Arquivo da categoria: 01. Sérgio Mello

Rio Tinto Esporte Clube – Rio Tinto (PB): Fundado em 1928

O Rio Tinto Esporte Clube foi uma agremiação do Município de Rio Tinto, localizado na Região Metropolitana de João Pessoa (PB). Situado a 52 km da capital, conta com uma população de 24.176 habitantes, segundo o IBGE/2019.

O “Tricolor Riotintense” foi Fundado no domingo, do dia 05 de Agosto de 1928, por funcionários da Fábrica Rio Tinto, na Vila Rio Tinto, no Município de Mamanguape (Rio Tinto ganhou status de município na quinta-feira, do dia 06 de dezembro de 1956).

Time posado de 1976

O 1º Presidente foi o desportista Raimundo de Oliveira e o primeiro técnico foi o Sr. Miguel Florêncio. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Municipal Comendador Arthur Lundgren. As suas cores: amarelo, branco e azul.

O Rio Tinto esteve presente esfera profissional duas vez: disputou o Campeonato Paraibano da 1ª Divisão de 1952. A sua última aparição aconteceu em 1991, quando participou do Torneio Integração, ficando na “Chave dos Amadores“, que teve ainda as presenças do Confiança de Sapé e do Industrial de Ingá, saindo ainda na 1ª fase.

Antigo prédio do Rio Tinto Esporte Clube, onde hoje funciona uma igreja.

Time base de 1952: João Carlos; Braga e Sabino (Jaime); Arnobio (Raimundo), Ranulfo e Cordeiro (Lulu); Mario (Raspadinho), Zé Paulino (Manoel), Cancio (Zé Domingues), Araújo (Rafael) e Zé Pirralho (Bimbarra).

Time base de 1953: João Carlos; Braga e Sabino; Arnobio, Ranulfo e Cordeiro; Mario, Zé Domingues, Zé Paulino, Cancio e Araújo.

Time base de 1956: Mascote; Lamparina e Deda; Ranulfo, Quincas e Dui; Dé, Zé Domingues (Dedé), Vadinho, Vavá e Canindé.

Colaborou: Eduardo Cacella

FONTE: Futebol Nacional – Wikipédia – Jornal O Norte (PB) – Acervos Júnio da Locadora David  e Jose Carlos de Andrade Andrade

UNIRB Futebol Clube – Alagoinhas (BA): Título invicto da Série B e acesso inédito à Elite do Futebol Baiano em 2021!

O caçulinha UNIRB Futebol Clube de Alagoinhas, com menos de dois anos de existência, conquistou, de forma invicta, o título do Campeonato Baiano de Futebol da Segunda Divisão de 2020, organizado pela Federação Baiana de Futebol (FBF). A competição contou com a participação de seis clubes:

Associação Atlética Teixeira de Freitas (Teixeira de Freitas);

Associação Desportiva Jequié (Jequié);

Barcelona Futebol Clube (Ilhéus);

Canaã Esporte Clube (Irecê);

Colo Colo de Futebol e Regatas (Ilhéus); 

UNIRB Futebol Clube (Salvador).

O regulamento funcionou assim: as equipes se enfrentaram em turno único e os dois primeiros colocados avançariam para a final em dois jogos. Caso os resultados fossem iguais, o grande campeão seria decidido na disputa de pênaltis. Apenas o campeão disputará o Campeonato Baiano da 1ª Divisão em 2021.   

1ª Rodada

25/10/20UNIRB2X2BarcelonaEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
25/10/20Canaã*3X0Teixeira de FreitasEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)
25/10/20Jequié2X2Colo ColoEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do Canaã foi por W.O.

2ª Rodada

1º/11/20Barcelona0X0CanaãEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
1º/11/20Teixeira de Freitas0X3Jequié*Estádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
1º/11/20Colo Colo0X1UNIRBEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)

* Vitória do Jequié foi por W.O.

3ª Rodada

08/11/20UNIRB3X1JequiéEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
08/11/20Barcelona3X0Teixeira de FreitasEstádio Eliel Martins (Riachão do Jacuípe)
08/11/20Canaã0X1Colo ColoEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

4ª Rodada

18/11/20Teixeira de Freitas0X3Colo ColoEstádio Antonio Rodrigues Santana (Teixeira de Freitas)
18/11/20Jequié3X1BarcelonaEstádio Waldomiro Borges (Jequié)
18/11/20Canaã0X0UNIRBEstádio Joviniano Dourado Lopes (Irecê)

5ª Rodada

22/11/20Colo Colo4X1BarcelonaEstádio Lomanto Júnior (Vitória da Conquista)
22/11/20UNIRB3X0Teixeira de FreitasEstádio Antonio Carneiro (Alagoinhas)
22/11/20Jequié2X1CanaãEstádio Waldomiro Borges (Jequié)

* Vitória do UNIRB foi por W.O.

Após cinco rodadas, o UNIRB avançou para a final, terminando na 1ª colocação com 11 pontos, com três vitórias e dois empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos. O Colo Colo também se classificou para a decisão, ficando na 2ª posição com 10 pontos, com três vitórias, um empate e uma derrota; marcando 10 gols, sofrendo quatro, com saldo de seis tentos.

Decisão

 O 1º jogo aconteceu no domingo, do dia 19 de novembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Mário Pessoa, em Ilhéus. Num jogo truncado, a partida entre o Colo Colo e UNIRB terminou empatado sem abertura do placar.

COLO COLO (BA)  0 X 0 UNIRB F.C. (BA)

LOCALEstádio Mário Pessoa, em Ilhéus (BA)
CARÁTER1º jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 19 de novembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROReinaldo Silva de Santana
AUXILIARESEdevan de Oliveira Pereira e Daniella Coutinho Pinto
4º ÁRBITROJosué Reis de Jesus Junior
5º ÁRBITROLuanderson Lima dos Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Carlos Magno (UNIRB)
COLO COLONilton; José, Carlão (Gomes), Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola (Arthur), Jean e Bravo; Du (Adnael) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira (ex-zagueiro do Flamengo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho (Fausto), Rogério Patrik (Rondallys) e Elcarlos; Rodrigues (Carlos Magno) e Clebson (Tanaka). Técnico: Laelson Lopes
GOLNenhum

O 2º e derradeiro jogo aconteceu no último domingo, do dia 06 de dezembro de 2020, às 15 horas, no Estádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas. A partida foi disputada e tanto o UNIRB quanto o Colo Colo não conseguiram furar a forte marcação do adversário.

Dessa forma o jogo terminou sem gols e, consequentemente, o grande campeão seria conhecido na disputa de pênaltis. O UNIRB venceu o Colo Colo por 4 a 2, conquistando o inédito título e acesso para a Elite do Futebol Baiano em 2021.

O time campeão foi o dono da melhor campanha da competição. Em sete jogos disputados, foram 13 pontos (três vitórias e quatro empates; marcando nove gols, sofrendo três, com saldo de seis tentos) conquistados em uma campanha invicta.

Fundado em 2018, o UNIRB FC disputou sua primeira competição profissional em 2019. Um ano depois, o clube comemora seu primeiro título e o cobiçado acesso.

UNIRB F.C. (BA) 0 X 0 COLO COLO (BA) 

LOCALEstádio Antônio Carneiro, em Alagoinhas (BA)
CARÁTERÚltimo jogo da final do Campeonato Baiano da 2ª Divisão de 2020
DATAdomingo, do dia 06 de dezembro de 2020
HORÁRIO15 horas
PÚBLICOPortões fechados
ÁRBITROMoises Ferreira Simao
AUXILIARESCarlos Vidal Pereira de Oliveira e Jose dos Santos Amador
4º ÁRBITROEziquiel Sousa Costa
5º ÁRBITROWesley Silva Santos
CARTÕES AMARELOSWaguinho e Clebson (UNIRB);  Gomes, Bravo, Renan e Joadson Bola (Colo Colo)
UNIRBThiago Passos; Carlinhos (Leandro Santos), Dedé, Fernando e Izaldo; Waguinho, Rogério, Patrik (Carlos Magno, depois Marcelo) e Elcarlos; Tanaka (Rodrigues) e Clebson. Técnico: Laelson Lopes
COLO COLONilton; José, Gomes, Renan e Henrique Santos; Mychel, Joadson Bola, Welton (Arthur) e Bravo; Josemar (Du) e Pedro (Felipe). Técnico: Índio Ferreira
GOLNenhum
PÊNALTIS UNIRB converteu quatro cobranças, enquanto o Colo Colo apenas duas vezes.

O técnico Laelson Lopes com o troféu da Segunda Divisão Baiana de 2020

Artilharia:

3 gols – Rodrigo (Jequié);

2 gols – Walson (UNIRB); Acosta (Barcelona); Pedro e Du (Colo Colo); Uenis (Jequié);

1 gol – Dedé, Maycon, Marcelo e Elcarlos (UNIRB); Victor Leandro, Kleiton, Arnold, Tatu e Tchu (Barcelona); Bravo, Felipe, Carlão, Henrique Santos, Mychel e Adnael (Colo Colo); William, Neto e Elenílson (Jequié); Luccas (Canaã);

FONTES: Federação Baiana de Futebol (FBF) – Site e página do clube

Escudo Raro de 1958: URT de Patos de Minas (MG)

A U.R.T. (União Recreativa dos Trabalhadores) é uma agremiação da cidade de Patos de Minas (MG). Após uma reunião de amigos, foi Fundado no domingo, do dia 09 de Julho de 1939. O seu 1º Presidente foi Júlio Fernandes, eleito no mesmo dia da fundação e empossado no dia 5 de Agosto do mesmo ano.

A sua Sede está localizada na Rua Joaquim das Chagas, nº 688, no bairro da Várzea, em Patos de Minas. A equipe manda os seus jogos no Estádio Zama Macial, “Arena DB – DanBred“, com capacidade para 4.858 pessoas.

A URT conseguiu suas principais conquistas nos anos de 1999 e 2000: o bicampeonato da Taça Minas Gerais. Com isso, assegurou sua participação nas edições de 2000 e 2001 da Copa do Brasil. Em 2000, estreou contra uma grande equipe: o Fluminense, do Rio de Janeiro, e só perdeu no Maracanã, tendo conseguido um empate no Zama Maciel por 1 a 1, gol de Ditinho. Em 2001, a URT foi eliminada pelo Mixto de Cuiabá, logo na 1ª fase.

Esse escudo fez parte do clube, pelo menos, entre 1958 a 1960

Em 2005 foi a 3ª colocada no Campeonato Mineiro, tendo como presidente Romero Meira, ficando atrás apenas do Ipatinga e do Cruzeiro. Em 2006, o clube novamente participou da Copa do Brasil, após a grande campanha no Campeonato Mineiro de 2005. Na estreia, jogou contra o Londrina e classificou-se a 2ª fase, vencendo os paranaenses no primeiro jogo por 3 x 2 no Estádio Zama Maciel e empatando no Estádio do Café. Na 2ª fase, o clube jogou contra outro time grande, o Santos Futebol Clube, dentro de casa, e perdeu por 3 a 1, sendo eliminado. O autor do gol da equipe foi Ditinho.

Ditinho é um dos maiores ídolos da história da “veterana“. Foi artilheiro por duas vezes do Campeonato Mineiro da 1ª Divisão em 1999 e 2000, digno de estar eternizado nas bandeiras do nossa maior torcida, a “TOPA“.

O principal rival da equipe é o Esporte Clube Mamoré. Também mantém rivalidades com o Uberaba Sport Club, Associação Atlética Caldense e Uberlândia Esporte Clube.

Estádio Zama Maciel

FONTES: Site do clube – Wikipédia – Manchete Esportiva

Escudo e uniforme, redesenhados: Sérgio Mello

3º Escudo Raro – 1929: Associação Atlética Ponte Preta – Campinas (SP)

Associação Atlética Ponte Preta é uma agremiação da cidade de Campinas, interior do estado de São Paulo. A “Macaca” foi Fundada no sábado, do dia 11 de Agosto de 1900, por um grupo de estudantes do Colégio Culto à Ciência passava suas tardes jogando bola em campos improvisados de um bairro de nome curioso: Ponte Preta. Na época, a ferrovia municipal havia construí­do uma ponte de madeira naquela região e a obra, para que pudesse ser melhor conservada, foi tratada com piche.

Em 11 de agosto, aqueles jovens apaixonados por futebol se reuniram para fundar o que se tornaria a primeira equipe de futebol do Brasil em funcionamento ininterrupto, nascida pelas mãos (e pelos pés) do capitão João Vieira da Silva, de Theodor Kutter, de Hermenegildo Wadt e de Nicolau Burghi, patronos da instituição. As suas cores são preto e branco.

atleta Bino, da A.A. Ponte Preta, em 1929

É o time mais antigo do estado de São Paulo e o 2º clube mais antigo do Brasil, sendo também um dos times pioneiros do futebol nacional a contar com jogadores negros em seu elenco, o que então destoava do elitismo do esporte em seus primórdios no Brasil.

Conhecido popularmente como “Macaca“, o time atua em seu próprio estádio, o Moisés Lucarelli, com capacidade para 17.728 espectadores. Seu maior rival é o Guarani, com quem faz o Dérbi Campineiro, uma das maiores rivalidades do futebol paulista e do futebol brasileiro.

Ponte é uma das equipes mais tradicionais do futebol brasileiro e é o clube do interior paulista que mais cedeu jogadores para a Seleção Brasileira em Copas do Mundo. Revelou grandes craques como, Dicá, Oscar, Carlos, Polozzi, Juninho, Manfrini, Sabará, Ciasca, Nenê Santana, Chicão, Nelsinho Baptista, Waldir Peres, Fábio Luciano, André Cruz, Brigatti, Alexandre Negri, Luís Fabiano, Adrianinho, Aranha, entre outros.

FONTES: Wikipédia – Site da A.A. Ponte Preta

COLABORARAM: Jorge Farah – Rodrigo Oliveira

FOTO: Acervo de Fernando Pereira da SilvaPágina do Facebook “Amigos do Museu do Esporte de Campinas”

Escudo inédito!! Tacaruna Futebol Clube – Recife (PE): Disputou a Segunda e Terceira Divisões na década de 40

O Tacaruna Futebol Clube foi uma agremiação da cidade de Recife (PE). O Tricolor (Vermelho, branco e preto) foi Fundado no dia 12 de Abril de 1931, por funcionários da Fábrica de Tecidos Tacaruna. A sua sede e o campo ficavam na Estrada de Belém, 1799, no bairro de Campo Grande (Sítio Novo), Zona Norte do Recife.

Três anos depois, no dia 06 de Março de 1934, se filiou a Associação Suburbana de Desportos Terrestres (ASDT). Na quinta-feira, do dia 05 de setembro de 1940, inaugurou o seu campo, Parque Esportivo da Estrada Velha ou, simplesmente Campo de Salgadinho’, localizado no Salgadinho (O distrito de Salgadinho era parte do território de Bom Jardim. Com a criação do município de João Alfredo, Salgadinho passou a ser distrito da nova cidade. Foi elevado à categoria de município com a denominação de Salgadinho, pela lei estadual, 4.974,de 20 de dezembro de 1963).

Já constituído com sede, campo e categorias de base, o Tacaruna se tornou uma força respeitável, na Segunda Divisão Pernambucana. Em 1941, se filiou a Federação Pernambucana de Desportos (FPD). No mesmo ano disputou o Campeonato da 3ª Divisão, sendo campeão da Zona Norte e depois da 3ª Divisão de 1943, vencendo na decisão o Guanabara (vencedor da Zona Sul), por 7 a 1.

Tricampeão do Campeonato da 3ª Divisão de 1941-42-43 (Segundos Quadros). Depois veio o título do Torneio Início da 2ª Divisão de 1944. Também se sagrou campeão do Campeonato da Zona Norte de 1953. Depois, decidiu o título contra o Locomoção (vencedor da Zona Sul) e conquistou o título da temporada ao vencer opor 2 a 0, com gols de Tará aos 25 minutos e Zequinha aos 35 minutos, ambos da fase final.

Na decisão do Segundos Quadros, foi a vez do Locomoção dar o troco e conquistar o caneco ao derrotar o Tacaruna por 3 a 1. Ao longo da sua existência, o Tacaruna realizou diversos amistosos estaduais, municipais e nacional. Alguns jogos pinçados:

Domingo, 02 de Novembro de 1941 – 15hs (amistoso) – Tacaruna 3  x 4 Santa Cruz

Domingo, 27 de Setembro de 1942 – 15hs (amistoso) – Tacaruna 1  x 3 Sport Recife

Quinta-feira, 08 de Junho de 1944 – 15hs (amistoso) – Tacaruna 1  x 3 Santa Cruz

A primeira crise do Tacaruna ocorreu na terça-feira, do dia 09 de setembro de 1952, quando teve uma assembleia geral para definir se o clube seria paralisado, extinto, licenciado ou modificar a administração do clube. A decisão foi a mudança da diretoria. Contudo, o Tacaruna passou a diminuir as suas participações até desaparecer na década de 60.

Time-base de 1940: Bude; Espicha (Lula) e Alcides (Camaleão); Roldão (Waldeck), Wilson e Robson; Braga (Mario), Folgazão, Baptista (Zé Pequeno), Euclydes e Leonel (Tarzan).

Time-base de 1942: Lula; Guaberão e Palito; Rato, Orlandino e Soares; Cancio,Castelar, Tonhão, Capuco e Bio.

Time-base de 1943: Eladio; Guaberão e Palito (Alcides); Espicha (Enedino), Wilson e Luiz Pretinha; Cancio (Sérgio), Itaguari (Castelar), Tonhão, Capuco e Lula (Nicinho). Técnico: Antonio Rodrigues de Oliveira

Time-base de 1953: Julião; Amaro e Zito; Lero, Pretinha e Louro; Zequinha, Tará, Tim e Adalberto.

FONTES: Jornal de Recife – A Província – Diário de Pernambuco – Manchete Esportiva – Acervo de Gabriel Santos

Esporte Clube Sauassú – Aracruz (ES): Existiu de 1954 a 1992

O Esporte Clube Sauassú (atual: Esporte Clube Aracruz) é uma agremiação do município de Aracruz (ES). Situado a 83 km da capital (Vitória), a localidade conta com uma população de 103.101 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2020. A sua Sede fica na Rua Padre Luiz Parenzi, nº 369, no Centro de Aracruz.

O “Dragão Vermelho” foi Fundado no sábado, do dia 12 de Junho de 1954, com o nome Esporte Clube Sauassú, em homenagem ao antigo distrito que hoje é a sede do Município.

No começo a ideia foi criar um time amador para disputar a  prática de esportes da região. A 1ª Diretoria foi constituída com os seguintes membros: F. Souza Neto, Artêmio Modenesi, Aurício Modenesi, Pedro Tonon, Francisco Monteiro Bermudes, João Paulo de Barcelos e Otacílio Bermudes.

Em 1956, por doação do benemérito Eugênio Antônio Bitti, o Sauassú recebeu uma área de mais de 29 mil m² para a construção de sua praça esportiva, por anos chamada de Estádio do Bambu, em função do fato de que era toda cercada pela referida planta.

No final dos anos 80, o espaço recebeu alvenaria e jogos amadores, principalmente contra Mariano, rival na época. Pela primeira vez como clube profissional, o Sauassú se sagrou campeão do Campeonato Capixaba da 2ª Divisão, em 1990, organizado pela Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo.

Em 1993, já com o nome novo: Esporte Clube Aracruz, decidiu o título do Campeonato Capixaba da 1ª Divisão, contra o extinto Linhares Esporte Clube. Acabou ficando com o vice-campeonato.

 Após o único rebaixamento de sua história, em 1994, paralisou suas atividades nos anos de 1995 e 1996, retornando ao Campeonato Capixaba de 1997, mais uma vez se tornando inativo de 2001 a 2006. Retornou às disputas em 2007, quando participou, sem êxito, da 2ª Divisão do Campeonato Capixaba.
Em 2010, novo retorno, vindo a se sagrar campeão Capixaba da Segunda Divisão invicto, derrotando na final a equipe do Estrela do Norte, de Cachoeiro de Itapemirim (ES).

Em 2011, com boa campanha, quase chegou à vaga nas semifinais da 1ª divisão estadual, deixando o sonho de ser campeão estadual mais uma vez adiado.
Em 2012 veio o melhor momento da histórica do clube. O Aracruz foi 2° colocado na 1ª fase do Capixabão, chegando às semifinais contra o Vitória e às finais contra o Conilon, de Jaguaré.

Tendo em vista que o Estádio “Eugênio A. Bitti” não comportava a capacidade de público mínima de 5 mil pessoas, a diretoria teve que correr contra o tempo para que as reformas necessárias fossem cumpridas num prazo de uma semana, tempo concedido após a ciência que participaria da grande decisão do Campeonato.

Com problemas quanto à quantidade de operários nas obras de ampliação, insuficientes, tendo em vista que o prazo somente seria cumprido se o trabalho continuasse durante a madrugada, membros da torcida organizada Dragão Vermelho colocaram a “mão na massa” onde se construía a extensão das arquibancadas e passaram a trabalhar para que o sonho de realizar a grande final em casa fosse literalmente concretizado.

Com a obra concluída e o estádio autorizado pelos órgãos governamentais, o Aracruz derrotou o Conilon no dia 05 de maio de 2012 pelo placar de 4 a 1, sendo campeão do Campeonato Capixaba da 1ª Divisão pela primeira vez, com um público de 5 mil pagantes. Em razão dessa conquista, disputou o Campeonato Brasileiro da Série D de 2012, ficando em 3° lugar em seu grupo, mas não avançando de fase.

Em janeiro de 2013, disputou contra a Desportiva Ferroviária a Copa dos Campeões do Espírito Santo, sagrando-se novamente campeão pelo placar de 2 a 1. No mesmo ano, disputou a Copa do Brasil, vindo a ser eliminado, na 1ª fase, pelo Joinville (SC), após empatar em casa por 1 a 1 e a perder em Santa Catarina por 1 a 0.

Ainda em 2013, o Dragão foi mais bem classificado na 1ª fase do Campeonato Capixaba da 1ª Divisão, garantindo a vaga para o Campeonato Brasileiro da Série D do mesmo ano, classificando para as semifinais contra o Real Noroeste, de Águia Branca (ES).

Após perder por 2 a 1 fora, ganhou a partida de volta por 4 a 2, passando novamente à grande final, contra a Desportiva. Desta vez, porém, após empatar por 1 a 1 o jogo de ida em Cariacica, o Aracruz perdeu, em casa, por 2 a 1, razão pela qual ficou com o vice-campeonato.

O resultado contra os grenás, porém, não retirou do Dragão o título de maior público acumulado, mais de 22 mil pagantes, e maior renda acumulada do Estado, mais de 220 mil reais. Outra vez na disputa do Campeonato Brasileiro da Série D, o clube não logrou êxito, vindo a ser eliminado novamente na 1ª fase.

Em 2014, o Aracruz desiste de participar do Campeonato Capixaba e fica suspenso pelo período de um ano. No retorno a uma competição oficial, o Aracruz empata em 1 a 1 com o Rio Branco (ES), no Estádio do Bambu na estreia do Campeonato Capixaba da Série B de 2018.

O Dragão goleia o Vilavelhense por 3 a 0, em casa, e classifica-se para as semifinais com três rodadas de antecedência. Nas semifinais, o Aracruz é eliminado pelo Estrela do Norte e não consegue o acesso à Série A.

O Aracruz foi convidado a participar da Série A, de 2019 após desistência do Espírito Santo, porém recusa e também não participa da Série B de 2019, entrando novamente em inatividade.

FONTES: Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo – site do clube – Wikipédia – Manchete Esportiva

“Clássico do Rio Negro”: Brasil x Uruguai – 104 anos de tradição! Escudos e uniformes em 1916

O “Clássico do Rio Negro! Assim é conhecido no continente Sul-americano o jogo entre a Seleção Brasileira e o Uruguai, com 104 anos de grandes partidas, com diversos ingredientes como suor, sangue, lágrimas e emoções.

Uniforme pelo Brasil utilizado em 1916

Uniforme pelo Uruguai utilizado em 1916

Ao longo da história (contando com a vitória do Brasil por 2 a 0, nesta noite, em 17/11/2020, em Montevidéu), foram 77 jogos, com 37 vitórias para o Brasil, com 20 empates e 20 derrotas; 138 gols pró, 97 tentos contra; um saldo pomposo de 41 gols.

Sem nenhuma dúvida, é um dos maiores clássicos do futebol mundial. Tanto a Seleção Canarinho quanto La Celeste Olímpica são campeãs mundiais, campeãs sul-americana e campeões olímpicas, formados por jogadores renomados e campeões por todo o mundo, como Pelé, Schiaffino, Garrincha, Francescoli, Jairzinho, Álvaro Recoba, Nílton Santos, Diego Forlán e Luis Suárez, entre tantos outros craques.

A Seleção Uruguaia dominou o mundo na década de 1920 tendo suplantado às grandes moldes por ter sido a primeira seleção com futebol técnico e categoria, em vez do futebol de cruzamentos e chutões que dominava a Europa.

Já a Seleção Brasileira foi o que melhor dominou a arte do Esporte Bretão, levando à mestria o futebol técnico, o chamado Futebol-Arte, que valendo-se da categoria, improvisação, gingas e dribles, priorizava o ofensivo e o ataque.

O futebol brasileiro reencontrou seu auge após a Copa do Mundo de 1994, voltando a ser o mais temido e reverenciado do planeta. O Futebol uruguaio entrou em decadência na Década de 1990, porém nós últimos anos tem voltado ao seu auge sobretudo devido a ótima campanha na Copa do Mundo de 2010 e o título conquistado na Copa América de 2011, continuando a ser grande e respeitado, prosseguindo uma história de muita rivalidade com o Brasil, cheia de decisões, brigas, craques e gols, muitos gols.

Abaixo a ficha-técnica do Primeiro jogo entre as duas seleções, que aconteceu no domingo, do dia 12 de Julho de 1916, válido pelo 1º Campeonato Sul-Americano de futebol, realizado na Argentina. O Uruguai venceu, de virada, por 2 a 1.

BRASIL 1 x 2 URUGUAI

DATAEstádio do Club Gimnasia y Esgrima, em Buenos Aires (ARG)
CARÁTERCampeonato Sul-Americano de 1916
DATADomingo, do dia 12 de julho de 1916
PÚBLICO20 mil pagantes
ÁRBITROCarlos Fanta (Chile)
BRASILCasemiro, Orlando Pires e Nery; Lagreca, Sidney Pullen e Galo; Luiz Menezes, Alencar, Friedenreich, Mimi Sodré e Arnaldo. Ground Committeé: Joaquim de Souza Ribeiro, Benedicto Montenegro, Mário Sérgio Cardim e Sylvio Lagreca (capitão).
URUGUAISaporiti; Varela e Foglino; Germán Pacheco, Delgado e Vanzzino; Somma, Tognola, Pendibene, Gradín e Romano. Técnico: Jorge Germán Pacheco.
GOLSFriedenreich, aos 16 minutos (Brasil), no 1º Tempo. Gradin, aos 16 minutos (Uruguai); Tognola, aos 30 minutos (Uruguai),no 2º Tempo.

Menos de uma semana depois, em amistoso, as duas seleções voltaram a se enfrentar. No sábado, do dia 18 de Julho de 1916, o Uruguai recebeu a Seleção Brasileira, em Montevidéu (URU). Dessa vez, o selecionado Canarinho venceu pelo placar de 1 a 0, gol de Mimi Sodré (então, jogador do Botafogo Football Club). Abaixo a ficha-técnica do Segundo jogo entre as duas seleções e a 1ª vitória do Brasil.   

URUGUAI 0 x 1 BRASIL

LOCALEstádio Parque Central, em Montevidéu (URU)
CARÁTERAmistoso em 1916
DATASábado, do dia 18 de julho de 1916
PÚBLICO8 mil pagantes
ÁRBITROCarlos Fanta (Chile)
BRASILMarcos de Mendonça, Osny e Carlito; Amílcar, Lagreca e Facchini; Luiz Menezes, Alencar, Friedenreich, Mimi Sodré e Arnaldo. Ground Committeé: Joaquim de Souza Ribeiro, Benedicto Montenegro, Mário Sérgio Cardim e Sylvio Lagreca (capitão).
URUGUAICastro; Urdinarán e Foglino; Olivieri, Harley e Pascuariello; Pérez, Dacal, Broncini, Scarone e Bracchi. Técnico: Juan Harley (capitão).
GOLMimi Sodré, aos 12 minutos (Brasil), no 2º Tempo.

FONTES: Wikipédia – site da CBF

Tamoyo Football Club (atual: Tamoyo E.C.) – Cabo Frio (RJ): 1º escudo entre 1915 a 1918

Hoje o Tamoyo Esporte Clube completa 105 de existência!

Uma breve história desta simpática agremiação que fica na cidade de Cabo Frio, na Região dos Lagos no estado do Rio de Janeiro. A sua atual Sede está localizado na Avenida Nilo Peçanha, nº 153, no Centro da cidade.

Fundado no sábado, do dia 15 de Novembro de 1915, com o nome de Tamoyo Football Club. Na década seguinte alterou a nomenclatura para “Tamoyo Sport Club“. Na década de 40, com o aportuguesamento de boa parte dos clubes, a agremiação cabofriense passou a se chamar: Tamoyo Esporte Clube, que perdura até os dias atuais.  

O Tamoyo possui um histórico expressivo em duas modalidades esportivas: Futebol e o Futsal (antigo Futebol de Salão), onde é considerado um dos clubes mais tradicionais do Estado. Em 2015, ano em que completou seu centenário, disputou o Campeonato Estadual sub-20.

No campo, possui diversos títulos do Campeonato Citadino de Cabo Frio. No âmbito estadual, nos anos de 1941 (terminando na 5ª colocação, no geral) e 1942, o Tamoyo participou do Campeonato Fluminense de Futebol.

Na esfera profissional, o clube participou em três oportunidades do Campeonato Carioca da 3ª Divisão, organizado pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ): 1982, 1983 e 1985.

FONTES: Wikipédia – Site do Clube – Acervo de Marcelão Marcelo Santos (ex-goleiro da Cabofriense)