo (SP): Fundado em 1936

A Associação Atlética Portuguesa Vila Mariana é uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado na sexta-feira, do dia 28 de fevereiro de 1936.

Quando a Escola de Samba Barroca da Zona Sul foi fundada na quarta-feira, do dia 07 de agosto de 1974, os seus ensaios eram realizados no terreno (barranco) cedido pela Portuguesinha, como é conhecida a AA Portuguesa de Vila Mariana.

Isso perdurou até o ano de 1977, quando foi inaugurada a quadra da escola de samba.

Estádio da Portuguesinha

Atualmente a Portuguesinha possui a Escolinha de Futebol Portuguesa Vila Mariana, situada na sua Sede (própria) localizado na Rua Jorge Tibiriçá, nº 700, no bairro Vila Mariana, na Zona Sul de São Paulo.  

FONTE & FOTOS: Acervo pessoal  

Clube Desportivo Democrático da Vila Mazzei – São Paulo (SP): Fundado em 1938

Anos atrás, nas margens do rio Tietê, havia muito mato e várzea. Poucas construções, além do Clube de Regatas Tietê e Clube Esperia.  E naquelas margens surgiram muitos campos de futebol.

Campos ora verdes, ora cheios de água. Campos, várias vezes encharcados, onde apareceram craques da bola, forjando a base do que seria o nosso futebol brasileiro. E, foi no sábado, do dia 01 de outubro de 1938 que nasceu o Clube Desportivo Democrático.

Em um lugar um pouco distante da várzea do rio Tietê, mas perto de um local onde o verde da natureza ainda imperava. A Serra da Cantareira. Assim como vários outros times, o Democrático nasceu durante uma reunião de amigos.

Foto da década de 60

No Democrático, o pontapé inicial foi dado por Tito, da família Cersósimo. O lugar? A Rua Purus, perto de onde hoje se encontra o metrô Tucuruvi.

O nome do time não deixa margem para dúvidas: uma escolha democrática, e suas cores vermelho e amarelo fazem referência à bandeira da Espanha.

A estreia deu-se contra o Az de Espada, do vizinho bairro do Jaçanã. O time do primeiro jogo foi este: Pepe; Neves e Ferrinho; Valão, Pedaço e Maripá; Tacinho, Lampião, Feitiço, Américo e Ameriquinho.

Outros craques também fizeram parte da história do Democrático, tais como Latoca, Coqueiro, Gasosa, Mingau, Brucutu, Doriva, Cida, Careca, Chimu, Siriri e tantos mais.

FONTES: Meu acervo – Jornal SP Norte

Esporte Clube Santa Cruz, de Guaianases – São Paulo (SP)

OS MATHEUS – O IMPÉRIO DAS PEDRAS

No início do século 20, uma família de imigrantes europeus, natural de Toro, província próxima a Samora, na Espanha, chegou ao Brasil, trazendo consigo um grande conhecimento na extração de pedras.

O chefe da família, Luís Matheus, viera para o Brasil para trabalhar na construção da Catedral da Sé, em São Paulo.

Na época, o pedregulho de rio era usado na construção civil e as sobras ou lascas eram consideradas refugos, sem valor comercial. Com auxílio dos húngaros, que durante a noite quebravam as sobras de pedras, a Pedreira Irmãos Matheus tornou-se a pioneira na britagem de pedras.

Concluído seu trabalho, já tendo se apegado às terras brasileiras, os Matheus arrendaram uma mina de pedra na região de Ribeirão Pires, montando seu primeiro negócio: uma fábrica de guias e paralelepípedos, que eram usados na pavimentação de São Paulo. Algum tempo depois, adquiriram uma pedreira em no bairro de Guaianases.

No final dos anos quarenta, quando se iniciou a grande expansão da cidade de São Paulo, com o crescimento acelerado da indústria, o pedregulho de rio não era mais suficiente para suprir a demanda do mercado. Isso deu início ao uso de brita na fabricação do concreto.

A partir daí, Izidoro Matheus teve participação decisiva nos negócios.

A produção de brita em larga escala veio com a construção de um ramal da linha da estrada de ferro Central do Brasil, até dentro das pedreiras em Guaianases, devido ao grande consumo do material para a manutenção das suas linhas.

Os irmãos Vicente Matheus e Izidoro Matheus tinham paixão pelo futebol.

O ESPORTE CLUBE SANTA CRUZ DE GUAIANASES

Na quinta-feira, do dia 7 de setembro de 1950, Izidoro Matheus fundou o Esporte Clube Santa Cruz. Dessa forma, homenageava também a padroeira Santa Cruz, cuja igreja se situa no centro do bairro.

Time de várzea mais popular da cidade de São Paulo e com maior torcida e poder econômico da época, o time contou com muitos jogadores que jogavam em times profissionais.

Uma formação nos 60

Ficou conhecido como o Galo da Central, por causa da estrada de ferro Central do Brasil, na época um dos principais meios de transporte que servia o bairro.

Nos jogos do time, mais de trinta caminhões da pedreira eram disponibilizados para levar a torcida. Todos saiam lotados do bairro de Guaianases.

A Pedreira Irmãos Matheus teve a sua frente Luiz Matheus, Antonio Matheus, Ademir Matheus, Vicente Matheus (ex-presidente do SC Corinthians Paulista) e Izidoro Matheus (fundador do EC Santa Cruz de Guaianases.

O Esporte Clube Santa Cruz foi o maior clube de Guaianases e não era só futebol. Festas, formaturas e os bailes de carnaval eram memoráveis. Nos anos 70, o espaço do clube passou ser usado como pelo “Cine Tupy”.

Nos no início dos anos 80, interrompeu definitivamente suas funções devido desapropriação do prédio que foi demolido para construção do viaduto de Guaianases. Nessa época, o Esporte Clube Santa Cruz também encerrou suas atividades. 

Isidoro Matheus

Isidoro Matheus faleceu em São Paulo, na sexta-feira, do dia 30 de setembro de 1994, aos 77 anos de idade.

Filho de Luiz Matheus e Mangloria Valle Matheus, ambos imigrantes espanhóis, Isidoro, assim como seu irmão, atuou no setor de mineração, pavimentação e construção civil a partir da década de 40, tendo trabalhado em diversas empresas, entre elas a Pedreira São Matheus e Lageado S/A, Empresa Britadora Santa Isabel, Termaco Terraplenagem e Pavimentação S/A e Pavimentadora e Construtora São Luiz S/A, entre outras.

Em 2008, por iniciativa do vereador Gilson Barreto, do PSDB, uma rua foi batizada com o nome de Isidoro Matheus, na Vila Maria, zona norte de São Paulo.

FONTES: Meu acervo – Revista Guaianases City – As pedreiras de Guaianases

Esporte Clube 1º de Maio, da Vila Madalena – São Paulo (SP): Fundado em 1924

O Esporte Clube 1º de Maio, da Vila Madalena foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Fundado em 1924, com o nome de Esporte Clube União Operária, o 1º time da região (porém, não há concordância a este respeito, pois a 1ª ata de reunião data de 1933) e seus fundadores escolheram como cores da camisa, as da bandeira paulista e nota-se a proximidade da revolução de 1932, e nesta 1ª ata foram escolhidas as cores.

A sua Sede social alugada ficava na Rua Mourato Coelho, nº 91 – Vila Madalena, no distrito de Pinheiros, na região oeste de São Paulo (SP). Era hábito dos clubes oferecer bailes aos sócios, um dos principais usos que faziam da sede, na década de 60, o 1º de Maio não contava mais com este luxo.

A Praça de Esportes, cedido pelo então I.A.P.C., estava situado na Rua Mourato Coelho, s/n – Vila Madalena, no distrito de Pinheiros, na região oeste de São Paulo (SP).

Time posado dos anos 50

Os jogadores se reuniam nos bares, até que em 1964 recebeu a 1ª comunicação do I.A.P.C. para desocupar o campo, deste ano em diante, lutam

Judicialmente para mantê-lo, perdendo-o definitivamente no ano de 1970, são, portanto, mais de 40 anos de luta, mais de 30, dos quais ocupando este campo, no qual construíram cercas, traves e vestiários.

Com base em jornais da época podemos afirmar que a luta do 1º de Maio (juntamente com o Leão do Morro F.C. e 7 de Setembro F.C. que tinham campo no mesmo local) mobiliza e empolga a população do bairro, que passa a reivindicar uma praça de esportes e interesses do time, contudo os resultados foram nulos.

1º de Maio: Xororo, Careca, Fran, Agachados, Carlinhos,

Outro dado interessante a respeito desse time e comum a alguns festivais de várzea é que os cartazes em que se anuncia o festival e os jogos, assim como alguns prêmios são financiados por estabelecimentos comerciais do bairro, evidenciando-se tratar-se de boa forma de divulgação.

O quadro de veteranos do 1º de Maio é formado em 1966 por ex-jogadores do time, os velhinhos trazem novo ânimo á várzea pinheirense fazendo uma série de 68 partidas invictas, empolgando de tal forma a torcida que em 1968 uma verdadeira torcida organizada acompanha o time até Londrina no Paraná.

Equipe posada da década de 60

Em 1968, o jornal do Bairro registra para o 1º de Maio com 80 sócios e 28 Jogadores, conta-nos um de seus jogadores, os orgulhos do clube: Machado jogador do Fluminense e da seleção brasileira, Brandão do Corinthians e Waldemar Carabina, do Palmeiras, vice-campeão da liga Pinheirense de futebol várias vezes, assim como vice e campeão da Federação Paulista, e alguns menus famosos:

Jume, Belo, Didi, Fran, Careca, Romeu, Xororó, João, Esquerdinha, Chacrinha, Carlinhos, Didi, etc. e não esquecer do técnico e diretor Metralha, ganhamos mais de 300 taças e medalhas, como organizávamos muitos torneios (tradicionalmente no dia 1º de Maio de cada ano) e nem sempre tínhamos grana para comprar taças, guardamos perto de 40.

Tudo isso faz do Esporte Clube 1º de Maio uma agremiação importante na região e no bairro como que um símbolo de luta, papel este que adquire por ocasião da resistência ao desalojamento promovido pelo INPS, pela história do 1º de Maio percebe-se que a perda do campo provoca sua extinção.

Para os clubes existentes na Vila Madalena e Pinheiros, a venda dos campos de futebol da região que eram alugados ao INPS, um deles se transforma em um conjunto residencial Natingui do BNH, no outro a construção do Shopping Center Eldorado.

Colaborou: Samuel Polonio

FONTES E FOTOS: Caracterização geral  do futebol de  várzea como atividade popular de “Lazer”, de Betty Schifnagel – “Vila Madalena e suas figuras Notáveis”, de Antonio Ivo Pezzotti

Amistoso Internacional de 1965: Comercial (SP) 1 x 1 Peñarol (URU)

O Comercial Futebol Clube, de Ribeirão Preto (SP), enfrentou o poderoso Clube Atlético Peñarol, de Montevidéu (Uruguai), em partida amistosa internacional, em 1965. Num jogo equilibrado, terminou empatado em um gol.  

COMERCIAL F.C. (SP) 1 x 1 C.A. PEÑAROL (URU)

LOCAL

Estádio Dr. Francisco de Palma Travassos, no bairro Jardim Paulista, em Ribeirão Preto (SP)

CARÁTER

Amistoso Internacional

DATA

Na tarde de quarta-feira, do dia 14 de Julho de 1965

RENDA

Cr$ 6.500.000,00

ÁRBITRO

Airton Vieira de Moares (FPF)

COMERCIAL

Dobrew; Antoninho, Jorge e Nonô; Hélio e Píter; Luiz Carlos, Amaury, Paulo Bin (Luiz), Carlos César (Paulinho) e Ari.

PEÑAROL

Mazurkiewicz; Forlan, Lezcaño e Varela; Davila (Aguirre) e Caetano; Abadie, Pedro Rocha, Silva (Reznik), Spencer e Joya.

GOLS

Spencer aos 29 minutos (Peñarol), no 1º Tempo. Ari aos cinco minutos (Comercial), no 2º Tempo.

 FONTE: A Tribuna (SP)

Associação Atlética Brooklyn Paulista – São Paulo (SP): Fundado em 1922

A Associação Atlética Brooklyn Paulista foi uma agremiação da cidade de São Paulo (SP). Os “Brooklinenses” foi Fundado na quarta-feira, do dia 22 de Março de 1922, por um grupo de jovens entusiastas. A 1ª Diretoria foi constituída pelos seguintes membros:

Presidente – Jorge Ferreira;

Vice-Presidente – José Joaquim Gonçalves;

1º Tesoureiro – Joaquim Passador;

2º Tesoureiro – Benedicto Brando de Araújo;

1º Secretário – Antonio Pacheco Valente;

2º Secretário – Manoel Pacheco Valente;

Diretor Esportivo – Bellino Domingues Borba.

Primeiro escudo

Uniforme e a Praça de Esportes

O 1º uniforme eram camisa branca e meias e calções negros, para o primeiro time de futebol do bairro, que pouco demorou para tornar-se o xodó de todos os moradores.

Sua bem-freqüentada Praça de Esportes formava um quadrilátero, limitado pelas atuais: Avenida Morumbi, Rua das Margaridas, Pássaros e Flores e Coronel Conrado Siqueira Campos, no Bairro Jardim das Acácias.

As partidas aconteciam nas tardes de domingos. Por muito tempo e enquanto os campos de futebol de várzea resistiram ao assédio de um mercado imobiliário em constante ebulição, a A.A. Brooklyn Paulista montou grandes equipes, numa sucessão inesgotável de excelentes atletas.

Celeiro de craques

Houvesse, porventura, algum registro da trajetória histórica desse clube, jogadores como Piérre Pellerin, Carijó, Pascoal Barba, Artur Araújo, Afonso, Manuel Gimenez, os irmãos Antônio, Jacinto e Geraldo Pacheco Valente, posteriormente, Angelim, Eurides, Vicente, Zeca, e ainda Chafic Chueri, Maluco, João Três Pulos, Anibal Gonçalves, Alberto Bacellar, as duplas de irmãos Pascoal e Aristides Carota e Téte e Moacir, dificilmente seriam esquecidos.

Vários deles, de tão bons que foram, seguiram carreira como profissionais. De outros bairros, também surgiam esquadrões de peso: o Marechal Floriano F.C., o Clube Couto de Magalhães e o Marítimo F.C. que, por anos a fio, incendiaram as tardes de domingo do Itaim Bibi e Vila Nova Conceição.

E ainda, o Santo Amaro F.C., o afamado e semi-profissional LPB, do Laboratório Paulista de Biologia, comandado pelo zagueirão uruguaio, Herculano Squarzza, e o timaço do Casas Avenida, entre outros. Quando o time do Brooklyn os enfrentava, semanas antes, já se imaginava o que seria desses memoráveis confrontos.

Clube participou da Revolução Constitucionalista de 1932

Consta na história do clube a participação, na Revolução Constitucionalista de 1932, dos sócios: Domingos Geraldo Minguta; Ernesto Lopes; João Helmuth; Gabriel Archanjo de Moura; Armando Bresciani; Goberto de Paula Avellar; Alberto Pellerin e Walter Ahrens.

Após o fim da revolução em agosto de 1932, o Brooklyn Paulista realizou um festival em Santo Amaro, onde arrecadou importante valor à época de209$900 (duzentos e nove mil e novecentos réis), importância esta entregue ao então Prefeito Municipal, Dr. Francisco Ferreira Lopes.

Curiosidades

A Associação Atlética Brooklyn Paulista foi uma agremiação que conquistou a simpatia e rapidamente prosperou a ponto de, à época, figurar entre os grêmios de maior relevância da capital. A sua Sede própria tinha um salão de baile, secretaria, acomodações para os grêmios visitantes e uma boa praça de esportes.

Em 1942, o clube já contava com 120 sócios, demonstrando a sua força na região. Anos depois, do outro lado da rua, num campo de terra e de frente para a Avenida Santo Amaro, a Portuguesa, fundada pela colônia lusitana local, passou a mandar seus jogos no mesmo dia e horário. Em 23 de março de 1947, a A.A. Brooklyn Paulista promoveu inúmeras festividades para comemorar o 25º aniversário de sua fundação.

A aguardada partida de encerramento foi disputada com o Clube Esportivo Gazeta, da Fundação Cásper Líbero. Na ocasião, os já veteranos, Manuel Pacheco Valente, Darwin Belletato e Pascoal Barba, compunham a sua diretoria.

Convidados especiais também se fizeram presentes, dentre eles o Dr. Waldemar Teixeira Pinto, subprefeito de Santo Amaro. O evento ainda contou com a cobertura de emissoras de rádio, do jornal A Gazeta Esportiva e outros periódicos da capital.

Anos 50 representou a extinção do Brooklyn Paulista

Mas em meados da década de 1950, o campo da A.A. Brooklyn Paulista deixou de existir. A construção e venda de dezenas de residências tomaram o seu lugar. Não tendo mais onde jogar, o clube desapareceu, deixando para a posteridade aproximados quarenta anos de importantes conquistas.

O campo da Portuguesa teve idêntico destino. Primeiramente, foi ocupado pela empresa Divena, revendedora de caminhões pesados, de propriedade de Anésio Urbano. Depois, com edifícios de escritórios e apartamentos. Mas ainda restavam outros times, surgidos depois, e outros campos: o Estrela D’Alva, entre as Ruas Roque Petrella, Francisco Dias Velho e Ministro José Galloti, hoje abrigando o convento da Congregação das Filhas de São José, uma agência do Unibanco, além de vilas e novos sobrados.

Os dois últimos a sumir foram o Vila Carmen, absorvido pela Avenida Vicente Rao e o União da Mocidade, no fim da Rua Bernardino de Campos. No início dos anos 1960, seu campo foi devorado pelo polêmico, frustrado e até hoje mal-digerido Anel Viário de São Paulo, projetado pelo DER.

No entanto, suas obras jamais foram iniciadas, embora tenha sido expressivo o número de desapropriações ocorridas no local. O tempo perdido e o acintoso desperdício de dinheiro público foram circunstâncias que marcaram a passagem do fracassado projeto pela região.

Em sinal de “reconhecimento“, os brooklinenses bem que poderiam conferir ao governo um meritório troféu, por ter parido a gigantesca e problemática Favela do Buraco Quente, que por obra de sua inconseqüente conduta ocupou as margens do Córrego Águas Espraiadas, por ininterruptos 25 anos.

Aproximadamente na mesma época da extinção da A.A. Brooklyn Paulista, a indústria de acumuladores Durex dividiu o imenso terreno que possuía na Avenida Morumbi, para construir um magnífico mini-estádio de futebol. Funcionários da fábrica e ex-jogadores profissionais formavam o seu esquadrão.

Seu objetivo era disputar e vencer o Campeonato Paulista de Futebol Amador. E tinha time para isso. Durante uma partida oficial contra Sampaio Corrêa, da zona leste, e com as arquibancadas literalmente tomadas por torcedores de ambos os lados, instalou-se uma tremenda pancadaria e troca de tiros que, por pouco, não terminaram em tragédia, dentro e fora do campo.

Na manhã seguinte, o lamentável episódio invadiu o noticiário policial de rádios e jornais da capital, levando a empresa a encerrar, às pressas, as atividades do time e a transformar a bela praça de esportes em ruas e lotes de terreno.

 

FONTES: “Os antigos times de futebol do Brooklin Paulista”, de João Bosco Petroni – Site ‘Em Sintonia’ – Acervo de Ricardo Hucke – Álbum de Santo Amaro de 1935