Arquivo da categoria: 03. Toninho Sereno

Foto Rara: América Futebol Clube – Natal (RN) – Campeão Potiguar de 1975

América Futebol Clube – Natal (Rio Grande do Norte) – campeão potiguar de 1975

Em pé, da esquerda para a direita: Ivã, Ubirajara, Zeca, Odélio, Mário Braga e Olímpio.

Agachados, na mesma ordem: Reinaldo, Pedrada, Washington, Élcio e Ivanildo.

 

FONTE: Revista Placar

Esporte Clube Santana – Itapeva (SP): Três edições no Estadual da 2ª Divisão

Esporte Clube Santana é uma agremiação da cidade de Itapeva, que fica a 199 km da capital do estado de São Paulo. Fundada numa quarta-feira, do dia 20 de setembro de 1769, é conhecida carinhosamente como a “Capital dos Minérios“. conta com uma população de 94.354 habitantes.

História

1º registro da prática de futebol em Faxina (atual Itapeva) e o surgimento do primeiro time de futebol da cidade. No dia 08 de Fevereiro de 1914, nascia o Faxinense Foot-Ball Club. O jornal O Tempo (Edição nº. 631) assim noticiou:

Com esse nome fundou-se nesta cidade um club, que tem em vista o desenvolvimento do sport entre nós. A directoria ficou assim constituída:

Director: Antonio de Carvalho, Secretario: Augusto do Canto, Thesoureiro: José Ribeiro, Captain: Vandico Fleury.

O captain pede por nosso intermédio o comparecimento de todos os jogadores, hoje as 12 horas da manhã, no campo do F.F. Club, para que seja disputado um macht entre o 1° e o 2° team.

A directoria convida a todos os amantes destes sport a assistirem este grande ‘macht’ onde servirá de juiz o Sr. Gazinho Fleury”.

Nos idos anos de 1930 à 1938, por meio da dedicação de alguns abnegados jovens, dos quando Itapeva ainda se chamava Faxina Foot-Ball Club.

Surge S.C. Sant’Anna

O 1º relato sobre o surgimento de uma equipe de futebol com a denominação de Sport Club Sant’Anna foi registrado no Jornal O Progresso, na quarta-feira, do 1º de Maio de 1929. A meta da nova agremiação era de engrenar o futebol bretão na cidade.

Já não alimentávamos mais esperanças de que o futebol tornasse a se reintegrar em seus dias passados, cheio de vigor e animação, prendendo o interesse de nossa divertida mocidade. Em fins do ano transacto cahiu o popular esporte em abandono reprovável – resultado de um embate violento de paixões desencontradas- vindo até hoje nesse marasmo acabrunhante.

(…) O futebol boceja e espreguiça-se…. O sol de maio com certeza retemperou-lhe os nervos lassos. Desperta da aphathia, com cuidado de alguma recahida, e sob a acção de soros nervrosthenicos“.

A partir daí o Sport Club Sant’Anna, foi a representante da cidade de Faxina (atual Itapeva), nos embates futebolísticos contra equipes das cidades vizinhas, equipes do Paraná e da capital paulista.

Entretanto teve uma vida efêmera. Em 1933 apareceram os últimos relatos sobre o clube, com o desânimo batendo a porta a extinção da equipe foi inevitável.

Nasce o E.C. Santana

A criação da equipe se deu como, obviamente, acontecia com muitas equipes, surgidas das várzeas. Dificuldade para compra de uma bola, tão somente uma que servia para os treinos semanais e o jogo, quando acontecia aos domingos.

Um sonho ambicioso de alguns jovens amantes do futebol despertou. Refundar o clube, desta vez como uma sociedade. Sonho este que se concretizou na quarta-feira, do dia 23 de agosto de 1939, nascendo: Esporte Clube Santana.

A sua Sede do Alvinegro Santanista fica na Avenida Epaminondas Ferreira Lôbo, nº 197, no Centro de Itapeva. O Esporte Clube Santana mandava os seus jogos no Estádio dos Eucaliptos (atual: Estádio do Itapeva Clube), situado na Rua José Pinheiro de Carvalho, nº 65, no Centro de Itapeva.

Estádio Itapevense é inaugurado em 1940

Em 1940, iniciou-se o projeto de construção do seu próprio campo, denominado de Estádio Itapevense. Apesar das dificuldades materiais e pessoais, o projeto na medida do possível foi saindo do papel e tornando-se realidade, tanto que em julho de 1940 os primeiros jogos começaram a ocorrer no novo campo de futebol da cidade. Em 1947, já com o se campo, o Santana participou do Campeonato Paulista do Interior, daquele ano.

Anos Dourados

A década de 50 foi marcado por muitos avanços no Brasil, como transmissão de televisão, instalação de indústrias e eventos como a Copa do Mundo que mudaram o consumo e o comportamento brasileiro e por isso ficaram conhecidos como os “Anos Dourados”.

Nessa década o Esporte Clube Santana o também viveu os seus “anos dourados“, como, por exemplo, a sua maior série de jogos invictos. Isso ocorreu em 1955, quando chegou a 18 jogos sem saber o que era uma derrota. Durante a série encarou equipes das cidades paulistas de Itararé, Taquarituba, Capão Bonito, Itapetininga, Sorocaba, Cerquilho, São Roque, São Paulo, Bernardino de Campos, equipes locais e de Castro (PR).

A série de jogos invictos do Esporte Clube Santana foi quebrada por uma outra equipe que também estava invicto: o Clube Atlético Butantã da capital, que vinha com sua série de 43 jogos invictos. Em um jogo equilibrado e com gol no fim, a derrota por 2 a 1 encerrava a sequência invicta do time itapevense.

Outro jogo marcante da história do Esporte Clube Santana foi o amistoso contra a equipe mista do São Paulo Futebol Clube em setembro de 1959, jogo este que ocorreu em Itapeva e terminou empatado pelo placar de 3 a 3. Gols do Santana foram marcados por Eder, duas vezes e Grilo.

Anos 60: primeiros passos para a profissionalização

No inicio dos anos 60 o Esporte Clube Santana mantinha-se no amadorismo. Entretanto algumas equipes da região já estavam em um processo de semiprofissionalismo. O mesmo começava a ocorrer com a equipe itapevense.

O ano de 1962 foi um ano de surpresas e planos ousados na história do clube. Três metas foram estabelecidas naquele ano: manutenção do atual técnico Waldemar Belacosa, que tinha sido jogador profissional e jogou em várias equipes do futebol nacional, como Corinthians (SP) e Botafogo (RJ); depois a realização de um amistoso contra uma equipe da elite do futebol paulista daquela época, e por último a participação do Esporte Clube Santana no futebol profissional.

A primeira meta foi realizada com êxito: Belacosa manteve-se a frente da equipe. A segunda, a realização do amistoso contra uma equipe da elite do futebol paulista. Duas equipes estavam na mira: o Clube Atlético Juventus da capital ou XV de Piracicaba. Por fim o ficou acertada o amistoso contra a equipe piracicabana.

O amistoso ocorreu em junho de 1962, em Itapeva. E o XV veio com sua força total para o amistoso. Lembrando que o time Itapevense era amador, jogando contra uma equipe profissional com jogadores como por exemplo: Nilo (ex-Palmeiras), Fernando Sátiro (ex-São Paulo), Orlando Maia (ex-Botafogo-RJ), Waldir (ex-Corinthians), Brauner (bicampeão paulista pelo Santos), entre outros. Resultado do jogo um sonoro 8 a 1 para equipe piracicabana, em pleno campo do Santana.

A última etapa era a entrada do clube no futebol profissional. Fato este que ocorreu. E como uma bomba esta noticia foi anunciada nos jornais locais: “o Esporte Clube Santana iria disputar o Campeonato Paulista de Futebol Profissional da Terceira Divisão pela primeira vez“.

Santana debuta na Terceirona Paulista

Em julho de 1962 a equipe Itapevense estava pleiteando uma vaga junto a Federação Paulista de Futebol (FPF) para participar de seus campeonatos profissionais, em vagas deixadas por outras equipes. Tentou acessar a Segunda Divisão, entretanto, para o ano só foi possível acessar a Terceira Divisão.

O fantasma dos grandes investimentos desestimulava quem se interessava para disputa do torneio. Entretanto no ano de 1962 um fenômeno se manifestou nas cidades do sul do estado de São Paulo. As mudanças de dirigentes, novos corpos administrativos e idéias, permitiu essa nova fase no futebol regional.

Esse fenômeno se estendeu a outras cidades como: Itararé (Clube Atlético Fronteira), São Miguel Arcanjo (Esporte Clube São Miguel Arcanjo) e Capão Bonito (Ipiranga Atlético Clube) também filiaram equipes para disputa do campeonato.

Por fim o Esporte Clube Santana disputou o Campeonato Paulista da 3ª Divisão na temporada 1962-63, chegando ao octogonal final, mas sendo derrotado e terminando a competição em 8º lugar.

Já na temporada 1963-64, a equipe conseguiu acesso para disputar o Campeonato Paulista da 2ª Divisão por haver uma equipe desistente e abriu a vaga para equipe Itapevense. Nesta temporada a equipe fez sua melhor campanha finalizando o torneio na 3ª colocação.

Na temporada 1964-65, as trocas da diretoria em curto prazo de tempo prejudicaram o planejamento e desempenho da equipe cuja campanha na Segundona foi penosa, escapando do descendo nas últimas rodadas graças a vitórias importantes que deram pontos preciosos para equipe escapara da fase do rebolo.

Em 1965-66 a temporada ficou ameaçada pelos altos gastos para manter a equipe profissional e a falta de receita ameaçavam o caixa já comprometido do clube. Mesmo assim após resolver as pendências com a Federação Paulista de Futebol a equipe do Esporte Clube Santana participou do Campeonato Paulista da 2ª Divisão. Mais uma vez o desempenho da equipe não foi bom, escapando novamente do rebolo, uma vez que naquele ano esta fase não iria ocorrer.

Clube sai de cena da esfera profissional

Uma esperança surgiu na campanha da equipe da temporada de 1966-67. Com bom desempenho no 1º turno da Segundona, terminando inclusive no grupo de classificação para segunda fase.

A equipe não conseguiu manter o fôlego no returno sendo ultrapassados por outras equipes e ficando fora da fase seguinte. Assim com fim das competições profissionais o plantel da equipe foi desfeito. Ficando suspensa as atividades profissionais por tempo indeterminado. A ideia era da retomada das atividades profissionais no ano de 1970, mas isso não ocorreu.

Houve mudança no foco dos investimentos que começaram a ser voltados ao lazer e recreação dos sócios e assim findava-se os altos custos que o futebol profissional demandava.

FONTES: Acervo de Neuza Weizani – Wikipédia – Jornal O Tempo – Página do clube no Facebook: “Esporte Clube Santana – Itapeva – SP” – Blog Esporte Clube Santana

Dados de outros clubes da cidade de Moreno (PE)

Alguns clube filiados a Liga Desportiva de Moreno (LDM), na década de 80.

Nome: ABC Futebol Clube
Cores:  
Fundação: 19 de Julho de 1979
Endereço: Rua Joaquim Nabuco, nº 408 – Moreno (PE)

 

Nome: Associação Atlética 10 de Novembro
Cores: Azul, branco e vermelho
Fundação: 10 de Julho de 1976
Endereço: Moreno (PE)

 

Nome: Botafogo Futebol Clube
Cores: Preto e branco
Fundação: 20 de Julho de 1980
Endereço: Rua Antonio Vicente, nº 73 – Bonança – Moreno (PE)

 

Nome: Guarani Futebol Clube
Cores: Verde e branco
Fundação: 15 de Julho de 1975
Endereço: Rua José Hermínio de Moraes, s/n – Moreno (PE)

 

Nome: Olaria Futebol Clube
Cores: Azul e branco
Fundação: 07 de Março de 1981
Endereço: Rua Adauto Barbosa de Souza, s/n – Moreno (PE)

 

Nome: São Paulo Futebol Clube
Cores:  
Fundação:  
Endereço: Engenho Sapucaia – Moreno (PE)

 

Nome: União Esporte Clube de Moreno
Cores:  
Fundação: 10 de Agosto de 1982
Endereço: Rua Francisco Marques, nº 190 – Moreno (PE)

 

FONTES:  Blog Boleiros Moreno-PE

Foto Rara: América F.C. – Rio de Janeiro (RJ): Campeão da Taça Guanabara de 1974

TIME POSADO

EM PÉ (Da esquerda para a direita): Orlando Lelé, Geraldo, Rogério, Alex, Ivo e Álvaro;

AGACHADOS (Da esquerda para a direita): Flecha, Bráulio, Luisinho Lemos, Edu Coimbra e Gilson Nunes.

 

CAMPANHA DO MECÃO

A campanha na Taça Guanabara, foram 11 jogos, com nove vitórias, um empate e uma derrota; marcando 19 gols, sofrendo apenas quatro, um saldo de 15 gols. O América terminou com 19 pontos contra 18 do Tricolor das Laranjeiras.   

 

FLUMINENSE F.C.

0

X

1

AMÉRICA F.C.

LOCAL Estádio Mario Filho, ‘Maracanã’, no Bairro do Maracanã, na Zona Norte do Rio (RJ)
CARÁTER Final da Taça Guanabara do Rio de 1974
DATA Domingo, do dia 22 de Setembro de 1974
RENDA Cr$1.447.665,00
PÚBLICO 97.681 pagantes
ÁRBITRO José Aldo Pereira
AUXILIAR Luis Carlos Félix e Walquir Pimentel
FLUMINENSE Félix; Toninho, Assis, Bruñel e Marco Antônio; Gérson, Cléber e Carlos Alberto Pintinho; Cafuringa, Gil e Mazinho. Técnico: Carlos Alberto Parreira
AMÉRICA Rogério; Orlando, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo e Bráulio; Flecha, Luisinho, Edu Coimbra (Renato) e Gilson Nunes. Técnico: Danilo Alvim
GOLS Orlando, em cobrança de falta, aos 12 minutos (América), do 1º Tempo.

 

FONTE: Revista Placar