História do Campeonato de Acesso Paulista – Cap. IX

1955: Deu Ferrinha!

O campeonato de acesso desse ano teve como campeã a representação da Ferroviária de Araraquara. O certame contou com 24 equipes e a exemplo dos anos anteriores teve 2 fases.

A 1ª fase apresentou as equipes sendo divididas em 4 grupos, começando em meados de Outubro e se encerrando no final de Dezembro. Nessa fase as equipes jogavam entre si dentro de seus respectivos grupos. Classificavam para a 2ª fase as duas melhores equipes. Nesse ano houve a estréia do Catanduva, equipe fundada em 1953 e que lutou arduamente nos bastidores para ser incluída na divisão de acesso.  O Juventus como rebaixado da primeira divisão, mesmo não sendo campeão acabou integrando-se à elite do futebol paulista. A equipe paulistana era “forte” nos bastidores. O Ituano como campeão da terceira divisão não participou do acesso desse ano, pois a população de Itu era inferior a 50.000 habitantes.

O “Torneio dos Finalistas” começou em Janeiro de 1956 e encerrou em Abril do mesmo ano. Como no ano anterior, as equipes classificadas para a 2ª fase jogariam entre si em turno e returno e o clube que acumulasse mais pontos seria o campeão.

A primeira fase apresentou a seguinte classificação:

Setor Verde

Colocação CLUBES PG PP J V E D GP GC S
JUVENTUS 15 5 10 7 1 2 23 10 13
PORTUGUESA 14 6 10 6 2 2 20 11 9
SÃO BENTO (SOR) 14 6 10 6 2 2 20 10 10
ESTRELA DA SAUDE 8 12 10 2 4 4 18 24 -6
CORINTHIANS (SA) 5 15 10 0 5 5 5 17 -12
UNIÃO (MOGI) 4 16 10 1 2 7 6 20 -14
JOGOS REALIZADOS 30
GOLS ASSINALADOS 92
MÉDIA DE GOLS POR JOGO 3,1

Classificados: Juventus e Portuguesa, após esta eliminar o São Bento.

Setor Amarelo

Colocação CLUBES PG PP J V E D GP GC S
FERROVIÁRIA (ARQ) 15 5 10 7 1 2 43 11 32
ARARAQUARA 12 8 10 5 2 3 18 16 2
CATANDUVA 11 9 10 5 1 4 23 17 6
PAULISTA (JUN) 9 11 10 4 1 5 20 20 0
INTERNACIONAL (LIM) 8 12 10 3 2 5 15 19 8
VELO CLUBE 3 17 10 1 1 8 11 47 -36
JOGOS REALIZADOS 30
GOLS ASSINALADOS 130
MÉDIA DE GOLS POR JOGO 4,3

Classificados: Ferroviária e Araraquara

Setor Branco

Colocação CLUBES PG PP J V E D GP GC S
MARILIA 15 5 10 6 3 1 28 10 18
AMÉRICA 14 6 10 6 2 2 21 11 10
GARÇA 12 8 10 5 2 3 17 9 8
PRUDENTINA 7 13 10 3 1 6 12 20 -8
RIO PRETO 6 14 10 2 2 6 17 23 -6
ARAÇATUBA 6 14 10 2 2 6 6 28 -22
JOGOS REALIZADOS 30
GOLS ASSINALADOS 101
MÉDIA DE GOLS POR JOGO 3,4

Classificados: Marília e América

Setor Azul

Colocação CLUBES PG PP J V E D GP GC S
COMERCIAL (RP) 14 6 10 5 4 1 23 14 9
BOTAFOGO 13 7 10 6 1 3 28 13 15
BARRETOS 11 9 10 4 3 3 17 19 -2
INTERNACIONAL (BEB) 10 10 10 4 2 4 27 18 9
RADIUM 8 12 10 3 2 5 17 21 -4
FORTALEZA 4 16 10 1 2 7 10 35 -25
JOGOS REALIZADOS 30
GOLS ASSINALADOS 122
MÉDIA DE GOLS POR JOGO 4,1

Classificados: Comercial e Botafogo

O “Torneio dos Finalistas” apresentou a seguinte classificação:

Colocação CLUBES PG PP J V E D GP GC S
FERROVIÁRIA (ARQ) 24 4 14 10 4 0 44 27 17
BOTAFOGO 18 10 14 7 4 3 34 26 8
MARÍLIA 15 13 14 6 3 5 23 25 -2
AMÉRICA 15 13 14 6 3 5 23 25 -2
PORTUGUESA 12 16 14 5 2 7 22 28 -6
COMERCIAL (RP) 12 16 14 4 4 6 30 28 2
JUVENTUS 9 19 14 3 3 8 18 30 -12
ARARAQUARA 8 20 14 3 2 9 21 31 -10
JOGOS REALIZADOS 56
GOLS ASSINALADOS 215
MÉDIA DE GOLS POR JOGO 3,8

O jogo que decidiu o campeonato:

Ferroviária 6 X 3 Botafogo

Data: 15/4/1956

Local: Araraquara

Árbitro: Paulo Simões

Gols: Bazani (2), Gomes (2) e Cardoso (2) para a Ferroviária.

Fernando, Amorim e Brotério para o Botafogo.

Ferroviária: Fia; Izan e Ferracioli; Dirceu, Pixo e Elcias; Paulinho, Cardoso, Gomes, Bazani e Boquita. Técnico: Clóvis Van Dick, o Capilé.

Botafogo: Machado; Fonseca e Antonio Julião; Wilsinho, Oscar e Chorete; Laerte, Amorim, Brotério, Neco e Fernando. Técnico: Floreal Garro.

Campanha do Campeão

1ª fase – Setor Amarelo

1º turno 2º turno

16/10/55: Ferroviária 4 x 2 Paulista                       20/11/55: Paulista 1 x 1 Ferroviária

23/10/55: Catanduva 2 x 4 Ferroviária                    27/11/55: Ferroviária 0 x 1 Catanduva

30/10/55: Ferroviária 3 x 1 Internacional (L)            4/12/55: Internacional (L) 1 x 3 Ferroviária

6/11/55: Velo Clube 2 x 6 Ferroviária                    11/12/55: Ferroviária 15 x 1 Velo Clube

13/11/55: Ferroviária 5 x 0 Araraquara                 18/12/55: Araraquara 2 x 0 Ferroviária

 

2ª fase – Torneio dos finalistas

1º turno 2º turno

15/01/56: Araraquara 2 x 4 Ferroviária                11/03/56: Ferroviária 4 x 1 Araraquara

22/01/56: Ferroviária 2 x 1 Comercial                 18/03/56: Comercial 3 x 4 Ferroviária

29/01/56: Marília 2 x 2 Ferroviária                       25/03/56: Ferroviária 2 x 2 Marília

5/02/56: Ferroviária 2 x 1América                      01/04/56: América 2 x 3 Ferroviária

19/02/56: Ferroviária 5 x 2 Juventus                    08/04/56: Juventus 1 x 2 Ferroviária

26/02/56: Botafogo 2 x Ferroviária                      15/04/56: Ferroviária 6 x 3 Botafogo

4/03/56: Ferroviária 1 x 1 Portuguesa                  22/04/56: Portuguesa 4 x 5 Botafogo

Balanço Geral: Jogos: 24; Vitórias: 17; Empates: 2; Derrotas: 5; Gols marcados: 87, Gols sofridos: 38; Saldo: 49.

Equipe base do campeão

Fia; Elcias e Ferracioli, Dirceu, Pixo e Itamar; Paulinho, Cardoso, Gomes, Bazani e Boquita. Também jogaram: Basílio, Tiana, Izan, Jaime, Jarbas e Marinho. Técnico: Clóvis Van Dick, o Capilé.

Destaques: Valdomiro Barboza de Oliveira (30/6/26-?), o Fia, foi o grande responsável pela brilhante campanha da Ferroviária. Disputou 23 jogos e sofreu 34 gols. Dirceu Siqueira, na época com 25 anos fez um excelente campeonato. Formaria uma célebre dupla de meia cancha com Olegário Tolói de Oliveira (1939-), o Dudu, em 1959. João Carlos Cardoso (15/11/32-), irmão de Maria Helena antiga jogadora e técnica de basquete. Junto com Gomes formou uma dupla de ataque que infernizou os adversários. Olivério Bazani Filho (3/6/35 -13/10/2007), vindo de uma família de futebolistas, seu pai Olivério Bazani (1906-?) jogou no Corinthians e seu irmão Oliver Roberto Bazani (1941-), o Bazaninho, jogou 10 anos no São Bento de Sorocaba. Bazani chegou à Ferroviária em fins de 1954 e com apenas 20 anos já despontava como um excelente jogador. Jogou ainda no Corinthians (62/64) e retornou à sua querida Ferroviária, onde encerraria a sua brilhante carreira em 1971. Eventualmente colaborou com Ferrinha, seja na revelação de atletas ou dirigindo interinamente a equipe principal. Por tudo isso que o “Rabi” é o atleta símbolo do clube.

Curiosidades

  • Artilheiro máximo do campeonato: Cardoso (Ferroviária) com 29 gols, sendo 14 no Torneio dos Finalistas;
  • Outros goleadores: Gomes (Ferroviária) com 20 gols, Bazani (Ferroviária) e Laerte (Marília) com 17 gols, Dozinho (América) com 16 gols. Cuca (América) com 15 gols;
  • Goleiros mais vazados na primeira fase:

Francesco (Velo Clube): 32 gols, Motore (Estrela da Saúde): 25; China (Araçatuba): 24 gols, Garibaldi (Fortaleza): 22, Brazão (Radium): 21 gols;

  • Goleiros menos vazados na primeira fase:

Vilera (Juventus), Vítor (São Bento), Hugo (América), Velasco (Garça) e Zeferino (Marília): 9 gols, Ceci (Portuguesa): 11;

  • A maior goleada registrada em jogos do Acesso aconteceu no jogo Ferroviária 15 x 1 Velo Clube, realizada em 11/12/1955;
  • Equipes que se destacaram:

Botafogo: Machado; Fonseca (Vastinho) e Benedito Julião (Pavão), Wilsinho (Osvaldo) (Mário), Oscar (Chorete) e Nino (Jair); Tico (Ponce), Neco, Brotério (Amorim) Paulinho (Laerte) e Fernando (Guina). Técnico: Floreal Garro;

Marília: Zeferino (Aníbal); Teixeira (Procópio) (Nélson) e Atílio; Alzemiro (Geraldo), Zé Gonçalves (Maurinho) e Luiz Valente (Vicente); Aldo (Raul), Maércio (Zinho), Laerte (Tana), Jonas (Artur) e Henrique (Mendonça). Técnico Florindo Alves Ferreira;

América: Hugo (Dimas) (Barrela); Xatara (Hudson) e Martin; Tuca (Ambrósio), Aldo (Bertolino) e Dicão (Eraldo); Cuca (Feijão), Lero, Dozinho (Toninho), Nilsinho e Urias (Vidal). Técnicos: João Avelino e depois Bindo;

  • Seleção do Campeonato, segundo o semanário “O Mundo Esportivo”:

Fia (Ferroviária); Ditão (Juventus) e Monte (Araraquara); Rivetti (Portuguesa), Bertolino (América) e Roberto (Internacional – Limeira); Nelsinho (Barretos), Neco (Botafogo), Cardoso (Ferroviária), Bazani (Ferroviária) e Alípio (Catanduva);

  • Geraldo de Freitas Nascimento (1938-1994), o Ditão era um vigoroso zagueiro. Vindo de uma família de esportistas, seu pai – Benedito de Freitas Nascimento, o Ditão – foi zagueiro do Juventus nos anos 40. Seu irmão Gilberto (1942-?), que também era chamado de Ditão, fez relativo sucesso também como zagueiro no Flamengo nos anos 60 e chegou a ser convocado pela Seleção Brasileira. Seu outro irmão, Adilson de Freitas Nascimento (1951-2009), foi um consagrado jogador de basquete, defendendo inclusive a Seleção Brasileira nos anos 70. Já Flávio de Freitas Nascimento (1940-), foi um esforçado zagueiro que defendeu várias agremiações que disputaram a Divisão de Acesso e que costumava fazer muitos gols.

Ditão (Geraldo) foi preterido uma vez na convocação do selecionado a favor de seu mano Gilberto. Na realidade era o Geraldo que deveria ser chamado e a confusão dos nomes gerou o engano (nunca comprovado). Defendeu posteriormente a Portuguesa de Desportos e Corinthians. Encerrou a carreira em 1971;

  • Martin Mansano (1945-) (América) no meio da fase final transferiu-se para o Palmeiras onde atuaria por dois anos;
  • João Batista Carlos Dias (1935-1997), o Fioti (São Bento), fez um excelente campeonato que acabou sendo contratado pelo Santos;
  • Zaluar Torres Rodrigues (? – 1995), ficaria famoso por ter tomado o primeiro gol de Pelé no profissionalismo, defendia o Corinthians de Santo André e nesse ano tomou 17 gols;
  • Benedito Leopoldo da Silva (1935-2001), o Benê, ex-craque do S. Paulo dos anos 60 e Seleção Brasileira, despontou nesse ano no Paulista;
  • No Torneio dos Finalistas, dois dos goleiros que atuavam eram argentinos: Bonelli (Comercial) e Vilera (Juventus). Bonelli atuou no ano seguinte no São Paulo;
  • Joel de Souza Martins (1930-?) (São Bento) foi o maior artilheiro da história do São Bento no período profissional. Veio do Fluminense onde havia sido campeão carioca em 1951;
  • Revelação do Campeonato: Bazani (Ferroviária).

Trabalho que contou com a colaboração do Júlio Diogo

Ferroviaria

Em pé da esquerda p/ direita: Capilé (técnico), Fia, Izan, Ferracioli, Dirceu, Pixo e Elcias.

Agachados na mesma ordem: Paulinho, Cardoso, Gomes, Bazani e Boquita

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *