Arquivo da categoria: Perfis de Jogadores

Um craque de Mato Grosso – Jaburu

Nome: Gonçalo Roberto do Nascimento
Nascimento: 01/04/1948 – Cuiabá (MT) – 18/06/2004
Posição: Atacante
Período em que jogou: 1963/64 Atlético; 1965/66 Mixto; 1966 Operário; 1967 Mixto; 1968 Operário; 1969 Dom Bosco; 1970/73 Mixto; 1974 Palmeiras; 1974/76 Dom Bosco
 
Jaburu, um dos maiores atacantes da história de Mato Grosso, fez parte de grandes equipes da história do nosso futebol. Iniciou a carreira aos 15 anos, no Atlético Mato-grossense. Em 1965 teve sua primeira passagem pelo Mixto e foi campeão Cuiabano. Seu segundo título foi em 1968 pelo Operário. Em 1970 Jaburu conquista, pelo Mixto, seu terceiro título de campeão. Em 1973 foi campeão do Torneio Integração jogando pelo alvinegro. Vestiu ainda as camisas de Dom Bosco e Palmeiras do Porto. Acredita-se que Jaburu tenha feito mais de 100 gols em toda sua carreira.  
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Um craque de Mato Grosso – Carmelindo

Nome: Carmelindo Rodrigues do Nascimento
Nascimento: 23/05/1940 – Cuiabá (MT)
Posição: Zagueiro
Período em que jogou: 1958/63 Dom Bosco; 1963/64 Riachuelo; 1965/69 Riachuelo

 

Carmelindo iniciou a carreira nos aspirantes do Dom Bosco, clube que defendeu por muito tempo, se tornando um dos maiores jogadores da história do azulão. Defendeu também, por duas temporadas, o Riachuelo. Foi campeão cuiabano de 1966. 
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Um craque de Mato Grosso – Cumchum

Nome: Benedito Bom Despacho de Souza
Nascimento: 20/03/1924 – Cuiabá-MT
Posição: Zagueiro
Período em que jogou: 1947/48 Paulistano; 1949 Moto; 1950/59 Dom Bosco

 

Chumchum, grande zagueiro das décadas de 40 e 50. Começou a carreira em 1947 jogando pelo Paulistano e depois no Moto. Em 1950  foi para o Dom Bosco de onde só saiu em 1959 quando encerrou a carreira. Foi campeão cuiabano de 1958, quando o azulão conquistou seu primeiro título. 
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Um craque de Mato Grosso – Luiz Carlos Beleza

Nome: Luiz Carlos José da Silva
Nascimento: 11/03/1951 – Rio de Janeiro (RJ)
Posição: Lateral direito e esquerdo
Período em que jogou: 1969/70 Botafogo (RJ); 1971 Ceará; 1972/73 Caldense; 1973 América (MG); 1974/75 Santos; 1975 Náutico; 1976 Juventus (SP); 1976 Rio Branco (ES); 1977/84 Mixto; 1980 União; 1985/86 Dom Bosco

 

Luiz Carlos Beleza, carioca de nascimento e cuiabano de coração, começou a carreira de jogador nos juvenis do Botafogo, treinado por Zagalo. Em 1971 foi levado para atuar no Ceará, seu primeiro time como profissional e foi campeão cearense. No ano seguinte foi para a Caldense, onde jogou por duas temporadas. Em 1973 foi emprestado ao América (MG) e ganhou o Troféu Guará, como melhor lateral direito de Minas, desbancando Nelinho (Cruzeiro) e Getúlio (Atlético). Voltou para Caldense e em seguida o Santos adquiriu seu passe. Pelo clube santista jogou até 1975, onde ganhou o apelido de Beleza. Em 1976 foi para o Juventus (SP), treinado então por Milton Buzzeto, que foi treinar o Mixto meses depois. Em 1977, Buzzeto trouxe Luiz Carlos Beleza para o Mixto, começou aí a sua trajetória no futebol de Mato Grosso. Sua primeira partida pelo alvinegro foi contra o Atlético (MG) no dia 22 de janeiro. Ganhou cinco campeonatos mato-grossenses (1979/80/81/82/84). Esteve no União de Rondonópolis, por empréstimo, para disputar a Taça de Prata. Depois de oito anos pelo tigre, Beleza foi para o Dom Bosco onde encerrou a brilhante carreira em 1986. Hoje Luiz Carlos Beleza é aposentado como Oficial de Justiça e mora no CPA (bairro de Cuiabá). Mais um dos maiores jogadores da história do futebol mato-grossense.
 
 
 
Fonte: Arquivo pessoal/Luiz Carlos Beleza

Um craque de Mato Grosso – Washington

Nome:  Washington da Cunha Mattos
Nascimento: 03/08/1937 – Cuiabá(MT)
Posição: Zagueiro
Período em que jogou: 1954/55 Campinas; 1956/60 Dom Bosco; 1960/66 Atlético

 

Washington, zagueiro que jogou nas décadas de 1950 e 60. Iniciou a carreira no extinto Campinas em 1954, onde ficou por dois anos. Em 1956 foi para o Dom Bosco  por lá permaneceu por quase cinco anos. No ano de 1960, foi para o Atlético Matogrossense e no galo cuiabano ficou até 1966, ano em que o clube disputou seu último campeonato.  Foi campeão Cuiabano em 1959 (Dom Bosco) e 1960 (Atlético). Sem dúvida Washington foi um dos maiores jogadores da história do futebol cuiabano.
 
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal e Washington Mattos (Filho)

Um craque de Mato Grosso – Tatu

Nome:  Hildebrando Veridiano de Oliveira
Nascimento: 13/02/1940 – Várzea Grande (MT)
Posição: Meia Esquerda
Período em que jogou: 1955/1963 Operário; 1964/65 Dom Bosco; 1966/69 Operário

 

Hildebrando Veridiano de Oliveira, o Tatu, foi meia esquerda que iniciou a carreira no antigo Industrial do Porto, no início da década de 1950. Em 1955 atravessou a ponte para fazer história no Operário. Fez parte da equipe que pela primeira vez disputou o Campeonato Cuiabano, em 1958. Em 1964 Tatu foi para o Dom Bosco onde formou com Tom o famoso duplo T. Dois anos depois voltou para o chicote para encerrar a carreira em 1969. Ganhou dois campeonatos cuiabanos pelo Operário (1967/68). Tatu foi um dos primeiros exemplos de amor à camisa do nosso futebol, defendendo as cores do tricolor de Várzea Grande.  
 
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Um craque de Mato Grosso – Poxoréu

Nome: Antônio Carlos Alves da Silva
Nascimento: 26/09/1937 – Lençóis (BA)
Posição: Meia
Período em que jogou: 1956/60 Mixto; 1960 Atlético; 1961 Mixto; 1962 Corumbaense; 1963 Mixto; 1963/64 Operário; 1964 Mixto; 1964/65 Bandeirante (SP); 1965 Mixto; 1967/69 Operário; 1970 Palmeiras

Considerado por muitos como um dos jogadores mais habilidosos da história do futebol cuiabano, Poxoréu iniciou a carreira no Mixto em 1956. Em 1959 foi campeão cuiabano pelo alvinegro, sendo um dos grandes destaques da equipe. Em 1960 foi transferido para o Atlético Matogrossense mas logo voltou para o Mixto. Teve rápida passagem pelo Corumbaense. Em 1963 teve a primeira passagem pelo Operário de Várzea Grande. No ano seguinte, novamente o Mixto, antes de ir para São Paulo jogar no Bandeirante de Birigui. No final de 1965 Poxoréu voltou para o Mixto a tempo de enfrentar o Flamengo do Rio de Janeiro, no jogo das faixas. Em 1967 o Professor foi lecionar no Operário e ajudou a equipe se tornar o primeiro campeão do profissionalismo de Mato Grosso. Encerrou a carreira em 1970, no Palmeiras do Porto. Poxoréu nasceu na cidade de Lençóis, na Bahia, e ainda quando criança veio com a família para Mato Grosso, morar na cidade de Poxoréu. Algum tempo depois veio para Cuiabá e morou na 24 de outubro. O pessoal começou a chamá-lo de Poxoréu e o apelido pegou. Quanto a ser chamado de Professor Poxoréu, quem começou a chamá-lo assim foi o Ranulfo porque Poxoréu tratava o presidente de professor. No início dos anos 60, num jogo amistoso entre Mixto x Marítimos, Poxoréu pegou a bola e começou a “tentear” com a cabeça e parou a mesma na nuca, os jogadores adversários ficaram parados assistindo o ato e batendo palmas. Durante toda a carreira Poxoréu não ganhou muitos títulos de campeão, mas ganhou muitos amigos e era idolatrado por todos os torcedores, mesmo que de times adversários. 

 

 

 

Fonte: Glauco Marcelo/Dona Arlinda (Esposa de Poxoréu)/ Manoel de Aquino Filho (Lito)/ Arquivo Pessoal


Um craque de Mato Grosso – Mingote

Nome: Domingos de Mattos
Nascimento: 07/06/1921 – Cuiabá-MT – 13/08/2006
Posição: Meia
Período em que jogou: 1938 Comércio; 1941 Dom Bosco; 1941/51 Mixto

Mingote foi um excelente meia que desfilou seu talento na década de 1940. Começou no Comércio em 1938 e teve rápida passagem pelo Dom Bosco. Em 1941 foi para o Mixto, onde jogou até encerrar a carreira, em 1951. No ano de 1950 casou-se com Dona Adélia Maiolino e depois que parou de jogar formou-se em contabilidade, exercendo de forma brilhante seu papel de contador. Foi cinco vezes campeão Cuiabano pelo Mixto (1945/47/48/49/51). Era presença certa nas convocações para a Seleção Cuiabana.

 
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal